Pular para o conteúdo principal

Escola do Ministério Teocrático Semana de 15 de setembro ‒ Destaques de Números 26-29

Referências para a Escola do Ministério Teocrático

Baixar arquivo no PDF para Laptops, Tablets e Mobile

Baixar arquivo no PDF para Laptops, Tablets e Mobile

Programa para a Escola do Ministério Teocrático: Semana de 15 de setembro


km 9/14 p. 2 Programação para a Semana de 15 de Setembro

SEMANA DE 15 DE SETEMBRO

Cântico 105 e oração

□ Estudo Bíblico de Congregação:

cl cap. 13 §§ 1-10 (30 min)

□ Escola do Ministério Teocrático:

Leitura da Bíblia: Números 26-29 (10 min)

N.° 1: Números 27:15–28:10 (4 min ou menos)

N.° 2: Deus não criou o Diabo — rs p. 355 § 2 (5 min)

N.° 3: Adão — As terríveis consequências do pecado — it-1 p. 47 § 7–p. 48 § 1 (5 min)

□ Reunião de Serviço:

Cântico 11

15 min: O que realizamos? Discurso a ser feito pelo superintendente do serviço. Faça uma análise das atividades da congregação no ano de serviço que passou, incluindo a campanha especial no mês de agosto. Concentre-se nas coisas boas que foram realizadas e dê elogios apropriados. Convide a assistência a relatar os bons resultados que tiveram em agosto, e entreviste um publicador que expandiu suas atividades no ministério. Depois, mencione um ou dois aspectos do ministério em que a congregação pode melhorar neste ano de serviço e dê sugestões práticas.

15 min: “‘Tome por Modelo os Profetas’ — Naum”. Perguntas e respostas.

Cântico 46 e oração
w14 15/7 pp. 1-2 Sumário

15-21 DE SETEMBRO DE 2014

“Vós sois as minhas testemunhas”

PÁGINA 23 • CÂNTICOS: 31, 92
ws14 15/7 pp. 1-2 Sumário

15-21 DE SETEMBRO DE 2014

“Vós sois as minhas testemunhas”

PÁGINA 15 • CÂNTICOS: 31, 92



Destaques do livro de Números 26-29

*** g03 8/11 p. 27 Quando as pessoas que amamos são de outra religião ***
A razoabilidade é imprescindível
É claro que a Bíblia alerta contra as más companhias e essa influência poderia vir da família imediata. (1 Coríntios 15:33) Diversos servos fiéis de Deus do passado tomaram uma posição firme a favor do que é correto, embora seus pais não os apoiassem. Esse com certeza foi o caso dos filhos de Corá. (Números 16:32, 33; 26:10, 11) Os cristãos verdadeiros não devem colocar em risco sua fé só para agradar os outros, mesmo que esses sejam familiares. — Atos 5:29.
Em alguns casos, os pais ou outras pessoas queridas são completamente contra as crenças de um cristão. Alguns talvez até se tornem inimigos do cristianismo verdadeiro. Nessas situações, os cristãos tomam medidas razoáveis para proteger sua espiritualidade. Jesus disse apropriadamente: “Os inimigos do homem serão pessoas de sua própria família. Quem tiver maior afeição pelo pai ou pela mãe do que por mim, não é digno de mim; e quem tiver maior afeição pelo filho ou pela filha do que por mim, não é digno de mim.” — Mateus 10:36, 37.

*** g92 22/10 pp. 20-21 Que fazer quando nossos pais nos envergonham? ***
Os filhos de Corá deram um exemplo similar. Antes da entrada da nação de Israel na Terra Prometida, Corá, um destacado levita, liderou uma rebelião contra Moisés e Arão. A revolta, porém, foi prontamente esmagada quando Corá e seus seguidores foram executados por um terremoto e por fogo do céu. É interessante, porém, que os filhos de Corá sobreviveram. (Números 26:9-11) Parece que não tomaram o partido de seu pai nessa rebelião. Sem dúvida esses filhos de Corá sentiram vergonha do proceder iníquo de seu pai. Mas Jeová abençoou os descendentes de Corá por terem-se apegado à Sua lei. Dentre as mais belas expressões na Bíblia encontram-se as palavras escritas pelos filhos de Corá. — Veja Salmos 45, 48, 84, 85, 87 e 88.
Como Josias, Ezequias e os filhos de Corá, muitos jovens cristãos da atualidade têm-se mostrado diferentes de seus pais transgressores. Veja o caso de um adolescente que chamaremos de Maxwell. Seus pais eram Testemunhas de Jeová fiéis, mas acabaram tornando-se opositores apóstatas do cristianismo. Certa ocasião, empunhando cartazes, participavam de uma manifestação fora do local de um congresso cristão ao qual Maxwell assistia. “Foi muito embaraçoso”, explica ele. “Alguns, sem saberem que se tratava de meus pais, disseram-me: ‘Viu aqueles apóstatas estúpidos lá fora?’” Contudo, Maxwell não seguiu o proceder rebelde de seus pais. E, com o apoio de membros da família fiéis e de outros cristãos, ele tem sido capaz de contornar os sentimentos de embaraço e vergonha.

*** w13 15/6 pp. 10-11 pars. 14-15 Tenha pleno apreço pelas qualidades de Jeová ***
14 As cinco irmãs se dirigiram a Moisés e perguntaram: “Por que devia o nome de nosso pai ser retirado do meio da sua família por ele não ter filho?” Elas apelaram: “Oh! dá-nos uma propriedade no meio dos irmãos de nosso pai.” Será que Moisés reagiu dizendo: ‘Essa é uma regra sem exceções’? Não, ele ‘apresentou o caso perante Jeová’. (Núm. 27:2-5) Qual foi a decisão? Jeová disse a Moisés: “As filhas de Zelofeade estão falando corretamente. Decididamente, deves dar-lhes a propriedade duma herança no meio dos irmãos de seu pai e tens de fazer passar a elas a herança de seu pai.” Jeová foi além. Ele transformou a exceção em regra, instruindo a Moisés: “Caso um homem morra sem ter filho, então tendes de fazer sua herança passar à sua filha.” (Núm. 27:6-8; Jos. 17:1-6) Dali em diante, todas as mulheres israelitas que enfrentassem esse mesmo problema seriam protegidas.
15 Que decisão bondosa e imparcial! Jeová tratou com dignidade essas mulheres que estavam numa condição vulnerável, assim como fazia com os israelitas que tinham circunstâncias mais favoráveis. (Sal. 68:5) Esse é apenas um dos muitos relatos bíblicos que ilustram esta animadora verdade: Jeová trata todos os seus servos com imparcialidade. — 1 Sam. 16:1-13; Atos 10:30-35, 44-48.

*** w13 1/2 p. 5 Moisés — Um homem humilde ***
O QUE APRENDEMOS DE SEU EXEMPLO? Nunca devemos permitir que poder, autoridade ou habilidades naturais nos façam ficar orgulhosos. Lembre-se: para sermos usados por Jeová, nossa humildade sempre deve ser maior que nossas habilidades. (1 Samuel 15:17) Se formos realmente humildes, faremos de tudo para aplicar o sábio conselho da Bíblia: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão.” — Provérbios 3:5, 6.
O exemplo de Moisés também nos ensina a não dar importância demais à nossa posição ou autoridade.
Será que vale a pena imitar o exemplo de humildade de Moisés? Com toda a certeza! Quando cultivamos verdadeira humildade, facilitamos a vida das pessoas à nossa volta, e elas passam a gostar mais de nós. Acima de tudo, nos tornamos mais queridos para Jeová Deus, que também demonstra essa bela qualidade. (Salmo 18:35) “Deus se opõe aos soberbos, mas dá benignidade imerecida aos humildes.” (1 Pedro 5:5) Existe motivo melhor para imitarmos a humildade de Moisés?

*** w07 1/4 p. 17 Ofereça sacrifícios que agradam a Deus ***
Ofertas e sacrifícios na adoração verdadeira
Quando a nação de Israel foi formada, Jeová deu instruções explícitas aos israelitas sobre como ele queria ser adorado, e isso incluía ofertas e sacrifícios. (Números, capítulos 28 e 29) Algumas ofertas eram dos frutos da terra; outras envolviam o sacrifício de certos animais como touros, ovelhas, cabritos, pombos e rolas. (Levítico 1:3, 5, 10, 14; 23:10-18; Números 15:1-7; 28:7) Havia os holocaustos, ofertas que deviam ser inteiramente consumidas por fogo. (Êxodo 29:38-42) Havia também sacrifícios de participação em comum, e quem os oferecia participava por comer do que era sacrificado a Deus. — Levítico 19:5-8.
Todas as ofertas e sacrifícios feitos a Deus sob a Lei mosaica eram um modo de adorar a Deus e reconhecê-lo como Soberano do Universo. Por meio desses sacrifícios, os israelitas expressavam gratidão a Jeová por suas bênçãos e proteção, e também recebiam perdão pelos pecados. Enquanto observavam fielmente os requisitos de Jeová para adoração, eram muito abençoados. — Provérbios 3:9, 10.

*** w07 1/1 p. 25 par. 17 “Tens de ficar de todo alegre” ***
17 É digno de nota que durante essa festividade antiga eram oferecidos 70 novilhos. (Números 29:12-34) O número 70 é igual a 7 vezes 10, números que na Bíblia representam perfeição celestial e terrestre. Assim, o sacrifício de Jesus beneficiará os fiéis de todas as 70 famílias da humanidade que descenderam de Noé. (Gênesis 10:1-29) Em harmonia com isso, o ajuntamento em nossos dias foi ampliado para incluir pessoas de todas as nações que exercem fé em Jesus e têm a esperança de viver numa Terra paradisíaca.

*** w79 1/3 p. 14 O Sermão do Monte — ‘quando jejuar, unte a cabeça’ ***
O jejum não foi mencionado especificamente na lei que Deus deu por intermédio de Moisés. Mas a Lei ordenava que, no Dia da Expiação, os israelitas deviam “atribular” a si mesmos, o que é entendido como significando jejuar. (Lev. 23:27; Núm. 29:17; veja também Levítico 16:29-31, Centro Bíblico Católico; compare isso com Salmo 35:13; Isaías 58:3, 5.) Embora este fosse o único jejum público exigido pela lei mosaica, os israelitas observavam muitos outros. Jejuavam publicamente nos aniversários de calamidades nacionais e durante épocas de secas, safras escassas, pestilência e guerra. — Zac. 7:5; 8:19.
O CONSELHO DE JESUS SOBRE O JEJUM
Jesus iniciou seu conselho sobre a abstinência de alimento por dizer: “Quando jejuardes, parai de ficar com o rosto triste, como os hipócritas, pois desfiguram os seus rostos para que pareça aos homens que estão jejuando.” — Mat. 6:16a.
Jesus nunca mandou que seus discípulos jejuassem, e sabia-se que eles não jejuavam regularmente. (Mat. 9:14, 15) Por outro lado, o Filho de Deus não disse aos seus seguidores que eles deviam evitar esta prática inteiramente A expressão, “quando jejuardes”, indica que alguns dos seus discípulos jejuavam ocasionalmente. — Veja Atos 13:2, 3; 14:23.

*** it-3 p. 120 Ofertas ***
Ofertas queimadas. As ofertas queimadas eram apresentadas em sua inteireza a Deus; o adorador não ficava com parte alguma do animal. (Veja Jz 11:30, 31, 39, 40.) Constituíam um apelo a Jeová para que aceitasse, ou demonstrasse aceitar, a oferta pelo pecado que às vezes as acompanhavam. Jesus Cristo, como “oferta queimada”, entregou-se por completo, inteiramente.
Ocasiões e características das ofertas queimadas:
(1) Ocasiões regulares em que eram oferecidas: toda manhã e toda noitinha (Êx 29:38-42; Le 6:8-13; Núm 28:3-8); todo sábado (Núm 28:9, 10); o primeiro dia do mês (Núm 10:10); a Páscoa e os sete dias da Festividade dos Pães Não Fermentados (Le 23:6-8; Núm 28:16-19, 24); o Dia da Expiação (Le 16:3, 5, 29, 30; Núm 29:7-11); Pentecostes (Le 23:16-18; Núm 28:26-31); cada dia da Festividade das Barracas. — Núm 29:12-39.

*** si p. 34 par. 29 Livro bíblico número 4 — Números ***
29 A seguir, Jeová ordena a Moisés e a Eleazar que façam um novo recenseamento do povo, conforme se fizera quase 39 anos antes, junto ao monte Sinai. A contagem final mostra que não houve aumento nas suas fileiras. Pelo contrário, há 1.820 homens a menos registrados. Não resta nenhum dos que foram registrados junto ao Sinai para o serviço do exército, exceto Josué e Calebe. Conforme Jeová indicara que sucederia, todos eles haviam morrido no ermo. Jeová dá a seguir instruções relativas à divisão da terra como herança. Repete que Moisés não entrará na Terra da Promessa, por ter deixado de santificar a Jeová junto às águas de Meribá. (20:13; 27:14, notas) Josué é designado sucessor de Moisés.

*** it-3 pp. 694-695 Termo ***
Termos Tribais de Israel. (MAPA, Vol 1, p. 648) Na época em que Israel conquistou a Terra da Promessa, concedera-se às tribos de Rubem, de Gade e à meia tribo de Manassés o direito de receberem sua herança de terras “deste lado do Jordão em direção do nascente”. (Núm 32:1-5, 19, 33-42; 34:14, 15; Jos 13:8-13, 15-32) Depois de seis anos de guerras para subjugar os cananeus, chegou o tempo para se determinar os termos tribais ao O do Jordão para as outras nove tribos e a meia tribo remanescente de Manassés. Josué, o sacerdote Eleazar e um maioral de cada tribo foram designados por Jeová para atuar como comissão encarregada de supervisionar a distribuição de terras. (Núm 34:13-29; Jos 14:1) O procedimento adotado estava em harmonia com a anterior ordem de Deus a Moisés: “Conforme for grande o número, deves aumentar a sua herança, e conforme for pouco, deves reduzir a sua herança. A herança de cada um deve ser dada proporcional aos seus registrados. Somente por sorte se deve repartir a terra.” — Núm 26:52-56; 33:53, 54.
Portanto, parece que a distribuição da terra entre as tribos foi governada por dois fatores: o resultado indicado pelo lançamento das sortes e o tamanho da tribo. As sortes talvez estabelecessem apenas a localização aproximada da herança de terras que cada tribo receberia, o que designaria uma herança num setor ou noutro daquela terra, tal como ao N ou ao S, ao L ou ao O, ao longo da planície costeira, ou na região montanhosa. A decisão revelada pelas sortes procedia de Jeová, de modo que servia para impedir que surgissem ciúmes ou contendas entre as tribos. (Pr 16:33) Desta forma, Deus também dirigiria as coisas de tal modo que a situação de cada tribo se harmonizasse com a profecia inspirada, proferida pelo patriarca Jacó em seu leito de morte, registrada em Gênesis 49:1-33.
Depois de as sortes lançadas terem determinado a localização geográfica de determinada tribo, seria necessário especificar a extensão do seu território à base do segundo fator: seu tamanho proporcional. “Tendes de repartir a terra entre vós como propriedade, por sortes, segundo as vossas famílias. Ao numeroso deveis aumentar sua herança e ao escasso deveis reduzir sua herança. Onde a sorte lhe cair, ali se tornará sua.” (Núm 33:54) A decisão da sorte quanto à localização geográfica básica prevaleceria, mas era possível fazer ajustes no que dizia respeito ao tamanho da herança. Assim, quando se constatou que o território de Judá era grande demais, a área da sua propriedade foi reduzida, designando-se partes dela à tribo de Simeão. — Jos 19:9.
Parece que o aumento ou a diminuição da herança não ocorria apenas à base da área da propriedade, pois a tribo de Dã, embora fosse a segunda mais populosa, recebeu uma das menores parcelas no que tange a dimensões reais. Outros fatores talvez fossem considerados, como o número de cidades, o tipo de terra e a qualidade do solo. — Veja Jos 17:14-18.

