PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Ezio Bosso

13 de setembro de 1971 Ezio Bosso nasceu em 13 de setembro de 1971 em Turim. Aproxima-se à música desde tenra idade, nem com a idade de quatro, com o através de seu irmão, músico e sua tia-avó, que toca piano. Depois de ter iniciado apenas doze anos para compor a música em 1985 entra, aos catorze anos, ao abrigo do estatuto, que permaneceu por três anos. Em seguida, optar por prosseguir a música clássica e Reserve, em seguida, o revival do ska-mod. Ezio Bosso começou sua carreira como solista em França ainda menor de idade e, em seguida, vire as orquestras em toda a Europa.

Gli anni ' 90

Na década de 1990, ainda muito jovem, esmaga os mais prestigiados estágios internacionais, do Royal Festival Hall no Sydney Opera House, Southbank Centre no Palacio de Bellas Artes da cidade do México, do Carnegie Hall para Teatro Colón em Buenos Aires, desde a Orquestra Sinfônica de Houston no auditório Parco della Musica em Roma, sem esquecer, é claro, o Teatro Regio em sua cidade natal, Turim. A música de "Cuidados de La sala de teatro de Emily", "Corações", de "Uma partitura de Amleto", "sonho de uma noite de verão" e "Hamlet" estudam, com Valter Malosti; entre 1998 e 2001, em vez disso, trabalha na "confissão", com Antonio Catania, "Qoeleth e a canção das canções", com David Riondino, em "Moi je s destinatário" e "Expect tão simpática" com Rocco Papaleo. Com o mesmo ator que Lucan já havia trabalhado para o filme "Cecchi Gori Cecchi Gori", que no entanto nunca é implantado.

Nos anos 2000

Em 2001, Ezio Bosso é responsável pela trilha sonora do filme "Rebeldes por acaso", enquanto dois anos mais tarde percebe o "Io non ho paura" dirigido por Gabriele Salvatores, estrelado por Diego Abatantuono, que recebeu uma nomeação para os prémios da Academia. Entre 2004 e 2005 também trabalha para o cinema com "Rosso come il cielo" e "Quo Vadis Baby, enquanto entre 2006 e 2007 a música"The Moon on the Lake"e"Il dolce e l'amaro".

Os anos de 2010 e Ezio Bosso

Em 2011 Ezio Bosso acaba por ser doente: o que o atingiu é um tipo de doença neurodegenerativa, cujos efeitos são semelhantes da esclerose lateral amiotrófica (ela), uma doença neurológica que, ao longo do tempo, afetam sua capacidade de andar, mover-se livremente e se expressar verbalmente. Pouco depois, ele é diagnosticado com um tumor no cérebro: ele é um sucesso de crítico, na medida em que passa pela sua cabeça, também, a possibilidade de tirar a própria vida. Incentivado por seu médico, músico piemontese abandona aqueles terríveis intenções, fazer força e decidir para lidar com problemas de saúde, enquanto temendo uma incapacidade de manter-se auto-suficiente: por causa das terapias perder 40 quilos, e é nesse ponto que é forçado a revelar sua doença publicamente (no início tinha optado por não dizer nada a ninguém). Em 2013, é contactado por Mario Brunello, famosa violoncelista recomendada por Gidon Kremer, que lhe pede para encontrá-lo: os dois se tornam uma bela amizade que se traduz em uma importante colaboração profissional em um violoncelo-piano. No ano seguinte, Bosso, cabeça da Orquestra Sinfônica de Londres com sua "Fantasia para violino e orquestra".
Em 2015, no entanto, o seu concerto na Galeria Ikon, como parte da obra "3 salas de desenho", de David Tremlett, seu amigo íntimo, é definido por Penelope Curtis, diretor de "Tate Britain" e de "O jornal de notícias de artes" o evento artístico do ano na Grã-Bretanha. No mesmo ano, Ezio Bosso é nomeado para o Oscar pela música de "o menino invisível", um filme para o qual ele retornou ao parceiro com Gabriele Salvatores e chama-se por Alma Mater da Universidade de Bolonha, para produzir e dirigir uma composição focada na Carta Magna da Universidade. Além disso, ele gravou seu primeiro álbum solo oficial, comercializados para o outubro 30 música do mar Egeu, com o título "o quarto 12", a décima segunda estrofe. Em fevereiro de 2016 Ezio Bosso é um dos convidados de honra no Festival de Sanremo, conduzido por Carlo Conti: seu desempenho e sua entrevista no palco no Ariston estão entre os momentos mais comoventes do evento transmitido pela Raiuno. No dia seguinte ele hospedado é apreciado também por um tweet irônico escreveu em resposta a Spinoza, famosa sátira coletiva que publica uma piada, bastante criticada, que diz que uma pessoa deficiente pode penteá-la como um idiota: réplica de buxo ironicamente sobre sua doença e salientando que seu cabelo estranho é porque pentear o cabelo dela.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

LINKS PATROCINADOS

ADDTHIS