A vinha foi tornar-se

Parábolas e Ilustrações para Valores na Educação

Índice Ilustrações e parábolas

Eu me lembro, quando eu era criança, o professor que colocamos para ler circulou em um livro de fábulas e histórias incríveis que, se me engano, chamava-o tesouro da juventude. Entre eles, lembro-me em particular o seguinte:
Um agricultor sentiu que era o momento de sua morte e mandou chamar seus três filhos.
-Só deixe-os por herança a vinha onde temos trabalhado ao longo da vida e que sempre nos deu de comer. Eles tem que me prometer nunca farão isso na época.
As crianças prometeram um pedido que parecia muito estranho para eles, sem problema. Como eles irão converter a videira fértil em uma época improdutiva que serve apenas para debulhar o trigo!
Anos passaram, começaram os problemas e disputas entre os irmãos e decidiram vender a vinha e distribuir o que eles ganharam por ela. No entanto, fizeram-no jurar para o comprador que nunca faria isso na época.
-Não é que eu estava louco - disse - como posso jogar meu dinheiro comprando um belo vinhedo na época.
Logo terminou o dinheiro para os irmãos e então não foram forçadas a deixar de encontrar trabalho como diaristas. Um dia, fui para o vinhedo, cheio de fruta madura, e disse que o mais jovem dos irmãos com nostalgia:
- E acho que esta vinha foi nosso...
Então eles compreenderam o que queria lhes dizer que o pai não se torne a vinha foi.
Uma história semelhante tem um rico fazendeiro, vendo que chegou a hora de sua morte, chamou seus filhos e disse-lhes:
-Não para nunca vender o enredo eu herdei do meu pai e agora eu deixo isto para você. É bom saber que, apesar de não saber a localização exata, em suas entranhas está escondido um tesouro fabuloso. Se eles trabalham com dedicação e esforço, certeza que eles vão encontrá-lo. Quando eles coletam a colheita, remover a terra, acima, abaixo, sem deixar um único intervalo sem cavar, fazer uns sulcos profundos nele para ver se encontram o tesouro.
O pai morreu e crianças removido com dedicação por toda a terra. No ano seguinte, a colheita foi maior do que em anos anteriores. E as crianças compreendeu a sabedoria de seu pai, que tinha queria que eles indicam que o verdadeiro tesouro está no trabalho.
Óleo que nos acostumados com os venezuelanos a viver de rendimentos, ao invés de trabalho e produção, assim convenceu-nos de pertencer a um país imensamente rico e têm o direito a uma vida solta sem necessidade de produzir ou trabalhar. Na sombra do óleo subiu os políticos e grandes empresários que assumiu o controle da riqueza, como se fosse um loot. A renda era grande o suficiente para sustentar uma democracia no patrocínio e limosnera, que enchia todos os órgãos públicos para batalhões de ineficaz e parasitas. As acusações foram para serviços ou fidelidade ao partido em vez de por méritos e habilidades e a maioria das pessoas que concordaram em posições importantes virou-se descontroladamente para a sensualidade mais bruta do poder, além disso, convencido de que ele poderia fazê-lo sem prestar contas a ninguém, porque considera-se proprietários de renda e não apenas seus administradores.
Educação também contribuiu para promover essa mentalidade porque estudos assumiram e entendida como um meio para acessar a riqueza existente, ao invés de produzi-lo e garantir sua justa distribuição. A cultura do lixo, o desperdício e os improdutivos penetrou com força em todo o sistema educacional, das escolas a universidades.
O país não suporta mais o divórcio entre educação e produção. O atual sistema de ensino, raiz e fruto de uma sociedade de rendeiros e subsidiado, deve dar lugar à educação e ao trabalho, germe de uma sociedade de produtores que geram uma cultura de eficiência e produtividade, sem esquecer, no entanto, que o homem sempre deve ser colocado acima das leis do mercado com seu trabalho organizado. Educação deve ser entendida como um meio de dar trabalho, político e formação humana que gerar riqueza, garantir a sua distribuição justa e criar os estímulos necessários que ligam o esforço e a produtividade.
Isto significa, em primeiro lugar, que a escola leva a sério o trabalho. Não como um assunto ou uma área, mas como um valor fundamental e o contexto que permeia toda a vida da escola. Para fazer isso, as escolas devem tornar-se lugares onde trabalhar sério, com pontualidade, disciplina e é considerado uma tragédia qualquer perda de tempo. Tome o trabalho como valor suposto também optar por uma pedagogia activa, concentrando-se em fazer o aluno significativo e não na palavra do professor que deve, em seguida, repita o aluno em exames. O aluno aprende fazendo, construindo, criando e recriando, manipulando, pesquisando...
Só se a sala de aula está mudando em uma oficina onde trabalha a sério, organizado e cooperativamente, onde aprender os resultados são traduzidos em soluções para problemas específicos ou em produtos úteis e bonitos, o estudante amo trabalhar e vai trabalhar. Trabalho, longe de ser uma fonte de aborrecimento e tédio, se é um trabalho que faz sentido e responde aos interesses e necessidades dos alunos, torna-se uma atividade alegre e no meio mais importante para o crescimento e realização pessoal
Traduzido para fins educacionais

Conteúdos Recomendados