Biografia de Stefan Edberg

Um anjo no objetivo

19 de janeiro de 1966
Tenista sueco Stefan Edberg nasceu em 19 de janeiro de 1966, em um prédio modesto de Vastevik, a cidade provincial de 22.000 habitantes. Seu pai é um policial. O Stefan pequeno, tímido e educado, na idade de sete anos, ele começou a participar de um dos campos de ténis municipais. Com sua primeira raquete na mão, ele admira na televisão a estrela em ascensão do tenista sueco Bjorn Borg. Em 1978, ele ganhou a mais importante corrida, o sueco Stefan Edberg menores de 12 anos. Em seguida, o treinador, antigo Percy Rosberg, convence o rapaz a desistir de aperto de duas mãos: desde então, o backhand e o backhand melhor tiros tornam-se testamentos Stefan. Na final do torneio de 16 anos de "Avvenire" (Milão), Edberg quinze anos é espancado pelo forte australiano Pat Cash. Pela primeira vez na história do tênis, em 1983, um cara ganha um Grand Slam, todos os quatro grandes torneios do mundo, na categoria Júnior: Stefan Edberg.
Um fato curioso e irônico: a conferência de imprensa para Wimbledon, Stefan diz: "meu pai é um criminoso" (meu pai é um criminoso), provocando uma perplexidade geral. Stefan na verdade quis dizer que o pai era agente da Divisão Criminal. Em Gotemburgo, em 1984, Stefan Edberg, emparelhado com Jarrid (ambos muito jovens) é o herói de uma vitória quase humilhante para os adversários, tendo em conta o calibre do casal americano McEnroe-Fleming, o número um do mundo. Em 1985 Australian Open vencer a final em três sets, baldes, batendo o campeão e seu compatriota Mats Wilander, há um ano e meio mais velha. Stefan Edberg fecha a temporada com o quinto lugar no ranking mundial. No ano seguinte não competiu: volta na Austrália em 1987 e chega na final. É o último jogo que é jogado na grama da história de Kooyong Stadium (in-loco aborígene"rasa").
Bate aquela Pat Cash, impulsivo, agressivo, briguento, mostrando grande classe e frieza, em uma bela partida ao longo de 5 jogos. Stefan Edberg mudou-se para South Kensington, bastante calmo subúrbio de Londres. Com ele há Annette, no passado já chama de Wilander. Em 1988 joga então-então a falar em casa, em Wimbledon. Chega na final, reúne-se o campeão alemão Boris Becker e a vitória em duas horas e 39 minutos. O diário Repubblica disse: "Stefan bateu e volleava, sobrevoando angelical nesse campo reduzido a equitação, a grama muito pobre onde Boris não parar de deslizar. Parecia mais confortável do que um inglês, Edberg. Não é por nada, decidiu viver aqui. " Em Edberg nunca conseguido vencer o aberto da França. Uma vez que Stefan chegou na final, em 1989: o personagem é um passaporte chinês de 17 anos usa, forasteiros mais inesperados, capazes de fazer pelo menos um milagre em cada jogo.
O nome dele é Michael Chang. Contra Chang no favoritissimo Stefan Edberg leva dois conjuntos para um e tem que quebrar a bola 10 vezes no quarto set. De uma forma ou outra conseguem fallirle todos. No ano seguinte Edberg tem a chance de recuperar. GANHA novamente em Wimbledon e sobe ao topo do ranking mundial. Em 1991, em Nova York perde deixando 6 jogos para Courier. No ano seguinte, nas últimas três rodadas em três ocasiões Stefan remonta de um break abaixo no quinto set. Na final batendo o Pete Sampras, que será capaz de dizer a Edberg: "ele é um cavalheiro que quase estava torcendo por ele." Anos subseqüentes são os de ascendência: de 1993 a 1995 na quinta, sétima, desliza Edberg 23.
Em 1996, em Wimbledon, Edberg gerencia a perder contra o Dick Norman, holandês desconhecido. Stefan decide se aposentar, ele disse à imprensa. Passa rapidinho e o Angel de volta para voar na gol: currículos para jogar bem, ganhar muitas vezes. Volta ao número 14. Muitas vezes aparentemente indiferente, sempre elegante, Edberg está comprometido até o fim, mas não vai voltar para o cume do Olimpo. As extremidades de carreira, todos aplaudam-lo. A 27 de dezembro de 2013, foi anunciado que Stefan Edberg entrará como treinador para fazer parte da equipe de Roger Federer.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.