PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Alberto Asor Rosa

ADS

23 de setembro de 1933

Quem é Alberto Asor Rosa?


Alberto Asor Rosa nasceu em 23 de setembro de 1933, em Roma. Após a Revolução húngara de 1956, é signatária do famoso "dei Manifesto 101", pelo qual vários intelectuais falam negativamente sobre a intervenção soviética. Seu trabalho de estréia foi um perfil de Vasco Pratolini, lançado apenas vinte e cinco anos. Educação marxista, escreve no ensaio de 1965 escritores e pessoas "(Saraiva e Savelli), que define e critica a veia populista da literatura italiana, naqueles anos, representada entre outros por"vida de rapazes", romance de Pier Paolo Pasolini. Entre 1968 e 1971 dirige a revista "contraparte" (é fechar para as posições de operaist Mario Tronti). Quando lecionava na Universidade de Cagliari, em 1971 grava "maldade de Thomas Mann ou burguês"; no ano seguinte tornou-se Professor de literatura italiana da Università La Sapienza, em Roma.

Em 1974, depois de perceber o livro "intelectuais e a classe trabalhadora: ensaios sobre as formas de um conflito histórico e uma possível aliança," Alberto Asor Rosa publica "Galilei e a ciência nova," e "cultura da contra-reforma" de Lai. no ano seguinte para Einaudi, no volume "história da Itália", "cultura" e escreveu "A ópera do século XVII" e "lúdicas poetas do barroco". Sempre para a Einaudi, em 1977 ele escreveu "Italicum de género" e "as duas empresas"; com a nova Itália publica "Resumos da literatura italiana" em 1979, ano em que ocupa, para enciclopédia Einaudi, sob "intelectuais". -Adjunto também torna-se, mas vai deixar o Parlamento tão cedo como 1980.

Tornou-se diretor em 1981, "laboratório político" (manterá por dois anos), Barbour escreve, "Ungaretti e cultura romana", enquanto em 1985 algumas reflexões políticas em público "paradoxo". Em 1990 ele foi escolhido como diretor de "renascimento", o partido comunista italiano semanal que permanece em condução por um ano. Na segunda metade da década de 1990, escreve "esquerda para o teste" (Einaudi) e "século XX" (Itália). Ele é o autor, em anos posteriores, "literatura italiana do século XX. Por séculos de orçamento "e" estilo de Calvino: cinco estudos ". Em 2002 foi nomeado cidadão honorário de Artena, que frequentou como uma criança, porque sua avó materna viveu e publicou o romance "o amanhecer de um novo mundo", Einaudi, definido nos anos da segunda guerra mundial. No ano seguinte, tendo atingido o limite de idade para a aposentadoria, deixando o ensino.

Em 2004 tome a direção do "Boletim de estudos italianos", revista semestral de lingüística, Filologia, história literária e crítica, enquanto no ano seguinte dá as estampas, sempre por Einaudi, a novela "histórias de animais e outros vivos". Também em 2005, foi um estúdio dedicado em seu ensaio "crítica e projeto. Culturas na Itália da década de 1960 até hoje ". Ele retornou ensinar em 2006, sempre da Universidade Sapienza, trabalha na "História européia da literatura italiana", lançada em 2009 (ano em que colabora com Simonetta Fiori em "o grande silêncio. Entrevista intelectuais ", Laterza, reflete sobre a história dos intelectuais, especialmente dos últimos sessenta anos); no livro "escreve e Alexander. Histórias de formigas ", publicado em 2010.

Em 2011, mexa com um artigo no jornal Il Manifesto que pede a intervenção de "um confronto que [...] desce de cima "e estabelecer um" estado de emergência "congelamento quartos, suspender a imunidade parlamentar tudo, retornando"do poder judiciário e suas capacidade de acção "e estabelecendo" novas regras eleitorais da autoridade". No mesmo ano, publicou "as armas da crítica. Escritos e ensaios dos twenties rujir (1960-1970) ", uma coleção de ensaios de crítica literária. Em 2013, publica "Contos", a coleção que explora os temas da morte, tempo e memória.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS