PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Renato Curcio

ADS

Uma estrela de cinco pontas,

23 de setembro de 1941
Renato Curcio nasceu em Monterotondo (Roma), em 23 de setembro de 1941. Nascido de um romance entre sua mãe Yolanda Curcio, pugliese jovem mudou-se para Roma e Renato Zampa, irmão do conhecido filme Luigi Zampa. Viveu uma infância difícil por causa de empregos precários. Logo foi marcado pela morte de seu tio Armando, trabalhador da Fiat, morto em 1945 por uma represália do RSI (Repubblica Sociale Italiana, conhecido popularmente como República de Salò, o nome de governo fascista estabelecido em território italiano, ocupada pelos nazistas e fundada por Mussolini, em 1943). Renato passou sua adolescência em Milão e casas e frequentou a militância católica. Ele se formou o Campochiesa Instituto de Galileo Galilei, fração de Albenga. Em 1962 mudou-se para Trento e matriculou-se na faculdade de Sociologia, de que alguns anos mais tarde mobilizações (1968) estudante vão deixar notas históricas. Trent sabe Margaret Mara Cagol, que se tornaria sua esposa. Em 1967 fundou a grupo de estudo "Universidade": o grupo executa uma atividade de análise e formação através do estudo teórico e leitura de textos ignorados por aulas da faculdade. Entre os autores incluem Che Guevara, Mao Zedong, Herbert Marcuse, Cabral, Padgett.
Nestes anos amadurecer sua crença"ideológica" dentro das lutas académicas, juntando alguns pequenos grupos de extrema-esquerda. Por um tempo, ele divide sua casa com Mauro Rostagno, deixou o caráter, inteligente e carismático, ele é também apelidado de "Quem" de Trento. Vai completar todos os exames e, em seguida, por opção política, decide não se formar. Curcio, juntou-se a revista Marxist-Leninist-inspirado "trabalho político", ele foi capaz de expressar opiniões, longe da luta armada. O repensar sobre o tema da violência vem depois (e provavelmente também causada por) os confrontos de Avola de 2 de dezembro de 1968: nesta ocasião, a polícia disparou contra e matou dois fazenda trabalhadores e continuar a atirar sem parar por 25 minutos. No início de novembro de 1969 em protesto qualquer estudante completo: Curcio participa da conferência de Chiavari agora famoso no hotel Stella Maris. Aqui estão as bases para o início da luta armada na Itália, trabalhou em um núcleo de político de Milão metropolitana pertencentes à coletividade. No ano seguinte fundaram as brigadas: você pode, de 1970, quando no subúrbio de Lorenteggio, de Milão, os primeiros panfletos com a estrela de cinco pontas.
Curcio é conduzir o BR com sua esposa Mara e Alberto Franceschini. A primeira ação subversiva ocorre em 17 de setembro de 1970, quando sente os golpes de grupo acima da garagem por Giuseppe Leoni, um executivo da empresa Siemens. Siemens, Pirelli, sente-se Alfa Romeo é as primeiras indústrias onde o grupo armado toma posse. Em 1974 Curcio é interrompido. Graças a uma ação liderada por Mara, Curcio escapou em fevereiro de 1975. No verão do mesmo ano, sua esposa morreu durante um tiroteio com a polícia. Renato Curcio desliga novamente em 1976 (graças a infiltração dentro da BR de Silvano Girotto, depois passou para a história como "Frate Mitra").
Com a morte de Mara e o aprisionamento dos líderes Curcio e Feng, a direção do movimento foi entregue aos representantes dos chamados "braço militar" liderada por Mario Moretti, que irá liderar o grupo na época triste de mortes e ferimentos que a Itália vai saber a partir da segunda metade dos anos 70 ' s. Embora Curcio nunca tinha teorizado a violência como o derramamento de sangue, nunca se arrependeu de suas escolhas. Permaneceu na prisão desde 1976 até 7 de abril de 1993, diretor editorial de hoje, em que a cooperativa "sensível às folhas", para que ele tenha escrito livros sobre o tema da insegurança social ("flexível", "o consumidor trabalhado" e "empresa").
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS