O que é que o termo "Demasiado grande para falhar" quer dizer?

O slogan "grande demais para falir" é usado para descrever as instituições financeiras, acreditadas-se ser tão crítico para a saúde econômica que eles não podem falhar se eles desenvolvem problemas financeiros. Quando tais entidades parecem estar em apuros, apoio do governo pode ser fornecido para ajudá-los a corrigir o problema e restabelecer-se. Durante a crise financeira da década de 2000, quando a ajuda do governo de grandes empresas e indústrias foram usadas na tentativa para estabilizar a economia, a política económica de intervir para evitar o fracasso das empresas chaves tornou-se um tema de muita discussão e debate. Existem vários argumentos para trás a idéia de um negócio ser grandes demais para falir. A primeira é que algumas empresas são tão grandes, eles podem fazer uma parte significativa de um sector económico, e sua falha pode causar o sector dormir, prejudicar a economia. Além disso, o fracasso de empresas grandes e pequenas tem potencial para derrubar outros negócios com eles, como todas as empresas mantêm um relacionamento profissional com parceiros como fornecedores. Quando desaparece uma importante fonte de ordens, uma pequena empresa pode ficar confusos, e é criado um efeito de ondulação.
Além disso, o fracasso de grandes empresas é visto como um golpe à confiança dos consumidores. Quando uma empresa é grande demais para falir, desempenha um papel proeminente e os investidores podem contar com a sorte da empresa como um termômetro para a economia. Se a empresa falhar, investidores podem entrar em pânico, puxe para fora outros investimentos e criar mais problemas econômicos.
Os críticos do conceito argumentam que nenhum negócio deve ser tão grande que pode causar danos econômicos, se ele sai do negócio. Estes críticos dizem que a melhor maneira de lidar com falhas de grande empresa seria limitá-los quebrando empresas acima, impedindo-os de ficar muito grandes e permitindo que as empresas a falhar se eles estão em dificuldades económicas. Uma abordagem de sobrevivência do mais apto para o bem-estar económico argumenta que as empresas não devem ser recompensadas por estar à beira da falência, com a assistência do governo.
A aplicação do "grandes demais para falir" foi um pouco irregular aos olhos de alguns críticos. Algumas grandes empresas que podem ter esperado o apoio do governo foram autorizadas a falhar, enquanto outros não foram. Os críticos apontaram o apoio seletivo para empresas específicas e sectores económicos e sugeriram que interferiu com as operações do mercado livre e minou a confiança dos investidores.