domingo, julho 05, 2015

Biografia: Diego Armando Maradona | Jogador de futebol argentino, um dos maiores da história.

ADS

(Buenos Aires, 1961) Jogador de futebol argentino, um dos maiores da história, muitas vezes comparado com o lendário Pelé. Apesar de sua habilidade com a bola e sua técnica apurada corresponde o brasileiro, a trajetória de Maradona foi muito mais irregular: seu caráter difícil, problemas de saúde e toxicodependência se parte de sua carreira, mas isso não impediu que seu gênio brilha em numerosas ocasiões. Depois de vencer em 1979 o Campeonato do mundo com a seleção de seu país e triunfo, dois anos mais tarde na Boca Juniors do Argentina, começou uma turnê européia que o levou para o F.C. Barcelona (1982-84), Napoli (1984-91) e Sevilha (1992-93). Voltar para a Argentina, ele jogou na Boca Juniors do Argentina e Newell Old Boys antes de se aposentar em 1997. Com a equipe nacional da argentina participou quatro mundial e conquistou o título mundial no México (1986), onde teve um desempenho maravilhoso e inesquecível.

Diego Armando Maradona
O jogador mais popular da Argentina nasceu, como registrado no Registro Civil, em 30 de outubro de 1961 em Lanús, embora todos identificação-lo como o buço de Villa Fiorito, onde ele passou sua infância e onde ele atingiu a fama. Na idade nove iniciou seu romance com o futebol, quando ele atuou em um equipamento conhecido como as cebolas. Don Diego, seu pai, correu uma pipoca na vizinhança e correu a equipe do estrela vermelha, que Diego filho concordou em ser adolescente e apesar de seus companheiros mais velhos. Estudou no colégio comercial Avellaneda, mas não completou o primeiro ano do secundário, porque ele passou suas horas fazendo (quase malabarismos) jogos com a bola.
Assinado por Argentinos Juniors, ele fez sua estréia na primeira divisão em 1976, dez dias antes da idade de dezesseis anos. Ele continuou jogando no Argentinos Juniors, até 1980, e embora sua equipe não obteve qualquer campeonato, Maradona foi o melhor marcador dos torneios argentinos em 1978, 1979 e 1980. Em 1979, ele se juntou a equipe juvenil que venceu o Campeonato Mundial. Em 1981 que juntou Boca Juniors (River Plate também tentou contratá-lo), equipe com a qual saiu campeão no mesmo ano.

A aventura europeia

Já por então os clubes do continente foram o destino natural das grandes promessas do futebol americano, e Maradona foi o mais proeminente. Contratado em 1982 pelo futebol clube Barcelona de 1200 milhões de pesetas (7,2 milhões de euros, uma figura astronômica na época), com a Taça da liga, Copa del Rey com os catalães (ambos em 1983) e a Supercopa da Espanha (1984), mas uma hepatite e uma grave lesão prejudicado seu desempenho. Novamente por um montante astronômico passou em 1984 para Nápoles, que ganhou a liga em 1987 e 1990, o 1989 Taça UEFA e a SuperTaça de Itália em 1991.

Com t-shirt F. C. Barcelona
Durante seu estágio italiano casou-se com Claudia Villafañe, que teria duas filhas, Dalma e Giannina. Maradona permaneceu em Nápoles até 1991, ano em que um controlo anti-doping detectado consumo de cocaína, então foi suspenso por quinze meses. Pouco tempo depois ele foi preso em Buenos Aires em uma batida policial. Foi lançado em 28 de abril de 1992 e foi confrontado com uma acusação de abastecimento e posse de drogas.
Sua carreira internacional terminou tumultuosamente a Sevilha, com uma equipe que não tiver concluído a temporada 1992-1993. Quando retornou à Argentina depois de sua experiência européia, ele atuou em Old Boys Rosario Newell do clube (1993-1994) e após cumprir a suspensão imposta em 1994 pela autoridade internacional de futebol (FIFA), voltou a vestir a camisa do Boca Juniors em 1995, em uma temporada irregular em termos de seu desempenho. Em outubro de 1997, anunciou sua retirada definitiva depois, mais uma vez, dar positivo em um controle de dopagem.

A mão de Deus e o objetivo do século

Com a equipe nacional da argentina, Maradona já a tinha usado sua magia na combinação que ganhou o Campeonato Mundial no Japão (1979). Na categoria absoluta, Maradona fazia parte das equipes nacionais que participou de quatro campeonatos do mundo: Espanha (1982), México (1986), Itália (1990) e Estados Unidos (1994). Ele ganhou o Campeonato do mundo no México (1986) e o vice-campeão na Itália (1990). Nos Estados Unidos (1994) o mundo só veio a jogar duas partidas; Após a segunda, positivo em um doping controlar e foi suspenso.

Maradona beijando a Taça do mundo (México, 1986)
Onde sua figura brilhou mais intensamente, sem dúvida, foi na Copa do mundo de México, quando sua capacidade de arrastar toda a defesa da equipe adversária com impressionante facilidade para o drible e projeção esquerdos atordoados milhões de fãs que acompanharam o campeonato pela televisão. Particularmente memorável foi o seu desempenho nas quartas-de-final: quatro anos após a guerra das Malvinas, Argentina e inglês se enfrentaram em uma partida de rivalidade máxima, que terminou com a vitória do apontou 2-1, com dois gols de Maradona.
O primeiro que deveria ter sido negado (Maradona marcado com seu punho uma bola correndo contra o goleiro britânico), mas não por esta razão é menos famosa: perguntado mais tarde se ele tinha marcado os dois à mão, Maradona respondeu que ele tinha sido "a mão de Deus", e esse nome ficou na história. O segundo, chamado precisamente o objetivo do século, foi um dos seu brilhantismo dificilmente superável: começando seu próprio campo, Maradona dribló, um após o outro para cinco jogadores ingleses e o goleiro e marcou uma forma de pé.

O objetivo do século (Argentina - Inglaterra, México, 1986)
Profissionalmente, após sua aposentadoria, ele serviu como treinador, gerente de Boca Juniors, um comentarista esportivo e apresentador de TV. Apesar dos inúmeros escândalos e controvérsias que estrelou durante e após a sua carreira, Maradona continuou sendo idolatrado em seu país. O fiapo sabia como excitar os amantes do futebol e ganhou um lugar na história do esporte. A canção composta por Fito Páez (dar alegria ao meu coração) e tango Mágico Diego, Enrique Bugatti, são alguns dos tributos que têm dedicado seus compatriotas.
Em 2008 foi nomeado treinador do time de futebol argentino, e sua gestão, como esperado, foi controverso: apesar de ter os gostos de Leo Messi, quem reconheceu como seu sucessor, a albiceleste combinado não era de quartas de final na Copa do mundo da África do Sul 2010.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

Conteúdo recomendado