PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Jacqueline Bisset

ADS

Senhora de tela 13 de setembro de 1944

Quem é Jacqueline Bisset?


É a mulher que tem preenchido os sonhos eróticos de milhões de pessoas, embora agora que tem uma idade sua reputação como um comedor de homens é ultrapassado por starlets jovens mais agressivas. Ultimamente, ela foi escolhida para as funções castas e empenhadas como a mãe de Joana D'arc ou Jesus de Nazaré. Mas, além da sua reputação como um espécime feminino da sensualidade forte e sutil carga erótica, intangível e inexorável, Jaqueline Bisset também ser lembrado por seu papel dentro da história do cinema.

Perfeito por causa de sua classe inata para interpretar mulheres de classe alta talvez um pouco frívolas e falhas, sua imagem é susceptível de ser amarrado a esse clichê, enquanto deve ser lembrado que esta senhora certamente impecável tem trabalhado ao lado de gigantes filme como Chabrol, Truffaut, John Huston ou nosso Comencini e Mario Monicelli.

Nascido em Weybridge, Inglaterra, 13 de setembro de 1944, Winifred Jacqueline Bisset de Fraser é a filha mais nova de Max Fraser Bisset, médico e Arlette Alexander, advogado francês que, após o casamento e deslocalização para a Inglaterra, deixou de exercer a profissão.

Durante a guerra ele foi para morar com seus pais e irmão mais velho em uma casa do século 16, perto de leitura. Aos quinze anos devem amadurecer rapidamente e provar uma grande coragem quando forçados a cuidar de sua mãe, sofrendo de uma forma grave de esclerose múltipla.

Depois de assistir o Lycée Français em 18 anos, mudou-se para Londres (é o tempo quando o toque da década de 1960 o ápice), onde apenas por trabalho como modelo.

É lindo e o cinema em breve para notá-la.

Ele estreou em "o dom" (Richard Lester, 1965), seguido de um pouco mais tarde "Cul-de-Sac".

Substituir a Mia Farrow ao lado de Frank Sinatra para "investigação perigosa" (Gordon Douglas, 1968) e no mesmo ano o ator vincula sentimentalmente Michael Sarrazin em que executa vários filmes, incluindo "Jackie, garota de Greenwich Village" (Stuart Hagmann, 1971).

Já era a filha do juiz Roy Bean-Paul Newman ("o homem de capestri a sete", John Huston, 1972) e o vizinho de um empreendedor Jean-Paul Belmondo ("como destruir a reputação do maior agente secreto do mundo", Philippe de Broca, 1973), quando Francois Truffaut dá o papel de Julie Baker-Pamela no "dia para a noite" (1973). E com esse personagem bem como Truffaut, encanta o público internacional.

Após o término de um caso de amor com Michael Sarrazin, em 1974 ele apaixona por Victor Drai, produtor de cinema, logo substituído no coração por Alexander Godunov. No limiar dos quarenta anos e você começa a receber uma indicação ao Globo de ouro para "debaixo do vulcão" (John Huston, 1983), continua a demonstrar o seu desagrado para o casamento que será chamado "a mais bela empregada em Hollywood". Uma solteirona muito especial que, em 1997, é o amor entre os braços reconfortantes de um instrutor de artes marciais, Emin Boztepe.

Na tela grande, ao lidar com sua vida amorosa, é seguido por dois garçons estranhos em "cenas da luta de classes em Beverly Hills" (Paul Bartel, 1989). Atmosfera divertida, muito diferente de "La cérémonie" (Claude Chabrol, 1995), onde, obviamente, fictícia pagarão com suas vidas para a "culpa" de ser uma senhora muito rica.

Jaqueline Bisset em toda a sua longa carreira, resultou em um intervalo de caracteres que, apesar do critério inerente ao seu modo de fazer as coisas, deixaram uma sutil, mas profundo em nosso imaginário coletivo.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS