Pular para o conteúdo principal

Escola do Ministério Teocrático Semana de 30 de junho ‒ Destaques de Levítico 14 - 16

Referências para a Escola do Ministério Teocrático

Programa para a Escola do Ministério Teocrático: Semana de 30 de junho


ss14 pp. 1-4 Programa da Escola do Ministério Teocrático para 2014
30 de jun. Leitura da Bíblia: Levítico 14-16
Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático

w14 15/4 pp. 1-2 Sumário
30 DE JUNHO DE 2014–6 DE JULHO DE 2014
Jeová nos vigia para cuidar de nós
PÁGINA 27 • CÂNTICOS: 69, 120

ws14 15/4 pp. 1-2 Sumário
30 DE JUNHO DE 2014–6 DE JULHO DE 2014
Jeová nos vigia para cuidar de nós
PÁGINA 27 • CÂNTICOS: 69, 120


Destaques do livro de Levítico 14 - 16


Perguntas bíblicas respondidas:

15:16-18 — O que é a “emissão de sêmen” mencionada nestes versículos? Refere-se aparentemente a uma ejaculação noturna, bem como às relações sexuais maritais.
16:29 — Como os israelitas deviam ‘atribular as suas almas’? Esse procedimento, seguido no Dia da Expiação, relacionava-se com a obtenção do perdão de pecados. Pelo que parece, o jejum naquela época estava associado com a confissão dos pecados. É bem provável, portanto, que ‘atribular a alma’ se referisse ao jejum.

Levítico 14:34
A BÍBLIA FALA SOBRE BOLOR?
A Bíblia menciona “a praga da lepra numa casa”, referindo-se à própria construção. (Levítico 14:34-48) Sugere-se que esse fenômeno, também chamado de “lepra maligna”, era algum tipo de mofo ou bolor, mas não se tem certeza sobre isso. Qualquer que seja o caso, a Lei de Deus instruía os proprietários a remover as pedras contaminadas, raspar o interior da casa e descartar o material suspeito fora da cidade, num “lugar impuro”. Se a praga retornasse, toda a casa devia ser declarada impura, derrubada e o entulho, descartado. Essas instruções detalhadas demonstravam o profundo amor de Jeová pelo seu povo e sua preocupação com o bem-estar físico deles.

Lev 14:44
Lugar de Instrução Espiritual. Desde os tempos mais antigos, o lar funcionava como centro de instrução na adoração pura. A lei de Deus para Israel mandava especificamente que os pais ensinassem a seus filhos quando sentados em casa, bem como em outras ocasiões. (De 6:6, 7; 11:19) Também, a lei de Deus devia ser escrita, evidentemente em sentido figurado, nas ombreiras das portas das suas casas (De 6:9; 11:20), e o lar devia ser mantido livre de todos os acessórios da idolatria. (De 7:26) Visto que a casa era usada para tal propósito sagrado, as casas infectadas com “lepra maligna” deviam ser derrubadas. (Veja LEPRA.) A lei a respeito das casas leprosas lembraria aos israelitas que eles somente podiam morar em casas que estivessem limpas do ponto de vista de Deus. — Le 14:33-57.

Lev 15:2
Todavia, se a mulher havia tido um fluxo irregular, anormal ou prolongado, então tinha de contar também sete dias depois de este cessar. Assim também o varão devia contar sete dias depois do fluxo ter cessado. (Essa condição doentia do seu sistema urinário não deve ser confundida com a sua emissão normal de sêmen.) Tudo o que o homem, ou a mulher, tocasse ou em que se sentasse (camas, cadeiras, selas, vestes, e assim por diante) durante a sua condição impura também ficava impuro, e, por sua vez, quem tocasse em tais objetos ou na própria pessoa impura tinha de se banhar, lavar as vestes e permanecer impuro até a noitinha. Além de se banharem e de lavarem as suas vestes, tanto o homem como a mulher, no oitavo dia, deviam levar duas rolas ou dois pombos novos à tenda de reunião, e o sacerdote devia oferecê-los, um como oferta pelo pecado e o outro como sacrifício queimado, para fazer expiação a favor da pessoa purificada. — Le 15:1-17, 19-33.

Levítico 15:18
9 Estatutos do pacto da Lei declaravam que o parto e as relações sexuais — mesmo entre casados — resultavam num período de impureza. (Levítico 12:2-4; 15:16-18) Isso não depreciava essas dádivas puras de Deus. (Gênesis 1:28; 2:18-25) Ao contrário, essas leis defendiam a santidade de Jeová, ajudando Seus adoradores a evitar depravações. Como? As nações ao redor de Israel costumavam misturar sexo e ritos de fertilidade na sua adoração. A religião cananéia incluía prostituição masculina e feminina. O resultado disso era depravação da pior espécie, que se espalhava facilmente. Em contraste com isso, a Lei separava totalmente a adoração de Jeová de assuntos sexuais. Também havia outros benefícios.
10 Essas leis serviam para ensinar uma verdade fundamental. Afinal de contas, como é que o pecado adâmico é transmitido de geração para geração? Não é por meio das relações sexuais e do parto? (Romanos 5:12) De modo que a Lei de Deus lembrava ao Seu povo que o pecado era uma realidade da vida. De fato, todos nascemos com ele. (Salmo 51:5) Precisamos de perdão e redenção para poder nos achegar ao nosso Deus santo.

Levítico 15:24
18 Ademais, em Israel, as leis impunham limites nas atividades sexuais até mesmo no vínculo marital. O marido devia evitar ter relações sexuais com a esposa durante o seu período menstrual. (Levítico 15:24; 18:19; 20:18) Isso exigia consideração amorosa e autodomínio da parte dos varões israelitas. Devem os cristãos ter menos consideração para com a sua esposa? O apóstolo Pedro diz que os maridos cristãos devem morar com a esposa “segundo o conhecimento”, isto é, conhecimento de sua constituição como “vaso mais fraco, o feminino”. — 1 Pedro 3:7.

Levítico 16:2
De onde Jeová falava? Ele deu a resposta quando disse a Moisés: “Aparecerei numa nuvem por cima da tampa.” (Levítico 16:2) Essa nuvem pairava por cima da Arca sagrada entre os dois querubins de ouro. A Bíblia não revela a altura da nuvem ou até onde ela se estendia acima dos querubins.
Essa brilhante nuvem iluminava o Santíssimo. De fato, era a única fonte de iluminação no compartimento. O sumo sacerdote se beneficiava dessa luz quando, no Dia da Expiação, entrava naquela câmara mais recôndita. Ele ficava na presença de Deus.

Levítico 16:6
2 A aplicação do sacrifício resgatador de Jesus foi tipificada no anual Dia da Expiação. Neste dia, o sumo sacerdote de Israel primeiro sacrificava um novilho como oferta pelo pecado e apresentava o sangue deste perante a Arca sagrada no Santíssimo, no tabernáculo, e posteriormente no templo. Fazia isso a favor de si mesmo, da sua família e da tribo de Levi. De modo similar, Jesus Cristo apresentou a Deus o valor do seu sangue primeiro para cobrir os pecados dos seus “irmãos” espirituais. (Hebreus 2:12; 10:19-22; Levítico 16:6, 11-14)

Levítico 16:10
Outros sacrifícios se destacaram mais tarde, quando Salomão construiu um magnífico templo a Jeová numa área nivelada perto de onde estão agora os edifícios abobadados. (2 Crônicas 3:1) Tente imaginar os israelitas convergirem para esse local de todas as partes do país com seus sacrifícios animais para as festividades anuais. A mais solene destas era o Dia da Expiação. Nesse dia, escolhia-se e enviava-se um bode “ao ermo, para Azazel”, possivelmente descendo até o vale do Cédron e daí a sudeste rumo ao deserto da Judéia. Outro bode e um novilho eram mortos e seu sangue era usado em sacrifício para fazer expiação pelos sacerdotes e pelo povo. Parte do sangue era até mesmo levada para além da cortina para dentro do Santíssimo do templo. Assim, poderá contemplar a foto da cidade com isso em mente. — Levítico 16:1-34.

Levítico 16:12
15 No antigo Israel, a entrada no Santíssimo, perante a presença simbólica de Jeová, ficava limitada ao sumo sacerdote. Levar incenso era para ele uma questão de vida ou morte. A lei de Jeová dizia: “[Arão] tem de tomar o porta-lume cheio de brasas de fogo de cima do altar perante Jeová e as concavidades de ambas as suas mãos cheias de incenso perfumado, miúdo, e tem de trazê-los para dentro da cortina. Também tem de pôr o incenso sobre o fogo perante Jeová, e a nuvem de incenso tem de estender-se por cima da tampa da Arca, a qual está sobre o Testemunho, para que não morra.” (Levítico 16:12, 13) Era impossível o sumo sacerdote ser bem-sucedido em entrar no Santíssimo sem queimar incenso.
16 No sistema de coisas cristão, não somente o antitípico Sumo Sacerdote, Jesus Cristo, mas também cada um dos 144.000 subsacerdotes, por fim, chega a entrar no antitípico Santíssimo, o lugar da presença de Jeová no céu. (Hebreus 10:19-23) A entrada neste Santíssimo é impossível para esses sacerdotes, conforme representado aqui pelos 24 anciãos, a menos que ‘queimem incenso’, isto é, ofereçam constantemente orações e súplicas a Jeová. — Hebreus 5:7; Judas 20, 21; veja Salmo 141:2.

Levítico 16:15
No Dia da Expiação, o sumo sacerdote sacrificava também um bode como oferta pelo pecado e apresentava o sangue deste no Santíssimo, fazendo assim expiação pelos pecados das 12 tribos não-sacerdotais de Israel. Da mesma forma, o Sumo Sacerdote Jesus Cristo aplicará seu sangue vital a favor daqueles da humanidade que exercerem fé, cancelando o pecado deles. — Levítico 16:15.

Levitico 16:16.
Santificação de Lugares. O lugar de moradia de Jeová ou qualquer lugar em que ele more de forma representativa é um lugar santificado ou santo, um santuário. O tabernáculo no ermo e os templos mais tarde construídos por Salomão e por Zorobabel (reconstruído e ampliado por Herodes, o Grande) eram chamados de miq•dásh ou qó•dhesh, lugares ‘postos à parte’ ou ‘santos’. Situados no meio dum povo pecaminoso, estes lugares tinham de ser periodicamente purificados (em sentido típico ou pictórico) do aviltamento, por meio da aspersão de sangue de animais sacrificiais. — Le 16:16.

Levítico 16:21
Outro bode e um novilho eram mortos e seu sangue era usado em sacrifício para fazer expiação pelos sacerdotes e pelo povo. Parte do sangue era até mesmo levada para além da cortina para dentro do Santíssimo do templo. Assim, poderá contemplar a foto da cidade com isso em mente. — Levítico 16:1-34.

Le 16:27
De acordo com a Lei, nenhuma oferta pelo pecado, cujo sangue era levado ao santuário para fazer expiação, devia ser consumida pelo sacerdote. Os restos do animal morto e seu esterco deviam ser queimados num lugar limpo, fora do acampamento. (Le 4:11, 12; 6:30; 16:27) Isto se dava porque nada daquele animal devia ser usado para outra coisa, nem se devia permitir que se decompusesse. Era “limpo”, isto é, santificado a Jeová e por isso tinha de ser queimado num lugar limpo. — Veja He 13:11-13.

Levítico 16:31
Embora seja verdade que Jeová ordenou os de sua nação escolhida que ‘atribulassem as suas almas’, em geral isso é entendido como querendo dizer jejum. (Levítico 16:31) Jejuava-se como expressão de tristeza e arrependimento de pecados ou quando se estava numa situação angustiante. Assim, o jejum não era uma forma de punição auto-inflingida, mas representava humilhar-se perante Deus. — Esdras 8:21.

Le 16:32
A expressão hebraica mil•léʼ yadh, traduzida por “consagrar” em muitas versões, significa literalmente “encher a mão” e é usada com referência a se colocar plenos poderes na mão daqueles que irão servir num cargo sacerdotal. Arão e seus filhos, na sua investidura como sacerdotes de Jeová, tiveram as mãos enchidas de poder para servir nesta qualidade. (Êx 28:41; 29:9, 29, 33, 35; Le 8:33; 16:32; 21:10; Núm 3:3) Para simbolizar isso, o carneiro da investidura foi abatido e cortado, e partes dele, junto com outros itens do cesto dos pães não fermentados, foram por Moisés colocados sobre as palmas das mãos de Arão e de seus filhos, os quais moveram então a oferta perante Jeová. Por fim, faziam-se fumegar no altar, por cima da oferta queimada, as coisas movidas. — Êx 29:19-25; Le 8:22-28; veja INVESTIDURA; SACERDOTE; UNGIDO, UNÇÃO.


Recapitulação da Escola do Ministério Teocrático


As seguintes perguntas serão consideradas na Escola do Ministério Teocrático na semana de 30 de junho de 2014.

1. Como o princípio registrado em Êxodo 23:2 deve influenciar nossa escolha de entretenimento e diversão? [5 de mai., w1115/7 pp. 10-11 §§ 3-7]

^ Êxo. 23:2 Não deves acompanhar a multidão para maus objetivos; e não deves testificar a respeito duma controvérsia de modo a te desviares com a multidão, para perverter a justiça.

^ ***w11 15/7 pp. 10-12 Você seguirá a amorosa orientação de Jeová?***
Não acompanhe “a multidão”
3 Numa viagem longa, o que você faria se não soubesse ao certo que caminho tomar? Poderia ser tentado a seguir outros viajantes, em especial se visse muitos deles tomarem o mesmo rumo. Isso seria arriscado. Afinal, aqueles viajantes talvez não estivessem indo para o mesmo lugar que você, ou talvez também estivessem perdidos. Nesse respeito, veja um princípio básico numa das leis dadas ao Israel antigo. Os juízes ou testemunhas que atuassem num julgamento eram alertados do perigo de “acompanhar a multidão”. (Leia Êxodo 23:2.)Sem dúvida, é muito fácil humanos imperfeitos cederem à pressão popular, pervertendo a justiça. Mas será que o princípio de não acompanhar a multidão se aplica apenas a assuntos judiciais? Não.
4 Na verdade, a pressão de fazer o que os outros fazem pode nos afetar nas mais variadas situações. Ela pode surgir de repente e ser muito difícil de enfrentar. Como exemplo disso, veja a pressão popular sofrida por Josué e Calebe. Eles faziam parte de um grupo de 12 homens enviados para espionar a Terra Prometida. Na volta, dez deles deram informações muito negativas e desanimadoras. Chegaram a dizer que alguns dos habitantes daquele lugar eram gigantes descendentes dos nefilins (filhos da união entre anjos rebeldes e mulheres). (Gên. 6:4) Mas era uma afirmação absurda. Esses híbridos perversos foram exterminados muitos séculos antes, no Dilúvio, não sobrando nem um único descendente deles. No entanto, até as mais infundadas ideias podem influenciar os fracos na fé. As informações negativas daqueles dez espias rapidamente espalharam o medo e o pânico entre o povo. A maioria logo se convenceu de que seria um erro entrar na Terra Prometida, como Jeová havia ordenado. O que Josué e Calebe fizeram nessa situação explosiva? — Núm. 13:25-33.
5 Eles não ‘acompanharam a multidão’. Embora os israelitas odiassem ouvir isso, esses dois homens falaram a verdade e apegaram-se a ela — mesmo sob a ameaça de serem mortos por apedrejamento. De onde tiraram essa coragem? Sem dúvida, boa parte veio de sua fé. Pessoas de fé veem nitidamente a diferença entre as infundadas afirmações humanas e as promessas sagradas de Jeová. Mais tarde, esses dois homens falaram da reputação de Jeová como cumpridor de todas as suas promessas. (Leia Josué 14:6, 8; 23:2, 14.)Josué e Calebe apegavam-se ao seu Deus fiel e não queriam de forma alguma magoá-lo por acompanhar uma multidão sem fé. De modo que permaneceram firmes, deixando-nos um excelente exemplo. — Núm. 14:1-10.
6 Você se sente, às vezes, pressionado a “acompanhar a multidão”? Pessoas afastadas de Jeová e que zombam de Seus padrões de moral certamente constituem uma vasta multidão hoje em dia. Na questão do entretenimento, por exemplo, essa multidão muitas vezes promove ideias infundadas. Talvez insista em dizer que a imoralidade, a violência e o espiritismo, tão comuns em programas de televisão, filmes e jogos eletrônicos, são inofensivos. (2 Tim. 3:1-5) Na escolha de entretenimento, para si ou para sua família, você permite que a consciência deturpada de outros influencie suas decisões e molde sua consciência? Não seria isso, na realidade, acompanhar a multidão?
7 Jeová nos deu uma dádiva preciosa para nos ajudar a tomar decisões: as nossas “faculdades perceptivas”. Mas elas precisam ser treinadas “pelo uso”. (Heb. 5:14) Acompanhar a multidão não ajudaria a treinar nossas faculdades perceptivas; nem o faria, por outro lado, um grande número de regras rígidas sobre assuntos de consciência. É por isso que, por exemplo, o povo de Jeová não recebe uma lista de filmes, livros e sites na internet que deve evitar. Visto que o mundo muda tão rapidamente, uma lista assim logo ficaria defasada. (1 Cor. 7:31) Pior ainda, isso nos privaria da tarefa vital de pesar bem os princípios bíblicos, com oração, e daí tomar decisões à base desses princípios. — Efé. 5:10.

2. Por que era tão importante que os sacerdotes se lavassem antes de oferecer sacrifícios a Jeová? Como isso serve de advertência para os servos de Deus hoje? (Êxo. 30:18-21) [19 de mai., w96 1/7 p. 9 § 9]

^ Êxo. 30:18-21 “Tens de fazer uma bacia de cobre e seu suporte de cobre, para a lavagem, e tens de pô-la entre a tenda de reunião e o altar, e tens de pôr água nela. 19 E Arão e seus filhos terão de lavar ali suas mãos e seus pés. 20 Quando entrarem na tenda de reunião, lavar-se-ão com água para que não morram, ou quando se aproximarem do altar para ministrar, a fim de fazerem fumegar uma oferta feita por fogo a Jeová. 21 E terão de lavar as mãos e os pés, para que não morram, e isso terá de servir-lhes de regulamento por tempo indefinido, para ele e para sua descendência, nas suas gerações.”

^ ***w96 1/7 p. 9 “Casa de oração para todas as nações”***
O pátio
9 O tabernáculo tinha também um pátio, fechado por uma cerca de pano de tenda. Neste pátio havia uma bacia grande, na qual os sacerdotes lavavam as mãos e os pés antes de entrar no Santo. Também tinham de lavar-se antes de oferecer sacrifícios no altar que ficava no pátio. (Êxodo 30:18-21) Este requisito de limpeza é um forte lembrete para os atuais servos de Deus, de que precisam esforçar-se a manter a pureza física, moral, mental e espiritual, se querem que sua adoração seja aceitável a Deus. (2 Coríntios 7:1) No decorrer do tempo, a lenha para o fogo sobre o altar e a água para a bacia eram supridas por escravos não-israelitas do templo. — Josué 9:27.

3. Por que Arão não foi punido por fazer o bezerro de ouro? (Êxo. 32:1-8, 25-35) [19 de mai., w04 15/3 p. 27 § 4]

^ Êxo. 32:1-8 Entrementes, o povo via que Moisés demorava em descer do monte. De modo que o povo se congregou em volta de Arão e lhe disse: “Levanta-te, faze para nós um deus que vá adiante de nós, pois quanto a este Moisés, o homem que nos fez subir da terra do Egito, certamente não sabemos o que lhe aconteceu.” 2 A isso Arão disse-lhes: “Arrancai as arrecadas de ouro que há nas orelhas de vossas esposas, de vossos filhos e de vossas filhas, e trazei-mas.” 3 E todo o povo começou a arrancar as arrecadas de ouro que havia nas suas orelhas e a trazê-las a Arão. 4 Ele tomou então [o ouro] das suas mãos e moldou-o com um buril, e passou a fazer dele uma estátua fundida de bezerro. E começaram a dizer: “Este é o teu Deus, ó Israel, que te fez subir da terra do Egito.” 5 Quando Arão chegou a ver isso, foi construir um altar diante dele. Por fim, Arão clamou e disse: “Amanhã há uma festividade para Jeová.” 6 Assim, no dia seguinte, levantaram-se cedo e começaram a oferecer ofertas queimadas e a apresentar sacrifícios de participação em comum. Depois o povo se assentou para comer e beber. Levantaram-se então para se divertir. 7 Jeová disse então a Moisés: “Vai, desce, porque o teu povo que fizeste subir da terra do Egito tem agido ruinosamente. 8 Desviaram-se depressa do caminho em que os mandei ir. Fizeram para si uma estátua fundida de bezerro, e persistem em curvar-se diante dele e em oferecer-lhe sacrifícios, e em dizer: ‘Este é o teu Deus, ó Israel, que te fez subir da terra do Egito.’”

^ ***w04 15/3 p. 27 Destaques do livro de Êxodo***
32:1-8, 25-35 — Por que Arão não foi punido por fazer o bezerro de ouro? No fundo, Arão não concordava com a idolatria. Mais tarde, parece que ele se juntou aos outros levitas em tomar posição a favor de Deus e contra os que resistiam a Moisés. Depois da morte dos culpados, Moisés lembrou ao povo que eles haviam cometido um grande pecado, indicando que outros além de Arão também receberam a misericórdia de Jeová.

4. Como o fato de Deus proibir o casamento de israelitas com pessoas que adoravam outros deuses influencia o conceito cristão sobre namoro e casamento? (Êxo. 34:12-16) [26 de mai., w89 1/11 pp. 20-21 §§ 11-13]

^ Êxo. 34:12-16 Guarda-te de não concluíres nenhum pacto com os habitantes do país para o qual vais, para que isso não se mostre um laço no teu meio. 13 Mas deveis demolir seus altares e deveis destroçar suas colunas sagradas, e deveis decepar seus postes sagrados.14 Pois, não deves prostrar-te diante de qualquer outro deus, porque Jeová, cujo nome é Ciumento, é um Deus ciumento; 15 para que não concluas nenhum pacto com os habitantes do país, visto que certamente terão relações imorais com os seus deuses e oferecerão sacrifícios aos seus deuses, e alguém por certo te convidará e certamente comerás do seu sacrifício. 16 Então terás de tomar algumas das suas filhas para teus filhos, e suas filhas certamente terão relações imorais com os seus deuses e farão teus filhos ter relações imorais com os seus deuses.

^ ***w89 1/11 pp. 20-21 ‘Não vos ponhais em jugo com incrédulos’***
11 Além disso, acatar o aviso bíblico nos poupa das dolorosas conseqüências que muitas vezes resultam de o cristão se pôr num jugo com um incrédulo. Existe, por exemplo, a possibilidade de o incrédulo vir a desviar o cônjuge cristão de servir a Jeová. Considere o aviso de Jeová ao antigo Israel. Alianças matrimoniais com não adoradores eram proibidas. Por quê? ‘Pois desviará teu filho de seguir-me’, avisou Jeová, “e certamente servirão a outros deuses”. (Deuteronômio 7:3, 4) Diante da oposição de um cônjuge descrente, pode haver uma tendência de deixar-se levar para seguir a lei do menor esforço. É fácil pensar: ‘Isso não acontecerá comigo!’ Mas aconteceu com um homem de sabedoria do calibre de Salomão. Não poderia acontecer o mesmo com você? — 1 Reis 11:1-6; compare com 1 Reis 4:29, 30.
12 Mesmo se o crente não for desviado da adoração verdadeira, ainda existem os problemas e as pressões não raro associados com um lar dividido em sentido religioso. Considere, mais uma vez, a lei de Deus a Israel. Suponha que uma moça israelita concordasse em se casar com um cananeu. Levando-se em conta as práticas sexuais que prevaleciam na terra de Canaã, que respeito teria ele para com a lei do Deus dela? Iria ele, por exemplo, voluntariamente refrear-se de ter relações sexuais durante a menstruação, como a Lei mosaica exigia? (Levítico 18:19; 20:18; compare com Levítico 18:27.) No caso de um israelita que se casasse com uma cananéia, cooperaria ela quando ele viajasse a Jerusalém três vezes por ano para assistir às festividades sazonais? (Deuteronômio 16:16) Obviamente, a lei de Deus que proibia tais casamentos servia de proteção para os israelitas.
13 Que dizer da atualidade? Os padrões morais das pessoas do mundo são muito distanciados dos da Bíblia. Independente de quão distintas algumas pessoas do mundo pareçam ser, elas não têm uma consciência cristã, treinada pela Bíblia. Não passaram anos estudando a Palavra de Deus, ‘reformando a sua mente’ e ‘desnudando-se da velha personalidade’. (Romanos 12:2; Colossenses 3:9) Assim, o cristão que se põe em jugo com um incrédulo não raro se expõe a muita angústia e pesar. Alguns enfrentam constante pressão para participar em práticas sexuais pervertidas ou para celebrar feriados mundanos. E alguns até mesmo se queixam de solidão. Como escreveu certa irmã: “A solidão que se sente quando se é casado com alguém que não ama a Jeová é a pior solidão imaginável. Não se tem ninguém com quem compartilhar a verdade, que é a coisa mais importante na vida.”

5. Por que o relato sobre Bezalel e Ooliabe é especialmente encorajador para nós? (Êxo. 35:30-35) [26 de mai., w10 15/9 p. 10 § 13]

^ Êxo. 35:30-35 Moisés disse então aos filhos de Israel: “Vede! Jeová tem chamado por nome a Bezalel, filho de Uri, filho de Hur, da tribo de Judá. 31 E ele passou a enchê-lo do espírito de Deus em sabedoria, em entendimento e em conhecimento, e em toda sorte de artesanato 32 e para elaborar projetos, para trabalhar em ouro, e em prata, e em cobre,33 e em lavrar pedras para engastá-las e em trabalhar madeira para fazer toda sorte de trabalhos engenhosos. 34 E pôs-lhe no coração que ensinasse, ele e Ooliabe, filho de Aisamaque, da tribo de Dã. 35 Encheu-os com sabedoria de coração para fazerem toda a obra de artífice, e de bordador, e de tecelão em linha azul e lã tingida de roxo, em fibras carmíneas e linho fino, e de tecedor, homens que fazem toda sorte de obra e que elaboram projetos.

^ ***w10 15/9 p. 10 Busque seriamente a bênção de Jeová***
A busca de espírito santo
13 Que dizer se achamos que não temos aptidão para cumprir certa designação ou para pregar? Devemos pedir a Jeová que nos dê espírito santo para acentuar qualquer habilidade que tenhamos no seu serviço. (Leia Lucas 11:13.) O espírito de Deus pode habilitar pessoas para um trabalho ou um privilégio de serviço sejam quais forem suas circunstâncias ou experiência anteriores. Por exemplo, logo após o Êxodo do Egito, o espírito de Deus habilitou pastores e escravos a derrotar seus inimigos apesar de sua inexperiência na guerra. (Êxo. 17:8-13) Pouco tempo depois, esse mesmo espírito habilitou Bezalel e Ooliabe a executar o maravilhoso e divinamente inspirado projeto do tabernáculo. — Êxo. 31:2-6; 35:30-35.

6. Por que o sumo sacerdote devia usar um “sinal sagrado de dedicação” no turbante, e o que isso nos ensina sobre dedicação? (Êxo. 39:30) [2 de jun., w01 1/2 p. 14 §§ 2-3]

^ Êxo. 39:30 Por fim fizeram a lâmina lustrosa, o sinal sagrado de dedicação, de ouro puro, e inscreveram nela uma inscrição em gravuras de sinete: “A santidade pertence a Jeová.”

^ ***w01 1/2 p. 14 Vive à altura da sua dedicação?***
2 No entanto, o que significa “dedicação” em sentido bíblico? “Dedicar” traduz um verbo hebraico que tem o sentido de “manter apartado (separado); estar apartado; recolher-se”. No Israel antigo, o Sumo Sacerdote Arão usava no seu turbante “o sinal sagrado de dedicação”, que era uma brilhante lâmina de ouro puro, com as palavras “Santidade pertence a Jeová”, em hebraico, gravadas nela. Isto servia de lembrete para o sumo sacerdote, de que tinha de evitar fazer algo que profanasse o santuário, “porque [havia] sobre ele o sinal de dedicação, o óleo de unção de seu Deus”. — Êxodo 29:6; 39:30; Levítico 21:12.
3 Podemos ver neste contexto que a dedicação é um assunto sério. Indica a identificação voluntária como servo de Deus e requer conduta pura. Por isso, podemos avaliar por que o apóstolo Pedro citou Jeová como dizendo: “Tendes de ser santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:15, 16) Nós, como cristãos dedicados, temos a pesada responsabilidade de viver à altura da nossa dedicação, fiéis até o fim. Mas, o que está envolvido na dedicação cristã? — Levítico 19:2; Mateus 24:13.

7. Se soubermos que um cristão cometeu um pecado grave, que responsabilidade temos? (Lev. 5:1) [9 de jun., w97 15/8 p. 27]

^ Lev. 5:1 “‘Ora, caso uma alma peque por ter ouvido uma maldição pública, e seja testemunha, ou tenha presenciado isso ou veio a sabê-lo, então, se não o relatar, terá de responder pelo seu erro.

^ ***w97 15/8 p. 27 Por que relatar o que é mau?***
O fato de Natã ter exposto o pecado de Davi e dado repreensão da parte de Deus trouxe bons resultados. Embora não fosse poupado das conseqüências do erro, Davi se arrependeu e se reconciliou com Jeová. Como Davi se sentiu quanto a essa repreensão? Ele escreveu: “Se o justo me surrasse, seria benevolência; e se me repreendesse, seria óleo sobre a cabeça, que minha cabeça não desejaria recusar.” — Salmo 141:5.
Nos nossos dias também, os servos de Jeová podem-se envolver em transgressões graves, mesmo aqueles que têm sido fiéis durante muitos anos. Reconhecendo que os anciãos podem ajudar, a maioria toma a iniciativa de lhes pedir auxílio. (Tiago 5:13-16) Mas às vezes um transgressor talvez tente encobrir o pecado, como fez o Rei Davi. O que devemos fazer se soubermos de uma transgressão grave na congregação?

De quem é a responsabilidade?
Quando os anciãos ficam sabendo de transgressões graves, chegam-se à pessoa envolvida para dar ajuda e correção necessárias. É responsabilidade dos anciãos julgar transgressores na congregação cristã. Eles mantêm-se vigilantes sobre a condição espiritual da congregação, a fim de ajudar e admoestar os que estão para dar um passo imprudente ou errado. — 1 Coríntios 5:12, 13; 2 Timóteo 4:2; 1 Pedro 5:1, 2.
Mas e se você não for ancião e souber de uma transgressão grave cometida por outro cristão? Há orientações sobre isso na Lei que Jeová deu à nação de Israel. A Lei declarava que se alguém testemunhasse atos de apostasia, sedição, assassinato ou outros crimes graves, era sua responsabilidade relatar isso e depor sobre o assunto. Levítico 5:1 diz: “Ora, caso uma alma peque por ter ouvido uma maldição pública, e seja testemunha, ou tenha presenciado isso ou veio a sabê-lo, então, se não o relatar, terá de responder pelo seu erro.” — Note Deuteronômio 13:6-8; Ester 6:2; Provérbios 29:24.
Embora não estejam sob a Lei mosaica, os cristãos na atualidade podem ser guiados pelos princípios encontrados nela. (Salmo 19:7, 8) Assim, se souber de uma transgressão grave de um concristão, o que deverá fazer?

Tratar do assunto
Primeiramente, é preciso que haja razão válida para crer que realmente houve uma transgressão grave. “Não te tornes sem base uma testemunha contra o teu próximo”, declarou um sábio. “Então terias de ser néscio com os teus lábios.” — Provérbios 24:28.
Talvez você decida ir diretamente aos anciãos. Não é errado fazer isso. Em geral, porém, o proceder mais amoroso é falar com a pessoa envolvida. Talvez as coisas não sejam o que parecem. Ou talvez o caso já esteja sendo cuidado pelos anciãos. Converse calmamente sobre o assunto com a pessoa. Se ainda há razão para crer que foi cometido um erro grave, encoraje-a a falar com os anciãos e pedir ajuda, e explique por que é sensato fazer isso. Não fale com outros sobre o assunto, pois isso seria tagarelice.
Se a pessoa não contar o problema aos anciãos depois de um período razoável, você deve contar. Um ou dois anciãos considerarão então o assunto com o acusado. Os anciãos têm de “pesquisar, e investigar, e indagar cabalmente” para confirmar que se cometeu um erro. Se esse for o caso, eles cuidarão do assunto segundo as orientações bíblicas. — Deuteronômio 13:12-14.
São necessárias pelo menos duas testemunhas para validar uma acusação de transgressão. (João 8:17; Hebreus 10:28) Se a pessoa negar a acusação e você for a única testemunha, o assunto será deixado nas mãos de Jeová. (1 Timóteo 5:19, 24, 25) Faz-se isso porque sabemos que todas as coisas estão “abertamente expostas” a Jeová e, se a

8. No Israel antigo, para que serviam os sacrifícios de participação em comum, e o que eles representam para nós hoje? (Lev. 7:31-33) [16 de jun., w12 15/1 p. 19 §§ 11-12]

^ Lev. 7:31-33 E o sacerdote tem de fazer fumegar a gordura sobre o altar, mas o peito tem de tornar-se de Arão e de seus filhos. 32 “‘E dareis ao sacerdote a perna direita como quinhão sagrado dos vossos sacrifícios de participação em comum. 33 Daquele dos filhos de Arão que apresentar o sangue dos sacrifícios de participação em comum e a gordura, desse será a perna direita como porção.

^ ***w12 15/1 p. 19 Aprenda da ‘estrutura da verdade’***
11 Certos sacrifícios estipulados na Lei mosaica eram considerados ofertas de participação em comum. Significavam paz com Jeová. O ofertante e sua família comiam a carne do animal sacrificado, talvez num dos refeitórios do templo. O sacerdote celebrante e os outros sacerdotes a serviço no templo recebiam uma parte da carne. (Lev. 3:1, nota; 7:31-33) O adorador oferecia seu sacrifício motivado puramente pelo desejo de ter uma boa relação com Deus. Era como se o adorador, sua família, os sacerdotes e o próprio Jeová participassem alegremente numa refeição, em paz.
12 Haveria privilégio maior do que, simbolicamente falando, estender um convite a Jeová para uma refeição assim e ele o aceitar? É óbvio que nesse caso o anfitrião desejaria oferecer o seu melhor para um convidado tão honrado. A provisão dos sacrifícios de participação em comum, como parte da ‘estrutura da verdade’, apontava para o fato de que, por meio do sacrifício maior de Jesus, todos os humanos que desejam podem ter uma relação achegada e pacífica com o Criador. Hoje, podemos ter a amizade e a companhia de Jeová ao sacrificarmos voluntariamente nossos recursos e energias no seu serviço.

9. O que talvez estivesse envolvido no pecado de Nadabe e Abiú, filhos de Arão, e o que aprendemos desse relato? (Lev. 10:1, 2, 9) [23 de jun., w04 15/5 p. 22 §§ 6-8]

^ Lev. 10:1, 2 Mais tarde, os filhos de Arão, Nadabe e Abiú, apanharam e trouxeram cada um o seu porta-lume, e puseram fogo neles e colocaram incenso sobre ele, e começaram a oferecer fogo ilegítimo perante Jeová, que ele não lhes tinha prescrito. 2 Saiu então fogo de diante de Jeová e os consumiu, de modo que morreram perante Jeová.
^ Lev. 10:9 “Não bebas vinho, nem bebida inebriante, nem tu nem teus filhos contigo, quando entrardes na tenda de reunião, para que não morrais. É um estatuto por tempo indefinido para as vossas gerações,

^ ***w04 15/5 p. 22 Destaques do livro de Levítico***
10:1, 2 — O que talvez estivesse envolvido no pecado de Nadabe e Abiú, filhos de Arão? Logo depois que Nadabe e Abiú fizeram o que não tinham direito de fazer, ao realizarem os seus deveres sacerdotais, Jeová proibiu que os sacerdotes bebessem vinho ou bebida inebriante enquanto serviam no tabernáculo. (Levítico 10:9) Isso sugere que os dois filhos de Arão talvez estivessem sob o efeito do álcool nessa ocasião que estamos considerando. No entanto, o verdadeiro motivo da morte deles era que ofereceram ‘fogo ilegítimo, que Jeová não lhes tinha prescrito’.
Lições para nós:
10:1, 2. Servos responsáveis de Jeová, hoje em dia, precisam cumprir os requisitos divinos. Além disso, não devem ser presunçosos ao cuidar das suas responsabilidades.

10. Por que uma mulher ficava “impura” ao dar à luz? (Lev. 12:2, 5) [23 de jun., w04 15/5 p. 23 § 2]

^ Lev. 12:2 “Fala aos filhos de Israel, dizendo: ‘Caso uma mulher conceba descendente e dê à luz um macho, ela terá de ser impura por sete dias; será impura como nos dias da impureza, em que menstrua.
^ Lev. 12:5 “‘Ora, se ela der à luz uma fêmea, então terá de ser impura por quatorze dias, como durante a sua menstruação. Ficará por mais sessenta e seis dias com o sangue da purificação.

^ ***w04 15/5 p. 23 Destaques do livro de Levítico***
Perguntas bíblicas respondidas:
12:2, 5 — Por que uma mulher ficava “impura” ao dar à luz? Os órgãos reprodutivos foram feitos para transmitir vida humana perfeita. No entanto, por causa dos efeitos herdados do pecado, transmitia-se vida imperfeita e pecado aos filhos. Os períodos de ‘impureza’, associados com o nascimento, bem como outros assuntos, tais como a menstruação e as emissões seminais, faziam os israelitas lembrar que tinham herdado o pecado. (Levítico 15:16-24; Salmo 51:5; Romanos 5:12) Os regulamentos de purificação os ajudavam a reconhecer a necessidade de um sacrifício de resgate para expiar os pecados da humanidade e restaurar a perfeição humana. De modo que a Lei tornou-se para eles um “tutor, conduzindo a Cristo”. — Gálatas 3:24.

Referências consultadas em: Watchtower Library 2013 CD‒ROM

Baixar o arquivo com todas as referências

Baixar o arquivo com todas as referências

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Farmacologia - Definição, conceito, significado, o que é Farmacologia

Definição de compêndio de Farmacologia ‒ de conceitos e significados 1. Definição de farmacologia Farmacologia (em grego, pharmacon (φάρμακον), drogas e logos (λόγος), ciência) é a ciência que estuda a origem, as ações e as propriedades das substâncias químicas sobre organismos vivos. Em um sentido mais restrito, é considerado o estudo da farmacologia da droga, é que aqueles têm efeitos benéficos ou tóxicos. Farmacologia tem aplicações clínicas quando substâncias são utilizadas no diagnóstico, prevenção e tratamento de uma doença ou para alívio de seus sintomas.
Você também pode falar de farmacologia como o estudo unificado de propriedades de substâncias químicas e organismos vivos e todos os aspectos de suas interações, orientados para o tratamento, diagnóstico e prevenção de doenças.
Farmacologia como ciência engloba o conhecimento da história, origem e uso de drogas, bem como suas propriedades físicas e químicas, associações, efeitos da droga no corpo e o impacto d…