Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

2 Crônicas 6-7-8-9, Destaques da Bíblia: semana de 30 de novembro

Destaques da leitura da Bíblia: 2 Crônicas 6-9. Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:



Pesquisa para Destaques da Bíblia desta semana: 2 Crônicas 6-9


(2 CRÔNICAS 6:4)

“E ele prosseguiu, dizendo: “Bendito seja Jeová, o Deus de Israel, que falou com a sua própria boca com Davi, meu pai, e que pelas suas próprias mãos deu cumprimento, dizendo:”

*** w05 1/12 p. 19 Destaques do livro de Segundo das Crônicas ***
6:4. O apreço de coração pela benevolência e bondade de Jeová deve nos motivar a bendizê-lo, ou seja, louvar a Jeová com afeição e gratidão.

(2 CRÔNICAS 6:29)

“qualquer oração, qualquer pedido de favor que venha a haver da parte de qualquer homem ou de todo o teu povo Israel, por conhecerem, cada um, a sua própria praga e a sua própria dor; quando ele realmente estender as palmas das suas mãos para esta casa,”

*** w10 1/12 p. 11 Ele conhece “o coração dos filhos da humanidade” ***
Achegue-se a Deus
Ele conhece “o coração dos filhos da humanidade”
2 CRÔNICAS 6:29, 30
QUEM de nós já não se sentiu esmagado pelos desafios e problemas da vida? Às vezes pode parecer que não existe ninguém que realmente entende as dificuldades que enfrentamos ou a profunda dor que sentimos. Mas há alguém que entende plenamente nossos sentimentos — Jeová Deus. Podemos encontrar consolo nas palavras de Salomão em 2 Crônicas 6:29, 30.
Salomão orou na inauguração do templo em Jerusalém em 1026 AEC. Nessa oração, que talvez tenha levado dez minutos, Salomão louvou a Jeová como um Deus de lealdade, o Cumpridor de promessas e o Ouvinte de oração. — 1 Reis 8:23-53; 2 Crônicas 6:14-42.
Salomão implorou a Deus para que ouvisse as súplicas de seus adoradores. (Versículo 29) Apesar de Salomão mencionar muitas aflições (versículo 28), ele observou que cada adorador conhecia “a sua própria praga” e sentia “a sua própria dor”. Uma pessoa pode estar sofrendo por um motivo ao passo que outra talvez esteja passando por um problema muito diferente.
Seja qual for o caso, os que temem a Deus não precisam enfrentar seus problemas sozinhos. Em sua oração, Salomão tinha em mente o adorador individual que talvez sentisse necessidade de ‘estender as palmas das mãos’, aproximando-se de Jeová numa oração sincera. Talvez Salomão tenha se lembrado de seu pai, Davi, que quando se sentiu muito aflito disse: “Lança teu fardo sobre o próprio Jeová.” — Salmo 55:4, 22.
Como Jeová atende os pedidos sinceros por ajuda? Salomão implorou a Jeová: “Que tu mesmo ouças desde os céus, lugar da tua morada, e terás de perdoar e dar a cada um segundo todos os seus caminhos.” (Versículo 30) Salomão sabia que o “Ouvinte de oração” se importa com seus adoradores não apenas como grupo, mas também como indivíduos. (Salmo 65:2) Jeová provê a ajuda necessária, incluindo o perdão para o pecador que retorna a Ele de todo o coração. — 2 Crônicas 6:36-39.
Por que Salomão tinha certeza de que Jeová responderia aos apelos de um adorador arrependido? Continuando sua oração, ele observou: ‘Porque tu, Jeová, conheces o seu coração (pois somente tu mesmo conheces bem o coração dos filhos da humanidade).’ Jeová conhece a praga ou a dor de cada adorador fiel, e se preocupa com sua aflição. — Salmo 37:4.
A oração de Salomão pode nos consolar. Amigos talvez não entendam plenamente nossos sentimentos íntimos — nossa “própria praga” e nossa “própria dor”. (Provérbios 14:10) Mas Jeová conhece nosso coração e se importa muito conosco. Derramar nosso coração a ele em oração pode tornar nossos problemas mais fáceis de suportar. A Bíblia diz: ‘Lançem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.’ — 1 Pedro 5:7.
[Nota(s) de rodapé]
Nos tempos bíblicos, ‘estender as palmas das mãos’, mantendo-as voltadas para cima, era um gesto que indicava oração. — 2 Crônicas 6:13.

*** w08 15/3 pp. 12-13 pars. 5-6 Jeová escuta nossos ‘clamores por ajuda’ ***
5 Salomão, filho de Davi, destacou esse fato na dedicação do templo em Jerusalém. (Leia 2 Crônicas 6:29-31.) Ele implorou a Jeová que ouvisse os clamores de todos os sinceros que orassem a Ele a respeito de ‘sua própria praga e de sua própria dor’. Como Deus reagiria às orações dessas pessoas aflitas? Salomão tinha certeza de que Deus não apenas escutaria essas orações, mas também agiria em benefício dessas pessoas. Por quê? Porque Deus realmente sabe o que há no “coração dos filhos da humanidade”.
6 Nós também podemos orar a Jeová a respeito de ‘nossa própria praga e nossa própria dor’, nossas aflições. Devemos nos sentir consolados de saber que ele entende nossas aflições e se importa conosco.

*** w04 1/1 p. 32 Deus se importa conosco? ***
Deus se importa conosco?
VOCÊ está emocionalmente sobrecarregado por causa de problemas de família, saúde, trabalho, ou outras responsabilidades de peso? Muitas pessoas se sentem assim. E quem hoje não é afetado por injustiça, crime e violência? De fato, acontece exatamente como a Bíblia diz: “Toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores até agora.” (Romanos 8:22) Não é de admirar que muitos perguntem: ‘Será que Deus se importa com o que acontece? Ele nos ajudará de alguma maneira?’
O sábio Rei Salomão disse a Deus em oração: “Somente tu mesmo conheces bem o coração dos filhos da humanidade.” Salomão estava certo que Deus não apenas nos conhece, mas também se importa com cada um de nós. Ele pediu a Deus para ‘ouvir desde os céus’ e responder as orações de cada pessoa piedosa que Lhe revelasse “a sua própria praga e a sua própria dor”. — 2 Crônicas 6:29, 30.
Jeová Deus ainda se importa conosco e nos convida a implorar a ele em oração. (Salmo 50:15) Ele promete responder as orações sinceras que estiverem em harmonia com sua vontade. (Salmo 55:16, 22; Lucas 11:5-13; 2 Coríntios 4:7) Jeová realmente ouve ‘qualquer oração e qualquer pedido de favor da parte de qualquer homem ou de todo o seu povo’. Assim, se confiarmos em Deus, orarmos por sua ajuda e nos achegarmos a ele, receberemos seu cuidado amoroso e sua orientação. (Provérbios 3:5, 6) O escritor bíblico Tiago nos garante: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós.” — Tiago 4:8.

*** w97 15/4 p. 4 “O Deus de paz” cuida dos aflitos ***
Jeová não é indiferente às adversidades do seu povo. (Salmo 34:15) Está atento às necessidades de cada indivíduo que o teme, não só dos seus servos como grupo. Ao dedicar o templo na Jerusalém antiga, Salomão implorou a Jeová que ouvisse ‘qualquer oração, qualquer pedido de favor que viesse a haver da parte de qualquer homem ou de todo o seu povo Israel, por conhecerem, cada um, a sua própria praga e a sua própria dor’. (2 Crônicas 6:29) Como Salomão reconheceu, cada indivíduo tem um tipo de sofrimento a suportar. Para alguém, pode ser uma doença física. Para outro, problemas emocionais. Alguns sofrem com a morte dum ente querido. Desemprego, dificuldades financeiras e problemas familiares também são sofrimentos comuns nos tempos difíceis em que vivemos.

