PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Tony Dallara

ADS

Mensagens românticas

30 de junho de 1936
Antonio Lardera, este é o verdadeiro nome do cantor Tony Dallara, nasceu em Campobasso, em 30 de junho de 1936. Último dos cinco filhos, nasceu em uma família dedicada à música, seu pai Battista no passado era uma corista no La Scala, em Milão. A mãe de Lucy foi empregada em uma família rica da capital lombarda. Gerado em Milão, após a escolaridade obrigatória começou a trabalhar como garçonete. Começa então a profissão de Secretário, mas logo a paixão por música assume: começou a cantar em várias bandas, incluindo "Montanhas rochosas" (mudando o nome para "amostras"), com o qual ele realiza em Milão. Tony naquela época é um grande admirador de Frankie Laine e o grupo "The Platters"; É precisamente a maneira de cantar de Tony WIlliams (cantor de "Pratos") que Tony é inspirada, compondo canções em grupo típico triplet. Em suma, obtém os primeiros contratos para pagos à noite: o primeiro de algum significado é a "Santa Tecla", onde se apresentou por duas mil Liras por noite (para compartilhar com o grupo). Aqui ele conheceu e confrontar outra emergente cena musical de milanese, incluindo Adriano Celentano.
Em 1957, ele foi contratado como um menino entrega o rótulo "Música": o chefe Walter Guertler ouve cantar caso, está interessado e descobre a atividade paralela de Tony, como cantor; ir para ouvir a Santa Tecla e propõe a ele e ao grupo um contrato. É nesta ocasião que ele sugeriu que o nome de palco "Dallara" porque a música é considerada que um sobrenome pouco Lardera afeta 45 rodadas dentre os cavalos do grupo, "como antes". Esta canção..--cujas letras são escritas por Mario Panzeri-tinha sido apresentado no Festival de Sanremo em 1955, mas passar a seleção. O 45 rpm "como antes" é publicado no final de 1957: em pouco tempo chegou ao topo das paradas e ali permaneceu por várias semanas. Vai vender mais de 300.000 cópias (recordes de vendas na época) e tornando-se um símbolo da música italiana dos anos 50. Além da beleza objetiva da canção, parte do crédito por esse sucesso vai para Tony Dallara técnica de canto: é a ele que devemos a introdução do termo "shouters", que identifica os muitos cantores que dali em diante (e até o início ' 60) escolherá uma técnica interpretativa com grande voz, expressado em uma singela e desprovida de enfeites típicos de cantar puramente melódica.
Musicalmente e cantando, em seguida, tradição melódica italiana desanexa Dallara Claudio Villa, Tajoli, Tala, em vez disso ligando para as novas tendências de Domenico Modugno ou Adriano Celentano. Voar para Nova York: graças ao seu talento, é contratado para cantar no Carnegie Hall e fazer um show com Perry Cuomo; Infelizmente, deve voltar para a Itália porque a chamado para fazer o serviço militar. Avellino durante o carro (centro de treinamento do recruta) conhece a jovem pianista Franco Bracardi. No final de 1958 e 1959 Dallara publica muitos sucesso 45 rpm: "Eu vou-te dizer", "Shiver", "gelo quente", "Julia". Em 1959, também executa dois filmes: "Agosto, senhoras não sei vocês" por Guido Malatesta (com Memmo Carotenuto e Raffaele Pisu), e "Eu ragazzi del jukebox" por Lucio Fulci (com Betty Curtis, Fred Buscaglione, Gianni Meccia e Adriano Celentano).
Participou no Festival di Sanremo com Renato Rascel em 1960, ganhando com a canção "romântico". No mesmo ano executa dois mais filmes, "Sanremo, o grande desafio" por Piero Vivarelli (com Teddy Reno, Domenico Modugno, Sergio Bruni, Joe Sentieri, Gino Santercole, Adriano Celentano, Renato Rascel e Odoardo Spadaro) e "o Teddy Boys della Canzone" por Domenico Paolella (com Delia Scala, Tiberio Murgia, Ave Ninchi, Teddy Reno e Mario Carotenuto). Volta a Sanremo em 1961 teamed com Gino Paoli, apresentando a canção "um homem vivo." Vince "Canzonissima" com "baby, baby", que será o último de seus grandes sucessos. Desde 1962 deixa o gênero que o levou ao sucesso, pisando até uma música mais melódica, com o qual no entanto não consegue repetir os grandes números de vendas dos anos anteriores. Tente começar de Sanremo, participando novamente em 1964: jogando com Ben e. King canta "Como eu poderia esquecer", mas não chega na final. Audiência gostos mudaram-se sobre o fenômeno "beat" e, apesar de continuar a gravar novas canções para 60 todos os anos, a Dallara não será volta nas paradas.
Lentamente até a rádio e televisão parecem esquecê-lo. Retira-se do mundo da música dos anos 70 para se dedicar a sua outra grande paixão, pintura: exibe suas pinturas em várias galerias e ganhou o respeito e a amizade de Renato Guttuso. Só na 80 Dallara volta dos anos para retomar a cantora ao vivo, animando algumas noites-especialmente no Verão-graças ao crescente desejo por avivamento que segue o país. Seus antigos sucessos não aparece desbotada, tanto assim que ele decidiu reinciderli com novos arranjos modernos. Ao longo de sua carreira que ele tem cantado em vários idiomas, incluindo japonês, espanhol, alemão, grego, francês e turco, ganhando prêmios em centenas de países estrangeiros.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS