Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

Distanasia - Definição, conceito, significado, o que é Distanasia

DISTANASIA - SUA DEFINIÇÃO E CONCEITOS

Distanasia concept

1. Conceito de Distanasia

A Distanásia (também conhecida como amargura ou terapia agressiva, que leva em conta o sofrimento dos moribundos) é para usar todos os meios possíveis, ser fornecida ou não atrasar o advento da morte, embora não haja esperança de cura. Portanto, é o oposto de eutanásia.
Houve casos de Distanásia especialmente pessoas de alta relevância política.Antidistanasia é conhecida como a atitude de rejeição Distanásia, que, em alguns casos, torna-se um suporte para a eutanásia e outros em defesa dos orthothanasia.
Estados e as várias associações de médicas desenvolveram-se as leis ou códigos que regulam quando ação médica pode ser considerada um exagero.
Fatores a considerar são os seguintes:
• Fazer o paciente e a família
• O parecer médico
• A proporcionalidade dos meios em relação aos resultados.
Indiscutivelmente continua tratamentos padrão morais para alívio da dor, mas pode abrir mão de tratamento que seria apenas uma vida precária.

Implicações

• Suporte de vida fútil ou desnecessário de extensão significa.
• Localização irreversível
• Intenção maliciosa
• Médica Angst.
• Desconhecimento dos direitos do pacientes.
• Adoção de medidas terapêuticas que incluem a investigação científica.

Critérios

Existem alguns critérios para a crueldade é verificada:
• Inutilidade ou ineficácia da terapia
• trabalho penoso e sofrimento para o paciente
• Intervenções excepcionais ou meios terapêuticos (meio desproporcional).
, no entanto, não foram deixando os tratamentos comuns para reduzir o desconforto:
2. Em caso de doença incurável e terminal, o médico deve ser limitada a atenuar o físico e moral de sofrimento do paciente, mantendo o máximo possível da qualidade de vida que se esgota e evitar iniciar ou continuar acções terapêuticas sem esperança, inútil e obstinadas. Ajude o paciente até o fim, com respeito à dignidade do homem. Três. A decisão de encerrar a sobrevivência artificial de morte encefálica só deve ser tomada de acordo com os mais rigorosos critérios científicos e salvaguardas exigidas pelo cuidado de lei antes de suspender dois qualificados e equipe médica independente para obter órgãos para transplante, vai assinar um documento para autenticar o status
código de ética da faculdade médica de Espanha, n º 28.

2. Definição de Distanasia

A Distanasia é o contrário da eutanásia, é a oposição que tem o paciente, família e médicos até morrer. Apesar de todas as complicações que podem surgir em torno de uma doença, pode ser considerado Distanasia uma oportunidade para aqueles que não querem morrer, mas é importante que a sociedade que apoia os direitos humanos em todas as suas características, Distanasia, considerado um "Overkill" contra o paciente, normalmente porque o paciente e submetidas a uma série de ações que causam sofrimento além da medida.
Distanasia crueldade não é médica, mas se é claro que este processo retarda o resto o paciente sozinho, há casos em que o paciente queria parar de passar por tudo o que está acontecendo com a morte do (a) e impedido. Esta matriz é gerado parecer estabelecendo dois campos, o primeiro é a favor de resto e uma alta de sofrimento, e o outro é o escape todas as possibilidades para viver e superar a doença. Distanasia quando aplicado em doenças que não têm nenhuma cura perde algum sentido apresentado, no sentido de que a medicação pode ter sobre a saúde do paciente é zero ou negativos, no entanto, ele continua a gerenciar qualquer método para melhoria. Nestes casos a eutanásia seria aplicável, mas não feito, então ele Distanasia. Este método de " sobrevivência " é aplicado para pessoas que são importantes para qualquer instituição que seja, de famílias aos governos, que devem não é uma personalidade destes morre, a Distanasia pode parecer egoísta, talvez porque uma pessoa exercer funções em sociedade pode ser atendida por um saudável, mas neste caso também associadas crenças religiosas em certas ocasiões "Extreme", e que quando falamos de uma impossibilidade de viver e não permitiram o descanso eterno nós estamos falando sobre uma decisão da razão e coerência com a natureza de cada um. Tempo de Deus é perfeito e nada vai mudar.


3. O significado de Distanasia

¿Distanasia, Ortotanasia sem eutanásia?

"Muito se tem discutido sobre a eutanásia. Nos últimos dez anos na região da América Latina e o Caribe, com a introdução de mais tecnologia nos cuidados de saúde, particularmente em situações de emergência e unidades de terapia intensiva, viram o surgimento de algumas reflexões éticas sobre o problema, mas não a abreviatura de "Distanásia" (antônimo eutanásia) ou prolongamento inútil da vida humana.
importantes do, então, distinguir ética e valores questões nos debates sobre a eutanásia e a Distanásia. muito é falado e escrito sobre a eutanásia.? Mas e quanto a Distanásia? Ainda há um silêncio cúmplice e a falta de noções de éticas, porque produz desconforto trazer esta discussão com transparência e honestidade. Nos nossos hospitais universitários de unidades de cuidados intensivos, o problema gira em torno de tratamento terapêutico exagerado que deixa a pessoa morrer com dignidade, porque você tem que tentar de tudo mas não cura existe, aceitando acriticamente o dogma: "enquanto há vida há esperança".
Distinção e precisão conceitual vão ajudar a dissipar mal-entendidos e evitar o desconforto sentido por muitos profissionais de saúde, incluindo médicos, se não for o caso, ou é interrompida, um determinado procedimento terapêutico contra a morte iminente e inevitável.

O que se entende por Distanasia?

Se a expressão não é popular na América Latina, com exceção do Brasil, é interessante o dicionário Aurélio da língua portuguesa, define "Distanásia" como "morte lenta, ansiosa e muito sofrimento. É um neologismo do grego, onde o prefixo grego dis tem o significado de "ato ruim." Portanto, etimologicamente, significa Distanásia exagerado prolongamento da agonia, sofrimento e morte de um paciente. O termo também pode ser usado como um sinônimo para tratamento de resíduos, o que resulta em uma morte lenta e prolongada clinicamente, muitas vezes acompanhada de sofrimento.
conduta nesta vida estende-se, mas o processo de morrer. No mundo Europeu discutindo a obstinação terapêutica (L'acharnement thérapeutique) nos Estados Unidos de medical futilidade (futilidade médica), tratamento fútil (tratamento fútil) ou simplesmente futilidade (Larousse: "menores, trivial").
falando mais popular é a questão da seguinte forma: quanto tempo deve prolongar o processo do morrer quando não há não há mais esperança de vida, ou que a pessoa ser saudável novamente e todo esforço terapêutico ele realmente só atrasa o inevitável e prolonga a agonia e o sofrimento humano? Quem está interessado em manter a pessoa "mortos vivos"?
opinião pública mundial tem sido discutido em muitas ocasiões, que os casos de pacientes famosos foram mantidos "vivos" além dos limites naturais, tais como Truman, Franco, Tito, Hirohito e, no Brasil, Tancredo Neves, classificando estas situações como distanásicas.
clareza conceitual é essencial para este expressões controverso campo de múltiplos sentidos. Existem dois extremos, e entre eles, é o orthothanasia:
• Eutanásia (vida curta)
• A Distanásia (prolongamento da agonia) e sofrimento da morte e atraso de chegada
entre os dois extremos é a atitude homenageia a dignidade humana e preserva a vida e é o que muitos bioeticistas, chamadas "orthothanasia" para falar de morte com dignidade, sem abreviações, sem desnecessárias adicionais sofrimento, ou seja "verdadeira morte em seu tempo." O orthothanasia, ao contrário da eutanásia, é sensível ao processo de humanização da morte, alívio da dor e alongamento incorre implementação não abusiva dos meios desproporcionados produzindo sofrimento apenas adicional.
O termo "obstinação terapêutica" (L ' acharnement thérapeutique) foi introduzida na língua pelo médico francês Jean-Robert Debray, o início dos anos 50 e é definido como Pohier, como "... comportamento médico significa utilizar processos terapêuticos cujo efeito é mais efeitos nocivos do mal a ser curado, ou inútil, porque a cura é impossível e o benefício esperado é menor que o esperado inconvenientes."
É importante notar que em hospitais nos países desenvolvidos há um limite de consciência muito mais lúcido com referência a assistência médica de alta tecnologia em fase final de vida. At a cabeça do doente terminal é sem indicações de como "Fazer não ressuscitar", "ele deve não ser gerado", "Código 4" e outras indicações de limites de cuidados terapêuticos.
foi a Distanásia pode perceber tornou-se um problema ético de primeira grandeza, para o progresso técnico científico começa a interferir decisivamente na fase final da vida humana. Hoje o ser humano quer assumir o controle de todas as coisas, da vida e da morte. A responsabilidade, ontem atribuído ao acaso, processos aleatórios da natureza ou de Deus (se era um crente), reivindica para si hoje. A presença crescente da ciência e da tecnologia na área da saúde e, especialmente, no campo da medicina, é uma expressão concreta do desejo humano de mudar tudo e agora ela desempenha um papel decisivo na vida que obrigam a produzir profunda reflexão ética.
Uma situação específica que ilustra esse drama é a Distanásia de dilema as estacas da dignidade humana. Os países mais avançados tecnologicamente refletem hoje sobre os limites éticos das intervenções de saúde na fase final da vida, uma realidade cada vez mais crítica, tendo em conta a escassez de recursos e cuidados de saúde. Muitas situações são consideradas despesas "insolúveis" ao escasso investimento em programas e situações, para quem "sem solução", ou seja, situações onde a saúde é possível a um custo muito mais baixo e poderia se beneficiar muito mais pessoas.
Na luta pela vida, em circunstâncias de morte iminente e inevitável, utilizando todo arsenal tecnológico disponível traduz obstinação terapêutica, desafiando a dimensão da mortalidade humana, exige que aqueles que estão em fase final de vida para uma morte dolorosa. Esta realidade levanta questões éticas complexas, tais como:
• Estamos estendendo a vida ou simplesmente evitar a morte?
• A vida humana, independentemente de sua qualidade, sempre deve ser preservada?
• É dever do médico manter indefinidamente a vida de uma pessoa cujo cérebro foi irreversivelmente ferido?
• Até que ponto é lícito sedar a pessoa usando medicação que alivia a dor e indiretamente encurta a vida da pessoa?
• Deve usar todos os tratamentos disponíveis para prolongar a vida do doente terminal ou poderia parar o tratamento?
• Eu tenho que manter os pacientes em estado vegetativo persistente?
• Devo usar um tratamento ativo em crianças com "graves congênitas anomalias incompatíveis com a vida"?
• É possível manter a vida nessas circunstâncias?
• Devem ser mantidas essas vidas? E se não, por que?
Estes são alguns dos dilemas que devem ser confrontados e já chamou a atenção não só de quem trabalha na área de saúde como profissionais experientes, mas o público em geral.
Esta questão ganha mais espaço na agenda dos meios de comunicação ao redor do mundo e as organizações internacionais como a Organização Mundial de saúde (OMS). Publica anualmente uma visão geral de saúde do mundo, o ano de 1997, intitulado "conquistando sofredora enriquecedora," diz algumas prioridades de acção melhorar a capacidade humana de prevenir, tratar, reabilitar e, quanto possível, curar o desconforto, reduzindo assim o enorme sofrimento e as deficiências ocorrem.
Entre as prioridades citadas incluem:
• "O alívio da dor, redução de cuidados paliativos e sofrimento para quem não tem nenhuma perspectiva de cura."
Em sua conclusão as notas de síntese que, inevitavelmente, cada vida humana chega ao fim. É necessário garantir que decorre de uma digna e indolor como possível, porque seu cuidado merece tanta prioridade como todas as outras fases, não só por profissionais médicos ou serviços sociais, mas toda a sociedade.
na bioética e especialmente a discussão ética sobre a Distanásia não podem esquecer o contexto mais amplo (macro) na América Latina, uma região marcada pela exclusão e desigualdade, o que reduz as oportunidades de viver com dignidade e em que o processo de morrer é definido no coletiva abreviação da vida ("mistanasia").
Obviamente, o grito que vem do fato de que antes em favor de uma "morte com dignidade" é "viver com dignidade". O desafio é desenvolver uma mística libertária para uma bioética que reforça nosso compromisso com a promoção da saúde e da vida digna, especialmente para os setores mais vulneráveis da população.
Reflexão ética sobre Distanásia é relevante para a realidade latino-americana nos hospitais de ensino que treinar profissionais de saúde futura para as instituições com a tecnologia, por exemplo, unidades de terapia intensiva e centros de arte diagnóstica (MRI, acelerador linear, etc.). Sumase para que o despertar da consciência da cidadania (o direito à saúde e o estatuto dos direitos do pacientes, por exemplo), embora emergentes em nossa realidade de exclusão e dependência, em que as pessoas começam a aprender mais e exigir que sejam respeitados os direitos à vida e à saúde, questionando procedimentos e cuidados terapêuticos em situações de fim de vida e enfrentar a escassez de recursos. Em conclusão, a questão é atual, emergentes e convincente. "