Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Biografia de Atom Egoyan

Narrativas em celulóide

19 de julho de 1960
De descendência armênia, Atom Egoyan nasceu no Egito em 19 de julho de 1960. Mudou-se em idade precoce no Canadá com sua família, Egoyan estuda na Universidade de Toronto em relações internacionais com a intenção específica de uma carreira diplomática. Mas nem seus interesses artísticos são muito fortes. Estudou violão clássico e principalmente na verdade começou desde cedo a fazer curtas-metragens. Dentre estes "Open house", será lançado também pela cadeia de televisão CBC. Concluiu com êxito o período da Universidade, átomo funciona no teatro como roteirista, embora interesse no cinema é ainda predominante. Um escritor prolífico, é as primeiras tomadas na televisão, onde vai ser roteirista de vários episódios da série "a quarta dimensão" e "Alfred Hitchcock presents". Ele estreou na tela grande em 1984 ano em que escreveu, produziu e dirigiu "fechar relativo". O filme vai continuar ouro Ducat Festival em Mannheim.
Quatro anos mais tarde com o cineasta de "mundo virtual" ganha o renome internacional: o filme é exibido na lista de trabalhos apresentados no Festival de Cannes. Sempre na cristaleira francês famoso, outro filme de Atom Egoyan é consentimentos e aprovações: em 1994, sua "Exotica" vence o famoso Festival grande prêmio do júri. Não é diferente do que o destino de "daqui em diante o doce" que se aplica ao Director as indicações ao Oscar de melhor diretor e melhor roteiro adaptado, além do grande prêmio do júri e o prêmio Fipresci, da crítica internacional no Festival de Cannes em 1997. Antes disso, Egoyan tinha tentado a estranha aventura de volta seis filmes sobre suites violoncelo de Bach, executadas pelo violoncelista Yo-Yo Ma, um experimento muito ousou e conseguiu apenas pela metade. Famosa mundialmente aclamada cineasta Atom Egoyan incansavelmente continua sua ascensão com a "Viagem de Felicia" (1999) quem ganhou novos prêmios para ovações no Festival de Cannes.
Em 2003, uma homenagem às suas origens, o diretor percebe "Ararat" (com Charles Aznavour), filme em filme sobre o Holocausto do povo armênio durante os anos da primeira guerra mundial. O seu é um cinema onde a narrativa desacelerada leva os personagens a uma ruína inevitável, moral ao invés de física. Interessado em Samuel Beckett, Egoyan por vezes tem sido comparado ao de Michelangelo Antonioni.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.