Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

2 Reis 23-24-25, Destaques da Bíblia: semana de 28 de setembro

Destaques da leitura da Bíblia: 2 Reis 23-25. Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:



Leitura da Bíblia: 2 Reis 23-25 | semana de 28 de setembro


Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org: 2 Reis 23-25


Pesquisa para Destaques da Bíblia desta semana: 2 Reis 23-25


(2 REIS 23:4)

“E o rei prosseguiu, mandando a Hilquias, o sumo sacerdote, e aos sacerdotes da segunda ordem e aos guardas das portas, que tirassem do templo de Jeová todos os utensílios feitos para Baal, e para o poste sagrado, e para todo o exército dos céus. Então os queimou fora de Jerusalém nos socalcos do Cédron e levou o pó deles a Betel.”

*** it-1 pp. 287-288 Baal ***
Há indícios de que Baal e outros deuses e deusas do panteão cananeu estavam relacionados, na mente de seus adoradores, com certos corpos celestes. Por exemplo, um dos textos de Ras Xamra menciona uma oferta feita à “Rainha Sapas (o Sol) e às estrelas”, e outro alude ‘ao exército do sol e à hoste do dia’.
Por conseguinte, é digno de nota que a Bíblia faz diversas referências aos corpos celestes em conexão com a adoração de Baal. Descrevendo o proceder obstinado do reino de Israel, o registro bíblico declara: “Continuaram a abandonar todos os mandamentos de Jeová . . . , e começaram a curvar-se diante de todo o exército dos céus e a servir a Baal.” (2Rs 17:16) A respeito do reino de Judá, nota-se que, bem no templo de Jeová, vieram a existir “utensílios feitos para Baal, e para o poste sagrado, e para todo o exército dos céus”. Também, o povo em todo Judá fazia “fumaça sacrificial a Baal, ao sol e à lua, e às constelações do zodíaco, e a todo o exército dos céus”. — 2Rs 23:4, 5; 2Cr 33:3; veja também Sof 1:4, 5.

(2 REIS 23:5)

“E acabou com a atividade dos sacerdotes de deuses estrangeiros, a quem os reis de Judá haviam constituído para fazerem fumaça sacrificial nos altos nas cidades de Judá e nas cercanias de Jerusalém, e também dos que faziam fumaça sacrificial a Baal, ao sol e à lua, e às constelações do zodíaco, e a todo o exército dos céus.”

*** it-1 pp. 287-288 Baal ***
Há indícios de que Baal e outros deuses e deusas do panteão cananeu estavam relacionados, na mente de seus adoradores, com certos corpos celestes. Por exemplo, um dos textos de Ras Xamra menciona uma oferta feita à “Rainha Sapas (o Sol) e às estrelas”, e outro alude ‘ao exército do sol e à hoste do dia’.
Por conseguinte, é digno de nota que a Bíblia faz diversas referências aos corpos celestes em conexão com a adoração de Baal. Descrevendo o proceder obstinado do reino de Israel, o registro bíblico declara: “Continuaram a abandonar todos os mandamentos de Jeová . . . , e começaram a curvar-se diante de todo o exército dos céus e a servir a Baal.” (2Rs 17:16) A respeito do reino de Judá, nota-se que, bem no templo de Jeová, vieram a existir “utensílios feitos para Baal, e para o poste sagrado, e para todo o exército dos céus”. Também, o povo em todo Judá fazia “fumaça sacrificial a Baal, ao sol e à lua, e às constelações do zodíaco, e a todo o exército dos céus”. — 2Rs 23:4, 5; 2Cr 33:3; veja também Sof 1:4, 5.

*** it-2 p. 787 Mazarote, Constelação de ***
Mazarote, Constelação de
O targum aramaico equaciona Mazarote com maz•za•lóhth de 2 Reis 23:5, “constelações do zodíaco”, “sinais do zodíaco”, “doze signos” ou “constelações”. (NM; BJ; CBC; So) Alguns acreditam que a palavra deriva duma raiz que significa “cingir”, e que Mazarote se refere ao círculo zodiacal. Todavia, em Jó 38:32 usa-se em hebraico um pronome no singular na expressão “no seu tempo fixado”, ao passo que a referência em 2 Reis 23:5 está no plural. Portanto, Mazarote parece referir-se a uma determinada constelação, em vez de a todo o círculo zodiacal, mas atualmente não é possível fazer uma identificação positiva.

(2 REIS 23:6)

“Além disso, levou o poste sagrado para fora da casa de Jeová aos arrabaldes de Jerusalém, ao vale da torrente do Cédron, e o queimou no vale da torrente do Cédron e o moeu em pó, e lançou seu pó sobre o lugar de sepultura dos filhos do seu povo.”

*** it-1 p. 820 Enterro, lugares de sepultamento ***
Acredita-se que a menção do “cemitério dos filhos do povo” (as “sepulturas da plebe”, ALA), no vale do Cédron, se refira a um cemitério da classe mais pobre. (Je 26:23; 2Rs 23:6)

(2 REIS 23:8)

“Depois fez chegar todos os sacerdotes das cidades de Judá, a fim de tornar impróprios para adoração os altos onde os sacerdotes fizeram fumaça sacrificial, desde Geba até Berseba; e demoliu os altos dos portões que havia à entrada do portão de Josué, o principal da cidade, o qual estava à esquerda ao se entrar no portão da cidade.”

*** it-1 p. 342 Berseba ***
Berseba veio a representar o ponto mais meridional ao se descrever a extensão da Terra da Promessa, conforme expresso na frase proverbial, “desde Dã para baixo até Berseba” (Jz 20:1), ou, na direção inversa, “desde Berseba até Dã”. (1Cr 21:2; 2Cr 30:5) Depois da divisão da nação em dois reinos, Berseba continuou a ser usada para indicar a extremidade sul do reino de Judá, nas expressões “desde Geba até Berseba” (2Rs 23:8) e “desde Berseba até a região montanhosa de Efraim” (onde começava o reino setentrional de Israel). (2Cr 19:4) Nos tempos pós-exílicos, a expressão era usada de forma ainda mais limitada, para se referir à região ocupada pelos repatriados de Judá, que se estendia desde Berseba “até o vale de Hinom”. — Ne 11:27, 30.
Na realidade, havia outras cidades da Terra da Promessa situadas ao S de Berseba, assim como havia cidades israelitas ao N de Dã. No entanto, tanto Dã como Berseba encontravam-se em fronteiras naturais da terra. No caso de Berseba, sua localização era abaixo das montanhas de Judá, à beira do deserto. Adicionalmente, era uma das principais cidades de Judá (junto com Jerusalém e Hébron), e isto se dava, não só porque dispunha de excelentes reservas de água, em comparação com a região circunvizinha, possibilitando assim tanto a lavoura como as pastagens de manadas e rebanhos, mas também porque importantes estradas convergiam para ela, vindas de várias direções. Do Egito, uma antiga rota subia pelo “Caminho dos Poços”, atravessando Cades-Barnéia até Berseba, unindo-se a outra estrada pela qual viajavam as caravanas de camelos dos “Reinos das Especiarias” da península da Arábia, em direção à Filístia ou a Judá. De Eziom-Géber, na cabeceira do golfo de Acaba, outra rota subia pelo Arabá e então se virava para o O, ascendendo a subida de Acrabim até Berseba. Em Gaza, na planície filistéia, uma estrada que saía da estrada principal levava ao SE, a Berseba. E, ligando-a com o restante de Judá, uma estrada ia de Berseba para o NE, subindo o platô nas montanhas de Judá até Jerusalém e outros pontos mais para o N. — Gên 22:19.

*** it-2 p. 185 Geba ***
Parece que Geba estava situada junto à fronteira setentrional do reino de Judá, daí a expressão “desde Geba até Berseba”. (2Rs 23:8)

*** it-2 p. 606 Josué ***
3. Principal de Jerusalém, no tempo do Rei Josias. Parece que os altos usados para adoração falsa ficavam perto da residência de Josué, mas Josias mandou demoli-los. — 2Rs 23:8.

(2 REIS 23:10)

“E ele tornou impróprio para adoração a Tofete, que está no vale dos filhos de Hinom, para que ninguém fizesse seu filho ou sua filha passar pelo fogo para Moloque.”

*** it-2 p. 331 Hinom, Vale de ***
No ponto pouco acima da convergência do vale do Hinom com os vales do Tiropeom e do Cédron, ele se alarga. Esta era provavelmente a localização de Tofete. (2Rs 23:10)

*** it-2 p. 332 Hinom, Vale de ***
O Rei Josias, neto de Manassés, acabou com esta prática detestável em Tofete por profanar este lugar, dessagrando-o, tornando-o assim impróprio para adoração, possivelmente por espalhar ali ossos ou refugo. — 2Rs 23:10.

*** it-2 p. 525 Jerusalém ***
O neto dele, Josias, inverteu temporariamente este declínio e, durante seu governo, o vale de Hinom, usado pelos idólatras para cerimônias vis, foi ‘tornado impróprio para adoração’, sendo provavelmente dessagrado por ser feito depósito de lixo da cidade. (2Rs 23:10; 2Cr 33:6)

(2 REIS 23:11)

“Além disso, fez que os cavalos que os reis de Judá tinham entregado ao sol cessassem de entrar na casa de Jeová junto ao refeitório de Natã-Meleque, oficial da corte, que havia nos pórticos; e os carros do sol ele queimou em fogo.”

*** it-1 p. 453 Carro ***
Carros sagrados e os cavalos que os puxavam foram dedicados à adoração do sol por governantes apóstatas de Judá. — 2Rs 23:11.

(2 REIS 23:15)

“E também o altar que estava em Betel, o alto feito por Jeroboão, filho de Nebate, que fez Israel pecar, até mesmo este altar e o alto ele demoliu. Depois queimou o alto; moeu-o em pó e queimou o poste sagrado.”

*** si p. 68 par. 25 Livro bíblico número 11 — 1 Reis ***
25 O poder de profecia de Jeová é claramente demonstrado no cumprimento de muitas profecias relatadas em Primeiro Reis. Por exemplo, há a notável profecia, feita com mais de 300 anos de antecedência, segundo a qual seria Josias quem destruiria o altar de Jeroboão, em Betel. Josias fez realmente isso! (1 Reis 13:1-3; 2 Reis 23:15)

*** it-1 p. 102 Altos ***
Cerca de 100 anos depois disso, o fiel Rei Josias, de Judá, derrubou o altar e o alto de Betel e dessagrou o altar por queimar nele ossos humanos. Também removeu todas as casas dos altos nas cidades de Samaria, sacrificou (matou) todos os sacerdotes dos altos e queimou ossos humanos sobre os altares. (2Rs 23:15-20) Isto cumpriu uma profecia proferida mais de 300 anos antes por um anônimo “homem de Deus”. — 1Rs 13:1, 2.

*** it-1 p. 350 Betel ***
Em cumprimento da profecia de Oséias, o bezerro de ouro de Betel tinha sido levado embora para o rei da Assíria (Os 10:5, 6), mas o altar original de Jeroboão ainda estava ali no tempo do Rei Josias, de Judá. Durante ou após o 18.° ano do governo de Josias (642 AEC), ele estendeu o expurgo da religião falsa a Betel e também às cidades de Samaria. Josias destruiu o local da adoração idólatra em Betel, queimando primeiro os ossos dos túmulos próximos sobre o altar, destarte dessagrando-o, em cumprimento da profecia feita pelo “homem do verdadeiro Deus” mais de três séculos antes. O único túmulo poupado foi o do “homem do verdadeiro Deus”, desse modo poupando também os ossos do idoso profeta que ocupava o mesmo túmulo. — 2Rs 22:3; 23:15-18; 1Rs 13:2, 29-32.

(2 REIS 23:16)

“Quando Josias se virou, chegou a ver as sepulturas que havia ali no monte. De modo que mandou tirar os ossos das sepulturas e os queimou sobre o altar, a fim de fazê-lo impróprio para adoração, segundo a palavra de Jeová proclamada pelo homem do [verdadeiro] Deus, que proclamou tais coisas.”

*** it-1 p. 102 Altos ***
Cerca de 100 anos depois disso, o fiel Rei Josias, de Judá, derrubou o altar e o alto de Betel e dessagrou o altar por queimar nele ossos humanos. Também removeu todas as casas dos altos nas cidades de Samaria, sacrificou (matou) todos os sacerdotes dos altos e queimou ossos humanos sobre os altares. (2Rs 23:15-20) Isto cumpriu uma profecia proferida mais de 300 anos antes por um anônimo “homem de Deus”. — 1Rs 13:1, 2.

*** it-1 p. 350 Betel ***
Em cumprimento da profecia de Oséias, o bezerro de ouro de Betel tinha sido levado embora para o rei da Assíria (Os 10:5, 6), mas o altar original de Jeroboão ainda estava ali no tempo do Rei Josias, de Judá. Durante ou após o 18.° ano do governo de Josias (642 AEC), ele estendeu o expurgo da religião falsa a Betel e também às cidades de Samaria. Josias destruiu o local da adoração idólatra em Betel, queimando primeiro os ossos dos túmulos próximos sobre o altar, destarte dessagrando-o, em cumprimento da profecia feita pelo “homem do verdadeiro Deus” mais de três séculos antes. O único túmulo poupado foi o do “homem do verdadeiro Deus”, desse modo poupando também os ossos do idoso profeta que ocupava o mesmo túmulo. — 2Rs 22:3; 23:15-18; 1Rs 13:2, 29-32.

(2 REIS 23:20)

“Por conseguinte, sacrificou nos altares todos os sacerdotes dos altos que lá havia e queimou neles ossos humanos. Depois retornou a Jerusalém.”

*** it-1 p. 102 Altos ***
Cerca de 100 anos depois disso, o fiel Rei Josias, de Judá, derrubou o altar e o alto de Betel e dessagrou o altar por queimar nele ossos humanos. Também removeu todas as casas dos altos nas cidades de Samaria, sacrificou (matou) todos os sacerdotes dos altos e queimou ossos humanos sobre os altares. (2Rs 23:15-20) Isto cumpriu uma profecia proferida mais de 300 anos antes por um anônimo “homem de Deus”. — 1Rs 13:1, 2.

(2 REIS 23:26)

“Não obstante, Jeová não recuou do grande ardor da sua ira com que a sua ira ardia contra Judá por causa de todas as coisas ofensivas com que Manassés os fizera ofender.”

*** it-2 p. 332 Hinom, Vale de ***
O profeta, em outra pronunciação, disse à nação que ela seria punida por causa do que Manassés fizera. (Je 15:4; compare isso com 2Rs 23:26; Je 32:30-35.) Também, a declaração de Jeremias, no capítulo 19, versículo 3 , corresponde à declaração em 2 Reis 21:12. Todavia, nos dias de Jeremias, o povo certamente ainda praticava idolatria, o que evidenciava que não se havia arrependido nem um pouco dos graves pecados em que participara durante o reinado de Manassés.

(2 REIS 23:29)

“Nos seus dias subiu Faraó Neco, rei do Egito, contra o rei da Assíria junto ao rio Eufrates, e o Rei Josias passou a sair para enfrentá-lo; mas, assim que o viu, este o entregou à morte em Megido.”

*** w00 15/9 p. 30 Josias era humilde e tinha o favor de Jeová ***
Mas pelo fato de Josias ter-se humilhado diante de Jeová, ele não veria a calamidade. Ele seria ajuntado aos seus antepassados e recolhido ao cemitério em paz. — 2 Reis 22:14-20; 2 Crônicas 34:22-28.
Será que a profecia de Hulda estava certa, visto que Josias morreu em batalha? (2 Reis 23:28-30) Sim, pois a “paz” na qual ele foi recolhido ao cemitério estava em contraste com a “calamidade” que sobreviria a Judá. (2 Reis 22:20; 2 Crônicas 34:28) Josias morreu antes da calamidade de 609-607 AEC quando os babilônios sitiaram e destruíram Jerusalém. E o seu ‘ajuntamento aos antepassados’, não necessariamente excluía a possibilidade de ter uma morte violenta. Uma expressão similar é usada com referência tanto à morte violenta quanto à não-violenta. — Deuteronômio 31:16; 1 Reis 2:10; 22:34, 40.

*** it-1 p. 259 Assíria ***
Segundo a mesma crônica, no 14.° ano de Nabopolassar (632 AEC), Assur-Ubalit II tentou prosseguir com o domínio assírio tendo Harã por capital. Esta crônica declara, sob o 17.° ano de Nabopolassar (629 AEC): “No mês de duʼuzu, Assur-Ubalit, rei da Assíria, (e) um grande [exército do] E[gi]to [que viera em seu auxílio] cruzaram o rio (Eufrates) e [marcharam] para conquistar Harã.” (Ancient Near Eastern Texts, p. 305; os colchetes e parêntesis são deles.) Na realidade, Assur-Ubalit tentou reconquistá-la, depois de ter sido expulso. Este registro está em harmonia com o relato a respeito da atividade do Faraó Neco, registrado em 2 Reis 23:29, atividade que resultou na morte do Rei Josias, de Judá (c. 629 AEC). Este texto declara que “Faraó Neco, rei do Egito, subiu contra o rei da Assíria junto ao rio Eufrates” — evidentemente para ajudá-lo. “O rei da Assíria” a quem Neco se dirigiu pode muito bem ter sido Assur-Ubalit II. Sua campanha contra Harã não foi bem-sucedida. O Império Assírio chegara ao fim.

(2 REIS 23:34)

“Além disso, Faraó Neco fez rei a Eliaquim, filho de Josias, em lugar de Josias, seu pai, e mudou-lhe o nome para Jeoiaquim; e tomou a Jeoacaz e o levou então ao Egito onde finalmente morreu.”

*** jr cap. 13 p. 158 par. 10 Jeová fez o que tinha em mente ***
Sobre Jeoacaz, ou Salum, filho do Rei Josias, Deus predisse que ele seria exilado e nunca mais voltaria a Judá. (Jer. 22:11, 12) Isso realmente aconteceu. (2 Reis 23:31-34)

(2 REIS 24:1)

“Nos seus dias subiu Nabucodonosor, rei de Babilônia, e Jeoiaquim tornou-se assim seu servo por três anos. No entanto, recuou e se rebelou contra ele.”

*** dp cap. 3 pp. 31-32 par. 3 Provados, mas fiéis a Jeová! ***
3 No ano seguinte, Nabucodonosor — então entronizado como rei de Babilônia — voltou de novo sua atenção para as campanhas militares na Síria e na Palestina. Foi durante esse período que ele foi pela primeira vez a Jerusalém. A Bíblia relata: “Nos seus dias subiu Nabucodonosor, rei de Babilônia, e Jeoiaquim tornou-se assim seu servo por três anos. No entanto, recuou e se rebelou contra ele.” — 2 Reis 24:1.

*** it-2 p. 231 Nações inimigas que atacavam Israel ***
Babilônia 2Rs 24:1, 12-17; 25:1-21

*** it-2 p. 232 Nações inimigas que atacavam Israel ***
[Foto na página 232]
Registro babilônico da invasão de Judá por Nabucodonosor.

*** it-2 p. 489 Jeoiaquim ***
Segundo Reis 24:1 mostra que Nabucodonosor pressionava o rei de Judá, “e Jeoiaquim tornou-se assim seu servo [ou vassalo] por três anos. No entanto, [Jeoiaquim] recuou e se rebelou contra ele [Nabucodonosor]”. Evidentemente, é a este terceiro ano de Jeoiaquim como rei vassalo de Babilônia que Daniel se refere em Daniel 1:1. Não podia ser o terceiro ano do reinado de 11 anos de Jeoiaquim sobre Judá, pois, naquele tempo, Jeoiaquim não era vassalo de Babilônia, mas sim do Faraó Neco, do Egito. Foi somente no quarto ano do governo de Jeoiaquim sobre Judá que Nabucodonosor derrubou o domínio egípcio sobre a Síria-Palestina com sua vitória em Carquemis (625 AEC [evidentemente depois de nisã]). (Je 46:2) Visto que a revolta de Jeoiaquim contra Babilônia levou à sua queda, depois de cerca de 11 anos no trono, o início da sua vassalagem de três anos a Babilônia deve ter começado perto do fim de seu oitavo ano de governo, ou no início de 620 AEC.

*** it-2 p. 579 Joaquim ***
Aos 18 anos, Joaquim tornou-se rei e deu continuidade às práticas más de seu pai. (2Rs 24:8, 9; 2Cr 36:9 n.) O pai de Joaquim, Jeoiaquim, tinha estado sujeito ao rei babilônico, Nabucodonosor, mas rebelou-se no seu terceiro ano de vassalagem (618 AEC). (2Rs 24:1) Isto resultou em Jerusalém ser sitiada.

(2 REIS 24:2)

“E Jeová começou a enviar contra ele guerrilhas de caldeus, e guerrilhas de sírios, e guerrilhas de moabitas, e guerrilhas dos filhos de Amom, e continuou a enviá-las contra Judá para o destruir, segundo a palavra de Jeová, que ele falara por intermédio dos seus servos, os profetas.”

*** it-2 p. 231 Nações inimigas que atacavam Israel ***
Amom 2Cr 20:1-3, 10, 11; 2Rs 24:2

(2 REIS 24:8)

“Joaquim tinha dezoito anos de idade quando começou a reinar e reinou por três meses em Jerusalém. E o nome de sua mãe era Neusta, filha de Elnatã, de Jerusalém.”

*** it-1 p. 42 Acbor ***
Elnatã, príncipe da corte do Rei Jeoiaquim e bem provavelmente bisavô do Rei Joaquim. — Je 26:22; 36:12; 2Rs 24:8.

(2 REIS 24:10)

“Durante esse tempo subiram a Jerusalém os servos de Nabucodonosor, rei de Babilônia, de modo que a cidade ficou sitiada.”

*** it-2 p. 579 Joaquim ***
A expressão “durante esse tempo” (2Rs 24:10) talvez não se refira ao breve reinado de Joaquim, mas ao período geral em que se enquadra, permitindo destarte que o sítio se tenha iniciado no reinado do seu pai, Jeoiaquim, conforme Daniel 1:1, 2 parece indicar. Jeoiaquim morreu, pelo que parece, durante este sítio, e Joaquim ascendeu ao trono de Judá. Seu governo terminou, porém, apenas três meses e dez dias depois, quando se rendeu a Nabucodonosor em 617 AEC (no mês de adar, segundo uma crônica babilônica). (2Rs 24:11, 12; 2Cr 36:9; Assyrian and Babylonian Chronicles [Crônicas Assírias e Babilônicas], de A. Grayson, 1975, p. 102)

(2 REIS 24:11)

“E Nabucodonosor, rei de Babilônia, passou a vir contra a cidade enquanto seus servos a sitiavam.”

*** g 11/07 p. 16 Será que a arqueologia apóia a Bíblia? ***
Enquanto escavavam as ruínas da antiga cidade de Babilônia, no atual Iraque, os arqueólogos descobriram perto do Portão de Istar cerca de 300 tabuinhas cuneiformes. Referindo-se ao período do reinado de Nabucodonosor, rei de Babilônia, as inscrições incluem uma lista de nomes, entre os quais está “Yaukin, rei da terra de Yahud”. Isso se refere a Joaquim, rei de Judá, que foi levado cativo para Babilônia quando Nabucodonosor invadiu Jerusalém pela primeira vez, em 617 AEC. (2 Reis 24:11-15) Cinco dos filhos de Joaquim também são mencionados nas tabuinhas. — 1 Crônicas 3:17, 18.

*** si p. 132 par. 1 Livro bíblico número 26 — Ezequiel ***
NO ANO 617 AEC, Joaquim, rei de Judá, entregou Jerusalém a Nabucodonosor, que levou para Babilônia as pessoas preeminentes do país e os tesouros da casa de Jeová e da casa do rei. Entre os cativos se achavam a família do rei e os príncipes; os valentes, poderosos; os artífices e construtores; e Ezequiel, filho de Buzi, o sacerdote. (2 Reis 24:11-17; Eze. 1:1-3)

*** gm cap. 4 p. 48 par. 21 Pode-se crer no “Antigo Testamento”? ***
21 Ainda mais tarde, a Bíblia nos conta que Jerusalém, sob o Rei Joaquim, foi sitiada pelos babilônios e foi tomada. Esse evento está registrado na Crônica Babilônica, uma tabuinha cuneiforme descoberta pelos arqueólogos. Lemos nela: “O rei de Acade [Babilônia] . . . sitiou a cidade de Judá (iahudu) e o rei tomou a cidade no segundo dia do mês de adaru.”12 Joaquim foi levado a Babilônia e encarcerado. Mais tarde, porém, segundo a Bíblia, ele foi solto da prisão e deu-se-lhe uma subsistência alimentar. (2 Reis 24:8-15; 25:27-30) Isso é apoiado por documentos administrativos encontrados em Babilônia, que alistam as rações dadas a “Yaukîn, rei de Judá”.13

(2 REIS 24:12)

“Finalmente saiu Joaquim, rei de Judá, ao rei de Babilônia, ele com sua mãe e com seus servos, e seus príncipes, e seus oficiais da corte; e o rei de Babilônia foi tomá-lo no seu oitavo ano de rei.”

*** gm cap. 4 p. 48 par. 21 Pode-se crer no “Antigo Testamento”? ***
21 Ainda mais tarde, a Bíblia nos conta que Jerusalém, sob o Rei Joaquim, foi sitiada pelos babilônios e foi tomada. Esse evento está registrado na Crônica Babilônica, uma tabuinha cuneiforme descoberta pelos arqueólogos. Lemos nela: “O rei de Acade [Babilônia] . . . sitiou a cidade de Judá (iahudu) e o rei tomou a cidade no segundo dia do mês de adaru.”12 Joaquim foi levado a Babilônia e encarcerado. Mais tarde, porém, segundo a Bíblia, ele foi solto da prisão e deu-se-lhe uma subsistência alimentar. (2 Reis 24:8-15; 25:27-30) Isso é apoiado por documentos administrativos encontrados em Babilônia, que alistam as rações dadas a “Yaukîn, rei de Judá”.13

*** it-2 p. 579 Joaquim ***
Seu governo terminou, porém, apenas três meses e dez dias depois, quando se rendeu a Nabucodonosor em 617 AEC (no mês de adar, segundo uma crônica babilônica). (2Rs 24:11, 12; 2Cr 36:9; Assyrian and Babylonian Chronicles [Crônicas Assírias e Babilônicas], de A. Grayson, 1975, p. 102)

(2 REIS 24:13)

“Então tirou dali todos os tesouros da casa de Jeová e os tesouros da casa do rei, e foi retalhar todos os utensílios de ouro que Salomão, rei de Israel, tinha feito no templo de Jeová, assim como Jeová falara.”

*** it-2 p. 579 Joaquim ***
O registro em 2 Reis 24:12-16 declara que Nabucodonosor levou estes cativos para o exílio, junto com “todos os tesouros da casa de Jeová e os tesouros da casa do rei”. O relato em Daniel 1:1, 2, menciona apenas uma “parte dos utensílios” como levados para Babilônia. A explicação pode ser que os tesouros mencionados em Segundo Reis envolviam especialmente os utensílios de ouro, que recebem destaque nesse relato, e que se permitiu que outros utensílios ficassem. Outra possibilidade é que, quando Jerusalém cedeu diante do sítio babilônico (que resultou da rebelião de Jeoiaquim contra o rei de Babilônia), “alguns dos utensílios da casa de Jeová” foram levados para Babilônia, e que, pouco tempo depois, quando o próprio Joaquim foi transferido para Babilônia, outros “objetos desejáveis da casa de Jeová” foram levados juntos. Tal possibilidade é sugerida pelo relato de 2 Crônicas 36:6-10. Pelo relato de Crônicas, parece que Nabucodonosor, depois de conquistar com êxito Jerusalém, partiu, mas depois ‘mandou trazer [Joaquim] a Babilônia, junto com objetos desejáveis da casa de Jeová’. De modo similar, dez anos depois, na conquista e na destruição finais de Jerusalém (607 AEC), Nabucodonosor retirou-se para Ribla, “na terra de Hamate”, deixando os pormenores depois da conquista entregues ao chefe de sua guarda pessoal, Nebuzaradã. — 2Rs 25:8-21.

(2 REIS 24:14)

“E levou ao exílio toda a Jerusalém, e todos os príncipes, e todos os poderosos, valentes — levando dez mil ao exílio — e também todo artífice e construtor de baluartes. Não se deixou ficar ninguém, exceto a classe de condição humilde do povo da terra.”

*** it-2 p. 822 Metal, Trabalhador em ***
Mais tarde, quando oprimidos pelos filisteus, não se permitiu aos israelitas terem seus próprios trabalhadores em metais. Esta medida os impediu de fabricarem armas. (1Sa 13:19-22) Sem dúvida por motivos similares, Nabucodonosor levou cativos os trabalhadores em metais e outros artífices na primeira vez que atacou Jerusalém. — 2Rs 24:14, 16; Je 24:1; 29:1, 2.

(2 REIS 25:1)

“E aconteceu no seu nono ano como rei, no décimo mês, no dia dez do mês, que veio Nabucodonosor, rei de Babilônia, sim, ele e toda a sua força militar contra Jerusalém, e começou a acampar-se contra ela e a construir contra ela um muro de sítio em todo o redor.”

*** it-2 p. 231 Nações inimigas que atacavam Israel ***
Babilônia 2Rs 24:1, 12-17; 25:1-21

*** it-2 p. 232 Nações inimigas que atacavam Israel ***
[Foto na página 232]
Registro babilônico da invasão de Judá por Nabucodonosor.

(2 REIS 25:4)

“E a cidade sofreu uma brecha, e todos os homens de guerra [fugiram] de noite pelo caminho do portão entre a muralha dupla que há junto ao jardim do rei, enquanto os caldeus estavam em toda a volta, contra a cidade; e [o rei] começou a ir na direção do Arabá.”

*** it-1 p. 477 Cédron, Vale da torrente do ***
Não muito longe desta fonte, o vale do Cédron alarga-se e forma um espaço aberto. Sugeriu-se que esta área aberta talvez correspondesse ao antigo “jardim do rei”. — 2Rs 25:4.

*** it-2 p. 473 Jardim ***
O Jardim do Rei, perto do lugar onde Zedequias e seus homens tentaram escapar de Jerusalém durante o sítio dos caldeus, provavelmente ficava logo fora da muralha SE da cidade. (2Rs 25:4; Ne 3:15)

(2 REIS 25:8)

“E no quinto mês, no [dia] sétimo do mês, isto é, no décimo nono ano do Rei Nabucodonosor, rei de Babilônia, veio a Jerusalém Nebuzaradã, chefe da guarda pessoal, servo do rei de Babilônia.”

*** w07 15/3 p. 11 Destaques do livro de Jeremias ***
No sétimo dia do quinto mês do 19.° ano do reinado de Nabucodonosor, Nebuzaradã, chefe da guarda pessoal, “veio a” Jerusalém. (2 Reis 25:8) Talvez instalado no seu acampamento fora dos muros da cidade, Nebuzaradã tenha analisado as condições e planejado uma ação.

