PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Qual era o Larry Summers Memo?

Lawrence, ou Larry Summers é um economista estadunidense, que foi secretário do tesouro sob Bill Clinton. Em 2008 juntou-se com transição económica Advisory Board da Presidente eleito Barack Obama. Em 1991, Larry Summers se juntou para servir como economista-chefe do Banco Mundial. Durante seu tempo lá, ele escreveu o agora infame memorando de Larry Summers, discutindo a poluição e suas implicações no mundo em desenvolvimento.
O memorando de Larry Summers é o nome dado a um memorando escrito por um funcionário e um aparte adicionado ao memorando. O memorando de Larry Summers em si nunca tenha sido tornado público, mas o autor, Lant Pritchett, tem discutido isso em público um pouco. Parece principalmente discutimos o fato de que as políticas de livre comércio na época agressivamente perseguido pelo Banco Mundial provavelmente teria um impacto negativo sobre o ambiente de muitos dos países em desenvolvimento que eles estavam sendo aplicados a. Larry Summers assinado este memorando, mas a verdadeira história foi em um aparte tacheado.
O aparte sobre o memorando de Larry Summers causou um alvoroço enorme em todo o mundo em desenvolvimento. Ele observou, sem meias palavras, que na verdade fez estrito sentido econômico para ser exportado mais poluição para o mundo em desenvolvimento. O memorando de Larry Summers sugere que "Indústrias sujas" devem ser exportadas para "PMA [menos desenvolvidos países]", por três razões principais:
Em primeiro lugar, a medição dos custos de saúde empregado Olha para a perda de rendimentos sofrida como resultado potenciais representando os trabalhadores doentes ou menos capaz de trabalhar. Dada essa medida, o memorando de Larry Summers observa que um iria querer uma nação com baixos salários, a sofrer os custos de saúde. Desde que as nações com altos salários iria perder uma grande quantidade de poder econômico para cada trabalhador incapacitado por doença, o memorando de Larry Summers argumenta que as indústrias que podem causar tal doença devem ser movidas para países com baixos salários. Ele encapsula este ordenadamente como, "Eu acho que a lógica econômica atrás de dumping uma carga de lixo tóxico no país salário mais baixo é impecável e deve enfrentar isso."
Em segundo lugar, o memorando de Larry Summers afirma que muitas nações em desenvolvimento são de fato sob poluídas quando comparado com países desenvolvidos. Desde que, alega, os custos de poluição se tornam exponencialmente maiores em níveis mais altos, faz sentido para empurrar grandes quantidades de poluição em áreas onde há pouco ou nenhum, e onde o custo, portanto, é insignificante. Ele menciona a Los Angeles e cidade do México como regiões tão saturados pela poluição que a adição mais poderia danificá-los imensamente.
Por último, o memorando de Larry Summers argumenta que o desejo de um ambiente limpo está relacionado com a renda da população. Uma população de baixa renda, observa, tem uma menor chance de sobreviver a uma idade quando determinadas doenças, como câncer de próstata, podem ocorrer, e assim as pessoas no mundo desenvolvido vão sofrer mais de indústrias que aumentam a chance de câncer de próstata. Ao mesmo tempo, observa, uma grande quantidade de oposição a poluição é por motivos estéticos, e o desejo de ar esteticamente atraente será menos importante aos membros de populações empobrecidas do que aqueles das populações ricas.
Depois que o memorando de Larry Summers foi vazado em 1992, houve um forte clamor contra ela. O Secretário do meio ambiente do Brasil na época escreveu uma carta de reclamação para Summers, solicitando que ele desça do seu cargo no Banco Mundial e apontando para a lógica da letra como indicativo de uma forma destrutiva de pensamento entre alguns economistas, observando, "seu raciocínio é perfeitamente lógico, mas totalmente insano."

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

LINKS PATROCINADOS

ADDTHIS