Biografia de Carmen Consoli

Confusa e felice 4 de setembro de 1974

Quem é Carmen Consoli?


Cônsules de Carmela Carla, agora conhecidos pelo nome de Carmen Consoli, nascido a 4 de setembro de 1974 em San Giovanni La Punta, província de Catania, por Maria Rosa e Raymond Chan. Talento precoce, tomou-se como especialmente por seu pai, o grande guitarrista que faleceram os rudimentos da música.

Já a partir de quatorze anos Carmen era uma verdadeira força da natureza. O público, apesar da sua tenra idade, lhe deu que nenhuma sujeição encontrou sempre à vontade no palco, como as pessoas podiam testemunhar ouviram tarde na cantar à noite em bares e clubes em Catania com um grupo chamado "Festa do cão da lua". Um brotamento rock star vida aquele acordo doente com compromisso da escola, embora uma boa Carmen sempre fez tudo para dar cumprimento (frequentou o Instituto de contabilidade com endereço de programação).

Finalmente em 1995, chamado pelos registros de Ciclope, ele trabalhou para a criação de um cd de tributo de Franco Battiato (intitulado "Battiato Battiato"), cantando "o animal". Sua voz é inconfundível e é bastante impressionada com qualquer um que teve a oportunidade de ouvi-lo pela primeira vez. Em 1995 participou giovani Sanremo com a canção "como me sinto", apresentado pelo conterrâneo Pippo Baudo. Ele já tinha se matriculou na Universidade de línguas e tinha preparado a 3 exames, mas em 1996, a chamada vem em Sanremo, onde ele apresentou a canção "amor de plástico", escrito em colaboração com Mario Venuti e esquece de estudar.

Francesco Virlinzi, produtor e fundador do Cyclope Records, após a primeira Sanremo produziu seu primeiro cd, lançado em 1996 e no mesmo ano o vídeo "amor de plástico" e "cascavel" linguagem.

Depois do enorme sucesso de Carmen se repete em Sanremo com a canção "Confusa e felice" em 1997 tornou-se um burro de carga e também será usado como trilha sonora do perfume manchar RoccoBarocco.

O segundo álbum solo, lançado na sequência do grande sucesso alcançado pela posição única confirmação firme que Carmen tem alcançado os corações de muitos fãs, tanto assim que ganha a platina muito ansiado. Um reconhecimento de que, para um artista italiano, é uma raridade.

Em 1998, é um dueto com Mario Venuti, ex-líder do grupo agora inexistente Denovo o tempo. O título é "Mai venha ieri": o lançamento da peça é acompanhado de um vídeo-clip, o que também não é tão óbvio para os artistas locais, que sofrem de carência crónica de meios e recursos.

No mesmo ano vê o luz, o terceiro cd, "Levemente histérica", o título que trará mais sorte e que será celebrada em uma turnê em toda a Itália. Entre 1998 e 1999 também produz três vídeos das músicas deste álbum ("bésame Giuda", 1998; "Eco di sirene", 1999; "Doce Outono", 1999).

Enquanto isso, depois de cansar desse ano tão intenso, que o cantor catanese faz uma pausa para reflexão e defeitos da sanremesi de edições de 1998 e 1999, retornando à proeminência na virada do 2000 com "preto e branco", sempre bem colocado nas paradas italianas.

Apesar de extenso sucesso como solista, Carmen nunca esqueceu as colaborações, uma "prática" que cantor particularmente intenso prefere. Inúmeros artistas que tiveram a honra de ter o seguinte: além do já mencionado Mario Venuti, na lista são os Crus, Irene LaMedica, Paola Turci, Natalie Merchant, Lula, Marco Parente, Nova bandidos, Lago Frances e outros.

Seu quinto cd "Estado de necessidade" tem desfrutado de uma lança mais internacional, incluindo uma versão projetado especificamente para o mercado francês, em que, por exemplo, existem versões de "naughty girl" (que se torna "Gamine impertinente"), "Di burro condicional" (transformado em "Narcise") e um cover de "JE suis venu te dire que je m'en vais" do Serge Gainsbourg.

Trabalhos posteriores foram "o anfiteatro e a bambina impertinente" (2001, ao vivo com orquestra), "a exceção" (2002), "Un sorso em più" (2003, ao vivo na MTV supersônico), "Eva contro Eva" (2006), "o homem que ama" – trilha sonora original do filme (2008), "Electra" (2009).