PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático | semana de 31 de agosto de 2015

ADS

Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático: Informações para o estudo pessoal

As seguintes perguntas serão consideradas na Escola do Ministério Teocrático na semana de 31 de agosto de 2015.

1. Que verdades que fortalecem a fé em Jeová Deus são encontradas na oração de Salomão, e como meditar nessas verdades nos beneficia? (1 Reis 8:22-24, 28) [6 de jul., w05 1/7 p. 30 § 3]

1 Reis 8:22-24

22 Então Salomão ficou de pé diante do altar de Jeová, perante toda a congregação de Israel, estendeu as mãos para os céus+ 23 e disse: “Ó Jeová, Deus de Israel, não há Deus igual a ti+ nos céus, em cima, nem na terra, embaixo; tu guardas o pacto e demonstras amor leal+ aos teus servos que andam diante de ti de todo o coração.+ 24 Tu cumpriste a promessa que fizeste ao teu servo Davi, meu pai. Fizeste a promessa com a tua própria boca, e hoje a cumpriste com a tua própria mão.+

1 Reis 8:28

28 Agora, presta atenção à oração e ao pedido de favor do teu servo, ó Jeová, meu Deus, e escuta o clamor por ajuda e a oração que o teu servo faz hoje diante de ti.

Destaques do livro de Primeiro dos Reis

8:22-53. Que apreço de coração Salomão demonstrou a Jeová — Deus de benevolência, Cumpridor de promessas e Ouvinte de orações! Meditar na oração que Salomão fez ao inaugurar o templo aumentará nosso apreço por esses e outros aspectos da personalidade de Deus.

2. Como o exemplo de Davi de andar “com um coração íntegro” nos encoraja a fazer o mesmo? (1 Reis 9:4) [13 de jul., w12 15/11 p. 7 §§ 18-19]

1 Reis 9:4

4 Se você andar diante de mim assim como andou Davi,+ seu pai, com um coração íntegro+ e com retidão,+ fazendo tudo o que lhe ordenei,+ e, se você obedecer aos meus decretos e às minhas decisões judiciais,+

“Ensina-me a fazer a tua vontade”

18, 19. (a) Embora Davi fosse imperfeito, o que o ajudou a se manter no favor de Deus? (b) O que você está decidido a fazer?
18 Embora tenha sido exemplar em muitos sentidos, Davi cometeu vários pecados graves. (2 Sam. 11:2-4, 14, 15, 22-27; 1 Crô. 21:1, 7) No curso de sua vida, porém, ele se arrependia quando pecava. Davi andava perante Deus “com integridade de coração”. (1 Reis 9:4) Por que podemos dizer isso? Porque Davi procurava agir em harmonia com a vontade de Jeová.
19 Mesmo imperfeitos, podemos nos manter no favor de Jeová. Com esse objetivo, é bom estudar diligentemente a Palavra de Deus, meditar a fundo no que aprendemos e aplicar com determinação o que guardamos no coração. Fazer isso é como se orássemos a Jeová da mesma forma que o salmista, que humildemente pediu: “Ensina-me a fazer a tua vontade.”

3. Que lição vital aprendemos do relato sobre Jeová enviar Elias à viúva de Sarefá? (1 Reis 17:8-14) [27 de jul., w14 15/2 p. 14]

1 Reis 17:8-14

8 Então ele recebeu a seguinte palavra de Jeová: 9 “Vá imediatamente a Sarefá, no território de Sídon, e fique lá. Eu mandarei que uma viúva de lá o supra de alimento.”+ 10 Assim, ele foi a Sarefá. Quando chegou à entrada da cidade, encontrou uma viúva ajuntando gravetos. Ele a chamou e disse: “Por favor, traga-me um pouco de água num copo para que eu beba.”+ 11 Quando ela estava indo buscar a água, ele a chamou e disse: “Por favor, traga-me um pedaço de pão.” 12 Então ela disse: “Tão certo como vive Jeová, seu Deus, não tenho pão, só tenho um punhado de farinha num jarro grande e um pouco de azeite num jarro pequeno.+ Estou ajuntando uns gravetos e vou para casa fazer algo para mim e o meu filho. Vamos comer e depois morrer.”
13 Então Elias lhe disse: “Não tenha medo. Vá para casa e faça o que você disse. Mas primeiro faça-me um pequeno pão redondo com o que você tem e traga-o para mim. Depois pode preparar alguma coisa para você e o seu filho. 14 Pois assim diz Jeová, o Deus de Israel: ‘A farinha no jarro grande não se esgotará, e o azeite no jarro pequeno não acabará, até o dia em que Jeová fizer chover sobre o solo.’”+

A viúva de Sarefá foi recompensada por sua fé

pouco de água, mas conseguir pão já não seria tão fácil.
Ela respondeu: “Assim como vive Jeová, teu Deus, não tenho [pão], mas tenho um punhado de farinha num jarro grande e um pouco de azeite numa bilha pequena; e eis que estou ajuntando uns gravetos, e tenho de ir e fazer algo para mim e para meu filho, e vamos ter de comê-lo e morrer.” (1 Reis 17:12) O que essa conversa revela?
A viúva identificou Elias como um israelita que servia a Deus. Ela disse: “Assim como vive Jeová, teu Deus.” Parece que a viúva tinha algum conhecimento sobre o Deus de Israel, mas não a ponto de chamar Jeová de “meu Deus”. Ela morava em Sarefá, cidade fenícia que, pelo visto, era dependente de Sídon. É bem provável que os habitantes de Sarefá fossem adoradores de Baal. Ainda assim, Jeová tinha visto algo especial nessa mulher.
Embora morasse entre idólatras, a viúva de Sarefá demonstrou ter fé em Jeová. Deus se preocupou tanto com o bem-estar dela, quanto com o bem-estar de Elias, quando o enviou a Sarefá. Isso nos ensina uma importante lição.
Nem todos os adoradores de Baal que moravam em Sarefá eram totalmente ruins. Por enviar Elias à viúva, Jeová mostrou que repara nas pessoas de coração sincero que ainda não servem a Ele. Realmente, “em cada nação, o homem que o teme e que faz a justiça lhe é aceitável”. — Atos 10:35.
Quantas pessoas em seu território talvez sejam como a viúva de Sarefá? Embora estejam rodeadas por adeptos da religião falsa, pode ser que elas desejem algo melhor. Talvez tenham pouco ou nenhum conhecimento sobre Jeová e, por isso, vão precisar de ajuda para seguir a adoração verdadeira. Você está tentando encontrar e ajudar essas pessoas?
‘PRIMEIRO, FAÇA PARA MIM UM PEQUENO PÃO REDONDO’
Pense bem no que Elias pediu à viúva. Ela havia acabado de dizer que só tinha o suficiente para uma última refeição antes que ela e seu filho morressem de fome. Mesmo sabendo disso, o que Elias falou? “Não tenhas medo. Entra, segundo a tua palavra. Apenas faze-me primeiro daquilo que houver um pequeno [pão] redondo e tens de trazer-mo para fora, e depois podes fazer alguma coisa para ti e para teu filho. Pois assim disse Jeová, o Deus de Israel: ‘O próprio jarro grande de farinha não se esgotará, e a própria bilha pequena de azeite não ficará carente até o dia em que Jeová der um aguaceiro sobre a superfície do solo.’” — 1 Reis 17:11-14.
‘Abrir mão de nossa última refeição? Nem pensar!’, diriam alguns. Mas essa viúva não reagiu assim. Apesar de não conhecer bem a Jeová, ela acreditou no que Elias disse e fez o que ele pediu. Que enorme prova de fé — e como foi sábia a decisão que essa mulher tomou!
Deus não abandonou aquela viúva pobre. Assim como Elias prometeu, Jeová multiplicou aqueles poucos mantimentos para que ela, seu filho e Elias tivessem o que comer até a seca passar. De fato, “o próprio jarro grande de farinha não se esgotou, e a própria bilha pequena de azeite não ficou carente, segundo a palavra de Jeová, que ele havia falado por intermédio de Elias”. (1 Reis 17:16; 18:1) Se essa mulher tivesse tomado outra decisão, o pequeno

4. Como meditar no relato de 1 Reis 17:10-16 fortalece nossa determinação de confiar plenamente em Jeová? [27 de jul., w14 15/2 pp. 13-15]

1 Reis 17:10-16

10 Assim, ele foi a Sarefá. Quando chegou à entrada da cidade, encontrou uma viúva ajuntando gravetos. Ele a chamou e disse: “Por favor, traga-me um pouco de água num copo para que eu beba.”+ 11 Quando ela estava indo buscar a água, ele a chamou e disse: “Por favor, traga-me um pedaço de pão.” 12 Então ela disse: “Tão certo como vive Jeová, seu Deus, não tenho pão, só tenho um punhado de farinha num jarro grande e um pouco de azeite num jarro pequeno.+ Estou ajuntando uns gravetos e vou para casa fazer algo para mim e o meu filho. Vamos comer e depois morrer.”
13 Então Elias lhe disse: “Não tenha medo. Vá para casa e faça o que você disse. Mas primeiro faça-me um pequeno pão redondo com o que você tem e traga-o para mim. Depois pode preparar alguma coisa para você e o seu filho. 14 Pois assim diz Jeová, o Deus de Israel: ‘A farinha no jarro grande não se esgotará, e o azeite no jarro pequeno não acabará, até o dia em que Jeová fizer chover sobre o solo.’”+ 15 Portanto, ela foi e fez o que Elias disse; e ela, o profeta e a família dela tiveram o que comer por muitos dias.+ 16 A farinha no jarro grande não se esgotou, e o azeite no jarro pequeno não acabou, segundo a palavra que Jeová havia falado por meio de Elias.

A viúva de Sarefá foi recompensada por sua fé

A viúva de Sarefá foi recompensada por sua fé
UMA viúva pobre abraça seu filho, seu único filho. Ela não consegue acreditar no que está vendo. Pouco antes, ela havia abraçado carinhosamente o corpo sem vida do menino. Mas agora, olha emocionada para seu filho ressuscitado, que sorri para ela. ‘Veja’, diz seu hóspede, ‘seu filho está vivo’.
Esse evento comovente aconteceu há quase 3 mil anos. Você pode encontrar esse relato em 1 Reis, capítulo 17. O hóspede é o profeta Elias. E quem é a mãe? É uma viúva da cidade de Sarefá, de quem a Bíblia não menciona o nome. Para essa mulher, a ressurreição de seu filho foi um dos momentos que mais fortaleceram sua fé. Se prestarmos atenção ao que essa viúva fez, poderemos aprender importantes lições.
ELIAS ENCONTRA UMA VIÚVA QUE TINHA FÉ
Jeová determinou um longo período de seca em todo o território governado por Acabe, o perverso rei de Israel. Depois de Elias ter anunciado que a seca aconteceria, Deus o escondeu do rei e milagrosamente usou corvos para levar pão e carne ao profeta. Então, Jeová disse a Elias: “Levanta-te, vai a Sarefá, que pertence a Sídon, e lá tens de morar. Eis que lá hei de mandar [que] uma mulher, uma viúva, . . . te supra de alimento.” — 1 Reis 17:1-9.
Quando Elias chegou a Sarefá, avistou uma viúva pobre apanhando madeira. Talvez ele tenha pensado: ‘Será que essa é a mulher de quem Jeová falou? Como é que ela vai me dar alimento, sendo tão pobre?’ Mesmo que tivesse dúvidas, Elias começou a conversar com a mulher: “Por favor, dá-me um gole de água . . . para que eu beba.” Quando ela estava indo buscar a água, Elias disse: “Por favor, traze-me um pedaço de pão.” (1 Reis 17:10, 11) Para a viúva, não era difícil conseguir um pouco de água, mas conseguir pão já não seria tão fácil.
Ela respondeu: “Assim como vive Jeová, teu Deus, não tenho [pão], mas tenho um punhado de farinha num jarro grande e um pouco de azeite numa bilha pequena; e eis que estou ajuntando uns gravetos, e tenho de ir e fazer algo para mim e para meu filho, e vamos ter de comê-lo e morrer.” (1 Reis 17:12) O que essa conversa revela?
A viúva identificou Elias como um israelita que servia a Deus. Ela disse: “Assim como vive Jeová, teu Deus.” Parece que a viúva tinha algum conhecimento sobre o Deus de Israel, mas não a ponto de chamar Jeová de “meu Deus”. Ela morava em Sarefá, cidade fenícia que, pelo visto, era dependente de Sídon. É bem provável que os habitantes de Sarefá fossem adoradores de Baal. Ainda assim, Jeová tinha visto algo especial nessa mulher.
Embora morasse entre idólatras, a viúva de Sarefá demonstrou ter fé em Jeová. Deus se preocupou tanto com o bem-estar dela, quanto com o bem-estar de Elias, quando o enviou a Sarefá. Isso nos ensina uma importante lição.
Nem todos os adoradores de Baal que moravam em Sarefá eram totalmente ruins. Por enviar Elias à viúva, Jeová mostrou que repara nas pessoas de coração sincero que ainda não servem a Ele. Realmente, “em cada nação, o homem que o teme e que faz a justiça lhe é aceitável”. — Atos 10:35.
Quantas pessoas em seu território talvez sejam como a viúva de Sarefá? Embora estejam rodeadas por adeptos da religião falsa, pode ser que elas desejem algo melhor. Talvez tenham pouco ou nenhum conhecimento sobre Jeová e, por isso, vão precisar de ajuda para seguir a adoração verdadeira. Você está tentando encontrar e ajudar essas pessoas?
‘PRIMEIRO, FAÇA PARA MIM UM PEQUENO PÃO REDONDO’
Pense bem no que Elias pediu à viúva. Ela havia acabado de dizer que só tinha o suficiente para uma última refeição antes que ela e seu filho morressem de fome. Mesmo sabendo disso, o que Elias falou? “Não tenhas medo. Entra, segundo a tua palavra. Apenas faze-me primeiro daquilo que houver um pequeno [pão] redondo e tens de trazer-mo para fora, e depois podes fazer alguma coisa para ti e para teu filho. Pois assim disse Jeová, o Deus de Israel: ‘O próprio jarro grande de farinha não se esgotará, e a própria bilha pequena de azeite não ficará carente até o dia em que Jeová der um aguaceiro sobre a superfície do solo.’” — 1 Reis 17:11-14.
‘Abrir mão de nossa última refeição? Nem pensar!’, diriam alguns. Mas essa viúva não reagiu assim. Apesar de não conhecer bem a Jeová, ela acreditou no que Elias disse e fez o que ele pediu. Que enorme prova de fé — e como foi sábia a decisão que essa mulher tomou!
Deus não abandonou aquela viúva pobre. Assim como Elias prometeu, Jeová multiplicou aqueles poucos mantimentos para que ela, seu filho e Elias tivessem o que comer até a seca passar. De fato, “o próprio jarro grande de farinha não se esgotou, e a própria bilha pequena de azeite não ficou carente, segundo a palavra de Jeová, que ele havia falado por intermédio de Elias”. (1 Reis 17:16; 18:1) Se essa mulher tivesse tomado outra decisão, o pequeno pão redondo feito com a farinha e o azeite restantes poderia ter sido sua última refeição. Mas ela teve fé, confiou em Jeová e alimentou Elias primeiro.
O que aprendemos disso? Aprendemos que Deus abençoa os que mostram ter fé nele. Então, se você demonstrar ter fé quando sua integridade for provada, Jeová vai cuidar de você. Ele será seu Provisor, Protetor e Amigo, e vai ajudá-lo a lidar com as provações. — Êxo. 3:13-15.
Em 1898, a revista Zion’s Watch Tower (A Torre de Vigia de Sião) fez a seguinte aplicação da história da viúva: “Se a mulher tivesse a fé necessária para obedecer, então seria considerada digna de receber a ajuda do Senhor por meio do Profeta; se ela não exercesse tal fé, é possível que outra viúva que mostrasse ter fé fosse escolhida. Assim se dá conosco; nas várias etapas da jornada da vida, o Senhor nos leva a uma situação onde nossa fé é provada. Se exercermos fé, nós receberemos uma bênção; se não, perderemos essa bênção.”
Toda vez que enfrentamos uma provação, precisamos buscar a orientação divina contida nas Escrituras e em nossas publicações bíblicas. Daí, devemos agir de acordo com a orientação de Jeová, mesmo que aceitá-la seja difícil. Com certeza, seremos abençoados se agirmos conforme este sábio provérbio: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” — Pro. 3:5, 6.
‘CHEGASTE PARA FAZER MORRER MEU FILHO’
A fé da viúva seria novamente posta à prova. O relato bíblico continua: “Depois destas coisas, aconteceu que o filho da mulher, dona da casa, ficou doente, e a sua doença tornou-se tão severa que não sobrou nele fôlego.” A mãe, aflita e procurando uma explicação para essa tragédia, disse a Elias: “Que tenho eu contigo, ó homem do verdadeiro Deus? Chegaste a mim para lembrar-me do meu erro e para fazer morrer meu filho.” (1 Reis 17:17, 18) O que essas palavras de angústia significam?
Será que a mulher se lembrou de algum pecado que perturbava sua consciência? Será que ela pensou que a morte do seu filho tinha sido um castigo divino e que Elias era o mensageiro da morte enviado por Deus? A Bíblia não entra em detalhes, mas uma coisa é certa: em nenhum momento a viúva acusou a Deus de ser injusto.
Elias deve ter ficado muito abalado quando soube da morte do menino e quando percebeu que a viúva relacionou a presença dele com aquele acontecimento trágico. Depois de carregar o corpo inerte do menino para o quarto no terraço da casa, Elias exclamou: “Ó Jeová, meu Deus, é também à viúva com que resido como forasteiro que tens de trazer prejuízo, fazendo-lhe morrer o filho?” Para o profeta, era insuportável pensar que falariam mal do nome de Deus se Ele permitisse que essa mulher bondosa e hospitaleira sofresse ainda mais. Então, Elias implorou a Jeová que fizesse o menino voltar a viver. — 1 Reis 17:20, 21.
‘VEJA, SEU FILHO ESTÁ VIVO’
Jeová escutou a oração de Elias. A viúva tinha cuidado do profeta de Deus e demonstrado ter fé. Pelo visto, Deus não interferiu na doença do menino porque sabia que a ressurreição dessa criança — a primeira ressurreição registrada nas Escrituras — daria esperança às gerações futuras. Depois da súplica de Elias, Jeová trouxe o menino de volta à vida. Imagine a felicidade da viúva quando Elias disse: “Vê, teu filho está vivo”! Daí, a viúva disse a Elias: “Agora sei deveras que és homem de Deus e que a palavra de Jeová na tua boca é verdadeira.” — 1 Reis 17:22-24.
O relato de 1 Reis, capítulo 17, não diz mais nada a respeito da viúva. Mas, como Jesus falou dela de modo positivo, é possível que ela tenha se tornado uma serva fiel de Jeová. (Luc. 4:25, 26) A história dessa viúva nos ensina que Deus abençoa os que fazem o bem a seus servos. (Mat. 25:34-40) Além disso, prova que Deus cuida de seus servos fiéis, mesmo quando passam por situações muito difíceis. (Mat. 6:25-34) Esse relato também deixa claro que Jeová tem a vontade e o poder de ressuscitar os mortos. (Atos 24:15) Certamente, essas são ótimas razões para nos lembrarmos da viúva de Sarefá.

5. Como podemos seguir o exemplo de Elias em lidar com sentimentos de desespero? (1 Reis 19:4) [3 de ago., ia pp. 102-103 §§ 10-12; w14 15/3 p. 15 §§ 15-16]

1 Reis 19:4

4 Em seguida, entrou no deserto e caminhou durante um dia. Ao encontrar uma giesta-das-vassouras, sentou-se debaixo dela e pediu para morrer.* Ele disse: “Já chega! Agora, ó Jeová, tira a minha vida,*+ pois não sou melhor do que os meus antepassados.”

Ele foi consolado pelo seu Deus

10, 11. (a) Qual o significado da oração que Elias fez a Jeová? (b) Usando os textos citados, descreva os sentimentos de outros servos fiéis de Deus que ficaram abatidos.
10 Desesperado, Elias orou a Jeová pedindo para morrer. Ele disse: “Não sou melhor do que os meus antepassados.” Ele sabia que seus antepassados eram apenas pó e ossos na sepultura. Não podiam fazer nada por ninguém. (Ecl. 9:10) Elias se sentia tão inútil quanto eles. Não é de admirar que tenha clamado: “Basta!” Em outras palavras, por que continuar vivendo?
11 Deveríamos ficar chocados de saber que um homem de Deus ficou tão abatido assim? Não necessariamente. A Bíblia fala de muitos homens e mulheres fiéis que ficaram tão tristes que desejaram morrer — entre esses estão Rebeca, Jacó, Moisés e Jó. — Gên. 25:22; 37:35; Núm. 11:13-15; Jó 14:13.
12. Se algum dia você se sentir muito desanimado, como poderá imitar o exemplo de Elias?
12 Hoje vivemos em “tempos críticos, difíceis de manejar”. Por isso, não nos surpreende que muitos, até mesmo servos fiéis de Deus, às vezes se sintam desanimados. (2 Tim. 3:1) Se você algum dia se sentir assim, siga o exemplo de Elias: derrame seu coração a Deus. Afinal, Jeová é “o Deus de todo o consolo”. (Leia 2 Coríntios 1:3, 4.) Será que ele consolou Elias?

Como manter uma atitude positiva

15. Como Deus garantiu a Elias que o profeta ainda tinha valor para Ele?
15 Mas o Todo-Poderoso encarava Elias de modo diferente. Elias não perdeu o valor para Deus, e Jeová tomou medidas para que o profeta tivesse certeza disso. Ele enviou um anjo para fortalecer Elias. Também providenciou comida e bebida que o sustentariam para sua viagem de 40 dias até o monte Horebe, ao sul. Deus também corrigiu bondosamente a ideia errada de Elias de que nenhum outro israelita havia permanecido fiel a Jeová. Além disso, Deus deu novas designações a Elias, as quais ele aceitou. Ele se beneficiou da ajuda de Jeová e retomou seu trabalho como profeta com energia renovada. — 1 Reis 19:5-8, 15-19.
16. Quais são algumas formas como Jeová tem sustentado você?
16 O exemplo de Elias pode ajudar você a verificar se está na fé e a ter uma atitude positiva. Primeiro, pense nas formas como Jeová o tem sustentado. Será que um de seus servos, talvez algum ancião ou outro cristão maduro, ajudou você em algo que estava precisando? (Gál. 6:2) Tem sido fortalecido espiritualmente pela Bíblia, por nossas publicações cristãs e pelas reuniões congregacionais? Da próxima vez que você se beneficiar de uma dessas maneiras, tenha em mente Aquele que está por trás dessa ajuda e faça a Ele uma oração de agradecimento. — Sal. 121:1, 2.

6. Qual foi a reação de Jeová ao ver seu fiel profeta Elias em desespero, e como podemos imitar nosso amoroso Deus? (1 Reis 19:7, 8) [3 de ago., w14 15/6 p. 27 §§ 15-16]

1 Reis 19:7, 8

7 Mais tarde o anjo de Jeová veio pela segunda vez, tocou nele e disse: “Levante-se e coma, senão você não aguentará a viagem.” 8 Assim, ele se levantou, comeu e bebeu, e, fortalecido por aquele alimento, andou 40 dias e 40 noites até chegar a Horebe, o monte do verdadeiro Deus.+

Você vê as fraquezas humanas como Jeová vê?

15 Como Jeová se sentiu ao ver seu fiel profeta desesperado? Será que ele rejeitou Elias porque seu servo estava deprimido e tinha perdido a coragem? Claro que não! Jeová levou em conta as limitações de Elias e enviou um anjo. Por duas vezes o anjo incentivou Elias a comer. Assim, a viagem seguinte não seria “demais para [ele]”. (Leia 1 Reis 19:5-8.) Sim, mesmo antes de dar qualquer orientação, Jeová escutou seu profeta e tomou medidas práticas para lhe dar forças.
16, 17. Como podemos ajudar nossos irmãos, imitando o modo como Jeová ajudou Elias?
16 Como podemos imitar nosso amoroso Deus? Não devemos nos apressar em dar conselhos. (Pro. 18:13) Seria melhor primeiro mostrar empatia aos que se acham ‘menos honrosos’ por causa de suas circunstâncias pessoais. (1 Cor. 12:23) Por fazer isso estaremos em melhores condições de ajudá-los de acordo com suas reais necessidades.

7. Que ponto de vista errado o rei Acabe tinha, e como os cristãos hoje podem evitar cometer esse mesmo erro? [10 de ago., lv pp. 164-165, quadro; w14 1/2 p. 14 §§ 3-4]

Seja honesto em todas as coisas

MENTIRAS SATÂNICAS SOBRE PECADOS GRAVES
Quando se trata de pecados graves, Satanás gostaria muito que você acreditasse em algumas mentiras que são perigosas. Felizmente, os cristãos não desconhecem as “maquinações” do Diabo. (Efésios 6:11) Vejamos três dessas mentiras.
“Podemos esconder nossos pecados.” Na verdade, Jeová vê tudo o que fazemos. “Todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos daquele com quem temos uma prestação de contas.” (Hebreus 4:13) Se Jeová conhece os fatos e nós vamos prestar contas a ele pelo que fazemos, por que aumentar nossa culpa por tentar esconder dos seus servos humanos um pecado grave? — Veja também 2 Samuel 12:12.
“Os anciãos não são confiáveis, então não conte nada a eles.” O iníquo Rei Acabe se dirigiu a Elias da seguinte forma: “Inimigo meu.” (1 Reis 21:20) Visto que Elias era profeta de Jeová em Israel, Acabe poderia ter sido ajudado por ele e obtido o perdão. Na congregação cristã, Jesus provê “dádivas em homens”, os anciãos. (Efésios 4:8) Embora imperfeitos, os anciãos ‘vigiam sobre as nossas almas’, isto é, cuidam de nosso bem-estar espiritual. (Hebreus 13:17) Eles não são nossos inimigos, mas sim o meio que Jeová usa para nos ajudar.
“Você estará protegendo um amigo se ajudá-lo a esconder seus pecados.” A verdade é que nós estaríamos prejudicando muito o pecador se o ajudássemos a esconder seus pecados. Cometer pecados graves é sinal de que a pessoa está espiritualmente doente; ocultar esses pecados é como esconder de um médico qualificado os sintomas de uma doença grave. (Tiago 5:14, 15) O transgressor talvez tenha medo de ser disciplinado, mas a disciplina é uma expressão do amor de Jeová e pode até mesmo salvar a vida dele. (Provérbios 3:12; 4:13) Além disso, o pecador que não mostra arrependimento pode representar um verdadeiro perigo para outros na congregação. Você gostaria de contribuir para que outros sejam afetados pela atitude errada que levou o transgressor ao pecado? (Levítico 5:1; 1 Timóteo 5:22) Portanto, faça o necessário para que o pecador leve o assunto aos anciãos da congregação.

Você vê as fraquezas humanas como Jeová vê?

15 Como Jeová se sentiu ao ver seu fiel profeta desesperado? Será que ele rejeitou Elias porque seu servo estava deprimido e tinha perdido a coragem? Claro que não! Jeová levou em conta as limitações de Elias e enviou um anjo. Por duas vezes o anjo incentivou Elias a comer. Assim, a viagem seguinte não seria “demais para [ele]”. (Leia 1 Reis 19:5-8.) Sim, mesmo antes de dar qualquer orientação, Jeová escutou seu profeta e tomou medidas práticas para lhe dar forças.
16, 17. Como podemos ajudar nossos irmãos, imitando o modo como Jeová ajudou Elias?
16 Como podemos imitar nosso amoroso Deus? Não devemos nos apressar em dar conselhos. (Pro. 18:13) Seria melhor primeiro mostrar empatia aos que se acham ‘menos honrosos’ por causa de suas circunstâncias pessoais. (1 Cor. 12:23) Por fazer isso estaremos em melhores condições de ajudá-los de acordo com suas reais necessidades.

8. O que podemos aprender do pedido que Eliseu fez a Elias, e como isso pode nos ajudar quando recebemos uma nova designação no serviço do Reino? (2 Reis 2:9, 10) [17 de ago., w03 1/11 p. 31 §§ 5-6]

2 Reis 2:9, 10

9 Assim que tinham atravessado, Elias disse a Eliseu: “Diga o que devo fazer por você antes de eu ser levado embora.” Eliseu disse: “Por favor, dê-me uma porção dupla*+ do seu espírito.”+ 10 Ele respondeu: “Você pediu uma coisa difícil. Se você me vir quando eu for levado embora, acontecerá o que pediu; mas, se não me vir, não acontecerá.”

Perguntas dos Leitores

Elias sabia que Eliseu havia pedido algo que só Deus podia dar. De modo que Elias respondeu modestamente: “Pediste uma coisa difícil. Se me vires quando eu te for tirado, então te acontecerá assim.” (2 Reis 2:10) Deveras, Jeová permitiu que Eliseu visse Elias subir num vendaval. (2 Reis 2:11, 12) Concedeu-se a Eliseu o seu pedido. Jeová deu-lhe o espírito de que precisava para assumir a sua nova tarefa e enfrentar as provações que viriam.
Atualmente, cristãos ungidos (às vezes chamados de classe de Eliseu) e os servos de Deus em geral podem obter muito encorajamento desse relato bíblico. Podemos às vezes sentir-nos sobrepujados e inadequados diante duma nova designação, ou podemos perder um pouco da coragem para continuar com a pregação do Reino, quando nos confrontamos com crescente indiferença ou oposição em nosso território. No entanto, se implorarmos a Jeová que nos dê apoio, ele nos dará espírito santo conforme precisarmos para lidar com os desafios e as novas circunstâncias. (Lucas 11:13; 2 Coríntios 4:7; Filipenses 4:13) De fato, assim como Jeová fortaleceu Eliseu para assumir maiores responsabilidades, ele ajudará todos nós, jovens e idosos, a realizar o nosso ministério. — 2 Timóteo 4:5.

9. Como os jovens podem imitar a fé e a coragem da menina israelita mencionada em 2 Reis 5:1-3? [24 de ago., w12 15/2 pp. 12-13 § 11]

2 Reis 5:1-3

5 Naamã, chefe do exército do rei da Síria, era um homem de destaque que era respeitado pelo seu senhor, pois por meio dele Jeová tinha dado vitória* à Síria. Ele era um guerreiro valente, embora fosse leproso.* 2 Num dos seus ataques contra a terra de Israel, os sírios tinham levado cativa uma menina, que se tornou serva da esposa de Naamã. 3 Ela disse à sua senhora: “Seria tão bom se o meu senhor visitasse o profeta+ que está em Samaria! Ele o curaria da sua lepra.”+

“Sê corajoso e muito forte”

11. Que efeito as corajosas palavras de uma menina israelita tiveram na vida de certo homem?
11 No décimo século AEC, as corajosas palavras de uma menina israelita beneficiaram um leproso. Capturada por uma guerrilha, ela havia se tornado serva do chefe do exército sírio, Naamã, que tinha essa doença. Sabendo dos milagres que Jeová realizara por meio de Eliseu, ela disse à esposa de Naamã que, se Naamã fosse a Israel, o profeta de Deus o curaria. Naamã foi a Israel, foi curado milagrosamente e tornou-se adorador de Jeová. (2 Reis 5:1-3, 10-17) Se você é um jovem que ama a Deus, como essa menina, ele pode lhe dar a coragem para dar testemunho a professores, colegas e outros.

10. Que qualidades de Jeú todos os servos de Jeová deveriam se esforçar em imitar neste tempo do fim? (2 Reis 10:16) [31 de ago., w11 15/11 p. 5 § 4]

2 Reis 10:16

16 Depois disse: “Venha comigo e veja como não tolero infidelidade* para com* Jeová.”+ Assim, Jeú o levou no seu carro de guerra.

Jeú defende a adoração pura

Você sem dúvida reconhece que algumas circunstâncias que cercam os cristãos atuais requerem que eles manifestem certas qualidades de Jeú. Por exemplo, como devemos reagir se formos tentados a fazer algo que Jeová condena? Devemos rejeitar isso de maneira imediata, corajosa e resoluta. Quando se trata de nossa devoção a Deus, não podemos tolerar nenhuma rivalidade para com Jeová.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search