(2 CRÔNICAS 6:30)

“então que tu mesmo ouças desde os céus, lugar da tua morada, e terás de perdoar e dar a cada um segundo todos os seus caminhos, porque conheces o seu coração (pois somente tu mesmo conheces bem o coração dos filhos da humanidade);”

*** w10 1/12 p. 11 Ele conhece “o coração dos filhos da humanidade” ***
Achegue-se a Deus
Ele conhece “o coração dos filhos da humanidade”
2 CRÔNICAS 6:29, 30
QUEM de nós já não se sentiu esmagado pelos desafios e problemas da vida? Às vezes pode parecer que não existe ninguém que realmente entende as dificuldades que enfrentamos ou a profunda dor que sentimos. Mas há alguém que entende plenamente nossos sentimentos — Jeová Deus. Podemos encontrar consolo nas palavras de Salomão em 2 Crônicas 6:29, 30.
Salomão orou na inauguração do templo em Jerusalém em 1026 AEC. Nessa oração, que talvez tenha levado dez minutos, Salomão louvou a Jeová como um Deus de lealdade, o Cumpridor de promessas e o Ouvinte de oração. — 1 Reis 8:23-53; 2 Crônicas 6:14-42.
Salomão implorou a Deus para que ouvisse as súplicas de seus adoradores. (Versículo 29) Apesar de Salomão mencionar muitas aflições (versículo 28), ele observou que cada adorador conhecia “a sua própria praga” e sentia “a sua própria dor”. Uma pessoa pode estar sofrendo por um motivo ao passo que outra talvez esteja passando por um problema muito diferente.
Seja qual for o caso, os que temem a Deus não precisam enfrentar seus problemas sozinhos. Em sua oração, Salomão tinha em mente o adorador individual que talvez sentisse necessidade de ‘estender as palmas das mãos’, aproximando-se de Jeová numa oração sincera. Talvez Salomão tenha se lembrado de seu pai, Davi, que quando se sentiu muito aflito disse: “Lança teu fardo sobre o próprio Jeová.” — Salmo 55:4, 22.
Como Jeová atende os pedidos sinceros por ajuda? Salomão implorou a Jeová: “Que tu mesmo ouças desde os céus, lugar da tua morada, e terás de perdoar e dar a cada um segundo todos os seus caminhos.” (Versículo 30) Salomão sabia que o “Ouvinte de oração” se importa com seus adoradores não apenas como grupo, mas também como indivíduos. (Salmo 65:2) Jeová provê a ajuda necessária, incluindo o perdão para o pecador que retorna a Ele de todo o coração. — 2 Crônicas 6:36-39.
Por que Salomão tinha certeza de que Jeová responderia aos apelos de um adorador arrependido? Continuando sua oração, ele observou: ‘Porque tu, Jeová, conheces o seu coração (pois somente tu mesmo conheces bem o coração dos filhos da humanidade).’ Jeová conhece a praga ou a dor de cada adorador fiel, e se preocupa com sua aflição. — Salmo 37:4.
A oração de Salomão pode nos consolar. Amigos talvez não entendam plenamente nossos sentimentos íntimos — nossa “própria praga” e nossa “própria dor”. (Provérbios 14:10) Mas Jeová conhece nosso coração e se importa muito conosco. Derramar nosso coração a ele em oração pode tornar nossos problemas mais fáceis de suportar. A Bíblia diz: ‘Lançem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele tem cuidado de vocês.’ — 1 Pedro 5:7.
[Nota(s) de rodapé]
Nos tempos bíblicos, ‘estender as palmas das mãos’, mantendo-as voltadas para cima, era um gesto que indicava oração. — 2 Crônicas 6:13.

*** w08 15/3 pp. 12-13 pars. 5-6 Jeová escuta nossos ‘clamores por ajuda’ ***
5 Salomão, filho de Davi, destacou esse fato na dedicação do templo em Jerusalém. (Leia 2 Crônicas 6:29-31.) Ele implorou a Jeová que ouvisse os clamores de todos os sinceros que orassem a Ele a respeito de ‘sua própria praga e de sua própria dor’. Como Deus reagiria às orações dessas pessoas aflitas? Salomão tinha certeza de que Deus não apenas escutaria essas orações, mas também agiria em benefício dessas pessoas. Por quê? Porque Deus realmente sabe o que há no “coração dos filhos da humanidade”.
6 Nós também podemos orar a Jeová a respeito de ‘nossa própria praga e nossa própria dor’, nossas aflições. Devemos nos sentir consolados de saber que ele entende nossas aflições e se importa conosco.

*** w04 1/1 p. 32 Deus se importa conosco? ***
Deus se importa conosco?
VOCÊ está emocionalmente sobrecarregado por causa de problemas de família, saúde, trabalho, ou outras responsabilidades de peso? Muitas pessoas se sentem assim. E quem hoje não é afetado por injustiça, crime e violência? De fato, acontece exatamente como a Bíblia diz: “Toda a criação junta persiste em gemer e junta está em dores até agora.” (Romanos 8:22) Não é de admirar que muitos perguntem: ‘Será que Deus se importa com o que acontece? Ele nos ajudará de alguma maneira?’
O sábio Rei Salomão disse a Deus em oração: “Somente tu mesmo conheces bem o coração dos filhos da humanidade.” Salomão estava certo que Deus não apenas nos conhece, mas também se importa com cada um de nós. Ele pediu a Deus para ‘ouvir desde os céus’ e responder as orações de cada pessoa piedosa que Lhe revelasse “a sua própria praga e a sua própria dor”. — 2 Crônicas 6:29, 30.
Jeová Deus ainda se importa conosco e nos convida a implorar a ele em oração. (Salmo 50:15) Ele promete responder as orações sinceras que estiverem em harmonia com sua vontade. (Salmo 55:16, 22; Lucas 11:5-13; 2 Coríntios 4:7) Jeová realmente ouve ‘qualquer oração e qualquer pedido de favor da parte de qualquer homem ou de todo o seu povo’. Assim, se confiarmos em Deus, orarmos por sua ajuda e nos achegarmos a ele, receberemos seu cuidado amoroso e sua orientação. (Provérbios 3:5, 6) O escritor bíblico Tiago nos garante: “Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós.” — Tiago 4:8.

(2 CRÔNICAS 7:14)

“e meu povo, que tem sido chamado pelo meu nome, se humilhar e orar, e procurar a minha face, e recuar dos seus maus caminhos, então eu mesmo ouvirei desde os céus e perdoarei o seu pecado, e sararei a sua terra.”

*** g94 22/1 p. 19 Como largar a vida dupla? ***
Mas não basta só lamentar o que está fazendo. Robert, um rapaz que usava drogas às escondidas, admite: “Eu era muito infeliz. Sabia o que era certo e o que era errado. Mesmo assim levava vida dupla.” Por isso é preciso agir com coragem! Em 2 Crônicas 7:14, Deus disse que, se pecadores se ‘humilhassem e orassem, e procurassem a sua face, e recuassem dos seus maus caminhos, então ele mesmo ouviria desde os céus e perdoaria o seu pecado’.
‘Procurar a face de Deus’ significa orar a ele, confessar o erro e suplicar perdão. Pode não ser fácil fazer isso, mas você sem dúvida se sentirá muito aliviado se o fizer.

(2 CRÔNICAS 8:2)

“que as cidades que Hirão tinha dado a Salomão — Salomão as reconstruiu e então fez os filhos de Israel morar ali.”

*** it-1 p. 389 Cabul ***
No relato paralelo dos eventos que se seguiram ao término do projeto de construções de Salomão, 2 Crônicas 8:2 menciona as cidades “que Hirão tinha dado a Salomão”, cidades que Salomão reconstruiu para serem usadas pelos israelitas. Não se declara se estas cidades eram ou não as mesmas que Salomão inicialmente deu de presente a Hirão. Se eram, então este texto indicaria que Hirão rejeitou essa dádiva. Alguns também sugerem que estava envolvida uma troca de presentes de cidades, embora isto não seja mencionado no relato de Primeiro Reis 9.

*** it-2 p. 333 Hirão ***
Ao fim dos vinte anos de construção de Salomão, este deu a Hirão 20 cidades, mas elas mostravam ser bem indesejáveis aos olhos de Hirão. (1Rs 9:10-13; veja CABUL N.° 2.) Não há certeza se Hirão devolveu estas mesmas cidades a Salomão ou lhe deu outras. (2Cr 8:1, 2)

(2 CRÔNICAS 8:3)

“Outrossim, Salomão foi a Hamate-Zobá e prevaleceu sobre ela.”

*** it-2 p. 282 Hamate-Zobá ***
Hamate-Zobá
Este lugar foi evidentemente conquistado por Salomão e assim consta no único envolvimento militar dele aludido nas Escrituras. (2Cr 8:3) A identificação exata de Hamate-Zobá é incerta. Hamate e Zobá talvez fossem reinos vizinhos (veja 1Cr 18:9; 2Cr 8:4), daí o nome composto de “Hamate-Zobá”. Que dois lugares geográficos vizinhos podem ser juntados assim é ilustrado por 1 Crônicas 6:78. O hebraico literal deste texto reza “do Jordão Jericó”, ou “do Jordão de Jericó”, e usualmente é vertido por “do Jordão, [na altura] de Jericó”. — NM, Al, BLH.

(2 CRÔNICAS 8:4)

“Então reconstruiu Tadmor, no ermo, e todas as cidades-armazéns que havia construído em Hamate.”

*** w99 15/1 p. 28 “A senhora de cabelos escuros do ermo da Síria” ***
Uma cidade na extremidade de um deserto
Palmira, a cidade de Zenóbia, ficava cerca de 210 quilômetros ao nordeste de Damasco, na extremidade norte do deserto da Síria, onde as cordilheiras do Antilíbano descem à planície. Essa cidade-oásis ficava aproximadamente na metade do caminho entre o mar Mediterrâneo, ao oeste, e o rio Eufrates, ao leste. O Rei Salomão pode tê-la conhecido como Tadmor, um lugar que era vital para o bem-estar de seu reino por duas razões: como guarnição para a defesa da fronteira norte e como um elo crucial na rota das cidades-caravanas. Por isso, Salomão “reconstruiu Tadmor, no ermo”. — 2 Crônicas 8:4.
A história não menciona Tadmor nos mil anos que se seguiram ao reinado de Salomão. Se sua identificação com Palmira estiver correta, ela começou a destacar-se depois que a Síria se tornou um posto avançado do império romano, em 64 AEC.

(2 CRÔNICAS 8:10)

“Estes eram os chefes dos prepostos que pertenciam ao Rei Salomão, duzentos e cinqüenta, os capatazes sobre o povo.”

*** w05 1/12 p. 19 Destaques do livro de Segundo das Crônicas ***
2:18; 8:10 — Esses versículos mostram que o número de prepostos que serviam como encarregados e capatazes sobre os trabalhadores era de 3.600 mais 250, ao passo que 1 Reis 5:16; 9:23 mostra esse número como sendo de 3.300 mais 550. Por que essa diferença? A diferença parece estar na forma em que os prepostos eram classificados. Pode ser que Segundo das Crônicas diferencie os 3.600 prepostos não-israelitas e os 250 prepostos israelitas, ao passo que Primeiro dos Reis distingue os 3.300 capatazes dos 550 chefes de posição mais elevada. Nos dois casos, o número total dos que serviam como prepostos era de 3.850.

(2 CRÔNICAS 8:18)

“E Hirão, por meio dos seus servos, enviou-lhe regularmente navios e servos que tinham conhecimento do mar, e estes iam com os servos de Salomão a Ofir, e foram tomar de lá quatrocentos e cinqüenta talentos de ouro e trazê-lo ao Rei Salomão.”

*** it-2 p. 96 Eziom-Géber ***
Pode-se notar que tanto no caso de Salomão como no de Jeosafá alguns dos navios se destinavam a ir não só a Ofir, mas também a Társis. (2Cr 9:21; 20:36, 37) Visto que há forte evidência de que Társis ficava na Espanha, alguns duvidam de que navios saindo de Eziom-Géber pudessem ter feito tal viagem nos tempos antigos. Sobre isso, veja o artigo TÁRSIS N.° 4, onde se apresenta a possibilidade da existência dum canal do Nilo para o mar Vermelho. Tal canal poderia também explicar como o Rei Hirão podia enviar não somente homens, mas “navios” a Eziom-Géber e Elote (Elate) para o uso de Salomão. (2Cr 8:17, 18) Por outro lado, sugeriu-se também que esses navios talvez fossem mandados para um ponto na costa filistéia, desmantelados e transportados por terra até o golfo de ʽAqaba, onde eram reconstruídos. Os que sustentam tal conceito salientam que os cruzados, mais tarde, usaram um método similar. Quer por algum canal entre o Nilo e o mar Vermelho, quer por rota terrestre, parece provável que pelo menos a madeira tenha sido suprida de florestas em outra parte, visto que a região ao redor de Eziom-Géber tem palmeirais, mas não árvores adequadas para a construção de navios.

(2 CRÔNICAS 9:1)

“E a própria rainha de Sabá ouviu as notícias a respeito de Salomão e ela passou a vir, para pôr Salomão à prova com perguntas difíceis, em Jerusalém, junto com um séquito bem impressionante e com camelos carregando óleo de bálsamo, e ouro em grande quantidade, e pedras preciosas. Por fim ela entrou até Salomão e falou com ele sobre tudo o que lhe veio a ser achegado ao coração.”

*** it-1 p. 169 Arábia ***
Por causa da grande superioridade do camelo sobre o jumento nas longas viagens pelo deserto, considera-se que sua domesticação tenha resultado em algo parecido a uma revolução econômica para a Arábia, contribuindo para o desenvolvimento dos chamados “Reinos das Especiarias” da Arábia do Sul.
Caravanas de camelos, procedentes do S mais fértil, serpenteavam pelas rotas desérticas que corriam paralelas ao mar Vermelho, avançando de um oásis para outro, e de um poço para outro, até que alcançavam a península do Sinai, ponto do qual podiam desviar-se em direção ao Egito ou continuar a subir até a Palestina ou Damasco. Além de suas altamente prezadas especiarias e resinas aromáticas, tais como o olíbano e a mirra (Is 60:6), talvez transportassem ouro e madeira de algum de Ofir (1Rs 9:28; 10:11), e pedras preciosas, como fez a rainha de Sabá em sua visita ao Rei Salomão. (1Rs 10:1-10, 15; 2Cr 9:1-9, 14)

(2 CRÔNICAS 9:4)

“e o alimento da sua mesa, e a maneira de se assentarem os seus servos, e o serviço à mesa dos seus garçons e o vestuário deles, e seu serviço de bebida e o vestuário deles, e seus sacrifícios queimados que oferecia regularmente na casa de Jeová, então se mostrou não haver mais espírito nela.”

*** w99 1/11 p. 23 Quando há bastante generosidade ***
Durante o glorioso reinado de Salomão, “todos os reis da terra”, que ouviram falar dele, vieram visitá-lo. Mas a Bíblia menciona por nome apenas um governante, a rainha de Sabá. (2 Crônicas 9:23) Que sacrifício ela fez! Mas ela foi ricamente recompensada — tanto assim, que no fim da sua visita ela ficou “de boca aberta e muito admirada”. — 2 Crônicas 9:4, A Bíblia na Linguagem de Hoje.

(2 CRÔNICAS 9:11)

“E o rei passou a fazer da madeira de algum escadas para a casa de Jeová e para a casa do rei, e também harpas e instrumentos de cordas para os cantores, e nunca antes se vira tais na terra de Judá.”

*** it-1 p. 83 Algum ***
Algum
[hebr.: ʼal•gum•mím (2Cr 2:8; 9:10, 11); ʼal•mug•gím (1Rs 10:11, 12)].
Árvore incluída por Salomão na sua solicitação a Hirão, de Tiro, de lhe prover madeira para a construção do templo, e da qual se fizeram escadarias e escoras, bem como harpas e outros instrumentos de cordas.
A árvore chamada algum, deste relato, não pode ser identificada com certeza. Sugere-se tradicionalmente que se trata do sândalo-vermelho (Pterocarpus santalinus) agora encontrado na Índia e em Sri Lanka, embora alguns favoreçam o sândalo-branco (Santalum album), talvez por causa da declaração de Josefo, de que é similar à madeira de pinho, “mas . . . mais branca e mais lustrosa”. (Jewish Antiquities [Antiguidades Judaicas], VIII, 177 [vii, 1]) O sândalo-vermelho atinge a altura de uns 7,5 a 9 m e tem madeira dura, de fino grão e cor castanho-avermelhada, que aceita um alto grau de polimento. Sugere-se que é própria para instrumentos musicais do tipo mencionado no relato bíblico. A madeira é fragrante e é muito resistente a insetos.
O sândalo-vermelho não cresce atualmente no Líbano. Entretanto, o registro não define se as árvores de “algum” eram nativas do Líbano ou não. De qualquer modo, Hirão, mais tarde, achou por bem trazê-las de Ofir, e mesmo assim, a madeira talvez fosse importada até em Ofir, visto que este estava em condições de atuar como centro mercantil de contatos com a Índia, o Egito e outros lugares na África. (1Rs 10:11, 22) A raridade e a preciosidade da madeira entregue por Hirão são indicadas pela declaração de que “madeira de algum semelhante a esta nunca mais entrou nem se viu até o dia de hoje”. — 1Rs 10:12.

(2 CRÔNICAS 9:12)

“E o próprio Rei Salomão deu à rainha de Sabá tudo do seu agrado que ela havia pedido, além [do valor] daquilo que ela trouxe ao rei. Portanto, ela se virou e foi para a sua própria terra, ela junto com os seus servos.”

*** w99 1/11 p. 20 Quando há bastante generosidade ***
A rainha de Sabá obviamente era uma mulher rica e generosa. Além disso, a sua generosidade foi retribuída. O “Rei Salomão”, diz a Bíblia, “deu à rainha de Sabá tudo do seu agrado que ela havia pedido, além do valor daquilo que ela trouxe ao rei”. (2 Crônicas 9:12) Deveras, talvez fosse o costume das realezas trocar presentes; no entanto, a Bíblia menciona especificamente a “liberalidade” de Salomão. (1 Reis 10:13) O próprio Salomão escreveu: “Far-se-á que a própria alma generosa engorde, e aquele que rega liberalmente os outros também será regado liberalmente.” — Provérbios 11:25.

(2 CRÔNICAS 9:15)

“E o Rei Salomão foi fazer duzentos escudos grandes de liga de ouro (passou a pôr em cada escudo grande seiscentos [siclos] de liga de ouro),”

*** it-1 p. 190 Armas, armadura ***
O “escudo” menor ou “broquel” (hebr.: ma•ghén) era costumeiramente usado por arqueiros e usualmente é associado com armas leves, tais como o arco. Por exemplo, era usado pelos arqueiros benjaminitas da força militar do Rei Asa, de Judá. (2Cr 14:8) O escudo menor costumava ser redondo e era mais comum do que o escudo grande, provavelmente sendo usado principalmente no combate de corpo a corpo. Que o tsin•náh e o ma•ghén hebraicos diferiam consideravelmente em tamanho parece ser indicado pelos escudos de ouro feitos por Salomão, sendo que o escudo grande era revestido com quatro vezes mais ouro do que o escudo menor, ou broquel. (1Rs 10:16, 17; 2Cr 9:15, 16) O ma•ghén, assim como o tsin•náh, parece ter constituído parte duma expressão geral para armas de guerra. — 2Cr 14:8; 17:17; 32:5.

*** it-1 p. 457 Casa da floresta do Líbano ***
Depois de Salomão ter terminado a casa, colocou nela 200 escudos grandes de liga de ouro, cada um revestido de 600 siclos de ouro (no valor de c. US$ 77.000), e 300 broquéis de liga de ouro, cada um revestido de três minas de ouro (no valor de c. US$ 19.300). Isto seria ouro no valor de mais de 21 milhões de dólares americanos nos escudos e nos broquéis. Além disso, havia um número não especificado de vasos de ouro usados na casa. (1Rs 10:16, 17, 21; 2Cr 9:15, 16, 20) Esses escudos de ouro foram levados pelo Rei Sisaque, do Egito, durante o reinado do filho de Salomão, Roboão.

(2 CRÔNICAS 9:16)

“e trezentos broquéis de liga de ouro (passou a pôr em cada broquel três minas de ouro). O rei os colocou então na Casa da Floresta do Líbano.”

*** it-1 p. 190 Armas, armadura ***
O “escudo” menor ou “broquel” (hebr.: ma•ghén) era costumeiramente usado por arqueiros e usualmente é associado com armas leves, tais como o arco. Por exemplo, era usado pelos arqueiros benjaminitas da força militar do Rei Asa, de Judá. (2Cr 14:8) O escudo menor costumava ser redondo e era mais comum do que o escudo grande, provavelmente sendo usado principalmente no combate de corpo a corpo. Que o tsin•náh e o ma•ghén hebraicos diferiam consideravelmente em tamanho parece ser indicado pelos escudos de ouro feitos por Salomão, sendo que o escudo grande era revestido com quatro vezes mais ouro do que o escudo menor, ou broquel. (1Rs 10:16, 17; 2Cr 9:15, 16) O ma•ghén, assim como o tsin•náh, parece ter constituído parte duma expressão geral para armas de guerra. — 2Cr 14:8; 17:17; 32:5.

*** it-1 p. 457 Casa da floresta do Líbano ***
Depois de Salomão ter terminado a casa, colocou nela 200 escudos grandes de liga de ouro, cada um revestido de 600 siclos de ouro (no valor de c. US$ 77.000), e 300 broquéis de liga de ouro, cada um revestido de três minas de ouro (no valor de c. US$ 19.300). Isto seria ouro no valor de mais de 21 milhões de dólares americanos nos escudos e nos broquéis. Além disso, havia um número não especificado de vasos de ouro usados na casa. (1Rs 10:16, 17, 21; 2Cr 9:15, 16, 20) Esses escudos de ouro foram levados pelo Rei Sisaque, do Egito, durante o reinado do filho de Salomão, Roboão.

(2 CRÔNICAS 9:21)

“Pois, navios pertencentes ao rei iam a Társis com os servos de Hirão. Uma vez em cada três anos os navios de Társis vinham trazendo ouro e prata, marfim, e macacos e pavões.”

*** it-2 p. 96 Eziom-Géber ***
Pode-se notar que tanto no caso de Salomão como no de Jeosafá alguns dos navios se destinavam a ir não só a Ofir, mas também a Társis. (2Cr 9:21; 20:36, 37) Visto que há forte evidência de que Társis ficava na Espanha, alguns duvidam de que navios saindo de Eziom-Géber pudessem ter feito tal viagem nos tempos antigos. Sobre isso, veja o artigo TÁRSIS N.° 4, onde se apresenta a possibilidade da existência dum canal do Nilo para o mar Vermelho. Tal canal poderia também explicar como o Rei Hirão podia enviar não somente homens, mas “navios” a Eziom-Géber e Elote (Elate) para o uso de Salomão. (2Cr 8:17, 18) Por outro lado, sugeriu-se também que esses navios talvez fossem mandados para um ponto na costa filistéia, desmantelados e transportados por terra até o golfo de ʽAqaba, onde eram reconstruídos. Os que sustentam tal conceito salientam que os cruzados, mais tarde, usaram um método similar. Quer por algum canal entre o Nilo e o mar Vermelho, quer por rota terrestre, parece provável que pelo menos a madeira tenha sido suprida de florestas em outra parte, visto que a região ao redor de Eziom-Géber tem palmeirais, mas não árvores adequadas para a construção de navios.

*** it-2 p. 732 Macaco ***
Macaco
[hebr.: qohf].
Os macacos importados pelo Rei Salomão talvez fossem do tipo de macacos de cauda longa, mencionados por antigos escritores como nativos da Etiópia. (1Rs 10:22; 2Cr 9:21) Ser a palavra hebraica qohf possivelmente aparentada com a palavra sânscrita kapi e serem os pavões considerados nativos do SE da Ásia têm dado margem à conclusão de que os macacos eram trazidos pela frota de Salomão da Índia ou do Ceilão. No entanto, os itens importados não necessariamente tinham de vir diretamente do país de origem, nem da mesma terra, em vista dos indícios de que havia intercâmbio comercial entre a Índia e a África, mesmo já antes do tempo de Salomão. — Veja PAVÃO; TÁRSIS N.° 4.

(2 CRÔNICAS 9:29)

“Quanto ao restante dos assuntos de Salomão, os primeiros e os últimos, não estão escritos entre as palavras de Natã, o profeta, e na profecia de Aijá, o silonita, e no registro das visões de Ido, o visionário, referente a Jeroboão, filho de Nebate?”

*** w12 15/2 p. 25 Natã — Leal defensor da adoração pura ***
Natã tem também seu nome ligado à composição de um relato sobre os “assuntos de Salomão”. (2 Crô. 9:29) Bem provavelmente isso significa que Natã continuou ativo nos assuntos da corte mesmo depois da morte de Davi.

*** it-1 p. 72 Aijá ***
A “profecia de Aijá”, um dos registros escritos que incluíam os assuntos de Salomão, sobreviveu até o tempo em que Esdras compilou Crônicas. — 2Cr 9:29.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone