sexta-feira, outubro 16, 2015

1 Crônicas 8-9-10-11, Destaques da Bíblia: semana de 19 de outubro

ADS

Destaques da leitura da Bíblia: 1 Crônicas 8-11. Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:




Pesquisa para Destaques da Bíblia desta semana: 1 Crônicas 8-11


(1 CRÔNICAS 8:29)

“E foi em Gibeão que morava o pai de Gibeão, [Jeiel,] e o nome de sua esposa foi Maacá.”

*** it-1 pp. 18-19 Abiel ***
Abiel
[(Meu) Pai É Deus].
1. Filho de Zeror, e descendente de Becorate e de Afia, da tribo de Benjamim. Uma comparação de 1 Crônicas 8:29-33 e 9:35-39 com 1 Samuel 9:1, 2 e 1 Sam. 14:50, 51, fornece uma base para se crer que Abiel também seja chamado de “Jeiel” no relato de Crônicas, visto que se mostra ali que Jeiel é pai de Ner, que se tornou pai de Quis, pai de Saul. Primeiro Samuel 14:50, 51, mostra também que Abiel (ou Jeiel) era o pai de Ner. O registro em Crônicas indica que Jeiel (ou Abiel) teve outros nove filhos, dos quais um se chamava Quis, e este Quis mais velho seria assim o tio do filho de Ner, que tinha o mesmo nome.
Presumindo-se que tanto Abiel como Jeiel sejam nomes da mesma pessoa, chegamos a uma genealogia como a apresentada nesta tabela.
[Tabela]
(Para o texto formatado, veja a publicação)
Afia (descendente de Benjamim)
Becorate
Zeror
Abiel ou Jeiel
Abdom Zur Quis Baal Ner Nadabe Gedor Aiô Zacarias Miclote
(Zequer)
Abner Quis
Saul
Portanto, ao lermos em 1 Samuel 9:1 que Quis (isto é, o segundo Quis, pai de Saul) era “filho de Abiel”, parece que o sentido é que ele era neto de Abiel, conforme muitas vezes se dá na genealogia bíblica, quando simplesmente se omitem um ou mais elos na genealogia.

*** it-1 p. 19 Abiel ***
O registro em 1 Crônicas (8:33; 9:39) parece bastante específico em apresentar Ner como pai imediato do segundo Quis, e este relato é claramente o mais explícito dos dois. — Veja QUIS N.° 2 e 3.

(1 CRÔNICAS 8:33)

“Quanto a Ner, tornou-se ele pai de Quis; Quis, por sua vez, tornou-se pai de Saul; Saul, por sua vez, tornou-se pai de Jonatã, e de Malquisua, e de Abinadabe, e de Esbaal.”

*** it-1 pp. 18-19 Abiel ***
Abiel
[(Meu) Pai É Deus].
1. Filho de Zeror, e descendente de Becorate e de Afia, da tribo de Benjamim. Uma comparação de 1 Crônicas 8:29-33 e 9:35-39 com 1 Samuel 9:1, 2 e 1 Sam. 14:50, 51, fornece uma base para se crer que Abiel também seja chamado de “Jeiel” no relato de Crônicas, visto que se mostra ali que Jeiel é pai de Ner, que se tornou pai de Quis, pai de Saul. Primeiro Samuel 14:50, 51, mostra também que Abiel (ou Jeiel) era o pai de Ner. O registro em Crônicas indica que Jeiel (ou Abiel) teve outros nove filhos, dos quais um se chamava Quis, e este Quis mais velho seria assim o tio do filho de Ner, que tinha o mesmo nome.
Presumindo-se que tanto Abiel como Jeiel sejam nomes da mesma pessoa, chegamos a uma genealogia como a apresentada nesta tabela.
[Tabela]
(Para o texto formatado, veja a publicação)
Afia (descendente de Benjamim)
Becorate
Zeror
Abiel ou Jeiel
Abdom Zur Quis Baal Ner Nadabe Gedor Aiô Zacarias Miclote
(Zequer)
Abner Quis
Saul
Portanto, ao lermos em 1 Samuel 9:1 que Quis (isto é, o segundo Quis, pai de Saul) era “filho de Abiel”, parece que o sentido é que ele era neto de Abiel, conforme muitas vezes se dá na genealogia bíblica, quando simplesmente se omitem um ou mais elos na genealogia.

*** it-1 p. 19 Abiel ***
O registro em 1 Crônicas (8:33; 9:39) parece bastante específico em apresentar Ner como pai imediato do segundo Quis, e este relato é claramente o mais explícito dos dois. — Veja QUIS N.° 2 e 3.

*** it-1 p. 287 Baal ***
A má conotação que a palavra hebraica bá•ʽal parece ter adquirido, por causa da sua associação com a degradante adoração de Baal, é considerada por alguns como o motivo de o escritor de Segundo Samuel usar os nomes “Is-Bosete” e “Mefibosete” (bó•sheth significa vergonha) em vez de “Esbaal” e “Meribe-Baal”. — 2Sa 2:8; 9:6; 1Cr 8:33, 34; veja IS-BOSETE.

*** it-2 pp. 430-431 Is-Bosete ***
Is-Bosete
[que significa “Homem de Vergonha”].
O mais novo dos quatro filhos varões de Saul, e seu sucessor no trono. Pelas listagens genealógicas parece que seu nome era também Esbaal, que significa “Homem de Baal”. (1Cr 8:33; 9:39) No entanto, em outras partes, como em Segundo Samuel, ele é chamado de Is-Bosete, nome em que “baal” é substituído por “bosete”. (2Sa 2:10) Esta palavra hebraica, bó•sheth, é encontrada em Jeremias 3:24, sendo traduzida por “coisa vergonhosa” (ALA; IBB; NM) e “vergonha” (Al, nota; BJ). Em duas outras ocorrências, bá•ʽal e bó•sheth são encontradas de forma paralela e oposta, em que uma explica e identifica a outra. (Je 11:13; Os 9:10) Há também outros casos em que ao nome de pessoas se acrescentou “bosete” (ou uma forma de tal expressão) em lugar de “baal”, como, por exemplo, “Jerubesete”, em lugar de “Jerubaal” (2Sa 11:21; Jz 6:32) e “Mefibosete”, em lugar de “Meribe-Baal”, este último sendo sobrinho de Is-Bosete. — 2Sa 4:4; 1Cr 8:34; 9:40.
Não se conhece o motivo destes nomes duplos ou dessas substituições. Certa teoria apresentada por certos peritos tenta explicar os nomes duplos como sendo uma alteração feita quando o substantivo comum “baal” (dono; amo) tornou-se mais exclusivamente identificado com o repugnante deus da fertilidade de Canaã, Baal. Contudo, no mesmo livro bíblico de Segundo Samuel, onde aparece o relato de Is-Bosete, informa-se que o próprio Rei Davi deu o nome de Baal-Perazim (que significa “Dono das Rupturas”) a um local de batalha, em honra ao Senhor Jeová, pois, como ele disse: “Jeová irrompeu através dos meus inimigos.” (2Sa 5:20) Outro conceito é que o nome Is-Bosete talvez tenha sido profético da vergonhosa morte desse indivíduo e o calamitoso fim da dinastia de Saul.

(1 CRÔNICAS 8:34)

“E o filho de Jonatã foi Meribe-Baal. Quanto a Meribe-Baal, tornou-se ele pai de Micá.”

*** it-1 p. 287 Baal ***
A má conotação que a palavra hebraica bá•ʽal parece ter adquirido, por causa da sua associação com a degradante adoração de Baal, é considerada por alguns como o motivo de o escritor de Segundo Samuel usar os nomes “Is-Bosete” e “Mefibosete” (bó•sheth significa vergonha) em vez de “Esbaal” e “Meribe-Baal”. — 2Sa 2:8; 9:6; 1Cr 8:33, 34; veja IS-BOSETE.

*** it-2 p. 812 Meribe-Baal ***
Meribe-Baal
[possivelmente: Contendedor Contra Baal; ou: Baal Pleiteia em Defesa].
Neto do Rei Saul, filho de Jonatã, e pai de Micá. (1Cr 8:33, 34) Pelo visto, trata-se de outro nome de Mefibosete. Outros também tinham dois nomes, tais como Esbaal, também chamado Is-Bosete. — Compare 2Sa 2:8 com 1Cr 8:33.
O nome Meribe-Baal é encontrado em duas formas hebraicas um pouco diferentes (Merív bá•ʽal e Meri-vá•ʽal) em 1 Crônicas 9:40. A primeira forma é também usada em 1 Crônicas 8:34.

(1 CRÔNICAS 9:11)

“e Azarias, filho de Hilquias, filho de Mesulão, filho de Zadoque, filho de Meraiote, filho de Aitube, líder da casa do [verdadeiro] Deus,”

*** it-1 p. 283 Azarias ***
23. Um dos sacerdotes que viveram em Jerusalém depois do exílio. (1Cr 9:11) Numa lista paralela (Ne 11:11), o nome é Seraías. Possivelmente trata-se do N.° 22 acima.

(1 CRÔNICAS 9:19)

“E Salum, filho de Core, filho de Ebiasafe, filho de Corá, e seus irmãos da casa de seu pai, os coraítas, estavam sobre a obra do serviço, os guardas das portas da tenda, e seus pais, sobre o acampamento de Jeová, os guardas da entrada.”

*** it-1 p. 561 Core ***
1. Levita coatita “dos filhos de Asafe”, e descendente de Corá. (Êx 6:16, 18, 21; 1Cr 9:19; 26:1) Salum, um dos “guardas das portas da tenda”, é descrito como “filho de Core, filho de Ebiasafe, filho de Corá”, em 1 Crônicas 9:19. Este texto não menciona todas as gerações entre Salum e Ebiasafe, mas os nomes fornecidos pertencem a esta mesma genealogia. Primeiro Crônicas 26:1 chama o porteiro Meselemias de “filho de Core”.

(1 CRÔNICAS 9:26)

“Pois no cargo de confiança havia quatro homens poderosos dos porteiros. Eram levitas e ficaram encarregados dos refeitórios e dos tesouros da casa do [verdadeiro] Deus.”

*** w05 1/10 p. 9 Destaques do livro de Primeiro das Crônicas ***
9:26, 27. Os porteiros levitas ocupavam um cargo de grande confiança, visto que lhes foi dada a chave da entrada dos lugares santos do templo. Podia-se confiar neles para abrir os portões todos os dias. De maneira similar, fomos encarregados da responsabilidade de contatar as pessoas no nosso território e ajudá-las a adorar a Jeová. Devemos também ser tão confiáveis quanto os porteiros levitas.

(1 CRÔNICAS 9:27)

“E passavam a noite ao redor da casa do [verdadeiro] Deus; pois cabia-lhes o serviço de guarda e estavam encarregados da chave, sim, [para abrir] de manhã em manhã.”

*** w05 1/10 p. 9 Destaques do livro de Primeiro das Crônicas ***
9:26, 27. Os porteiros levitas ocupavam um cargo de grande confiança, visto que lhes foi dada a chave da entrada dos lugares santos do templo. Podia-se confiar neles para abrir os portões todos os dias. De maneira similar, fomos encarregados da responsabilidade de contatar as pessoas no nosso território e ajudá-las a adorar a Jeová. Devemos também ser tão confiáveis quanto os porteiros levitas.

(1 CRÔNICAS 9:35)

“E foi em Gibeão que morava o pai de Gibeão, Jeiel. E o nome de sua esposa foi Maacá.”

*** it-1 p. 19 Abiel ***
O registro em 1 Crônicas (8:33; 9:39) parece bastante específico em apresentar Ner como pai imediato do segundo Quis, e este relato é claramente o mais explícito dos dois. — Veja QUIS N.° 2 e 3.

*** it-1 pp. 18-19 Abiel ***
Abiel
[(Meu) Pai É Deus].
1. Filho de Zeror, e descendente de Becorate e de Afia, da tribo de Benjamim. Uma comparação de 1 Crônicas 8:29-33 e 9:35-39 com 1 Samuel 9:1, 2 e 1 Sam. 14:50, 51, fornece uma base para se crer que Abiel também seja chamado de “Jeiel” no relato de Crônicas, visto que se mostra ali que Jeiel é pai de Ner, que se tornou pai de Quis, pai de Saul. Primeiro Samuel 14:50, 51, mostra também que Abiel (ou Jeiel) era o pai de Ner. O registro em Crônicas indica que Jeiel (ou Abiel) teve outros nove filhos, dos quais um se chamava Quis, e este Quis mais velho seria assim o tio do filho de Ner, que tinha o mesmo nome.
Presumindo-se que tanto Abiel como Jeiel sejam nomes da mesma pessoa, chegamos a uma genealogia como a apresentada nesta tabela.
[Tabela]
(Para o texto formatado, veja a publicação)
Afia (descendente de Benjamim)
Becorate
Zeror
Abiel ou Jeiel
Abdom Zur Quis Baal Ner Nadabe Gedor Aiô Zacarias Miclote
(Zequer)
Abner Quis
Saul
Portanto, ao lermos em 1 Samuel 9:1 que Quis (isto é, o segundo Quis, pai de Saul) era “filho de Abiel”, parece que o sentido é que ele era neto de Abiel, conforme muitas vezes se dá na genealogia bíblica, quando simplesmente se omitem um ou mais elos na genealogia.

(1 CRÔNICAS 9:39)

“Quanto a Ner, tornou-se ele pai de Quis; Quis, por sua vez, tornou-se pai de Saul; Saul, por sua vez, tornou-se pai de Jonatã, e de Malquisua, e de Abinadabe, e de Esbaal.”

*** it-1 p. 19 Abiel ***
O registro em 1 Crônicas (8:33; 9:39) parece bastante específico em apresentar Ner como pai imediato do segundo Quis, e este relato é claramente o mais explícito dos dois. — Veja QUIS N.° 2 e 3.

*** it-1 pp. 18-19 Abiel ***
Abiel
[(Meu) Pai É Deus].
1. Filho de Zeror, e descendente de Becorate e de Afia, da tribo de Benjamim. Uma comparação de 1 Crônicas 8:29-33 e 9:35-39 com 1 Samuel 9:1, 2 e 1 Sam. 14:50, 51, fornece uma base para se crer que Abiel também seja chamado de “Jeiel” no relato de Crônicas, visto que se mostra ali que Jeiel é pai de Ner, que se tornou pai de Quis, pai de Saul. Primeiro Samuel 14:50, 51, mostra também que Abiel (ou Jeiel) era o pai de Ner. O registro em Crônicas indica que Jeiel (ou Abiel) teve outros nove filhos, dos quais um se chamava Quis, e este Quis mais velho seria assim o tio do filho de Ner, que tinha o mesmo nome.
Presumindo-se que tanto Abiel como Jeiel sejam nomes da mesma pessoa, chegamos a uma genealogia como a apresentada nesta tabela.
[Tabela]
(Para o texto formatado, veja a publicação)
Afia (descendente de Benjamim)
Becorate
Zeror
Abiel ou Jeiel
Abdom Zur Quis Baal Ner Nadabe Gedor Aiô Zacarias Miclote
(Zequer)
Abner Quis
Saul
Portanto, ao lermos em 1 Samuel 9:1 que Quis (isto é, o segundo Quis, pai de Saul) era “filho de Abiel”, parece que o sentido é que ele era neto de Abiel, conforme muitas vezes se dá na genealogia bíblica, quando simplesmente se omitem um ou mais elos na genealogia.

*** it-2 pp. 430-431 Is-Bosete ***
Is-Bosete
[que significa “Homem de Vergonha”].
O mais novo dos quatro filhos varões de Saul, e seu sucessor no trono. Pelas listagens genealógicas parece que seu nome era também Esbaal, que significa “Homem de Baal”. (1Cr 8:33; 9:39) No entanto, em outras partes, como em Segundo Samuel, ele é chamado de Is-Bosete, nome em que “baal” é substituído por “bosete”. (2Sa 2:10) Esta palavra hebraica, bó•sheth, é encontrada em Jeremias 3:24, sendo traduzida por “coisa vergonhosa” (ALA; IBB; NM) e “vergonha” (Al, nota; BJ). Em duas outras ocorrências, bá•ʽal e bó•sheth são encontradas de forma paralela e oposta, em que uma explica e identifica a outra. (Je 11:13; Os 9:10) Há também outros casos em que ao nome de pessoas se acrescentou “bosete” (ou uma forma de tal expressão) em lugar de “baal”, como, por exemplo, “Jerubesete”, em lugar de “Jerubaal” (2Sa 11:21; Jz 6:32) e “Mefibosete”, em lugar de “Meribe-Baal”, este último sendo sobrinho de Is-Bosete. — 2Sa 4:4; 1Cr 8:34; 9:40.
Não se conhece o motivo destes nomes duplos ou dessas substituições. Certa teoria apresentada por certos peritos tenta explicar os nomes duplos como sendo uma alteração feita quando o substantivo comum “baal” (dono; amo) tornou-se mais exclusivamente identificado com o repugnante deus da fertilidade de Canaã, Baal. Contudo, no mesmo livro bíblico de Segundo Samuel, onde aparece o relato de Is-Bosete, informa-se que o próprio Rei Davi deu o nome de Baal-Perazim (que significa “Dono das Rupturas”) a um local de batalha, em honra ao Senhor Jeová, pois, como ele disse: “Jeová irrompeu através dos meus inimigos.” (2Sa 5:20) Outro conceito é que o nome Is-Bosete talvez tenha sido profético da vergonhosa morte desse indivíduo e o calamitoso fim da dinastia de Saul.

(1 CRÔNICAS 9:40)

“E o filho de Jonatã foi Meribe-Baal. Quanto a Meribe-Baal, tornou-se ele pai de Micá.”

*** it-2 pp. 812-813 Meribe-Baal ***
O nome Meribe-Baal é encontrado em duas formas hebraicas um pouco diferentes (Merív bá•ʽal e Meri-vá•ʽal) em 1 Crônicas 9:40. A primeira forma é também usada em 1 Crônicas 8:34. O que indica uma identidade similar é que Mefibosete tinha um menino chamado Mica, e Meribe-Baal tinha um filho chamado Micá. (Compare 2Sa 9:12 com 1Cr 9:40.) As formas “Mica” e “Micá” se devem meramente a uma leve variação na grafia hebraica destes nomes.

(1 CRÔNICAS 10:1)

“E os filisteus, da sua parte, fizeram guerra a Israel; e os homens de Israel puseram-se em fuga diante dos filisteus e caíam mortos no monte Gilboa.”

*** it-1 p. 650 O tempo de Davi ***
Gilboa (Mte.) 1Cr 10:1-6

(1 CRÔNICAS 10:10)

“Por fim puseram a armadura dele na casa de seu deus, e o crânio dele prenderam à casa de Dagom.”

*** it-1 p. 199 Arqueologia ***
De interesse especial foi a descoberta de certos templos cananeus em Bete-Sã. Primeiro Samuel 31:10 declara que os filisteus colocaram a armadura do Rei Saul “na casa das imagens de Astorete e prenderam seu corpo morto à muralha de Bete-Sã”, ao passo que 1 Crônicas 10:10 afirma que “puseram a armadura dele na casa do seu deus, e o crânio dele prenderam à casa de Dagom”. Dois dos templos escavados eram do mesmo período e um deles fornece evidência de ser o templo de Astorete, ao passo que se acha que o outro seja o de Dagom, assim se harmonizando com os textos acima quanto à existência de dois templos em Bete-Sã.

*** it-1 p. 353 Bete-Seã, Bete-Sã ***
Bete-Seã achava-se em poder dos filisteus no tempo do reinado do Rei Saul, e, após a derrota de Saul, no adjacente monte Gilboa, os vencedores filisteus colocaram a armadura de Saul na “casa das imagens de Astorete”, e afixaram sua cabeça à casa de Dagom, pendurando os cadáveres de Saul e de seus filhos na muralha de Bete-Sã (Bete-Seã), evidentemente no lado interno, que dava para a praça pública da cidade. Israelitas corajosos e intrépidos de Jabes-Gileade, a uns 20 km de distância, do outro lado do Jordão, recuperaram esses corpos, talvez penetrando na cidade à noite. — 1Sa 31:8-13; 2Sa 21:12; 1Cr 10:8-12.
Em harmonia com o relato acima, nas escavações feitas em Tell el-Husn, foram descobertas as ruínas de dois templos, um dos quais é considerado ser o templo de Astorete, ao passo que alguns sugerem que o outro, mais para o S, seja o templo de Dagom.

(1 CRÔNICAS 10:13)

“Assim morreu Saul pela sua infidelidade com que agiu sem fé contra Jeová referente à palavra de Jeová que não guardou e também por pedir a um médium espírita que fizesse uma consulta.”

*** it-1 p. 50 Adivinhação ***
O desejo natural do homem, de conhecer o futuro, é satisfeito quando ele adora seu Grandioso Criador e o serve, porque Deus, por meio de seu canal de comunicação, revela amorosamente, com antecedência, o que é bom para o homem saber. (Am 3:7) No entanto, quando os homens se desviam de Jeová e se alienam do Único que conhece o fim desde o princípio, facilmente se tornam vítimas da influência demoníaca, espírita. Saul é notável exemplo de alguém que, no início, voltava-se para Jeová em busca de conhecimento dos eventos futuros, mas que, depois de ter sido cortado de todo o contato com Deus, devido à sua infidelidade, voltou-se para os demônios, como substitutos da orientação divina. — 1Sa 28:6, 7; 1Cr 10:13, 14.

*** it-2 p. 29 Espiritismo ***
O Commentary on the Old Testament (Comentário Sobre o Velho Testamento), de C. F. Keil e F. Delitzsch (1973, Vol. II, Primeiro Samuel, p. 265) refere-se à Septuaginta grega, em 1 Crônicas 10:13, que acrescentou as palavras “e Samuel, o profeta, lhe respondeu”. (Bagster) O Commentary apóia o conceito subentendido por estas palavras não inspiradas na Septuaginta,

(1 CRÔNICAS 11:7)

“E Davi passou a morar no lugar de difícil acesso. É por isso que a chamaram de Cidade de Davi.”

*** it-1 p. 669 Davi, Cidade de ***
Este lugar era muito apropriado para uma “fortaleza”, visto que era protegido em três lados por vales profundos, ao O pelo vale de Tiropeom e ao L pelo do Cédron, que se une ao vale de Hinom, na extremidade S do espigão. (1Cr 11:7) A cidade exigia mais proteção apenas ao N, e ali a cumeeira estreitava-se ainda mais, fazendo com que um ataque fosse extremamente difícil.

*** it-2 p. 523 Jerusalém ***
Parece que a cidade dos jebuseus, naquele tempo, estava situada na extremidade S da cumeeira oriental. Eles confiavam em que sua cidade-fortaleza fosse inexpugnável, com suas defesas naturais de vertentes íngremes de vales em três lados, e, provavelmente, de fortificações especiais ao norte. Era conhecida como o “lugar de difícil acesso” (1Cr 11:7), e os jebuseus zombaram de Davi, dizendo que até os ‘cegos e os coxos da cidade’ poderiam rechaçar seus ataques. Mas Davi conquistou a cidade, sendo o ataque liderado por Joabe, que evidentemente conseguiu penetrar na cidade através do “túnel de água”. (2Sa 5:6-9; 1Cr 11:4-8)

(1 CRÔNICAS 11:11)

“E esta é a relação dos poderosos que pertenciam a Davi: Jasobeão, filho dum acmonita, cabeça dos três. Ele tinha brandido a sua lança sobre trezentos que foram mortos de uma só vez.”

*** w05 1/10 p. 10 Destaques do livro de Primeiro das Crônicas ***
11:11 — Por que aparece aqui o número de 300 mortos e não 800, conforme o relato paralelo de 2 Samuel 23:8? O chefe dos três homens mais valentes de Davi era Jasobeão, ou Josebe-Bassebete. Os outros dois homens poderosos eram Eleazar e Samá. (2 Samuel 23:8-11) O motivo da discrepância nos dois relatos talvez seja que eles fazem referência às diferentes tarefas realizadas pelo mesmo homem.

*** it-2 p. 603 Josebe-Bassebete ***
Josebe-Bassebete
Cabeça dos três mais destacados poderosos de Davi. (2Sa 23:8) Em 1 Crônicas 11:11 ele é chamado de Jasobeão, forma provavelmente mais correta. Há outras dificuldades de escriba no texto de 2 Samuel 23:8, tornando necessário que o obscuro hebraico no texto massorético (que parece rezar: “Este era Adino, o esnita”) seja corrigido para rezar: “Ele tinha brandido sua lança.” (NM) Outras traduções modernas rezam de modo similar. (ALA; BJ; BLH; IBB; PIB) Assim se faz com que Samuel concorde com o livro de Crônicas e com o padrão de construção nesta parte da matéria. Fala-se de “três”, mas introduzir outro nome, Adino, torna isso quatro. Além disso, atribui-se a cada um destes três poderosos uma façanha, de modo que, se a vitória sobre os 800 fosse atribuída a outra pessoa, não haveria aqui nenhuma proeza a ser atribuída a Josebe-Bassebete (Jasobeão). — Veja JASOBEÃO N.° 2.
Existe a possibilidade de que a façanha atribuída a Josebe-Bassebete, em 2 Samuel 23:8, não seja a mesma mencionada em 1 Crônicas 11:11. Isto talvez explique por que o relato de Samuel fala de 800 mortos, ao passo que o relato de Crônicas menciona 300 mortos.

(1 CRÔNICAS 11:17)

“Depois de um tempo Davi mostrou o seu almejo e disse: “Oh! quem me dera beber da água da cisterna de Belém, que está junto ao portão!””

*** it-1 p. 326 Belém ***
Posteriormente, como fugitivo, Davi ansiava beber água duma cisterna de Belém, então lugar dum posto avançado filisteu. (2Sa 23:14, 15; 1Cr 11:16, 17) Pode-se notar que três poços ainda são encontrados do lado N da cidade.

(1 CRÔNICAS 11:18)

“Então os três romperam pelo acampamento dos filisteus e puxaram água da cisterna de Belém, que está junto ao portão, e vieram carregá-la e trazê-la a Davi. E Davi não consentiu em bebê-la, mas derramou-a para Jeová.”

*** w12 15/11 p. 6 pars. 12-13 “Ensina-me a fazer a tua vontade” ***
Veja o que aconteceu quando Davi expressou seu forte desejo de “beber da água da cisterna de Belém”. Três de seus homens lutaram para entrar na cidade — então ocupada pelos filisteus — e lhe trouxeram a água. No entanto, “Davi não consentiu em bebê-la, mas derramou-a para Jeová”. Por quê? Davi explicou: “Da minha parte, no que se refere ao meu Deus, é inconcebível fazer isso! Beberia eu o sangue destes homens que arriscaram as suas almas? Porque foi arriscando as suas almas que a trouxeram.” — 1 Crô. 11:15-19.
13 Davi sabia que, segundo a Lei, o sangue devia ser ‘derramado’ para Jeová e não ser usado como alimento. Ele também entendia por que se devia fazer isso. Davi sabia que “a alma da carne está no sangue”. Mas trouxeram-lhe água, não sangue. Por que Davi se recusou a bebê-la? Ele entendia o princípio por trás do requisito legal. Para Davi, aquela água era tão preciosa quanto o sangue daqueles três homens. Portanto, ele achava inconcebível bebê-la. Em vez disso, ele concluiu que devia derramá-la “na terra”. — Lev. 17:11; Deut. 12:23, 24.

(1 CRÔNICAS 11:19)

“E prosseguiu, dizendo: “Da minha parte, no que se refere ao meu Deus, é inconcebível fazer isso! Beberia eu o sangue destes homens que arriscaram as suas almas? Porque foi arriscando as suas almas que a trouxeram.” E não consentiu em bebê-la. Estas são as coisas feitas pelos três poderosos.”

*** w12 15/11 p. 6 pars. 12-13 “Ensina-me a fazer a tua vontade” ***
Veja o que aconteceu quando Davi expressou seu forte desejo de “beber da água da cisterna de Belém”. Três de seus homens lutaram para entrar na cidade — então ocupada pelos filisteus — e lhe trouxeram a água. No entanto, “Davi não consentiu em bebê-la, mas derramou-a para Jeová”. Por quê? Davi explicou: “Da minha parte, no que se refere ao meu Deus, é inconcebível fazer isso! Beberia eu o sangue destes homens que arriscaram as suas almas? Porque foi arriscando as suas almas que a trouxeram.” — 1 Crô. 11:15-19.
13 Davi sabia que, segundo a Lei, o sangue devia ser ‘derramado’ para Jeová e não ser usado como alimento. Ele também entendia por que se devia fazer isso. Davi sabia que “a alma da carne está no sangue”. Mas trouxeram-lhe água, não sangue. Por que Davi se recusou a bebê-la? Ele entendia o princípio por trás do requisito legal. Para Davi, aquela água era tão preciosa quanto o sangue daqueles três homens. Portanto, ele achava inconcebível bebê-la. Em vez disso, ele concluiu que devia derramá-la “na terra”. — Lev. 17:11; Deut. 12:23, 24.

(1 CRÔNICAS 11:20)

“Quanto a Abisai, irmão de Joabe, tornou-se ele cabeça dos três; e ele tinha brandido a sua lança sobre trezentos que foram mortos e tinha uma reputação igual à dos três.”

*** w05 1/10 p. 10 Destaques do livro de Primeiro das Crônicas ***
11:20, 21 — Qual era a posição de Abisai com respeito aos três principais homens poderosos de Davi? Abisai não era um dos principais homens poderosos que serviram Davi. No entanto, conforme declarado em 2 Samuel 23:18, 19, ele era o cabeça de 30 guerreiros e o mais destacado de todos eles. Havia uma rivalidade entre ele e os três principais homens poderosos porque Abisai realizou um ato poderoso, semelhante ao de Jasobeão.

(1 CRÔNICAS 11:21)

“Dos três se distinguia mais do que os outros dois e veio a ser chefe deles; e, no entanto, não chegou aos [primeiros] três.”

*** w05 1/10 p. 10 Destaques do livro de Primeiro das Crônicas ***
11:20, 21 — Qual era a posição de Abisai com respeito aos três principais homens poderosos de Davi? Abisai não era um dos principais homens poderosos que serviram Davi. No entanto, conforme declarado em 2 Samuel 23:18, 19, ele era o cabeça de 30 guerreiros e o mais destacado de todos eles. Havia uma rivalidade entre ele e os três principais homens poderosos porque Abisai realizou um ato poderoso, semelhante ao de Jasobeão.

(1 CRÔNICAS 11:25)

“Embora se distinguisse mais do que os trinta, contudo, não chegou ao grau dos [primeiros] três. Todavia, Davi o pôs sobre a sua própria escolta.”

*** it-2 p. 267 Guarda ***
A palavra hebraica mish•má•ʽath, que basicamente significa “ouvintes” e é traduzida “súditos” em Isaías 11:14, é usada com referência à escolta de Davi (2Sa 23:23; 1Cr 11:25) e à escolta de Saul, da qual Davi havia sido chefe. — 1Sa 22:14.

(1 CRÔNICAS 11:27)

“Samote, o harorita, Helez, o pelonita,”

*** it-2 p. 287 Harodita ***
Harodita
[De (Pertencente a) Harode].
Morador de Harode ou alguém que morava perto dum lugar chamado Harode. O termo é aplicado a Samá e a Elica, dois dos poderosos de Davi. (2Sa 23:8, 25) Se “Samá” e “Samote” forem a mesma pessoa, então o uso de “harorita” em 1 Crônicas 11:27 é possivelmente um erro de escriba em lugar de “harodita”, a mudança talvez surgindo por causa da similaridade entre as letras hebraicas “r” (ר) e “d” (ד).

(1 CRÔNICAS 11:38)

“Joel, irmão de Natã, Mibar, filho de Hagri,”

*** it-2 p. 823 Mibar ***
Mibar
[duma raiz que significa “escolher”].
Filho de Hagri; um dos poderosos das forças militares de Davi. (1Cr 11:26, 38) Alguns sugeriram que há uma discrepância no texto em 1 Crônicas 11:38, porque Bani, o gadita, não Mibar, é mencionado numa lista paralela em 2 Samuel 23:36. Eles sustentam que Mibar é uma alteração do hebraico para “de Zobá”, e que as palavras finais de 1 Crônicas 11:38 resultaram da leitura ben-hagh•rí (Mibar, filho de Hagri) em lugar de ba•ní hag•ga•dhí (Bani, o gadita). Isto continua a ser conjectura.

(1 CRÔNICAS 11:44)

“Uzia, o asteratita, Sama e Jeiel, filhos de Hotão, o aroerita,”

*** it-1 p. 194 Aroerita ***
Aroerita
[De (Pertencente a) Aroer].
Habitante de uma das cidades chamadas Aroer. Em 1 Crônicas 11:44, Hotão, pai de dois dos poderosos de Davi, chamados Sama e Jeiel, é chamado de aroerita. A associação dos seus filhos com Davi talvez indicasse que a cidade do pai deles se encontrava no território de Judá. — Veja AROER N.° 3.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone


Conteúdo recomendado