Pular para o conteúdo principal

Destaques da Bíblia: 1 Reis 3-6 | Escola do Ministério Teocrático: 29 de Junho

Destaques da leitura da Bíblia: Informações para o estudo pessoal

Ler e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org:

PESQUISA PARA DESTAQUES DA BÍBLIA DESTA SEMANA: 1 REIS 3-6


(1 REIS 3:1)

“E Salomão passou a formar uma aliança matrimonial com Faraó, o rei do Egito, e a tomar a filha de Faraó e a trazê-la à Cidade de Davi, até que acabou de construir a sua própria casa e a casa de Jeová, bem como a muralha de Jerusalém, em toda a volta.”

*** w11 15/12 p. 10 pars. 12-13 Ele serve de bom exemplo ou de alerta? ***
Ele fez “uma aliança matrimonial com Faraó, o rei do Egito, e [tomou] a filha de Faraó e a [trouxe] à Cidade de Davi”. (1 Reis 3:1) Será que essa mulher egípcia adotou a adoração verdadeira, como fez Rute? Nada indica que ela o tenha feito. Em vez disso, com o tempo Salomão construiu uma casa para ela (e talvez para as serviçais egípcias dela) fora da Cidade de Davi. Por quê? Segundo as Escrituras, ele fez isso porque não era apropriado que uma praticante da religião falsa morasse perto da arca do pacto. — 2 Crô. 8:11.
13 Salomão talvez tenha visto vantagens políticas em se casar com uma princesa egípcia, mas poderia justificar isso? Muito antes, Deus proibira o casamento com cananeus pagãos, até mesmo alistando alguns desses povos. (Êxo. 34:11-16) Será que Salomão raciocinou que o Egito não era uma dessas nações alistadas? Mesmo que pensasse assim, seria válido esse raciocínio? Na verdade, esse proceder não levou em conta o claro risco que Jeová havia mencionado — o de um israelita ser desviado da adoração verdadeira para a falsa. — Leia Deuteronômio 7:1-4.

(1 REIS 3:9)

“E tens de dar ao teu servo um coração obediente para julgar teu povo, para discernir entre o que é bom e o que é mau; pois, quem pode julgar este difícil povo teu?””

*** w07 15/6 p. 27 par. 6 Jeová preza muito a nossa obediência ***
6 O que nos ajuda a ser obedientes? É apropriado que cada um de nós peça a Deus “um coração obediente”, como fez o Rei Salomão. Ele pediu isso para poder “discernir entre o que é bom e o que é mau”, a fim de julgar o seu povo. (1 Reis 3:9) Temos de ter “um coração obediente” para discernirmos entre o bem e o mal num mundo dominado pelo espírito de desobediência. Deus nos provê a Bíblia e publicações relacionadas, reuniões cristãs e anciãos interessados no nosso bem-estar — tudo isso para que cultivemos “um coração obediente”. Estamos aproveitando bem essas amorosas provisões?

*** w98 15/7 pp. 29-31 É o seu um “coração obediente”? ***
É o seu um “coração obediente”?
QUANDO se tornou rei do antigo Israel, Salomão não se sentiu adequado para o cargo. Portanto, pediu sabedoria e conhecimento a Deus. (2 Crônicas 1:10) Ele também orou: “Tens de dar ao teu servo um coração obediente para julgar teu povo.” (1 Reis 3:9) Se tivesse um “coração obediente”, Salomão seguiria leis e princípios divinos, e receberia as bênçãos de Jeová.
Um coração obediente não é um fardo, mas uma fonte de alegria. O apóstolo João escreveu: “O amor de Deus significa o seguinte: que observemos os seus mandamentos; contudo, os seus mandamentos não são pesados.” (1 João 5:3) Sem dúvida, devemos obedecer a Deus. Afinal, Jeová é o nosso Grandioso Criador. A ele pertencem a Terra e tudo o que há nela, incluindo toda a prata e todo o ouro. De modo que, na verdade, não podemos dar nada a Deus em sentido material, embora ele permita que usemos nossos recursos financeiros para expressar amor por ele. (1 Crônicas 29:14) Jeová espera que nós o amemos e humildemente andemos com ele, fazendo sua vontade. — Miquéias 6:8.
Quando perguntaram a Jesus Cristo qual era o maior mandamento da Lei, ele disse: “Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de toda a tua mente. Este é o maior e primeiro mandamento.” (Mateus 22:36-38) Um modo de expressar esse amor é obedecer a Deus. Portanto, cada um de nós deve orar para que Jeová lhe dê um coração obediente.
Eles tinham um coração obediente
A Bíblia está cheia de exemplos de pessoas que tinham um coração obediente. Por exemplo, Jeová mandou que Noé construísse uma grande arca para a preservação de vidas. Essa era uma tarefa enorme que durou uns 40 ou 50 anos. Mesmo com todas as ferramentas elétricas modernas e outros equipamentos hoje disponíveis, seria uma façanha de engenharia construir uma enorme estrutura igual a essa que pudesse flutuar. Além disso, Noé tinha de avisar as pessoas, que sem dúvida zombavam dele e o ridicularizavam. Mas ele obedeceu nos mínimos detalhes. A Bíblia diz: “Fez exatamente assim.” (Gênesis 6:9, 22; 2 Pedro 2:5) Noé demonstrou amor a Jeová obedecendo fielmente a ele durante muitos anos. Que exemplo excelente para todos nós!
Lembre-se também do patriarca Abraão. Deus lhe disse que deveria se mudar da próspera Ur dos Caldeus para uma terra desconhecida. Abraão obedeceu sem questionar. (Hebreus 11:8) Pelo resto da vida, ele e sua família moraram em tendas. Depois de muitos anos vivendo como residente forasteiro na terra, Jeová o abençoou, bem como sua esposa obediente, Sara, concedendo-lhes um filho, chamado Isaque. Como Abraão, então com 100 anos, deve ter amado esse filho da sua velhice! Alguns anos depois, Jeová pediu que Abraão sacrificasse Isaque como oferta queimada. (Gênesis 22:1, 2) A simples idéia de fazer isso deve ter afligido Abraão. Contudo, ele obedeceu porque amava a Jeová e tinha fé que a semente prometida viria através de Isaque, mesmo que Deus tivesse de levantá-lo dos mortos. (Hebreus 11:17-19) Quando Abraão estava para matar seu filho, porém, Jeová o impediu e disse: “Agora sei deveras que temes a Deus, visto que não me negaste o teu filho, teu único.” (Gênesis 22:12) Devido à sua obediência, Abraão, um homem temente a Deus, veio a ser conhecido como “amigo de Jeová”. — Tiago 2:23.
Jesus Cristo é o nosso melhor exemplo de obediência. Durante sua existência pré-humana, ele se alegrou de prestar serviço obediente ao seu Pai no céu. (Provérbios 8:22-31) Como humano, Jesus obedeceu a Jeová em tudo; sempre gostou de fazer a vontade Dele. (Salmo 40:8; Hebreus 10:9) De modo que Jesus podia corretamente dizer: “Não faço nada de minha própria iniciativa; mas assim como o Pai me ensinou, estas coisas eu falo. E aquele que me enviou está comigo; ele não me deixou só, porque faço sempre as coisas que lhe agradam.” (João 8:28, 29) Por fim, para vindicar a soberania de Jeová e resgatar a humanidade obediente, Jesus voluntariamente entregou sua vida, sofrendo a morte mais humilhante e dolorosa. De fato, “quando se achou na feição de homem, humilhou-se e tornou-se obediente até à morte, sim, morte numa estaca de tortura”. (Filipenses 2:8) Que ótimo exemplo de manifestar um coração obediente!
Não basta obediência parcial
Nem todos os que afirmam ser obedientes a Deus realmente o são. Veja o caso do Rei Saul, do antigo Israel. Deus o instruiu a aniquilar os perversos amalequitas. (1 Samuel 15:1-3) Embora Saul os destruísse como nação, ele poupou seu rei e preservou parte das ovelhas e do gado. Samuel perguntou: “Por que é que não obedeceste à voz de Jeová?” Em resposta, Saul disse: “Mas eu obedeci à voz de Jeová . . . O povo [de Israel tomou] do despojo ovelhas e gado vacum, os mais excelentes deles . . . , para sacrificar a Jeová.” Destacando a necessidade de obediência total, Samuel replicou: “Tem Jeová tanto agrado em ofertas queimadas e em sacrifícios como em que se obedeça à voz de Jeová? Eis que obedecer é melhor do que um sacrifício, prestar atenção é melhor do que a gordura de carneiros; pois a rebeldia é igual ao pecado da adivinhação, e avançar presunçosamente é igual ao uso de poder mágico e terafins. Visto que rejeitaste a palavra de Jeová, ele concordemente rejeita que sejas rei.” (1 Samuel 15:17-23) Como Saul saiu perdendo por não ter um coração obediente!
Até mesmo o sábio Rei Salomão, que orara pedindo um coração obediente, não continuou a obedecer a Jeová. Contrário à vontade divina, ele casou-se com mulheres estrangeiras que o fizeram pecar contra Deus. (Neemias 13:23, 26) Salomão perdeu o favor divino porque não continuou a ter um coração obediente. Um bom aviso para nós.
Isso não quer dizer que Jeová exija perfeição de seus servos humanos. Ele “lembra-se de que somos pó”. (Salmo 103:14) Com certeza, todos nós cometeremos erros de vez em quando, mas Deus pode ver se, no coração, desejamos agradá-lo. (2 Crônicas 16:9) Se errarmos devido à imperfeição humana, mas nos arrependermos, poderemos pedir perdão com base no sacrifício resgatador de Cristo, com a confiança de que Jeová “perdoará amplamente”. (Isaías 55:7; 1 João 2:1, 2) Talvez seja necessária também a ajuda de amorosos anciãos cristãos para que nos recuperemos espiritualmente e tenhamos uma fé sã e um coração obediente. — Tito 2:2; Tiago 5:13-15.
Sua obediência é total?
Como servos de Jeová, a maioria de nós sem dúvida acha que tem um coração obediente. Talvez raciocinemos: Não estou participando na obra de pregação do Reino? Não permaneço fiel quando surgem grandes questões, como a da neutralidade? E não assisto regularmente às reuniões cristãs, conforme o apóstolo Paulo incentivou? (Mateus 24:14; 28:19, 20; João 17:16; Hebreus 10:24, 25) De fato, no geral o povo de Jeová demonstra obediência de coração nessas questões importantes.
Mas que dizer da nossa conduta nos assuntos cotidianos, em questões aparentemente pequenas? Jesus declarou: “Quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito.” (Lucas 16:10) Cada um de nós deveria, portanto, se perguntar: Tenho um coração obediente em coisas pequenas ou em assuntos dos quais outros talvez nem saibam?
O salmista mencionou que mesmo dentro de casa, onde outros não o podiam ver, ele ‘andava na integridade do seu coração’. (Salmo 101:2) Sentado em casa, você talvez ligue o televisor para ver um filme. Nessa ocasião, sua obediência pode ser provada. O filme talvez se torne imoral. Continuará a vê-lo, racionalizando que hoje em dia os filmes são assim mesmo? Ou será que seu coração obediente o moverá a seguir a ordem bíblica de ‘nem mesmo mencionar a fornicação e a impureza’? (Efésios 5:3-5) Desligará a TV, mesmo que o enredo seja interessante? Ou, se um programa se tornar violento, mudará de canal? “O próprio Jeová examina tanto o justo como o iníquo”, cantou o salmista, “e Sua alma certamente odeia a quem ama a violência”. — Salmo 11:5.
Um coração obediente traz bênçãos
Naturalmente, há muitos aspectos da vida em que seria bom se nos examinássemos para ver se de fato obedecemos a Deus de coração. Nosso amor a Jeová deve mover-nos a agradá-lo e a fazer o que ele nos diz em sua Palavra, a Bíblia. Um coração obediente nos ajudará a manter uma boa relação com Jeová. De fato, se formos plenamente obedientes, ‘as declarações da nossa boca e a meditação do nosso coração serão agradáveis diante de Jeová’. — Salmo 19:14.
Jeová nos ensina a obediência para o nosso próprio bem, porque nos ama. E nós nos beneficiamos muito por prestar atenção de todo o coração ao ensino divino. (Isaías 48:17, 18) Portanto, aceitemos alegremente a ajuda que nosso Pai celestial nos fornece através de sua Palavra, seu espírito e sua organização. Somos tão bem ensinados que é como se ouvíssemos uma voz atrás de nós dizendo: “Este é o caminho. Andai nele.” (Isaías 30:21) À medida que Jeová nos ensina através da Bíblia, das publicações cristãs e das reuniões congregacionais, prestemos atenção, apliquemos o que aprendemos e sejamos “obedientes em todas as coisas”. — 2 Coríntios 2:9.
Um coração obediente resultará em grande alegria e muitas bênçãos, além de paz mental, por sabermos que estamos agradando a Jeová Deus e alegrando seu coração. (Provérbios 27:11) Um coração obediente nos protegerá quando formos tentados a fazer o que é errado. Assim, por certo, devemos obedecer ao nosso Pai celestial e orar: ‘Dá ao teu servo um coração obediente.’

(1 REIS 4:2)

“E estes eram os príncipes que ele tinha: Azarias, filho de Zadoque, o sacerdote;”

*** it-1 p. 282 Azarias ***
4. Um dos príncipes de Salomão. (1Rs 4:2) Ele é chamado de filho do sacerdote Zadoque; pode ter sido o irmão de Aimaás. — 1Cr 6:8.

(1 REIS 4:4)

“e Benaia, filho de Jeoiada, estava sobre o exército, e Zadoque e Abiatar eram sacerdotes;”

*** it-1 p. 18 Abiatar ***
Ao passo que mais adiante no registro, em 1 Reis 4:4, de novo se refere a “Zadoque e Abiatar” como sacerdotes no reinado de Salomão, é provável que Abiatar seja alistado somente de forma honorífica, ou num sentido histórico. Alguns peritos sugerem que Salomão, depois de remover Abiatar, então o designou para servir como auxiliar de Zadoque, e que, ao passo que um oficiava no monte Sião, onde se mantinha a Arca, o outro servia no tabernáculo, que continuava em Gibeão, antes da construção do templo. (Veja 1Cr 16:37-40.) No entanto, 1 Reis 2:26 mostra que Salomão enviou Abiatar para os seus campos em Anatote, e, embora Anatote não fosse longe de Gibeão, a ordem de Salomão indica que Abiatar estava sendo removido de qualquer participação ativa no sacerdócio.

(1 REIS 4:12)

“Baana, filho de Ailude, em Taanaque e em Megido, e em toda a Bete-Seã, que está ao lado de Zaretã, abaixo de Jezreel, desde Bete-Seã até Abel-Meolá, até a região de Jocmeão;”

*** it-2 p. 580 Jocneão ***
Em 1 Reis 4:12, “Jocmeão” talvez seja erro de grafia de “Jocneão”.

*** it-2 p. 580 Jocmeão ***
2. Região que beirava o território sob a jurisdição de Baana, filho de Ailude, e um dos 12 prepostos de Salomão. (1Rs 4:12) Talvez se trate de Jocneão.

(1 REIS 4:20)

“Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se.”

*** w98 1/2 p. 12 par. 15 Jeová é um Deus de pactos ***
Na época do filho de Davi, Salomão, um terceiro aspecto do pacto abraâmico já se havia cumprido. “Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se.” — 1 Reis 4:20.

*** w98 15/10 pp. 9-10 pars. 9-11 Jerusalém, “a cidade do grande Rei” ***
9 A nação de Israel usufruía paz enquanto dava apoio de todo o coração à adoração de Jeová, centralizada em Jerusalém. Descrevendo belamente esta situação, as Escrituras dizem: “Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se. . . . E a própria paz veio a ser [de Salomão] em cada região dele, em toda a volta. E Judá e Israel continuaram a morar em segurança, cada um debaixo da sua própria videira e debaixo da sua própria figueira.” — 1 Reis 4:20, 24, 25.
10 Descobertas arqueológicas apóiam este relato sobre o reinado próspero de Salomão. O Professor Yohanan Aharoni, no seu livro The Archaeology of the Land of Israel (A Arqueologia da Terra de Israel), declara: “A riqueza que afluía à corte real de todas as direções e a prosperidade do comércio . . . produziram uma revolução rápida e notável em todos os aspectos da cultura material. . . . A mudança na cultura material . . . é discernível não somente em itens de luxo, mas também, em especial, na cerâmica. . . . A qualidade da louça de barro e seu cozimento melhoraram, ficando além de todo reconhecimento.”
11 De forma similar escreveu Jerry M. Landay: “Sob Salomão, a cultura material israelita progrediu mais em três décadas do que durante os duzentos anos precedentes. Encontramos em estratos salomônicos as ruínas de construções monumentais, de cidades grandes com muralhas maciças, a proliferação de bairros com agrupamentos bem-construídos de residências dos abastados, um salto significativo no progresso tecnológico do oleiro e dos seus processos manufatureiros. Encontramos, também, vestígios de artefatos representando artigos fabricados em lugares longínquos, sinais de vigorosos negócios e comércio internacionais.” — The House of David (A Casa de Davi).

*** gm cap. 4 p. 46 Pode-se crer no “Antigo Testamento”? ***
Outra Evidência em Apoio
18 De fato, muitas descobertas arqueológicas demonstram a exatidão histórica da Bíblia. Por exemplo, a Bíblia relata que, depois de o Rei Salomão ter assumido o reinado de seu pai, Davi, Israel usufruiu grande prosperidade. Lemos: “Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se.” (1 Reis 4:20) Em apoio dessa declaração, lemos: “A evidência arqueológica revela que houve uma explosão populacional em Judá durante e depois do décimo século a.C., quando a paz e a prosperidade trazidas por Davi tornaram possível construir muitas cidades novas.”10

(1 REIS 4:21)

“Quanto a Salomão, mostrou ser o governante sobre todos os reinos, desde o Rio até a terra dos filisteus e até o termo do Egito. Traziam presentes e serviam a Salomão todos os dias da sua vida.”

*** gl p. 16 Israel nos dias de Davi e de Salomão ***
DEUS prometeu dar aos descendentes de Abrão a terra que ia “desde o rio do Egito até . . . o rio Eufrates”. (Gên 15:18; Êx 23:31; De 1:7, 8; 11:24) Depois que Josué entrou em Canaã, levou uns quatro séculos para que a Terra Prometida alcançasse essa extensão.
O Rei Davi derrotou o reino arameu de Zobá, que ia até o Eufrates no norte da Síria. Ao sul, as vitórias de Davi contra os filisteus estenderam as fronteiras de Israel até o Egito. — 2Sa 8:3; 1Cr 18:1-3; 20:4-8; 2Cr 9:26.
De modo que Salomão reinou “desde o Rio [Eufrates] até a terra dos filisteus e até o termo do Egito”, prefigurando o governo pacífico do Messias. (1Rs 4:21

(1 REIS 4:23)

“dez cabeças de gado vacum cevado e vinte cabeças de gado vacum de pasto, e cem ovelhas, além de alguns veados, e gazelas, e corços, e cucos cevados.”

*** it-1 p. 622 Cuco ***
Cuco
[hebr., plural: bar•bu•rím].
Na Bíblia, este nome ocorre apenas uma vez, em 1 Reis 4:23, onde a lista das provisões diárias de alimentos para a corte de Salomão inclui “cucos [bar•bu•rím]”. (BJ; NM) Ao passo que outras versões (Al, ALA, MC) rezam aqui “aves”, bar•bu•rím parece referir-se a um tipo específico de ave, em vez de simplesmente ser um termo geral. Embora alguns a tenham identificado com o capão, com a galinha d’angola ou com o ganso, o lexicógrafo W. Baumgartner (Hebräisches und Aramäisches Lexikon zum Alten Testament [Léxico Hebraico e Aramaico do Velho Testamento], Leiden, 1967, p. 147) sugere o “cuco”, e isto parece ser indicado pelo nome árabe desta ave, abu burbur.
Tanto o cuco comum (Cuculus canorus) como o cuco-rabilongo (Clamator glandarius) passam pela Palestina na sua migração para o N, chegando ali no começo de março. O cuco é uma ave de tamanho moderado, parecendo-se a um pequeno gavião, com bico ligeiramente curvo, afiado e pontudo. Os cucos costumam ter cor inconspícua, tal como cinza-claro, ou de marrom-claro a marrom-avermelhado, ou preta. As partes inferiores freqüentemente são esbranquiçadas, com estreitas listras pretas.
Ao passo que alguns consideram o cuco como ave um tanto pequena para ser usada no cardápio de Salomão, deve-se notar que mesmo pardais depenados eram antigamente vendidos nos mercados do Oriente Médio. (Mt 10:29) Além disso, esses cucos eram “cevados”, e sobre esses diz The American Cyclopædia (A Ciclopédia Americana): “No outono estão gordinhos e são muito apreciados como alimento; os antigos eram grandes apreciadores deles, e supunha-se que a carne deles tinha valiosas propriedades medicinais.” (1883, Vol. V, p. 557) Sabe-se que os romanos comiam cucos recheados, e diz-se que, até hoje, os cucos são considerados uma iguaria na Itália e na Grécia.
O cuco não come carniça, nem é ave de rapina, mas é valioso insetívoro. Era legalmente “puro” e próprio para uso na mesa real de Salomão. Embora “o cuco” esteja incluído na versão Almeida, revista e corrigida, entre as aves impuras, em Levítico 11:16 e em Deuteronômio 14:15, tal tradução (da palavra hebraica shá•hhaf) não é mais considerada aceitável. — Veja GAIVOTA.

(1 REIS 4:24)

“Pois mantinha tudo em sujeição deste lado do Rio, desde Tifsa até Gaza, sim, todos os reis deste lado do Rio; e a própria paz veio a ser sua em cada região dele, em toda a volta.”

*** it-1 p. 747 Éber ***
Em hebraico, a expressão para “além do Rio” (hebr.: ʽé•ver han•na•hár) é às vezes usada para se referir à região ao O do Eufrates. (Ne 2:7, 9; 3:7) Em 1 Reis 4:24, a mesma expressão hebraica é traduzida por “deste lado do Rio” (NM) ou “a oeste do rio Eufrates”. (BLH)

(1 REIS 4:25)

“E Judá e Israel continuaram a morar em segurança, cada um debaixo da sua própria videira e debaixo da sua própria figueira, desde Dã até Berseba, todos os dias de Salomão.”

*** w03 15/5 p. 24 Cada um se sentará debaixo da sua figueira ***
Cada um se sentará debaixo da sua figueira
É DIFÍCIL encontrar sombra no verão quente nas terras do Oriente Médio. Qualquer árvore que proteja contra os raios solares é muito bem-vinda, especialmente quando ela cresce perto de casa. A figueira, com as suas folhas grandes e largas e sua copa ampla, oferece uma sombra melhor do que quase qualquer outra árvore da região.
Segundo o livro Plants of the Bible (Plantas da Bíblia), “diz-se que a sombra [da figueira] é mais agradável e refrescante do que a de uma tenda”. As figueiras à beira de vinhedos, no Israel antigo, ofereciam aos vinhateiros lugares ideais para um breve descanso.
Ao fim de um dia longo e quente, os membros duma família podiam sentar-se debaixo da sua figueira e ter uma agradável associação. Além disso, a figueira recompensa o seu dono com abundantes frutos nutritivos. Portanto, desde o tempo do Rei Salomão, o fato de a pessoa se sentar debaixo da sua figueira significava paz, prosperidade e abundância. — 1 Reis 4:24, 25.

*** w98 15/10 pp. 9-10 pars. 9-11 Jerusalém, “a cidade do grande Rei” ***
9 A nação de Israel usufruía paz enquanto dava apoio de todo o coração à adoração de Jeová, centralizada em Jerusalém. Descrevendo belamente esta situação, as Escrituras dizem: “Judá e Israel eram muitos, em multidão, iguais aos grãos de areia junto ao mar, comendo e bebendo, e alegrando-se. . . . E a própria paz veio a ser [de Salomão] em cada região dele, em toda a volta. E Judá e Israel continuaram a morar em segurança, cada um debaixo da sua própria videira e debaixo da sua própria figueira.” — 1 Reis 4:20, 24, 25.
10 Descobertas arqueológicas apóiam este relato sobre o reinado próspero de Salomão. O Professor Yohanan Aharoni, no seu livro The Archaeology of the Land of Israel (A Arqueologia da Terra de Israel), declara: “A riqueza que afluía à corte real de todas as direções e a prosperidade do comércio . . . produziram uma revolução rápida e notável em todos os aspectos da cultura material. . . . A mudança na cultura material . . . é discernível não somente em itens de luxo, mas também, em especial, na cerâmica. . . . A qualidade da louça de barro e seu cozimento melhoraram, ficando além de todo reconhecimento.”
11 De forma similar escreveu Jerry M. Landay: “Sob Salomão, a cultura material israelita progrediu mais em três décadas do que durante os duzentos anos precedentes. Encontramos em estratos salomônicos as ruínas de construções monumentais, de cidades grandes com muralhas maciças, a proliferação de bairros com agrupamentos bem-construídos de residências dos abastados, um salto significativo no progresso tecnológico do oleiro e dos seus processos manufatureiros. Encontramos, também, vestígios de artefatos representando artigos fabricados em lugares longínquos, sinais de vigorosos negócios e comércio internacionais.” — The House of David (A Casa de Davi).

*** it-1 p. 653 O reinado de Salomão ***
[Fotos na página 653]
Durante o reinado de Salomão, Judá e Israel moravam em segurança — figurativamente, cada um debaixo da sua própria videira e da sua própria figueira. (1Rs 4:25)

*** it-2 p. 129 Figo ***
Uso Figurado e Profético. A figueira e a videira são mencionadas juntas em muitos textos, e as palavras de Jesus em Lucas 13:6 mostram que as figueiras muitas vezes eram plantadas em vinhedos. (2Rs 18:31; Jl 2:22) A expressão ‘sentar-se cada um debaixo da sua própria videira e figueira’ simbolizava condições pacíficas, prósperas e seguras. — 1Rs 4:25; Miq 4:4; Za 3:10.

(1 REIS 4:26)

“E Salomão veio a ter quarenta mil baias para cavalos, para os seus carros, e doze mil cavaleiros.”

*** it-1 p. 474 Cavalo ***
De Salomão Até o Retorno do Exílio. Entretanto, Salomão, filho e sucessor de Davi, começou a acumular milhares de cavalos. (1Rs 4:26 [aqui, “quarenta mil baias para cavalos”, segundo geralmente se crê, é erro de escriba, devendo ser “quatro mil”]; compare isso com 2Cr 9:25.)

(1 REIS 4:31)

“E ele era mais sábio do que qualquer outro homem, [mais] do que Etã, o ezraíta, e Hemã, e Calcol, e Darda, filhos de Maol; e veio a ter fama em todas as nações ao redor.”

*** it-1 p. 400 Calcol ***
Calcol
[Aperfeiçoado].
Alguém cuja sabedoria, embora grande, foi excedida pela do Rei Salomão (1Rs 4:31); possivelmente o mesmo que o descendente de Judá por meio de Zerá. — 1Cr 2:4, 6.

*** it-2 p. 57 Etã ***
1. Um de quatro homens, cuja sabedoria, embora grande, era superada pela de Salomão. (1Rs 4:31) Este Etã talvez fosse o escritor do Salmo 89, porque o cabeçalho identifica Etã, o ezraíta, como escritor. Em 1 Crônicas 2:6, Etã, Hemã, Calcol e Dara são todos chamados de filhos de Zerá, da tribo de Judá, e possivelmente são os mesmos homens mencionados em Primeiro Reis. Etã é chamado de pai de Azarias. — 1Cr 2:8; veja EZRAÍTA.

*** it-2 p. 97 Ezraíta ***
Ezraíta
[Nativo].
Designação aplicada a Etã (1Rs 4:31; Sal 89:cab.) e a Hemã (Sal 88:cab.), ambos famosos pela sua sabedoria. Etã e Hemã são identificados em 1 Crônicas 2:3-6 como descendentes de Judá através de Zerá. De modo que a designação “ezraíta” parece ser outra palavra para “zeraíta”. (Núm 26:20) O Targum de Jonatã interpreta “ezraíta” como “filho de Zerá”.

*** it-2 p. 763 Maol ***
Maol
[duma raiz que significa “dança; giro”; ou, possivelmente, duma raiz que significa “tocar flauta”].
Homem cujos filhos tinham grande sabedoria, mas não tão grande como a do Rei Salomão. (1Rs 4:31) Alguns acham que a designação “filhos de Maol” se refira a uma associação de músicos ou dançarinos. — Veja Sal 150:4, onde a mesma palavra hebraica é traduzida “dança de rodas”.

(1 REIS 4:34)

“E vinham de todos os povos para ouvir a sabedoria de Salomão, sim, de todos os reis da terra que tinham ouvido [falar] da sua sabedoria.”

*** it-1 p. 653 O reinado de Salomão ***
Até mesmo governantes de outras terras vinham para ouvir a sua sabedoria. (1Rs 4:34; 10:1)

(1 REIS 5:11)

“E Salomão, da sua parte, deu a Hirão vinte mil coros de trigo como mantimentos para os da sua casa e vinte coros de azeite batido. Era isto o que Salomão dava a Hirão de ano em ano.”

*** it-1 p. 285 Azeite (óleo) ***
Importante Mercadoria e Alimento. O azeite de oliva tornou-se mercadoria importante na Palestina, por causa da sua abundância ali. Anualmente, Salomão dava ao Rei Hirão, de Tiro, “vinte coros [4.400 l] de azeite batido”, como parte do pagamento dos materiais de construção do templo. (1Rs 5:10, 11)

(1 REIS 5:13)

“E o Rei Salomão fazia subir de todo o Israel os recrutados para trabalho forçado; e os recrutados para trabalho forçado somaram trinta mil homens.”

*** w05 15/2 p. 23 ‘Se for obrigado a prestar serviço’ ***
Quanto aos israelitas empregados em projetos de construção, 1 Reis 5:13, 14 diz: “O Rei Salomão fazia subir de todo o Israel os recrutados para trabalho forçado; e os recrutados para trabalho forçado somaram trinta mil homens. E ele os enviava ao Líbano em turnos de dez mil por mês. Continuavam por um mês no Líbano e por dois meses nos seus lares.” Certo erudito disse: “Não há dúvida de que reis israelitas e judeus usavam a corvéia como meio de garantir que tanto suas construções como o trabalho nas terras da Coroa fossem feitas por trabalhadores não remunerados.”

(1 REIS 5:16)

“além dos prepostos principescos de Salomão, que estavam sobre a obra, três mil e trezentos capatazes sobre o povo que se empenhava na obra.”

*** w05 1/12 p. 19 Destaques do livro de Segundo das Crônicas ***
2:18; 8:10 — Esses versículos mostram que o número de prepostos que serviam como encarregados e capatazes sobre os trabalhadores era de 3.600 mais 250, ao passo que 1 Reis 5:16; 9:23 mostra esse número como sendo de 3.300 mais 550. Por que essa diferença? A diferença parece estar na forma em que os prepostos eram classificados. Pode ser que Segundo das Crônicas diferencie os 3.600 prepostos não-israelitas e os 250 prepostos israelitas, ao passo que Primeiro dos Reis distingue os 3.300 capatazes dos 550 chefes de posição mais elevada. Nos dois casos, o número total dos que serviam como prepostos era de 3.850.

(1 REIS 6:1)

“E sucedeu no quadringentésimo octogésimo ano depois da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no quarto ano, no mês de zive, que é o segundo mês, depois de Salomão se ter tornado rei sobre Israel, que ele passou a construir a casa a Jeová.”

*** g 5/12 p. 17 A Bíblia — Um Livro de Profecias Exatas — Parte 1 ***
[Quadro na página 17]
CRONOMETRAGEM EXATA
Um exemplo do valor da cronometragem exata da Bíblia pode ser observado em 1 Reis 6:1, que fala do tempo em que o Rei Salomão começou a construir o templo em Jerusalém. Lemos: “No ano quatrocentos e oitenta [479 anos completos] depois que saíram da terra do Egito os filhos de Israel, no quarto ano do reinado de Salomão sobre Israel, no mês de Zive, que é o segundo mês, começou-se a edificar a casa de Jeová.” — Versão Brasileira.
Segundo a cronologia bíblica, o quarto ano do reinado de Salomão corresponde a 1034 AEC. Contando 479 anos completos antes dessa data, chegamos a 1513 AEC como o ano do êxodo de Israel.

*** si p. 47 par. 5 Livro bíblico número 7 — Juízes ***
5 Que período abrange o livro de Juízes? Pode-se calcular isto tomando por base 1 Reis 6:1, que diz que Salomão começou a edificar a casa de Jeová no quarto ano de seu reinado, que era também o “quadringentésimo octogésimo ano depois da saída dos filhos de Israel da terra do Egito”. (“Quadringentésimo octogésimo” é um número ordinal que representa 479 anos inteiros.) Os conhecidos períodos incluídos nos 479 anos são: 40 anos no ermo, sob a liderança de Moisés (Deut. 8:2), 40 anos do reinado de Saul (Atos 13:21), 40 anos do reinado de Davi (2 Sam. 5:4, 5) e os 3 primeiros anos inteiros do reinado de Salomão. Subtraindo este total de 123 anos dos 479 anos, de 1 Reis 6:1, obtemos o resultado de 356 anos, que abrangem o período entre a entrada de Israel em Canaã e o início do reinado de Saul. Os eventos relatados no livro de Juízes, que ocorreram em grande parte desde a morte de Josué até o tempo de Samuel, abrangem cerca de 330 anos deste período de 356 anos.

*** it-1 p. 615 Cronologia ***
Foi no “quadringentésimo octogésimo ano depois da saída dos filhos de Israel da terra do Egito”, no quarto ano do reinado de Salomão, que foi iniciada a construção do templo em Jerusalém. (1Rs 6:1) “Quadringentésimo octogésimo” é número ordinal, representando 479 anos inteiros, mais algum tempo adicional, neste caso, um mês. Contar 479 anos desde o Êxodo (em nisã de 1513 AEC) leva-nos a 1034 AEC, iniciando-se a construção do templo no segundo mês, zive (correspondendo a parte de abril e parte de maio). Visto ter sido este o quarto ano (outro número ordinal) do governo de Salomão, seu reinado começou três anos inteiros antes, em 1037 AEC. Seu governo de 40 anos evidentemente se estendeu de nisã de 1037 a nisã de 997 AEC, ocorrendo a divisão do reino neste último ano.

(1 REIS 6:18)

“E [a] madeira de cedro na casa, por dentro, tinha esculturas de ornamentos em forma de bagas e grinaldas de flores. Tudo era de cedro; não se via pedra.”

*** it-1 p. 301 Bagas ***
Os ornamentos em forma de bagas (hebr.: peqa•ʽím), que adornavam o mar de fundição e os painéis de cedro no interior do templo de Salomão talvez fossem redondos como o fruto da colocíntida. — 1Rs 6:18; 7:24; 2Cr 4:3.

(1 REIS 6:23)

“Além disso, fez no compartimento mais recôndito dois querubins de madeira de oleastro, cada um tendo a altura de dez côvados.”

*** it-1 p. 222 Árvore oleaginosa (oleastro) ***
A versão Almeida e a do Pontifício Instituto Bíblico mencionam madeira de oliveira em 1 Reis 6:23, e sugere-se que os querubins talvez fossem feitos de diversas peças juntadas, visto que o tronco curto da oliveira não fornece madeira de grande comprimento. Todavia, o fato de a oliveira ser mencionada como distinta da árvore oleaginosa (oleastro) em Neemias 8:15 parece excluir esta sugestão.

(1 REIS 6:38)

“e no décimo primeiro ano, no mês lunar de bul, isto é, no oitavo mês, a casa estava acabada no que se referia a todos os seus pormenores e todo o seu plano; de modo que levou sete anos para construí-la.”

*** it-1 p. 381 Bul ***
Depois do Êxodo do Egito, bul tornou-se o oitavo mês no calendário sagrado, e foi durante este mês que Salomão completou a construção do templo em Jerusalém. (1Rs 6:38) Jeroboão, fundador do separatista reino setentrional de Israel, arbitrariamente fez deste mês um mês festivo, como parte do seu plano de desviar a atenção do povo de Jerusalém e das festividades ali. — 1Rs 12:26, 31-33.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador, Tablet computer, Smartphone

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…