PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Destaques do Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 - 2 Tessalonicenses, 1 - 2 Timóteo

ADS

Destaques para a leitura da Bíblia: Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 - 2 Tessalonicenses, 1 - 2 Timóteo

Destaques para a leitura da Bíblia: Gálatas, Efésios, Filipenses, Colossenses, 1 - 2 Tessalonicenses, 1 - 2 Timóteo


Nota: Esta informação é fornecida como uma ajuda para a preparação online. Será fornecido nenhum arquivo para download, mas pode copiar as informações em seu processador de texto para edição.


Você pode selecionar e ouvir a leitura da Bíblia em JW.org seguindo os links para cada livro

Então você pode fazer a sua própria investigação com a informação disponível sobre o assunto na Biblioteca da Torre de Vigia foi coletado na mesma seção. Prepare comentários é sugerido 30 segundo as suas próprias palavras!


TABELA DE CONTEÚDO

DESTAQUES DO LIVRO DE GÁLATAS


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

Gálatas


*** it-2 p. 171 Gálatas, Carta aos ***

DESTAQUES DE GÁLATAS

Carta que enfatiza o apreço pela liberdade que os verdadeiros cristãos têm por meio de Jesus Cristo.
Foi escrita um ano ou talvez vários anos depois de os gálatas terem sido informados sobre a decisão do corpo governante, de que não se requer a circuncisão dos cristãos.

Paulo defende seu apostolado.

O apostolado de Paulo não era de origem humana, mas por designação de Jesus Cristo e do Pai; ele não consultou os apóstolos em Jerusalém antes de começar a declarar as boas novas; só três anos depois visitou brevemente a Cefas e a Tiago. (1:1, 13-24)
As boas novas que proclamava não foram recebidas da parte de homens, mas por revelação da parte de Jesus Cristo. (1:10-12)
Por causa duma revelação, Paulo, com Barnabé e Tito, foi a Jerusalém para tratar da questão da circuncisão; não aprendeu nada de novo de Tiago, Pedro e João, mas estes reconheceram que ele havia recebido poderes para um apostolado para com as nações. (2:1-10)
Em Antioquia, quando Pedro erroneamente se separou dos crentes não-judeus, temendo certos irmãos visitantes de Jerusalém, Paulo o repreendeu. (2:11-14)

A pessoa é declarada justa somente pela fé em Cristo, não por obras da lei.

Se alguém pudesse ser declarado justo por obras da lei, a morte de Cristo não teria sido necessária. (2:15-21)
Os gálatas receberam o espírito de Deus por terem aceito com fé as boas novas, não devido a obras da lei. (3:1-5)
Verdadeiros filhos de Abraão são aqueles que têm fé igual à dele. (3:6-9, 26-29)
Visto que aqueles que procuram mostrar-se justos por obras da Lei não conseguem guardá-la perfeitamente, eles estão sob maldição. (3:10-14)
A Lei não invalidou a promessa associada com o pacto abraâmico, mas ela serviu para tornar manifestas as transgressões e atuou como tutor, conduzindo a Cristo. (3:15-25)

Manter-se firme na liberdade cristã.

Jesus Cristo, pela sua morte, libertou os que estavam debaixo de lei, tornando possível que se tornassem filhos de Deus. (4:1-7)
Retornar ao arranjo da observância de dias, meses, épocas e anos significaria retornar à escravidão e a uma posição semelhante à de Ismael, filho da serva Agar; ele, com sua mãe, foi despedido da casa de Abraão. (4:8-31)
Já que foram libertos do pecado e não mais estavam sob obrigação à Lei, deviam resistir a todos os que desejassem induzi-los a aceitar um jugo de escravidão. (1:6-9; 5:1-12; 6:12-16)
Não abusem da liberdade, mas cedam à influência do espírito de Deus, manifestando os frutos desse na vida e evitando as obras da carne. (5:13-26)
Reajustem num espírito de brandura a todo aquele que dá um passo em falso; mas todos, individualmente, têm a obrigação de levar sua própria carga de responsabilidade. (6:1-5)

*** si pp. 218-219 Livro bíblico número 48 — Gálatas ***

CONTEÚDO DE GÁLATAS

7 Paulo defende seu apostolado (1:1-2:14). Depois de cumprimentar as congregações na Galácia, Paulo se admira de que são levadas tão rapidamente para outra sorte de boas novas, e declara firmemente: “Mesmo que nós ou um anjo do céu vos declarássemos como boas novas algo além daquilo que vos declaramos como boas novas, seja amaldiçoado.” As boas novas que Paulo declarou não são coisas humanas, tampouco lhe foram ensinadas “exceto por intermédio duma revelação de Jesus Cristo”. Outrora, como zeloso expoente do judaísmo, Paulo perseguira a congregação de Deus, mas, depois, Deus o chamou por meio de Sua benignidade imerecida para que declarasse às nações as boas novas a respeito de seu Filho. Não foi senão três anos depois de sua conversão que subiu a Jerusalém e, nessa ocasião, dos apóstolos, viu apenas a Pedro, bem como a Tiago, irmão do Senhor. Não era pessoalmente conhecido nas congregações da Judéia, embora estas tivessem ouvido a respeito dele e ‘começassem a glorificar a Deus’ por causa dele. — 1:8, 12, 24.
8 Depois de 14 anos, Paulo subiu outra vez a Jerusalém e explicou em particular as boas novas que pregava. Não se exigiu sequer que seu companheiro Tito, embora grego, fosse circuncidado. Quando Tiago, Cefas e João viram que a Paulo haviam sido confiadas as boas novas para os incircuncisos, assim como haviam sido confiadas a Pedro as boas novas para os circuncisos, deram a Paulo e a Barnabé a mão direita da parceria, para que fossem às nações, ao passo que eles próprios foram aos circuncisos. Quando Cefas chegou a Antioquia e não andou direito “segundo a verdade das boas novas”, por medo da classe dos circuncisos, Paulo o repreendeu perante todos. — 2:14.
9 Declarados justos pela fé, não pela lei (2:15-3:29). Nós, judeus, sabemos, argumenta Paulo, “que o homem é declarado justo, não devido a obras da lei, mas apenas por intermédio da fé para com Cristo Jesus”. Ele vive agora em união com Cristo e está vivo mediante a fé, para fazer a vontade de Deus. “Se a justiça é por intermédio da lei, Cristo realmente morreu em vão.” — 2:16, 21.
10 São os gálatas tão insensatos para crer que, tendo começado a receber o espírito em virtude da fé, podem terminar servindo a Deus mediante as obras da Lei? É o ouvir pela fé que conta, como no caso de Abraão, que “depositou fé em Jeová, e isso lhe foi contado como justiça”. Agora, segundo a promessa de Deus, “os que aderem à fé são abençoados junto com o fiel Abraão”. Foram livrados da maldição da Lei pela morte de Cristo na estaca. Cristo é a Semente de Abraão, e a Lei, dada 430 anos mais tarde, não abole a promessa concernente a essa Semente. Qual era, então, o objetivo da Lei? Era “o nosso tutor, conduzindo a Cristo, para que fôssemos declarados justos devido à fé”. Não mais estamos sob o tutor, tampouco há agora distinção alguma entre judeu e grego, pois todos são um em união com Cristo Jesus, e são “realmente descendente [semente] de Abraão, herdeiros com referência a uma promessa”. — 3:6, 9, 24, 29.
11 Ficar firme na liberdade cristã (4:1-6:18). Deus enviou seu Filho para libertar os que estavam debaixo da Lei, para que ‘recebessem a adoção como filhos’. (4:5) Portanto, por que retornar à escravidão das coisas elementares, fracas e mesquinhas? Visto que os gálatas observam agora dias, meses, épocas e anos, Paulo teme que o seu trabalho para com eles tenha sido desperdiçado. Na sua primeira visita a eles, receberam a Paulo como um anjo de Deus. Tornou-se agora inimigo deles porque lhes diz a verdade? Que os que desejam estar debaixo da Lei ouçam o que diz a Lei: Abraão adquiriu dois filhos por meio de duas mulheres. Uma das mulheres, a serva Agar, corresponde à nação do Israel carnal, ligada a Jeová mediante o pacto da Lei mosaica, pacto este que produz filhos para a escravidão. Mas a mulher livre, que é Sara, corresponde à Jerusalém de cima, que, diz Paulo, “é livre, e ela é nossa mãe”. “O que diz a Escritura?”, pergunta Paulo. O seguinte: “De modo algum será o filho da serva herdeiro junto com o filho da livre.” E nós somos filhos, não da serva, “mas da livre”. — 4:30, 31.
12 Circuncisão ou não-circuncisão nada significam, explica Paulo, mas o que conta é a fé que opera pelo amor. A Lei inteira se cumpre na expressão: “Tens de amar o teu próximo como a ti mesmo.” Continuem a andar por espírito, pois “se estais sendo conduzidos por espírito, não estais debaixo de lei”. Quanto às obras da carne, Paulo avisa de antemão “que os que praticam tais coisas não herdarão o reino de Deus”. Em nítido contraste, descreve os frutos do espírito, contra os quais não há lei, e acrescenta: “Se estamos vivendo por espírito, continuemos também a andar ordeiramente por espírito”, e a pôr de lado o egotismo e a inveja. — 5:14, 18, 21, 25.
13 Se um homem der um passo em falso antes de se aperceber disto, os que são espiritualmente habilitados devem procurar restaurá-lo “num espírito de brandura”. Os cristãos cumprem a lei de Cristo, levando os fardos uns dos outros, mas cada um deve levar a sua própria carga, provando o que a sua própria obra é. A pessoa colherá segundo aquilo que semear; da carne colherá a corrupção, do espírito, a vida eterna. Só os que procuram agradar a homens e evitar a perseguição é que querem que os gálatas sejam circuncidados. A coisa de interesse vital não é a circuncisão nem a incircuncisão, mas uma nova criação. A paz e a misericórdia estarão sobre os que andam ordeiramente segundo esta regra de conduta, sim, sobre “o Israel de Deus”. — 6:1, 16.

*** w08 15/8 pp. 26-27 Destaques das cartas aos gálatas, efésios, filipenses e colossenses ***

“DECLARADO JUSTO” — COMO?

(Gál. 1:1–6:18)
Visto que os judaizantes tentavam ardilosamente desacreditar Paulo, ele defendeu seu apostolado por prover certos detalhes autobiográficos. (Gál. 1:11–2:14) Expondo os falsos ensinos deles, Paulo salientou: “O homem é declarado justo, não devido a obras da lei, mas apenas por intermédio da fé para com Cristo Jesus.” — Gál. 2:16.
Paulo disse que Cristo ‘livrou por meio duma compra os debaixo de lei’ e os libertou para usufruírem a liberdade cristã. Ele exortou fortemente os gálatas: “Ficai firmes e não vos deixeis restringir novamente num jugo de escravidão.” — Gál. 4:4, 5; 5:1.

Perguntas bíblicas respondidas:

3:16-18, 28, 29 — O pacto abraâmico ainda é válido? Sim. O pacto da Lei foi um acréscimo e não uma substituição do pacto de Deus com Abraão. Portanto, o pacto abraâmico continuou valendo depois que a Lei foi ‘abolida’. (Efé. 2:15) Suas promessas foram repassadas para o verdadeiro “descendente” de Abraão — Cristo Jesus, que é o descendente primário, e aos que ‘pertencem a Cristo’.
6:2 — O que é “a lei do Cristo”? Essa lei engloba tudo que Jesus ensinou e ordenou. Inclui especialmente o mandamento de ‘amar uns aos outros’. — João 13:34.
6:8 — De que modo ‘semeamos visando o espírito’? Fazemos isso por viver de um modo que permita que o espírito de Deus atue livremente em nós. Semear visando o espírito envolve a participação plena em atividades que promovam o fluxo do espírito.

Lições para nós:

1:6-9. Os anciãos cristãos precisam agir de imediato quando surgem problemas na congregação. Usando raciocínio lógico e as Escrituras, poderão refutar rapidamente raciocínios falsos.
2:20. O resgate é uma dádiva de Deus para nós. Devemos aprender a encará-lo assim. — João 3:16.
5:7-9. Más companhias podem nos ‘impedir de persistir em obedecer à verdade’. Seremos sábios se as evitarmos.
6:1, 2, 5. Os que têm “qualificações espirituais” podem nos ajudar a carregar um fardo, como, por exemplo, alguma dificuldade ou um peso resultante de se ter dado, sem perceber, um passo em falso. Mas, quando se trata de levar a carga de nossas responsabilidades espirituais, nós mesmos temos de levá-la.

*** w90 15/11 p. 23 Fiquemos firmes na liberdade cristã! ***

Fiquemos firmes na liberdade cristã!

Destaques de Gálatas

JEOVÁ é o Deus da liberdade. (2 Coríntios 3:17) Seu Filho, Jesus Cristo, disse: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.” (João 8:32) E o apóstolo Paulo, em imitação de Cristo, pregou as boas novas de liberdade. — Romanos 6:18; 8:21.
Declarando essa mensagem que dá liberdade, Paulo estabeleceu as congregações da Galácia (uma província romana na Ásia Menor) durante sua primeira viagem missionária (47-48 EC). Os gálatas estavam a par da decisão do corpo governante de que a circuncisão não é exigida dos cristãos. (Atos 15:22-29) Mas alguns judaizantes tentavam escravizá-los, insistindo que fossem circuncidados. Portanto, Paulo frisou a liberdade cristã na carta que escreveu aos gálatas, de Corinto ou da Antioquia na Síria, por volta de 50-52 EC. Por exemplo, ele disse: “Para [a] liberdade é que Cristo nos libertou. Portanto, ficai firmes e não vos deixeis restringir novamente num jugo de escravidão.” — Gálatas 5:1.

Paulo Defende Seu Apostolado

Primeiro Paulo mostrou que seu apostolado era “por intermédio de Jesus Cristo e de Deus”. ( 1:1-2:14) Devido a uma revelação, Paulo (junto com Barnabé e Tito) foi a Jerusalém para tratar da questão da circuncisão. Ali, Tiago, Cefas (Pedro) e João reconheceram que ele recebera poder a fim de ser apóstolo para as nações. E quando Pedro mais tarde separou-se dos crentes gentios em Antioquia por temer os cristãos judeus de Jerusalém, Paulo o repreendeu.

Como Pode Alguém Ser Declarado Justo?

O apóstolo também apresentou o poderoso argumento de que apenas pela fé em Jesus Cristo é que alguém pode ser declarado justo. (2:15-3:29) Os gálatas receberam o espírito de Deus, não devido a obras da lei, mas por terem aceitado as boas novas, com fé. Os genuínos filhos de Abraão tem fé, mas os indivíduos que tentam mostrar-se justos por “obras da lei estão sob maldição”. Por quê? Porque não conseguem guardar a Lei de modo perfeito. De fato, a Lei tornou manifestas as transgressões e era um “tutor, conduzindo a Cristo”.

Fiquemos Firmes!

Mediante sua morte, Cristo ‘livrou os debaixo de lei’. Mas seus seguidores têm de ficar firmes na liberdade cristã. (4:1-6:18) Portanto, os gálatas precisavam resistir a quem quer que tentasse induzi-los a aceitar um jugo de escravidão. Ademais, não deviam abusar de sua liberdade, mas deviam fugir das “obras da carne” e evidenciar os frutos do espírito de Deus. Aqueles que buscavam escravizá-los à Lei queriam “apresentar uma aparência agradável na carne”, evitar a perseguição e ter causa para jactância. Contudo, Paulo mostrou que nem a circuncisão nem a incircuncisão é alguma coisa. ‘A nova criação, sim, é.’ Ele orou pedindo que a paz e a misericórdia estivessem sobre o Israel espiritual, sobre os dessa nova criação.
A carta de Paulo aos gálatas ajudou-os a resistir àqueles que buscavam escravizá-los em sentido espiritual. Que esta carta também nos ajude a evidenciar os frutos do espírito e a ficar firmes na liberdade cristã.

[Foto/Quadro na página 23]

Marcas: “Que ninguém me cause dificuldades”, escreveu Paulo, “pois estou levando no meu corpo as marcas dum escravo de Jesus”. (Gálatas 6:17) Entre alguns antigos pagãos, os escravos eram marcados para indicar quem era seu dono. Vários desenhos eram assinalados a ferro em brasa ou inscritos em seu corpo. Sem dúvida, os muitos abusos físicos infligidos ao corpo de Paulo por causa do seu serviço cristão deixaram certas cicatrizes, o que comprovava sua afirmação de ser um escravo fiel pertencente a Cristo, escravo que fora perseguido por Sua causa. (2 Coríntios 11:23-27) Estas talvez fossem “as marcas” a que Paulo se referia, ou pode ser que ele tivesse em mente a vida que levava qual cristão, evidenciando os frutos do espírito de Deus e executando seu ministério.
[Foto]
Os escravos romanos eram compelidos a servir a seus amos, mas Paulo era escravo voluntário e alegre de Jesus Cristo.

DESTAQUES DO LIVRO DE EFÉSIOS


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

Efésios


*** it-1 p. 760 Efésios, Carta aos ***

DESTAQUES DE EFÉSIOS

Carta que chama atenção para uma administração que resulta em paz e união com Deus, por meio de Jesus Cristo.
Enquanto Paulo era prisioneiro em Roma, ele escreveu esta carta à congregação em Éfeso, uma cidade portuária na costa O da Ásia Menor.
O propósito de Deus, de trazer paz e união por meio de Jesus Cristo.
Deus, expressando grande benignidade imerecida, predeterminou que alguns humanos fossem adotados como seus filhos, por meio de Jesus Cristo. (1:1-7)
Deus se propôs ter uma administração (um modo de gerenciar os assuntos da sua família), por meio da qual, mediante Cristo, uniria consigo mesmo os escolhidos para estarem nos céus e os que viveriam na terra. (1:8-14)
Paulo ora para que os efésios realmente entendam e avaliem a maravilhosa provisão feita para eles por Deus, por meio de Cristo. (1:15-23; 3:14-21)
Aqueles a quem se concedem elevadas designações em conexão com Cristo estavam anteriormente mortos no pecado; sua salvação é uma dádiva de Deus, não uma remuneração por obras feitas. (2:1-10)
Por meio de Cristo, aboliu-se a lei e lançou-se a base para judeus e gentios se tornarem um só corpo, membros da família de Deus, templo para Deus habitar por espírito. (2:11-3:7)
Os tratos de Deus com a congregação revelam, mesmo aos em lugares celestiais, a diversidade da Sua sabedoria. (3:8-13)
Fatores unificadores providos por Deus: Um só corpo espiritual constituindo a congregação, um só espírito santo, uma só esperança, um só Senhor Jesus Cristo, uma só fé, um só batismo, um só Deus e Pai. (4:1-6)
Dádivas em homens providas por Cristo ajudam todos a alcançar a unidade na fé; o corpo inteiro, sob ele como cabeça, funciona harmoniosamente por se falar a verdade e se manifestar amor. (4:7-16)
Revistam-se da nova personalidade, em harmonia com os ensinos e os exemplos de Cristo.
Não as nações, mas Cristo é o exemplo a seguir; isto requer uma nova personalidade. (4:17-32)
Imitem a Deus; manifestem a espécie de amor que Cristo manifestou. (5:1, 2)
Evitem linguagem e conduta imorais; andem como filhos da luz. (5:3-14)
Comprem o tempo; usem-no para louvar a Jeová. (5:15-20)
Com profundo respeito por Cristo, manifestem a devida sujeição a maridos, pais, amos; mostrem consideração amorosa para com aqueles sob os seus cuidados. (5:21-6:9)
Revistam-se da completa armadura espiritual, a fim de se manter firme contra as artimanhas do Diabo.
Temos uma pugna contra forças espirituais iníquas; a ajuda divina pode habilitar-nos a resistir a esses perturbadores da paz e união. (6:10-13)
A armadura espiritual da parte de Deus dá proteção total; usem-na bem e orem fervorosamente, incluindo todos os santos nas suas súplicas. (6:14-24)

*** si pp. 221-222 Livro bíblico número 49 — Efésios ***

CONTEÚDO DE EFÉSIOS

9 O propósito de Deus de trazer união mediante Cristo (1:1-2:22). Paulo, o apóstolo, envia saudações. Deve-se bendizer a Deus pela sua gloriosa benignidade imerecida. Isto tem a ver com Ele escolhê-los para estarem em união com Jesus Cristo, por intermédio de quem recebem a libertação pelo resgate, mediante o seu sangue. Outrossim, Deus fez com que o seu amor abundasse para com eles, dando a conhecer o segredo sagrado da sua vontade. Pois ele propôs uma administração, a saber, “ajuntar novamente todas as coisas no Cristo”, em união com quem foram também designados como herdeiros. (1:10) Como sinal antecipado disto, foram selados com espírito santo. Paulo ora para que fiquem firmemente convictos da esperança à qual foram chamados e compreendam que Deus usará o mesmo poder para com eles que usou ao ressuscitar a Cristo e colocá-lo bem acima de todo governo e autoridade, fazendo dele Cabeça sobre todas as coisas para a congregação.
10 Deus, pela riqueza da sua misericórdia e seu grande amor, vivificou-os, embora estivessem mortos nas suas transgressões e nos seus pecados, e os assentou juntos “nos lugares celestiais, em união com Cristo Jesus”. (2:6) Tudo isto se deve à benignidade imerecida e à fé, e não como resultado de quaisquer obras deles próprios. A sua paz é Cristo, o qual derrubou o muro, a Lei dos mandamentos, que separava os gentios dos judeus. Agora, ambos os povos têm acesso ao Pai por intermédio de Cristo. Portanto, os efésios não mais são estrangeiros, mas são “concidadãos dos santos” e desenvolvem-se num templo santo para Jeová habitar por espírito. — 2:19.
11 O “segredo sagrado do Cristo” (3:1-21). Deus revela agora a seus santos apóstolos e profetas o “segredo sagrado do Cristo . . . que os das nações haviam de ser co-herdeiros e membros associados do corpo, e co-participantes conosco da promessa, em união com Cristo Jesus, por intermédio das boas novas”. (3:4, 6) Pela benignidade imerecida de Deus, Paulo se tornou ministro destas, para declarar as riquezas insondáveis do Cristo e fazer com que os homens vejam como o segredo sagrado é administrado. É mediante a congregação que a grandemente variada sabedoria de Deus se torna conhecida. Por causa disto, Paulo ora para que se tornem poderosos com força por intermédio do espírito de Deus, a fim de que conheçam plenamente o amor de Cristo, que ultrapassa o conhecimento, e reconheçam que Deus pode “fazer mais do que superabundantemente além de todas as coisas que peçamos ou concebamos”. — 3:20.
12 Revestindo-se da “nova personalidade” (4:1-5:20). Os cristãos devem andar de modo digno da sua chamada, com humildade mental, longanimidade e amor, e no vínculo unificador da paz. Pois há um só espírito, uma só esperança, uma só fé e “um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por intermédio de todos, e em todos”. (4:6) Portanto, Cristo, o “um só Senhor”, tem dado profetas, evangelizadores, pastores e instrutores, “visando o reajustamento dos santos para a obra ministerial, para a edificação do corpo do Cristo”. Portanto, escreve Paulo, “falando a verdade, cresçamos pelo amor em todas as coisas naquele que é a cabeça, Cristo”, como corpo harmoniosamente conjuntado e cada membro cooperando. (4:5, 12, 15) Os modos imorais, inúteis e ignorantes da velha personalidade devem ser postos de lado; toda pessoa deve ser renovada na força que ativa sua mente e se “revestir da nova personalidade, que foi criada segundo a vontade de Deus, em verdadeira justiça e lealdade”. Visto que todos se pertencem uns aos outros, devem falar a verdade e pôr de lado a ira, o roubo, a linguagem corrompida, a amargura maldosa — não entristecendo o espírito santo de Deus. Em vez disso, devem tornar-se ‘benignos uns para com os outros, ternamente compassivos, perdoando liberalmente uns aos outros, assim como também Deus os perdoou liberalmente por Cristo’. — 4:24, 32.
13 Todos devem tornar-se imitadores de Deus. A fornicação, a impureza e a ganância não devem nem mesmo ser mencionadas entre eles, pois os que praticam tais coisas não têm herança no Reino. Paulo admoesta aos efésios: “Prossegui andando como filhos da luz.” “Mantende estrita vigilância” sobre como andais, comprando o tempo oportuno, “porque os dias são iníquos”. Com efeito, precisam ‘prosseguir percebendo qual é a vontade de Jeová’, e falar sobre os louvores de Deus com gratidão. — 5:8, 15-17.
14 A sujeição correta; a luta cristã (5:21-6:24). Estejam as esposas sujeitas a seus maridos, assim como a congregação está em sujeição a Cristo, e os maridos continuem a amar suas esposas, “assim como também o Cristo amou a congregação”. Da mesma forma, “a esposa deve ter profundo respeito pelo seu marido”. — 5:25, 33.
15 Vivam os filhos em união com seus pais, em obediência e correspondendo à disciplina piedosa. Os escravos e os amos também devem conduzir-se de modo a agradar a Deus, pois o Amo de todos “está nos céus, e com ele não há parcialidade”. Finalmente, que todos prossigam “adquirindo poder no Senhor e na potência da sua força”, revestindo-se da completa armadura de Deus, de modo a permanecerem firmes contra o Diabo. “Acima de tudo, tomai o grande escudo da fé”, também “a espada do espírito, isto é, a palavra de Deus”. Continuem a orar, e mantenham-se despertos. Paulo pede que orem também por ele, para que ele, com toda a franqueza no falar, ‘torne conhecido o segredo sagrado das boas novas’. — 6:9, 10, 16, 17, 19.

*** w08 15/8 p. 27 Destaques das cartas aos gálatas, efésios, filipenses e colossenses ***

‘AJUNTAMENTO DE TODAS AS COISAS NO CRISTO’

(Efé. 1:1–6:24)
Ao destacar o tema da união cristã na sua carta aos efésios, Paulo falou de “uma administração no pleno limite dos tempos designados [para] ajuntar novamente todas as coisas no Cristo, as coisas nos céus e as coisas na terra”. Cristo deu “dádivas em homens” para ajudar a todos ‘a alcançar a unidade na fé’. — Efé. 1:10; 4:8, 13.
Para honrar a Deus e promover união, os cristãos devem se “revestir da nova personalidade” e ‘estar sujeitos uns aos outros, no temor de Cristo’. Precisam também se “manter firmes contra as maquinações do Diabo” por se revestirem da completa armadura espiritual. — Efé. 4:24; 5:21; 6:11.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:4-7 — De que modo os cristãos ungidos foram predeterminados bem antes de terem nascido? Eles foram predeterminados como grupo, ou classe, não como indivíduos. Isso ocorreu antes de o mundo pecaminoso da humanidade vir a existir. A profecia registrada em Gênesis 3:15, proferida antes de qualquer humano pecaminoso ser concebido, inclui o propósito de Deus de ter alguns seguidores de Cristo reinando com este no céu. — Gál. 3:16, 29.
2:2 — Em que sentido o espírito do mundo é como o ar, e onde reside sua autoridade? “O espírito do mundo” — o espírito de independência e de desobediência — é tão difundido como o ar que respiramos. (1 Cor. 2:12) Sua autoridade, ou força, reside na sua capacidade de persuasão, persistência e implacabilidade.
2:6 — Como podem os cristãos ungidos estar “nos lugares celestiais” enquanto ainda estão na Terra? Aqui, a expressão “lugares celestiais” não se refere à sua prometida herança celestial. Antes, denota sua elevada posição espiritual resultante de serem “selados com o prometido espírito santo”. — Efé. 1:13, 14.

Lições para nós:

4:8, 11-15. Jesus Cristo “levou consigo cativos”, isto é, tirou homens do controle de Satanás para usá-los como dádivas para a edificação da congregação cristã. Podemos ‘crescer pelo amor em todas as coisas no Cristo’ sendo obedientes e submissos aos que tomam a dianteira entre nós e cooperando com os arranjos congregacionais. — Heb. 13:7, 17.
5:22-24, 33. Além de estar em sujeição ao marido, a esposa deve respeitá-lo. Ela faz isso por manifestar um “espírito quieto e brando”, por se esforçar em dar-lhe honra ao falar dele e por se empenhar em tornar suas decisões bem-sucedidas. — 1 Ped. 3:3, 4; Tito 2:3-5.
5:25, 28, 29. Assim como “alimenta” a si mesmo, o marido deve ser bom provisor para sua esposa em sentido físico, emocional e espiritual. Deve também acalentá-la por passar tempo suficiente com ela e tratá-la carinhosamente em palavras e ações.
6:10-13. A fim de resistir às forças demoníacas, temos de nos esforçar de todo o coração a nos revestir da armadura espiritual de Deus.

*** w90 15/11 p. 24 Certeza de união por intermédio de Cristo ***

Certeza de união por intermédio de Cristo

Destaques de Efésios

NO COMEÇO de 52 EC, o apóstolo Paulo pregou em Éfeso. Esta rica cidade comercial da Ásia Menor era também centro de religião falsa. Mas o cristianismo floresceu ali depois que Paulo retornou a Éfeso, provavelmente antes do inverno de 52/53 EC. Ele proferia discursos diariamente no auditório duma escola e dava testemunho de casa em casa durante sua estada de uns três anos. — Atos 19:8-10; 20:20, 21, 31.
Enquanto esteve preso em Roma por volta de 60-61 EC, Paulo escreveu aos cristãos efésios. União com Jesus Cristo e por intermédio dele é o tema de sua carta. De fato, ela contém 13 referências à ‘união com Cristo’, mais do que qualquer outra carta que Paulo escreveu. Como os efésios, podemos beneficiar-nos das palavras de Paulo sobre o papel de Cristo, evitar a imoralidade e resistir às forças espirituais iníquas.

União É o Propósito de Deus

Primeiro, Paulo explicou como Deus produziria união por intermédio de Cristo. (1:1-23) Jeová propôs ajuntar novamente todas as coisas no céu e na terra por meio de “uma administração” (modo de gerenciar assuntos). Por intermédio de Cristo, Deus uniria a si os escolhidos para a vida celestial e outros que viveriam na terra. Hoje, Deus uniu os ungidos e “uma grande multidão”, e o ‘ajuntamento de todas as coisas na terra’ continuará até que aqueles que estão nos túmulos memoriais ouçam a voz de Jesus e saiam. (Revelação [Apocalipse] 7:9; João 5:28, 29) Devemos ser gratos por isso, assim como Paulo orou para que os efésios tivessem apreço pela provisão de Deus para eles.
A seguir, dirigiu-se atenção aos cristãos gentios, outrora mortos no pecado. (2:1-3:21) Por meio de Cristo, a Lei foi abolida, e a base foi lançada para que judeus e gentios fossem unidos e se tornassem um templo no qual Deus habitaria em espírito. A incumbência de Paulo envolvia divulgar o segredo sagrado de que os gentios podem entrar em união com Cristo, por intermédio de quem podem aproximar-se de Deus com franqueza no falar. Paulo novamente orou pelos efésios, desta vez pedindo que Jeová os fizesse ficar firmemente estabelecidos pela fé e pelo amor.

Fatores Que Promovem União

Paulo mostrou que Deus forneceu fatores unificadores. (4:1-16) Entre estes está o único corpo espiritual que compõe a congregação. Este corpo opera em união sob a chefia de Cristo. Ele fornece dádivas em homens para ajudar todos a alcançar a unidade na fé.
Jeová também possibilita a demonstração de qualidades cristãs que promovem união. (4:17-6:9) Tendo-se revestido da “nova personalidade”, os cristãos evitam impiedades tais como linguagem imoral. Andam sabiamente, mostram respeito por Cristo e manifestam a devida sujeição.
Adicionalmente, Deus habilita os cristãos a resistir às forças espirituais iníquas que procuram romper a nossa união. (6:10-24) A armadura espiritual da parte de Deus fornece tal proteção. Portanto, usemo-la e oremos fervorosamente, incluindo concrentes em nossas súplicas.
Que conselhos excelentes deu Paulo aos efésios! Acatemo-los, evitando a imoralidade e resistindo às forças espirituais iníquas. E tenhamos profundo apreço pela união que usufruímos por intermédio de Jesus Cristo.

[Foto/Quadro na página 24]

Projéteis Ardentes: A armadura espiritual inclui “o grande escudo da fé“ com o qual se podem apagar, ou neutralizar, os “projéteis ardentes” de Satanás. (Efésios 6:16) Alguns projéteis usados pelos romanos eram canas ocas com um receptáculo de ferro sob a ponta, que era enchido com nafta ardente. Eram atirados com arcos frouxos para evitar que o fogo se apagasse, e ensopá-los com água apenas aumentava a intensidade da chama. Mas, escudos grandes protegiam os soldados de tais flechas, assim como a fé em Jeová capacita seus servos a “apagar todos os projéteis ardentes do iníquo”. Sim, a fé ajuda-nos a resistir a coisas como ataques de espíritos iníquos, bem como a tentações de fazer o que é errado, de nos empenhar num modo materialista de vida e de ceder ao temor e à dúvida.

DESTAQUES DO LIVRO DE FILIPENSES


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

Filipenses


*** it-2 Filipenses, Carta aos ***
Nesta carta são expressos muitos princípios excelentes que dão encorajamento a todos os cristãos. Alguns deles são:
[Tabela na página 141]

Capítulo e versículo    Princípio

1:9, 10 Certifiquem-se das coisas mais importantes, para não fazer outros tropeçar por algum motivo.
1:15-18 Podemos alegrar-nos mesmo quando os inimigos da verdade falam contenciosamente sobre ela, porque isso só serve para propalar a verdade.
1:19 A oração dos servos de Deus é eficaz.
1:27, 28 A união e a coragem dos cristãos em face dos seus oponentes é prova da parte de Deus, de que ele livrará seus servos e destruirá seus inimigos.
2:5-11 A humildade traz enaltecimento da parte de Deus.
2:27 Pode-se agradecer a Deus sua misericórdia quando um dos seus servos fiéis se restabelece duma doença.
3:16 Ao ponto que o cristão tiver feito progresso, ele deve continuar a andar ordeiramente na mesma rotina, a fim de receber o prêmio.
3:20 Os cristãos devem olhar para o céu, onde existe sua cidadania, e não para relações terrestres.
4:6, 7 Não estejam ansiosos; em toda situação, apresentem suas petições a Deus, e ele dará uma paz que guardará seu coração e suas faculdades mentais.
4:8 Considerem em todas as ocasiões as coisas corretas e louváveis.

[Destaques na página 140]

DESTAQUES DE FILIPENSES

Carta que reflete o vínculo especial de amor existente entre Paulo e os cristãos em Filipos.
Escrita por Paulo por volta de 60-61 EC, enquanto preso em Roma.
Amor de Paulo aos irmãos e seu apreço pela generosidade deles.
Paulo agradece a Deus a contribuição feita pelos filipenses para a promoção das boas novas. Em profundo afeto por eles, ora para que o amor deles aumente e que eles se certifiquem das coisas mais importantes. (1:3-11)
Paulo se preocupa com o bem-estar dos filipenses; espera enviar-lhes Timóteo, que ele recomenda muito; confia em que ele mesmo também os visite em breve. (2:19-24)
Para tranqüilizar os irmãos a respeito de Epafrodito, a respeito de quem os filipenses souberam que estava muito doente, Paulo lhes envia este servo leal, que eles haviam designado para ministrar a Paulo. (2:25-30)
Embora Paulo seja auto-suficiente em todas as circunstâncias, graças à força concedida a ele de cima, elogia muito os filipenses pela sua generosidade. (4:10-19)

Resultado do encarceramento de Paulo.

O encarceramento de Paulo resultou na promoção das boas novas; sua situação é bem conhecida entre a Guarda Pretoriana, e a maioria dos irmãos mostra mais coragem para falar destemidamente a palavra de Deus. (1:12-14)
Alguns pregam com boa motivação, outros com má motivação — de qualquer modo, Cristo está sendo propalado; quer Paulo viva, quer morra, magnificará a Cristo; mas ele acha que viverá para ministrar aos filipenses. (1:15-26)

Conselho edificante a respeito de atitudes e conduta.

Comportem-se da maneira digna das boas novas, não sendo amedrontados pelos inimigos; os oponentes serão destruídos, ao passo que os crentes obterão a salvação. (1:27-30)
Demonstrem a mesma atitude mental de Cristo por mostrar humildade e não procurar os próprios interesses. (2:1-11)
Como filhos imaculados, brilhem como iluminadores no meio duma geração pervertida e deturpada, ‘mantendo-se firmemente agarrados à palavra da vida’. (2:12-16)
Guardem-se dos que promovem a circuncisão; o cristão confia em Cristo, não na circuncisão carnal. (3:1-3)
Paulo tem a posição mais elevada no que se refere a qualificações carnais, mas, ele considera tudo isso como refugo, por causa “do valor superior do conhecimento de Cristo”; ele se empenha pelo prêmio e exorta outros a fazer o mesmo. (3:4-21)
Continuem a alegrar-se no Senhor; manifestem razoabilidade e confiem as ansiedades a Deus em oração; encham a mente com pensamentos sadios. (4:4-9)

*** si pp. 224-225 Livro bíblico número 50 — Filipenses ***

CONTEÚDO DE FILIPENSES

8 Defesa e o progresso das boas novas (1:1-30). Paulo e Timóteo enviam saudações, e Paulo agradece a Deus a contribuição dos filipenses para as boas novas “desde o primeiro dia até este momento”. Ele confia que desempenharão a sua boa obra até o fim, pois são participantes com ele da benignidade imerecida, incluindo “em defender e estabelecer legalmente as boas novas”. Tem saudades de todos eles em terna afeição, e diz: “Isto é o que continuo a orar: que o vosso amor abunde ainda mais e mais . . . que vos certifiqueis das coisas mais importantes.” (1:5, 7, 9, 10) Paulo quer que saibam que seus “assuntos têm resultado mais para o progresso das boas novas”, no sentido de que as suas cadeias da prisão se tornaram de conhecimento público, e os irmãos foram encorajados a falar a palavra de Deus destemidamente. Embora haja ganho para Paulo morrer agora, ele sabe, contudo, que, para o progresso e alegria deles, é mais necessário que permaneça. Ele os aconselha a se comportarem de modo digno das boas novas, pois, quer vá ter com eles, quer não, deseja ouvir que lutam em união, e ‘em nenhum sentido estão sendo amedrontados pelos seus oponentes’. — 1:12, 28.
9 Manter a mesma atitude mental que Cristo (2:1-30). Paulo incentiva os filipenses a ter humildade mental, ‘não visando, em interesse pessoal, apenas os seus próprios assuntos, mas também, em interesse pessoal, os dos outros’. Devem ser da mesma atitude mental que Cristo Jesus, que, embora existisse na forma de Deus, esvaziou a si mesmo para se tornar homem e humilhou-se em obediência até à morte, de modo que Deus o exaltou e lhe deu um nome acima de todo outro nome. Paulo os exorta, dizendo: “Persisti em produzir a vossa própria salvação com temor e tremor.” “Persisti em fazer todas as coisas livres de resmungos e de argüições”, e “mantende-vos firmemente agarrados à palavra da vida”. (2:4, 12, 14, 16) Espera enviar-lhes Timóteo, e confia que ele próprio também irá em breve. No momento, envia Epafrodito, que se restabeleceu de sua enfermidade, para que se regozijem outra vez.
10 ‘Empenho para alcançar o alvo’ (3:1-4:23). ‘Nós, os que somos da verdadeira circuncisão’, diz Paulo, ‘precisamos acautelar-nos dos cães, dos que mutilam a carne’. Se alguém tem base de confiança na carne, Paulo tem mais ainda, e seu passado como judeu circunciso e fariseu prova isto. Todavia, considerou tudo isto perda, ‘por causa do valor superior do conhecimento de Cristo Jesus, seu Senhor’. Mediante a justiça, que é pela fé, espera “alcançar a ressurreição a ocorrer mais cedo dentre os mortos”. (3:2, 3, 8, 11) Portanto, Paulo diz: “Esquecendo-me das coisas atrás e esticando-me para alcançar as coisas na frente, empenho-me para alcançar o alvo do prêmio da chamada para cima, da parte de Deus, por meio de Cristo Jesus.” Que tantos quantos forem maduros tenham a mesma atitude mental. Há aqueles cujo deus é o seu ventre, que têm a mente nas coisas da terra, e cujo fim é a destruição, mas, “quanto a nós”, afirma Paulo, “a nossa cidadania existe nos céus”. — 3:13, 14, 20.
11 ‘Alegrai-vos no Senhor’, exorta Paulo, e ‘seja a vossa razoabilidade conhecida de todos os homens. Continuai a considerar as coisas que são verdadeiras e de séria preocupação, coisas que são justas, castas, amáveis, de que se fala bem, virtuosas e louváveis. Praticai as coisas que aprendestes, aceitastes, ouvistes e vistes, em conexão comigo, e o Deus de paz estará convosco’. (4:4-9) Paulo se regozija grandemente com os pensamentos generosos dos filipenses para com ele, embora tenha força para todas as coisas ‘em virtude daquele que confere poder’. Ele lhes agradece calorosamente a sua dádiva. Desde o início em que declarou as boas novas na Macedônia, eles superabundaram no dar. Deus, por sua vez, lhes suprirá plenamente todas as suas “necessidades ao alcance das suas riquezas, em glória, por meio de Cristo Jesus”. (4:13, 19) Ele envia saudações de todos os santos, incluindo os da família de César.

*** w08 15/8 pp. 27-28 Destaques das cartas aos gálatas, efésios, filipenses e colossenses ***

“PROSSIGAMOS ANDANDO ORDEIRAMENTE”

(Fil. 1:1–4:23)
A carta de Paulo aos filipenses transpira amor. “Isto é o que continuo a orar”, disse ele, “que o vosso amor abunde ainda mais e mais com conhecimento exato e pleno discernimento”. Para ajudá-los a evitar o laço do excesso de confiança, Paulo exortou: “Persisti em produzir a vossa própria salvação com temor e tremor.” — Fil. 1:9; 2:12.
Paulo incentivou os que eram maduros a se empenharem “para alcançar o alvo do prêmio da chamada para cima, da parte de Deus”. Ele declarou: “Ao ponto que fizemos progresso, prossigamos andando ordeiramente nesta mesma rotina.” — Fil. 3:14-16.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:23 e nota — Que “duas coisas” pressionavam Paulo, e que “livramento” ele ansiava? Pelas circunstâncias em que se encontrava, Paulo estava sob pressão causada pelas duas possibilidades que se lhe apresentavam: vida ou morte. (Fil. 1:21) Embora não declarasse o que escolheria, ele revelou o que desejava — “o livramento e o estar com Cristo”. (Fil. 3:20, 21; 1 Tes. 4:16) Esse “livramento” durante a presença de Cristo resultaria em Paulo receber a recompensa que Jeová lhe havia preparado. — Mat. 24:3.
2:12, 13 — De que modo Deus faz com que ‘tanto queiramos como atuemos’? O espírito santo de Jeová pode agir em nosso coração e mente para aumentar o desejo de darmos o melhor no seu serviço. Assim, enquanto ‘persistimos em produzir a nossa própria salvação’, não ficamos sem ajuda.

Lições para nós:

1:3-5. Mesmo sendo materialmente pobres, os filipenses nos deram um bom exemplo de generosidade. — 2 Cor. 8:1-6.
2:5-11. Como mostra o exemplo de Jesus, a humildade não é sinal de fraqueza, mas de força moral. Além disso, Jeová exalta os humildes. — Pro. 22:4.
3:13. As “coisas atrás” podem ser coisas tais como uma carreira lucrativa, a segurança de pertencer a uma família rica ou até mesmo pecados sérios do passado dos quais nos arrependemos e ‘fomos lavados’. (1 Cor. 6:11) Devemos esquecer essas coisas, isto é, deixar de nos preocupar com elas e ‘nos esticar para alcançar as coisas na frente’.

*** w90 15/11 p. 25 Avancemos para alcançar o alvo! ***

Avancemos para alcançar o alvo!

Destaques de Filipenses

O APÓSTOLO Paulo desejava que os cristãos em Filipos continuassem a avançar para alcançar o alvo do prêmio da vida eterna. Assim, escreveu-lhes por volta de 60 ou 61 EC, durante seu primeiro encarceramento em Roma. Sua carta foi enviada a uma congregação que ele havia estabelecido uns dez anos antes em Filipos, cidade fundada por Filipe da Macedônia (pai de Alexandre Magno). No primeiro século EC, ela se tornou “a cidade principal do distrito da Macedônia”, agora parte da Grécia setentrional e da Iugoslávia meridional. — Atos 16:11, 12.
Os crentes filipenses eram pobres, mas generosos. Mais de uma vez, eles enviaram algo para suprir as necessidades de Paulo. (Filipenses 4:14-17) Mas sua carta era muito mais do que uma nota de agradecimento. Fornecia também encorajamento, expressava amor e dava conselhos.
Eram Evidentes as Qualidades Cristãs
A carta de Paulo começou com uma evidência de seu amor pelos crentes filipenses. ( 1:1-30) Ele agradeceu a Jeová pela contribuição deles para a promoção das boas novas e orou para que o amor deles aumentasse. Paulo estava contente porque seu encarceramento fez com que eles mostrassem ‘mais coragem para falar destemidamente a palavra de Deus’. Ele desejava estar com Cristo, mas achava que ainda podia ministrar a eles. Paulo também queria que eles prosseguissem ‘esforçando-se lado a lado pela fé das boas novas’.
A seguir, vieram conselhos sobre atitude e conduta. (2:1-30) Os filipenses foram incentivados a mostrar interesse pessoal nos outros e a demonstrar humildade como a de Cristo. Eles estavam “brilhando como iluminadores no mundo” e foram instados a manter-se “firmemente agarrados à palavra da vida”. Paulo esperava enviar-lhes Timóteo e estava confiante de que ele mesmo iria em breve. A fim de tranqüilizá-los quanto a Epafrodito, que estivera muito doente, Paulo lhes estava enviando este servo leal.
Continuemos a Avançar Para Alcançar o Alvo
Em seguida, o apóstolo mostrou aos filipenses em que deviam depositar sua confiança ao passo que avançassem para atingir o alvo. (3:1-21) Ela devia ser depositada em Jesus Cristo, não na carne ou na circuncisão, como alguns faziam. Paulo considerava suas credenciais carnais como refugo por causa “do valor superior do conhecimento de Cristo”. O apóstolo ‘empenhava-se para alcançar o alvo do prêmio da chamada para cima, da parte de Deus, por meio de Cristo Jesus’, e incentivou os filipenses a terem a mesma atitude mental.
Aplicar o conselho concludente de Paulo ajudaria os filipenses a manter o alvo e o prêmio em vista. (4:1-23) Ele os incentivou a lançar suas ansiedades sobre Deus em oração e a encher a mente com pensamentos salutares. Paulo elogiou-os novamente por sua generosidade e concluiu com cumprimentos e com o desejo de que a benignidade imerecida do Senhor Jesus Cristo estivesse com o espírito que eles mostravam.
A carta de Paulo aos filipenses promove generosidade, amor e humildade. Incentiva à confiança em Cristo e à oração fervorosa a Deus. E as palavras de Paulo certamente ajudam as Testemunhas de Jeová a continuar avançando para alcançar o alvo do prêmio da vida eterna.
[Foto/Quadro na página 25]
Alcançar o Alvo: “Esquecendo-me das coisas atrás e esticando-me para alcançar as coisas na frente”, escreveu Paulo, “empenho-me para alcançar o alvo do prêmio da chamada para cima, da parte de Deus, por meio de Cristo Jesus”. (Filipenses 3:13, 14) O apóstolo esforçava-se como alguém empenhado numa corrida. Não desperdiçava tempo e esforço olhando para trás, mas avançava para alcançar o alvo — como o corredor que se estica para cruzar a linha de chegada. Para Paulo e outros cristãos ungidos, o prêmio era a vida celestial pela ressurreição após terminarem a carreira terrestre de fidelidade a Deus. Quer a nossa esperança seja celestial, quer terrestre, mantenhamos integridade a Jeová e avancemos para alcançar o alvo como Suas Testemunhas. — 2 Timóteo 4:7.

DESTAQUES DO LIVRO DE COLOSSENSES


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

Colossenses


*** it-1 p. 529 Colossenses, Carta aos ***

DESTAQUES DE COLOSSENSES

A carta destaca o apreço pela posição de Cristo, dada por Deus, como o meio para neutralizar conceitos e práticas erradas.
Escrita por Paulo perto do fim do seu primeiro encarceramento em Roma.
Apreço pela posição de Cristo. (1:1-2:12)
Elogiada a fé em conexão com Cristo e o amor a todos os santos, com quem compartilhavam a esperança celestial.
Posição de destaque dada a Cristo: Ele é a imagem de Deus, o primogênito de toda a criação, aquele por intermédio de quem foram criadas todas as outras coisas, cabeça da congregação, primogênito dentre os mortos.
A reconciliação com Deus é realizada por meio de Cristo.
Ocultos em Cristo se acham todos os tesouros de verdadeira sabedoria e conhecimento.
Prossigam andando em união com ele; não se deixem levar por alguém como presa, por meio de filosofias humanas.
A Lei mosaica foi tirada do caminho por Deus mediante Cristo. (2:13-23)
Deus, figurativamente, pregou o pacto da Lei na estaca de tortura na qual Cristo morreu.
Os requisitos da Lei eram sombra; a realidade pertence ao Cristo.
Que nenhum homem o prive do prêmio por induzi-lo a seguir mandamentos e ensinos de homens, em vez de se apegar a Cristo como cabeça.
Revista-se da nova personalidade, sujeitando-se à autoridade de Cristo. (3:1-17)
Mantenha a mente fixa nas coisas de cima, não nas coisas na terra.
Amorteça os desejos impuros da carne; afaste de si atitudes e conversa erradas.
Revista-se de compaixão, benignidade, humildade mental, brandura, longanimidade, amor.
Deixe a paz de Cristo dominar no coração.
Faça tudo no nome do Senhor Jesus, agradecendo a Deus por meio dele.
As relações com outros devem ser influenciadas pelo apreço por Deus e Cristo. (3:18-4:18)
Esposas, maridos, filhos, escravos e amos devem cumprir com as responsabilidades, não como para agradar a homens, mas com temor de Jeová, reconhecendo que Cristo, no céu, é nosso Amo.
Persevere em oração; ande em sabedoria.
Cumprimentos pessoais a conservos do Senhor.

*** si pp. 227-228 Livro bíblico número 51 — Colossenses ***

CONTEÚDO DE COLOSSENSES

6 Tenha fé em Cristo, a cabeça da congregação (1:1-2:12). Depois dos cumprimentos iniciais da parte de Timóteo e de si mesmo, Paulo dá graças pela fé que os colossenses têm em Cristo e pelo amor deles. Aprenderam sobre a benignidade imerecida de Deus em resultado de Epafras pregar as boas novas entre eles. Desde que Paulo ouviu o relatório a respeito deles, não cessou de orar para que ficassem cheios ‘do conhecimento exato da sua vontade, em toda a sabedoria e compreensão espiritual, para andarem dignamente de Jeová’, e ‘de modo a perseverarem plenamente e serem longânimes com alegria’. (1:9-11) O Pai os livrou para “o reino do Filho do seu amor”, que é a imagem do Deus invisível, e por meio de quem e para quem todas as coisas foram criadas. Ele é a Cabeça da congregação e o primogênito dentre os mortos. Por meio do sangue de Jesus, Deus achou por bem reconciliar todas as coisas novamente consigo mesmo, sim, também os colossenses outrora alienados, ‘desde que, naturalmente, continuem na fé’. — 1:13, 23.
7 Paulo se regozija em completar os sofrimentos do Cristo em favor da congregação, cujo ministro se tornou. Isto se deu para que pregasse plenamente em favor deles a palavra de Deus concernente ao ‘segredo sagrado, as riquezas gloriosas, a respeito das quais Deus se agradou agora de dar a conhecer a seus santos’. ‘É a Cristo que estamos propalando’, diz Paulo, ‘admoestando e ensinando em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos cada homem completo em união com Cristo’. — 1:26-28.
8 A luta de Paulo se trava em favor dos colossenses, dos laodicenses e de outros, a fim de que sejam consolados e se unam harmoniosamente em amor, tendo em vista ganharem ‘conhecimento exato do segredo sagrado de Deus, a saber, Cristo, em quem estão cuidadosamente ocultos todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento’. Não quer vê-los iludidos por argumentos persuasivos, mas, antes, devem prosseguir andando em união com Cristo, “arraigados, e sendo edificados nele e estabilizados na fé”. Paulo dá agora um aviso: “Acautelai-vos: talvez haja alguém que vos leve embora como presa sua, por intermédio de filosofia e de vão engano, segundo a tradição de homens.” — 2:2, 3, 7, 8.
9 Morrer para as obras da carne, mas ser vivificado para Cristo (2:13-3:17). Embora estivessem mortos nas suas transgressões e incircuncisão, Deus os vivificou junto com Cristo, apagando o documento manuscrito da Lei, que era contra os judeus. ‘Portanto, nenhum homem os julgue’ com respeito à Lei ou observâncias, que são meras sombras da realidade, a saber, Cristo. Também, se morreram junto com Cristo para com as coisas elementares do mundo, por que se sujeitam aos decretos: “Não manuseies, nem proves, nem toques”, segundo os mandamentos e os ensinos dos homens? Uma forma ostentosa, por imposição própria, de adoração, humildade falsa, tratamento severo do corpo — estas coisas são sem valor para combater os desejos da carne. — 2:16, 21.
10 Ao contrário, Paulo aconselha isto: “Prossegui buscando as coisas de cima, onde o Cristo está sentado à direita de Deus. Mantende as vossas mentes fixas nas coisas de cima, não nas coisas sobre a terra.” Isto é possível mediante despir-se da velha personalidade e revestir-se da nova personalidade, que, mediante o conhecimento exato, não faz distinção carnal entre judeu e grego, pois “Cristo é todas as coisas e em todos”. Significa revestir-se como “escolhidos de Deus”, das ternas afeições de compaixão, benignidade, humildade mental, brandura e longanimidade. Diz o apóstolo: “Assim como Jeová vos perdoou liberalmente, vós também o fazei. Além de todas estas coisas, porém, revesti-vos de amor, pois é o perfeito vínculo de união.” Quer em palavras, quer em obra, tudo deve ser feito “no nome do Senhor Jesus, agradecendo a Deus, o Pai, por intermédio dele”. — 3:1, 2, 11-14, 17.
11 Relações com os outros (3:18-4:18). Quanto às relações familiares, que as esposas estejam sujeitas a seus maridos e que os maridos amem as suas esposas, que os filhos obedeçam aos pais e que os pais não exasperem seus filhos. Os escravos devem ser obedientes a seus amos no temor de Jeová, e os amos devem tratar seus escravos com justiça. Que todos perseverem em oração e continuem a andar em sabedoria para com os de fora. Tíquico e Onésimo lhes relatarão pessoalmente as coisas concernentes a Paulo e seus colaboradores em prol do Reino de Deus. Eles enviam saudações a Colossos, e Paulo também cumprimenta os irmãos de Laodicéia, pedindo que façam uma troca das cartas que lhes envia. Paulo escreve um cumprimento final de seu próprio punho: “Continuai a lembrar-vos das minhas cadeias. A benignidade imerecida seja convosco.” — 4:18.

*** w08 15/8 p. 28 Destaques das cartas aos gálatas, efésios, filipenses e colossenses ***

“ESTABILIZADOS NA FÉ”

(Col. 1:1–4:18)
Em sua carta aos colossenses, Paulo contra-atacou os conceitos errados dos falsos instrutores. Ele ponderou que a salvação depende, não dos requisitos da Lei, mas de ‘continuar na fé’. Paulo incentivou os colossenses a ‘prosseguir andando em união com Cristo, arraigados, e sendo edificados nele e estabilizados na fé’. Como tal estabilização deveria afetá-los? — Col. 1:23; 2:6, 7.
“Além de todas estas coisas”, escreveu Paulo, “revesti-vos de amor, pois é o perfeito vínculo de união. Também, a paz do Cristo domine nos vossos corações”. O apóstolo lhes disse: “O que for que fizerdes, trabalhai nisso de toda a alma como para Jeová, e não como para homens.” A respeito dos de fora da congregação, ele disse: “Prossegui andando em sabedoria para com” eles. — Col. 3:14, 15, 23; 4:5.

Perguntas bíblicas respondidas:

2:8 — O que são “as coisas elementares do mundo” contra as quais Paulo alertou? São os componentes do mundo de Satanás — coisas fundamentais, ou princípios, que o compõem, direcionam ou motivam. (1 João 2:16) Entre esses estão a filosofia, o materialismo e as religiões falsas do mundo.
4:16 — Por que a carta aos laodicenses não faz parte da Bíblia? Talvez porque essa carta não contivesse informações necessárias para os nossos dias. Ou pode ser que ela repetisse pontos de outras cartas canônicas.

Lições para nós:

1:2, 20. O resgate, uma provisão da benignidade imerecida de Deus, pode limpar nossa consciência da culpa e nos dar paz interior.
2:18, 23. “Humildade fingida” — uma ostentação de humildade para impressionar outros talvez por renunciar coisas materiais ou por tratar o corpo com severidade — é um indicativo de a pessoa estar ‘enfunada devido à carnalidade da mente’.

*** w90 15/11 p. 26 Mantenhamos a fé em Deus e em Cristo ***

Mantenhamos a fé em Deus e em Cristo

Destaques de Colossenses

A FÉ EM Jeová Deus e em Jesus Cristo é vital para a salvação. Mas é um desafio manter tal fé. Isto era assim para os cristãos em Colossos, uma cidade a leste de Éfeso, na Ásia Menor. Por quê? Porque falsos instrutores locais afirmavam erroneamente que a salvação dependia da circuncisão, do que se comia e de se guardar determinadas observâncias.
É compreensível, pois, que o apóstolo Paulo estivesse preocupado com o bem-estar espiritual dos cristãos de Colossos, e ele certamente queria que eles mantivessem a fé em Deus e em Cristo. Portanto, perto do fim do seu primeiro encarceramento em Roma (aproximadamente 60-61 EC), o apóstolo escreveu aos colossenses uma carta, elaborada para combater conceitos errados e para edificar a fé. Vejamos como nós também podemos beneficiar-nos de suas amorosas palavras.

Reconheçamos a Posição de Cristo

Logo no começo de sua carta, Paulo destacou o reconhecimento da posição de Jesus. ( 1:1-2:12) Elogiou os colossenses por sua fé em conexão com Cristo e por seu amor por concrentes. Paulo citou a preeminência de Cristo como Aquele por intermédio de quem todas as outras coisas foram criadas, a Cabeça da congregação e o primogênito dentre os mortos. A reconciliação com Deus é levada a cabo por intermédio de Cristo, em quem se ocultam todos os tesouros da sabedoria e do conhecimento. Em vista de tudo isso, os cristãos devem continuar a andar em união com Cristo e não devem permitir que ninguém os leve embora como presa por meio de filosofias humanas.
Mediante Cristo, Deus tirou a Lei do caminho. (2:13-23) Ela foi figurativamente pregada na estaca na qual Cristo morreu. Os requisitos da Lei eram apenas “sombra das coisas vindouras, mas a realidade pertence ao Cristo”. Por se apegarem a Cristo, eles não permitiriam que homem algum os privasse do prêmio da vida imortal no céu.

Tenhamos Apreço por Deus e por Cristo

Paulo a seguir instou os colossenses a se revestirem da nova personalidade e a se sujeitarem à autoridade de Jesus Cristo. (3:1-17) Mantendo a mente nas coisas de cima, estariam dando aos interesses espirituais o primeiro lugar na vida. Isto exigia deixar de lado atitudes e linguagem erradas. Quão abençoados seriam caso se revestissem de qualidades tais como compaixão, humildade mental e amor! A paz de Cristo dominaria nos seus corações se fizessem tudo no nome de Jesus, dando graças a Deus por intermédio dele.
O apreço por Jeová Deus e por Jesus Cristo também deve influenciar os relacionamentos do cristão com outras pessoas. (3:18-4:18) Esposas, maridos, filhos, escravos e amos deviam cumprir seus deveres com temor de Deus e em reconhecimento de Cristo. E quão necessário é perseverar em oração e andar em sabedoria!
A carta de Paulo aos colossenses pode ajudar-nos a evitar ensinos falsos que nos privariam do prêmio da vida. A ênfase que o apóstolo deu a reconhecer a autoridade de Jeová e de Seu Filho pode ter excelente influência em nosso relacionamento com outros. E muitas bênçãos estão asseguradas se mantivermos nossa fé em Deus e em Cristo.

[Foto/Quadro na página 26]

Carta a Laodicéia: “Quando esta carta tiver sido lida entre vós”, escreveu Paulo aos colossenses, “providenciai para que seja também lida na congregação dos laodicenses, e para que leiais também a de Laodicéia”. (Colossenses 4:16) Laodicéia era uma cidade próspera na Ásia Menor ocidental, ligada por estradas a cidades tais como Filadélfia e Éfeso. É provável que a obra de Paulo em Éfeso tenha chegado até Laodicéia, embora ele não tenha ministrado ali. Ele enviou uma carta aos cristãos laodicenses, embora alguns eruditos creiam que se trate duma cópia da que ele escrevera aos efésios. A carta a Laodicéia não se encontra na Bíblia, possivelmente porque não continha informações de que precisamos hoje ou talvez porque repetia pontos adequadamente abrangidos em outras cartas canônicas.

DESTAQUES DO LIVRO DE 1 - 2 TESSALONICENSES


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org
Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

1 Tessalonicenses

2 Tessalonicenses



*** it-3 p. 701 Tessalonicenses, Cartas aos ***

DESTAQUES DE PRIMEIRA TESSALONICENSES

Encorajamento e conselhos para uma congregação relativamente nova.
Escrita por Paulo por volta de 50 EC, poucos meses depois de ter deixado Tessalônica por causa dum motim.

Elogios à congregação. ( 1:1-10)

Paulo elogia cordialmente os tessalonicenses por seu trabalho e perseverança fiéis.
Os tessalonicenses tornaram-se exemplo para outros crentes ao aceitarem a palavra sob tribulação e com a alegria que o espírito de Deus produz.
Relata-se em todo lugar que eles abandonaram a idolatria e passaram a trabalhar como escravos do Deus vivente e a aguardar Jesus.

O exemplo de Paulo quando estava entre eles. (2:1-12)

Depois de ser tratado com insolência em Filipos, Paulo derivou forças de Deus e pregou denodadamente aos tessalonicenses.
Paulo esquivava-se de lisonja, cobiça e busca de glória.
Ele evitou tornar-se um fardo para os irmãos, mas tratou-os gentilmente, como a mãe lactante faria, e exortou-os como um pai amoroso.

Encorajamento para permanecerem firmes em face de perseguição. (2:13-3:13)

Os irmãos em Tessalônica, depois de aceitarem a mensagem que lhes fora transmitida como a palavra de Deus, foram perseguidos por seus conterrâneos; as mesmas coisas aconteciam na Judéia, onde os cristãos estavam sofrendo às mãos dos judeus.
Paulo havia tido grande desejo de ver os tessalonicenses; quando não mais pôde suportar a falta de notícias deles, enviou Timóteo, e este acabava de voltar com boas novas da condição espiritual deles.
Paulo orou pedindo que continuassem a aumentar.

Admoestação sobre atitude e conduta. (4:1-5:28)

Andem mais plenamente no proceder que agrada a Deus; abstenham-se de fornicação.
Amem os irmãos num grau ainda maior; trabalhem com suas mãos para que até mesmo as pessoas de fora vejam que andam decentemente.
Confortem-se com a esperança de que na presença de Cristo os crentes gerados pelo espírito, que tiverem morrido, serão ressuscitados primeiro e unidos a Cristo; depois, os que ainda estiverem vivos se juntarão a ele e aos já ressuscitados.
O dia de Jeová vem como ladrão — quando estiverem dizendo: “Paz e segurança!”, virá a repentina destruição; em vista disto, permaneçam espiritualmente despertos, protegidos pela fé e pelo amor como couraça, e pela esperança da salvação como capacete.
Tenham profunda consideração por aqueles que presidem na congregação; sejam pacíficos, empenhem-se pelo que é bom, alegrem-se sempre, dêem graças, certifiquem-se de todas as coisas, apeguem-se ao que é excelente e abstenham-se da iniqüidade.

*** si pp. 230-231 Livro bíblico número 52 — 1 Tessalonicenses ***

CONTEÚDO DE PRIMEIRA TESSALONICENSES

6 Os tessalonicenses são exemplo para outros crentes (1:1-10). Paulo começa a sua carta aos tessalonicenses com calorosos elogios de sua obra fiel, labor amoroso e perseverança na esperança. As boas novas pregadas entre eles não foram só em palavras, mas ‘também com poder e forte certeza’. Imitando o exemplo que lhes fora dado, os tessalonicenses haviam aceitado a palavra “com alegria de espírito santo” e se haviam tornado eles mesmos um exemplo para todos os crentes na Macedônia, Acaia e mesmo além. Haviam-se desviado completamente de seus ídolos, “a fim de trabalhar como escravos para um Deus vivente e verdadeiro, e para aguardar o seu Filho vindo dos céus”. — 1:5, 6, 9, 10.
7 A amorosa preocupação de Paulo para com os tessalonicenses (2:1-3:13). Depois de terem sido tratados com insolência em Filipos, Paulo e seus companheiros muniram-se de intrepidez para pregar aos tessalonicenses. Isso fizeram não para agradar a homens, nem como lisonjeiros, tampouco buscando glória de homens. Ao contrário, diz Paulo, “tornamo-nos meigos entre vós, como a mãe lactante que acalenta os seus próprios filhos. Tendo assim terna afeição por vós, de bom grado não só vos conferimos as boas novas de Deus, mas também as nossas próprias almas, porque viestes a ser amados por nós”. (2:7, 8) Continuavam a exortar os tessalonicenses como um pai exorta a seus filhos, para que prosseguissem andando dum modo digno de Deus, que os chamava para o Seu Reino e glória.
8 Paulo os elogia por aceitarem prontamente as boas novas pelo que são, isto é, “a palavra de Deus”. Não são os únicos a serem perseguidos por seus próprios conterrâneos, pois os primeiros crentes na Judéia sofreram perseguição similar às mãos dos judeus. Ansioso pelo bem-estar deles, em duas ocasiões Paulo desejou ir ter com eles pessoalmente, mas foi impedido por Satanás. Para Paulo e seus colaboradores, os irmãos tessalonicenses são uma coroa de exultação, sua “glória e alegria”. (2:13, 20) Quando não mais podia suportar a falta de notícias deles, Paulo enviou Timóteo a Tessalônica a fim de firmar a fé deles e confortá-los. Timóteo acaba de retornar com as boas novas a respeito da prosperidade espiritual e do amor deles, e isso conforta e alegra o apóstolo. Paulo agradece a Deus e ora para que o Senhor lhes dê aumento, para que abundem em amor mútuo e que seus corações sejam “inculpáveis na santidade” perante Deus, o Pai, na presença do Senhor Jesus. — 3:13.
9 Servindo em santificação e honra (4:1-12). Paulo elogia os tessalonicenses por andarem de modo a agradar a Deus, e exorta a continuarem a fazer isso mais plenamente. Que cada um “saiba obter posse do seu próprio vaso em santificação e honra, não em cobiçoso apetite sexual”. Nisto, ninguém deve usurpar os direitos de seu irmão. Pois Deus os chamou, “não com uma concessão para a impureza, mas em conexão com a santificação. Assim, pois, quem mostra falta de consideração, não desconsidera o homem, mas a Deus”. (4:4, 5, 7, 8) Paulo elogia os tessalonicenses porque demonstram amor uns aos outros, e ele os exorta a continuarem a fazer isso em medida mais plena, tomando por alvo viver sossegadamente, cuidar de seus próprios negócios e trabalhar com as suas mãos. Pois eles têm de andar decentemente “para com os de fora”. — 4:12.
10 A esperança da ressurreição (4:13-18). Com respeito aos que dormem na morte, os irmãos não devem ficar tão pesarosos como ficam os que não têm esperança. Se a sua fé é que Jesus morreu e foi levantado de novo, então, também, Deus, por meio de Jesus, levantará outros que adormeceram na morte. Quando da presença do Senhor, ele descerá do céu com uma chamada dominante, “e os que estão mortos em união com Cristo se levantarão primeiro”. Depois, os sobreviventes serão “arrebatados em nuvens, para encontrar o Senhor no ar”, para estarem sempre com o Senhor. — 4:16, 17.
11 Mantendo-se despertos ao se aproximar o dia de Jeová (5:1-28). “O dia de Jeová vem exatamente como ladrão, de noite”. É quando as pessoas estiverem dizendo “Paz e segurança!” que lhes há de sobrevir instantaneamente a repentina destruição. Portanto, que os tessalonicenses permaneçam despertos, como “filhos da luz e filhos do dia”, mantendo os seus sentidos e estando vestidos “da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação”. (5:2, 3, 5, 8) É tempo de consolarem e edificarem uns aos outros. Dêem todos “mais do que extraordinária consideração em amor” aos que trabalham arduamente e que presidem entre eles. Por outro lado, os desordeiros devem ser admoestados, os fracos edificados, e a todos deve-se mostrar longanimidade. Sim, escreve Paulo, “empenhai-vos sempre pelo que é bom de uns para com os outros e para com todos os demais”. — 5:13, 15.
12 Por fim, Paulo aconselha sobre vários assuntos vitais: ‘Estejai sempre alegres. Orai incessantemente, dai graças por tudo. Mantende o fogo do espírito. Tende respeito para com o profetizar. Certificai-vos de todas as coisas e apegai-vos ao que é excelente. Abstende-vos de toda forma de iniqüidade.’ (5:16-22) Daí ele ora para que o próprio Deus de paz os santifique completamente e que permaneçam inculpes em espírito, alma e corpo quando da presença do Senhor Jesus Cristo. Termina a carta com palavras cordiais de encorajamento e solene instrução no sentido de que a carta seja lida a todos os irmãos.

*** w91 15/1 p. 22 Esteja preparado para o Dia de Jeová! ***

Esteja preparado para o Dia de Jeová!

Destaques da Primeira aos Tessalonicenses

O DIA de Jeová! Os cristãos na antiga Tessalônica pensavam que ele estivesse iminente. Estavam certos? Quando viria? Este assunto vital foi abordado na primeira carta do apóstolo Paulo aos tessalonicenses, enviada de Corinto, por volta do ano 50 da Era Comum.
Paulo e Silas estabeleceram a congregação em Tessalônica, centro administrativo da província romana da Macedônia. (Atos 17:1-4) Mais tarde, em sua primeira carta aos tessalonicenses, Paulo deu elogios, forneceu admoestações e falou sobre o dia de Jeová. Nós também podemos beneficiar-nos dessa carta, especialmente visto que o dia de Jeová está agora tão próximo.

Elogie e Encoraje

Primeiro, Paulo elogiou os tessalonicenses. ( 1:1-10) Os elogios se deviam à obra fiel e à perseverança deles. Era também elogiável o fato de que ‘aceitaram a palavra sob muita tribulação, com alegria de espírito santo’. Elogia você a outros, como Paulo?
O apóstolo deu excelente exemplo. (2:1-12) Apesar do tratamento insolente que recebera em Filipos, ele ficou ‘denodado, por meio de Deus, para falar as boas novas’ aos tessalonicenses. Evitou lisonjas, a cobiça e a busca de glória. Paulo não se tornou um fardo dispendioso, mas foi meigo com eles como a mãe lactante é com seu bebê. Que excelente exemplo para os anciãos hoje!
As palavras de Paulo, a seguir, incentivaram os tessalonicenses a permanecer firmes quando perseguidos. (2:13—3:13) Eles haviam suportado perseguição da parte dos seus conterrâneos, e Timóteo levara a Paulo boas notícias sobre sua condição espiritual. O apóstolo orou pedindo que abundassem em amor e que seus corações ficassem firmes. Similarmente, as Testemunhas de Jeová hoje oram em prol de concrentes perseguidos, incentivam-nos, se possível, e se alegram com as notícias acerca de sua fidelidade.

Permaneça Espiritualmente Desperto!

Depois disso, os tessalonicenses receberam conselhos. (4:1-18) Deviam andar mais plenamente no proceder que agrada a Deus, demonstrando mais amor fraternal e trabalhando com as próprias mãos para suprir suas necessidades. Ademais, deviam consolar uns aos outros com a esperança de que, na presença de Jesus, os crentes gerados pelo espírito, que tivessem morrido, seriam ressuscitados primeiro e unidos a ele. Posteriormente, por ocasião de sua morte e ressurreição, os ungidos sobreviventes se juntariam a Cristo e àqueles que já haviam sido ressuscitados para a vida celestial.
A seguir, Paulo falou sobre o dia de Jeová e deu conselhos adicionais. (5:1-28) O dia de Jeová viria como ladrão, com a certeza da destruição repentina após o brado: “Paz e segurança!” De modo que os tessalonicenses deviam manter-se espiritualmente despertos, protegidos pela couraça da fé e do amor e pela esperança da salvação qual capacete. Deviam ter profundo respeito por aqueles que presidiam a congregação e abster-se de iniquidade, da mesma forma como nós.
A primeira carta de Paulo aos tessalonicenses deve induzir-nos a elogiar e encorajar concrentes. Deve mover-nos também a ser exemplares na conduta e nas atitudes. E, certamente, seus conselhos podem ajudar-nos a estar preparados para o dia de Jeová.

[Quadro/Foto na página 22]

Couraça e Capacete: Instando à vigilância espiritual, Paulo escreveu: “Mantenhamos os nossos sentidos, estando vestidos da couraça da fé e do amor, e tendo por capacete a esperança da salvação.” (1 Tessalonicenses 5:8) A couraça era um protetor blindado para o peito, usado pelos guerreiros, que consistia em uma cota metálica de escamas ou de malha, ou feito de metal sólido. Similarmente, a couraça da fé nos protege em sentido espiritual. E que dizer do antigo capacete? Não raro fabricado de metal, era uma peça de uso militar para a cabeça, projetada para proteger o combatente durante a batalha. Assim como o capacete protegia a cabeça do guerreiro, a esperança da salvação protege as faculdades mentais, capacitando o cristão a manter a integridade. Quão vital é que o povo de Jeová use tal armadura espiritual! — Efésios 6:11-17.

*** w08 15/9 pp. 29-30 Destaques das cartas aos tessalonicenses e a Timóteo ***

‘FICAR DESPERTOS’

(1 Tes. 1:1–5:28)
Paulo elogiou os tessalonicenses por ‘sua obra fiel, labor amoroso e perseverança’. Ele lhes disse que os considerava sua ‘esperança, alegria e coroa de exultação’. — 1 Tes. 1:3; 2:19.
Depois de incentivar os cristãos em Tessalônica a consolar uns aos outros com a esperança da ressurreição, Paulo declarou: “O dia de Jeová vem exatamente como ladrão, de noite.” Ele os aconselhou a ‘ficar despertos’ e manter os sentidos. — 1 Tes. 4:16-18; 5:2, 6.

Perguntas bíblicas respondidas:

4:15-17 — Quem são os “arrebatados em nuvens, para encontrar o Senhor no ar”, e como isso se dá? São os cristãos ungidos vivos na Terra durante a presença de Cristo como Rei entronizado. Eles ‘encontram o Senhor’ Jesus no invisível domínio espiritual. No entanto, para isso, eles primeiro precisam morrer e ser ressuscitados como criaturas espirituais. (Rom. 6:3-5; 1 Cor. 15:35, 44) A presença de Cristo já começou, de modo que os cristãos ungidos que morrem atualmente não permanecem mortos. Eles são “arrebatados”, ou levantados de imediato. — 1 Cor. 15:51, 52.
5:23 — O que Paulo quis dizer quando orou para que ‘o espírito, a alma, e o corpo dos irmãos fossem preservados’? Paulo se referia ao espírito, à alma e ao corpo da coletiva congregação cristã, incluindo cristãos ungidos com espírito que viviam em Tessalônica. Em vez de simplesmente orar para que a congregação fosse preservada, ele orou para a preservação do “espírito”, ou atitude mental, da congregação. Orou também pela “alma” (vida ou existência) e pelo “corpo” da congregação — ou seja, o coletivo grupo de cristãos ungidos. (1 Cor. 12:12, 13) Assim, a oração destaca o profundo interesse de Paulo pela congregação.

Lições para nós:

1:3, 7; 2:13; 4:1-12; 5:15. Um modo eficaz de dar conselhos é combinar elogios sinceros com incentivos para melhorar.
4:1, 9, 10. Os adoradores de Jeová devem empenhar-se em continuar a fazer progresso espiritual.
5:1-3, 8, 20, 21. Com a aproximação do dia de Jeová, devemos ‘manter nossos sentidos, estar vestidos da couraça da fé e do amor, e ter por capacete a esperança da salvação’. Além disso, devemos prestar séria atenção à Palavra profética de Deus, a Bíblia.

*** it-3 p. 702 Tessalonicenses, Cartas aos ***

DESTAQUES DE SEGUNDA TESSALONICENSES

Carta para corrigir um conceito errado a respeito da presença de Cristo e para dar conselhos sobre como tratar pessoas desordeiras.
Escrita por Paulo pouco depois de sua primeira carta aos tessalonicenses.

O alívio virá na revelação de Cristo. ( 1:1-12)

Os tessalonicenses são elogiados por sua perseverança e fé ao sofrerem perseguições e angústia.
O alívio virá na revelação de Cristo; nesta ocasião, Jesus Cristo, acompanhado por poderosos anjos, destruirá os que não obedecem às boas novas e será glorificado com relação aos seus santos.
Paulo ora pedindo que os tessalonicenses sejam achados dignos para que o nome do Senhor Jesus seja glorificado neles.

O homem que é contra a lei será revelado antes da presença de Cristo. (2:1-17)

Os tessalonicenses são admoestados a não ser demovidos ou provocados por uma mensagem que sugira que o dia de Jeová já tenha chegado.
A apostasia tem de ocorrer primeiro, e o homem que é contra a lei tem de ser revelado; ele se erguerá acima de todo objeto de reverência e se apresentará como deus.
Quando aquele que age como restrição for removido, o que é contra a lei será revelado, ou seja, aquele cuja presença é marcada por sinais mentirosos e todo engano injusto a fim de enganar os que estão perecendo.
Jesus Cristo o reduzirá a nada na manifestação de sua presença.

Como lidar com pessoas desordeiras. (3:1-18)

Retirem-se dos desordeiros, os que se intrometem no que não lhes diz respeito, os que desprezam a ordem: “Se alguém não quiser trabalhar, tampouco coma.”
Tomem nota deles como pessoas com quem não deve haver confraternização, mas, admoestem-nos como irmãos para que mudem de proceder.

*** si pp. 232-233 Livro bíblico número 53 — 2 Tessalonicenses ***

CONTEÚDO DE SEGUNDA TESSALONICENSES

5 A revelação do Senhor Jesus (1:1-12). Paulo e seus companheiros agradecem a Deus o excelente crescimento da fé dos tessalonicenses e seu amor uns para com os outros. Sua perseverança e fé sob perseguição provam ser justo o julgamento de Deus quanto a serem considerados dignos do Reino. Deus retribuirá tribulação aos que atribulam a congregação, e aliviará os que sofrem. Isto será “por ocasião da revelação do Senhor Jesus desde o céu, com os seus anjos poderosos, . . . no tempo em que ele vem para ser glorificado em conexão com os seus santos”. (1:7, 10) Paulo e seus companheiros oram sempre pelos tessalonicenses, para que Deus os julgue dignos de Sua chamada e que o nome do Senhor Jesus seja glorificado neles e eles em união com ele.
6 A apostasia virá antes da presença de Jesus (2:1-12). Os irmãos não devem ficar agitados por alguma mensagem de que “o dia de Jeová está aqui”. “Não virá a menos que venha primeiro a apostasia e seja revelado o homem que é contra a lei, o filho da destruição.” Eles sabem agora “o que age como restrição”, mas o mistério disto que é contra a lei já está operando. Quando esta restrição for removida, “então, deveras, será revelado aquele que é contra a lei, a quem o Senhor Jesus eliminará com o espírito de sua boca e reduzirá a nada pela manifestação de sua presença”. A presença daquele que é contra a lei é segundo a operação de Satanás, com obras poderosas e engano, e Deus permite que a operação do erro vá ter com os que não aceitaram o amor da verdade, para que cheguem a crer na mentira. — 2:3, 6, 8.
7 Permanecer firme na fé (2:13-3:18). Paulo continua: “Somos obrigados a agradecer sempre a Deus por vós, irmãos amados por Jeová, porque Deus vos selecionou desde o princípio para a salvação, por santificar-vos com espírito e pela vossa fé na verdade.” Para este fim as boas novas lhes foram declaradas. Os irmãos devem, portanto, permanecer firmes e manter seu apego às tradições que lhes foram ensinadas, para que Jesus Cristo e o Pai, que deram amorosamente consolo eterno e esperança, os façam “firmes em toda boa ação e palavra”. (2:13, 17) Paulo pede que orem “para que a palavra de Jeová prossiga rapidamente e seja glorificada”. (3:1) O Senhor, que é fiel, os tornará firmes e os livrará do iníquo, e Paulo ora para que o Senhor continue a dirigir seus corações com êxito no amor de Deus e na perseverança pelo Cristo.
8 Segue-se uma forte admoestação: “Ora, nós vos ordenamos, irmãos, no nome do Senhor Jesus Cristo, que vos retireis de todo irmão que andar desordeiramente e não segundo a tradição que recebestes de nós.” (3:6) O apóstolo lembra-lhes o exemplo que seu grupo missionário deu, labutando noite e dia, para não se tornar carga para eles, de modo que podiam ordenar: “Se alguém não quiser trabalhar, tampouco coma.” Mas agora ouvem dizer que certos desordeiros não trabalham e se intrometem na vida dos outros. Estes devem passar a ganhar o seu próprio sustento. — 2 Tes. 3:10; 1 Tes. 4:11.
9 Os irmãos não devem desistir de fazer o que é correto. Mas, se alguém não for obediente à carta de Paulo, a congregação deve fazê-lo envergonhar-se por não mais se associar com ele, ao mesmo tempo admoestando-o como irmão. A oração de Paulo é no sentido de que o Senhor da paz lhes dê “constantemente a paz, de toda maneira”, e ele conclui sua carta com cumprimentos escritos pelo seu próprio punho. — 2 Tes. 3:16.

*** w91 15/1 p. 23 “Não desistais de fazer o que é direito” ***

“Não desistais de fazer o que é direito”

Destaques da Segunda aos Tessalonicenses

A PREOCUPAÇÃO do apóstolo Paulo pelos cristãos da cidade macedônia de Tessalônica moveu-o a escrever-lhes sua segunda carta, por volta do ano 51 EC. Alguns na congregação diziam de modo errôneo que a presença de Jesus Cristo era iminente. Talvez até uma carta indevidamente atribuída a Paulo tenha sido interpretada como indicando que “o dia de Jeová” havia chegado. — 2 Tessalonicenses 2:1, 2.
A maneira de pensar de alguns tessalonicenses, portanto, precisava de ajustes. Em sua segunda carta, Paulo os elogiou por sua crescente fé, por seu crescente amor e por sua fiel perseverança. Mas mostrou também que ocorreria apostasia antes da presença de Jesus. Assim, haveria tempos difíceis à frente, e a carta do apóstolo os ajudaria a acatar sua admoestação: “Não desistais de fazer o que é direito.” (2 Tessalonicenses 3:13) As palavras de Paulo podem ajudar-nos da mesma maneira.

A Revelação e a Presença de Cristo

Primeiro, Paulo falou sobre o alívio da tribulação. ( 1:1-12) Isto ocorreria “por ocasião da revelação do Senhor Jesus desde o céu, com os seus anjos poderosos”. Destruição eterna seria então trazida sobre os que não obedecem às boas novas. É consolador lembrar-nos disso quando sofremos tribulação às mãos de perseguidores.
A seguir, Paulo salientou que “o homem que é contra a lei” seria revelado antes da presença de Cristo. (2:1-17) Os tessalonicenses não deviam ficar provocados por alguma mensagem que sugerisse que “o dia de Jeová” já havia chegado. Primeiro ocorreria a apostasia, e o homem que é contra a lei seria revelado. Depois, Jesus o reduziria a nada, fazendo isto na manifestação de Sua presença. Nesse ínterim, Paulo orava para que Deus e Cristo consolassem o coração dos tessalonicenses e os fizessem “firmes em toda boa ação e palavra”.

Como Lidar com Desordeiros

Entre as palavras adicionais de Paulo constavam instruções sobre como lidar com desordeiros. (3:1-18) Ele expressou confiança de que o Senhor fortaleceria os tessalonicenses e os guardaria do iníquo, Satanás, o Diabo. Mas eles precisavam dar certos passos para o seu próprio benefício espiritual. Deviam afastar-se de desordeiros, que se intrometem em assuntos que não lhes dizem respeito e se negam a trabalhar. “Se alguém não quiser trabalhar”, disse Paulo, “tampouco coma”. Seria necessário tomar nota de tais indivíduos, e não se devia confraternizar com eles, embora devessem ser admoestados como irmãos. Os cristãos tessalonicenses fiéis não deviam desistir de fazer o que é direito, e Paulo desejava que a benignidade imerecida do Senhor Jesus Cristo fosse com todos eles.
A segunda carta de Paulo aos tessalonicenses assegura às Testemunhas de Jeová que o alívio de sua tribulação virá quando Cristo e seus anjos trouxerem vingança sobre aqueles que não obedecem às boas novas. Saber que “o homem que é contra a lei” (a classe clerical da cristandade) e todas as religiões falsas em breve serão eliminados também fortalece a fé. Nesse ínterim, acatemos a admoestação de Paulo de não desistirmos de fazer o que é direito.

[Quadro/Foto na página 23]

A Palavra de Jeová ‘Prossegue Rapidamente’: “Fazei orações por nós”, escreveu Paulo, “para que a palavra de Jeová prossiga rapidamente [ou, “possa estar correndo”] e seja glorificada, assim como de fato se dá convosco”. (2 Tessalonicenses 3:1; Interlinear do Reino, em inglês) Alguns eruditos têm sugerido que o apóstolo aludia a corredores que se movem rapidamente numa corrida. Embora isto seja incerto, Paulo pediu as orações dos cristãos tessalonicenses para que ele e seus colaboradores pudessem divulgar a palavra da verdade com urgência e sem impedimento. Visto que Deus responde a tais orações, sua palavra ‘prossegue rapidamente’ à medida que as boas novas são pregadas com urgência nestes últimos dias. A palavra de Jeová também está “sendo glorificada”, altamente prezada pelos crentes como “o poder de Deus para a salvação”, assim como ocorria entre os tessalonicenses que a aceitaram. (Romanos 1:16; 1 Tessalonicenses 2:13) Quão gratos somos de que Deus está abençoando os proclamadores do Reino e rapidamente aumentando as fileiras de seus adoradores! — Isaías 60:22.

*** w08 15/9 p. 30 Destaques das cartas aos tessalonicenses e a Timóteo ***

“MANTENDE-VOS FIRMES”

(2 Tes. 1:1–3:18)
Distorcendo as palavras de Paulo na sua primeira carta, parece que alguns na congregação argumentavam que ‘a presença do Senhor’ era iminente. Para corrigir esse ponto de vista, Paulo esclareceu o que tinha de ‘vir primeiro’. — 2 Tes. 2:1-3.
Paulo exortou: “Mantende-vos firmes e mantende-vos apegados às tradições que se vos ensinaram.” Ele lhes ordenou que ‘se retirassem de todo irmão que andasse desordeiramente’. — 2 Tes. 2:15; 3:6.

Perguntas bíblicas respondidas:

2:3, 8 — Quem é “o homem que é contra a lei” e como será eliminado? Esse “homem” coletivo é o clero da cristandade. E o agente autorizado para declarar os julgamentos de Deus contra os perversos e ordenar sua execução é “a Palavra” — o principal Porta-Voz de Deus, Jesus Cristo. (João 1:1) Assim, pode-se dizer que Jesus eliminará o homem que é contra a lei “com o espírito [ou força ativa] de sua boca”.
2:13, 14 — Em que sentido os cristãos ungidos foram ‘selecionados desde o princípio para a salvação’? Os ungidos, como grupo, foram predeterminados quando Jeová decidiu que o descendente da mulher machucaria Satanás na cabeça. (Gên. 3:15) Além disso, Jeová especificou os requisitos que eles teriam de cumprir, a obra que fariam e as provações que sofreriam. Foi nesse sentido que ele os chamou para ‘esse destino’.

Lições para nós:

1:6-9. Os julgamentos de Jeová são executados de modo seletivo.
3:8-12. Não devemos usar a proximidade do dia de Jeová como pretexto para não trabalhar, deixando assim de prover nossas necessidades e nos sustentar no ministério. A preguiça pode nos tornar ociosos e nos levar a ser ‘intrometidos nos assuntos dos outros’. — 1 Ped. 4:15.

DESTAQUES DO LIVRO DE 1 - 2 TIMÓTEO


Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org
Clique para ouvir a leitura da Bíblia em JW.org

1 Timóteo

2 Timóteo


*** it-3 p. 715 Timóteo, Cartas a ***

DESTAQUES DE PRIMEIRA TIMÓTEO

Conselho a um ancião cristão sobre suas responsabilidades.
Escrita pelo apóstolo Paulo, evidentemente algum tempo após ser libertado de sua primeira detenção em Roma.
Conselhos visando o bem-estar espiritual do próprio Timóteo.
Trave o combate espiritual, mantendo a fé e uma boa consciência. ( 1:18, 19)
Sua preocupação deve ser, não com o treinamento corporal, mas com a devoção piedosa; não permita que outros menosprezem sua mocidade, antes dê bom exemplo e faça progresso. (4:7b-16)
Não se precipite em designar alguém a um cargo, para evitar ser partícipe nos pecados de outros. (5:22)
Avisos contra influências corrompedoras na congregação.
Ordene a certos que não ensinem doutrinas diferentes, nem prestem atenção a histórias falsas e a genealogias. (1:3, 4)
Alguns se desviaram do amor e da fé sem hipocrisia; desejam ser instrutores da lei, mas carecem de entendimento sobre sua finalidade. (1:5-11)
Em tempos posteriores haverá um desvio da fé. (4:1-5)
Combata as influências erradas; nutra-se com palavras de fé; rejeita histórias falsas. (4:6, 7a)
Ensinamentos falsos produzem inveja, rixa, linguagem ultrajante, suspeitas, disputas violentas e o uso do que é piedoso para ganho egoísta. (6:3-5)
Fuja dos maus frutos resultantes do amor ao dinheiro; trave a luta excelente da fé e resista às doutrinas falsas. (6:11, 12, 20, 21)
Habilitações para os designados a servir como superintendentes e servos ministeriais.
As habilitações do superintendente incluem ser ele irrepreensível; ter uma só esposa; ser ajuizado, ordeiro, hospitaleiro, qualificado para ensinar, controlado no uso de bebidas e no temperamento, razoável; não amante do dinheiro; presidir bem sua família; não ser recém-convertido; e ter boa reputação fora da congregação. (3:1-7)
Os servos ministeriais devem ser sérios, não de língua dobre, não beber demais, não ser ávidos de ganho desonesto, ser primeiro testados quanto à aptidão, estar livres de acusação, presidir bem a família. (3:8-10, 12, 13)
Instruções sobre diversas necessidades da congregação.
Deve-se orar com respeito a toda sorte de homens — inclusive governantes, a fim de que os cristãos possam levar uma vida pacífica com devoção piedosa; é da vontade de Deus que toda sorte de homens sejam salvos. (2:1-4)
Há um só Deus e um só mediador, Jesus Cristo, de modo que os homens que oram devem erguer “mãos leais, sem furor e sem debates”. (2:5-8)
As mulheres devem vestir-se de forma modesta e com decoro, refletindo reverência a Deus; não devem ensinar na congregação ou exercer autoridade sobre o homem. (2:9-15)
Somente viúvas com 60 anos ou mais, que gozem de boa reputação e que não tenham filhos nem netos vivos, devem ser incluídas na lista das que recebem ajuda material da congregação. (5:3-16)
Os anciãos que trabalham arduamente em falar e em ensinar devem ser considerados merecedores de “dupla honra”. (5:17, 18)
Não aceite uma acusação contra um ancião, a menos que haja duas ou três testemunhas; os que praticam pecado devem ser repreendidos perante todos os espectadores. (5:19-21)
Os escravos devem ser exemplares na sujeição aos seus donos, especialmente se seus amos forem concrentes. (6:1, 2)
Todos devem estar contentes se tiverem o sustento e com que se cobrir; o amor ao dinheiro é raiz de coisas prejudiciais, e os decididos a ficar ricos sofrem danos espirituais. (6:6-10)
Os ricos não devem ser arrogantes, confiando nas riquezas; antes, devem estar prontos para partilhar generosamente com os necessitados. (6:17-19)

*** si pp. 235-236 Livro bíblico número 54 — 1 Timóteo ***

CONTEÚDO DE PRIMEIRA TIMÓTEO

7 Exortação à fé com boa consciência (1:1-20). Depois de saudar Timóteo como “filho genuíno na fé”, Paulo incentiva-o a permanecer em Éfeso. Ele deve corrigir os que ensinam uma “doutrina diferente”, que leva a questões inúteis em vez de a uma dispensação da fé. Paulo diz que o objetivo desta ordem é “o amor proveniente dum coração puro, e duma boa consciência, e duma fé sem hipocrisia”. Ele acrescenta: “Alguns, por se desviarem destas coisas, apartaram-se para conversa vã.” — 1:2, 3, 5, 6.
8 Embora Paulo fosse anteriormente blasfemador e perseguidor, não obstante, a benignidade imerecida do Senhor “abundou sobremaneira junto com a fé e o amor que há em conexão com Cristo Jesus”, de modo que se lhe mostrou misericórdia. Ele fora o maior dos pecadores; e assim tornou-se uma demonstração da longanimidade de Cristo Jesus, que “veio ao mundo para salvar pecadores”. Quão digno é o Rei da eternidade de receber honra e glória para sempre! Paulo encarrega Timóteo de travar um bom combate, “mantendo a fé e uma boa consciência”. Não deve ser como os que ‘sofreram naufrágio no que se refere à sua fé’, como Himeneu e Alexandre, a quem Paulo disciplinara por causa de blasfêmia. — 1:14, 15, 19.
9 Instruções sobre adoração e organização na congregação (2:1-6:2). Devem ser feitas orações concernentes a toda sorte de homens, incluindo os em alta posição, para que os cristãos possam viver pacificamente em devoção piedosa. É a vontade de Deus, o Salvador, que “toda sorte de homens sejam salvos e venham a ter um conhecimento exato da verdade. Pois há um só Deus e um só mediador entre Deus e homens, um homem, Cristo Jesus, o qual se entregou como resgate correspondente por todos”. (2:4-6) Paulo fora designado apóstolo e instrutor destas coisas. De modo que ele exorta os homens a orar em lealdade e as mulheres a se vestirem com modéstia e bom senso, dum modo próprio das que reverenciam a Deus. A mulher deve aprender em silêncio e não exercer autoridade sobre o homem, “porque Adão foi formado primeiro, depois Eva”. — 2:13.
10 O homem que procura ser um superintendente está desejoso duma obra excelente. Daí Paulo alista as qualificações para superintendentes e para servos ministeriais. O superintendente deve ser “irrepreensível, marido de uma só esposa, moderado nos hábitos, ajuizado, ordeiro, hospitaleiro, qualificado para ensinar, não brigão bêbedo, não espancador, mas razoável, não beligerante, não amante do dinheiro, homem que presida de maneira excelente à sua própria família, tendo os filhos em sujeição com toda a seriedade . . . , não homem recém-convertido . . . deve ter também testemunho excelente de pessoas de fora”. (3:2-7) Há requisitos similares para servos ministeriais, e estes devem ser primeiro examinados quanto à aptidão antes de servirem. Paulo escreve estas coisas a fim de que Timóteo saiba como conduzir-se na congregação de Deus, que é “coluna e amparo da verdade”. — 3:15.
11 Em tempos posteriores alguns se desviarão da fé, por meio de ensinamentos de demônios. Homens hipócritas, falando mentiras, proibirão o casamento e ordenarão a abstinência de alimentos que Deus criou para serem tomados com agradecimentos. Como ministro excelente, Timóteo tem de recusar histórias falsas e ‘contos de mulheres velhas’. Por outro lado, deve treinar-se com a devoção piedosa como alvo. “Para este fim estamos trabalhando arduamente e nos esforçamos”, diz Paulo, “porque baseamos a nossa esperança num Deus vivente, que é Salvador de toda sorte de homens, e especialmente dos fiéis”. Portanto, Timóteo precisa continuar a dar estas ordens e a ensiná-las. Não deve permitir que ninguém despreze a sua juventude, mas, ao contrário, tornar-se exemplo em conduta e serviço piedoso. Deve absorver-se nestas coisas e prestar constante atenção a si mesmo e ao seu ensino, pois, por permanecer nestas coisas, ‘salvará tanto a si mesmo como aos que o escutam’. — 4:7, 10, 16.
12 Paulo aconselha Timóteo sobre como tratar as pessoas: homens mais idosos como pais, homens mais jovens como irmãos, mulheres mais idosas como mães e mulheres mais jovens como irmãs. Deve-se aprovisionar adequadamente às que são realmente viúvas. Contudo, a família da viúva deve cuidar dela, se possível. Deixar de fazer isso seria repudiar a fé. Se tem pelo menos 60 anos de idade, a viúva pode ser colocada na lista se ‘se der dela testemunho de obras excelentes’. (5:10) Por outro lado, viúvas mais jovens, que permitem que seus impulsos sexuais as controlem, devem ser rejeitadas. Em vez de vadiarem e tagarelarem, que se casem e tenham filhos, para não dar nenhum induzimento ao opositor.
13 Os anciãos que presidem de modo excelente devem ser contados dignos de dupla honra, “especialmente os que trabalham arduamente no falar e no ensinar”. (5:17) Não se deve admitir acusação contra um ancião, exceto à base de evidência de duas ou três testemunhas. As pessoas que fazem do pecado uma prática devem ser repreendidas perante todos os espectadores, mas não deve haver nisso nenhum preconceito ou parcialidade. Os escravos devem respeitar seus donos, prestando bom serviço, especialmente aos irmãos, que são “crentes e amados”. — 6:2.
14 Conselho sobre “devoção piedosa junto com a auto-suficiência” (6:3-21). O homem que não concorda com palavras salutares está enfunado de orgulho e tem mania de criar questões, levando a violentas disputas sobre ninharias. Por outro lado, a “devoção piedosa junto com a auto-suficiência” é meio de grande ganho. Deve-se estar contente com o sustento e com o que se cobrir. A determinação de ficar rico é um laço que leva à destruição e o amor ao dinheiro é a “raiz de toda sorte de coisas prejudiciais”. Paulo insta a Timóteo, como homem de Deus, a fugir destas coisas, a empenhar-se por virtudes cristãs, a travar a luta excelente da fé e a ‘apegar-se firmemente à vida eterna’. (6:6, 10, 12) Deve observar o mandamento “dum modo imaculado e irrepreensível” até a manifestação do Senhor Jesus Cristo. Os ricos ‘não devem basear a sua esperança nas riquezas incertas, mas em Deus’, a fim de se apegarem firmemente à verdadeira vida. Concluindo, Paulo incentiva Timóteo a guardar sua custódia doutrinal e a desviar-se de falatórios profanadores e das “contradições do falsamente chamado ‘conhecimento’”. — 6:14, 17, 20.

*** w91 15/1 p. 30 Mantenha a fé e uma boa consciência ***

Mantenha a fé e uma boa consciência

Destaques da Primeira a Timóteo

POR volta do ano 56 EC, o apóstolo Paulo avisou os anciãos da congregação efésia que “lobos opressivos” surgiriam entre eles e ‘falariam coisas deturpadas, para atrair a si os discípulos’. (Atos 20:29, 30) Em poucos anos, ensinos apóstatas tornaram-se tão perigosos que Paulo instou Timóteo a travar o combate espiritual dentro da congregação para preservar a pureza e ajudar os concrentes a permanecer na fé. Esta foi uma das principais razões pelas quais Paulo escreveu sua primeira carta a Timóteo, da Macedônia, por volta de 61-64 EC.
Timóteo foi instruído sobre os deveres dos anciãos, o lugar designado por Deus para as mulheres, as qualificações para anciãos e para servos ministeriais e outros assuntos. Tais instruções também são proveitosas hoje.

Exortação à Fé

O primeiro conselho de Paulo foi manter a fé e uma boa consciência. ( 1:1-20) Ele incentivou Timóteo a permanecer em Éfeso e ‘mandar que certas pessoas não ensinassem doutrina diferente’. Paulo era grato pelo ministério que se lhe designara, reconhecendo que agira em ignorância e com falta de fé ao perseguir os seguidores de Jesus. O apóstolo incumbiu Timóteo de prosseguir travando o combate espiritual, “mantendo a fé e uma boa consciência” e não se tornando igual àqueles que ‘sofreram naufrágio no que se refere à fé’.

Conselhos Sobre a Adoração

A seguir, Paulo deu conselhos como “instrutor de nações no assunto da fé e da verdade”. (2:1-15) Deviam-se fazer orações com respeito àqueles que estavam em altos postos, para que os cristãos pudessem viver em paz. É da vontade de Deus que toda sorte de homens sejam salvos, e um ensino vital é que Cristo “se entregou como resgate correspondente por todos”. Paulo mostrou que a mulher deve adornar-se com modéstia e não deve exercer autoridade sobre o homem.
A congregação tem de estar bem organizada. (3:1-16) Portanto, Paulo delineou as qualificações para superintendentes e para servos ministeriais. À base do que o apóstolo escreveu, Timóteo saberia comportar-se na congregação, “coluna e amparo da verdade”.
Paulo deu conselhos pessoais a Timóteo para ajudá-lo a resguardar-se contra ensinos falsos. (4:1-16) Em períodos posteriores, alguns se desviariam da fé. Mas, por prestar constante atenção a si mesmo e ao seu ensino, Timóteo ‘salvaria tanto a si mesmo como aos que o escutassem’.
Timóteo também recebeu conselhos sobre como lidar com pessoas, jovens e idosas. (5:1-25) Por exemplo, deviam-se fazer provisões adequadas para viúvas de mais idade que tivessem excelente reputação cristã. Em vez de ficarem tagarelando, as viúvas mais jovens deviam casar-se e ter filhos. Os anciãos que presidiam de modo excelente deviam ser contados dignos de dupla honra.

Devoção Piedosa com Auto-suficiência

A carta de Paulo terminou com conselhos sobre devoção piedosa. (6:1-21) A “devoção piedosa junto com a auto-suficiência” é meio de grande ganho, mas a determinação de ficar rico leva à destruição e à ruína. Paulo instou Timóteo a travar a luta excelente da fé e a ‘apegar-se firmemente à vida eterna’. Para apegar-se firmemente à verdadeira vida, os ricos teriam de ‘basear sua esperança, não nas riquezas incertas, mas em Deus’.

[Quadro/Foto na página 30]

Salva por Dar à Luz Filhos: Paulo não estava considerando a salvação para a vida eterna, mas o correto papel da mulher cristã, ao escrever: “Ela ficará a salvo por dar à luz filhos, desde que continuem na fé, e no amor, e na santificação junto com bom juízo.” (1 Timóteo 2:11-15) Por dar à luz filhos, criá-los e cuidar da casa, a mulher ‘ficaria a salvo’ de tornar-se tagarela desocupada e intrometida nos assuntos dos outros. (1 Timóteo 5:11-15) As atividades domésticas complementariam seu serviço a Jeová. Naturalmente, todos os cristãos devem resguardar sua conduta e usar sabiamente o tempo. — Efésios 5:15, 16.

*** w08 15/9 pp. 30-31 Destaques das cartas aos tessalonicenses e a Timóteo ***

“GUARDA O QUE TE FOI CONFIADO”

(1 Tim. 1:1–6:21)
Paulo instruiu Timóteo a “travar o bom combate, mantendo a fé e uma boa consciência”. O apóstolo delineou as qualificações para homens designados na congregação. Além disso, instruiu Timóteo a ‘recusar histórias falsas que violam o que é santo’. — 1 Tim. 1:18, 19; 3:1-10, 12, 13; 4:7.
“Não critiques severamente um ancião”, escreveu Paulo. Ele instou Timóteo: “Guarda o que te foi confiado, desviando-te dos falatórios vãos, que violam o que é santo, e das contradições do falsamente chamado ‘conhecimento’.” — 1 Tim. 5:1; 6:20.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:18; 4:14 — Que “predições” foram feitas a respeito de Timóteo? Talvez tenham sido certas profecias sobre o futuro papel de Timóteo na congregação cristã, feitas quando Paulo visitou Listra na sua segunda viagem missionária. (Atos 16:1, 2) Com base nessas “predições”, os anciãos da congregação ‘puseram suas mãos’ sobre o jovem Timóteo, encarregando-o de um serviço específico.
2:15 — Em que sentido a mulher ‘ficaria a salvo por dar à luz’? Ter filhos, cuidar deles e da casa poderia manter a mulher “a salvo” de se tornar desocupada, ‘tagarela e intrometida nos assuntos dos outros’. — 1 Tim. 5:11-15.
3:16 — Qual é o segredo sagrado da devoção piedosa? Se humanos poderiam, ou não, ser perfeitamente obedientes à soberania de Jeová foi um “segredo” guardado por longas eras. Jesus deu a resposta por manter perfeita integridade a Deus até a morte.
6:15, 16 — Essas palavras se aplicam a Jeová Deus ou a Jesus Cristo? Elas se aplicam àquele cuja manifestação elas descrevem, a saber, Jesus Cristo. (1 Tim. 6:14) Em comparação com humanos que governam como reis e senhores, Jesus é o “único Potentado”, e somente ele tem imortalidade. (Dan. 7:14; Rom. 6:9) Desde que ascendeu para os céus invisíveis, nenhum homem na Terra ‘pode vê-lo’ com olhos literais.

Lições para nós:

4:15. Não importa se aceitamos o cristianismo recentemente ou há muito tempo, devemos nos empenhar para sempre progredir em sentido espiritual.
6:2. Caso trabalhemos para um irmão na fé, em vez de nos aproveitar dele seja no que for, devemos servi-lo com ainda maior prontidão do que faríamos com alguém de fora da congregação.

*** it-3 p. 716 Timóteo, Cartas a ***

DESTAQUES DE SEGUNDA TIMÓTEO

Incentivo e conselhos para ajudar Timóteo a permanecer firme nos tempos difíceis à frente.

A última carta inspirada escrita por Paulo, durante sua segunda detenção em Roma.
Incentivo para Timóteo prosseguir fazendo progresso.
‘Atice, como a um fogo, o dom de Deus’ que você recebeu; não se envergonhe de dar testemunho sobre Cristo ou sobre Paulo, um prisioneiro; participe no sofrimento pelas boas novas. ( 1:6-8)
Guarde o modelo de palavras salutares. (1:13, 14)
Como soldado, tenha um objetivo em vista; como um atleta nos jogos, compita segundo as regras; seja como o lavrador, que trabalha arduamente; persevere fielmente. (2:3-13)
Faça o máximo para apresentar-se aprovado por Deus, manejando corretamente a palavra da verdade. (2:15)
Fuja dos desejos da mocidade, mas empenhe-se por qualidades piedosas na companhia daqueles que invocam o Senhor dum coração puro. (2:22)

Conselhos para ajudar Timóteo a permanecer firme contra falsos instrutores.

Evite discussões sobre palavras e conversas que violam o que é santo; com brandura, procure restabelecer os enlaçados pelo Diabo. (2:16-26)
Nos últimos dias haverá tempos críticos, difíceis de manejar, devido às atitudes iníquas das pessoas; elas serão amantes do dinheiro e dos prazeres, em vez de amantes de Deus; afaste-se de tais pessoas. (3:1-7)
Estes homens corruptos continuarão resistindo à verdade; mas apegue-se àquilo que você aceitou como veraz, pois aprendeu de pessoas a quem conhecia bem e com base nas Escrituras inspiradas. (3:8-17)
Persevere em pregar a palavra, evangelizando, efetuando plenamente seu ministério — muito embora esteja chegando o tempo em que os homens não desejarão ouvir a doutrina salutar, mas preferirão que os instrutores de sua escolha lhes façam cócegas nos ouvidos. (4:1-5)

A situação de Paulo como prisioneiro.

Paulo foi nomeado apóstolo de Jesus Cristo; agora está sofrendo por isso, mas não se envergonha. (1:11, 12)
Como prisioneiro em cadeias, praticamente todos do distrito da Ásia o abandonaram, mas Onesíforo procurou-o diligentemente e lhe trouxe revigoramento. (1:15-18)
Reconhecendo a iminência de sua morte, Paulo aguarda confiantemente o dia em que Jesus Cristo concederá a coroa da justiça a ele e a todos os demais que amaram Sua manifestação. (4:6-8)
Ninguém se pôs do lado dele na primeira defesa; todavia, Paulo foi fortalecido pelo Senhor Jesus Cristo; está confiante de que o Senhor o salvará para Seu Reino celestial. (4:16-18)

*** si p. 238 Livro bíblico número 55 — 2 Timóteo ***

CONTEÚDO DE SEGUNDA TIMÓTEO

5 “Apega-te ao modelo de palavras salutares” (1:1-3:17). Paulo diz a Timóteo que ele jamais o esquece em suas orações e que anseia vê-lo. Recorda ‘a fé sem hipocrisia’ que há em Timóteo e que primeiro havia em sua avó Lóide e em sua mãe Eunice. Timóteo deve atiçar como um fogo o dom que há nele, ‘porque Deus não deu um espírito de covardia, mas sim de poder, de amor e de bom juízo’. Portanto, que ele não se envergonhe de testemunhar e de sofrer o mal por causa das boas novas, pois a benignidade imerecida de Deus se tornou claramente evidente através da manifestação do Salvador, Cristo Jesus. Timóteo deve ‘apegar-se ao modelo de palavras salutares’ que ouviu de Paulo, guardando-o como custódia excelente. — 1:5, 7, 13.
6 Timóteo deve transmitir as coisas que aprendeu de Paulo a “homens fiéis, os quais, por sua vez, estarão adequadamente qualificados para ensinar outros”. Timóteo deve provar-se soldado excelente de Cristo Jesus. O soldado evita laços comerciais. Ademais, aquele que é coroado nos jogos compete segundo as regras. A fim de ganhar discernimento, Timóteo deve ter sempre em mente as palavras de Paulo. As coisas importantes para se lembrar, e para lembrar outros, são: “Que Jesus Cristo foi levantado dentre os mortos e era do descendente de Davi”, e que a salvação e a glória eterna em união com Cristo, reinar com ele, são as recompensas dos escolhidos que perseveram. Timóteo deve fazer o máximo para apresentar-se a Deus como obreiro aprovado, evitando palavras vãs que violam o que é santo, e que se alastram como gangrena. Assim como numa casa grande um vaso honroso é guardado à parte daquele que não é honroso, Paulo também admoesta Timóteo a ‘fugir dos desejos pertinentes à mocidade, mas empenhar-se pela justiça, pela fé, pelo amor, pela paz, ao lado dos que invocam o Senhor dum coração puro’. O escravo do Senhor precisa ser meigo para com todos, qualificado para ensinar, instruindo com brandura. — 2:2, 8, 22.
7 “Nos últimos dias” haverá tempos críticos, difíceis de manejar, as pessoas mostrando-se falsas para com a sua ostentação de devoção piedosa, “sempre aprendendo, contudo, nunca podendo chegar a um conhecimento exato da verdade”. Mas Timóteo seguiu de perto os ensinamentos e o proceder de Paulo, e passou pelas mesmas perseguições, das quais o Senhor o livrou. “De fato”, acrescenta, “todos os que desejarem viver com devoção piedosa em associação com Cristo Jesus também serão perseguidos”. Timóteo, contudo, deve continuar nas coisas que aprendeu desde a infância, que o podem fazer sábio para a salvação, pois “toda a Escritura é inspirada por Deus e proveitosa”. — 3:1, 7, 12, 16.
8 Efetuando plenamente o ministério (4:1-22). Paulo encarrega Timóteo de ‘pregar a palavra’ com urgência. (4:2) Virá o tempo em que os homens não suportarão o ensino salutar e recorrerão a falsos instrutores; que Timóteo, porém, mantenha os seus sentidos, ‘faça a obra dum evangelizador, efetue plenamente o seu ministério’. Reconhecendo que a sua morte é iminente, Paulo exulta por ter travado a luta excelente, por ter corrido a carreira até o fim e observado a fé. Agora aguarda confiantemente a recompensa, “a coroa da justiça”. — 4:5, 8.
9 Paulo insta Timóteo a vir ter com ele prontamente e dá-lhe instruções sobre a viagem. Quando Paulo fez a sua primeira defesa, todos o abandonaram, mas o Senhor infundiu-lhe poder de modo que a pregação pudesse ser efetuada plenamente entre as nações. Sim, ele confia que o Senhor o livrará de toda obra iníqua e o salvará para o Seu Reino celestial.

*** w91 15/1 p. 31 Confie na força que provém de Deus ***

Confie na força que provém de Deus

Destaques da Segunda a Timóteo

JEOVÁ dá a seus servos forças para suportar provações e perseguição. E como Timóteo e outros cristãos necessitavam da força que provém de Deus! Roma foi devastada por um incêndio em 64 EC, e havia rumores de que o imperador Nero era o responsável. Para proteger-se, ele culpou os cristãos, e isto aparentemente desencadeou uma onda de perseguição. Provavelmente naquele tempo (por volta de 65 EC), o apóstolo Paulo estava outra vez preso em Roma. Embora se confrontasse com a morte, ele escreveu naquela ocasião a sua segunda carta a Timóteo.
A carta de Paulo preparou Timóteo para resistir a apóstatas e permanecer firme diante de perseguição. Incentivou-o a continuar fazendo progresso espiritual e falou sobre as circunstâncias em que Paulo se encontrava na prisão. A carta também ajuda os leitores a confiar na força que provém de Deus.

Sofra o Mal e Ensine com Brandura

Deus nos dá forças para suportar perseguição como proclamadores das boas novas. ( 1:1-18) Paulo nunca se esquecia de Timóteo em suas orações e se lembrava de sua fé sem hipocrisia. Deus deu a Timóteo, ‘não um espírito de covardia, mas de poder, e de amor, e de bom juízo’. Portanto, que ele não se envergonhasse de dar testemunho e de sofrer o mal por causa das boas novas. Instou-se-lhe também que ‘se apegasse ao modelo de palavras salutares’ ouvidas de Paulo, assim como nós devemos aderir estritamente à genuína verdade cristã, embora outros se desviem dela.
As coisas que Paulo ensinara deviam ser confiadas a homens fiéis que ensinariam outros. (2:1-26) Timóteo foi incentivado a ser um soldado excelente de Cristo, fiel ao sofrer o mal. O próprio Paulo sofria em cadeias por pregar as boas novas. Ele incentivou Timóteo a fazer o máximo para apresentar-se a Deus como obreiro aprovado, esquivando-se de falatórios vãos que violam o que é santo. E foi-lhe dito que o escravo do Senhor tem de instruir outros com brandura.

Pregue a Palavra!

A força que provém de Deus seria necessária para enfrentar os últimos dias e defender a verdade bíblica. (3:1-17) Dentre os ímpios surgiriam homens que ‘sempre aprendem, contudo, nunca podem chegar a um conhecimento exato da verdade’. Tais ‘homens iníquos e impostores passariam de mal a pior, desencaminhando e sendo desencaminhados’. No entanto, Timóteo devia ‘continuar nas coisas que aprendera’. Nós também devemos, sabendo que ‘toda a escritura é inspirada por Deus e proveitosa para ensinar, repreender, endireitar as coisas e disciplinar em justiça, a fim de que o homem de Deus seja plenamente competente, completamente equipado para toda boa obra’.
Timóteo devia resistir a apóstatas e efetuar o seu ministério (4:1-22) Poderia fazer isto ‘pregando a palavra’ e apegando-se a ela. Isto era vital, visto que a congregação enfrentava uma “época dificultosa” por alguns estarem ensinando doutrinas falsas. As Testemunhas de Jeová hoje também aderem à Palavra de Deus, pregando-a urgentemente na congregação e às pessoas de fora, mesmo em situações desfavoráveis. Paulo ‘observou a fé’, embora tivesse sido abandonado por alguns. Mas, ‘o Senhor lhe infundiu poder, para que, por seu intermédio, se efetuasse plenamente a pregação’. Que nós também confiemos na força que provém de Deus e continuemos a pregar as boas novas.

[Quadro/Foto na página 31]

Soldado Excelente: Paulo instou a Timóteo: “Como soldado excelente de Cristo Jesus, participa em sofrer o mal. Nenhum homem, servindo como soldado, se envolve nos negócios comerciais da vida, a fim de que possa ganhar a aprovação daquele que o alistou como soldado.” (2 Timóteo 2:3, 4) O soldado de infantaria romano ‘sofria o mal’ quando carregava armas pesadas, um machado, um cesto, ração para três dias e outros itens. (A Guerra dos Judeus, de Josefo, Livro 3, capítulo 5, em inglês) Ele não se empenhava por interesses comerciais, pois isto não agradaria ao seu superior, e suas despesas lhe eram custeadas. Similarmente, o cristão sofre provações relacionadas com ser “soldado excelente de Cristo”. Embora talvez trabalhe em serviço secular para cumprir obrigações bíblicas, ele não deve deixar que o envolvimento indevido com coisas materiais o faça parar de travar a guerra espiritual. (1 Tessalonicenses 2:9) Ao dar testemunho de casa em casa, ele empunha “a espada do espírito, isto é, a palavra de Deus”, e ajuda a libertar pessoas do erro religioso. (Efésios 6:11-17; João 8:31, 32) Visto que vidas estão em jogo, que todos os soldados cristãos continuem a agradar a Jesus Cristo e a Jeová Deus desta maneira.

*** w08 15/9 p. 31 Destaques das cartas aos tessalonicenses e a Timóteo ***

“PREGA A PALAVRA, OCUPA-TE NISSO URGENTEMENTE”

(2 Tim. 1:1–4:22)
A fim de preparar Timóteo para os tempos difíceis que viriam, Paulo escreveu: “Deus não nos deu um espírito de covardia, mas de poder, e de amor, e de bom juízo.” Timóteo foi aconselhado: “O escravo do Senhor não precisa lutar, porém, precisa ser meigo para com todos, qualificado para ensinar.” — 2 Tim. 1:7; 2:24.
Paulo exortou Timóteo: “Continua nas coisas que aprendeste e ficaste persuadido a crer.” Visto que estavam sendo divulgados ensinos apóstatas, o apóstolo deu o seguinte conselho a esse superintendente mais jovem: “Prega a palavra, ocupa-te nisso urgentemente . . . , repreende, adverte, exorta.” — 2 Tim. 3:14; 4:2.

Perguntas bíblicas respondidas:

1:13 — O que é o “modelo de palavras salutares”? As “palavras salutares” são “as de nosso Senhor Jesus Cristo” — os genuínos ensinos cristãos. (1 Tim. 6:3) O que Jesus ensinou e realizou harmonizava-se com a Palavra de Deus. Assim, a expressão “palavras salutares” pode, por extensão, referir-se a todos os ensinos da Bíblia. Esses ensinos podem nos ajudar a ver o que Jeová requer de nós. Apegar-se a esse modelo envolve praticar o que aprendemos da Bíblia.
4:13 — O que eram “os pergaminhos”? O termo “pergaminho” se refere a um material de escrita em couro preparado. Talvez Paulo estivesse pedindo partes das Escrituras Hebraicas para estudá-las enquanto estivesse preso em Roma. Alguns dos rolos podem ter sido de papiro, mas outros de couro.

Lições para nós:

1:5; 3:15. A razão fundamental pela qual Timóteo tinha fé em Cristo Jesus, isto é, fé que influenciava tudo o que ele fazia, foi a educação bíblica que recebeu desde cedo no lar. É muito importante que os pais pensem seriamente em como estão cumprindo esse dever para com Deus e os filhos.
1:16-18. Quando nossos irmãos na fé sofrem provações, são perseguidos, ou presos, devemos orar por eles e fazer tudo ao nosso alcance para ajudá-los. — Pro. 3:27; 1 Tes. 5:25.
2:22. Os cristãos, especialmente os jovens, não devem se preocupar tanto com musculação, esportes, música, entretenimento, passatempos, viagens, conversas sem valor, e coisas do tipo, a ponto de terem pouco tempo para interesses espirituais.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS