PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Jacques Brel

ADS

Cantor de ternura

8 de abril de 1929
9 de outubro de 1978
O grande chansonnier Jacques Brel nasceu em Bruxelas em 8 de abril de 1929 de francófona e Flamengo pai mas mãe de origem franco-espanhola. Ainda não 18, por causa de maus resultados nos estudos, ele começou a trabalhar em uma fábrica de papelão correr pelo pai (a partir desta experiência sua pretensão de ser "encartonner"). Ao mesmo tempo frequentou um inspiração cristã movimento social, a Franche Cordée, fundado em 1940 por Hector Bruyndonckx.
Em sua primeira produção artística é possível encontrar que o ideal vivido dentro deste grupo, nomeadamente de idéias da religião, Cristianismo, evangélico humanitarismo, que resultará em mais madura, em um humanista Brel existencialismo de Camus (que o artista considera espírito cristão), em um socialismo libertário e anarquista e um Antimilitarismo aquecido. Mesmo dentro do Franche Cordée Brel sabe Thèrese Michelsen, que se tornaria sua esposa e três filhas. Participa em Bruxelas para diversas peças e tem músicas de sua própria composição, em um cabaré, durante festas organizadas por estudantes ou dançar. Em 1953, gravou seu primeiro álbum com "La foire" e "Il y a". Essas músicas são ouvidas por um dos maiores aventureiros de talentos da época, Jacques Canetti (irmão de Elias). Convocados por ele em Paris, o Brel decide deixar sua cidade natal e se mudar para Paris, onde se apresentou na Trois Baudets, o mesmo teatro, onde recentemente estreou Georges Brassens. Partir de que momento começa a Brel canta em um período de grande trabalho: muitos dos bistrôs e "cavernas", diz até sete por noite, sem obter um sucesso instantâneo.
O público francês e críticos, de fato, não apreciam a música dele, talvez por causa de sua origem belga: manteve-se a famosa frase de uma jornalista em um artigo lembra Brel que "existem excelentes ligações a Bruxelas". Entretanto, Jacques Canetti, nele crê: desde 1955 lhe dá a habilidade de afetar as primeiro 33 voltas. Um dos maiores cantores da época, a "Deusa" de Saint-Germain-des-Pres, Juliette Gréco, gravar uma música, "Le diable" e apresenta-lo com Gérard Jouannest, pianista e François Rauber, arranjador, que se tornaram seus principais colaboradores. Em 1957, com "Quand no n'a L'Amour, Brel ganhou o Grand Prix du Disque da Académie Charles Gros e vende, em apenas dois meses, quarenta mil cópias. Canta para a Alhambra e no Bobino. Em 1961, de repente, Marlene Dietrich dá multa em Olímpia; Bruno Coquatrix, gerente de teatro, chamado Brel: é um triunfo. A mostra do artista belga (até 350 por ano) conhecer agora em toda parte um sucesso extraordinário, que o levou até na União Soviética (Sibéria e Cáucaso), África e América. Um fato curioso, para testemunhar a sua fama, tem lugar em 1965, por ocasião do seu primeiro concerto no Carnegie Hall: 3800 espectadores entrar no teatro para assistir ao show, mas ben 8000 permanecem fora dos portões. Em 1966, no auge do sucesso e o espanto geral, Brel declara que, a partir do ano seguinte e após uma série de concertos de despedida por seus admiradores consternados, não canta mais em público.
O recital no Olympia, que começou em novembro, duração de três semanas. Ansiosos para experimentar emoções e novos caminhos, dedicou-se especialmente para o teatro e cinema. Reescreve o libreto de um musical sobre Don Quixote, personagem americana-lhe muito caro, quem decide interpretar quebrar (uma vez) para a regra que não se sai com cenas teatrais foi mais calcário. A representação obtém grandes sucessos em Bruxelas, mas não em Paris. Em 1967 ele escreve uma peça, "Voyage sur la lune," que vai estrear já. No mesmo ano ele começou a atuar em alguns filmes como ator, depois passa para a direção e roteiro de dois filmes: o primeiro, "Franz", 1972, conta a história de amor entre 02:40; ao lado dele, um cantor muito popular na França: Barbara. O segundo, "Far West", pretende reviver nas planícies da Bélgica as vicissitudes de garimpeiros e pioneiros, tinham feito criança sonha de Brel. Neste filme, a artista insere uma de suas canções mais famosas: "j ' Arrive". Até mesmo o filme experiência, porém, um pouco de cada vez se esgote. Brel, então, deixa tudo para trás e começa a girar o mundo no seu barco à vela chamado Askoy. Chegou em paragens da Polinésia, com um novo parceiro, a dançarina Maddly Womens Stud, para Atuona, uma aldeia de Hiva Oa, Marquesas arquipélago onde viveu Paul Gaugin. Aqui começa uma nova vida, imergida em uma sociedade que é bem diferente de um ocidental, com ritmos mais lentos, rodeado por uma natureza deslumbrante. Ele mostra e filmes para a população local e traz com sua irmã gêmea, correio às ilhas mais distantes.
Entretanto, no entanto, cai doente com câncer: segredos de viagem europeus começam a se submeter a tratamento na esperança de cura. Com a ajuda de um pequeno círculo de amigos, o mesmo que o acompanhou ao longo de sua carreira como (um artista Gréco, Jouannest e Rauber) registros em tempo real o mais recente álbum, nascido nas Ilhas Marquesas. Lançado em 1977, obtida um grande sucesso. Brel morreu em Paris, no hospital em Bobigny, em 9 de outubro de 1978. Está enterrado no cemitério de Hiva Oa, a poucos metros de Gauguin. Com ele desaparece um dos maiores artistas do século XX, capaz de fazer da música não só uma música para ouvir, mas um desempenho muito teatral. Cada show que as vacas voltam para casa, como escrito por Enrico De Angelis no prefácio ao livro coletando suas canções traduzidas por Duilio Del Prete: "seus recitais são uma obra-prima de indecência e matemática juntos. Fede a sentindo, tumulto, a raiva, a tristeza e a ironia de cada gota de suor, cada "pérola de chuva", que brilha no rosto. Mas tudo é calculado na verdade – como em qualquer grande artista – a milésima. [...] Em 60 minutos de tempo... tudo tinha que ser dito, correndo o risco de vômitos antes e depois. Nunca um pedaço já realizado foi repetido apenas uma vez". Artistas na Itália interpretaram suas canções em particular Duilio Del Prete, Gipo Farassino, Giorgio Gaber, Dori Ghezzi, Bruno Lauzi, Gino Paoli, Patty Pravo, Ornella Vanoni e Franco Battiato.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS