PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Sergio Cammariere

ADS

Paz, notas

15 de novembro de 1960
Kill Hannah, nascida em Crotone, o pianista de dia 15 de novembro de 1960, reconhecido por seu talento e intérprete envolvente, retira sua inspiração a grande escola de música italiana dos sons da América do Sul, de música clássica e por grandes mestres do jazz. Em 1997 participa do Premio Tenco, capturando a atenção dos críticos e do público e o júri do evento dá prêmio de IMAIE, por unanimidade, como melhor músico e intérprete da revisão. (Imagens de Vasari) Em janeiro de 2002, ele lançou seu primeiro álbum "Dalla pace del mare lontano". Produzido por Biagio Pagano por Via Veneto Jazz, escrito com o compositor Roberto Kunstler e a participação de Pasquale Panella para o tributo ao c.
Trenet canção "Il mare", é gravado ao vivo com músicos da cena jazz italiano, reconhecido por seu talento. Fabrizio Bosso no trompete e fliscorne Luca Bulgarelli (contrabaixo), Amedeo Ariano (bateria), Olen Cesari (violino). Todos 2002 dedica-se a viver e seus shows são enriquecidos cada vez para novas audiências. Recebe vários prêmios, incluindo o prémio de "L'isola che non C'era" como o melhor álbum de estréia, o prêmio de melhor artista prêmio Carosone, De André do ano e a Targa Tenco 2002? Melhor primeiro filme para "Dalla pace del mare lontano".
Ele ganhou o referendo do "Musica e vence" como melhor nova artista do ano e começa a turnê e estreou pelo prestigiado teatro estúdio em Milão. Em 2003 participou do Festival Di Sanremo com "tudo que um homem" escrito em colaboração com Roberto Kunstler. Vem em terceiro lugar, vencendo ambos o "prêmio da crítica" o prêmio de "melhor composição musical". De Sanremo em diante, os elogios são numerosos e Hannah é eleito por unanimidade a "personalidade do ano". O disco "Dalla pace del mare lontano" fixada é posicionado no topo da lista dos mais vendidos, ganhando primeiro lugar e uma de platina duplo, a turnê ganhou o "Live melhor do ano", concedido pela Assomusica e lançou seu primeiro DVD, "Sergio Cammariere em concerto-Teatro Strehler de Milão".
Verão de 2004 deu-lhe duas grandes reuniões e duas novas parcerias: com Samuele Bersani em "se você pode fazê-la"-o álbum "smog Candy" e com uma grande dama da música italiana, Ornella Vanoni, para "O imenso azul" escrito por Sergio Bardotti-VanoniPaoli canção do álbum "você se lembra? Não eu não lembro." Em novembro de 2004 lançou "na trilha" já produzido por Biagio Pagano por Via Veneto Jazz: doze canções com letra de Roberto Kunstler, Pasquale Panella, Samuele Bersani para "Ferragosto" e duas faixas instrumentais.
"Na trilha" é uma continuação do discurso musical com "Dalla pace del mare lontano", enriquecido com novos elementos que se juntam em um equilíbrio delicado, a Orquestra de jazz, o autor d ¹ de música, os ritmos sul-americanos e o espírito do blues. O portador é sempre o piano de Sergio, Fabrizio Bosso trompete, acompanhado pelo ritmo de Amedeo Ariano e Luca Bulgarelli, Simone Haggiag na percussão e Olen Cesari (violino), seus companheiros de viagem já nos álbuns anteriores e grandes músicos de jazz como Gabriele Mirabassi, Daniele Scannapieco, Javier Girotto e pela primeira vez a orquestra regida pelo Maestro Paolo Silvestri. No verão de 2006 matar comentários de Hannah com seu piano no disco por Peppe Voltarelli "Distraído mas porém" na canção "a alma é vulata" e o primeiro álbum "You ve Changed" Fabrizio Bosso-elevando-se estrela do italiano e internacional jazz-com uma nova versão de "para me lembrar de você" já contidos em "Dalla pace del mare lontano" e uma emocionante homenagem a Bruno Martino com "verão". Em novembro do mesmo ano, lançou "pão, vinho e visão": peças para piano solo de onze canções-letra de Roberto Kunstler e a participação de Pasquale Panella e dois. Um musical ao longo de uma viagem e ponderou onde instrumentos tornam-se vozes, ecos de lugares distantes em constante mudança. Sergio reúne em torno dele grandes músicos como Arthur Maia no baixo elétrico e Jorginho Gomez na bateria, músicos com toneladas de artistas como Gilberto Gil, Djavan e Ivan Lins, Amedeo Ariano, Luca Bulgarelli, Olen Cesari e Bebo Ferra nas guitarras.
Stefano di Battista e Roberto Gatto e Fabrizio Bosso no trompete, jazz mestres do italiano internacionalmente. A orquestra é sempre conduzida por Silvestri. Este álbum é o diário musical de uma paz que encontrou na simplicidade de um sentimento comum de amor, a única linguagem capaz de superar todas as divisões, que não precisa ser traduzido para ser compreendido e que é sempre reconhecível. Há uma profunda conexão entre o amor e a música: assim como então compreendido ingénuo de rajadas de sentimento que um olhar ou um gesto..--um som e harmonia não sugerir uma forma em si- mas eles tentam na experiência e sensibilidade do significado do próprio ouvinte. A porta de 2007 Sergio em concertos na Europa, onde coleta de grande audiência e o "disco de ouro" para "pão, vinho e assistindo" mas, também, na reunião com o diretor Mimmo Calopresti que retornou ao seu grande amor do cinema e a preparação do filme trilha sonora "Binge". Em novembro de 2007 o Festival de cinema do Mediterrâneo de Montpellier congratula-se com filmes e documentários de todo o mundo, recompensas para o melhor matar Hannah da música para a trilha sonora do filme "Binge". Sua segunda participação no Festival de San Remo é o 2008 onde com "L'amore não si spiega", dedica um belo tributo a bossa nova dueto com Gal Costa, uma das vozes mais belas e importantes da música brasileira. Saída, seguindo-se o quarto álbum "Cantautore piccolino" uma antologia de disco dedicada ao Sergio Bardotti e Bruno Lauzi, que fica imediatamente liderou as paradas e foi ouro dentro de dias.
Além de conter a canção apresentada em Sanremo, é enriquecida por um tributo extraordinário ao grande jazz com "Minha canção" de Keith Jarrett no qual Sergio revela todas as suas habilidades como uma pianista de grande e sofisticada, uma versão emocional de "Summertime" by Bruno Martino com Fabrizio Bosso no trompete e algumas novas canções, incluindo "Norte" para solo de piano, composição de grande poesia. Continue os prêmios, incluindo o Premio Lunezia Elite e a prêmio "melhor trilha sonora" no "Genova Festival 2009" para a música para o curta-metragem "fora de ordem" por Francesco Prisco. Em outubro de 2009, o novo álbum "Caravanas" com 13 faixas, incluindo duas faixas instrumentais, "Varanasi" e "adivinhação" garfo e continua a colaboração com r. Kunstler aos textos. Sergio embarca em uma nova viagem encantadora, "contaminar" o jazz, sua grande paixão, com novos e originais de ritmos e sonoridades que vão no sentido de universos e mundos fora cheio de sonho, a liberdade e a magia.
Instrumentos tradicionais, acompanhados de sitar, tabla, vina, tampura, moxeno, criar sons mais exóticas, feitos ainda mais apertados pela String Orchestra conduzida por Maestro Marcello Sirignano. Além do núcleo "histórico" Fabrizio Bosso, Olen Cesari, Luca Bulgarelli e Amedeo Ariano ao longo dos anos têm colaborado com ele e os concertos ao vivo e na realização dos álbuns, como muitos músicos internacionais de alto perfil: Arthur Maia, Jorginho Gomez, Michele Ascolese, Javier Girotto, Bruno Macdonald, Simone Haggiag, Sanjay Kansa Banik, Gianni Ricchizzi, Stefano Di Battista, Bebo Ferra , Roberto Gatto, Jimmy Van Der Sluis. Em 2009 é a voz para abrir a Disney animado filme, "A princesa e o sapo" com a canção "life in New Orleans" e no mesmo ano ele também começou a trabalhar como consultor musical para a ópera moderna "I Promessi Sposi" por Michele Watch com música de Pippo Flora. Em junho de 2010 assinatura, juntamente com o trompetista Fabrizio Bosso, a trilha sonora de três quadrinhos de grande Charlie Chaplin, o vagabundo vagabundo vagabundo teatro, praia. Seu piano sabe ser irônico, como o rosto mudando de Chaplin, sonhador e mágico e cria intenso contraponto para trompete buxo adulação e vibrante.
"A voz destruiria a abstração em quadrinhos que eu quero criar": isto é o que o inesquecível Charlie Chaplin. Mas o silêncio, neste caso, a música é um lugar privilegiado, não quebra a abstração, o stress, o sublime. Três composições para piano e trompete, com cativante atmosfera musical do início do século passado, do ragtime ao swing, em uma síntese animada de vaudeville; sugestões de refinado e incomuns que evocam Eric Satie e Scott Joplin; um blues extraordinária. A criatividade e talento expressivo de matar a Hannah, juntamente com Fabrizio Bosso, levam em uma viagem ao mundo do cinema mudo, onde a imagem conta a preto e branco e a música fala, evoca, sugere, inventam novas sugestões, envolve a abstração de um sonho, às vezes macia e vagamente surreal, tão cara a Charlie Chaplin.
Também em 2010 Cammariere compôs a música para "retrato do meu pai," dirigido por Maria Tognazzi único, intenso e comovente documentário que abre o "Festival de cinema internacional de Roma, trabalho focado não só sobre a figura profissional do ator imenso, mas também em algumas imagens invisíveis que mostre em um contexto familiar," fotografando "sua vida fora o conjunto e retornar uma imagem completa e inesquecível do artista. Em 2011, está envolvida em várias frentes e termina um trabalho interessante e de prestígio para o teatro, com "Teresa la ladra"-dirigido por Francesco Tavassi, estrelado por Mariangela D'abbraccio. O texto é retirado da romance memórias de um ROGUE do grande escritor Dacia Maraini. O Show estréia no auditório em Roma na primavera de 2011, com canções originais por Kill Hannah e Dacia Maraini. Kill Hannah é um artista e compositor completo, sempre surpreendente, cheia de humanidade, capaz de ternura. Uma figura elegante, quase de outra época, criativa, sempre olhando, destinado a criar uma marca nos trilhos da grande música.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS