PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia: Dionísio de Halicarnasso | Historiador grego.

ADS

(Halicarnasso, c. 60 A.C.-Roma?, c. 7 A.C.) Historiador grego. A pouca informação que temos sobre a vida deste autor são de si mesma. Filho de um certo Alexandre, veio a Roma no ano 30 BC., após a vitória final de Octavio Augusto de Marco Antonio e permaneceu lá por vinte e dois anos, pelo menos, durante o qual ele aprendeu latim e adquiriu um conhecimento das antiguidades romanas que lhe permitiu a compor vinte livros de Arqueologia Roman , obra histórica, publicados entre os anos 8 e 7 A.C..

Dionísio de Halicarnasso
Durante sua estada em Roma, ele também atuou como professor de retórica; No entanto, não parece ter tido uma escola pública, mas somente particulares estudantes, alguns dos quais dedicados a uma parte de suas obras de retórica. Ainda independentemente que não chegaram até nós, não é possível definir sua data; Enfim, sobre sua sucessão desta forma podem ser organizadas: a primeira carta a Ammeo; Nos alto-falantes antigos (também dedicado para o desconhecido Ammeo); Na colocação das palavras, para o discípulo Rufus Metilius; Sobre o estilo de Demóstenes; Sobre a imitação (trabalho quase completamente perdido); Carta de Cneu Pompeu geminadas (gramático possivelmente eu libertei de Pompeyo Magno); Sobre Dinarco; Em Tucídides, dedicado ao jurista Elio Tuberón e a segunda carta a Ammeo.
Em tais textos manifestaram-se partidário do aticismo, que na época de Octavio Augusto já não encontrou seus maiores representantes em latinas alto-falantes, mas em retóricos gregos como Apolodoro de Pérgamo (mestre do mesmo Augusto) e Cecilio de Calates, amigo de Dionísio. Dionísio de Halicarnaso defendeu Lysias e segurou o utilitário baixo de Tucídides e Platão no que se refere o orador futuro; sua largura mental é maior que o dos aticistas restantes gregos e romanos, como afirma-que, como Cícero, julgamento de Demosthenes como a Cimeira da eloqüência. Também é revelado que o estudioso Plácido "fácies" pela escolha do tema de sua obra histórica Arqueologia Roman. As notícias sobre a sua atividade (excepto no que se refere à composição de um compêndio de arqueologia) deixam de 7 a. c. e esta deve ser a junção também o conhecimento do seu pobre estado de saúde, presume-se que ele ia para morrer, não muito tempo depois deste ano.
Dionísio de Halicarnaso queria oferecer uma narração completa e elaborada retoricamente para explicar a nobreza grega das origens romanas para alguém não ler os trabalhos dos analistas, porque eles foram escritos em latim ou porque eles eram muito brutos. Após vinte e dois anos de trabalho, publicado 7 c. a. sua Arqueologia romana, que em vinte livros recontou a história de Roma desde suas origens até a 264 A.C., ou seja, até o início da primeira Guerra Púnica, que começou a história de Políbio. Deste grande trabalho chegaram até nós os primeiro onze livros (cuja narração varia 443 a.c.) e trechos bizantinos do resto.
O conceito fundamental de Dionísio é que os romanos, em vez de ser um hatajo de bárbaros, não eram nada mais do que os gregos, e essa fonte veio a roupa do personagem e as suas instituições. O primeiro livro destina-se inteiramente para a pré-história de Roma e contém o seu tesouro de citações acadêmicas; Mas também o resto da história, muitas vezes pára na análise de problemas constitucional e etnográficos, às vezes citando preciosos documentos que revelam o interesse do autor animada, apesar de não acompanham um senso crítico muito mesmo.
Com efeito, para além do conceito mencionado sobre a origem dos romanos, Dionisio parece equivocada por um pragmatismo que não suporta as lacunas ou incertezas na reconstrução histórica; Você quer saber tudo e explicar as causas de tudo. Por causa disso e de ter material suficiente para tecer uma narração ampla e contínua, busca suas fontes entre o analista mais recente sem levar em conta a pouca credibilidade que merece correção apenas certas contradições ou erros cronológicos tornar causalidade inteligível e digressões eruditas explicando as instituições romanas.
Para dar sua narração o aspecto vivo da história documentada, ele também inserido em todos os lugares prolixo discursos e disputas à maneira das escolas de retórica, sem qualquer compreensão da conveniência de arte a realidade histórica, por exemplo, fingir que deixou Romulo que romanos decidir a Constituição que era necessário adoptar, ou que Tulio Hostilla discutido para esgotar o assunto, com Mencio Fulgencio que Roma tinha direito de Alba para governar a Lazio, ou que Servius Tullius disse em um discurso do Senado que Tarquino o Soberbio pediu-lhe o trono. Toda essa retórica limita e às vezes faz esquecer os não poucos méritos de Dionisio.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS