segunda-feira, julho 06, 2015

Biografia de Gabriela Mistral | Poeta e educador chileno. Após o declínio do modernismo.

ADS

(Pseudônimo literário de Lucila Godoy Alcayaga; Vicuña, Chile, 1889 - Nova Iorque, 1957) poeta e educador chileno. Após o declínio do modernismo, a parte da poesia hispano-americana dos anos entre-guerras seguiu os passos das vanguardas europeias: somente citando exemplos chilenos, este seria o caso de Vicente Huidobro, fundador do criacionismo, ou Pablo Neruda, devedor do surrealismo em residência na terra.

Gabriela Mistral
Outros poetas, por outro lado, escolheu se afastar do modernismo no sentido de uma poesia mais simples e humana. Gabriela Mistral é a figura de capital desta última tendência: após alguns cedo ainda marcada pelo modernismo, desenvolveu uma expressividade própria com base em um estilo elementar de imagens intensas, que retirou sua intimidade dolorosa e um coração transbordando de amor, despejar (após o amor trágico de desolação) em crianças, os indigentes ou sua própria terra, em tons muito religiosas. Sua vida mudou-se sem pausa entre literatura, ensino e atividade diplomática de carreira que fez inúmeras viagens e passou várias temporadas nas cidades de europeus, norte-americanos e latino-americano, em que a maioria de suas obras publicada.
Biografia
Filha de um professor, com dezesseis anos, decidida-se envolver na educação; Ele trabalhou como um professor de ensino médio em seu país e como diretor da escola. Como poeta, Gabriela Mistral foi revelada nos Jogos florais do Chile em 1914 com os sonetos da morte, nascida da dor causada pelo suicídio do noivo dela, o trabalhador ferroviário Romelio Ureta, a quem ele conheceu em 1906. Assinado, já com o pseudônimo de Gabriela Mistral (formado a partir de dois autores admirados, o italiano Gabriele d'Annunzio e o Provençal poeta Frédéric Mistral), estes três sonetos foram incorporados em 1922 para uma coleção de seus poemas publicados pelo Instituto Latino-americano em Nova York, sob o título de desolação.
Naquele mesmo ano Chile esquerdo para mudar para o México, a pedido do governo deste país, a fim de colaborar na reforma do ensino iniciada por José Vasconcelos. No México, Gabriela Mistral fundou a escola que leva seu nome e colaborou na organização de várias bibliotecas públicas, bem como compor poemas para crianças (rodadas de crianças, 1923), em nome do Ministro da instrução pública mexicana e prepara textos didáticos como leituras para as mulheres (1924).

Gabriela Mistral
Após a sua estadia no México, ele viajou para a Europa e Estados Unidos e em 1926 foi nomeado secretário do Instituto de intelectual de cooperação da sociedade das Nações. Ao mesmo tempo, foi editor de uma revista de Bogotá, El Tiempo (seus artigos foram coletados postumamente em mensagens: Chile a dizer, em 1957). Ele representou o Chile em um congresso universitário em Madrid e deu uma série de palestras sobre desenvolvimento cultural americano (1930) nos Estados Unidos.
Em 1945 Gabriela Mistral foi premiado com o Nobel de literatura (o primeiro prêmio era um escritor em língua espanhola) e em 1951 o Prêmio Nacional de literatura do Chile. Ele continuou sua carreira diplomática e com ela suas viagens até sua morte, em Nova York, em 1957. Pelo próprio desejo Mistral, seus restos mortais foram transferidos para o Chile e foi enterrado em Montegrande: deixou após si algumas inéditas obras, para publicação póstuma.
A poesia de Gabriela Mistral
Tendência modernista em sua infância, sua poesia levada em direção a um estilo pessoal, com uma linguagem simples e coloquial de grande musicalidade e uma simbologia que se conecta com o imaginário da tradição popular. Em suas obras ele disse que questões como a maternidade frustrada ou sofrimento, bem como religioso e social refere-se a responder a sua ideologia socialista e cristã. Poeta de genuíno e cativante, não muito abundante produção do acento parte é dedicada às crianças (foi professor rural por quinze anos), e talvez este é o aspecto mais conhecido e comemorou o seu trabalho. No entanto, sua verdadeira personalidade é revelada, sincero, poderoso e comovente, em versos, através do qual circula uma intimidade dolorosa e uma ternura em busca de seus próprios canais de manifestação.
O trabalho de Gabriela Mistral passou por várias fases; no primeiro, com a publicação da desolação (México, 1922), há um forte predomínio do sentimento sobre o pensamento, bem como uma muito estreita proximidade com o religioso. Os tópicos que aparecem neste livro, sob uma alegação profunda para retornar aos valores de uma espiritualidade transcendente, giram em torno de frustração de amor, a tristeza pela perda, morte, infidelidade, amor maternal e filial, tudo embrulhado no adulto reflexo do poeta, que viveu o suicídio de sua amada como uma perda irreparável.

Gabriela Mistral
Apesar do lastro modernista, pode ser visto já na primeira coleção de poemas as manifestações de uma linguagem mais simples, particularmente patente em canções de ninar que contém sua última seção. Também em México publicou as leituras para as mulheres (1923), uma seleção de poemas de vários autores, destinados ao uso da escola para quais incorporados textos próprios, alguns já incluído na desolação e prosa.
As composições "crianças" são o núcleo do seu segundo livro, ternura (1924), que adverte a pureza expressiva de que letra humana e simples que coexistiram com a vanguarda, após a liquidação do modernismo; uma letra geralmente inspirado pela natureza e que de fato também foi abordada por alguns escritores de vanguarda, essa experimentação frequentemente reconciliada com seu interesse pela poesia popular. Dedicado à sua mãe e irmã, é dividido em sete secções: canções de berço, rodadas, travessuras, Cuenta-Mundo, perto de escola, história e anexas. Para o leitor adulto, o jogo vem para expressar a perda da infância, que é retornada, em parte, através da linguagem.
Com Tala (1938), considerado um dos seus mais importantes trabalhos, Gabriela Mistral abriu uma linha de expressão neo-realista que afirma valores do indianismo, americanismo e de materiais e essências fundamentais do mundo. Em sessenta e quatro poemas deste livro é produzido uma evolução temática e formal que será final. Embora no início do livro o poema 'Noite dos velhos tecelões' apenas sugeri um tratamento fantástico renovado, a seção de histórias malucas já delineou um novo sotaque ser reforçadas no seguinte, materiais , e América, para alcançar a plenitude de sua expressão na seção intitulada Saudade, peças memoráveis onde, como "Tudo vai ser rainhas" em que o poeta recorda a infância com suas três irmãs e evoca seus respectivos sonhos, eternizados apesar da passagem do tempo através de uma linguagem ao mesmo tempo bem-humorado e mágica, também tingido por momentos de um verdadeiro tradicionalismo folclórico.
No Chile, apareceu sua próxima coleção de poemas, Lagar (1954), o último publicado em vida. Neste trabalho seria apresentar todas as mortes, a tristeza, a perda e o sentimento do seu próprio fim. Uma originalidade profunda coexiste com o fardo da tristeza e transcendência que já teve parte de seus primeiros escritos, culminando uma temática presidida por resignação cristã e o encontro com a natureza.
Postumamente apareceram poemas Poema do Chile (1967), uma visita a geografia, natureza e o povo de seu país e a primeira edição de seus poemas completas (1970), bem como de várias antologias de seus poemas e coleções de suas cartas e textos: razões para San Francisco (1965), série de poemas em prosa dedicadas aos pobres admirados de Assis e cartas de amor de Gabriela Mistral (1978).
Atento aos problemas de seu tempo, no gênero de "Recados" (um tipo muito pessoal e artigo de jornal feito, coletados em mensagens: Chile a dizer, 1957), Mistral analisados vários tópicos, tais como o status das mulheres na América Latina, a valorização do indianismo do povo americano, a necessidade de elevar a dignidade e a condição social das crianças no continente religião, o judaísmo e a maternidade. Ensaios educativos foram coletados no livro ensino e criança (1982).
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

Conteúdo recomendado