Biografia de Juan Rulfo | Escritor mexicano.

(Sayula, México, 1918 - cidade do México, 1986) Escritor mexicano. Um único livro de contos, o llano em llamas (1953) e um único romance, Pedro Páramo (1955), levou para Juan Rulfo foi reconhecido como um dos grandes mestres da narrativa hispano-americana do século XX. Seu trabalho, breve como intensa, ocupa uma posição inigualável dentro latino-americana literatura da década de 1960 chamado Boom , para seu fenômeno de publicação de qualidade que anunciou ao mundo o tamanho da nova (e não tão novo, como é o caso com Rulfo) narradores do continente.

Juan Rulfo
Juan Rulfo cresceu na pequena cidade de St Gabriel, vila rural, dominada por superstições e o culto dos mortos e lá sofreu as duras conseqüências das lutas cristeras em sua família imediata (seu pai foi morto). Naqueles primeiros anos de sua vida teria a cumprir em parte desolado universo que Juan Rulfo recriada em sua obra breve, mas brilhante.
Em 1934, transferiu-se para a cidade do México, onde trabalhou como agente de imigração do Ministério do Interior. Em 1938, ele começou a viajar em algumas regiões do país em taxas de serviço e publicou suas mais importantes histórias em revistas literárias. Nas quinze histórias que integram o llano em llamas (1953), Juan Rulfo ofereceu uma primeira sublimação literária, através da prosa concisa, expressiva, da realidade dos camponeses de suas terras, em histórias que transcendeu a anedota social pura.
Em sua obra mais conhecida, Pedro Páramo (1955), Rulfo deu uma forma mais aperfeiçoada para esse mecanismo de interiorização da realidade do seu país, em um universo onde convivem o misterioso e o autêntico; o resultado é um texto profundamente perturbador que tem sido considerado como um dos melhores romances da literatura contemporânea.
O protagonista do romance, Juan Preciado, chegar a aldeia fantasmagórica de Comala em busca de seu pai, Pedro Páramo, ele não sabe. As vozes das pessoas que você fala e reconstruir o passado das pessoas e seu chefe, o temível Pedro Páramo; Preciosos toma nota que na verdade todos os aldeões morreram e ele também morre, mas romance segue seu curso, com novos monólogos e conversas entre mortos, desenho de retrato esmagador de um mundo arruinado pela miséria e degradação moral. Como a Macondo de Gabriel García Márquez, o ardor e estéril Comala torna-se espaço mítico que reflete o trágico desenvolvimento histórico do país, do Porfiriato a revolução mexicana.
Do ponto de vista técnico, o romance é magistralmente servido inovações introduzidas na União Europeia e literatura norte-americana entre as guerras (Proust, Faulkner, Joyce), linha para muitos autores o Boom; na década de 1960 inicialmente criado como uma história em primeira pessoa na boca de seu protagonista, atendendo então fragmentação do universo narrativo, alternando os pontos de vista (com o uso freqüente de monólogo interior) e quebras de cronológicos. Rulfo também escreveu roteiros como uma pomba ferida (1963) e uma outra novela excelente, O galo de ouro (1963). Em 1970, recebeu o Prêmio Nacional de literatura do México e em 1983, o príncipe das Astúrias das letras.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades