Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

Biografia de José Ortega y Gasset | Filósofo e ensaísta.

(Madrid, 1883-1955) Filósofo e ensaísta espanhol. Seu pensamento, refletido em inúmeros ensaios, exerceu uma grande influência sobre várias gerações de intelectuais.

José Ortega y Gasset (óleo de Zuloaga)
Filho do jornalista José Ortega Munilla, fez o ensino secundário para o colegio Miraflores de Palo (Málaga) e alunos da Universidade de Deusto e Madrid, em cuja Universidade obteve um doutorado em filosofia e literatura com uma tese sobre os terrores do ano 1000 (1904), legendado em crítica de uma lenda. Entre 1905 e 1908, ele completou seus estudos em Marburg, onde frequentou os cursos da neokantiano Hermann Cohen, Berlim e Leipzig.
Foi Professor de metafísica (o anterior proprietário tinha sido Nicolás Salmerón) da Universidade de Madrid entre 1910 e 1936. Em 1916 foi nomeado académico da de Ciências Morais e políticas. Ele fundou a Revista de Occidente (1923-1936), o mais aberto ao pensamento europeu publicação intelectual do nosso século. Anexou a operou-se uma casa publicando, bem como seus encontros, ele representou a modernidade melhor intelectual do seu tempo.
Deputado eleito para a República foi proclamado, fundou com caju e Pérez de Ayala, o agrupamento para o serviço da República. De 1936, viveu na França, Holanda, Argentina e Portugal. Ele retornou à Espanha em 1945 e viveu (exceto para viagens no exterior, especialmente para a Alemanha), em Madrid. Em 1948 com seu discípulo, o prestigiado Julián Marías, fundou o Instituto de Humanidades.
Ortega realizou um lugar privilegiado na história dos espanhóis pensados nas décadas centrais do século XX. Mestre de várias promoções de jovens intelectuais, não foi apenas um brilhante divulgador das idéias, eles desenvolveram um discurso filosófico de notável originalidade.
Muito de sua atividade foi canalizado através de seu jornalismo, um mundo que era conhecido por razões familiares e perfeitamente em conformidade com a essência de suas teses e suas finalidades animar a vida cultural do país. Além de colaborar em uma extensa lista de publicações, fundou El Sol (1917), a Espanha revista (1915) e a Revista de Occidente (1923).
Em seus artigos e ensaios, ele tentou tópicos variados e sempre incardinado agora seu tempo, tanto em filosofia e política, arte e literatura. Seu trabalho não constitui uma doutrina sistemática, mas um programa aberto que são boas mostra os oito volumes do espectador (1916-1935), onde derramado afiado comenta sobre tópicos mais heterogêneos.
No entanto, como denominador comum de seu pensamento pode apontar o perspectivismo, segundo a qual as diferentes concepções do mundo depende do ponto de vista, as circunstâncias das pessoas e a razão vital, tentar a superação da razão pura e razão prática de idealistas e racionalistas. Para Ortega, a verdade surge a partir da justaposição de pontos de vista parcial, em que o diálogo constante entre o homem e a vida que se manifesta é fundamental à sua volta, especialmente no mundo das artes.
O núcleo da ideologia usado é em obras como invertebrada Espanha (1921), o assunto do nosso tempo (1923), a revolta das massas (1930), idéias e crenças (1940), a história como um sistema (1940) e o que é filosofia? (1958).
As questões de estética e crítica literária foram objeto de suas reflexões sobre meditações do Quixote (1914), idéias sobre o romance (1925), a desumanização da arte (1925), Goethe de dentro (1932), artigos sobre Velázquez e Goya (1950) e a idéia do teatro (1958). Permanentemente perto da realidade imediata, abordou questões políticas em velha e nova política (1914), o declínio nacional (1930), a missão da Universidade (1930) ou retificação da República (1931).
Seu estilo, mais perto de literário prosa do discurso filosófico, tem um brilho de exposição que se encontra uma das chaves para o sucesso e a difusão dos seus livros.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades