Biografia de Alberto Caracciolo

Filosofia, religião, poesia

22 de janeiro de 1918
4 de outubro de 1990
Nascido em 22 de janeiro de 1918 em San Pietro di Morubio (VR), onde seu pai, Ferdinand era médico, apenas três anos perdeu a mãe, mas ele estava no pai um guia amoroso, um exemplo de retidão e generosidade. Ele completou sua escola secundária em Verona e frequentou a Universidade de Pavia, como aluno de Collegio Ghislieri. Lá ele conheceu o futuro mártir da resistência, Teresio Olivelli com quem colaborou, escrita para os cadernos de "rebelde", e que põe adiante, em nome do reitor e amigos de Ghislieri, uma biografia de significativa.
Alberto Caracciolo logo em 1940 começou a carreira de italiano e latim no colégio: ele foi o primeiro em Pavia, em seguida, em Lodi e Brescia. Em 1951, obteve um doutorado em estética, foi chamado para a Universidade de Gênova, onde fizeram a longa e distinta carreira acadêmica: Professor de estética, inicialmente ganhou a primeira cadeira em Itália na filosofia da religião, para mover-se finalmente para a cadeira de teórico.
Estas três perspectivas e esses campos de três investigação correspondem a três momentos fundamentais do desenvolvimento da sua rica reflexão científica. No campo da estética abordou principalmente com o pensamento de Cruz, Kant e Heidegger, tornando sua perspectiva independente, cujo tema básico é a idéia de verdade no domínio da poesia; no campo da filosofia da religião entrou com originalidade na linha do liberalismo religioso; à luz desta orientação de pensamento propõe uma visão da religião como estrutura constitutiva da consciência; campo mais propriamente teórico, conversando em particular com os leopardos, Kant, Jaspers e Heidegger, redesenhou a existência humana no horizonte do niilismo e ofereceu-se para este último uma interpretação original. Também é importante para seu trabalho como promotora da cultura, como evidenciado por: seminários dedicados a "música e filosofia" (em colaboração com o Teatro Carlo Felice em Gênova) e "problemas de linguagem" (em colaboração com o Teatro Stabile de Génova); as três conferências sobre "a experiência da ausência de Deus na cultura moderna", "beautiful soul", "o problema de moi de ódio e sofrimento desnecessário" (patrocinado pela Fritz-Thyssen-Stiftung); as muitos próximas conferências em colaboração com o Goethe-Institut em Gênova e com o Instituto de filosofia na Universidade.
Seu pensamento e sua obra ocupam uma posição singular no panorama da filosofia italiano na segunda metade do século XX; singular como sua personalidade final e Dodge, humanamente quente e aberto, mas muito forte em defesa da liberdade de pensamento e autonomia do ensino, alienígena de cada cedendo à sedução da moda e ismos, fiel a uma concepção de vida severa. Ele trabalhou até apanhei-o a noite, a morte súbita em 4 de outubro de 1990, não muito tempo depois ele fez sua última nota: "A partir de 4 de outubro de 90 leituras e notas para um projeto de pesquisa sobre o tema da igualdade". Obras: Teresio Olivelli. Biografia de um mártir, Londres 1947 (nova Ed. 1975); Estética de Benedetto Croce que se desenrolava e dentro de seus limites, Torino, 1948 (mais tarde: estética e religião de Benedetto Croce, Arona 1958, Génova. 1988); Escritos sobre estética, Brescia, 1949; Ética e transcendência, Brescia, 1950; Arte e pensamento em suas instâncias de metafísicas.
Os problemas de "crítica do julgamento", Milano 1953 (Nova ed. Kantiano estudos, Napoli, 1995); A pessoa e o tempo, Arona 1955; Ensaios filosóficos, Génova, 1955; Jaspersiani Studios, Milão, 1958; Religião como estrutura e como uma forma autônoma de consciência, Milano 1965 (Nova ed. Génova 2000); Arte e linguagem, Milano, 1970; Religião e ética, Nápoles 1971 (Nova ed. Genova 1999); Karl Löwith, Napoli 1974 (Nova ed. Bréscia 1997); Pensamento contemporâneo e niilismo, Nápoles, 1976; Niilismo e ética, Gênova 1983.2002 (Nova ed.); Estudos de heideggeriana, Genova, 1989; Nada religioso e imperativo do eterno, Génova, 1990. Obras póstumas: política e autobiografia, Londres, 1993; Leopardos e niilismo, Milão, 1994; Virtude e o curso do mundo. mensalidades de ano lectivo de 1975-76, 2002 de Alexandria. Está em andamento, no Morcelliana, a publicação das obras completas em 5 vols., dos quais até agora apareceu primeira.
Traduções do alemão: e. Troeltsch, o absoluto do cristianismo e a história das religiões, Napoli, 1968; e juntamente com Maria Perotti Caracciolo: a. Lang, introdução à filosofia da religião, Londres, 1959-1969; M. Heidegger, no caminho para a linguagem, Milão, 1973-1979-1990; W.f. Otto, Theophania. O espírito da religião da Grécia antiga, Génova, 1983. Em ' 72 participou no programa de rádio "os filósofos", apresentando um breve resumo de seu pensamento (ver PP. 497-502 em: AA. VV., filosofia de 45 até à data. Por Valerio Verra. ERI, Edizioni RAI, Radiotelevisione Italiana.1976.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.