Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

Biografia: Mario Benedetti | Escritor uruguaio, era um líder poeta, romancista, dramaturgo, contista e crítico.

(Passagem de touros, 1920 - Montevidéu, 2009) Escritor uruguaio. Mario Benedetti era um líder poeta, romancista, dramaturgo, contista e crítico, e, juntamente com Juan Carlos Onetti, o mais relevante figura da literatura uruguaia da segunda metade do século XX e um dos grandes nomes do Boom da literatura latino-americana. Cultivador de todos os gêneros, seu trabalho é tão prolífico como popular; seus romances como trégua- (1960) e Obrigado para o fogo (1965) foram adaptadas para a telona e diferentes cantores ajudou a espalhar a sua poesia musicando seus versos.

Mario Benedetti
Mario Benedetti trabalhou em vários comércios antes de 1945, ano em que iniciou a sua actividade de jornalista na manhã, El Diario, Tribuna Popular e o semanal março, entre outros. Na obra de Mario Benedetti pode diferir pelo menos dois períodos marcados por suas circunstâncias vitais, bem como as mudanças políticas e sociais do Uruguai e o resto da América Latina. Na primeira, Benedetti desenvolveu uma literatura realista de escassa experimentação formal, sobre o assunto da burocracia pública, ao qual ele pertencia, e do espírito de boêmios que anima-lo.
O grande sucesso de sua poética e narrativa, livros de versos de poemas de escritório (1956) de contos sobre a vida de serviço civil de Montevidéu (1959), foi devido ao reconhecimento dos leitores no retrato social e crítica, em grande parte da ética na natureza, o escritor convidado. Esta atitude resultou em um ensaio de ácido e controverso: o país da cauda da palha (1960) e sua consolidação literária em dois romances importantes: trégua (1960), amando a história do fim trágico entre dois balconistas e Obrigado para o fogo (1965), que é uma crítica da sociedade nacional mais ampla, com a denúncia de corrupção do jornalismo como aparato de poder.
No segundo período deste autor, suas obras ecoam que a angústia e a esperança de amplos setores sociais encontram que socialista saídas para uma América Latina subjugada pela repressão militar. Há mais de dez anos, Mario Benedetti viveu em Cuba, Peru e Espanha, como resultado desta repressão. Sua literatura tornou-se formalmente a mais ousada. Ele escreveu um romance em verso, o aniversário de John anjo (1971), bem como contos fantásticos de morte e outras surpresas (1968). Ele abordou a questão do exílio no romance primavera com um canto quebrado (1982) e baseou-se na sua infância e juventude para o romance autobiográfico a borra de café (1993).
Em sua poesia foram também reflete as circunstâncias políticas e existenciais do exílio uruguaio e voltar para casa: a casa e o tijolo (1977), ventos do exílio (1982), geografias (1984) e a solidão de Babel (1991). No teatro, Mario Benedetti denunciaram a instituição da tortura com o Pedro e o Capitão (1979) e no julgamento disse que vários aspectos da literatura contemporânea em livros como uma crítica cúmplice (1988). Reflectiu sobre questões políticas e culturais em o desexílio e outros palpites (1984), trabalho que pega seu trabalho jornalístico em Madrid.
Também nesses anos, colecionou seus inúmeros contos, reorganizando-os, na coleção histórias completas (1986), que pode ser expandida em 1994. Ao lado a solidez de sua estrutura literária, você deve se destacar como característica essencial de Benedetti representa a presença de um elemento impalpável, não formulado explicitamente, mas que adquire o caráter de uma poderosa irradiação de ondas telúricas que atravessa os protagonistas de suas histórias, para serem transmitidos por si (quase sem a intervenção do autor em seus textos (, indiscutivelmente) diretamente para o leitor. A predileção por este gênero e a expertise que mostrou no diz respeito ao Mario Benedetti, com os grandes autores do Boom da literatura latino-americana, em especial com os mestres do conto: Borges e Julio Cortázar.
Em 1997 publicou o romance andaimes, sinal marcadamente autobiográfico, que realiza as impressões que um escritor uruguaio sente quando, depois de muitos anos de exílio, retorna ao seu país. Em 1998 retornou à poesia com a vida, os parêntesese em maio do ano seguinte, ganhou a 8º poesia Reina Sofía Ibero-americana. Em 1999, publicou a um sétimo dos seus livros de histórias, caixa de correio do tempo, composto de trinta textos. Nesse mesmo ano viu a luz de seu canto de haikus, claro exemplo de sua maestria deste género poético japonês de sinal minimalista, após o contato com ele há anos graças a Cortázar.
Em março de 2001 recebeu o Prêmio Ibero-americano José Martí em reconhecimento de toda a sua obra; Nesse mesmo ano publicou o mundo quando respiro (poemas) e dois anos mais tarde apresentou um novo livro de contos: o futuro do meu passado (2003). No ano seguinte ele publicou memória e esperança, uma coleção de poemas, reflexões e fotografias que resumem as reflexões do autor sobre a juventude. Também em 2004 foi publicado o livro de poemas de autodefesa na Argentina.
Nesse mesmo ano foi investido doutor "honoris causa", pela Universidade da República do Uruguai; durante a inauguração cerimônia recebeu uma homenagem de calurosisimo dos seus compatriotas. Em 2005 recebeu o Prêmio Internacional Menéndez Pelayo. Seus últimos trabalhos foram as coleções de poemas canções das quais não canta (2006) e testemunha de um auto do (a) (2008), o ensaio vivendo propositadamente (2007) e o teatro viagem de saída (2008).
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades