1 Reis 18-20, Destaques da Bíblia: semana de 3 de agosto

Destaques da leitura da Bíblia: 1 Reis 18-19-20. Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:

Pesquisa para Destaques da Bíblia desta semana: 1 Reis 18-20


(1 REIS 18:1)

“E sucedeu, [depois de] muitos dias, que a própria palavra de Jeová veio a Elias no terceiro ano, dizendo: “Vai, mostra-te a Acabe, visto que estou decidido a dar chuva sobre a superfície do solo.””

*** w08 1/4 p. 19 Ele observou e esperou ***
[Quadro/Foto na página 19]
Quanto tempo durou a seca nos dias de Elias?
O profeta de Jeová, Elias, anunciou ao Rei Acabe que a longa seca logo acabaria. Isso foi “no terceiro ano” — pelo visto contando a partir do dia em que Elias anunciou a seca. (1 Reis 18:1) Jeová fez chover pouco depois de Elias ter dito que Ele faria isso. Assim, alguns talvez concluam que a seca terminou no decorrer do terceiro ano e que, portanto, durou menos de três anos. No entanto, tanto Jesus como Tiago disseram que a seca durou “três anos e seis meses”. (Lucas 4:25; Tiago 5:17) Será que isso é uma contradição?
De forma alguma. Veja bem, a estação seca no Israel antigo era bastante longa, durando até seis meses. Sem dúvida, Elias foi até Acabe para anunciar a seca quando o período de estiagem já era incomumente longo e severo. Na verdade, a seca tinha começado quase meio ano antes. Assim, quando Elias anunciou o fim da seca “no terceiro ano” após ele ter dado o primeiro anúncio, a seca já tinha durado quase três anos e meio. Os “três anos e seis meses” completos já tinham passado quando todo o povo se reuniu para presenciar o grande teste no monte Carmelo.
Considere, então, a ocasião em que Elias visitou o Rei Acabe pela primeira vez. O povo acreditava que Baal era “o cavaleiro das nuvens”, o deus que traria chuvas para acabar com a estação seca. Se a estação seca foi incomumente longa, é provável que as pessoas se perguntassem: ‘Onde está Baal? Quando ele trará as chuvas?’ O anúncio de Elias, de que não choveria nem cairia orvalho até que ele desse a ordem, deve ter sido arrasador para aqueles adoradores de Baal. — 1 Reis 17:1.
[Crédito]
Pictorial Archive (Near Eastern History) Est.

*** w92 1/4 p. 17 Tem fé igual à de Elias? ***
Tanto Jesus como Tiago dizem que não choveu no país por “três anos e seis meses”. Contudo, diz-se que Elias se apresentou diante de Acabe para pôr fim à seca “no terceiro ano” — sem dúvida a contar do dia em que anunciou a seca. Assim, deve ter sido depois de uma longa estação seca, sem chuvas, que ele se apresentou perante Acabe. — Lucas 4:25; Tiago 5:17; 1 Reis 18:1.

(1 REIS 18:3)

“Entrementes, Acabe chamou a Obadias, que estava sobre os da casa. (Ora, o próprio Obadias mostrara ser alguém que temia grandemente a Jeová.”

*** w06 1/10 p. 20 par. 18 Corajosos por meio da fé e do temor piedoso ***
18 Obadias foi cauteloso e discreto em sua adoração a Jeová. Contudo, não transigiu. De fato, 1 Reis 18:3 nos diz: “Obadias mostrara ser alguém que temia grandemente a Jeová.” Era com certeza um temor fora do comum! Esse temor sadio, por sua vez, deu-lhe notável coragem, conforme demonstrou logo após Jezabel ter assassinado os profetas de Jeová.

(1 REIS 18:4)

“Por isso, aconteceu que, quando Jezabel decepou os profetas de Jeová, Obadias passou a tomar cem profetas e a mantê-los escondidos aos cinqüenta numa caverna, e ele os supriu de pão e de água.)”

*** w06 1/10 p. 20 par. 19 Corajosos por meio da fé e do temor piedoso ***
19 Lemos: “Aconteceu que, quando Jezabel decepou os profetas de Jeová, Obadias passou a tomar cem profetas e a mantê-los escondidos aos cinqüenta numa caverna, e ele os supriu de pão e de água.” (1 Reis 18:4) Como pode imaginar, alimentar secretamente cem homens era uma tarefa muito perigosa. Obadias não apenas tinha de evitar ser apanhado por Acabe e Jezabel como também tinha de evitar ser descoberto pelos 850 falsos profetas que freqüentavam o palácio. Além disso, muitos outros no país que praticavam a adoração falsa, desde os pobres até os mais ricos, sem dúvida teriam aproveitado qualquer oportunidade para denunciar Obadias e assim agradar ao rei e à rainha. No entanto, bem debaixo do nariz de todos aqueles idólatras, Obadias corajosamente providenciou o que os profetas de Jeová precisavam. O temor a Deus pode ser realmente muito poderoso!

(1 REIS 18:19)

“E agora, manda reunir todo o Israel a mim no monte Carmelo, e também os quatrocentos e cinqüenta profetas de Baal e os quatrocentos profetas do poste sagrado, que estão comendo à mesa de Jezabel.””

*** it-2 p. 227 O reino dividido ***
Carmelo (Mte.) 1Rs 18:19-40

*** it-2 p. 230 As atividades proféticas de Elias e de Eliseu ***
[Foto na página 230]
Monte Carmelo, local da prova de fogo que atestou que o verdadeiro Deus não era Baal, mas sim Jeová. (1Rs 18:21-39)

*** it-2 p. 229 As atividades proféticas de Elias e de Eliseu ***
Carmelo (Mte.) 1Rs 18:19-40

(1 REIS 18:21)

“Elias aproximou-se então de todo o povo e disse: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o [verdadeiro] Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” E o povo não lhe disse uma palavra em resposta.”

*** ia cap. 10 pp. 86-87 Ele defendeu a adoração pura ***
‘Mancar’ em que sentido?
9 Do cume do monte Carmelo é possível ter uma vista ampla — desde o vale da torrente do Quisom, abaixo, até o Grande Mar (mar Mediterrâneo) nas proximidades, e até os montes do Líbano, no horizonte do extremo norte. Mas, à medida que o Sol nascia nesse dia decisivo, a vista era sinistra. A terra anteriormente fértil que Jeová tinha dado aos filhos de Abraão parecia estar morrendo. Agora era uma terra endurecida pelo sol causticante, arruinada por causa da tolice do próprio povo de Deus. Enquanto as pessoas se ajuntavam, Elias se aproximou e disse: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o verdadeiro Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” — 1 Reis 18:21.
10 O que Elias queria dizer com a expressão “mancando em duas opiniões diferentes”? Bem, aquelas pessoas não se davam conta de que precisavam escolher entre a adoração de Jeová e a adoração de Baal. Elas pensavam que podiam fazer as duas coisas — manter a paz com Baal por meio de seus rituais repugnantes e ao mesmo tempo pedir favores a Jeová Deus. Talvez pensassem que Baal abençoaria suas plantações e seus rebanhos, ao passo que “Jeová dos exércitos” os protegeria nas batalhas. (1 Sam. 17:45) Mas tinham se esquecido de uma verdade básica, uma verdade que muitos ainda hoje despercebem: Jeová não divide sua adoração com ninguém. Ele exige e merece devoção exclusiva. Para ele, qualquer adoração que esteja misturada com outra forma de adoração é inaceitável, até mesmo ofensiva! — Leia Êxodo 20:5.
11 Portanto, aqueles israelitas estavam “mancando” como alguém tentando seguir dois caminhos ao mesmo tempo. Hoje muitos cometem um erro parecido, permitindo que outros “baals” se infiltrem aos poucos em sua vida, deixando de lado a adoração a Deus. Acatar o apelo alto e claro de Elias para parar de mancar pode nos ajudar a reavaliar nossas prioridades e nossa adoração.

*** w08 1/1 p. 19 Ele defendeu a adoração pura ***
‘Mancar’ em que sentido?
Do cume do monte Carmelo é possível ter uma vista ampla de Israel — desde o vale da torrente do Quisom abaixo até o Grande Mar (mar Mediterrâneo) nas proximidades, até os montes do Líbano no horizonte do extremo norte. Mas, à medida que o sol nascia nesse dia decisivo, a vista era sinistra. Um manto mortífero pairava sobre a terra anteriormente fértil que Jeová tinha dado aos filhos de Abraão. Era agora uma terra endurecida pelo sol causticante, arruinada por causa da tolice do próprio povo de Deus. Enquanto as pessoas se ajuntavam, Elias se aproximou e disse: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o verdadeiro Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” — 1 Reis 18:21.
O que Elias queria dizer com a expressão “mancando em duas opiniões diferentes”? Bem, aquelas pessoas não se davam conta de que precisavam escolher entre a adoração a Jeová e a adoração a Baal. Elas pensavam que podiam fazer as duas coisas — manter a paz com Baal por meio de seus rituais repugnantes e ao mesmo tempo pedir favores a Jeová Deus. Talvez pensassem que Baal abençoaria suas plantações e seus rebanhos, ao passo que “Jeová dos exércitos” os protegeria nas batalhas. (1 Samuel 17:45) Mas haviam se esquecido de uma verdade básica — uma verdade que muitos ainda hoje despercebem — que Jeová não divide sua adoração com ninguém. Ele exige e é digno de devoção exclusiva. Para ele, qualquer adoração que esteja misturada com outra forma de adoração é inaceitável, até mesmo ofensiva! — Êxodo 20:5.
Portanto, aqueles israelitas estavam “mancando” como um homem tentando seguir dois caminhos ao mesmo tempo. Hoje, muitos cometem um erro parecido, permitindo que outros “baals” se infiltrem aos poucos em sua vida, deixando de lado a adoração a Deus. O apelo alto e claro de Elias, de parar de mancar, pode nos ajudar a reavaliar nossas prioridades e nossa adoração.

*** w05 1/7 pp. 30-31 Destaques do livro de Primeiro dos Reis ***
18:21 — Por que o povo ficou calado quando Elias os incentivou a seguir ou a Jeová ou a Baal? Pode ser que eles tenham se dado conta de que não estavam dando a Jeová a devoção exclusiva que ele exige, sentindo-se, portanto, culpados. Ou talvez a consciência deles tenha endurecido a ponto de não verem nada de errado em adorar a Baal ao mesmo tempo em que afirmavam ser adoradores de Jeová. Foi apenas depois de Jeová demonstrar seu poder que eles disseram: “Jeová é o verdadeiro Deus! Jeová é o verdadeiro Deus!” — 1 Reis 18:39.


*** w98 1/1 p. 30 Elias enaltece o Deus verdadeiro ***
Alguns eruditos sugerem que Elias talvez tenha feito alusão às danças rituais dos adoradores de Baal. A palavra “mancar” é usada de forma similar em 1 Reis 18:26 e descreve a dança dos profetas de Baal.

*** w98 1/1 p. 30 Elias enaltece o Deus verdadeiro ***
Depois, Elias falou à multidão: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o verdadeiro Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” — 1 Reis 18:17-21.

*** it-1 pp. 578-579 Coxo, claudicação ***
Numa ocasião posterior, Elias perguntou aos israelitas: “Até quando ficareis mancando em duas opiniões diferentes? Se Jeová é o verdadeiro Deus, ide segui-lo; mas se é Baal, ide segui-lo.” Naquela ocasião, os israelitas afirmavam adorar a Jeová, mas ao mesmo tempo adoravam a Baal. Seu rumo era instável e vacilante, como o dum homem coxo. Na competição resultante, quando os profetas de Baal tentaram em vão, desde a manhã até o meio-dia, conseguir uma resposta de seu deus, “eles continuaram a mancar em volta do altar que tinham feito”. Isto talvez fosse uma descrição zombeteira da ritualística dança ou coxeadura dos fanáticos adoradores de Baal, ou talvez manquejassem de cansaço em vista do seu longo e fútil rito. — 1Rs 18:21-29.

(1 REIS 18:23)

“Agora dêem-se-nos dois novilhos, e escolham eles para si um novilho e cortem-no em pedaços, e coloquem-no sobre a lenha, mas não lhe devem pôr fogo. E eu mesmo prepararei o outro novilho e terei de colocá-lo sobre a lenha, mas não lhe porei fogo.”

*** ia cap. 10 p. 87 Ele defendeu a adoração pura ***
É curioso que Elias tenha lhes dito: ‘Não deveis pôr fogo’ no sacrifício. Alguns eruditos dizem que esses idólatras às vezes usavam altares com uma abertura secreta por baixo para parecer que o fogo tinha sido aceso de modo sobrenatural.

*** w08 1/1 p. 19 Ele defendeu a adoração pura ***
É curioso que Elias tenha lhes dito: ‘Não deveis pôr fogo’ no sacrifício. Alguns eruditos dizem que tais idólatras às vezes usavam altares com uma abertura secreta por baixo para parecer que o fogo tinha sido aceso de modo sobrenatural.

(1 REIS 18:26)

“Concordemente, tomaram o novilho que lhes deu. Prepararam-no então e continuaram a invocar o nome de Baal, desde a manhã até ao meio-dia, dizendo: “Ó Baal, responde-nos!” Mas não havia voz e não havia quem respondesse. E eles continuaram a mancar em volta do altar que tinham feito.”

*** it-1 p. 638 Dança ***
A adoração de Baal estava associada com danças frenéticas, desenfreadas. No tempo de Elias houve tal demonstração por parte dos sacerdotes de Baal, os quais, no decorrer da dança demoníaca, cortaram-se com facas, ao passo que continuaram “a mancar em volta” do altar. (1Rs 18:26-29) Outras traduções dizem que “rodeavam manquejando” (VB), “dançavam dobrando o joelho” (BJ; BV), “dançavam com genuflexões” (BMD).

(1 REIS 18:27)

“E sucedeu, ao meio-dia, que Elias começou a mofar deles e a dizer: “Clamai ao máximo da vossa voz, pois ele é deus; porque deve estar preocupado com algum assunto, e tem excremento e precisa ir à privada. Ou talvez esteja dormindo e precise acordar!””

*** ia cap. 10 p. 88 par. 14 Ele defendeu a adoração pura ***
Ao meio-dia, Elias começou a zombar deles dizendo de modo sarcástico que Baal devia estar muito ocupado para lhes responder, que estava satisfazendo suas necessidades ou tirando uma soneca e precisava que alguém o acordasse. “Clamai ao máximo da vossa voz”, exortou Elias àqueles impostores. Fica claro que ele encarava a adoração de Baal como uma fraude ridícula, e queria que o povo de Deus visse isso claramente. — 1 Reis 18:26, 27.

*** w08 1/1 p. 20 Ele defendeu a adoração pura ***
Ao meio-dia, Elias começou a zombar deles dizendo de modo sarcástico que Baal devia estar muito ocupado para lhes responder, que estava satisfazendo suas necessidades ou tirando uma soneca e precisava que alguém o acordasse. “Clamai ao máximo da vossa voz”, exortou Elias àqueles impostores. Fica claro que ele encarava a adoração a Baal como uma fraude ridícula, e queria que o povo de Deus visse isso claramente. — 1 Reis 18:26, 27.

(1 REIS 18:28)

“E começaram a clamar ao máximo da sua voz e a fazer cortes em si mesmos com punhais e com lanças, segundo o seu costume, até derramarem sangue sobre si.”

*** w98 1/1 p. 30 Elias enaltece o Deus verdadeiro ***
Os profetas de Baal começavam até a fazer cortes em si mesmos com punhais e com lanças, uma prática muito usada pelos pagãos para suscitar a piedade de seus deuses. — 1 Reis 18:28.

*** w98 1/1 p. 30 Elias enaltece o Deus verdadeiro ***
Alguns acham que a automutilação tinha relação com sacrifícios humanos. Agir assim dava a entender que era possível obter favor divino por meio de sofrimento físico ou derramamento de sangue.

*** it-1 p. 572 Cortes ***
Infligir lacerações na carne, porém, não se limitava a ritos de luto. Na esperança de que seu deus respondesse a seus apelos, os profetas de Baal cortaram-se “com punhais e com lanças, segundo o seu costume, até derramarem sangue sobre si”. (1Rs 18:28) Ritos similares também eram praticados por outros povos antigos. Por exemplo, Heródoto (II, 61) menciona que durante a festa de Ísis, os carianos, ou cários, residentes no Egito cortavam a fronte com facas ou espadas.

(1 REIS 18:29)

“E sucedeu que, assim que passou o meio-dia e eles continuaram a comportar-se como profetas, até a ascensão da oferta de cereais, não havia voz e não havia quem respondesse, e não se dava atenção.”

*** it-2 p. 345 Hora ***
Deus ordenou que se fizessem as ofertas queimadas no altar “pela manhã” e “entre as duas noitinhas”. Junto com estas, fazia-se uma oferta de cereais. (Êx 29:38-42) De modo que expressões tais como “a ascensão da oferta de cereais”, quando o contexto indicava a manhã ou a noitinha (como em 1Rs 18:29, 36), e o “tempo da oferenda da noitinha” (Da 9:21), se referiam a períodos bem específicos.

(1 REIS 18:30)

“Por fim, Elias disse a todo o povo: “Aproximai-vos de mim.” Assim, todo o povo aproximou-se dele. Então ele passou a restaurar o altar de Jeová que havia sido derrubado.”

*** ia cap. 10 p. 88 par. 16 Ele defendeu a adoração pura ***
16 No fim da tarde, chegou a vez de Elias oferecer um sacrifício. Ele reconstruiu um altar a Jeová, que sem dúvida tinha sido derrubado por inimigos da adoração pura.

*** w08 1/1 p. 20 Ele defendeu a adoração pura ***
No fim da tarde chegou a vez de Elias. Ele reconstruiu um altar a Jeová, que sem dúvida havia sido derrubado por inimigos da adoração pura.

*** w05 15/12 p. 26 par. 6 Agora é o tempo para tomar uma decisão ***
6 A reunião aconteceu onde antes se localizava um altar de Jeová que havia sido “derrubado”, com certeza para agradar a Jezabel. (1 Reis 18:30)

(1 REIS 18:31)

“Portanto, Elias tomou doze pedras, segundo o número das tribos dos filhos de Jacó, a quem tinha chegado a palavra de Jeová, dizendo: “Israel é o que o teu nome virá a ser.””

*** ia cap. 10 pp. 88-90 par. 16 Ele defendeu a adoração pura ***
Usou 12 pedras, talvez fazendo com que muitos da nação de Israel, de dez tribos, se lembrassem que a Lei dada a todas as 12 tribos ainda estava em vigor.

*** w08 1/1 p. 20 Ele defendeu a adoração pura ***
Usou 12 pedras, talvez fazendo com que muitos da nação de Israel, de dez tribos, se lembrassem que a Lei dada a todas as 12 tribos ainda vigorava.

(1 REIS 18:32)

“E ele prosseguiu, construindo com as pedras um altar em nome de Jeová e fazendo um rego, de aproximadamente a área semeada com dois seás de semente, em todo o redor do altar.”

*** it-1 p. 790 Elias ***
Chega então a vez de Elias. Usando 12 pedras, ele restaura um altar que tinha sido derrubado, provavelmente às instâncias de Jezabel. Daí, faz com que o povo ensope de água, por três vezes, a oferta e o altar; até mesmo o rego ao redor do altar, delimitando uma área quadrada de talvez uns 32 m de cada lado, é enchido de água. (1Rs 18:30-35)

(1 REIS 18:33)

“Depois pôs a lenha em ordem, e cortou o novilho em pedaços, e colocou-o sobre a lenha. Então disse: “Enchei quatro jarros grandes com água e despejai-a sobre a oferta queimada e sobre a lenha.””

*** w98 1/1 p. 31 Elias enaltece o Deus verdadeiro ***
Depois, o novilho, o altar e a madeira foram completamente encharcados com água e o rego foi enchido de água (sem dúvida água do Mar Mediterrâneo).

*** ba p. 17 Pode-se confiar nesse livro? ***
Há casos em que a omissão de certos detalhes apenas aumenta a credibilidade do escritor bíblico. Por exemplo, o escritor de 1 Reis fala de uma grave seca em Israel. Era tão grave que o rei não encontrava água e capim suficientes para manter vivos os seus cavalos e mulos. (1 Reis 17:7; 18:5) Todavia, o mesmo relato diz que o profeta Elias ordenou que lhe trouxessem água ao monte Carmelo (para uso num sacrifício) suficiente para encher um rego que circundava uma área de talvez uns mil metros quadrados. (1 Reis 18:33-35) No meio da seca, de onde veio toda essa água? O escritor de 1 Reis não se preocupou em explicar. Contudo, quem morava em Israel sabia que o Carmelo ficava no litoral do mar Mediterrâneo, conforme indica uma observação casual feita mais adiante na narrativa. (1 Reis 18:43) Portanto, a água do mar estaria à disposição. Se esse livro, normalmente detalhista, fosse mera ficção mascarada de fato, por que o seu escritor, que nesse caso teria sido um esperto forjador, teria deixado no texto essa evidente dificuldade?

(1 REIS 18:34)

“Então ele disse: “Fazei-o outra vez.” Portanto, fizeram-no outra vez. Mas ele disse: “Fazei-o pela terceira vez.” Portanto, fizeram-no pela terceira vez.”

*** ba p. 17 Pode-se confiar nesse livro? ***
Há casos em que a omissão de certos detalhes apenas aumenta a credibilidade do escritor bíblico. Por exemplo, o escritor de 1 Reis fala de uma grave seca em Israel. Era tão grave que o rei não encontrava água e capim suficientes para manter vivos os seus cavalos e mulos. (1 Reis 17:7; 18:5) Todavia, o mesmo relato diz que o profeta Elias ordenou que lhe trouxessem água ao monte Carmelo (para uso num sacrifício) suficiente para encher um rego que circundava uma área de talvez uns mil metros quadrados. (1 Reis 18:33-35) No meio da seca, de onde veio toda essa água? O escritor de 1 Reis não se preocupou em explicar. Contudo, quem morava em Israel sabia que o Carmelo ficava no litoral do mar Mediterrâneo, conforme indica uma observação casual feita mais adiante na narrativa. (1 Reis 18:43) Portanto, a água do mar estaria à disposição. Se esse livro, normalmente detalhista, fosse mera ficção mascarada de fato, por que o seu escritor, que nesse caso teria sido um esperto forjador, teria deixado no texto essa evidente dificuldade?

(1 REIS 18:35)

“A água ficou assim toda em volta do altar, e também o rego ele encheu de água.”

*** ba p. 17 Pode-se confiar nesse livro? ***
Há casos em que a omissão de certos detalhes apenas aumenta a credibilidade do escritor bíblico. Por exemplo, o escritor de 1 Reis fala de uma grave seca em Israel. Era tão grave que o rei não encontrava água e capim suficientes para manter vivos os seus cavalos e mulos. (1 Reis 17:7; 18:5) Todavia, o mesmo relato diz que o profeta Elias ordenou que lhe trouxessem água ao monte Carmelo (para uso num sacrifício) suficiente para encher um rego que circundava uma área de talvez uns mil metros quadrados. (1 Reis 18:33-35) No meio da seca, de onde veio toda essa água? O escritor de 1 Reis não se preocupou em explicar. Contudo, quem morava em Israel sabia que o Carmelo ficava no litoral do mar Mediterrâneo, conforme indica uma observação casual feita mais adiante na narrativa. (1 Reis 18:43) Portanto, a água do mar estaria à disposição. Se esse livro, normalmente detalhista, fosse mera ficção mascarada de fato, por que o seu escritor, que nesse caso teria sido um esperto forjador, teria deixado no texto essa evidente dificuldade?

(1 REIS 18:36)

“E aconteceu, na hora em que ascende a oferta de cereais, que Elias, o profeta, começou a aproximar-se e a dizer: “Ó Jeová, Deus de Abraão, de Isaque e de Israel, saiba-se hoje que tu és Deus em Israel e que eu sou o teu servo, e que é pela tua palavra que fiz todas estas coisas.”

*** ia cap. 10 p. 90 par. 17 Ele defendeu a adoração pura ***
17 Quando tudo estava pronto, Elias fez uma oração simples, mas expressiva, que deixou claro o que era mais importante para ele. Primeiro de tudo, ele queria mostrar que Jeová, não aquele tal de Baal, era “Deus em Israel”. Segundo, queria que todos soubessem que ele era apenas um servo de Jeová; toda glória e todo crédito deviam ser dados a Deus. Por fim, mostrou que ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”. (1 Reis 18:36, 37) Elias ainda os amava, apesar de todo o sofrimento que a infidelidade deles tinha causado. Em nossas orações, será que podemos mostrar similar humildade, interesse no nome de Deus e compaixão por outros que precisam de ajuda?

*** w10 1/10 pp. 4-5 2 A quem? ***
Depois que ele terminou de orar, seu Deus respondeu imediatamente, enviando fogo do céu para consumir sua oferta. Qual foi a diferença entre as duas orações? A resposta está na própria oração de Elias, em 1 Reis 18:36, 37. A oração é bem curta — apenas umas 30 palavras no hebraico original. Ainda assim, nessas poucas linhas, Elias se dirigiu a Deus usando três vezes seu nome pessoal, Jeová.
Baal, que significa “dono” ou “amo”, era o deus dos cananeus, e havia muitas versões desse deus, dependendo da região. No entanto, Jeová é um nome ímpar, que se aplica apenas a um Personagem em todo o Universo. Esse Deus disse a seu povo: “Eu sou Jeová. Este é meu nome; e a minha própria glória não darei a outrem.” — Isaías 42:8.
Será que a oração de Elias e as orações dos profetas de Baal chegaram ao mesmo lugar? A adoração de Baal degradava as pessoas com seus rituais de prostituição e até sacrifícios humanos. Em contraste, a adoração de Jeová enobrecia seu povo, Israel, libertando-o dessas práticas degradantes. Pense um pouco: se você enviasse uma carta a um amigo muito respeitado, gostaria que ela fosse entregue a outra pessoa, cuja má reputação fosse de encontro a todos os valores de seu amigo? É claro que não!

*** w08 1/1 p. 20 Ele defendeu a adoração pura ***
Quando tudo estava pronto, Elias fez uma oração simples, mas expressiva, que mostrou claramente o que era mais importante para ele. Primeiro de tudo, queria deixar claro que Jeová, não esse tal de Baal, era “Deus em Israel”. Segundo, queria que todos soubessem que ele era apenas um servo de Jeová; toda glória e todo crédito deviam ser dados a Deus. Por fim, mostrou que ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”. (1 Reis 18:36, 37) Elias ainda os amava, apesar de todo o sofrimento que a infidelidade deles tinha causado. Em nossas orações a Deus, será que podemos mostrar interesse similar no nome de Deus, bem como humildade e compaixão para com outros que precisam de ajuda?

*** it-2 p. 345 Hora ***
Deus ordenou que se fizessem as ofertas queimadas no altar “pela manhã” e “entre as duas noitinhas”. Junto com estas, fazia-se uma oferta de cereais. (Êx 29:38-42) De modo que expressões tais como “a ascensão da oferta de cereais”, quando o contexto indicava a manhã ou a noitinha (como em 1Rs 18:29, 36), e o “tempo da oferenda da noitinha” (Da 9:21), se referiam a períodos bem específicos.

(1 REIS 18:37)

“Responde-me, ó Jeová, responde-me, para que este povo saiba que tu, Jeová, és o [verdadeiro] Deus e que tu mesmo fizeste o coração deles voltar atrás.””

*** ia cap. 10 p. 90 par. 17 Ele defendeu a adoração pura ***
17 Quando tudo estava pronto, Elias fez uma oração simples, mas expressiva, que deixou claro o que era mais importante para ele. Primeiro de tudo, ele queria mostrar que Jeová, não aquele tal de Baal, era “Deus em Israel”. Segundo, queria que todos soubessem que ele era apenas um servo de Jeová; toda glória e todo crédito deviam ser dados a Deus. Por fim, mostrou que ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”. (1 Reis 18:36, 37) Elias ainda os amava, apesar de todo o sofrimento que a infidelidade deles tinha causado. Em nossas orações, será que podemos mostrar similar humildade, interesse no nome de Deus e compaixão por outros que precisam de ajuda?

*** w10 1/10 pp. 4-5 2 A quem? ***
Depois que ele terminou de orar, seu Deus respondeu imediatamente, enviando fogo do céu para consumir sua oferta. Qual foi a diferença entre as duas orações? A resposta está na própria oração de Elias, em 1 Reis 18:36, 37. A oração é bem curta — apenas umas 30 palavras no hebraico original. Ainda assim, nessas poucas linhas, Elias se dirigiu a Deus usando três vezes seu nome pessoal, Jeová.
Baal, que significa “dono” ou “amo”, era o deus dos cananeus, e havia muitas versões desse deus, dependendo da região. No entanto, Jeová é um nome ímpar, que se aplica apenas a um Personagem em todo o Universo. Esse Deus disse a seu povo: “Eu sou Jeová. Este é meu nome; e a minha própria glória não darei a outrem.” — Isaías 42:8.
Será que a oração de Elias e as orações dos profetas de Baal chegaram ao mesmo lugar? A adoração de Baal degradava as pessoas com seus rituais de prostituição e até sacrifícios humanos. Em contraste, a adoração de Jeová enobrecia seu povo, Israel, libertando-o dessas práticas degradantes. Pense um pouco: se você enviasse uma carta a um amigo muito respeitado, gostaria que ela fosse entregue a outra pessoa, cuja má reputação fosse de encontro a todos os valores de seu amigo? É claro que não!

*** w08 1/1 p. 20 Ele defendeu a adoração pura ***
Quando tudo estava pronto, Elias fez uma oração simples, mas expressiva, que mostrou claramente o que era mais importante para ele. Primeiro de tudo, queria deixar claro que Jeová, não esse tal de Baal, era “Deus em Israel”. Segundo, queria que todos soubessem que ele era apenas um servo de Jeová; toda glória e todo crédito deviam ser dados a Deus. Por fim, mostrou que ainda se preocupava com seu povo, pois estava ansioso para ver Jeová fazer “o coração deles voltar atrás”. (1 Reis 18:36, 37) Elias ainda os amava, apesar de todo o sofrimento que a infidelidade deles tinha causado. Em nossas orações a Deus, será que podemos mostrar interesse similar no nome de Deus, bem como humildade e compaixão para com outros que precisam de ajuda?

(1 REIS 18:40)

“Elias disse-lhes então: “Pegai os profetas de Baal! Não deixeis escapar nem sequer um deles!” Pegaram-nos imediatamente, e Elias os fez levar para baixo ao vale da torrente do Quisom e os abateu ali.”

*** ia cap. 10 pp. 90-91 par. 19 Ele defendeu a adoração pura ***
Mas ainda não haviam mostrado nenhuma fé. Convenhamos, reconhecer que Jeová é o verdadeiro Deus depois de ver fogo descer do céu em resposta a uma oração não é uma demonstração impressionante de fé. Por isso, Elias esperava mais deles. Pediu que fizessem o que deveriam ter feito muitos anos antes — obedecer à Lei de Jeová. A Lei de Deus dizia que falsos profetas e idólatras deviam ser mortos. (Deut. 13:5-9) Esses sacerdotes de Baal eram inimigos declarados de Jeová Deus e agiam deliberadamente contra Seus propósitos. Será que mereciam misericórdia? Pense bem: que misericórdia eles tinham concedido a todas as crianças inocentes que foram queimadas vivas em sacrifício a Baal? (Leia Provérbios 21:13; Jer. 19:5) Esses homens não mereciam nenhuma misericórdia! Assim, Elias ordenou que fossem executados, e foi isso o que aconteceu. — 1 Reis 18:40.

*** w08 1/1 p. 21 Ele defendeu a adoração pura ***
Mas ainda não haviam mostrado fé. Convenhamos, reconhecer que Jeová é o verdadeiro Deus depois de ver fogo descer do céu em resposta a uma oração não é uma demonstração impressionante de fé. Por isso, Elias esperava mais deles. Pediu que fizessem o que deveriam ter feito muitos anos antes — obedecer a Lei de Jeová. A Lei de Deus dizia que falsos profetas e idólatras deviam ser mortos. (Deuteronômio 13:5-9) Esses sacerdotes de Baal eram inimigos declarados de Jeová Deus e agiam deliberadamente contra Seus propósitos. Será que mereciam misericórdia? Pense bem: que misericórdia se concedeu a todas as crianças inocentes que foram queimadas vivas em sacrifício a Baal? (Provérbios 21:13; Jeremias 19:5) Não, esses homens não mereciam nenhuma misericórdia. Assim, Elias ordenou que fossem executados, e foi isso o que aconteceu. — 1 Reis 18:40.

*** it-1 p. 432 Carmelo ***
Depois desta prova, Elias mandou levar os falsos profetas para o vale da torrente do Quisom, que corre ao longo do sopé oriental do Carmelo, antes de terminar na baía de Aco, e ali os abateu. (1Rs 18:40)

(1 REIS 18:41)

“Elias disse então a Acabe: “Sobe, come e bebe; pois há o ruído da turbulência dum aguaceiro.””

*** ia cap. 11 p. 93 par. 5 Ele observou e esperou ***
5 Elias se aproximou de Acabe e disse: “Sobe, come e bebe; pois há o ruído da turbulência dum aguaceiro.”

*** ia cap. 11 p. 95 pars. 10-11 Ele observou e esperou ***
Lembre-se que Elias tinha acabado de dizer ao Rei Acabe: “Há o ruído da turbulência dum aguaceiro.” Como o profeta podia dizer isso se não havia nenhuma nuvem?
11 Elias conhecia a promessa de Jeová. Como seu profeta e representante, ele tinha certeza de que seu Deus cumpriria Sua palavra. Elias tinha tanta confiança que era como se já estivesse ouvindo o aguaceiro. Talvez nos lembremos da descrição que a Bíblia faz de Moisés: “[Ele] permanecia constante como que vendo Aquele que é invisível.” Será que Deus é tão real assim para você? Ele fornece muitos motivos para termos esse tipo de fé nele e em suas promessas. — Heb. 11:1, 27.

*** w08 1/4 p. 18 Ele observou e esperou ***
Lembre-se que Elias tinha acabado de dizer ao Rei Acabe: “Há o ruído da turbulência dum aguaceiro.” Como o profeta podia dizer isso se não havia nenhuma nuvem?
Elias conhecia a promessa de Jeová. Como Seu profeta e representante, ele tinha certeza de que seu Deus cumpriria Sua palavra. Elias tinha tanta confiança que era como se já estivesse ouvindo o aguaceiro. Talvez nos lembremos da descrição que a Bíblia faz de Moisés: “[Ele] permanecia constante como que vendo Aquele que é invisível.” Será que Deus é tão real assim para você? Ele fornece muitos motivos para termos esse tipo de fé nele e em suas promessas. — Hebreus 11:1, 27.

*** w08 1/4 p. 17 Ele observou e esperou ***
Elias se aproximou de Acabe e disse: “Sobe, come e bebe; pois há o ruído da turbulência dum aguaceiro.” (Versículo 41)

(1 REIS 18:42)

“E Acabe passou a subir para comer e beber. Quanto a Elias, subiu ao cume do Carmelo e começou a agachar-se no chão e a manter a face entre os joelhos.”

*** ia cap. 11 pp. 93-94 pars. 5-8 Ele observou e esperou ***
Não, Acabe simplesmente “passou a subir para comer e beber”. (1 Reis 18:41, 42) Que dizer de Elias?
6 “Quanto a Elias, subiu ao cume do Carmelo e começou a agachar-se no chão e a manter a face entre os joelhos.” Enquanto Acabe foi encher o estômago, Elias teve a oportunidade de orar ao seu Pai celestial. Note a postura humilde mencionada aqui — Elias, no chão, com a cabeça tão abaixada que seu rosto chegava perto dos joelhos. O que ele estava pedindo? Não precisamos adivinhar. Em Tiago 5:18, a Bíblia diz que Elias orou pelo fim da seca. Provavelmente, ele fez essa oração no cume do monte Carmelo.
7 Antes disso, Jeová tinha dito: “Estou decidido a dar chuva sobre a superfície do solo.” (1 Reis 18:1) Portanto, Elias orou para que se realizasse a vontade de Jeová, assim como Jesus ensinou seus seguidores a fazer uns mil anos mais tarde. — Mat. 6:9, 10.
8 O exemplo de Elias nos ensina muito sobre a oração. Para ele, o mais importante era a realização da vontade de Deus. Quando oramos, é bom nos lembrar do seguinte: “Não importa o que peçamos segundo a sua vontade [de Deus], ele nos ouve.” (1 João 5:14) Fica claro então que, para nossas orações serem aceitas, precisamos saber qual é a vontade de Deus — um bom motivo para fazer do estudo da Bíblia parte da nossa vida diária. Com certeza, Elias também queria ver o fim da seca por causa de todo o sofrimento que as pessoas de seu país estavam passando. É provável que ele se sentisse muito grato depois de ter visto o milagre que Jeová realizou naquele dia. Da mesma forma, queremos que nossas orações reflitam gratidão sincera e preocupação pelo bem-estar de outros. — Leia 2 Coríntios 1:11; Filipenses 4:6.

*** w08 1/4 pp. 17-18 Ele observou e esperou ***
Não, Acabe simplesmente “passou a subir para comer e beber”. (Versículo 42) Que dizer de Elias?
“Quanto a Elias, subiu ao cume do Carmelo e começou a agachar-se no chão e a manter a face entre os joelhos.” Enquanto Acabe foi encher o estômago, Elias teve a oportunidade de orar ao seu Pai. Note a postura humilde mencionada aqui — Elias, no chão, com a cabeça tão abaixada que seu rosto chegava perto dos joelhos. O que ele estava pedindo? Não precisamos adivinhar. A Bíblia, em Tiago 5:18, nos diz que Elias orou pelo fim da seca. Sem dúvida, ele fez essa oração do cume do monte Carmelo.
Antes disso, Jeová tinha dito: “Estou decidido a dar chuva sobre a superfície do solo.” (1 Reis 18:1) Portanto, Elias orou para que se cumprisse a vontade de seu Pai, assim como Jesus ensinou seus seguidores a orar uns mil anos mais tarde. — Mateus 6:9, 10.
O exemplo de Elias nos ensina muito sobre a oração. Para ele, o mais importante era a realização da vontade de seu Pai. Quando oramos, é bom nos lembrarmos do seguinte: “Não importa o que peçamos segundo a sua vontade [de Deus], ele nos ouve.” (1 João 5:14) Fica claro então que, para nossas orações serem aceitas, precisamos saber qual é a vontade de Deus — um bom motivo para fazer do estudo da Bíblia parte de nossa vida diária. Com certeza, Elias também queria ver o fim da seca por causa de todo o sofrimento que as pessoas de seu país passavam. É provável que ele estivesse muito grato depois do milagre que tinha visto Jeová realizar naquele dia. A preocupação com o bem-estar de outros e o agradecimento sincero também devem fazer parte de nossas orações. — 2 Coríntios 1:11; Filipenses 4:6.

*** it-1 p. 268 Atitudes, posturas e gestos ***
Sentar-se e prostrar-se. Sentar-se era outra postura adotada na oração, sendo que o suplicante evidentemente se ajoelhava e depois se sentava sobre os calcanhares. (1Cr 17:16) Nesta posição, ele podia curvar a cabeça ou encostá-la no peito. Ou, assim como fez Elias, podia inclinar-se para a terra e pôr o rosto entre os joelhos. (1Rs 18:42)

(1 REIS 18:43)

“Então ele disse ao seu ajudante: “Por favor, sobe. Olha na direção do mar.” Ele subiu, pois, e olhou, e então disse: “Não há absolutamente nada.” E ele prosseguiu, dizendo: “Volta”, por sete vezes.”

*** ia cap. 11 pp. 94-95 Ele observou e esperou ***
Confiante e vigilante
9 Elias tinha certeza de que Jeová acabaria com a seca, mas não sabia quando ele faria isso. Assim, o que o profeta fez nesse meio-tempo? Note o que o relato diz: “Ele disse ao seu ajudante: ‘Por favor, sobe. Olha na direção do mar.’ Ele subiu, pois, e olhou, e então disse: ‘Não há absolutamente nada.’ E ele prosseguiu, dizendo: ‘Volta’, por sete vezes.” (1 Reis 18:43) O exemplo de Elias nos ensina pelo menos duas lições. Primeiro, veja a confiança desse profeta. Depois, considere a sua vigilância.
10 Visto que Elias tinha confiança na promessa de Jeová, ele ansiosamente procurou evidências de que Jeová estava prestes a agir. Ele enviou seu ajudante a um ponto alto para verificar no horizonte se havia qualquer sinal de chuva. Ao voltar, o ajudante trouxe esta notícia nem um pouco animadora: “Não há absolutamente nada.” O horizonte estava claro, e o céu, pelo visto, sem nuvens. Mas você notou algo estranho? Lembre-se que Elias tinha acabado de dizer ao Rei Acabe: “Há o ruído da turbulência dum aguaceiro.” Como o profeta podia dizer isso se não havia nenhuma nuvem?
11 Elias conhecia a promessa de Jeová. Como seu profeta e representante, ele tinha certeza de que seu Deus cumpriria Sua palavra. Elias tinha tanta confiança que era como se já estivesse ouvindo o aguaceiro. Talvez nos lembremos da descrição que a Bíblia faz de Moisés: “[Ele] permanecia constante como que vendo Aquele que é invisível.” Será que Deus é tão real assim para você? Ele fornece muitos motivos para termos esse tipo de fé nele e em suas promessas. — Heb. 11:1, 27.
12 A seguir, veja como Elias era vigilante. Ele mandou seu ajudante voltar não uma nem duas vezes, mas sete vezes! Podemos imaginar o ajudante ficando cansado de realizar essa tarefa repetitiva, mas Elias continuou ansioso por um sinal e não desistiu.

*** w08 1/4 pp. 18-19 Ele observou e esperou ***
Confiante e vigilante
Elias tinha certeza de que Jeová acabaria com a seca, mas não sabia quando ele faria isso. Assim, o que o profeta fez nesse meio-tempo? Note o que o versículo 43 diz: “Ele disse ao seu ajudante: ‘Por favor, sobe. Olha na direção do mar.’ Ele subiu, pois, e olhou, e então disse: ‘Não há absolutamente nada.’ E ele prosseguiu, dizendo: ‘Volta’, por sete vezes.” O exemplo de Elias nos ensina pelo menos duas lições. Primeiro, veja a confiança desse profeta. Depois, considere a sua vigilância.
Elias ansiosamente procurava evidências de que Jeová estava prestes a agir, de modo que enviou seu ajudante a um ponto alto para verificar no horizonte se havia qualquer sinal de chuva. Ao voltar, o ajudante trouxe esta notícia nem um pouco animadora: “Não há absolutamente nada.” O horizonte estava claro, e o céu, pelo visto, sem nuvens. Mas você notou algo estranho? Lembre-se que Elias tinha acabado de dizer ao Rei Acabe: “Há o ruído da turbulência dum aguaceiro.” Como o profeta podia dizer isso se não havia nenhuma nuvem?
Elias conhecia a promessa de Jeová. Como Seu profeta e representante, ele tinha certeza de que seu Deus cumpriria Sua palavra. Elias tinha tanta confiança que era como se já estivesse ouvindo o aguaceiro. Talvez nos lembremos da descrição que a Bíblia faz de Moisés: “[Ele] permanecia constante como que vendo Aquele que é invisível.” Será que Deus é tão real assim para você? Ele fornece muitos motivos para termos esse tipo de fé nele e em suas promessas. — Hebreus 11:1, 27.
A seguir, veja como Elias era vigilante. Ele mandou seu ajudante voltar não uma ou duas vezes, mas sete vezes! Podemos imaginar o ajudante ficando cansado dessa tarefa repetitiva, mas Elias continuou ansioso por um sinal e não desistiu.

(1 REIS 18:44)

“E sucedeu, na sétima vez, que ele passou a dizer: “Eis que sobe do mar uma nuvem pequena, como a palma da mão dum homem.” Ele disse então: “Sobe, dize a Acabe: ‘Atrela! E desce para que o aguaceiro não te detenha!’””

*** ia cap. 11 pp. 95-97 pars. 12-14 Ele observou e esperou ***
Finalmente, depois da sétima vez que voltou, o ajudante disse: “Eis que sobe do mar uma nuvem pequena, como a palma da mão dum homem.” Consegue visualizar o ajudante com o braço estendido e usando a palma da mão para medir o tamanho de uma pequena nuvem subindo no horizonte do Grande Mar? Talvez ele não tenha ficado muito impressionado. Mas para Elias aquela nuvem significava muito. Então ele deu uma tarefa urgente ao ajudante: “Sobe, dize a Acabe: ‘Atrela! E desce para que o aguaceiro não te detenha!’” — 1 Reis 18:44.
13 Mais uma vez Elias deixou um excelente exemplo para nós. Também vivemos numa época em que Deus em breve agirá para cumprir o seu propósito. Elias esperava o fim de uma seca; os servos de Deus hoje esperam o fim de um corrupto sistema mundial. (1 João 2:17) Até Jeová Deus agir, devemos nos manter sempre vigilantes, como Elias. O próprio Filho de Deus, Jesus, aconselhou seus seguidores: “Portanto, mantende-vos vigilantes, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.” (Mat. 24:42) Será que Jesus queria dizer que seus seguidores não teriam a mínima ideia de quando viria o fim? Não, pois ele falou extensivamente sobre como o mundo seria quando o fim estivesse próximo. Todos nós podemos observar o cumprimento desse sinal detalhado da “terminação do sistema de coisas”. — Leia Mateus 24:3-7.
14 Cada aspecto desse sinal fornece provas fortes e convincentes. Será que essas provas são suficientes para nos motivar a agir com urgência em nosso serviço a Jeová? Uma pequena nuvem subindo no horizonte foi suficiente para convencer Elias de que Jeová estava prestes a agir.

*** w09 1/1 pp. 15-16 Seja grato pela chuva ***
Menos de um século depois da época de Salomão, o profeta de Deus, Elias, mostrou que sabia de que direção devia esperar a chuva. Nos seus dias, houve no país uma grande seca de mais de três anos. (Tiago 5:17) Jeová Deus causou essa calamidade ao seu povo porque eles o haviam rejeitado em favor do deus da chuva cananeu, Baal. Mas Elias ajudou os israelitas a se arrepender e, por isso, ele estava agora disposto a orar pedindo chuva. Enquanto orava, Elias pediu a seu ajudante que olhasse “na direção do mar”. Elias ficou sabendo que sua oração havia sido respondida quando foi informado de que ‘subia do mar uma nuvem pequena, como a palma da mão dum homem’. Logo, “os próprios céus se enegreceram com nuvens e vento, e começou a haver um grande aguaceiro”. (1 Reis 18:43-45) Assim, Elias mostrou que conhecia o ciclo da água. Ele sabia que nuvens se formariam acima do mar e seriam sopradas sobre a Terra Prometida por ventos que viriam do leste. Até hoje, esse é o método que proporciona chuva para a terra.

*** w08 1/4 pp. 19-20 Ele observou e esperou ***
Finalmente, depois da sétima vez que voltou, o ajudante disse: “Eis que sobe do mar uma nuvem pequena, como a palma da mão dum homem.” (Versículo 44) Consegue visualizar o ajudante com o braço estendido e usando a palma da mão para medir o tamanho de uma pequena nuvem subindo no horizonte do Grande Mar? Talvez ele não tenha ficado impressionado. Mas para Elias, aquela nuvem significava muito. Ele deu então orientações urgentes ao ajudante: “Sobe, dize a Acabe: ‘Atrela! E desce para que o aguaceiro não te detenha!’”
Mais uma vez Elias deixou um excelente exemplo para nós. Também vivemos numa época em que Deus em breve agirá para cumprir o seu propósito. Elias esperou o fim de uma seca; os servos de Deus hoje esperam o fim de um corrupto sistema mundial. (1 João 2:17) Até Jeová Deus agir, precisamos nos manter vigilantes como Elias. O próprio Filho de Deus, Jesus, aconselhou seus seguidores: “Portanto, mantende-vos vigilantes, porque não sabeis em que dia virá o vosso Senhor.” (Mateus 24:42) Será que Jesus queria dizer que seus seguidores não teriam a mínima idéia de quando viria o fim? Não, pois ele falou extensivamente sobre como seria o mundo nos dias pouco antes do fim. Todos nós podemos aprender sobre o sinal detalhado da “terminação do sistema de coisas”. — Mateus 24:3-7.
Cada faceta desse sinal fornece provas fortes e convincentes. Será que essas provas são suficientes para nos motivar a agir com urgência? Uma pequena nuvem subindo no horizonte bastou para convencer Elias de que Jeová estava prestes a agir.

(1 REIS 18:45)

“E no ínterim sucedeu que os próprios céus se enegreceram com nuvens e vento, e começou a haver um grande aguaceiro. E Acabe seguiu [no carro] e foi para Jezreel.”

*** ia cap. 11 pp. 97-98 Ele observou e esperou ***
Jeová traz alívio e bênçãos
15 O relato continua dizendo: “No ínterim sucedeu que os próprios céus se enegreceram com nuvens e vento, e começou a haver um grande aguaceiro. E Acabe seguiu no carro e foi para Jezreel.” (1 Reis 18:45) As coisas começaram a acontecer muito rápido. Enquanto o ajudante de Elias estava transmitindo a mensagem do profeta a Acabe, aquela pequena nuvem se tornou muitas, deixando o céu coberto e escuro. Soprou um vento forte. Finalmente, depois de três anos e meio, caiu chuva no solo de Israel. O solo seco absorvia toda a água. À medida que a chuva se tornava um aguaceiro, o rio Quisom foi enchendo, sem dúvida levando embora o sangue dos profetas de Baal que tinham sido executados. Deu-se também aos israelitas desobedientes uma oportunidade de se livrar da terrível mancha da adoração de Baal no país.
16 Com certeza, Elias esperava que isso acontecesse! Talvez ele se perguntasse como Acabe reagiria àqueles acontecimentos dramáticos. Será que Acabe se arrependeria e se desviaria da poluída adoração de Baal? Os acontecimentos do dia tinham fornecido razões convincentes para se fazer essas mudanças. É claro que não temos como saber o que Acabe estava pensando naquele momento. O relato diz simplesmente que o rei “seguiu no carro e foi para Jezreel”. Será que ele aprendeu alguma lição? Estava decidido a mudar seu modo de agir? O que aconteceu mais tarde indica que não. Mas o dia ainda não tinha terminado para Acabe — nem para Elias.

*** w08 1/4 p. 20 Ele observou e esperou ***
Jeová traz alívio e bênçãos
O relato continua dizendo: “No ínterim sucedeu que os próprios céus se enegreceram com nuvens e vento, e começou a haver um grande aguaceiro. E Acabe seguiu no carro e foi para Jezreel.” (Versículo 45) As coisas começaram a acontecer muito rápido. Enquanto o ajudante de Elias estava transmitindo a mensagem do profeta a Acabe, aquela pequena nuvem se tornou muitas, deixando o céu coberto e escuro. Soprou um vento forte. Finalmente, depois de três anos e meio caiu chuva no solo de Israel. O solo seco ficou encharcado. À medida que a chuva se tornava um aguaceiro, o rio Quisom foi enchendo, sem dúvida levando embora o sangue dos profetas de Baal que haviam sido executados. Deu-se também aos israelitas desobedientes uma oportunidade de se livrar da terrível mancha da adoração de Baal no país.
Com certeza, Elias esperava que isso acontecesse! Será que Acabe se arrependeria e se desviaria da poluída adoração a Baal? Os acontecimentos do dia tinham fornecido razões convincentes para se fazer tais mudanças. É claro que não temos como saber o que Acabe estava pensando naquele momento. O relato diz simplesmente que o rei “seguiu no carro e foi para Jezreel”. Será que ele aprendeu alguma lição? Estava decidido a mudar sua maneira de agir? Os eventos posteriores indicam que não. Mas o dia ainda não tinha terminado para Acabe — nem para Elias.

(1 REIS 18:46)

“E a própria mão de Jeová mostrou estar sobre Elias, de modo que ele cingiu seus quadris e foi correr adiante de Acabe até Jezreel.”

*** ia cap. 12 p. 99 par. 1 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
ELIAS estava correndo na chuva enquanto a noite caía. Ele tinha um longo caminho a percorrer até Jezreel, e não era mais jovem. Mesmo assim, correu sem parar, porque “a própria mão de Jeová” estava sobre ele. A energia que fluía pelo seu corpo sem dúvida era diferente de tudo o que já tinha sentido na vida. Afinal, ele havia acabado de ultrapassar os cavalos que puxavam a carruagem do Rei Acabe. — Leia 1 Reis 18:46.

*** ia cap. 11 p. 98 pars. 17-19 Ele observou e esperou ***
17 O profeta de Jeová começou a viajar pela mesma estrada que Acabe. Sua viagem seria longa, no escuro e debaixo de chuva. Mas algo incomum aconteceu a seguir.
18 “A própria mão de Jeová mostrou estar sobre Elias, de modo que ele cingiu seus quadris e foi correr adiante de Acabe até Jezreel.” (1 Reis 18:46) É óbvio que “a própria mão de Jeová” estava agindo sobre Elias de maneira sobrenatural. Jezreel ficava a 30 quilômetros de distância, e Elias não era mais jovem. Visualize o profeta pegando suas vestes compridas, prendendo-as nos quadris para ter liberdade de movimento nas pernas e correndo por aquela estrada encharcada — tão rápido que chega a alcançar, ultrapassar e ir mais depressa que a carruagem real!
19 Que bênção isso deve ter sido para Elias! Sentir essa força, vitalidade e resistência — talvez até mais do que quando era jovem — deve ter sido uma experiência empolgante. Talvez nos lembremos das profecias que garantem aos fiéis saúde perfeita e vigor no futuro Paraíso terrestre. (Leia Isaías 35:6; Luc. 23:43) Enquanto corria por aquela estrada molhada, Elias com certeza sabia que tinha a aprovação de seu Pai, o único Deus verdadeiro, Jeová!

*** w11 1/7 p. 18 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
ELIAS estava correndo na chuva enquanto a noite caía. Ele tinha um longo caminho a percorrer até Jezreel, e não era mais jovem. Mesmo assim, correu sem parar, porque “a própria mão de Jeová” estava sobre ele. A energia que fluía pelo seu corpo sem dúvida era diferente de tudo o que já tinha sentido na vida. Afinal, ele havia acabado de ultrapassar os cavalos que puxavam a carruagem do Rei Acabe. — 1 Reis 18:46.

*** w08 1/4 p. 20 Ele observou e esperou ***
Pouco depois disso, Jeová designaria Elias para treinar Eliseu, que ficaria conhecido como aquele “que despejava água sobre as mãos de Elias”. (2 Reis 3:11) Eliseu serviu como ajudante de Elias, evidentemente dando ajuda prática a esse homem mais velho.

*** w08 1/4 p. 20 Ele observou e esperou ***
O profeta de Jeová começou a viajar pela mesma estrada que Acabe. Sua viagem seria longa, no escuro e debaixo de chuva. Mas algo incomum aconteceu a seguir.
“A própria mão de Jeová mostrou estar sobre Elias, de modo que ele cingiu seus quadris e foi correr adiante de Acabe até Jezreel.” (Versículo 46) É óbvio que “a própria mão de Jeová” estava agindo sobre Elias de maneira sobrenatural. Jezreel ficava a uns 30 quilômetros de distância, e Elias não era nenhum jovem. Visualize o profeta pegando suas vestes longas, amarrando-as aos quadris para ter liberdade de movimento nas pernas e daí correndo por aquela estrada encharcada — tão rápido que chega a alcançar, ultrapassar e ir mais rápido que a carruagem real!
Que bênção isso deve ter sido para Elias! Sentir essa força, vitalidade e resistência — talvez até mais do que quando era jovem — deve ter sido uma experiência empolgante. Talvez nos lembremos das profecias que garantem aos fiéis saúde perfeita e vigor no vindouro Paraíso terrestre. (Isaías 35:6; Lucas 23:43) Enquanto corria por aquela estrada molhada, Elias com certeza sabia que tinha a aprovação de seu Pai, o único Deus verdadeiro, Jeová!

*** it-1 p. 191 Armas, armadura ***
Cinto. O cinto militar dos tempos antigos era uma faixa de couro usada em volta da cintura ou dos quadris. Variava de largura entre 5 e 15 cm, e muitas vezes estava revestido de placas de ferro, prata ou ouro. A espada do guerreiro pendia dele, e às vezes o cinto era segurado por um suspensório. (1Sa 18:4; 2Sa 20:8) Ao passo que um cinto solto indicava descontração (1Rs 20:11), cingir os lombos ou os quadris indicava prontidão para a ação ou para a batalha. — Êx 12:11; 1Rs 18:46; 1Pe 1:13 n.

*** it-1 p. 432 Carmelo ***
Dali Elias correu pelo menos 30 km até Jezreel, em todo o caminho, com a ajuda de Jeová, sempre à frente do carro de Acabe. — 1Rs 18:46.

*** it-1 p. 790 Elias ***
Pelo poder de Jeová, Elias corre então adiante do carro de Acabe, talvez tantos quantos 30 km, até Jezreel. — 1Rs 18:39-46.

(1 REIS 19:1)

“Acabe contou então a Jezabel tudo o que Elias tinha feito e tudo sobre como tinha matado todos os profetas à espada.”

*** ia cap. 12 p. 101 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Uma virada nos acontecimentos
5 Quando Acabe chegou ao seu palácio em Jezreel, será que ele mostrou que havia mudado? O relato diz: “Acabe contou então a Jezabel tudo o que Elias tinha feito e tudo sobre como tinha matado todos os profetas à espada.” (1 Reis 19:1) Note que Acabe nem sequer mencionou o Deus de Elias, Jeová. Por ser um homem de mentalidade carnal, ele descreveu aqueles acontecimentos milagrosos em termos estritamente humanos: “O que Elias tinha feito.” Fica claro que ele não tinha aprendido a respeitar a Jeová Deus. E como sua esposa vingativa reagiu?

*** w11 1/7 p. 18 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Uma virada nos acontecimentos
Quando Acabe chegou ao seu palácio em Jezreel, será que ele mostrou que havia mudado e se tornado um homem mais espiritual? O relato diz: ‘Acabe contou a Jezabel tudo o que Elias tinha feito e tudo sobre como tinha matado todos os profetas à espada.’ (1 Reis 19:1) Note que Acabe nem sequer mencionou o Deus de Elias, Jeová. Por ser um homem de mentalidade carnal, ele descreveu aqueles acontecimentos milagrosos em termos estritamente humanos: “O que Elias tinha feito.” Fica claro que ele não tinha aprendido a respeitar a Jeová Deus. E como a vingativa Jezabel reagiu?

(1 REIS 19:2)

“Em vista disso, Jezabel enviou um mensageiro a Elias, dizendo: “Assim façam os deuses e assim lhe acrescentem mais, se nesta hora, amanhã, eu não fizer a tua alma igual à alma de cada um deles!””

*** ia cap. 12 p. 101 par. 6 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
6 Jezabel ficou tão furiosa que enviou a seguinte mensagem a Elias: “Assim façam os deuses e assim lhe acrescentem mais, se nesta hora, amanhã, eu não fizer a tua alma igual à alma de cada um deles!” (1 Reis 19:2) Isso era uma terrível ameaça de morte. Na verdade, Jezabel estava jurando que ela mesma deveria morrer se não matasse Elias no dia seguinte para vingar os profetas de Baal. Imagine a cena naquela noite de tempestade: Elias é acordado de repente em algum alojamento em Jezreel e ouve as palavras aterrorizantes trazidas pelo mensageiro da rainha.

*** w11 1/7 pp. 18-19 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Ela ficou tão furiosa que enviou a seguinte mensagem a Elias: “Assim façam os deuses e assim lhe acrescentem mais, se nesta hora, amanhã, eu não fizer a tua alma igual à alma de cada um deles!” (1 Reis 19:2) Isso era uma terrível ameaça de morte. Na verdade, Jezabel estava jurando que ela mesma deveria morrer se não matasse Elias no dia seguinte para vingar os profetas de Baal. Imagine a cena naquela noite de tempestade: Elias, em algum alojamento em Jezreel, acordando de repente com as palavras aterrorizantes trazidas pelo mensageiro da rainha.

(1 REIS 19:3)

“E ele ficou com medo. Por conseguinte, levantou-se e começou a ir embora, pela sua alma, e chegou a Berseba, que pertence a Judá. Ali deixou então seu ajudante para trás.”

*** ia cap. 12 pp. 101-102 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Vencido pelo medo e pela falta de coragem
7 Se Elias achava que a guerra contra a adoração de Baal estava para acabar, suas esperanças foram por água abaixo naquele momento. Jezabel estava irredutível. Muitos outros profetas fiéis, amigos de Elias, já tinham sido executados às ordens dela, e agora parecia que ele seria o próximo. Como Elias se sentiu diante da ameaça feita por Jezabel? A Bíblia nos diz: “Ele ficou com medo.” Será que Elias visualizou a morte terrível que Jezabel planejava para ele? Se ele ficou pensando nisso, não é de admirar que tenha sentido medo. Seja como for, Elias ‘foi embora pela sua alma’ — ele fugiu para salvar a vida. — 1 Reis 18:4; 19:3.
8 Elias não foi o único homem de fé a ser vencido pelo medo. Muito tempo depois, o apóstolo Pedro teve um problema similar. Quando Jesus fez com que Pedro andasse com ele sobre as águas, o apóstolo começou a ‘olhar para a ventania’. Então ficou com medo e começou a afundar. (Leia Mateus 14:30.) Assim, o que aconteceu com Elias e Pedro nos ensina uma lição valiosa. Se queremos continuar corajosos, não podemos ficar pensando nos perigos que nos amedrontam. Precisamos nos concentrar na Fonte de nossa esperança e força.
“Basta!”
9 O medo fez com que Elias fugisse para o sudoeste. Ele andou uns 150 quilômetros até Berseba, uma cidade perto da fronteira sul de Judá. Deixou seu ajudante ali e entrou no deserto sozinho.

*** w11 1/7 p. 19 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Vencido pelo desânimo e pelo medo
Se Elias achava que a guerra contra a adoração de Baal estava para acabar, suas esperanças foram por água abaixo naquele momento. Jezabel estava irredutível. Muitos outros profetas fiéis, amigos de Elias, já tinham sido executados às ordens dela, e agora parecia que ele seria o próximo. A Bíblia nos diz: “Ele ficou com medo.” Será que Elias visualizou a morte terrível que Jezabel planejava para ele? Caso tenha se concentrado nisso, não é de admirar que tenha ficado com medo. Assim, Elias ‘foi embora pela sua alma’ — ele fugiu para salvar sua vida. — 1 Reis 18:4; 19:3.
Elias não foi o único homem de fé a ser vencido pelo medo. Muito mais tarde, o apóstolo Pedro teve um problema similar. Quando Jesus fez com que Pedro andasse com ele sobre as águas, o apóstolo começou a ‘olhar para a ventania’. Então, perdeu a confiança e começou a afundar. (Mateus 14:30) Assim, o que aconteceu com Pedro e Elias nos ensina uma lição valiosa. Se queremos continuar destemidos, não podemos nos concentrar nos perigos que nos amedrontam. Precisamos focalizar a mente na Fonte de nossa esperança e força.
“Basta!”
O medo fez com que Elias fugisse para o sudoeste. Ele andou uns 150 quilômetros até Berseba, uma cidade perto da fronteira sul de Judá. Deixou seu ajudante ali e entrou no deserto sozinho.

*** it-1 p. 790 Elias ***
Foge de Jezabel. Ao ser informada da morte dos seus profetas de Baal, a Rainha Jezabel faz um voto de mandar matar Elias. Com medo, Elias foge uns 150 km para o SO, até Berseba, ao O do mar Morto inferior. (MAPA, Vol. 2, p. 229)

(1 REIS 19:4)

“E ele mesmo entrou no ermo, caminho de um dia, e por fim chegou e sentou-se debaixo de certa giesta-das-vassouras. E começou a pedir que a sua alma morresse e a dizer: “Basta! Agora, ó Jeová, tira a minha alma, pois não sou melhor do que os meus antepassados.””

*** w14 15/3 p. 15 Como manter uma atitude positiva ***
“TIRA A MINHA ALMA”
12 O profeta Elias era leal a Jeová e tinha forte fé. Mesmo assim, certa vez ele se sentiu tão deprimido que pediu que Jeová tirasse sua vida, dizendo: “Basta! Agora, ó Jeová, tira a minha alma.” (1 Reis 19:4) Aqueles que nunca passaram por uma situação desesperadora como essa talvez se sintam tentados a achar que a oração de Elias não era nada mais que uma “conversa irrefletida”. (Jó 6:3) No entanto, seus sentimentos eram reais. Mas note que, em vez de condenar Elias por querer morrer, Jeová o ajudou.
13 O que levou Elias a se sentir assim? Pouco antes, ele havia tomado a liderança num teste decisivo em Israel que provou que Jeová é o Deus verdadeiro, resultando na execução de 450 profetas de Baal. (1 Reis 18:37-40) Elias provavelmente esperava que o povo de Deus retornasse à adoração verdadeira, mas isso não aconteceu. A perversa Rainha Jezabel enviou uma mensagem a Elias dizendo que ela estava planejando a morte do profeta. Temendo por sua vida, Elias fugiu para o sul, atravessando Judá, e foi para o deserto, um lugar inóspito e desolado. — 1 Reis 19:2-4.
14 Sozinho, Elias refletiu na aparente futilidade de seu serviço como profeta. Ele disse a Jeová: “Não sou melhor do que os meus antepassados.” Ele quis dizer que se sentia tão inútil como os restos mortais de seus ancestrais. Pelo visto, ele havia feito uma avaliação de si mesmo segundo seus próprios padrões e concluído que era um fracasso, sem nenhum valor para Jeová nem para qualquer outra pessoa.

*** ia cap. 12 pp. 102-103 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
“Basta!”
9 O medo fez com que Elias fugisse para o sudoeste. Ele andou uns 150 quilômetros até Berseba, uma cidade perto da fronteira sul de Judá. Deixou seu ajudante ali e entrou no deserto sozinho. O registro diz que ele percorreu o “caminho de um dia”, por isso podemos imaginar Elias saindo ao nascer do sol, pelo visto sem levar nenhuma provisão. Abatido e impelido pelo medo, Elias seguiu caminho, enfrentando o calor causticante daquela região árida e inóspita. À medida que o Sol, em tom avermelhado, mergulhava no horizonte, as forças de Elias se esgotavam. Exausto, ele se sentou à sombra de um arbusto — o que havia de mais parecido a um abrigo naquela terra estéril. — 1 Reis 19:4.
10 Desesperado, Elias orou a Jeová pedindo para morrer. Ele disse: “Não sou melhor do que os meus antepassados.” Ele sabia que seus antepassados eram apenas pó e ossos na sepultura. Não podiam fazer nada por ninguém. (Ecl. 9:10) Elias se sentia tão inútil quanto eles. Não é de admirar que tenha clamado: “Basta!” Em outras palavras, por que continuar vivendo?
11 Deveríamos ficar chocados de saber que um homem de Deus ficou tão abatido assim? Não necessariamente. A Bíblia fala de muitos homens e mulheres fiéis que ficaram tão tristes que desejaram morrer — entre esses estão Rebeca, Jacó, Moisés e Jó. — Gên. 25:22; 37:35; Núm. 11:13-15; Jó 14:13.
12 Hoje vivemos em “tempos críticos, difíceis de manejar”. Por isso, não nos surpreende que muitos, até mesmo servos fiéis de Deus, às vezes se sintam desanimados. (2 Tim. 3:1) Se você algum dia se sentir assim, siga o exemplo de Elias: derrame seu coração a Deus. Afinal, Jeová é “o Deus de todo o consolo”. (Leia 2 Coríntios 1:3, 4.) Será que ele consolou Elias?

*** w11 1/7 pp. 19-20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
“Basta!”
O medo fez com que Elias fugisse para o sudoeste. Ele andou uns 150 quilômetros até Berseba, uma cidade perto da fronteira sul de Judá. Deixou seu ajudante ali e entrou no deserto sozinho. O registro diz que ele percorreu o “caminho de um dia”, por isso, podemos imaginar Elias saindo ao nascer do sol, pelo visto, sem levar nenhuma provisão. Abatido e impelido pelo medo, Elias seguiu caminho, enfrentando o calor causticante daquela região árida e agreste. À medida que o Sol, em tom avermelhado, mergulhava no horizonte, as forças de Elias se esgotavam. Exausto, ele se sentou à sombra de um arbusto — a coisa mais parecida a um abrigo naquela terra estéril. — 1 Reis 19:4.
Desesperado, Elias orou a Jeová pedindo para morrer: Ele disse: “Não sou melhor do que os meus antepassados.” Ele sabia que seus antepassados eram apenas pó e ossos na sepultura. Não podiam fazer nada por ninguém. (Eclesiastes 9:10) Assim, Elias estava dizendo que era tão inútil quanto eles. Não é de admirar que tenha clamado: “Basta!” Por que continuar vivendo?
Deveríamos ficar chocados de saber que um homem de Deus podia ficar tão abatido assim? Não necessariamente. A Bíblia fala de muitos homens e mulheres fiéis que ficaram tão tristes que desejaram morrer — entre esses estão Rebeca, Jacó, Moisés e Jó. — Gênesis 25:22; 37:35; Números 11:13-15; Jó 14:13.
Hoje vivemos em “tempos críticos, difíceis de manejar”. Por isso, não nos surpreende que muitas pessoas, até mesmo servos fiéis de Deus, às vezes se sintam desanimados. (2 Timóteo 3:1) Se você algum dia se sentir assim, siga o exemplo de Elias: Derrame seu coração a Deus. Afinal, Jeová é “o Deus de todo o consolo”. (2 Coríntios 1:3) Será que ele consolou Elias?

*** w97 15/5 p. 13 par. 17 Quando Jesus vem na glória do Reino ***
17 Além disso, o Israel de Deus passou por algo comparável ao que aconteceu a Elias no monte Horebe. Assim como Elias na época em que fugia da Rainha Jezabel, o temeroso restante ungido pensava que sua obra tinha terminado no fim da Primeira Guerra Mundial. Então, assim como Elias, tiveram um encontro com Jeová, que viera julgar as organizações que afirmavam ser “a casa de Deus”. (1 Pedro 4:17; Malaquias 3:1-3) Ao passo que a cristandade foi achada deficiente, o restante ungido foi reconhecido como “o escravo fiel e discreto” e foi designado sobre todos os bens terrestres de Jesus. (Mateus 24:45-47) No monte Horebe, Elias ouviu “uma voz calma, baixa”, que mostrou ser a de Jeová, dando-lhe mais trabalho. Na calmaria do após-guerra, os fiéis servos ungidos de Jeová ouviram a voz dele procedente das páginas da Bíblia. Perceberam também que tinham uma comissão a cumprir. — 1 Reis 19:4, 9-18; Revelação 11:7-13.

*** it-2 p. 217 Giesta(-das-vassouras) ***
Quando Elias fugiu para o ermo, a fim de escapar da ira de Jezabel, o registro em 1 Reis 19:4, 5, diz que ele “sentou-se debaixo de certa giesta-das-vassouras” e então dormiu ali. Ao passo que as giestas-das-vassouras menores dariam muito pouca sombra contra o escaldante sol do ermo, uma de bom tamanho daria um agradável alívio. Este arbusto do ermo servia também de combustível. A madeira da giesta-das-vassouras fornece um excelente carvão vegetal, que queima com calor intenso.

(1 REIS 19:5)

“Por fim ele se deitou e adormeceu debaixo da giesta-das-vassouras. Mas, eis que aí tocou nele um anjo. Ele lhe disse então: “Levanta-te, come.””

*** ia cap. 12 p. 103 par. 13 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Depois de Elias cair no sono, Jeová enviou um anjo. Com um toque suave, o anjo o acordou e disse: “Levanta-te, come.”

*** ia cap. 12 p. 103 par. 13 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
1 Reis 19:5

*** w11 1/7 p. 20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
1 Reis 19:5

*** w11 1/7 p. 20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Depois de Elias cair no sono, Jeová enviou um anjo. Com um toque suave, o anjo o acordou e disse: “Levanta-te, come.”

*** it-2 p. 217 Giesta(-das-vassouras) ***
Quando Elias fugiu para o ermo, a fim de escapar da ira de Jezabel, o registro em 1 Reis 19:4, 5, diz que ele “sentou-se debaixo de certa giesta-das-vassouras” e então dormiu ali. Ao passo que as giestas-das-vassouras menores dariam muito pouca sombra contra o escaldante sol do ermo, uma de bom tamanho daria um agradável alívio. Este arbusto do ermo servia também de combustível. A madeira da giesta-das-vassouras fornece um excelente carvão vegetal, que queima com calor intenso.

(1 REIS 19:6)

“Quando olhou, ora, eis que havia junto à sua cabeça um bolo redondo sobre pedras aquecidas e uma bilha de água. E ele começou a comer e a beber, deitando-se depois outra vez.”

*** ia cap. 12 p. 103 par. 13 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
1 Reis 19:5-7.

*** ia cap. 12 p. 103 par. 13 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Elias fez isso, pois o anjo tinha providenciado para ele uma refeição simples — pão quente e água fresca. Será que ele pelo menos agradeceu ao anjo? O relato diz apenas que o profeta comeu, bebeu e voltou a dormir. Será que ele estava tão deprimido que nem conseguia falar?

*** w11 1/7 p. 20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
1 Reis 19:5-7

*** w11 1/7 p. 20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Elias fez isso, pois o anjo tinha providenciado uma refeição simples — pão quente e água fresca. Ele agradeceu ao anjo? O relato diz apenas que o profeta comeu e bebeu, e voltou a dormir. Será que ele estava tão deprimido que nem conseguia falar?

*** it-1 p. 580 Cozer (assar), padeiro ***
O pão, nos tempos bíblicos, era geralmente cozido em fornos. (Veja FORNO.) Ocasionalmente, porém, o cozimento era feito por se acender um fogo sobre pedras ajuntadas. Quando estas estavam bem quentes, retiravam-se as cinzas e colocava-se a massa nas pedras. Depois de um tempo, a massa era virada e deixada nas pedras até que o pão estivesse cabalmente cozido. (Os 7:8) Os viajantes talvez cozessem pão simples em covas rasas cheias de pedrinhas quentes, sobre as quais se acendera um fogo. Depois de remover as brasas, colocava-se a massa nas pedras quentes, sendo talvez virada diversas vezes enquanto o pão cozia. — 1Rs 19:6.

(1 REIS 19:7)

“Mais tarde voltou o anjo de Jeová pela segunda vez, e tocou nele e disse: “Levanta-te, come, porque a viagem é demais para ti.””

*** ia cap. 12 p. 103 pars. 13-14 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Seja como for, o anjo o acordou pela segunda vez, talvez ao amanhecer. Mais uma vez ele disse a Elias: “Levanta-te, come”, e acrescentou estas palavras tocantes: “Porque a viagem é demais para ti.” — 1 Reis 19:5-7.
14 Graças ao discernimento dado por Deus, o anjo sabia para onde Elias estava indo. Ele também sabia que a viagem era difícil demais para Elias fazer nas suas próprias forças. Como é consolador servir a um Deus que conhece nossos objetivos e limitações melhor do que nós mesmos! (Leia Salmo 103:13, 14.)

*** w11 1/7 p. 20 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Seja como for, o anjo o acordou pela segunda vez, talvez ao amanhecer. Mais uma vez ele disse a Elias: “Levanta-te, come”, e acrescentou estas palavras tocantes: “Porque a viagem é demais para ti.” — 1 Reis 19:5-7.
O anjo, graças ao discernimento dado por Deus, sabia para onde Elias estava indo. Ele também sabia que a viagem era demais para Elias fazer nas suas próprias forças. Como é consolador servir a um Deus que conhece nossos objetivos e limitações melhor do que nós mesmos! (Salmo 103:13, 14)

(1 REIS 19:8)

“Levantou-se, pois, e comeu e bebeu, e foi indo no poder desta nutrição por quarenta dias e quarenta noites, até o monte do [verdadeiro] Deus, Horebe.”

*** ia cap. 12 pp. 103-104 pars. 15-17 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
15 O relato diz: “Levantou-se . . . e comeu e bebeu, e foi indo no poder desta nutrição por quarenta dias e quarenta noites, até o monte do verdadeiro Deus, Horebe.” (1 Reis 19:8) Assim como aconteceu com Moisés uns seis séculos antes e com Jesus quase dez séculos depois, Elias jejuou por 40 dias e 40 noites. (Êxo. 34:28; Luc. 4:1, 2) Aquela refeição não resolveu todos os seus problemas, mas o sustentou de maneira milagrosa. Imagine aquele homem idoso andando com esforço por aquele deserto sem estradas dia após dia, semana após semana, por quase um mês e meio!
16 Jeová também sustenta seus servos hoje, não com refeições milagrosas, mas de uma forma muito mais importante: ele faz provisões espirituais. (Mat. 4:4) Aprender sobre Deus por meio de sua Palavra e de publicações cuidadosamente baseadas na Bíblia nos sustenta em sentido espiritual. Absorver essa nutrição talvez não resolva todos os nossos problemas, mas nos ajuda a suportar o que seria insuportável. Esse alimento espiritual nos conduz à “vida eterna”. — João 17:3.
17 Elias caminhou quase 320 quilômetros até finalmente chegar ao monte Horebe (monte Sinai). Aquele era um lugar de grande importância, pois foi ali que Jeová Deus, muito tempo antes, havia aparecido a Moisés no espinheiro ardente por meio de um anjo, e onde mais tarde Jeová havia feito o pacto da Lei com Israel. Ali, Elias se abrigou numa caverna.

*** w11 1/7 pp. 20-21 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
O relato diz: “Levantou-se . . . e comeu e bebeu, e foi indo no poder desta nutrição por quarenta dias e quarenta noites, até o monte do verdadeiro Deus, Horebe.” (1 Reis 19:8) Assim como aconteceu com Moisés uns seis séculos antes e com Jesus quase dez séculos depois, Elias jejuou por 40 dias e 40 noites. (Êxodo 34:28; Lucas 4:1, 2) Aquela refeição não resolveu todos os seus problemas, mas o sustentou de maneira milagrosa. Imagine aquele homem idoso andando com esforço por aquele deserto sem estradas dia após dia, semana após semana, por quase um mês e meio!
Jeová também sustenta seus servos hoje, não com refeições milagrosas, mas de uma forma muito mais importante: ele faz provisões espirituais. (Mateus 4:4) Aprender sobre Deus por meio de sua Palavra e de publicações cuidadosamente baseadas na Bíblia nos sustenta em sentido espiritual. Absorver essa nutrição talvez não resolva todos os nossos problemas, mas nos ajuda a suportar o que seria insuportável. Esse alimento espiritual nos conduz à “vida eterna”. — João 17:3.
Elias caminhou quase 320 quilômetros até finalmente chegar ao monte Horebe. Foi ali que Jeová Deus, muito tempo antes, havia aparecido a Moisés no espinheiro ardente por meio de um anjo, e onde mais tarde Jeová havia feito o pacto da Lei com Israel. Elias se abrigou numa caverna.

*** it-1 p. 790 Elias ***
Ali lhe aparece o anjo de Jeová, a fim de prepará-lo para a longa jornada até “o monte do verdadeiro Deus”, Horebe. Sustentado para a jornada de 40 dias pelo que come então, ele empreende essa viagem de mais de 300 km.

*** it-2 p. 230 As atividades proféticas de Elias e de Eliseu ***
[Foto na página 230]
Região do monte Sinai. Elias fugiu uns 450 km para esta região a fim de escapar da ira de Jezabel. (1Rs 19:1-18)

(1 REIS 19:9)

“Por fim entrou ali numa caverna para passar ali a noite; e eis que havia para ele a palavra de Jeová e ela foi dizer-lhe: “Que estás fazendo aqui, Elias?””

*** ia cap. 12 p. 104 par. 18 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
18 No monte Horebe, Elias ouviu a “palavra” de Jeová, pelo visto por meio de um anjo: “Que estás fazendo aqui, Elias?” É provável que essa pergunta tenha sido feita de uma forma gentil, pois Elias a entendeu como um convite para desabafar.

*** ia cap. 12 p. 104 par. 18 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
1 Reis 19:9,

*** w11 1/7 p. 21 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
No monte Horebe, Elias ouviu a “palavra” de Jeová, pelo visto por meio de um anjo: “Que estás fazendo aqui, Elias?” É provável que essa pergunta tenha sido feita de uma forma gentil, pois Elias a entendeu como um convite para desabafar.

*** w11 1/7 p. 21 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
(1 Reis 19:9

(1 REIS 19:10)

“A isto ele disse: “Fui absolutamente ciumento por Jeová, o Deus dos exércitos; pois os filhos de Israel abandonaram o teu pacto, derrubaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada, de modo que só eu fiquei; e estão começando a procurar a minha alma para a tirar.””

*** ia cap. 12 p. 104 pars. 18-19 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Ele disse: “Fui absolutamente ciumento por Jeová, o Deus dos exércitos; pois os filhos de Israel abandonaram o teu pacto, derrubaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada, de modo que só eu fiquei; e estão começando a procurar a minha alma para a tirar.” (1 Reis 19:9, 10) As palavras de Elias revelam pelo menos três motivos para seu desânimo.
19 Primeiro, Elias achava que seu trabalho tinha sido em vão. Apesar de ter sido “absolutamente ciumento” no serviço de Jeová durante anos, colocando o nome sagrado de Deus e Sua adoração acima de tudo, Elias viu que as coisas pareciam estar piorando. O povo ainda não mostrava fé e era rebelde, ao passo que a religião falsa prosperava. Segundo, Elias se sentia sozinho. “Só eu fiquei”, disse ele, achando que era o único homem em Israel que ainda servia a Jeová. Terceiro, Elias estava com medo. Muitos de seus amigos, também profetas, já haviam sido mortos, e ele tinha certeza de que seria o próximo. Não deve ter sido fácil para Elias admitir esses sentimentos, mas ele não permitiu que o orgulho ou a vergonha o impedissem de fazer isso. Por abrir seu coração a Deus em oração, ele deu um excelente exemplo a todos os servos fiéis de Deus. — Sal. 62:8.

*** w11 1/7 p. 21 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Ele disse: “Fui absolutamente ciumento por Jeová, o Deus dos exércitos; pois os filhos de Israel abandonaram o teu pacto, derrubaram os teus altares e mataram os teus profetas à espada, de modo que só eu fiquei; e estão começando a procurar a minha alma para a tirar.” (1 Reis 19:9, 10) As palavras de Elias revelam pelo menos três motivos para seu desânimo.
Primeiro, Elias achava que seu trabalho tinha sido em vão. Apesar de ter sido “absolutamente ciumento” no serviço de Jeová durante anos, colocando o nome sagrado de Deus e Sua adoração acima de tudo, Elias viu que as coisas pareciam ir de mal a pior. O povo ainda não mostrava fé e era rebelde, ao passo que a religião falsa prosperava. Segundo, Elias se sentia sozinho. “Só eu fiquei”, disse ele, achando que era o único homem em Israel que ainda servia a Jeová. Terceiro, Elias estava com medo. Muitos de seus amigos, também profetas, já haviam sido mortos, e ele tinha certeza de que seria o próximo. Não deve ter sido fácil para Elias admitir que se sentia assim, mas ele não permitiu que o orgulho ou a vergonha o impedissem de fazer isso. Por abrir seu coração a Deus em oração, ele deu um excelente exemplo a todos os servos fiéis de Deus. — Salmo 62:8.

(1 REIS 19:11)

“Mas ela disse: “Sai, e tens de ficar de pé no monte diante de Jeová.” E eis que Jeová estava passando, e um vento grande e forte estava rompendo montes e destroçando rochedos diante de Jeová. (Jeová não estava no vento.) E depois do vento houve um tremor. (Jeová não estava no tremor.)”

*** cl cap. 4 p. 37 “Jeová é . . . grande em poder” ***
Capítulo 4
“Jeová é . . . grande em poder”
ELIAS já havia visto coisas espantosas: corvos lhe trouxeram comida duas vezes por dia, enquanto vivia num esconderijo; dois recipientes supriram farinha e azeite sem nunca esvaziar durante uma fome prolongada; até mesmo fogo caiu do céu em resposta à sua oração. (1 Reis, capítulos 17, 18) Mas Elias nunca havia visto nada como o que se segue.
2 Abrigado à entrada de uma caverna no monte Horebe, ele presenciou uma série de eventos espetaculares. Primeiro, um vento. Deve ter causado um ruído ensurdecedor, pois, de tão forte, ‘rompia montes e destroçava rochedos’. Depois houve um terremoto, que liberou forças tremendas confinadas na crosta terrestre. Em seguida, fogo. Enquanto esse ardia, Elias deve ter sentido o sopro de seu calor escaldante. — 1 Reis 19:8-12.
3 Todos esses eventos de naturezas diversas, presenciados por Elias, tiveram algo em comum — eram demonstrações do grande poder de Jeová.

*** cl cap. 4 p. 43 “Jeová é . . . grande em poder” ***
A Bíblia diz que ‘Jeová não estava no vento, no tremor ou no fogo’. Ao contrário dos adoradores de míticos deuses da natureza, os servos de Jeová não o procuram dentro das forças da natureza. Ele é grandioso demais para ficar confinado em algo que ele mesmo criou. — 1 Reis 8:27.

*** cl cap. 4 p. 43 par. 15 “Jeová é . . . grande em poder” ***
O que aconteceu com Elias, conforme mencionado no início, ilustra isso. Por que Jeová lhe fez aquelas demonstrações assombrosas de poder divino? Bem, a perversa Rainha Jezabel havia jurado matar Elias. O profeta estava fugindo para salvar a vida. Ele se sentia sozinho, assustado e desanimado — como se todo o seu trabalho árduo tivesse sido em vão. Para consolar esse homem aflito, Jeová lembrou-o vividamente da grandeza do poder divino. O vento, o terremoto e o fogo indicavam que o Ser mais poderoso do Universo apoiava Elias. Por que deveria ter medo de Jezabel, tendo o apoio do Deus Todo-Poderoso? — 1 Reis 19:1-12.

*** ia cap. 12 pp. 104-106 pars. 20-21 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
20 Como Jeová lidou com os temores e as preocupações de Elias? O anjo disse a Elias para ele ficar na entrada da caverna. Ele obedeceu, sem ter ideia do que estava para acontecer. De repente, começou a soprar um vento forte! O som deve ter sido ensurdecedor, pois esse vento era tão forte que partia montes e rochedos. Imagine Elias tentando proteger seus olhos e segurando sua capa rústica de pelo, que batia nele por causa das fortes rajadas de vento. Depois ele teve de lutar para manter o equilíbrio, pois o chão começou a tremer — era um terremoto! Ele mal tinha se recuperado quando surgiu um grande fogo, forçando-o a voltar à caverna para se proteger do calor intenso. — 1 Reis 19:11, 12.
21 O relato nos traz à atenção que Jeová não estava em nenhuma dessas demonstrações espetaculares do poder da natureza. Elias sabia que Jeová não é um deus mítico da natureza, como Baal, que na ilusão de seus adoradores era considerado o “cavaleiro das nuvens”, ou aquele que trazia as chuvas. Jeová é a verdadeira Fonte de todo o espantoso poder encontrado na natureza, mas ele é muito maior do que qualquer coisa que tenha criado. Nem mesmo os céus físicos o podem conter! (1 Reis 8:27) Como tudo isso ajudou Elias? Lembre-se que ele estava com medo. Com um Deus como Jeová do seu lado, um Deus que tem todo esse imenso poder à disposição, Elias não precisava temer Acabe nem Jezabel. — Leia Salmo 118:6.

*** w11 1/7 pp. 21-22 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Como Jeová lidou com os temores e as preocupações de Elias? O anjo disse a Elias para ele ficar na entrada da caverna. Ele obedeceu, sem ter ideia do que estava para acontecer. De repente, começou a soprar um forte vento! O som deve ter sido ensurdecedor, pois esse vento era tão poderoso que rachava montes e rochedos. Consegue imaginar Elias tentando proteger seus olhos e segurando sua capa rústica de pelo, enquanto as rajadas de vento o fustigavam? Depois ele teve de lutar para manter o equilíbrio, pois o chão começou a tremer — era um terremoto! Ele mal tinha se recuperado quando surgiu um grande fogo, forçando-o a voltar à caverna para se proteger do intenso calor. — 1 Reis 19:11, 12.
O relato nos traz à atenção que Jeová não estava em nenhuma dessas demonstrações espetaculares do poder da natureza. Elias sabia que Jeová não é um tipo de deus mítico da natureza, como Baal, cujos adoradores, na sua ilusão, o encaravam como o “Cavaleiro das Nuvens”, ou aquele que trazia as chuvas. Jeová é a verdadeira Fonte de todo o espantoso poder encontrado na natureza, mas ele é muito maior do que qualquer coisa que tenha criado. Nem mesmo os céus físicos o podem conter! (1 Reis 8:27) Mas como tudo isso ajudou Elias? Lembre-se de que ele estava com medo. Com um Deus como Jeová do seu lado, que tem todo esse imenso poder à disposição, Elias não precisava temer Acabe nem Jezabel. — Salmo 118:6.

*** it-1 pp. 790-791 Elias ***
Em Horebe, Jeová lhe fala depois de uma espantosa demonstração de poder num vendaval, num terremoto e num fogo. Jeová não está nestas manifestações; ele não é deus da natureza, ou apenas forças naturais, personificadas. Estas forças naturais são apenas expressões da sua força ativa, não o próprio Jeová.

(1 REIS 19:12)

“E depois do tremor houve fogo. (Jeová não estava no fogo.) E depois do fogo houve uma voz calma, baixa.”

*** cl cap. 4 p. 37 “Jeová é . . . grande em poder” ***
Capítulo 4
“Jeová é . . . grande em poder”
ELIAS já havia visto coisas espantosas: corvos lhe trouxeram comida duas vezes por dia, enquanto vivia num esconderijo; dois recipientes supriram farinha e azeite sem nunca esvaziar durante uma fome prolongada; até mesmo fogo caiu do céu em resposta à sua oração. (1 Reis, capítulos 17, 18) Mas Elias nunca havia visto nada como o que se segue.
2 Abrigado à entrada de uma caverna no monte Horebe, ele presenciou uma série de eventos espetaculares. Primeiro, um vento. Deve ter causado um ruído ensurdecedor, pois, de tão forte, ‘rompia montes e destroçava rochedos’. Depois houve um terremoto, que liberou forças tremendas confinadas na crosta terrestre. Em seguida, fogo. Enquanto esse ardia, Elias deve ter sentido o sopro de seu calor escaldante. — 1 Reis 19:8-12.
3 Todos esses eventos de naturezas diversas, presenciados por Elias, tiveram algo em comum — eram demonstrações do grande poder de Jeová.

*** cl cap. 4 p. 43 par. 15 “Jeová é . . . grande em poder” ***
O que aconteceu com Elias, conforme mencionado no início, ilustra isso. Por que Jeová lhe fez aquelas demonstrações assombrosas de poder divino? Bem, a perversa Rainha Jezabel havia jurado matar Elias. O profeta estava fugindo para salvar a vida. Ele se sentia sozinho, assustado e desanimado — como se todo o seu trabalho árduo tivesse sido em vão. Para consolar esse homem aflito, Jeová lembrou-o vividamente da grandeza do poder divino. O vento, o terremoto e o fogo indicavam que o Ser mais poderoso do Universo apoiava Elias. Por que deveria ter medo de Jezabel, tendo o apoio do Deus Todo-Poderoso? — 1 Reis 19:1-12.

*** cl cap. 4 p. 43 “Jeová é . . . grande em poder” ***
A Bíblia diz que ‘Jeová não estava no vento, no tremor ou no fogo’. Ao contrário dos adoradores de míticos deuses da natureza, os servos de Jeová não o procuram dentro das forças da natureza. Ele é grandioso demais para ficar confinado em algo que ele mesmo criou. — 1 Reis 8:27.

*** ia cap. 12 p. 106 pars. 20-22 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Ele mal tinha se recuperado quando surgiu um grande fogo, forçando-o a voltar à caverna para se proteger do calor intenso. — 1 Reis 19:11, 12.
21 O relato nos traz à atenção que Jeová não estava em nenhuma dessas demonstrações espetaculares do poder da natureza. Elias sabia que Jeová não é um deus mítico da natureza, como Baal, que na ilusão de seus adoradores era considerado o “cavaleiro das nuvens”, ou aquele que trazia as chuvas. Jeová é a verdadeira Fonte de todo o espantoso poder encontrado na natureza, mas ele é muito maior do que qualquer coisa que tenha criado. Nem mesmo os céus físicos o podem conter! (1 Reis 8:27) Como tudo isso ajudou Elias? Lembre-se que ele estava com medo. Com um Deus como Jeová do seu lado, um Deus que tem todo esse imenso poder à disposição, Elias não precisava temer Acabe nem Jezabel. — Leia Salmo 118:6.
22 Depois do fogo, veio uma calmaria, e Elias ouviu “uma voz calma, baixa”. Essa voz convidou Elias a falar novamente. Então, pela segunda vez, Elias expressou suas preocupações.

*** ia cap. 12 p. 106 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
A origem dessa “voz calma, baixa”, talvez tenha sido o mesmo espírito usado para transmitir “a palavra de Jeová” mencionada em 1 Reis 19:9. No versículo 15, esse espírito é descrito simplesmente como “Jeová”. Isso talvez nos lembre do anjo que Jeová usou para guiar Israel no deserto e de quem ele disse: “Meu nome está nele.” (Êxo. 23:21) É claro que não podemos ser categóricos nesse assunto, mas vale a pena ressaltar que, em sua existência pré-humana, Jesus atuou como “a Palavra”, o Porta-Voz especial para os servos de Jeová. — João 1:1.

*** w11 1/7 p. 22 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Ele mal tinha se recuperado quando surgiu um grande fogo, forçando-o a voltar à caverna para se proteger do intenso calor. — 1 Reis 19:11, 12.
O relato nos traz à atenção que Jeová não estava em nenhuma dessas demonstrações espetaculares do poder da natureza. Elias sabia que Jeová não é um tipo de deus mítico da natureza, como Baal, cujos adoradores, na sua ilusão, o encaravam como o “Cavaleiro das Nuvens”, ou aquele que trazia as chuvas. Jeová é a verdadeira Fonte de todo o espantoso poder encontrado na natureza, mas ele é muito maior do que qualquer coisa que tenha criado. Nem mesmo os céus físicos o podem conter! (1 Reis 8:27) Mas como tudo isso ajudou Elias? Lembre-se de que ele estava com medo. Com um Deus como Jeová do seu lado, que tem todo esse imenso poder à disposição, Elias não precisava temer Acabe nem Jezabel. — Salmo 118:6.
Depois do fogo, veio uma calmaria, e Elias ouviu “uma voz calma, baixa”. Essa voz convidou Elias a falar novamente. Então, pela segunda vez, Elias expressou suas preocupações.

*** w11 1/7 p. 22 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
A origem dessa “voz calma, baixa” talvez tenha sido o mesmo espírito usado para transmitir “a palavra de Jeová” mencionada em 1 Reis 19:9. No versículo 15, esse espírito é descrito simplesmente como “Jeová”. Isso talvez nos lembre do anjo que Jeová usou para guiar Israel no deserto e de quem ele disse: “Meu nome está nele.” (Êxodo 23:21) É claro que não podemos ser categóricos nesse assunto, mas vale a pena ressaltar que, em sua existência pré-humana, Jesus atuou como “a Palavra”, o Porta-Voz especial para os servos de Jeová. — João 1:1.

*** w97 15/5 p. 13 par. 17 Quando Jesus vem na glória do Reino ***
17 Além disso, o Israel de Deus passou por algo comparável ao que aconteceu a Elias no monte Horebe. Assim como Elias na época em que fugia da Rainha Jezabel, o temeroso restante ungido pensava que sua obra tinha terminado no fim da Primeira Guerra Mundial. Então, assim como Elias, tiveram um encontro com Jeová, que viera julgar as organizações que afirmavam ser “a casa de Deus”. (1 Pedro 4:17; Malaquias 3:1-3) Ao passo que a cristandade foi achada deficiente, o restante ungido foi reconhecido como “o escravo fiel e discreto” e foi designado sobre todos os bens terrestres de Jesus. (Mateus 24:45-47) No monte Horebe, Elias ouviu “uma voz calma, baixa”, que mostrou ser a de Jeová, dando-lhe mais trabalho. Na calmaria do após-guerra, os fiéis servos ungidos de Jeová ouviram a voz dele procedente das páginas da Bíblia. Perceberam também que tinham uma comissão a cumprir. — 1 Reis 19:4, 9-18; Revelação 11:7-13.

*** it-1 pp. 790-791 Elias ***
Em Horebe, Jeová lhe fala depois de uma espantosa demonstração de poder num vendaval, num terremoto e num fogo. Jeová não está nestas manifestações; ele não é deus da natureza, ou apenas forças naturais, personificadas. Estas forças naturais são apenas expressões da sua força ativa, não o próprio Jeová.

(1 REIS 19:13)

“E sucedeu que, assim que Elias a ouviu, envolveu imediatamente a face no seu manto oficial e saiu, e ficou de pé à entrada da caverna; e eis que houve uma voz para ele, e ela passou a dizer-lhe: “Que estás fazendo aqui, Elias?””

*** it-2 p. 99 Face ***
Esconder ou cobrir um humano ou um anjo a sua face pode expressar humildade, ou temor e respeito reverentes. (Êx 3:6; 1Rs 19:13; Is 6:2)

*** it-2 p. 755 Manto oficial ***
A Septuaginta, ao traduzir ʼad•dé•reth, referente ao manto oficial usado por Elias e Eliseu, usa a palavra grega me•lo•té (que significa pele de ovelha, ou qualquer áspera pele lanosa). (1Rs 19:13) Isto sugere que o manto era feito de peles ainda com o pêlo nelas, similar à veste usada por certos beduínos. A descrição que Paulo fez dos perseguidos servos de Deus, que “andavam vestidos de peles de ovelhas e de peles de cabras”, talvez se refira à veste de tais profetas de Jeová. (He 11:37)

(1 REIS 19:15)

“Jeová disse-lhe então: “Vai, volta pelo teu caminho ao ermo de Damasco; e tens de entrar e ungir Hazael como rei sobre a Síria.”

*** ia cap. 12 pp. 106-107 par. 22 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Mas, sem dúvida, Elias se sentiu muito mais consolado com o que aquela “voz calma, baixa”, disse a seguir. Jeová garantiu a Elias que ele tinha muito valor. Como? Deus revelou muitas coisas que faria mais tarde contra a adoração de Baal em Israel. Com certeza, o trabalho de Elias não tinha sido em vão, visto que o propósito de Jeová estava em andamento e nada impediria o seu avanço. Além disso, Elias ainda fazia parte desse propósito, pois Jeová disse para ele retomar seu serviço, dando-lhe instruções específicas. — 1 Reis 19:12-17.

*** w11 1/7 p. 22 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Mas sem dúvida Elias se sentiu muito mais consolado com o que aquela “voz calma, baixa” disse a seguir. Jeová garantiu a Elias que ele tinha muito valor. Como? Ele revelou muitas coisas que faria mais tarde contra a adoração de Baal em Israel. Com certeza, o trabalho de Elias não tinha sido em vão, visto que o propósito de Jeová estava em andamento e nada impediria o seu avanço. Além disso, Elias ainda fazia parte desse propósito, pois Jeová disse para ele retomar seu serviço, dando-lhe instruções específicas. — 1 Reis 19:12-17.

*** w97 15/5 p. 13 par. 17 Quando Jesus vem na glória do Reino ***
17 Além disso, o Israel de Deus passou por algo comparável ao que aconteceu a Elias no monte Horebe. Assim como Elias na época em que fugia da Rainha Jezabel, o temeroso restante ungido pensava que sua obra tinha terminado no fim da Primeira Guerra Mundial. Então, assim como Elias, tiveram um encontro com Jeová, que viera julgar as organizações que afirmavam ser “a casa de Deus”. (1 Pedro 4:17; Malaquias 3:1-3) Ao passo que a cristandade foi achada deficiente, o restante ungido foi reconhecido como “o escravo fiel e discreto” e foi designado sobre todos os bens terrestres de Jesus. (Mateus 24:45-47) No monte Horebe, Elias ouviu “uma voz calma, baixa”, que mostrou ser a de Jeová, dando-lhe mais trabalho. Na calmaria do após-guerra, os fiéis servos ungidos de Jeová ouviram a voz dele procedente das páginas da Bíblia. Perceberam também que tinham uma comissão a cumprir. — 1 Reis 19:4, 9-18; Revelação 11:7-13.

*** it-1 p. 14 Abel-Meolá ***
Outro argumento aduzido para esta identificação tem sido que Elias, depois de partir de Horebe, parou em Abel-Meolá para ungir Eliseu, e tinha a comissão adicional de viajar “ao ermo de Damasco” para ungir Hazael como rei da Síria. (1Rs 19:15) A principal estrada antiga que levava de Horebe a Damasco existia ao L do Jordão, embora às vezes esta rota fosse controlada por nômades.

*** it-1 pp. 14-15 Abel-Meolá ***
E, no que se refere à viagem de Elias ao ermo de Damasco, o registro mostra que ela não foi realizada imediatamente, mas, em vez disso, foi feita algum tempo depois pelo seu sucessor, Eliseu. (1Rs 19:15-19; 2Rs 8:7-13) Em vista disso, alguns textos geográficos continuam a recomendar um lugar ao O do Jordão, em vez de ao L dele. (The Geographical and Topographical Texts of the Old Testament [Os Textos Geográficos e Topográficos do Antigo Testamento], de J. Simons, Leiden, 1959; The Geography of the Bible [A Geografia da Bíblia], de D. Baly, 1957; e o Atlas of the Bible [Atlas da Bíblia], de L. H. Grollenberg, 1956) Tanto Jerônimo como Eusébio, dos primeiros séculos da Era Comum, identificaram Abel-Meolá com um lugar a 10 milhas romanas (15 km) ao S de Bete-Seã (ao O do Jordão). The Land of the Bible (A Terra da Bíblia), de Y. Aharoni, declara: “Abel-Meolá foi agora identificada com muita segurança com o Tell Abu Sus, na margem [ocidental] do Jordão, a 15 km ao sul de Bete-Seã.” (Traduzido para o inglês e editado por A. Rainey, 1979, p. 313)

*** it-2 p. 291 Hazael ***
Anos antes do reinado de Hazael, Jeová mandara Elias “ungir Hazael como rei sobre a Síria”. O motivo desta designação era que Israel havia pecado contra Deus e Hazael devia executar a punição nessa nação. — 1Rs 19:15-18.

(1 REIS 19:16)

“E a Jeú, neto de Ninsi, deves ungir como rei sobre Israel; e a Eliseu, filho de Safate, de Abel-Meolá, deves ungir como profeta em teu lugar.”

*** w97 15/5 p. 13 par. 17 Quando Jesus vem na glória do Reino ***
17 Além disso, o Israel de Deus passou por algo comparável ao que aconteceu a Elias no monte Horebe. Assim como Elias na época em que fugia da Rainha Jezabel, o temeroso restante ungido pensava que sua obra tinha terminado no fim da Primeira Guerra Mundial. Então, assim como Elias, tiveram um encontro com Jeová, que viera julgar as organizações que afirmavam ser “a casa de Deus”. (1 Pedro 4:17; Malaquias 3:1-3) Ao passo que a cristandade foi achada deficiente, o restante ungido foi reconhecido como “o escravo fiel e discreto” e foi designado sobre todos os bens terrestres de Jesus. (Mateus 24:45-47) No monte Horebe, Elias ouviu “uma voz calma, baixa”, que mostrou ser a de Jeová, dando-lhe mais trabalho. Na calmaria do após-guerra, os fiéis servos ungidos de Jeová ouviram a voz dele procedente das páginas da Bíblia. Perceberam também que tinham uma comissão a cumprir. — 1 Reis 19:4, 9-18; Revelação 11:7-13.

*** it-1 p. 270 Atitudes, posturas e gestos ***
Eliseu foi ‘ungido’ por ser designado, mas nunca foi literalmente ungido com óleo. (1Rs 19:16, 19)

*** it-2 p. 556 Jeú ***
3. Filho de Jeosafá (não do Rei Jeosafá, de Judá), e neto de Ninsi. (2Rs 9:14) Jeú governou qual rei de Israel de cerca de 904 a 877 AEC. Durante o reinado do Rei Acabe, de Israel, o profeta Elias fugira para o monte Horebe, a fim de escapar da morte às mãos de Jezabel, esposa de Acabe. Deus ordenou que Elias retornasse e ungisse três homens: Eliseu, como sucessor de Elias; Hazael, como rei da Síria; e Jeú, como rei de Israel. (1Rs 19:15, 16) Elias ungiu Eliseu (ou, designou-o; veja UNGIDO, UNÇÃO). No entanto, a unção de Jeú realmente ficou para ser feita pelo sucessor de Elias, Eliseu.
Será que foi por procrastinação da parte de Elias que a unção de Jeú ficou para ser feita por Eliseu? Não. Depois de dar tal ordem a Elias, Jeová lhe disse que a calamidade sobre a casa de Acabe (a ser executada por Jeú) não ocorreria nos dias de Acabe, mas nos dias do filho de Acabe. (1Rs 21:27-29) Assim, torna-se evidente que essa delonga se deu por orientação de Jeová, e não por negligência da parte de Elias. Jeová, porém, cronometrou com perfeita exatidão tal unção, quando a ocasião era oportuna para Jeú agir imediatamente em conformidade com a unção. E, em harmonia com a personalidade decidida e dinâmica de Jeú, ele não perdeu um instante sequer, mas agiu imediatamente.

(1 REIS 19:18)

“E deixei sete mil remanescer em Israel, todos os joelhos que não se dobraram diante de Baal e toda boca que não o beijou.””

*** ia cap. 12 p. 107 par. 23 Ele foi consolado pelo seu Deus ***
Segundo, Jeová lhe deu esta emocionante notícia: “Deixei sete mil remanescer em Israel, todos os joelhos que não se dobraram diante de Baal e toda boca que não o beijou.” (1 Reis 19:18) Elias não estava sozinho! Ele deve ter ficado muito feliz de saber que milhares de pessoas fiéis tinham se recusado a adorar Baal. Elas precisavam que Elias continuasse seu serviço fiel e fosse um exemplo de lealdade inabalável a Jeová naqueles tempos difíceis. Elias deve ter ficado profundamente emocionado de ouvir aquelas palavras do representante de Jeová, a “voz calma, baixa”. Para Elias, era como se o próprio Deus tivesse falado com ele.

*** w11 1/7 p. 22 Ele aceitou o consolo de seu Deus ***
Segundo, Jeová deu esta emocionante notícia: “Deixei sete mil remanescer em Israel, todos os joelhos que não se dobraram diante de Baal e toda boca que não o beijou.” (1 Reis 19:18) Elias não estava sozinho! Ele deve ter ficado muito feliz de saber que milhares de pessoas fiéis se recusaram a adorar Baal. Elas precisavam que Elias mantivesse seu serviço fiel e que fosse um exemplo de lealdade inabalável a Jeová naqueles tempos difíceis. Sem dúvida, Elias ficou profundamente emocionado de ouvir aquelas palavras do representante de Jeová, a “voz calma, baixa”.

(1 REIS 19:19)

“Conseqüentemente, ele se foi dali e achou Eliseu, filho de Safate, enquanto arava com doze juntas diante de si e estava com a décima segunda. Assim, Elias passou por ele e lançou sobre ele seu manto oficial.”

*** w14 1/2 p. 12 Ele perseverou apesar de injustiças ***
Seja como for, a Bíblia diz: “Elias passou por ele e lançou sobre ele seu manto oficial.” (1 Reis 19:19) A veste oficial de Elias — provavelmente feita de couro de cabra ou de carneiro — era usada como um manto e simbolizava a designação especial que ele havia recebido de Jeová. Por isso, colocar esse manto sobre o ombro de Eliseu teve um grande significado. Elias se submeteu de boa vontade à ordem de Jeová de designar Eliseu como seu sucessor.

*** w97 1/11 p. 30 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
PARA um jovem lavrador de nome Eliseu, o dia que começou de forma rotineira arando o campo passou a ser o mais significativo na sua vida. Enquanto estava trabalhando na roça, Eliseu recebeu uma visita inesperada de Elias, profeta mais destacado de Israel. ‘Que é que ele está querendo de mim?’ talvez se perguntasse Eliseu. Não teve de esperar muito para receber a resposta. Elias lançou o seu manto oficial sobre Eliseu, indicando que algum dia Eliseu seria o seu sucessor. Eliseu não tratou levianamente esta chamada. Ele abandonou imediatamente seu campo para se tornar ajudante de Elias. — 1 Reis 19:19-21.

*** w97 1/11 pp. 30-31 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
Quando Eliseu recebeu o convite para prestar serviço especial junto com Elias, ele deixou imediatamente seu campo para ministrar ao mais destacado profeta de Israel. Pelo visto, alguns dos seus deveres eram servis, porque ficou conhecido como aquele que “despejava água sobre as mãos de Elias”. (2 Reis 3:11) Não obstante, Eliseu encarava seu trabalho como privilégio, e continuou lealmente ao lado de Elias.
Muitos dos servos de Deus demonstram hoje um espírito similar de abnegação. Alguns têm deixado seus “campos”, seu meio de vida, para pregar as boas novas em territórios distantes ou para servir como membros duma família de Betel. Outros têm viajado a países estrangeiros para trabalhar em projetos de construção da Sociedade. Muitos têm aceitado o que poderia ser classificado como tarefas humildes. No entanto, ninguém que trabalha como escravo para Jeová presta um serviço insignificante. Jeová aprecia todos os que o servem voluntariamente e abençoa o espírito abnegado deles. — Marcos 10:29, 30.

*** it-1 p. 176 Arar (lavrar) ***
Vários homens, cada um com uma junta ou parelha de bovinos, talvez trabalhassem juntos, arando fileiras paralelas, um atrás do outro. No caso de Eliseu, conforme relatado em 1 Reis 19:19, ele era o 12.° e último, de modo que pôde parar sem perturbar outros que o seguissem. Ele deixou o campo e usou seus implementos de arar, de madeira, como lenha para oferecer os touros como sacrifício. (1Rs 19:21) Em The Land and the Book (A Terra e o Livro, revisado por J. Grande, 1910, p. 121), W. M. Thomson relata que um único homem podia facilmente semear a área lavrada por um grupo de homens.

*** it-1 p. 796 Eliseu ***
Eliseu
[Deus É Salvação].
Filho de Safate e profeta de Jeová no décimo e no nono século AEC; sucessor do profeta Elias. Jeová mandou Elias ungir Eliseu, que era de Abel-Meolá. Encontrando Eliseu a arar, Elias lançou sobre ele seu manto oficial, indicando uma designação. (1Rs 19:16) Eliseu arava atrás de doze juntas de touros “e estava com a décima segunda”. É de interesse notar que William Thomson, no século 19, em The Land and the Book (A Terra e o Livro; 1887, p. 144), relatou que era costumeiro, entre os árabes, que diversos lavradores trabalhassem juntos com seus pequenos arados, e um semeador podia facilmente semear toda a área lavrada por eles num dia. Eliseu, na retaguarda do grupo, pôde parar sem perturbar o trabalho dos demais. Ter ele sacrificado uma junta de touros e usado a apeiragem como lenha revela a prontidão, a determinação e o apreço de Eliseu pela convocação por parte de Jeová. Depois de preparar uma refeição, Eliseu partiu imediatamente para seguir Elias. — 1Rs 19:19-21.

(1 REIS 19:20)

“Em vista disso, este deixou os touros e saiu correndo atrás de Elias, e disse: “Por favor, deixa-me beijar meu pai e minha mãe. Então irei seguir-te.” A isto lhe disse ele: “Vai, volta; pois, que te tenho feito?””

*** w97 1/11 pp. 30-31 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
Quando Eliseu recebeu o convite para prestar serviço especial junto com Elias, ele deixou imediatamente seu campo para ministrar ao mais destacado profeta de Israel. Pelo visto, alguns dos seus deveres eram servis, porque ficou conhecido como aquele que “despejava água sobre as mãos de Elias”. (2 Reis 3:11) Não obstante, Eliseu encarava seu trabalho como privilégio, e continuou lealmente ao lado de Elias.
Muitos dos servos de Deus demonstram hoje um espírito similar de abnegação. Alguns têm deixado seus “campos”, seu meio de vida, para pregar as boas novas em territórios distantes ou para servir como membros duma família de Betel. Outros têm viajado a países estrangeiros para trabalhar em projetos de construção da Sociedade. Muitos têm aceitado o que poderia ser classificado como tarefas humildes. No entanto, ninguém que trabalha como escravo para Jeová presta um serviço insignificante. Jeová aprecia todos os que o servem voluntariamente e abençoa o espírito abnegado deles. — Marcos 10:29, 30.

*** w97 1/11 p. 30 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
PARA um jovem lavrador de nome Eliseu, o dia que começou de forma rotineira arando o campo passou a ser o mais significativo na sua vida. Enquanto estava trabalhando na roça, Eliseu recebeu uma visita inesperada de Elias, profeta mais destacado de Israel. ‘Que é que ele está querendo de mim?’ talvez se perguntasse Eliseu. Não teve de esperar muito para receber a resposta. Elias lançou o seu manto oficial sobre Eliseu, indicando que algum dia Eliseu seria o seu sucessor. Eliseu não tratou levianamente esta chamada. Ele abandonou imediatamente seu campo para se tornar ajudante de Elias. — 1 Reis 19:19-21.

(1 REIS 19:21)

“Portanto, ele retornou de segui-lo e tomou então uma junta de touros e os ofereceu em sacrifício, e com a apeiragem dos touros cozinhou a carne deles e deu-a então ao povo, e passaram a comer. Depois se levantou e foi seguir Elias, e começou a ministrar-lhe.”

*** w97 1/11 pp. 30-31 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
Quando Eliseu recebeu o convite para prestar serviço especial junto com Elias, ele deixou imediatamente seu campo para ministrar ao mais destacado profeta de Israel. Pelo visto, alguns dos seus deveres eram servis, porque ficou conhecido como aquele que “despejava água sobre as mãos de Elias”. (2 Reis 3:11) Não obstante, Eliseu encarava seu trabalho como privilégio, e continuou lealmente ao lado de Elias.
Muitos dos servos de Deus demonstram hoje um espírito similar de abnegação. Alguns têm deixado seus “campos”, seu meio de vida, para pregar as boas novas em territórios distantes ou para servir como membros duma família de Betel. Outros têm viajado a países estrangeiros para trabalhar em projetos de construção da Sociedade. Muitos têm aceitado o que poderia ser classificado como tarefas humildes. No entanto, ninguém que trabalha como escravo para Jeová presta um serviço insignificante. Jeová aprecia todos os que o servem voluntariamente e abençoa o espírito abnegado deles. — Marcos 10:29, 30.

*** w97 1/11 p. 30 Um exemplo de abnegação e de lealdade ***
PARA um jovem lavrador de nome Eliseu, o dia que começou de forma rotineira arando o campo passou a ser o mais significativo na sua vida. Enquanto estava trabalhando na roça, Eliseu recebeu uma visita inesperada de Elias, profeta mais destacado de Israel. ‘Que é que ele está querendo de mim?’ talvez se perguntasse Eliseu. Não teve de esperar muito para receber a resposta. Elias lançou o seu manto oficial sobre Eliseu, indicando que algum dia Eliseu seria o seu sucessor. Eliseu não tratou levianamente esta chamada. Ele abandonou imediatamente seu campo para se tornar ajudante de Elias. — 1 Reis 19:19-21.

*** it-1 p. 796 Eliseu ***
Eliseu
[Deus É Salvação].
Filho de Safate e profeta de Jeová no décimo e no nono século AEC; sucessor do profeta Elias. Jeová mandou Elias ungir Eliseu, que era de Abel-Meolá. Encontrando Eliseu a arar, Elias lançou sobre ele seu manto oficial, indicando uma designação. (1Rs 19:16) Eliseu arava atrás de doze juntas de touros “e estava com a décima segunda”. É de interesse notar que William Thomson, no século 19, em The Land and the Book (A Terra e o Livro; 1887, p. 144), relatou que era costumeiro, entre os árabes, que diversos lavradores trabalhassem juntos com seus pequenos arados, e um semeador podia facilmente semear toda a área lavrada por eles num dia. Eliseu, na retaguarda do grupo, pôde parar sem perturbar o trabalho dos demais. Ter ele sacrificado uma junta de touros e usado a apeiragem como lenha revela a prontidão, a determinação e o apreço de Eliseu pela convocação por parte de Jeová. Depois de preparar uma refeição, Eliseu partiu imediatamente para seguir Elias. — 1Rs 19:19-21.

(1 REIS 20:1)

“Quanto a Ben-Hadade, rei da Síria, ele reuniu todas as suas forças militares e também trinta e dois reis consigo, e cavalos e carros, e passou a subir e a sitiar Samaria, e a lutar contra ela.”

*** it-1 p. 334 Ben-Hadade ***
2. A próxima menção de um rei sírio chamado Ben-Hadade ocorre durante o reinado do Rei Acabe, de Israel (c. 940-920 AEC). Por volta do quinto ano antes da morte de Acabe, “Ben-Hadade, rei da Síria”, liderou as forças coligadas de 32 reis, evidentemente vassalos, contra Samaria, cercando a cidade e exigindo que o Rei Acabe se rendesse incondicionalmente. (1Rs 20:1-6) Acabe convocou um conselho dos anciãos do país, que lhe recomendaram resistir. Daí, ao passo que as forças sírias se preparavam para um ataque contra a cidade, e enquanto Ben-Hadade e os outros reis estavam embebedando-se nas barracas que armaram, Acabe, seguindo o conselho divino, usou de estratégia para lançar um ataque de surpresa contra o acampamento sírio e teve êxito em desbaratá-los. — 1Rs 20:7-21.

*** it-2 p. 231 Nações inimigas que atacavam Israel ***
Síria 1Rs 20:1-6, 26; 2Rs 12:17, 18; 16:5-9

(1 REIS 20:11)

“O rei de Israel, por sua vez, respondeu e disse: “Falai [com ele]: ‘Não se jacte aquele que se cinge como quem se descinge.’””

*** w05 1/7 p. 31 Destaques do livro de Primeiro dos Reis ***
20:11. Quando Ben-Hadade se gabou de que destruiria Samaria, o rei de Israel respondeu: “Não se jacte aquele que se cinge [de sua armadura em preparação para a batalha] como quem se descinge” de sua armadura depois de voltar vitorioso da batalha. Quando nos deparamos com uma nova tarefa, precisamos evitar ter o excesso de confiança próprio de alguém arrogante. — Provérbios 27:1; Tiago 4:13-16.

*** it-1 p. 191 Armas, armadura ***
Cinto. O cinto militar dos tempos antigos era uma faixa de couro usada em volta da cintura ou dos quadris. Variava de largura entre 5 e 15 cm, e muitas vezes estava revestido de placas de ferro, prata ou ouro. A espada do guerreiro pendia dele, e às vezes o cinto era segurado por um suspensório. (1Sa 18:4; 2Sa 20:8) Ao passo que um cinto solto indicava descontração (1Rs 20:11), cingir os lombos ou os quadris indicava prontidão para a ação ou para a batalha. — Êx 12:11; 1Rs 18:46; 1Pe 1:13 n.

(1 REIS 20:23)

“Quanto aos servos do rei da Síria, disseram-lhe: “O Deus deles é um Deus de montes. É por isso que se mostraram mais fortes do que nós. Assim, ao contrário, lutemos contra eles na planície [e vejamos] se não nos mostraremos mais fortes do que eles.”

*** it-1 pp. 473-474 Cavalo ***
Os cavalos, porém, não se prestam bem para uso militar em terreno montanhoso, escabroso. (Am 6:12) Por isso, quando o Rei Acabe, de Israel, derrotou o exército da Síria, os servos de Ben-Hadade apresentaram a desculpa de que isso aconteceu porque o Deus de Israel era “um Deus de montes”, não de planícies, onde os cavalos e os carros operam com vantagem. Não obstante, Jeová deu a Israel a vitória mesmo nas planícies. — 1Rs 20:23-29.

(1 REIS 20:24)

“E faze a seguinte coisa: Remove os reis, cada um do seu lugar, e põe em lugar deles governadores.”

*** it-1 p. 334 Ben-Hadade ***
As forças sírias tinham sido reorganizadas, os 32 reis sendo substituídos por governadores como chefes das tropas, evidentemente por se pensar que os governadores lutariam mais unida e obedientemente, e, talvez, também teriam mais forte incentivo para obter uma promoção a um posto superior do que os reis mais independentes. As teorias religiosas e militares de Ben-Hadade, porém, mostraram-se inúteis contra as forças israelitas que, embora sobrepujadas grandemente em número, foram avisadas de antemão desse ataque, por um profeta, e tinham o apoio do Rei do universo, Jeová Deus. As forças sírias foram destroçadas, e Ben-Hadade fugiu para Afeque. Acabe, porém, permitiu que este perigoso inimigo fosse embora livre, fazendo Ben-Hadade a seguinte promessa: “As cidades que meu pai tomou ao teu pai, eu restituirei; e designarás para ti ruas em Damasco, assim como meu pai designou em Samaria.” — 1Rs 20:22-34.
Há considerável diferença de opinião quanto a se este Ben-Hadade é o mesmo rei sírio dos dias de Baasa e de Asa, ou se ele é, ao invés, um filho ou neto daquele rei. Para que Ben-Hadade I (do tempo de Asa) fosse o Ben-Hadade dos dias de Acabe e até mesmo do tempo de Jeorão (c. 917-905 AEC) seria necessário um reinado de cerca de 45 anos, ou mais. Isto, naturalmente, não seria impossível.
No entanto, aqueles que sustentam que o rei sírio dos dias de Acabe devia ser chamado Ben-Hadade II, indicam a promessa feita por Ben-Hadade a Acabe, citada acima. (1Rs 20:34) À primeira vista, parece que o pai de Ben-Hadade havia tomado cidades de Onri, pai de Acabe. Mas, se a captura mencionada fora feita por Ben-Hadade I, durante o governo de Baasa, isso faria com que Ben-Hadade I fosse o pai (ou talvez simples predecessor) do Ben-Hadade II do reinado de Acabe. Igualmente, “pai” de Acabe poderia referir-se a um predecessor real no trono, embora não fosse parente consanguíneo como antepassado de sua linhagem. — Veja BELSAZAR.
Todavia, ter a promessa de Ben-Hadade a Acabe feito referência a Samaria pareceria limitar a captura de cidades israelitas pela Síria ao reinado de Onri, visto que Samaria foi construída por ele e, depois disso, tornou-se a capital de Israel. As “ruas” designadas, pelo que parece, destinavam-se ao estabelecimento de bazares, ou mercados, para promover interesses comerciais.
Sejam quais forem as circunstâncias e o tempo da captura das cidades israelitas, a evidência bíblica parece indicar um diferente Ben-Hadade como governando no tempo de Acabe, e, por isso, pode ser mencionado como Ben-Hadade II. Parece que a promessa de Ben-Hadade, de devolver as cidades tomadas de Israel por seu pai, não foi inteiramente cumprida, porque, no último ano do governo de Acabe, este rei israelita fez uma aliança com Jeosafá, na vã tentativa de recuperar dos sírios Ramote-Gileade (ao L do Jordão). Ben-Hadade II é evidentemente o anônimo “rei da Síria” que ordenou que seus “trinta e dois chefes dos carros” concentrassem seu ataque naquela batalha em Acabe. (1Rs 22:31-37)

(1 REIS 20:26)

“E sucedeu, pela volta do ano, que Ben-Hadade pôs-se a passar em revista os sírios e a subir a Afeque para a batalha contra Israel.”

*** g94 8/3 p. 29 Observando o Mundo ***
Descoberta uma cidade bíblica
Le Figaro, um jornal francês, diz que uma equipe de arqueólogos japoneses descobriu as ruínas de uma das cinco cidades bíblicas antigas chamadas de Afeque. Durante anos, os especialistas tentaram sem êxito relacionar a localização dessa antiga cidade com a moderna aldeia de Afriq, ou Fiq, cinco quilômetros ao leste do mar da Galiléia. No entanto, o arqueólogo Hiroshi Kanaseki acredita que a descoberta de parte de uma antiga muralha em ʽEn Gev, às margens do mar da Galiléia, prova que o sítio é mesmo o local em que ficava essa específica cidade bíblica de Afeque. Ela é mencionada na Bíblia em 1 Reis 20:26 como o lugar em que o rei sírio Ben-Hadade II foi derrotado pelas forças israelitas sob o Rei Acabe.

*** it-1 p. 61 Afeque ***
5. Cidade mencionada em 1 Reis 20:26 como lugar da derrota do sírio Ben-Hadade II. Os sírios em retirada recuaram até esta cidade, mas a muralha dela desabou sobre 27.000 deles. (1Rs 20:29, 30) Parece também ser o lugar profeticamente indicado ao Rei Jeoás, pelo moribundo profeta Eliseu, como ponto em que os sírios sofreriam futuras derrotas às mãos dos israelitas. (2Rs 13:17-19, 25) Alguns peritos situariam a Afeque mencionada nestes textos a cerca de 5 km ao L do mar da Galiléia, onde se encontra a moderna aldeia de Afiq ou Fiq. Todavia, neste local não se encontraram nenhuns restos mais antigos do que o quarto século AEC. No entanto, na vizinha ʽEn Gev, às margens do mar da Galiléia, descobriram-se os restos duma grande cidade fortificada, do décimo ao oitavo século AEC.

(1 REIS 20:27)

“Quanto aos filhos de Israel, foram passados em revista e munidos, e começaram a sair ao encontro deles; e os filhos de Israel foram acampar-se defronte deles como dois minúsculos rebanhos de caprídeos, ao passo que os sírios, da sua parte, enchiam a terra.”

*** it-1 p. 35 Acabe ***
As forças israelitas avançaram para o local da batalha, mas pareciam “dois minúsculos rebanhos de caprídeos”, comparadas com o maciço acampamento sírio. Tranqüilizadas pela promessa de Jeová, de demonstrar que Seu poder não era controlado pela topografia, as forças de Acabe impuseram uma esmagadora derrota ao inimigo. (1Rs 20:26-30)

(1 REIS 20:28)

“Aproximou-se então o homem do [verdadeiro] Deus e disse ao rei de Israel, sim, ele prosseguiu, dizendo: “Assim disse Jeová: ‘Visto que os sírios disseram: “Jeová é Deus de montes e não é Deus de baixadas”, terei de entregar na tua mão toda esta grande massa de gente e certamente sabereis que eu sou Jeová.’””

*** it-1 pp. 473-474 Cavalo ***
Os cavalos, porém, não se prestam bem para uso militar em terreno montanhoso, escabroso. (Am 6:12) Por isso, quando o Rei Acabe, de Israel, derrotou o exército da Síria, os servos de Ben-Hadade apresentaram a desculpa de que isso aconteceu porque o Deus de Israel era “um Deus de montes”, não de planícies, onde os cavalos e os carros operam com vantagem. Não obstante, Jeová deu a Israel a vitória mesmo nas planícies. — 1Rs 20:23-29.

(1 REIS 20:31)

“Disseram-lhe, pois, os seus servos: “Ora, eis que ouvimos [dizer] que os reis da casa de Israel são reis de benevolência. Por favor, usemos de serapilheira sobre os nossos lombos e de cordas sobre as nossas cabeças, e saiamos ao rei de Israel. Talvez ele preserve viva a tua alma.””

*** it-1 p. 268 Atitudes, posturas e gestos ***
Curvar-se podia também ser símbolo do reconhecimento de derrota. (Is 60:14) Os derrotados talvez comparecessem perante seu conquistador trajados de serapilheira, e, além disso, com cordas na cabeça, numa súplica de misericórdia. (1Rs 20:31, 32) Alguns acham que as cordas mencionadas eram postas em volta do pescoço, para simbolizar cativeiro e submissão.

*** it-1 p. 561 Cordão, corda ***
Num ato evidentemente simbólico de servil sujeição e humilhação, os sírios derrotados “cingiram-se de serapilheira sobre os seus lombos, com cordas sobre as suas cabeças, e entraram até o rei de Israel”, procurando a indulgência de Acabe para com o rei sírio Ben-Hadade II. Cada um deles talvez usasse uma corda como tira em volta da cabeça ou do pescoço. — 1Rs 20:31-34.

(1 REIS 20:32)

“Por conseguinte, cingiram-se de serapilheira sobre os seus lombos, com cordas sobre as suas cabeças, e entraram até o rei de Israel e disseram: “Teu servo Ben-Hadade disse: ‘Por favor, deixa a minha alma viver.’” A isto ele disse: “Ainda está vivo? Ele é meu irmão.””

*** it-1 p. 268 Atitudes, posturas e gestos ***
Curvar-se podia também ser símbolo do reconhecimento de derrota. (Is 60:14) Os derrotados talvez comparecessem perante seu conquistador trajados de serapilheira, e, além disso, com cordas na cabeça, numa súplica de misericórdia. (1Rs 20:31, 32) Alguns acham que as cordas mencionadas eram postas em volta do pescoço, para simbolizar cativeiro e submissão.

(1 REIS 20:34)

“[Ben-Hadade] disse-lhe então: “As cidades que meu pai tomou ao teu pai, eu restituirei; e designarás para ti ruas em Damasco, assim como meu pai designou em Samaria.” “E eu, da minha parte, te mandarei embora num pacto.” Com isso concluiu com ele um pacto e o mandou embora.”

*** w05 1/7 p. 31 Destaques do livro de Primeiro dos Reis ***
20:34 — Por que Acabe poupou Ben-Hadade, rei dos sírios, depois de Jeová ter-lhe dado a vitória? Em vez de matar Ben-Hadade, Acabe fez um pacto com ele, por meio do qual ruas de Damasco, capital da Síria, seriam designadas a Acabe, evidentemente com o objetivo de estabelecer mercados ali. Algum tempo antes, o pai de Ben-Hadade de forma similar tinha designado ruas em Samaria para si próprio com o mesmo objetivo. Portanto, Ben-Hadade foi solto para que Acabe investisse no comércio de Damasco.

*** it-1 p. 35 Acabe ***
No entanto, bem semelhante ao que o Rei Saul fez com Agague, o amalequita, Acabe permitiu que Ben-Hadade sobrevivesse e concluiu com ele um pacto, pelo qual as cidades capturadas seriam devolvidas a Israel e se designariam a Acabe ruas em Damasco, evidentemente visando o estabelecimento de bazares ou mercados para promover os interesses comerciais de Acabe naquela capital síria. (1Rs 20:31-34) Similar a Saul, Acabe foi condenado por Jeová por causa disso, sendo predita a calamidade futura para ele e seu povo. — 1Rs 20:35-43.

*** it-1 p. 334 Ben-Hadade ***
As forças sírias tinham sido reorganizadas, os 32 reis sendo substituídos por governadores como chefes das tropas, evidentemente por se pensar que os governadores lutariam mais unida e obedientemente, e, talvez, também teriam mais forte incentivo para obter uma promoção a um posto superior do que os reis mais independentes. As teorias religiosas e militares de Ben-Hadade, porém, mostraram-se inúteis contra as forças israelitas que, embora sobrepujadas grandemente em número, foram avisadas de antemão desse ataque, por um profeta, e tinham o apoio do Rei do universo, Jeová Deus. As forças sírias foram destroçadas, e Ben-Hadade fugiu para Afeque. Acabe, porém, permitiu que este perigoso inimigo fosse embora livre, fazendo Ben-Hadade a seguinte promessa: “As cidades que meu pai tomou ao teu pai, eu restituirei; e designarás para ti ruas em Damasco, assim como meu pai designou em Samaria.” — 1Rs 20:22-34.
Há considerável diferença de opinião quanto a se este Ben-Hadade é o mesmo rei sírio dos dias de Baasa e de Asa, ou se ele é, ao invés, um filho ou neto daquele rei. Para que Ben-Hadade I (do tempo de Asa) fosse o Ben-Hadade dos dias de Acabe e até mesmo do tempo de Jeorão (c. 917-905 AEC) seria necessário um reinado de cerca de 45 anos, ou mais. Isto, naturalmente, não seria impossível.
No entanto, aqueles que sustentam que o rei sírio dos dias de Acabe devia ser chamado Ben-Hadade II, indicam a promessa feita por Ben-Hadade a Acabe, citada acima. (1Rs 20:34) À primeira vista, parece que o pai de Ben-Hadade havia tomado cidades de Onri, pai de Acabe. Mas, se a captura mencionada fora feita por Ben-Hadade I, durante o governo de Baasa, isso faria com que Ben-Hadade I fosse o pai (ou talvez simples predecessor) do Ben-Hadade II do reinado de Acabe. Igualmente, “pai” de Acabe poderia referir-se a um predecessor real no trono, embora não fosse parente consanguíneo como antepassado de sua linhagem. — Veja BELSAZAR.
Todavia, ter a promessa de Ben-Hadade a Acabe feito referência a Samaria pareceria limitar a captura de cidades israelitas pela Síria ao reinado de Onri, visto que Samaria foi construída por ele e, depois disso, tornou-se a capital de Israel. As “ruas” designadas, pelo que parece, destinavam-se ao estabelecimento de bazares, ou mercados, para promover interesses comerciais.
Sejam quais forem as circunstâncias e o tempo da captura das cidades israelitas, a evidência bíblica parece indicar um diferente Ben-Hadade como governando no tempo de Acabe, e, por isso, pode ser mencionado como Ben-Hadade II. Parece que a promessa de Ben-Hadade, de devolver as cidades tomadas de Israel por seu pai, não foi inteiramente cumprida, porque, no último ano do governo de Acabe, este rei israelita fez uma aliança com Jeosafá, na vã tentativa de recuperar dos sírios Ramote-Gileade (ao L do Jordão). Ben-Hadade II é evidentemente o anônimo “rei da Síria” que ordenou que seus “trinta e dois chefes dos carros” concentrassem seu ataque naquela batalha em Acabe. (1Rs 22:31-37)

*** it-1 p. 636 Damasco ***
As “ruas” que Ben-Hadade II ofereceu designar a Acabe em Damasco evidentemente se destinavam ao estabelecimento de bazares, ou mercados, para promover os interesses comerciais de Acabe na capital síria. — 1Rs 20:34.

(1 REIS 20:40)

“E sucedeu que, estando teu servo ativo por cá e por lá, ora, ele sumiu.” Então lhe disse o rei de Israel: “Assim é o teu próprio julgamento. Tu mesmo decidiste.””

*** it-2 p. 373 Ilustrações ***
(4) Mesmo quando usadas para corrigir uma pessoa, as ilustrações podem ser usadas para contornar preconceitos por parte do ouvinte, impedindo que sua mente fique ofuscada por tal preconceito, e, assim, conseguindo mais do que se conseguiria com uma simples declaração de fatos. Isto se deu quando Natã foi ouvido ao reprovar o Rei Davi pelo pecado deste, relacionado com Bate-Seba e Urias. (2Sa 12:1-14) Foi assim também quando se usou uma ilustração para fazer com que o iníquo Rei Acabe, sem se aperceber, pesasse os princípios envolvidos em sua própria ação desobediente de poupar a vida do Rei Ben-Hadade, da Síria, um inimigo de Deus, e proferisse um julgamento que condenava a ele próprio. — 1Rs 20:34, 38-43.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone