Biografia: Jorge Amado

O Bardo da Bahia 10 de agosto de 1912
6 de agosto de 2001

Quem é: Jorge Amado


O grande escritor brasileiro Jorge Amado nasceu em 10 de agosto de 1912 em uma fazenda em Itabuna, estado da Bahia. O filho de um produtor de grande proprietário de terras de cacau (um so-called "fazendeiro"), testemunhado desde a infância de lutas violentas que foram libertados para a posse da terra. São lembranças, reutilizadas repetidamente na escrita de suas obras.

Atraído pela literatura desde a adolescência, aponta para como um jovem rebelde, tanto literària e politicamente, entre outra escolha ao qual grande "Bardo da Bahia" tem desviado nunca, mesmo quando os perigos ameaçavam (por exemplo, durante os anos da ditadura nazista, que, se ganhasse, poderia infectar mesmo as civilizações da América do Sul).

Também é útil observar que a juventude do Amado Brasil era um país muito atrasado e ancorado nas tradições que jogaram suas raízes ainda no sistema de escravidão, entretanto naquele tempo desmantelou recentemente. Um país que olhou com desconfiança e medo a qualquer forma de "subversão". Finalmente, a crise económica e a consequente abertura das fronteiras, o que provocou uma migração maciça de todas as raças (incluindo italiano), que não era minar o sentimento de segurança dos cidadãos, ansiosos e garante mais estabilidade.

Neste mundo passou por profundas transformações Jorge Amado Debuts ainda não vinte anos de idade com seu primeiro romance "o país do carnaval, a história de um jovem que não consegue achar seu caminho em uma sociedade que se recusa a lidar com os problemas de ignorar ou máscara com todos os tipos de truques, incluindo o lendário carnaval. Sobre este primeiro romance, o literário Garzanti livre escreve: "aqui já contornos de sua fisionomia de escritor realista, inclina-se a uma espécie de populismo romântico, ligado ao povo e os problemas da terra baiana".

Logo depois, seguido dois romances de compromisso social "Cacau" e "suor": o primeiro sobre o dramático problema da "alugado" (escravos usados basicamente plantações de cacau), o segundo na condição de não menos dramática subclasse urbana. Mas a grande estréia que realmente coloca a atenção de todos, até mesmo fora do mundo das letras, realiza-se em 1935 com o romance "Jubiabá", do nome do herói, o grande feiticeiro negro para a Bahia. Outro romance que provocante a mentalidade brasileira, devido à intensa narrativa, estrelado por personagens de cultura e de negri (em um país cuja cultura oficial tinha até então negado o valor da cultura negra como tal), bem como uma história de amor de um homem negro com uma mulher branca (tema absolutamente tabu). Finalmente, no fundo são frustradas as fortunas de uma grande greve, parecia superar as diferenças raciais na luta de classes. Em suma, uma mistura que violou uma uma grande narrativa muito frágil, mas ao mesmo tempo enraizada resistências da cultura brasileira

Nesse ponto o caminho do caminho de Jorge Amado, a sua escolha de vida encontrará em trabalhos posteriores uma série de confirmação precisa enquanto suas escolhas políticas, tais como entrar para o partido comunista, resultará em mais vezes a prisão e o exílio. Após a segunda guerra mundial, na verdade, forçados a viver longe do Brasil com a subida a Presidência do Henry, Gaspar Dutra, Jorge Amado viveu primeiro em Paris e, em seguida, ganhador do prêmio Stalin, passa três anos na União Soviética. Em 1952 publicou um três-volume "as masmorras de liberdade", a história das lutas do partido comunista no Brasil. Outras obras públicas na sua estadia nos países da União Soviética.

Pouco depois, porém, aqui é outro grande avanço, que ocorreu em 1956. Esta é a data de sua demissão do Partido Comunista Brasileiro de desacordo sobre o desenvolvimento do comunismo na União Soviética.

Em 1958, retornou ao Brasil, para todos os surpreenda pública "Gabriela, cravo e canela". Um retorno ao passado, para sua terra natal e as lutas da "causa" para a posse de terras; no romance, incluindo um tiro e andar a bela Gabriela ama e afirma o direito de amar. Este direito de amar as mulheres, este combinação excedido-sexo pecado, brega que hoje em dia, mas naquela época, em 1958, ele completou um efeito provocador talvez maior do que o mesmo "Jubiabá" vinte anos antes. Uma nova tentativa? Amado não poderia colocar pé de Ilhéus por um longo tempo, devido a ameaças por ter ofendido a honra e a respeitabilidade das mulheres.

Muitos anos mais tarde, quando ela vira a oitenta anos, a "terra do carnaval" vai homenageá-lo com uma grande festa, um carnaval gigante no centro histórico de Pelourinho baiano, tantas vezes descrito por "mais baiano da Bahia baiano". No final de sua vida, o velho equilíbrio e indomável não poderia ser aquele escritor baseado no orgulho e satisfação. Seus livros, publicados em 52 países e traduzidos para 48 idiomas e dialetos, já vendeu milhões de cópias, ajudando a aumentar a consciência mas também para relaxar e divertir (principalmente devido a sua "segunda fase", "despreocupada" por Gabriella cravo e canela "). O lendário cantor baiano faleceu em 6 de agosto de 2001.