*** w02 1/12 p. 12 De que Josué se lembrou ***
Comissionado para ser sucessor de Moisés
Pouco antes de sua morte, Moisés pediu a Deus que designasse seu sucessor, para que Israel não se tornasse “como ovelhas sem pastor”. Qual foi a resposta de Jeová? Josué, “homem em quem há espírito”, devia ser comissionado perante toda a assembléia. Todos deviam obedecer-lhe. Que recomendação! Jeová havia notado a fé e a habilidade de Josué. A liderança de Israel não poderia ter sido confiada a mãos mais hábeis. (Números 27:15-20) Ainda assim, Moisés sabia que Josué se confrontava com enormes desafios. De modo que Moisés exortou seu sucessor a ser “corajoso e forte”, pois Jeová continuaria a estar com ele. — Deuteronômio 31:7, 8.

*** it-3 p. 123 Ofertas ***
Ofertas de bebida. As ofertas de bebida eram apresentadas junto com a maioria das outras ofertas, especialmente depois de os israelitas se terem fixado na Terra da Promessa. (Núm 15:2, 5, 8-10) Estas consistiam em vinho (“bebida inebriante”) e eram derramadas sobre o altar. (Núm 28:7, 14; compare isso com Êx 30:9; Núm 15:10.)

*** gt cap. 31 Eles arrancam cereais no sábado ***
Dando outro exemplo, Jesus diz: “Não lestes na Lei que os sacerdotes no templo, nos sábados, não tratam o sábado como sagrado e permanecem sem culpa?” Sim, mesmo nos sábados, os sacerdotes realizam abates e outros serviços no templo na preparação de sacrifícios animais! “Mas eu vos digo”, diz Jesus, “que algo maior do que o templo está aqui”.

*** it-3 p. 224 Pentecostes ***
Há uma ligeira diferença na descrição das outras ofertas (as além da oferta de participação em comum) no relato em Números 28:27-30. Em vez de sete cordeiros, um novilho, dois carneiros e um cabritinho, como em Levítico 23:18, 19, requeria sete cordeiros, dois novilhos, um carneiro e um cabritinho. Comentadores judeus dizem que a passagem em Levítico refere-se ao sacrifício que acompanhava os pães movidos, e aquele em Números, o devidamente ordenado sacrifício da festividade, de modo que se ofereciam ambas as ofertas. Em apoio disso, Josefo, descrevendo os sacrifícios no dia de Pentecostes, primeiro menciona os dois cordeiros da oferta de participação em comum, daí junta as ofertas remanescentes, enumerando três bezerros, dois carneiros (evidentemente um erro do copista em vez de escrever três), 14 cordeiros e dois cabritinhos. (Jewish Antiquities [Antiguidades Judaicas], III, 253 [x, 6]) O dia era um santo congresso, um dia sabático. — Le 23:21; Núm 28:26.

*** it-2 p. 58 Etanim ***
Etanim era também mês de festividades. O primeiro dia era o “dia de toque de trombeta”. (Le 23:24; Núm 29:1) Visto que toda lua nova era normalmente anunciada com um toque de trombeta, neste dia provavelmente havia adicionais ou extensos toques de trombeta. (Núm 10:10)

*** it-2 p. 84 Expiação, Dia da ***
O Dia da Expiação era uma ocasião de santo congresso e de jejum, conforme indicado pelo fato de que o povo devia então ‘atribular a sua alma’. Este era o único jejum imposto pela Lei mosaica. Era também um sábado, uma ocasião de se abster dos trabalhos regulares. — Le 16:29-31; 23:26-32; Núm 29:7; At 27:9.


N.° 1: Números 27:15–28:10 (4 min ou menos)

(Números 27:15-28:10) falou então a Jeová, dizendo: 16 “Que Jeová, o Deus dos espíritos de toda sorte de carne, designe sobre a assembléia um homem 17 que saia diante deles e que entre diante deles, e que os leve para fora e que os leve para dentro, a fim de que a assembléia de Jeová não se torne como ovelhas sem pastor.” 18 Portanto, Jeová disse a Moisés: “Toma para ti Josué, filho de Num, homem em quem há espírito, e tens de pôr tua mão sobre ele; 19 e tens de fazê-lo ficar de pé diante de Eleazar, o sacerdote, e diante de toda a assembléia, e tens de comissioná-lo diante dos seus olhos. 20 E tens de pôr um pouco da tua dignidade sobre ele, para que toda a assembléia dos filhos de Israel o escute. 21 E é diante de Eleazar, o sacerdote, que ele ficará de pé, e este tem de indagar a seu favor por meio do julgamento do Urim perante Jeová. À sua ordem sairão e à sua ordem entrarão, ele e todos os filhos de Israel com ele, e toda a assembléia.” 22 E Moisés passou a fazer assim como Jeová lhe ordenara. Por conseguinte, tomou Josué e o fez ficar de pé diante de Eleazar, o sacerdote, e diante de toda a assembléia, 23 e pôs as mãos sobre ele e o comissionou, assim como Jeová falara por meio de Moisés. 28 E Jeová falou mais a Moisés, dizendo: 2 “Dá ordem aos filhos de Israel, e tens de dizer-lhes: ‘Deveis cuidar em apresentar-me a minha oferta, meu pão, para as minhas ofertas feitas por fogo, como cheiro repousante para mim, nos seus tempos designados.’ 3 “E tens de dizer-lhes: ‘Esta é a oferta feita por fogo que apresentareis a Jeová: cada dia dois cordeiros sadios, de um ano de idade, como contínua oferta queimada. 4 Um cordeiro ofertarás pela manhã e o outro cordeiro ofertarás entre as duas noitinhas, 5 junto com o décimo de um efa de flor de farinha como oferta de cereais umedecida com um quarto de um him de azeite batido; 6 a contínua oferta queimada que se ofertou no monte Sinai como cheiro repousante, uma oferta feita por fogo a Jeová, 7 junto com a sua oferta de bebida, o quarto de um him para cada cordeiro. Derrama para Jeová no lugar santo a oferta de bebida, de bebida inebriante. 8 E ofertarás o outro cordeiro entre as duas noitinhas. Com a mesma oferta de cereais como de manhã e com a sua mesma oferta de bebida o ofertarás como oferta feita por fogo, de cheiro repousante para Jeová. 9 “‘No entanto, no dia de sábado haverá dois cordeiros sadios de um ano de idade e duas medidas de décimo de flor de farinha como oferta de cereais umedecida com azeite, junto com a sua oferta de bebida, 10 como oferta queimada sabática no seu sábado, junto com a contínua oferta queimada e a sua oferta de bebida.

N.° 2: Deus não criou o Diabo — rs p. 355 § 2 (5 min)

rs p. 355 § 2 Satanás, o Diabo
Todas as obras de Jeová são perfeitas; ele não é o autor da injustiça; de modo que ele não criou ninguém mau. (Deut. 32:4; Sal. 5:4) Aquele que se tornou Satanás era originalmente um filho espiritual perfeito de Deus. Quando Jesus disse que o Diabo “não permaneceu na verdade”, indicou que outrora ele estava “na verdade”. (João 8:44) Mas, assim como se dá com todas as criaturas inteligentes de Deus, este filho espiritual foi dotado de livre-arbítrio. Ele abusou da liberdade de escolha, permitiu que sentimentos de altivez se desenvolvessem no seu coração e começou a desejar que se lhe prestasse a adoração que pertencia unicamente a Deus, de modo que induziu Adão e Eva a escutar a ele, em vez de obedecer a Deus. Assim, pelo seu proceder, ele se fez Satanás, que significa “adversário”. — Tia. 1:14, 15; veja também as páginas 279, 280, sob o tópico “Pecado”.

N.° 3: Adão — As terríveis consequências do pecado — it-1 p. 47 § 7–p. 48 § 1 (5 min)

it-1 p. 47 § 7–p. 48 § 1 Adão
Por todos esses motivos, e muitos outros, Adão estava sob obrigação de amar, de adorar e de obedecer estritamente a seu Grandioso Criador. Mais do que isso, o Legislador Universal lhe delineou a simples lei da obediência e o informou cabalmente da penalidade justa e razoável da desobediência: “Quanto à árvore do conhecimento do que é bom e do que é mau, não deves comer dela, porque no dia em que dela comeres, positivamente morrerás.” (Gên 2:16, 17; 3:2, 3) Apesar desta lei explícita, que impunha severa punição pela desobediência, ele deveras desobedeceu.
Resultados do Pecado. Eva foi completamente enganada por Satanás, o Diabo, mas “Adão não foi enganado”, diz o apóstolo Paulo. (1Ti 2:14) Com pleno conhecimento, Adão voluntária e deliberadamente preferiu desobedecer, e então, como criminoso, tentou esconder-se. Quando submetido a julgamento, ao invés de mostrar pesar ou arrependimento, ou de pedir perdão, Adão tentou justificar-se e passar a responsabilidade para outros, até mesmo culpando a Jeová por seu próprio pecado propositado. “A mulher que me deste para estar comigo, ela me deu do fruto da árvore e por isso comi.” (Gên 3:7-12) Assim, Adão foi expulso do Éden para uma terra não subjugada, que foi amaldiçoada para produzir espinhos e abrolhos, levando ali com suor a sua existência e colhendo os frutos amargos de seu pecado. Fora do jardim, aguardando a morte, Adão gerou filhos e filhas, só sendo preservados os nomes de três deles — Caim, Abel e Sete. A todos os seus filhos, Adão transmitiu o pecado e a morte hereditários, visto que ele próprio era pecaminoso. — Gên 3:23; 4:1, 2, 25.
Este foi o trágico início que Adão deu à raça humana. O Paraíso, a felicidade e a vida eterna foram perdidos, e, em seu lugar, o pecado, o sofrimento e a morte foram adquiridos através da desobediência. “Por intermédio de um só homem entrou o pecado no mundo, e a morte por intermédio do pecado, e assim a morte se espalhou a todos os homens, porque todos tinham pecado.” “A morte reinou desde Adão.” (Ro 5:12, 14) Mas Jeová, em sua sabedoria e em seu amor, proveu um “segundo homem”, “o último Adão”, que é o Senhor Jesus Cristo. Por meio deste obediente “Filho de Deus” abriu-se o caminho pelo qual os descendentes do desobediente “primeiro homem, Adão”, podem recuperar o Paraíso e a vida eterna, a igreja ou congregação de Cristo até mesmo obtendo a vida celeste. “Porque, assim como em Adão todos morrem, assim também em Cristo todos serão vivificados.” — Jo 3:16, 18; Ro 6:23; 1Co 15:22, 45, 47.
Depois de o pecador Adão ter sido expulso do Éden, ele viveu para ver o assassinato de seu próprio filho, o banimento de seu filho assassino, os abusos do arranjo matrimonial e a profanação do sagrado nome de Jeová. Presenciou a construção duma cidade, o desenvolvimento de instrumentos musicais, e a forja de ferramentas de ferro e de cobre. Observou, e foi condenado, pelo exemplo de Enoque, “o sétimo homem na linhagem de Adão”, alguém que “prosseguiu andando com o verdadeiro Deus”. Até mesmo viveu para ver o pai de Noé, Lameque, da nona geração. Por fim, depois de 930 anos, a maioria dos quais passados no lento processo de morrer, Adão voltou ao solo do qual fora tirado, no ano 3096 AEC, assim como Jeová dissera. — Gên 4:8-26; 5:5-24; Ju 14; veja LAMEQUE N.° 2.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar arquivo no PDF para Laptops, Tablets e Mobile

Baixar arquivo no PDF para Laptops, Tablets e Mobile

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…