Biografia de Marie Curie

Rádio e polônio perfeita harmonia

7 de novembro de 1867
4 de julho de 1934
Marie Sklodowska Curie nasceu em 7 de novembro de 1867 em Varsóvia por uma família católica muito grande, tanta para que o futura cientista e prémio Nobel era o caçula de cinco filhas. A mãe (d, nomeadamente devido à tuberculose quando ela tinha menos de onze anos de idade), pianista, cantor e Professor; o pai, no entanto, estava praticando sua profissão como professor de matemática e física. A pequena Marie, convencida da sua inteligência e sua habilidade, ele decidiu estudar física, apesar do fato de que esta escolha não queria inicialmente. A idéia de que uma mulher poderia seguir uma carreira científica era inconcebível para a época. Portanto, concluído o ensino médio com a idade de quinze anos, para as oito obras subseqüentes como preceptress e professor para ser capaz de suportar os custos.
De fato, em novembro de 1891, Considerando que a Universidade de Varsóvia era proibida às mulheres, Marie e a mais velha irmã Bronia mudou-se para França para registar e estudar na famosa Sorbonne, a prestigiosa Universidade de Paris. Durante seu tempo livre também não está feliz com as já difíceis tarefas que o programa da Universidade o enviado, tentar seguir em frente, tanto quanto possível de forma independente a estudar matemática e física. Em Paris, no entanto, Marie fará uma reunião importante, de Pierre Curie, professor na escola da física, que em 26 de março de 1895 tornou-se o marido dela e então, posteriormente, "parceiro" na investigação científica. Em 1897 a filha Irène e a segunda em dezembro de 1904, Eve. No estudo da radioatividade, conduzida com meios rudimentares e sem assessores, o casal descobriu dois novos elementos, rádio e polônio.
Marie também inclui que radioatividade é um fenômeno atômico, demolindo a idéia brilhante a condenação da física por então que o átomo era a menor partícula da matéria. Como faz no entanto Marie Curie para esta descoberta fundamental? Primeiro, montar um laboratório em uma sala da rue Lohmond. Sua idéia é estudar o fenómeno da radioactividade de forma quantitativa exata. Primeiro analisa sistematicamente o comportamento de urânio em diversos compostos e em condições diferentes (usando um método experimental muito engenhoso que consiste na compensação em um eletrômetro sensível a quantidade de electricidade feita pelo atual àquela que pode ser fornecido por um quartzo piezoeléctrico). Acontece que a radiação atômica é uma propriedade do urânio elemento. Imediatamente após, realiza uma pesquisa sobre muitas outras substâncias a fim de determinar se há outros elementos químicos que, além do urânio, mostram que o comportamento estranho. Decidi dar um nome a este fenómeno e chama de "radioatividade".
Durante a busca para descobrir outras substâncias radioactivas, portanto, o Capitão em sua mãos a pechblenda, a torbenite e dois outros minerais. Imediatamente descobre que eles são muito mais radioativos do que eles devem ser baseados no conteúdo de urânio. São ainda mais radioativo que o urânio. A torbenite e a pechblenda, acho que de Marie Curie, portanto deve conter um outro elemento químico, até então desconhecido. Preparar uma comunicação para a Academia francesa de Ciências, que, em 12 de abril de 1898, é apresentado por Gabriel Lippmann, seu antigo Professor e membro da Academia e como tal, tem o direito de falar nas reuniões da Academia. Na primavera de 1898, Marie decide concentrar-se na pechblenda.
Começa o longo processo para isolar o elemento novo da pechblenda, com pesquisa química método baseado na radioatividade, "é para realizar separações com os meios usuais de análise química e de medição, sob condições apropriadas, a radioactividade dos produtos separados. Desta forma você pode dar conta das características químicas do elemento radioativo, procuradas, concentrada em partes que se tornam progressivamente mais radioactivos como separações vão." Em sua publicação de julho de 1898, aparecendo simultaneamente em França no boletim da Academia das Ciências e na Polônia na revista "Swiatlo" anuncia sua hipótese "Acreditamos que a substância que podemos ter desenhado a partir da pechblenda contém um metal ainda não relatado, perto ao bismuto por suas propriedades analíticas. Se for confirmada a existência deste metal, propomos chamar de polônio, em homenagem ao país de um de nós." Muito em breve avisos com marido na pechblenda lá é outra substância desconhecida, Polônio radioativo ainda mais.
Ele chamou de rádio. A descoberta é anunciada em 26 de dezembro de 1898, na Academia das Ciências de Paris e, em 1902, recebeu o prêmio Nobel de física com Becquerel. Após a trágica morte de seu marido, em 1906, Marie Curie continua a trabalhar em seu laboratório, Professor na Sorbonne (a mesma que foi de seu marido) e consegue isolar puro polônio e rádio. Para esta realização, em 1911, foi premiado com o Nobel de química. Também nesse ano é estabelecido, sob proposta por Marie Curie, a unidade padrão de rádio internacional. Casal Curie poderia ganhar muito com as descobertas que fizeram e o seu potencial intelectual. Em vez disso, toda a sua vida, preferida prosseguir uma concepção de ciência altamente desinteressada: Marie e Pierre deram à humanidade os resultados de suas pesquisas, sem esperar nada em troca.
Durante a primeira guerra mundial, Marie Curie também tem se destacado em muitas formas de aliviar a situação dos lutadores. Ele foi para a frente com a filha Irène para ajudar os feridos, inventou o famoso Petit Curie, carros equipados com equipamentos de raio-x. Em 1912, fundou o Institut du Radium, que dirigiu até 1932, quando a gestão passou para sua filha, Irène. Institut Curie, chama-se ainda hoje uma importante instituição científica para pesquisa sobre câncer. Marie Curie, ironicamente, morreu em 4 de julho de 1934 de anemia perniciosa, como resultado da exposição prolongada a substâncias radioactivas.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.