PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Mario Vargas Llosa | Escritor peruano, uma das figuras-chave do «boom» da literatura latino-americana da década de 1960.

ADS

(Arequipa, Peru, 1936) Escritor peruano. Com a publicação do romance, a cidade e os cachorros (1963), Mario Vargas Llosa foi consagrada como uma das figuras-chave do «boom» da literatura latino-americana da década de 1960. Como outros membros do mesmo grupo, o trabalho dele quebrou com pistas de narrativa tradicionais para levar as inovações de ficção estrangeira (William Faulkner, James Joyce) e adotar técnicas como monólogo interior, a pluralidade de pontos de vista ou fragmentação cronológica, geralmente no serviço de um realismo cru.

Mario Vargas Llosa
Por outro lado, deverão também as importantes contribuições crítico romancista peruano e reflexões profundas sobre o ofício da escrita, como a teoria dos "demônios interiores", que tenta explicar a escrita como um ato de expulsão, pelo criador, os elementos da consciência capaz de incubar a perturbação que só pelo fato da escrita pode exorcizar. A atribuição do Prêmio Nobel de literatura em 2010 coroou uma carreira exemplar.

Biografia

Mario Vargas Llosa passou a infância entre Cochabamba (Bolívia) e as cidades peruanas de Piura e Lima. Divórcio e subsequente reconciliação dos pais resultaram em mudanças freqüentes de residência e de colégio; entre quatorze e dezesseis anos de idade foi internos na Academia Leoncio Prado escola militar, cena de seu romance a cidade e os cães. Aos dezesseis anos começaram sua carreira literária e jornalística, com a estréia do drama o vôo do Inca (1952), parte do pouco sucesso.
Pouco tempo depois ele se juntou a Universidade de San Marcos, em Lima, onde estudou literatura. Ele trabalhou vários empregos para viver sem abandonar seus estudos: do editor de notícias em uma estação de rádio até escrivão no cemitério geral de Lima. Em 1955, o escândalo que levou a casar clandestinamente com sua política tia Julia Urquidi (episódio que inspirou o romance tia Julia e o roteirista) ainda mais agravada a sua situação e teve que recorrer a alguns amigos para aliviar a sua situação doméstica.
No peruano capital fundada cadernos de composição (1956-1957), juntamente com Luis Loayza e Abelardo Oquendo, e então a revista de literatura (1958-1959), erigindo é essas publicações como porta-estandarte para um grupo que reagiu contra a narrativa social e documentarista no momento. No final da década de 1950 ele finalmente poderia viajar e resolver na Europa, onde começou a trabalhar na rádio de televisão francesa e foi professor do Queen Mary College, em Londres.

Mario Vargas Llosa
Ele publicou seu primeiro trabalho, os chefes (1959), com vinte e três anos apenas, e com o romance a cidade e os cachorros (1963) já ganhei um prestígio entre os escritores que então nasceu o iminente «boom» literário Ibero-americano. Vargas Llosa acabaria aparecendo entre os autores deste fenômeno editorial, e o mexicano Carlos Fuentes ou o argentino Julio Cortázar foi por causa da sua relevância em primeira linha, juntamente com escritores do porte do colombiano Gabriel García Márquez,.
O sucesso desta novela e a unção era sua carreira literária que lhe permitida deixar para trás uma fase da precariedade e boêmio. No velho continente, Vargas Llosa estabeleceu sua residência primeiro em Paris e, depois, em Londres (1967), onde ele se mudou para Washington e Porto Rico.
A obra de Mario Vargas Llosa como crítico literário é reflectida em testes como García Márquez: história de um Deicide (1971) e a orgia perpétua: Flaubert e Madame Bovary (1975). Em 1976, com José María Gutiérrez, ele co-dirigiu a versão cinematográfica de seu romance Pantaleón y las visitadoras. Em 1977 foi nomeado membro da Academia Peruana de la Lengua e Professor Simón Bolívar em Cambridge.
Na arena política, suas idéias ao longo dos anos sofreram profundas mutações. A rejeição visceral qualquer ditadura e a abordagem à democracia cristã caracterizam sua juventude; na década de 1960 juntou-se a um progressivo afastamento do comunismo e a ruptura final com o governo de Fidel Castro (1971), a revolução cubana como resultado o chamado caso Padilla de apoio explícito.

Vargas Llosa na campanha presidencial de 1990
Ao longo do tempo acabaria por se tornar um forte defensor do liberalismo, embora sem renunciar o progresso social feita pelo progressismo e na década de 1980 passou a participar ativamente na política de seu país. Promotor do partido frente democrática, cujo programa combinado neoliberalismo com os interesses da oligarquia tradicional peruano, Mario Vargas Llosa apresentou-se como cabeça de lista nas eleições de 1990, em que ele foi derrotado por Alberto Fujimori peruanas.
Ele então decidiu mudar para a Europa e dedicar-se inteiramente à literatura; Ele publicou artigos de opinião em jornais como El País, La Nation, Le Monde, arquivando, The New York Times e o nacional. Em 1993, obteve a nacionalidade espanhola, e um ano depois foi nomeado membro da Real Academia Espanhola. Mario Vargas Llosa foi distinguido, entre muitos outros prêmios, o Prêmio Príncipe de Asturias de las Letras (1986), Cervantes (1994) e prêmio Nobel de literatura (2010). Prêmio universal veio em reconhecimento "sua cartografia das estruturas de poder e suas imagens mordazes da resistência, revolta e derrota individual".

A obra de Mario Vargas Llosa

Formado no quadro gerativo de cinquenta (seu primeiro livro é 1959: coleção de histórias intitulada as cabeças), Mario Vargas Llosa é um dos romancistas latino-americana de maior fama no mundo inteiro e talvez o maior número de romances de alta qualidade que tem escrito. Como narrador, Vargas Llosa amadureceu precocemente: a cidade e os cachorros (1963) é o primeiro romance peruano totalmente "moderno" em recursos expressivos. A casa verde (1966), os filhotes (1967) e conversa na Catedral (1969) como um dos protagonistas do «boom» do romance americano dos anos 1960 e mais caracteristicamente grupo neorrealista, ungido com um virtuosismo técnico enorme influência internacional.
Seus romances posteriores, exceto o mais ambicioso de todos, no fim da guerra mundial (1981, agudo retrato da heterogeneidade sociocultural latino-americana), abandonado os projeto estilo "total romances" até então tão obcecado e optou por reprocessamento (irônico ou transgressora) de formas ou gêneros subliterarios ou tomadas, criando muitas vezes uma reflexão sobre os limites da realidade e ficção que recria os aspectos da literatura de fantasia e o experimentalismo narrativo sem cair no-los completamente: a farsa, Pantaleón y las visitadoras (1973); melodrama, tia Julia e o roteirista (1977); a preempção politica-ficção, em História de Mayta (1984); a história de crime e mistério, quem matou Palomino Molero? (1986) e morte nos Andes (1993); a narrativa erótica, no elogio da madrasta (1988) e os cadernos de don Rigoberto (1997); e política, a festa do bode (2000).

Obra narrativa

Não há dúvida que a narrativa toma o lugar central de sua produção abundante. Sua magistral habilidade técnica, a sua capacidade de fazer cada um de um mundo sólido capaz de sustentar a mesmo e dando uma autonomia total para a obra narrativa é suas virtudes de núcleo. Em todos os livros dele, incluindo pessoas como Pantaleón y las visitadoras ou tia Julia e o roteirista poderia ser considerado menor, forma ganha o maior grau de importância.
Sua produção narrativa começou em 1959 com contos de cabeças e alcançou ressonância internacional com o romance a cidade e os cachorros (1963, biblioteca breve de prêmio de 1962), reflexão e denúncia da organização paramilitar do Leoncio Prado, onde o autor fez seus estudos secundários. O ambiente fechado e opressivo da escola militar de Lima parece resumir toda a violência e corrupção do mundo hoje; os "cães" do título são alunos do primeiros ano, submetidos ao trote cruéis por mais velhos.
Deixando de lado seus problemas sociais e a ética, romance mostra uma maturidade surpreendente pelo contorno ambíguo e shiftable dos personagens, a descrição precisa dos ambientes urbanos, sua trama sinuosa e hábil tratamento do tempo narrativo. Longe de atenuantes, o experimentalismo e sobreposição de tempos, personagens e ações se intensificou seu realismo brutal e chocante e o retrato de uma violência explícita ou subjacente.

Mario Vargas Llosa
Sua consolidação literária veio com Casa verde (1966), exibir verdadeiro virtuoso literário cuja prosa integra abundantes elementos experimentais, tais como a mistura de diálogo e descrição e a combinação de ações e tempos diferentes. A história, que ocorre principalmente em um bordel, apresenta várias histórias paralelas com uma montagem de extremamente complexa, justaposição de planos de tempo e mudanças no ponto de vista.
Esses recursos também são usados em parte os filhotes (1967), cujo assunto, um internato, refere-se em sua fase inicial, com o tema da cidade e os cães; e em conversa na Catedral (1969), amplo político retábulo do Peru (com sugestões de difamação contra o regime do ditador peruano Manuel Odría) feito através de diálogos mantidos entre uma jornalista e o guarda-costas preto de um ditador. Tais diálogos ocorrem na "Catedral", nome do bar modesto de Lima em que compartilhou suas vidas sem sucesso.
Nas duas seguintes novelas, Vargas Llosa parecia dar as grandes questões para abordar de uma forma mais lúdica, em busca de novas possibilidades para a sua narrativa. Pantaleón y las visitadoras (1973), é uma sátira humorística da burocracia militar que adiciona à sua visão sempre lúcida do poder um brutal, grotesco, emparentable com o componente hispânico grotesco. Tia Julia e o roteirista (1977), talvez influenciado pelas histórias do argentino Manuel Puig, desenvolve-se em contraponto as experiências emocionais e o mundo do rádio de série.
A guerra do fim do mundo (1981), por outro lado, pretende ser um trabalho de "total" novamente. Nela, ele abordou os problemas sociais e religiosos da América Latina, através da história de uma revolta de fundo messiânico; o trabalho é inspirado por um clássico do brasileiro do jornalismo do século, o promotor Os sertões de Euclides livro Cunha, que recria e prepara o enredo fictício.
Ofício do escritor e trabalhador incansável, que ganhou inúmeros prêmios ao longo de sua carreira, sua prosa foi adquirindo em seus romances posteriores, um tom jornalístico, ou médio que talvez assumir certa descender de obras anteriores, mas que aumentou sua audiência entre o público leitor.
Nesse sentido incluem História de Mayta (1984), inquérito sobre um antigo companheiro de colégio, que, em 1958, ele estrelou em uma revolta em uma cidade andina; ¿Quién mató um Palomino Molero? (1986), que é em si um processo narrativo sob o pretexto de uma investigação policial. e o contador de histórias (1987), cerca de um metro de histórias entre tribos primitivas da América Latina. Este mais recente trabalho revelou seu fascínio pela tradição oral da floresta, uma região que sempre motivou sua imaginação literária; tal comunhão com raízes indígenas em um escritor tipicamente cosmopolita é impressionante.
Sua novela morte nos Andes (1993) ganhou o prêmio do Planeta; um ano mais tarde ele coletou suas colaborações jornalísticas em desafios à liberdade (1994). Em 1997, apareceu seu erótico romance os cadernos de don Rigoberto, em consonância com o seu anterior elogio da madrasta (1988). Na tradição do romance de ditadores, Vargas Llosa publicou também um trabalho ambicioso e total, a festa do bode (2000), no qual reconstrói com absoluta maestria a ditadura de Rafael Leónidas Trujillo na República Dominicana. Seis anos mais tarde deu a impressão-casa travessuras da menina má (2006), uma história entre o cômico e o trágico no amor mostrado, dono de mil faces. Herói discreto (2013) é o seu mais recente romance por agora.

Ensaio e teatro

Além de sua obra narrativa, Vargas Llosa tem desenvolvido um trabalho de crítico sustentado e é o autor do originais e em profundidade estudos sobre várias questões literárias e autores. Entre eles estão García Márquez: história de um Deicide (1971), dedicado a uma interpretação singular da obra de Gabriel García Márquez; a orgia perpétua: Flaubert e Madame Bovare (1975); A verdade da mentiras (1990), uma coleção de ensaios sobre escritores contemporâneos de vinte e cinco; Utopia arcaica: José María Arguedas e as ficções do Indigenismo (1996), onde ele examina a vida e obra de José María Arguedas; Cartas para uma romancista(1997), uma espécie de Propedêutica da novela, direcionado especialmente para jovens escritores e a viagem à ficção. O mundo de Juan Carlos Onetti (2008), onde ele analisa em profundidade a vida e obra do escritor uruguaio.
Sua incursão no teatro, embora menos bem sucedido, tem sido frequente: a senhorita de Tacna (1981), Kathie e o hipopótamo (1983), La chunga (1986), o louco de varandas (1993), de olhos lindos, imagens de feias (1996), Ulisses e Penélope (2007) e no sopé do Tamisa (2008) são peças dramáticas, publicadas até hoje e que explore, de preferência, destinos individuais. Os três volumes contra vento e maré (1983-1990) inclui uma seleção de suas crônicas, artigos e outros trabalhos jornalísticos. Em 1993, apareceu o peixe na água, memórias que traça uma história dupla: as aventuras de sua campanha presidencial em 1990 e uma contagem desde a infância até o momento em que decide ir para a Europa a se dedicar à escrita.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS