Biografia de Jorge Negrete | Ator e cantor.

(Jorge Alberto Negrete Moreno); Guanajuato, 1911 - Los Angeles, 1953) ator e cantor cujo apelo pessoal e inconfundível voz elevou-o à categoria de mito da música de seu país. Isto certamente contribuiu com suas aparições do filme e sua relação sentimental tumultuada com estrelas conhecidas do momento. Em um México que ainda sofre as consequências dos confrontos civis da revolução, o estilo patriótico das músicas de Jorge Negrete, em que valores como a virilidade, o valor ou a família, é enaltecido gelificada em mitos da sociedade sobre aqueles que reconstruir uma identidade nacional.

Jorge Negrete
Aos 16 anos, ele entrou para o colégio militar; Curiosamente, Negrete parecia um começo de carreira promissor: em breve formou-se como tenente da administração e, em 1930, já foi nomeado capitão da segunda e fez estudos militares em Paris e Roma. Mas além de suas funções militares, Negrete teve aulas de canto com o prestigiado mestre José Pierson, que permitiu que ele começar a cantar no rádio. Quando em 1930, ele jogou pela primeira vez na cadeia de radiodifusão XETR conhecidas árias de ópera e canções de compositores mexicanos, começando por aquela jovem, apenas vinte anos, uma ritmo acelerada e frenética corrida para a fama e o estrelato.
Depois de cantar ópera (tornou-se gravar algumas óperas em 1932 sob o pseudônimo de Alberto Moreno) e atuar no rádio e em revistas de música do seu país, como o popular ruas e mais ruas no teatro Lirico (1935), com canções pelo maestro Juan S. Garrido, Negrete trabalhado também nos palcos mais prestigiados do Estados Unidos, que saltou para teatros de importância mundial. A alta qualidade de sua voz e aparência distinta e viril lhe permitiu ganhar uma celebridade rápida nos estágios de mexicanos e estrangeiros. Figura tão versátil, dedicou-se também para as touradas, e em 1940 ele queria participar na segunda guerra mundial como um soldado americano, mas não foi autorizado a se alistar.
Jorge Negrete estreou no cinema com a madrinha do diabo (1937) e desde então participou de um total de trinta e oito filmes. Assim, popularizou o chamado comédia - perua, que encarna o personagem do cantor"charro", o corajoso homem, bom, rico, mulherengo e vital e arrogante. Em sua vida e, claro as performances de tela grande, o ator carismático nunca parou de interpretar esse papel. De uma forma sem dúvida Jorge Negrete cantou próprio, desde que ele popularizou o papel de charro na ficção e na vida real, fase em que seus romances não tinham nada a invejar seus personagens do filme. Seus casamentos com Elisa Christy e Gloria Marín naufragaram nos conflitos decorrentes da escapadas amorosas às vezes e fofocam com os outros e havia até seu terceiro casamento atrasado com o brilhante Felix María, famoso por sua vida licenciosa e frívola, que Negrete iria conseguir um relacionamento estável.

Gloria Marín e Jorge Negrete na carta de amor (1943)
Em todos os filmes, personagem popular, a arte da charrería teve um papel fundamental. E é que o mesmo título de alguns de seus filmes, como se Adelita está com outro, que faz referência direta a uma canção popular da revolução mexicana, ou não o suficiente para ser um charro, constituía um claro prelúdio para o argumento de que iria desenvolver na tela. Todo o script de filmes era perfeitamente planejado e estruturado para exibição pessoal do Negrete galan e também como intérprete de canções mexicanas cativante para o público, então todos os seus filmes tinham uma seleção de temas musicais. Ele jogou também, no entanto, algumas fitas de natureza diferente, tais como o arrebatamento, por Emilio Fernández e melodramas.
Seus primeiros filmes incluem La Valentina, Perjura, Juan sem medo e Juntos pero não revueltos (1938). Ele recebeu um sucesso retumbante com Ay Jalisco não te Lúcia!, filme feito em 1941 e dirigido por Joselito Rodríguez, cuja interpretação recebeu um ano depois de filmar o prêmio de melhor performance masculina, concedido pela Associação de jornalistas de cinema mexicano. Ele foi seguido por novos sucessos como uma grande história de amor, então você quer em Jalisco (1942), dirigidos por Fernando de Fuentes, El Peñón de las ánimas e terra de paixões (1942), quando você quer um mexicano e também que comer a pêra espinhosa (1944), um dos títulos míticos da filmografia de Negrete.
Sua actividade frenética continuou nos anos seguintes com Canaima, até que perdeu Jalisco, não basta ser um charro, Camino de Sacramento e Gran Casino (1947), filme dirigido por Luis Buñuel. Ele posteriormente levou a cabo a segunda versão do além no Rancho Grande, Adelita se está com outra (1948), filme do diretor Chano Urueta, posse (1949), dois tipos de cuidados, tal que (1952) e relatório e o arrebatamento (1953), seus dois últimos.

Negrete e María Felix no arrebatamento (1953)
Em seus filmes e apresentações, Negrete costumava abeto como um autêntico charro, vestindo jaqueta bordada, calça apertada, camisa branca com gravata e um cone de vidro de banda larga e alta de chapéu brimmed. No palco e no prato vagando com a arrogância que caracteriza um galã difícil de sorriso terno e doce, sempre pronto para o lance amoroso. E é que, provavelmente, o encanto do público feminino fiel estava em Negrete foi sabia combinar seus personagens em frente de traços, como galã áspero equipado ao mesmo tempo de um olhar lânguido, enigmático. Instantaneity que caracteriza a arte da fotografia foi capaz de capturar com perfeição esta dualidade carismática de Negrete. Nas fotografias que você imortalizar normalmente aparece com a cabeça, olhada, como se ele desafiou o mundo e cantar, auto-confiante, com extrema bravura. Mas Negrete também pode ser uma amante rejeitada com feridas profundas de amor; seu olhar então combina a ousadia com um toque suave de insolência, que convida para o jogo do amor, enquanto seus lábios mal conseguem segurar um cigarro.
Apesar do fato de que, durante mais de vinte anos de sua carreira ele mostrou uma imagem estereotipada de carinhoso e atencioso, galantes com as mulheres e também de difícil Punisher se o script ou a ocasião exigia, após esta imagem comercial e publicitária, projetada para não decepcionar uma audiência crescente, escondia-se um desconhecido Jorge Negrete madura e consciente da dimensão da sua carreira. Fui muito de que a indústria do cinema mexicano devido Jorge Negrete. Na verdade, ele jogou o primeiro filme mexicano que incorporou a cor na tela (quer em Jalisco) e foi dirigido por diretores famosos como Luis Buñuel y Chano Urueta, bem como Fernando de Fuentes, um dos mais importantes diretores de cinema do cine mexicano na década de 1930 e 1940.
Fernando de Fuentes, que tinham começado a idade industrial do cinema mexicano com a primeira versão do além no Rancho Grande (1936), estrelado por Tito Guízar, colocou-se além da moda com a produção de filmes de comédias rancheras, um gênero que parecia feito à medida da capacidade criativa e artística de Jorge Negrete. Não é de estranhar que Fernando de Fuentes e Negrete o trabalho juntos em filmes inesquecíveis, quer em Jalisco (1942), até que perdeu Jalisco (1945) e a segunda versão do além no Rancho Grande (1948), mantendo a vitalidade de um gênero que Negrete tornou-se um embaixador da mexicana cultura e folclore. Negrete também ajudou a fundar o sindicato dos trabalhadores do filme produção da República mexicana e a Associação Nacional dos atores.
Em seu papel como canções populares do cantor como a feira das flores, Jalisco, lá no Rancho Grande e Las Mañanitas, que já formam parte da cultura da identificação do país, abrindo uma escola cujos representantes mais altos incluem Aceves Mejía e Pedro Infante. Em 1953, quando parecia ter vindo para a plenitude e maturidade profissional e pessoal e sentimental, morreu, pouco depois de ser casado (1952) com a atriz mexicana María Felix, famoso tanto por suas atuações no cinema como suas escapadas amorosas. Ambos tinham trabalhado juntos pela primeira vez no filme El Peñón de las ánimas, que também foi a primeira intervenção do cinema de então-jovens María Felix. Um dos atores e cantores mais cativante e internacional filme mexicano desapareceu com sua morte. No entanto, Jorge Negrete sempre permanecerá na memória dos espectadores e chama-se merecidamente uma das posições mais proeminentes de honra da cinematografia mexicana e música.
Ao longo de sua carreira, Negrete se espalhou e popularizou a música, canções e cultura mexicana em todo o mundo; para fazer isso, valeu a jato de tinta sua voz poderosa e extraordinário, um genuíno instrumento que modular sabia perfeitamente, moldando com profunda e rasgado a sentir tanto amor e mágoa, o carinho mais macios ou mais ressentimento triste e profundamente enraizada. Cativante personagem, possivelmente foi a sua morte, que ocorreu quando ele tinha pouco mais de quarenta anos e estava na plenitude de sua vida pessoal e profissional, que lhe concedeu a graça da imortalidade, permanecendo sempre o nome dele como uma memória viva na memória das pessoas e das novas gerações.
Publicado para fins educacionais com permissão de: Biografías y Vidas
Biografias de personagens históricos e personalidades