Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

Biografia: Sri Aurobindo | Filósofo e poeta indiano, Terceiro filho do Dr. Krishnadhan Ghose.

(Sri Aurobindo Ghose;) Calcutá, 1872 - Pondichery, 1950) filósofo e poeta indiano. Terceiro filho do Dr. Krishnadhan Ghose, doutor bengali admirador da cultura britânica, a jovem guga recebeu dois nomes pessoais: Aurobindo (bengali pronúncia do sânscrito Aravinda, Lotus) e Alves, em inglês. Como seus irmãos mais velhos, recebeu uma educação inglês.

Sri Aurobindo
Em 1879 ele foi confiado, junto com seus irmãos, para uma família de Manchester, onde iniciou seus estudos em latim. Em 1885 entrou para a escola St. Paul´s em Londres. Lá ele estudou grego, história, bem como várias línguas europeias, começando a desenvolver seu talento poético. Em 1889 ele se juntou a faculdade King´s de Cambridge, onde ele se juntou a uma associação de estudantes indígenas e deixou seu nome em inglês. Seu pai queria destina a Indian Civil Service, mas foi rejeitado sua aplicação para não passar por testes de equitação, embora aumentado sentimentos nacionalistas já te fez pouco apropriado para o serviço colonial.
Ele então chamou a atenção de James S. Cotton, irmão de um antigo governador de Bengala, e o marajá de Baroda, a cujo serviço vieram, deixando a Inglaterra em 1893. Começou a colaborar, em princípio, anonimamente, na revista nacionalista, Induprakash, insuficiente a julgar o desempenho do Congresso Nacional indiano, recém fundada em 1885, com a intenção de reformas inspiradoras ao governo britânico. Desejando aprofundar o conhecimento da cultura indiana, ele mergulhou o estudo da tradição em sânscrito e bengali, sem renunciar à cultura europeia, com vista, mesmo assim, para alcançar uma síntese mais elevada que dão lugar ao melhor de ambas as culturas.
Ele fez campanha em organizações secretas que lutaram pela independência, sem excluir (como se teria Gandhi) o recurso à violência. Depois que a partição de Bengala realizado por Lord Curzon, em 1905, o que provocou grande indignação, Baroda esquerdo e, de 1906, fez excursões políticos de Bengala, ele dirigiu o Colégio Nacional de bengala e o jornal nacionalista Bande Mataram. Objeto de perseguição pelo governo inglês, deixado a direção do colégio, em 1907.
Sri Aurobindo em seguida jogou no grupo do Congresso Nacional indiano e foi preso como resultado de ações terroristas em que sua facção estava envolvida. Ele passou na prisão todo um ano (1908-1909), preso entre prisioneiros comuns, período dedicado à prática de yoga, meditação e o trabalho literário. Se durante a sua estada na Inglaterra, Sri Aurobindo professado ateísmo modernista, então novamente para a divindade no estudo da filosofia indiana. Voltou a ameaçar com a prisão, Sri Aurobindo passou clandestinamente para Chandannagar, sob o domínio francês e em fevereiro de 1910, estabeleceu-se definitivamente em Pondichery.
Depois dele absteve-se de qualquer actividade política. Em 1914, fundou o jornal Arya , juntamente com Paul Richard e um pequeno grupo de discípulos. Seu trabalho começou a ser traduzido para o francês por Madame Richard que está associado com o trabalho de Sri Aurobindo, em 1920: a criação da Sri Aurobindo Asram, comunidade liderada pelo filósofo, ela organizou e cabeças (de 1926), como "Mãe", enquanto o pensador foi aposentado, fazendo poucas aparições públicas por ano, em vários aniversários e solenidades.
Sri Aurobindo Asram, comunidade espiritual e temporal, com base em Pondicherry, implantado uma grande atividade educacional de acordo com a doutrina de Sri Aurobindo, em busca de uma síntese entre ciência, esportes e regime de vida saudável e espiritualidade. Na sua morte (não aceitado como tal por muitos dos seus discípulos), Sri Aurobindo foi enterrado em sua Asram, em um objeto de túmulo de veneração constante até o presente. A Comunidade tinha em 1968 mais de dois mil membros, com filiais em várias cidades da Índia, Europa e América.
Curso obrigatório de toda a existência, Deus, de acordo com o pensamento de Sri Aurobindo, está presente no campo e no mental e supramental dimensões. A verdade que é capas de toda verdade particular e é expressa de modo especial através da inteligência humana e tendendo a se manifestar mais claramente e mais plenamente por esta inteligência em constante evolução (uma das funções do Sri Aurobindo Asram é, precisamente, direta, guia esta evolução). Que a verdade já está contida em antigos textos indianos ou qualquer outra cultura. Sri Aurobindo encontra-se especialmente em Heraclitus, nos Vedas, o visto e o Bhagavadgita.
A finalidade ideal da vida do homem será para o desempenho pleno e altruísta da condição humana, apropriado para veicular e manifesta da divindade. De acordo com Sri Aurobindo, não há nenhuma doutrina religiosa ou filosófica universal aquele homem para escravizar. Yoga, adaptação e desenvolvimento integral, adapta-se a cada natureza, levando-a para a realização, para ser testemunha para a emergência em sua própria divindade, baseada no conhecimento interior.
O pensamento de Sri Aurobindo é tanto uma doutrina espiritual e um sistema filosófico e um yoga: uma síntese que integra a tradição védica especulativa com a influência da filosofia ocidental. Núcleo de sua reflexão são dois dos princípios do visto: "tudo é Brahma" e "um tem nenhum segundo", que, de acordo com a interpretação de Sri Aurobindo, mescla com outra corrente de Vedic pensado dizer: "um tem nenhum segundo, porque na realidade tudo é Brahma", unidade, portanto não é negação da multiplicidade, mas está em constante evolução. Para o conhecimento da realidade divina está indo para o programa de yoga integral, que procura encontrar a que divindade em si mesmo, com o conhecimento como via.
As obras de Sri Aurobindo incluem Base de Yoga (fundamentos de Yoga), 1936; La mère (A mãe), 1938; Yogas de la Synthese des (A síntese dos yogas), 1939; a vida divina. A filosofia de Sri Aurobindo (a vida divina, a filosofia de Sri Aurobindo), em três volumes, (1942), que é sua obra mais conhecida, síntese, de acordo com Romain Rolland, o mais completo entre a genialidade de Ásia e Europa; O ciclo humano (O ciclo humano), 1949; Evolução (Evolução), 5ª edição, em 1950; Ideal de Karmayogin (Ideal do Karma Yoga), 7ª edição em 1950; Luzes na vida-problemas (Luzes nos problemas da vida), 1950; A Fundação de cultura indiana (Fundação de cultura indiana), 1954; Sobre o Veda (Sobre os Vedas), 1956; Pensamentos e aforismos (Pensamentos e aforismos), 1958; Ensaios r.. Gita (Ensaios sobre o Bhagavadgita), 1959 e A futura evolução do homem (o futuro do homem), publicada em Londres em 1963.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades