Destaques do Números 4, 5, 6

Destaques da Leitura da Bíblia ‒ Números 4, 5, 6

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

4 de ago. Leitura da Bíblia: Números 4-6

Perguntas bíblicas respondidas:

5:27 — O que significa ‘decair a coxa’ duma esposa culpada de adultério? A palavra “coxa” é usada aqui para se referir aos órgãos de procriação. (Gênesis 46:26) “Decair” sugere a degeneração desses órgãos, de modo que a concepção seria impossível.

Lições para nós:

6:1-7. Os nazireus deviam abnegadamente abster-se dos produtos da videira e de todas as bebidas inebriantes. Deviam deixar o cabelo ficar comprido — como sinal de submissão a Jeová, assim como as mulheres deviam estar em sujeição ao marido ou ao pai. Os nazireus deviam manter-se limpos por não se aproximarem de nenhum cadáver, mesmo o de um parente achegado. Os atuais servos de tempo integral são abnegados e se submetem a Jeová e aos requisitos dele. Algumas designações podem incluir viajar para uma terra distante e, por isso, talvez seja difícil ou mesmo impossível assistir ao enterro de um membro achegado da família.

*** w01 15/10 p. 31 Perguntas dos Leitores ***
Os varais não deviam ser removidos das argolas, nem mesmo quando a Arca estava no seu lugar no tabernáculo. Conseqüentemente, os varais não podiam ser usados para outros fins. Tampouco seria necessário tocar na Arca; se os varais tivessem sido retirados das argolas, cada transporte dela teria exigido manejar a Arca sagrada para reinserir os varais nas argolas. O comentário em Números 4:6, sobre ‘colocar os varais’, pode referir-se a se ajeitarem ou se ajustarem os varais para o transporte da caixa pesada para um novo acampamento.

*** w05 1/2 p. 26 Jeová sempre faz o que é certo ***
Por que Jeová tirou a vida de Uzá?
18 Outro assunto que para alguns talvez seja difícil de entender tem a ver com Davi tentar levar a arca do pacto para Jerusalém. A arca havia sido colocada numa carroça conduzida por Uzá e seu irmão. A Bíblia relata: “Por fim chegaram até a eira de Nacom, e Uzá estendeu então a mão à arca do verdadeiro Deus e segurou-a, porque o gado quase causara um transtorno. Nisso se acendeu a ira de Jeová contra Uzá, e o verdadeiro Deus o golpeou ali pelo ato irreverente, de modo que morreu ali perto da arca do verdadeiro Deus.” Alguns meses depois, uma segunda tentativa de transportar a arca foi bem-sucedida, porque os levitas coatitas carregaram-na sobre os ombros, assim como Jeová havia ordenado. (2 Samuel 6:6, 7; Números 4:15; 7:9; 1 Crônicas 15:1-14) Alguns talvez perguntem: ‘Por que Jeová agiu de maneira tão rigorosa? Uzá só queria proteger a arca.’ Para não tirarmos conclusões erradas, é bom considerar alguns pormenores úteis.

*** w06 1/8 pp. 23-24 Seja sábio por temer a Deus ***
Quando o temor a Deus falhou
13 Sentir a ajuda de Jeová durante aflições aprofundou o temor que Davi tinha por Deus e fortaleceu sua confiança nele. (Salmo 31:22-24) Em três ocasiões marcantes, porém, o temor de Davi a Deus falhou, trazendo sérias conseqüências. A primeira tinha a ver com o transporte da arca do pacto de Jeová para Jerusalém. Davi providenciou que a levassem numa carroça, em vez de nos ombros dos levitas, conforme ordenava a Lei de Deus. Quando Uzá, que guiava a carroça, segurou a Arca para impedi-la de cair, morreu na hora por causa desse “ato irreverente”. É verdade que Uzá cometeu um pecado grave, mas, no final das contas, foi a falha de Davi em manter o respeito correto pela Lei de Deus que provocou aquele resultado trágico. Temer a Deus significa fazer as coisas do modo dele. — 2 Samuel 6:2-9; Números 4:15; 7:9.

*** w02 1/8 p. 12 par. 13 Sujeite-se lealmente à autoridade instituída por Deus ***
13 Segundo a Lei de Deus, apenas os sacerdotes podiam oferecer incenso. A simples idéia de um levita não-sacerdotal oferecer incenso perante Jeová devia ter feito aqueles rebeldes cair em si. (Êxodo 30:7; Números 4:16) Isso não se deu com Corá e seus apoiadores. No dia seguinte, ele ‘congregou contra Moisés e Arão toda a assembléia na entrada da tenda de reunião’. O registro nos diz: “Jeová falou então a Moisés e a Arão, dizendo: ‘Separai-vos do meio desta assembléia, para que eu os extermine num instante.’” Mas Moisés e Arão rogaram para que se poupasse a vida do povo. Jeová ouviu seus rogos. Quanto a Corá e seus seguidores, “saiu fogo da parte de Jeová e passou a consumir os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam incenso”. — Números 16:19-22, 35.

*** w02 1/8 pp. 10-11 Sujeite-se lealmente à autoridade instituída por Deus ***
“Tendes de procurar também obter o sacerdócio?”
8 Corá não era chefe da casa paterna de Levi, nem chefe das famílias dos coatitas. (Números 3:30, 32) Apesar disso, era respeitado como maioral em Israel. Por causa de suas tarefas, é possível que ele tivesse tido bastante contato com Arão e seus filhos. (Números 4:18, 19) Observando as imperfeições desses homens, Corá talvez pensasse: ‘Esses sacerdotes são muito imperfeitos, e ainda assim devo me sujeitar a eles! Há pouco tempo, Arão fez um bezerro de ouro. A adoração desse bezerro fez o nosso povo cair na idolatria. Agora, Arão, irmão de Moisés, serve como sumo sacerdote. Isso é favoritismo! E os filhos de Arão, Nadabe e Abiú? Eles mostraram tanto desrespeito por seus privilégios de serviço, que Jeová os entregou à morte!’ (Êxodo 32:1-5; Levítico 10:1, 2) Não importa o que Corá tenha pensado, é evidente que ele começou a encarar o sacerdócio dum ponto de vista humano. Isto o levou a se rebelar contra Moisés e Arão e, em última instância, contra Jeová. — 1 Samuel 15:23; Tiago 1:14, 15.

*** w05 1/2 p. 27 par. 20 Jeová sempre faz o que é certo ***
20 Não devemos nos esquecer também que Uzá deveria saber que não era correto agir daquela forma. A arca representava a presença de Jeová. A Lei indicava que pessoas não-autorizadas não deviam tocar nela, deixando claro que os violadores seriam punidos com a morte. (Números 4:18-20; 7:89) Portanto, o transporte daquela arca sagrada não deveria ser tratado como algo sem importância. É evidente que Uzá era um levita (embora não um sacerdote) e, portanto, devia estar familiarizado com a Lei. Além disso, anos antes a arca havia sido levada para a casa de seu pai por motivos de segurança. (1 Samuel 6:20-7:1) Permaneceu ali por cerca de 70 anos, até que Davi decidiu transferi-la. Assim, é provável que desde criança Uzá conhecesse as leis que envolviam a arca.

*** w02 1/6 p. 19 par. 5 Um povo purificado para obras excelentes ***
5 De fato, a Lei Mosaica incluía regras e regulamentos sobre quase todos os aspectos da vida dos israelitas, especificando o que era puro e aceitável e o que não era. Por exemplo, nos capítulos 11 a 15 de Levítico encontramos instruções pormenorizadas sobre a pureza e a impureza. Certos animais eram impuros, e os israelitas não deviam comê-los. O nascimento duma criança tornaria a mulher impura por um período específico de tempo. Certas doenças da pele, especialmente a lepra, bem como as emissões dos órgãos genitais masculinos e femininos também tornariam a pessoa impura. A Lei ainda especificava o que se devia fazer em tais casos. Por exemplo, lemos em Números 5:2: “Ordena aos filhos de Israel que ponham para fora do acampamento todo leproso e todo aquele que tiver um fluxo, e todo aquele que se tornou impuro por meio duma alma falecida.”

*** cl cap. 29 pp. 293-295 pars. 11-12 “Para que conheçais o amor do Cristo” ***
11 Motivado a aliviar o sofrimento. Pessoas com várias doenças percebiam a compaixão de Jesus e, por isso, se achegavam a ele. Isso ficou especialmente evidente quando um homem “cheio de lepra” se aproximou de Jesus e da multidão que o seguia. (Lucas 5:12) Nos tempos bíblicos, os leprosos ficavam de quarentena para proteger os outros contra a contaminação. (Números 5:1-4) Com o tempo, porém, os líderes rabínicos desenvolveram um conceito cruel em relação à lepra e impuseram suas próprias regras opressivas. Note, porém, como Jesus respondeu ao leproso: “Veio também a ele um leproso, suplicando-lhe, até de joelhos, e dizendo-lhe: ‘Se apenas quiseres, podes tornar-me limpo.’ Em vista disso, penalizou-se, e, estendendo a mão, tocou nele e disse-lhe: ‘Eu quero. Torna-te limpo.’ E a lepra desapareceu-lhe imediatamente.” (Marcos 1:40-42) Jesus sabia que, pela lei, o leproso não poderia nem estar ali. Mesmo assim, em vez de rejeitá-lo, Jesus ficou tão profundamente comovido que fez algo impensável: tocou no homem!
12 Consegue imaginar o que aquele toque significou para o leproso? Para ajudá-lo a entender, acompanhe o relato do Dr. Paul Brand, especialista em lepra. Ele conta que, ao examinar um leproso na Índia, colocou a mão no ombro do homem e explicou, por meio de uma intérprete, o tratamento a que ele teria de se submeter. De repente, o leproso começou a chorar. “Eu disse algo que não devia?”, perguntou o médico. A intérprete perguntou ao jovem na língua dele e respondeu: “Não, doutor. Ele disse que está chorando porque o senhor colocou a mão no ombro dele. Fazia anos que ninguém tocava nele.” Para o leproso que se aproximou de Jesus, aquele toque teve um significado ainda maior. Resultou no fim da doença que o transformara num pária!

*** g 11/07 pp. 16-17 Será que a arqueologia apóia a Bíblia? ***
Sabiam ler e escrever?
A Bíblia indica que os israelitas do passado eram alfabetizados. (Números 5:23; Josué 24:26; Isaías 10:19) Mas os críticos discordavam, dizendo que a história bíblica, em grande parte, foi transmitida por tradição oral passível de erros. Em 2005 essa teoria sofreu um golpe quando os arqueólogos que trabalhavam em Tel Zayit, a meio caminho entre Jerusalém e o Mediterrâneo, encontraram um alfabeto arcaico, talvez o mais antigo alfabeto hebraico [6] já encontrado, gravado num pedaço de calcário.
Alguns eruditos dizem que essa descoberta, datada do décimo século AEC, sugere “treinamento formal por parte de escribas”, um “nível de cultura sofisticado” e “um desenvolvimento rápido da burocracia israelita em Jerusalém”. Assim, contrário às afirmações dos críticos, parece que pelo menos já no décimo século AEC os israelitas eram alfabetizados e teriam condições de registrar sua história.

*** w04 15/11 p. 23 pars. 14-15 Busque a Jeová, o examinador dos corações ***
14 Nem todos os israelitas faziam o que era mau aos olhos de Jeová. Oséias e Amós, por exemplo, ‘amavam o que era bom’ e serviram fielmente como profetas. Outros fizeram o voto de nazireu. Enquanto viviam como nazireus, eles se abstinham de produtos da videira, especialmente o vinho. (Números 6:1-4) Como é que os outros israelitas encaravam a vida abnegada dessas pessoas que faziam boas obras? A perturbadora resposta a essa pergunta revela a que ponto havia chegado a decadência do país. Amós 2:12 diz: “Vós fostes dar de beber vinho aos nazireus e impusestes uma ordem aos profetas, dizendo: ‘Não deveis profetizar.’ ”
15 Ao observarem o exemplo fiel dos nazireus e dos profetas, aqueles israelitas deveriam ter se sentido envergonhados e motivados a mudar de comportamento. Mas em vez disso, eles tentavam desanimar os leais de glorificar a Deus, demonstrando falta de amor. Que nunca pressionemos nossos irmãos cristãos que são pioneiros, missionários, superintendentes viajantes ou membros da família de Betel a descontinuar seu serviço de tempo integral simplesmente para voltar a uma suposta vida normal. Muito pelo contrário, procuremos incentivá-los a continuar o bom trabalho!

Ana fez um voto
Os sacrifícios de participação em comum eram consumidos no santuário de Jeová. Depois de sair do refeitório, Ana orou a Deus. (1 Samuel 1:9, 10) “Ó Jeová dos exércitos”, ela suplicou, “se sem falta olhares para a tribulação da tua escrava e realmente te lembrares de mim, e não te esqueceres da tua escrava e realmente deres à tua escrava um descendente masculino, eu o entregarei a Jeová todos os dias da sua vida e não passará navalha sobre a sua cabeça”. — 1 Samuel 1:11.
A oração de Ana foi específica. Ela pediu um menino e fez um voto dizendo que ele seria dedicado a Jeová como nazireu por toda a vida. (Números 6:1-5) Esse voto tinha de ter a aprovação de seu marido, e as ações posteriores de Elcana mostram que ele aprovou a promessa de sua amada esposa. — Números 30:6-8.
O modo como Ana orou deu ao Sumo Sacerdote Eli a impressão de que ela estivesse bêbada. Seus lábios se moviam, mas ele não ouvia nenhuma palavra, pois Ana falava no seu coração. A oração era extraordinariamente fervorosa. (1 Samuel 1:12-14) Imagine como Ana se sentiu quando Eli a repreendeu achando que ela estivesse bêbada! Mesmo assim, de modo respeitoso ela respondeu à acusação do sumo sacerdote. Depois que Eli entendeu que Ana orava “da abundância da [sua] preocupação e do [seu] vexame”, ele disse: “Que o Deus de Israel te conceda o teu pedido.” (1 Samuel 1:15-17) Depois disso, Ana saiu e se alimentou, e “seu semblante não estava mais preocupado”. — 1 Samuel 1:18.
O que aprendemos de tudo isso? Ao orarmos a Jeová a respeito de nossas preocupações, podemos expressar-lhe o que sentimos e fazer petições sinceras. Se nada mais pudermos fazer para resolver o problema, deveremos deixar o assunto nas Suas mãos. Não há melhor proceder a seguir. — Provérbios 3:5, 6.
Depois de orar fervorosamente, os servos de Jeová com certeza sentirão uma paz similar à de Ana. Com respeito às orações, o apóstolo Paulo escreveu: “Não estejais ansiosos de coisa alguma, mas em tudo, por oração e súplica, junto com agradecimento, fazei conhecer as vossas petições a Deus; e a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os vossos corações e as vossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus.” (Filipenses 4:6, 7) Quando lançamos nosso fardo sobre Jeová, devemos permitir que ele cuide do assunto. Então, como Ana, não precisamos mais ficar preocupados. — Salmo 55:22.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets