PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Juan Pablo Montoya | Piloto colombiano.

ADS

(Bogotá, 1975) Piloto colombiano. Fazer parte do seleto grupo de pilotos de Fórmula 1 é uma empresa que está ao alcance de muito poucos, porque o automobilismo é, sem dúvida, um dos esportes que exigem um maior nível de exigência, coragem e sacrifício. Adicionando a esta dificuldade é o fato de vir de um país, Colômbia, com grandes jogadores e ciclistas lendário, mas desprovido de tradição automotiva, refere-se ao mérito duplo de Juan Pablo Montoya, que a testemunha dos grandes pilotos pegou argentino (Fangio, Reuteman) e brasileiros (Fittipaldi, Senna) do passado para liderar, juntamente com o brasileiro Rubens Barrichello, a representação de sul-americanas na Fórmula 1 do novo milênio.

Juan Pablo Montoya
Sua predileção para o motor de Juan Pablo Montoya veio a ele através de seu pai, Pablo Montoya, arquiteto e piloto de corridas que, depois de vencer uma competição, não resistiram à tentação de se sentar seu bebezinho, quase três meses de idade, então acompanhá-lo em seu retorno triunfal. Este ritual é repetido no futuro, e quem sabe se não contribuirá para que a criança estava absorvendo o mundo das corridas sobre quatro rodas.
Paul, o filho mais velho de uma família de quatro irmãos (os outros são Liliana, Catalina e Federico), recebeu um carro como um presente em seu segundo aniversário; Desde então, seria o seu tesouro mais precioso. Concorrente precoce, com apenas cinco anos já começou em um campeonato de kart, a modalidade que se tornou campeão nacional na categoria infantil no ano seguinte. Durante a década de 1980 e sob a tutela de seu pai, ele continuou dirigindo karts e acumulando campeonatos nacionais na categoria Júnior e Komet.
Em 1990, um quinze ano de idade Montoya cruzou o Atlântico pela primeira vez com seu pai; Ele mudou-se para Lonato (Itália) e participou no Campeonato do mundo de karts na categoria Júnior. Assim começou a aventura internacional do jovem e promissor piloto colombiano. Em 1992 apresentou-o a primeira oportunidade para participar num concurso de nível superior, mas para isso ele teve que retornar temporariamente ao seu país: matriculou-se "in extremis" por seu pai na Fórmula Renault, sua estréia foi brilhante, porque ele marcou a posição de pólo na primeira corrida e no final da temporada, foi vice-campeão após vencer quatro das oito corridas. No ano seguinte, a taça de Swift GTI, foi saudado com a bandeirada do vencedor em sete das dez corridas.
Em 1995, volta para o velho continente, conseguiu, não sem grandes esforços, participar da temporada da Vauxhall Lotus (Inglaterra), que ganhou quatro vitórias. Como resultado, que ele recebeu um convite para a Copa Internacional Fórmula 3 disputada em britânicos terra, que ficou em segundo lugar. Com 26 anos, veio para formar parte do Fortec na equipe britânica de Fórmula 3, que conseguiu duas vitórias. O próximo passo em sua carreira foi a Fórmula-3000, mas o custo económico da categoria foi além de seus meios. Tudo parecia perdido quando surgiu um raio de esperança: a equipe austríaca RSM Marko baseou-se em suas possibilidades. O jovem piloto não decepcionou, como obteve vitórias na França, a Áustria e a Espanha e terminou a temporada como vice-campeão na categoria.
O ano de 1998 marcou um ponto de inflexão na carreira de Montoya: integrado na equipe Super Nova, foi imposta sobre o Campeonato Internacional de Fórmula-3000, no momento em que tornou-se piloto de testes para uma das principais equipes na Fórmula 1, Williams. Em 1999, ele assinou um contrato de três anos com a equipe Target Chip Ganassi, que participou na categoria carrinho, modalidade disputada competitiva nos Estados Unidos onde foi campeão.
Desde então, a fama do Montoya aumentou na mesma medida em que fez o reconhecimento oficial de seus compatriotas. O governo colombiano concedeu-lhe a Cruz de Boyacá, prêmio máximo do país, e a imprensa especializada declarou-o melhor piloto do ano. O esporte do automobilismo começou a recrutar um exército de seguidores, semelhante das décadas de 1980 e 1990 colombiano "besouros" levou--los no próximo de Espanha, o Giro de Itália ou o Tour de France.
A consagração definitiva veio em 2001, com a sua inclusão no grupo minoritário de pilotos de Fórmula 1, enquadrada na equipe Williams. Aos comandos de uma das melhores máquinas do circuito, ele obteve a vitória no grande prêmio da Itália em Monza, e no ano seguinte alcançou o terceiro lugar no pódio na classificação final da temporada. Entretanto, em 27 de outubro de 2002, Montoya foi casada com Connie Freydell em Cartagena de Indias. Também em 2003 temporada ganhou o terceiro lugar na classificação final, construída como uma alternativa real à tirania dos heptacampeon do mundo Michael Schumacher. Figuras míticas do volante como Emerson Fittipaldi ou Jackie Stewart Scottish dirigiu-lhe elogios e pressagiou novos triunfos.
No ano seguinte, no entanto, as deficiências do carro dele prejudicou sua competitividade e sua progressão foi de travagem; Ele terminou a temporada de 2004 em um honroso quinto lugar e assinado para a equipe McLaren-Mercedes, que seria nos próximos dois anos. Em 2005, uma lesão no ombro impediu-o de participar nas duas corridas, mas ganhou três grandes prémios e terminou em quarto geral. Mas as relações ruins com a McLaren, Ron Dennis, líder da equipe, bem como a organização e arbitragens, levaria a Montoya para deixar a fórmula 1 na temporada de 2006, que terminou mesmo. Isto deixou Montoya para unidade: a mesma 2006 foi para a categoria de Nascar, que continuaria a competir em anos sucessivos. Seu bom estado de forma foi demonstrado em um feito que poucos chegar: vencendo duas edições consecutivas (2007-2008), a famosa 24 horas de Daytona.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS