Pular para o conteúdo principal

Destaques do Números 14, 15, 16

Destaques da Leitura da Bíblia ‒ Números 14, 15, 16

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Destaques do livro de Números 14-16

25 de ago. Leitura da Bíblia: Números 14-16

Lições para nós:

14:24. Um meio de impedir que as pressões do mundo nos levem à transgressão é desenvolver “um espírito diferente” — uma atitude mental diferente da do mundo.
15:37-41. A franja, que era uma característica peculiar das vestes dos israelitas, destinava-se a lembrar-lhes que eram um povo separado para a adoração de Deus e para obedecer aos seus mandamentos. Não devemos nós também viver segundo as normas de Deus e mostrar que somos diferentes do mundo?

*** w11 15/1 pp. 27-28 Fortalecidos para superar qualquer provação ***
Ajudados a resistir à pressão de outras pessoas
8 Uma forma de oposição mais sutil contra os cristãos é a negativa pressão de outras pessoas. No entanto, visto que o espírito de Jeová é muito mais poderoso do que o espírito do mundo, podemos resistir aos que zombam de nós, que espalham mentiras a nosso respeito ou que tentam nos obrigar a adotar os seus padrões. O que foi, por exemplo, que habilitou Josué e Calebe a discordar dos conceitos dos outros dez espias enviados à terra de Canaã? Foi o espírito santo, que despertou neles um “espírito”, ou mentalidade, diferente. — Leia Números 13:30; 14:6-10, 24.

*** w11 15/7 p. 12 Você seguirá a amorosa orientação de Jeová? ***
Não siga ‘seu coração e seus olhos’
9 A segunda influência perigosa que analisaremos é de origem interna. Para ilustrar: se você estivesse viajando para certo lugar, pensaria em dispensar o mapa e simplesmente seguir seus impulsos — pegando qualquer estrada que parecesse oferecer belas paisagens? É óbvio que ceder a tais impulsos o impediria de atingir seu objetivo. Nesse respeito, veja outra das leis de Jeová ao Israel antigo. Muitos hoje talvez achem difícil entender uma lei que mandava colocar franjas e cordéis azuis nas roupas. (Leia Números 15:37-39.) Mas você vê a importância dessa lei? Obedecê-la ajudou o povo de Deus a se manter diferente e separado das nações pagãs ao seu redor. Isso era vital para ganhar e manter a aprovação de Jeová. (Lev. 18:24, 25) No entanto, essa lei revela também uma perigosa influência interna que pode nos desviar de nosso destino, a vida eterna. Como assim?

*** w11 15/7 p. 12 par. 11 Você seguirá a amorosa orientação de Jeová? ***
11 Hoje é ainda mais fácil que o nosso coração traiçoeiro seja seduzido pelos nossos sentidos. Vivemos num mundo que favorece a satisfação dos desejos da carne. Como então aplicar o princípio por trás de Números 15:39? Considere: digamos que as pessoas na escola, no trabalho ou onde você mora estejam se vestindo de modo cada vez mais provocante. Isso pode afetar você? Sente-se tentado a ‘seguir seu coração e seus olhos’ e, assim, ser seduzido pelo que vê? Daí, será tentado a baixar seus próprios padrões e se vestir de maneira similar? — Rom. 12:1, 2.

*** w98 1/9 pp. 19-20 Dê prioridade às coisas mais importantes! ***
O que deve ter prioridade?
Logo depois que os israelitas receberam os Dez Mandamentos, um homem foi flagrado apanhando lenha no sábado. Isso era estritamente proibido pela Lei. (Números 15:32-34; Deuteronômio 5:12-15) Como você julgaria esse caso? Teria justificado a ação do homem, argumentando que, afinal de contas, ele não estava trabalhando para ter um estilo de vida luxuoso, mas para satisfazer as necessidades da família? Teria raciocinado que, em muitas outras ocasiões durante o ano, ele poderia guardar o sábado e que ter perdido apenas um, talvez por falta de planejamento, poderia ser facilmente perdoado?
Jeová encarava o assunto com mais seriedade. “Então”, diz a Bíblia, “Jeová disse a Moisés: ‘O homem, sem falta, deve ser morto.’” (Números 15:35) Por que Jeová ficou tão irado com o que o homem fez?
O povo tinha seis dias para juntar lenha, bem como para cuidar das suas necessidades de comida, roupa e abrigo. Devia devotar o sétimo dia às suas necessidades espirituais. Embora não fosse errado juntar lenha, era errado fazer isso no dia reservado para a adoração de Jeová. Embora os cristãos não estejam sob a Lei mosaica, esse incidente nos ensina uma lição no que se refere a fixar corretamente as prioridades hoje em dia, não é verdade? — Filipenses 1:10.

*** w11 1/12 p. 3 Deus está nos castigando? ***
Será que Deus realmente usa desastres naturais para castigar as pessoas? A recente onda de tragédias é castigo de Deus?
No ímpeto de culpar a Deus, alguns apontam para relatos bíblicos que mostram que Deus causou destruição por meio de elementos da natureza. (Gênesis 7:17-22; 18:20; 19:24, 25; Números 16:31-35) Mas uma análise desses relatos mostra que em cada caso há pelo menos três fatores que distinguem as ações de Deus dos desastres naturais. Primeiro, houve avisos. Segundo, ao contrário dos desastres naturais, que matam bons e maus, a destruição por parte de Deus foi seletiva. Só pessoas incorrigíveis ou as que se recusaram a ouvir os alertas foram destruídas. Terceiro, Deus proveu uma via de escape para os inocentes. — Gênesis 7:1, 23; 19:15-17; Números 16:23-27.

*** w06 15/7 p. 15 pars. 6-7 ‘Mantenha-se livre de resmungos’ ***
6 Não muito tempo depois, os israelitas resmungaram outra vez. Moisés havia enviado 12 homens para espionar a Terra Prometida. Dez deles voltaram com informações negativas. O resultado? “Todos os filhos de Israel começaram a murmurar contra Moisés e Arão, e toda a assembléia começou a dizer contra eles: ‘Se tão-somente tivéssemos morrido na terra do Egito ou se tão-somente tivéssemos morrido neste ermo! E por que nos leva Jeová a esta terra [Canaã] para cairmos pela espada? Nossas esposas e nossos pequeninos ficarão por saque. Não é melhor voltarmos ao Egito?’ ” — Números 14:1-3.
7 Que mudança na atitude de Israel! A gratidão inicial por sua libertação do Egito e pela travessia do mar Vermelho a salvo fez com que cantassem louvores a Jeová. (Êxodo 15:1-21) Diante dos desconfortos do ermo e do medo dos cananeus, porém, a gratidão do povo de Deus foi substituída por um espírito de descontentamento. Em vez de agradecerem a Deus por sua liberdade, eles o culpavam pelo que erroneamente encaravam como privação. Assim, os resmungos refletiam a falta de devido apreço pelas provisões de Jeová. Não é para menos que ele tenha dito: “Até quando fará esta assembléia má tais resmungos contra mim?” — Números 14:27; 21:5.

*** w11 15/7 pp. 25-26 pars. 9-10 O descanso de Deus — de que se trata? ***
9 Que privilégio os israelitas tiveram — colaborar na realização do propósito de Jeová, o que resultaria em bênçãos não apenas para eles, mas, por fim, para todas as famílias da Terra! (Gên. 22:18) No entanto, como um todo, os daquela geração rebelde pouco se interessaram em estabelecer um reino-modelo sob o domínio teocrático. Eles até mesmo desejaram voltar para o Egito! (Leia Números 14:2-4.) Mas como poderia a volta deles para o Egito promover o objetivo de Deus de transformar Israel num reino-modelo? Não poderia. Na realidade, se os israelitas voltassem à custódia de seus captores pagãos, jamais conseguiriam seguir a Lei mosaica e aproveitar a provisão de Jeová para o perdão de seus pecados. Que mentalidade carnal e que falta de visão eles tinham! Não é para menos que Jeová dissesse a esses rebeldes: “[Eu] me aborreci desta geração e disse: ‘Eles sempre se perdem nos seus corações, e eles mesmos não chegaram a conhecer os meus caminhos.’ De modo que jurei na minha ira: ‘Não entrarão no meu descanso.’” — Heb. 3:10, 11; Sal. 95:10, 11.
10 O desejo de voltar para o Egito mostrou que aquela nação obstinada não prezava as bênçãos espirituais que recebera, preferindo o alho-porro, a cebola e o alho disponíveis no Egito. (Núm. 11:5) Como o ingrato Esaú, os rebeldes estavam dispostos a renunciar a uma preciosa herança espiritual em troca de uma boa refeição. — Gên. 25:30-32; Heb. 12:16.

*** w06 1/10 pp. 16-17 par. 5 Corajosos por meio da fé e do temor piedoso ***
5 Mas dois espias, Josué e Calebe, estavam ansiosos para entrar na Terra Prometida. Os cananeus “são para nós pão”, disseram. “Seu abrigo se retirou de cima deles e Jeová está conosco. Não os temais.” (Números 14:9) Será que Josué e Calebe eram tolos por serem otimistas? De forma alguma. Junto com o restante da nação, eles tinham visto Jeová humilhar o poderoso Egito e seus deuses, por meio das Dez Pragas. Depois viram Jeová afogar Faraó e sua força militar no mar Vermelho. (Salmo 136:15) Fica claro que o medo dos dez espias e dos que foram influenciados por eles não tinha justificativa. Muito magoado, Jeová disse: “Até quando não depositarão fé em mim, em vista de todos os sinais que realizei entre eles?”. — Números 14:11.

*** it-1 p. 786 Eleazar ***
Eleazar era daqueles de mais de 20 anos que deixaram o Egito e que também entraram na Terra da Promessa. Sendo da tribo de Levi, não estava incluído na condenação por parte de Deus, expressa contra as outras 12 tribos, de que ninguém dentre elas, de mais de 20 anos, entraria na Terra da Promessa, exceto Josué e Calebe. Levi não possuía representante entre os 12 espias, 10 dos quais trouxeram relatos maus, e os levitas, pelo que parece, não estavam entre os murmuradores sem fé e rebeldes contra Jeová. — Núm 13:4-16; 14:26-30.

*** it-3 p. 690 Tempos designados das nações ***
Na leitura dos relatos de Números 14:34 e de Ezequiel 4:6, pode-se perceber que o registro bíblico às vezes usa um número específico de dias para representar profeticamente um número equivalente de anos. É só aplicando aos “sete tempos” desta profecia a fórmula expressa nesses textos, isto é, “um dia por um ano”, que a visão de Daniel, capítulo 4, pode ter um cumprimento significativo, mais além dos dias de Nabucodonosor, já falecido, conforme se pode esperar em razão das evidências até aqui apresentadas. Portanto, eles representam 2.520 anos.

*** it-1 p. 121 Amorreu ***
Tribo Dominante em Canaã. Alguns comentadores acham que o termo “amorreus”, conforme usado em Gênesis 15:16 e 48:22, representa os povos de Canaã como um todo. De fato, os amorreus parecem ter sido a tribo principal ou dominante em Canaã, na época do Êxodo israelita do Egito. (Veja De 1:6-8, 19-21, 27; Jos 24:15, 18; Jz 6:10.) Neste caso, seria compreensível que, às vezes, outras tribos subordinadas e aparentadas fossem mencionadas sob o nome da tribo dominante dos amorreus. Assim, em Números 14:44, 45, o relato declara que “amalequitas” e “cananeus” impuseram aos israelitas a sua primeira derrota militar, ao passo que a recapitulação dos eventos por Moisés, em Deuteronômio, capítulo 1, simplesmente diz que “os amorreus” impuseram esta derrota. (De 1:44) Do mesmo modo, diz-se que Jerusalém fora governada por um rei amorreu, em Josué 10:5 (compare isso com Ez 16:3, 45), mas em outra parte se mostra que fora habitada por jebuseus. (Jos 15:8, 63; Jz 1:21; compare isso também com o caso de Gibeão, em Jos 9:7 e 2Sa 21:2.) De maneira similar, o nome de uma só tribo da nação de Israel, Judá, veio a ser aplicado a todos os israelitas pelo apelativo de “judeus”.

*** it-1 p. 367 Blasfêmia ***
Mesmo quando não havia expressões verbais contra Deus, as ações da pessoa contra as leis do pacto de Deus evidentemente importavam em ‘falar de modo ultrajante de Jeová’, ou em blasfemá-lo. Assim, ao passo que se dava consideração misericordiosa ao violador desintencional da lei de Deus, aquele que cometesse ofensas deliberadas, quer israelita nativo, quer residente forasteiro, devia ser morto, por ter falado de modo ultrajante de Jeová e por ter desprezado a palavra e o mandamento Dele. — Núm 15:27-31; compare isso com De 31:20; Ne 9:18, 26.

*** it-1 p. 629 Custódia, detenção ***
A custódia, em alguns casos, conforme usada na Bíblia, refere-se à detenção duma pessoa. Um exemplo disso é o meio-israelita que ultrajou o nome de Jeová enquanto estava no acampamento de Israel. Depois de ele ter transgredido a Lei, o relato declara: “Puseram-no então em detenção até que se lhes desse um esclarecimento segundo a declaração de Jeová.” (Le 24:10-16, 23) Por via de regra, Israel não mantinha os criminosos em prolongada detenção, porque tinha de executar prontamente a justiça. (Jos 7:20, 22-25) Todavia, neste caso, bem como no caso do violador do sábado, em Números 15:32-36, aguardava-se um esclarecimento da lei; mas, assim que a declaração de Jeová sobre o assunto ficou clara, a sentença foi executada imediatamente.

*** w03 15/7 p. 13 par. 15 Você tem “uma atitude de espera”? ***
15 Os israelitas deviam colocar “franjas nas abas das suas vestes” e “pôr um cordel azul por cima das franjas da aba”. Por quê? Para que se lembrassem dos mandamentos de Jeová, obedecessem a eles e ‘fossem santos’ para o seu Deus. (Números 15:38-40) Nós, como os servos de Jeová na atualidade, distinguimo-nos do mundo porque cumprimos as leis e os princípios de Deus. Por exemplo, mantemos a pureza moral, respeitamos a santidade do sangue e evitamos todo tipo de idolatria. (Atos 15:28, 29) Muitos nos respeitam por nossa firme determinação de nos mantermos sem mancha. — Tiago 1:27.

*** w00 1/8 p. 10 A presunção resulta em desonra ***
Corá, um rebelde invejoso
4 Corá era um levita coatita, primo em primeiro grau de Moisés e de Arão. Pelo visto, por décadas ele foi leal a Jeová. Corá teve o privilégio de estar entre os milagrosamente salvos no mar Vermelho, e é provável que tenha participado em executar o julgamento de Jeová contra os israelitas que adoraram um bezerro junto ao monte Sinai. (Êxodo 32:26) No entanto, por fim, Corá tornou-se o líder dum levante contra Moisés e Arão, que incluiu os rubenitas Datã, Abirão e Om, junto com 250 maiorais israelitas. “Já chega de vós”, disseram a Moisés e a Arão, “pois a assembléia inteira, todos eles, são santos e Jeová está no seu meio. Então, por que vos devíeis erguer acima da congregação de Jeová?” — Números 16:1-3.

*** it-1 pp. 21-22 Abirão ***
Abirão e seu irmão Datã apoiaram Corá, o levita, em sua rebelião contra a autoridade de Moisés e Arão. Um terceiro rubenita, chamado Om, também é incluído no estágio inicial da rebelião, mas, depois disso, não é mais mencionado. (Núm 16:1) Tendo ajuntado um grupo de 250 maiorais, que eram “homens de fama”, estes homens acusaram Moisés e Arão de arbitrariamente se elevarem sobre os demais da congregação. (Núm 16:1-3) Pelas palavras de Moisés a Corá, torna-se evidente que Corá e seus seguidores dentre os levitas ambicionavam o sacerdócio que fora conferido a Arão (Núm 16:4-11); mas isto evidentemente não se dava com Abirão e Datã, que eram rubenitas. Moisés lidou com eles em separado, e sua rejeição da convocação de Moisés para comparecerem perante ele contém acusações dirigidas unicamente contra Moisés, sem se mencionar Arão. Clamaram contra a liderança de Moisés sobre a nação e disseram que ele ‘tentava bancar ao máximo o príncipe sobre eles’, e que deixara de cumprir a promessa de guiá-los a uma terra que manasse leite e mel. A oração de Moisés a Jeová, em resposta a tais acusações, contém semelhantemente uma defesa de suas próprias ações, e não as de Arão. — Núm 16:12-15.
Disto pareceria que a rebelião tinha dois aspectos, e visava não só o sacerdócio arônico, mas também a posição de Moisés como administrador das instruções de Deus. (Sal 106:16) A situação talvez parecesse oportuna para a organização do sentimento popular em favor duma mudança, visto que pouco antes o povo se havia queixado duramente de Moisés, falara sobre a nomeação de novo cabeça para liderar a nação de volta ao Egito, e até mesmo falara de apedrejar Josué e Calebe por apoiarem Moisés e Arão. (Núm 14:1-10) Rubem era o primogênito de Jacó, mas perdera o direito à herança como tal, devido à ação errada. (1Cr 5:1) Assim, Datã e Abirão talvez expressassem ressentimentos pelo exercício de autoridade sobre eles por parte de Moisés, o levita, por desejarem recuperar o primado perdido de seu antepassado. Números 26:9, porém, mostra que sua luta não era só contra Moisés e Arão, mas também “contra Jeová”, que havia divinamente comissionado Moisés e Arão para ocuparem posições de autoridade.

*** w00 1/8 pp. 10-11 par. 6 A presunção resulta em desonra ***
6 É bem provável que parte do problema de Corá era que não prezava os seus próprios privilégios no arranjo de Deus. É verdade que os levitas coatitas não eram sacerdotes, mas eram instrutores da Lei de Deus. Carregavam também a mobília e os utensílios do tabernáculo quando tinham de ser transportados. Esta não era uma tarefa insignificante, porque os utensílios sagrados só podiam ser manuseados por aqueles que eram religiosa e moralmente limpos. (Isaías 52:11) Portanto, quando Moisés confrontou Corá, ele na verdade estava perguntando: Considera você a sua designação algo tão trivial que precisa também procurar obter o sacerdócio? (Números 16:9, 10) Corá não se deu conta de que a maior honra é servir fielmente a Jeová segundo o arranjo dele — não a de tentar conseguir alguma condição ou posição especial. — Salmo 84:10.

*** w02 1/8 pp. 11-12 Sujeite-se lealmente à autoridade instituída por Deus ***
O Juiz de Israel intervém
12 Quando Jeová deu a Lei a Israel, ele disse ao povo que, se fossem obedientes, eles se tornariam “uma nação santa”, e que a nação continuaria santa enquanto eles aceitassem o arranjo de Jeová. (Êxodo 19:5, 6) Com a rebelião então em andamento, era hora de o Juiz e Legislador de Israel intervir! Moisés disse a Corá: “Tu e toda a tua assembléia, comparecei perante Jeová, tu e eles, e Arão, amanhã. E tomai cada um seu porta-lume, e tendes de pôr incenso sobre eles e apresentar cada um seu porta-lume perante Jeová, duzentos e cinqüenta porta-lumes, e tu e Arão, cada um seu porta-lume.” — Números 16:16, 17.
13 Segundo a Lei de Deus, apenas os sacerdotes podiam oferecer incenso. A simples idéia de um levita não-sacerdotal oferecer incenso perante Jeová devia ter feito aqueles rebeldes cair em si. (Êxodo 30:7; Números 4:16) Isso não se deu com Corá e seus apoiadores. No dia seguinte, ele ‘congregou contra Moisés e Arão toda a assembléia na entrada da tenda de reunião’. O registro nos diz: “Jeová falou então a Moisés e a Arão, dizendo: ‘Separai-vos do meio desta assembléia, para que eu os extermine num instante.’” Mas Moisés e Arão rogaram para que se poupasse a vida do povo. Jeová ouviu seus rogos. Quanto a Corá e seus seguidores, “saiu fogo da parte de Jeová e passou a consumir os duzentos e cinqüenta homens que ofereciam incenso”. — Números 16:19-22, 35.

*** w02 1/8 p. 12 pars. 14-15 Sujeite-se lealmente à autoridade instituída por Deus ***
14 Por estranho que pareça, os israelitas que viram como Jeová lidou com os rebeldes não aprenderam a lição. “No dia seguinte, toda a assembléia dos filhos de Israel começou a resmungar contra Moisés e Arão, dizendo: ‘Vós é que fizestes morrer o povo de Jeová.’” Os israelitas estavam a favor dos conspiradores! Por fim, a paciência de Jeová se esgotou. Ninguém — nem mesmo Moisés e Arão — poderia interceder pelo povo. Jeová fez um flagelo atingir os desobedientes, “e os mortos pelo flagelo somaram quatorze mil e setecentos, além dos mortos por causa de Corá”. — Números 16:41-49.
15 Não havia necessidade de toda aquela gente ter perdido a vida. Bastava terem parado para pensar bem no assunto. Poderiam ter-se perguntado: ‘Quem arriscou a vida para comparecer diante de Faraó? Quem exigiu que os israelitas fossem libertados? Quem somente foi convidado a subir ao monte Horebe, após o livramento de Israel, para falar face a face com o anjo de Deus?’ O histórico notável de Moisés e Arão certamente era prova de sua lealdade a Jeová e do seu amor ao povo. (Êxodo 10:28; 19:24; 24:12-15) Jeová não se agradou de eliminar os rebeldes. No entanto, quando se tornou evidente que o povo ia persistir na rebelião, tomou uma ação decisiva. (Ezequiel 33:11) Tudo isso é de muito significado para nós hoje. Por quê?

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Baixar as referências adaptadas para laptops, celulares e tablets

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…