*** it-1 p. 9 Ab ***
Segundo Reis 25:8 diz que foi no sétimo dia deste mês que Nebuzaradã, servo do rei de Babilônia, “veio a Jerusalém”. Entretanto, Jeremias 52:12 nos informa que foi no décimo dia deste mês que Nebuzaradã “entrou em Jerusalém”. A obra Soncino Books of the Bible (Livros da Bíblia, de Soncino) comenta isso: “O intervalo de três dias poderá ser contado como representando a data da chegada de Nebuzaradã em cena e o começo das operações.” (Editada por A. Cohen, Londres, 1949) De modo que parece que Nebuzaradã chegou a Jerusalém no sétimo dia, fez a sua inspeção desde o seu acampamento fora das muralhas da cidade, e deu instruções para a demolição das fortificações da cidade e o saque dos tesouros dela; finalmente, no décimo dia do mês, ele entrou na cidade e no santo templo dela.

(2 REIS 25:11)

“E o resto do povo que se deixara ficar na cidade, e os desertores que se tinham passado para o rei de Babilônia, e o resto da massa de gente foram levados ao exílio por Nebuzaradã, chefe da guarda pessoal.”

*** it-1 p. 467 Cativeiro ***
Os levados cativos a Babilônia incluíam “alguns dos de condição humilde do povo, e o resto do povo que fora deixado na cidade, e os desertores . . . e o resto dos operários-mestres”. A expressão “que fora deixado na cidade” indica, aparentemente, que grande número de pessoas havia morrido de fome, de doença, ou pelo fogo, ou que haviam sido mortas na guerra. (Je 52:15; 2Rs 25:11)

(2 REIS 25:14)

“E os recipientes, e as pás, e os apagadores, e as taças, e todos os utensílios de cobre com que se costumava ministrar, eles levaram.”

*** it-1 p. 150 Apagadores ***
Apagadores
A palavra hebraica, mezam•mé•reth, traduzida de forma variada como “espevitadeiras” (PIB, ALA), “facas” (CBC) e “apagadores” (NM), deriva duma raiz (za•már) que significa “aparar; podar”. Por isso, alguns crêem que se refira a utensílios parecidos a tesouras, destinados a aparar as mechas de lamparinas. No entanto, tudo o que se sabe de definitivo sobre tais utensílios é que eram feitos de ouro ou de cobre, e eram usados em conexão com os serviços no templo. — 1Rs 7:50; 2Rs 12:13; 25:14; 2Cr 4:22; Je 52:18.

(2 REIS 25:17)

“Dezoito côvados era a altura de cada coluna, e o capitel sobre ela era de cobre; e a altura do capitel era de três côvados; e a rede e as romãs em volta do capitel, o conjunto, era de cobre; e a segunda coluna tinha-as iguais a estas sobre a rede.”

*** it-1 p. 430 Capitel ***
Capitel
A parte superior e a decoração de remate duma coluna dum edifício. Capitéis maciços encimavam Jaquim e Boaz, as colunas situadas na frente do templo de Salomão. (2Cr 3:15-17) Esses capitéis, e as colunas sobre as quais se assentavam, foram feitos sob a direção do artífice Hirão, por ocasião da construção do templo (1034-1027 AEC), e sobreviveram mais de 400 anos, até que Jerusalém foi saqueada pelos babilônios em 607 AEC. (2Cr 4:11-13; Je 52:17, 22) Em todas as referências a esses capitéis, exceto em uma, usa-se a palavra hebraica ko•thé•reth. Deriva da raiz ka•thár (‘cercar’; Jz 20:43) e é aparentada com ké•ther (“toucado”; Est 1:11). A palavra hebraica para “capitel”, que ocorre em 2 Crônicas 3:15 (tsé•feth), deriva do verbo radical tsa•fáh, que significa “recobrir”. — Êx 25:11.
As próprias colunas eram de cobre fundido, com cerca de 1,70 m de diâmetro e 18 côvados (8 m) de altura. Além disso, os capitéis tinham 5 côvados (2,20 m) de altura. (1Rs 7:15, 16) Em vista das passagens que indicam que os capitéis tinham cinco côvados de altura, diversos peritos concluíram que a referência a “três côvados”, em 2 Reis 25:17, é um erro de escriba. Este é o motivo de algumas traduções da Bíblia (por exemplo: BJ, PIB) substituírem “três côvados” com “cinco côvados”. Visto que as colunas eram ocas, com paredes de uns 7,5 cm de espessura, é razoável supor-se que os capitéis eram de construção similar e também foram fundidos em moldes de argila “no Distrito do Jordão”. — 2Cr 4:17; Je 52:21.

(2 REIS 25:22)

“Quanto ao povo que ficou atrás na terra de Judá, que Nabucodonosor, rei de Babilônia, deixara atrás, encarregou deles Gedalias, filho de Aicão, filho de Safã.”

*** it-1 p. 200 Arqueologia ***
Também é de interesse a impressão dum selo de argila encontrada, que se refere a “Gedalias, que está sobre a casa”. Gedalias é o nome do governador nomeado sobre Judá por Nabucodonosor após a queda de Jerusalém, e muitos acham provável que esta impressão do selo se refira a ele. — 2Rs 25:22; compare isso com Is 22:15; 36:3.

(2 REIS 25:23)

“Quando todos os chefes das forças militares, eles e seus homens, ouviram que o rei de Babilônia encarregara Gedalias, chegaram imediatamente a Gedalias, em Mispá, isto é, Ismael, filho de Netanias, e Joanã, filho de Careá, e Seraías, filho de Tanumete, o netofatita, e Jaazanias, filho do maacatita, eles e seus homens.”

*** it-2 p. 178 Galo ***
Um selo de ônix, com a figura de um galo, foi encontrado perto de Mispá, e ele contém a inscrição “pertence a Jaazanias, servo do rei”. Se este Jaazanias (Jezanias), conforme alguns sugerem, for o mencionado em 2 Reis 25:23 e Jeremias 40:8, isto indicaria que criar galos, em Israel, remonta ao sétimo século AEC.

(2 REIS 25:27)

“E sucedeu, no trigésimo sétimo ano do exílio de Joaquim, rei de Judá, no décimo segundo mês, no dia vinte e sete do mês, que Evil-Merodaque, rei de Babilônia, no ano em que se tornou rei, levantou a cabeça de Joaquim, rei de Judá, da casa de detenção;”

*** w12 1/6 p. 5 História, não mito ***
Mais tarde, “Evil-Merodaque, rei de Babilônia, no ano em que se tornou rei, levantou a cabeça de Joaquim, rei de Judá, [libertando-o] da casa de detenção”.

*** w12 1/6 p. 5 História, não mito ***
E o que dizer de Evil-Merodaque, sucessor de Nabucodonosor, será que ele existiu mesmo? Uma inscrição num vaso encontrado perto da cidade de Susa diz: “Palácio de Amil-Marduque [Evil-Merodaque], Rei de Babilônia, filho de Nabucodonosor, Rei de Babilônia.”

*** si p. 69 par. 2 Livro bíblico número 12 — 2 Reis ***
Foi completado por volta de 580 AEC, e abrange o período que começa com o reinado de Acazias, de Israel, por volta de 920 AEC, e termina no 37.° ano do exílio de Joaquim, em 580 AEC. — 1:1; 25:27.

*** it-1 p. 196 Arqueologia ***
Perto da Porta de Istar, em Babilônia, foram descobertas cerca de 300 tabuinhas cuneiformes relacionadas com o período do reinado do Rei Nabucodonosor. Entre listas do nome de trabalhadores e de cativos que então viviam em Babilônia, aos quais eram fornecidas provisões, aparece o de “Yaukin, rei da terra de Yahud”, isto é, “Joaquim, o rei da terra de Judá”, levado para Babilônia no tempo da conquista de Jerusalém por Nabucodonosor, em 617 AEC. Ele foi solto da casa de detenção por Avil-Marduque (Evil-Merodaque), sucessor de Nabucodonosor, e foi-lhe concedida uma porção diária de alimentos. (2Rs 25:27-30)

*** it-1 p. 196 Arqueologia ***
O nome do seu sucessor, Avil-Marduque (chamado Evil-Merodaque em 2Rs 25:27), aparece num vaso descoberto em Susa (Elão).

*** it-2 p. 66 Evil-Merodaque ***
Evil-Merodaque
[do babilônio, significando “Adorador de Marduque”].
Rei babilônio que sucedeu a Nabucodonosor no trono, em 581 AEC. No ano em que se tornou rei, Evil-Merodaque mostrou bondade para com Joaquim, rei de Judá, por soltá-lo da casa de detenção. Isto foi no 37.° ano do exílio de Joaquim em Babilônia. Evil-Merodaque concedeu-lhe uma posição de favor acima de todos os outros reis que estavam em cativeiro em Babilônia. (2Rs 25:27-30; Je 52:31-34) Josefo afirma que Evil-Merodaque considerava Joaquim um dos seus amigos mais íntimos.

(2 REIS 25:30)

“Quanto à sua subsistência, dava-se-lhe constantemente a subsistência da parte do rei, diariamente, como porção devida, todos os dias da sua vida.”

*** gm cap. 4 p. 48 par. 21 Pode-se crer no “Antigo Testamento”? ***
Mais tarde, porém, segundo a Bíblia, ele foi solto da prisão e deu-se-lhe uma subsistência alimentar. (2 Reis 24:8-15; 25:27-30) Isso é apoiado por documentos administrativos encontrados em Babilônia, que alistam as rações dadas a “Yaukîn, rei de Judá”.13

*** it-1 p. 196 Arqueologia ***
Perto da Porta de Istar, em Babilônia, foram descobertas cerca de 300 tabuinhas cuneiformes relacionadas com o período do reinado do Rei Nabucodonosor. Entre listas do nome de trabalhadores e de cativos que então viviam em Babilônia, aos quais eram fornecidas provisões, aparece o de “Yaukin, rei da terra de Yahud”, isto é, “Joaquim, o rei da terra de Judá”, levado para Babilônia no tempo da conquista de Jerusalém por Nabucodonosor, em 617 AEC. Ele foi solto da casa de detenção por Avil-Marduque (Evil-Merodaque), sucessor de Nabucodonosor, e foi-lhe concedida uma porção diária de alimentos. (2Rs 25:27-30)

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone