PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de André Derain

ADS

10 de junho de 1880
8 de setembro de 1954
André Derain nasceu em 10 de junho de 1880 em Chatou (Paris), de uma abastada família burguesa. Apesar dos desejos de seu pai, ele seria engenheiro, em 1898 ele matriculou-se na Academia Julian; nos anos seguintes conhece Maurice de Vlaminck e Henri Matisse: quer persuadi-lo a dedicar-se inteiramente à pintura. Em 1899 a realização do "funeral" (atualmente preservada em "Pierre e Maria-Gaetana Matisse Foundation Collection" de Nova York), enquanto dois anos mais tarde é "o caminho para o calvário" (agora no Kunstmuseum Bern, Suíça). Em primeiro lugar, ele pintou paisagens com cores misturadas, puras, ao longo do Sena, influenciado por Vlaminck; apenas vinte e cinco anos tem a capacidade de expor, entre os Fauves, o Salon d'Automne e o Salon des Independants. Na verdade, sua atual Associação fauve não é total, desde os primeiros trabalhos, caracterizados pelo refinado de tons e cores ousadas escolhas (como em "L'estaque"): André Derain, na verdade, acredita que será capaz de delimitar a exuberância das cores na harmonia da composição clássica, na esteira das obras dos grandes mestres, de quem é um grande admirador.
Em 1905 ele faz, entre outras coisas, "os arredores de Collioure", "retrato de Henri Matisse" e "Lucien Gilbert". Após um breve período de proximidade com Paul Gauguin (durante o qual há uma diminuição em cores vivas), em 1909 tem a oportunidade de apresentar um volume de poemas escritos por Guillaume Apollinaire; três anos mais tarde, no entanto, com sua arte adorna uma coleção de poemas de Max Jacob. Depois de demonstrar, em 1916, o primeiro livro de André Breton, e-mais tarde, o fábulas de Jean de La Fontaine, Derain produz as imagens para uma edição de "Satyricon" de Petrónio. Entretanto, ele continuou a pintar: tem a oportunidade de trazer Pablo Picasso (mas ele continua longe de técnicas ousadia do Cubismo), antes de retornar para o claro-escuro e da perspectiva, muito mais tradicional. Na esteira de muitos outras artistas europeus do seu tempo (como Giorgio De Chirico e Gino Severini), é, portanto, um retorno à ordem e formas clássicas, a aproximar-se ao que acontece na Alemanha, com a Nova objetividade. Desde 1911, o chamado período gótico por André Derain, caracteriza-se pela influência da escultura africana e primitivo em França: nos últimos meses tintas ainda naturezas mortas e figuras solenes (Lembre-se "o sábado" e "jantar").
Desde 1913, a artista parisiense centra-se em pinturas de figura: auto-retratos, mas também cenas de gênero e retratos. Após ser implantado, no final da primeira guerra mundial, contra a propagação do surrealismo e Dadaísmo, realizada anti-artistic movimentos, ele se dedicou ao estudo dos antigos pintores durante uma viagem a Londres e Roma. Na década de 1920 representam o auge do seu sucesso. Em 1928, André Derain ganha o prêmio "Carnegie", concedido à tela "a caçada", e durante o mesmo período, expôs suas obras em Londres, Berlim, Nova Iorque, Frankfurt, Düsseldorf e Cincinnati. Durante a ocupação da França pelos alemães, Derain fica em Paris, apesar de ser cortejada pela Alemanha como representante do prestígio da cultura francesa. Em 1941, rejeitou a liderança da escola Nacional de belas artes em Paris, fazendo uma viagem oficial para Berlim, juntamente com outras artistas franceses, para participar numa exposição de Arno Breker nazista.
A presença de Derain na Alemanha está a ser explorada pela propaganda de Hitler, ao ponto que, após a libertação, o artista é considerado um colaborador e condenado ao ostracismo por muitos daqueles que antes o apoiou. Isolatosi mais do resto do mundo, o início da década de 1950 André Derain contraiu uma infecção ocular, do qual ela nunca se recuperar. Morreu em 8 de setembro de 1954 em Garches, Hauts-de-Seine, atropelado por um veículo. Derain está deixando o legado de uma pintura, fortemente influenciado pelo Neo (especialmente no início do século XX) e uma produção significativamente grande, muitas vezes marcado por um naturalismo de Caravaggio. Amarrado a estética fauvista nunca aceder a ele completamente, André Derain revela em relação a isso, uma arte mais Serena, brilhante e composta.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS