Pular para o conteúdo principal

ID - definição, conceito, significado, o que é Id

Definição de Id

Neste site você vai encontrar um ou mais significados no seu idioma para a palavra ou frase: Id., Bem como definições de páginas da Wikipédia e outros sites relacionados a palavra Id e, claro, sinônimo de Id com imagens apropriadas relacionadas com o uso dessa expressão.



1. Conceito de Id


ID, ego e superego são as três partes do aparelho psíquico definido no modelo estrutural Sigmund Freud da psique; são as três construções teóricas em termos cuja atividade e interação mental vida é descrita. De acordo com este modelo da psique, a identificação é o conjunto das tendências instintivas descoordenadas; o super-ego desempenha o papel de crítico e moralizante; e o ego é a parte organizada, realista que medeia entre os desejos do id e o superego. O superego pode impedi-lo de fazer certas coisas que seu id pode querer fazer.
Mesmo que o modelo estrutural e faz referência a um aparelho, o id, ego e superego são as funções da mente, ao invés de partes do cérebro e não correspondem-para-um com estruturas somáticas reais do tipo tratados pela neurociência.
Os conceitos se surgiram tardiamente no desenvolvimento do pensamento de Freud: o modelo"estrutural" (que sucedeu o seu "modelo econômico" e "modelo topográfico") discutiu-se, primeiramente, em seu ensaio de 1920 "além do princípio do prazer" e foi formalizado e elaborou sobre três anos mais tarde, em seu "o Ego e o Id". Proposta de Freud foi influenciada pela ambigüidade do termo "inconsciente" e seus muitos usos conflitantes.

ID

O id é a parte desorganizada da estrutura de personalidade que contém unidades básica, instintiva de um ser humano. ID é o único componente da personalidade que está presente desde o nascimento. O id é a parte da mente que contém as unidades presentes ao nascimento; é a fonte de nossas necessidades corporais, quer, desejos e impulsos, particularmente nossas unidades, sexuais e agressivos. O id funciona segundo o princípio do prazer, a força psíquica que motiva a tendência a procurar a satisfação imediata de qualquer impulso. O id contém a libido, que é a fonte primária de força instintiva que não responde às exigências da realidade. Os identificação atos de acordo com o "princípio do prazer", buscando evitar a dor ou o unpleasure (não ' desgosto') despertados pelo aumento na tensão instintiva. Se a mente foi guiada unicamente pela identificação, indivíduos teriam dificuldades em esperar pacientemente em um restaurante, enquanto o sentimento de fome e provavelmente iria pegar a comida fora de tabelas de vizinhas

De acordo com Freud, o id é inconsciente por definição:
"É a parte escura, inacessível de nossa personalidade, o que pouco sabemos do aprendemos com nosso estudo do Dreamwork e da construção de sintomas neuróticos, e a maioria do que é de caráter negativo e pode ser descrito apenas como um contraste com o ego. Abordamos a identificação com analogias: chamamos-lhe um caos, um caldeirão cheio de fervilhante excitações... Ela está cheia de energia para alcançá-lo dos instintos, mas não tem nenhuma organização, não produz nenhuma vontade coletiva, mas somente um se esforça para trazer a satisfação das necessidades instintivas sujeita a observância do princípio de prazer".
A ID,
"impulsos contrários existem lado a lado, sem anular uns aos outros... Não há nada no id que pode ser comparado com negação... nada no id que corresponde à idéia de tempo."
Desenvolvente, id precede o ego; ou seja, o aparelho psíquico começa, no nascimento, como uma id indiferenciado, parte do que então se desenvolve em um ego estruturado. Assim, a identificação:
"... contém tudo o que é herdado, que está presente ao nascimento, está previsto na Constituição, acima de tudo, portanto, os instintos, que se originam da organização somática, e que expressam uma primeira psíquica aqui (no id) em formas desconhecidas para nós."
A mente de um recém-nascido é considerada completamente "id de cheias", no sentido de que é uma massa de impulsos instintivos e impulsos e precisa de satisfação imediata, uma visão que equivale a um recém-nascido com um indivíduo cheio de identificação — frequentemente humoristicamente — com esta analogia: um alimentar trato com nenhum senso de responsabilidade em cada extremidade, parafraseando uma piada feita pelo ex-presidente americano Ronald Reagan durante sua campanha de 1965 para governador da Califórnia, no qual ele comparou o governo a um bebê.
A identificação "sabe sem juízos de valor: não é bom e o mal, não há moralidade... Cathexes instintivas buscando quitação — que, em nossa opinião, é tudo o que existe no id. " É considerado como "o grande reservatório de libido", a unidade instintiva para criar — os instintos de vida que são cruciais para a sobrevivência de prazerosa. Ao lado da vida, instintos vieram os instintos de morte — a unidade de morte que Freud articulado relativamente tarde em sua carreira na "a hipótese de um instinto de morte, a tarefa deles é levar vida orgânica volta para o estado inanimado". Para Freud, "o instinto de morte assim parece exprimir-se — embora provavelmente só em parte — como um instinto de destruição contra o mundo externo e outros organismos": por meio de agressão. Freud considerou que "a identificação, a pessoa como um todo... originalmente, inclui todos os impulsos instintivos... o instinto destrutivo também." como Eros ou os instintos de vida.


2 Significado de Id

a palavra Id, vem em sua etimologia da palavra latina "ego".No século VI, sofreu a perda do "g".a resultante "eo", mais tarde tornou-se um tritongo "iou" para finalmente conhecer como "Eu" na nossa língua e é objeto de estudo e preocupação de várias disciplinas: biologia, filosofia, antropologia, psicologia, religião, etc
"Na língua, I" é um pronome pessoal, que nomeia a primeira pessoa do singular na conjugação verbal: "Eu te amo", "Eu sou" "Eu sonho", etc.
Com "Id" refere-se ao assunto individual, que é reconhecido como distinto que rodeia e é, filosoficamente o início da meditação.
Filosofia é um dos campos onde mais tem estudado o proprietário.Descartes demonstra que o tema existe, como eu, porque ele acha.
Representante de Fichte (1762-1814), a filosofia alemã de idealismo, cria a noção de "eu puro", onde o mundo é criado e objetivado para ele, como "não eu".
Sastre (1905-1980) objetiva, colocando-o fora da consciência como transcendente, que pode conhecê-lo.Como consciência para ele, não é nada, deve ser sobre algo, por que deveria distanciar-se do seu Id para conhecê-lo.O Id só existe na consciência, quando ela pensa, como reflexa da consciência.Em consciência pensa em outras coisas além de identificação, consciência não reflete é chamado.
Em psicologia, a psicanálise freudiana, o Id é que vive na realidade e equilibra os instintos de 'it' e limitações morais o "superego".
De Jacques Lacan Id identificado a pessoa, não com consciência, ou é a construção do triângulo formada pela criança, sua mãe e o objeto de desejo.Primeiro o assunto é percebido em sua mãe (em outro).Criança reconhece pela primeira vez sua imagem no espelho entre seis meses e ano e meio de vida e ele seria um começo para o reconhecimento pessoal, como um todo, como até então foi capaz de ver algumas partes do seu corpo, e fundamentalmente percebe-seu rosto, símbolo máximo da sua identidade, mas como um spin-off da I, por um lado, o eu real, e por outro, a identificação como imagem refletida no espelho.


3. Definição de Id

o conceito de Id (e seu ego de etimo latino) é um termo que é difícil definir o bom primeiro dado seus significados diferentes.Ao longo da história, sua definição tem sido associada a outros termos como alma psique, Id, consciência.a abordagem acadêmica faz com precisão de acordo com a disciplina de que irá soletrar.o estudo de identificação abrange ambos orientação biológica de disciplinas, (Psicobiologia, neurobiologia, Neuropsicologia, etc.), como Tribunal de disciplinas filosóficas e humanísticas.o termo vou coincide com os conceitos de consciência e cognição.
A questão da Id é talvez uma das questões fundamentais da humanidade, para que ele não só tem sido enunciado no contexto da ciência, mas em diferentes sistemas religiosos e espirituais ao longo da história humana.
Em diferentes períodos da história, houve diferentes pontos de vista sobre a natureza do ID.Os projetos "clássicos", eu era uma substância ou um substancial "alma" ou apenas uma coisa.Outras teorias negando qualquer substancialidade eu, considerando-o apenas como um epifenômeno, uma função ou um complexo de sentimentos e impressões.Finalmente, têm procurado um eclético de compromisso ou teorias que tem sido fundadas em algum outro princípio divergente também.

A identificação linguística

Se você considerar que a linguagem (ou mais precisamente, a linguagem simbólica) é a premissa racional para todo pensamento humano deve saber que, em castelhano espanhol, língua a palavra tenho etimologia puramente Latina é uma variação do velho latim vulgar eo que por sua vez é uma simplificação do ego a clássica palavra latina.Dentro do espanhol gramática palavra eu é uma pronome pessoal de primeira pessoa que é autorefiere como uma forma de nominativo, um assunto é do género feminino masculina.Em espanhol a palavra eu também inclui a função de pronomes em que o assunto é autoindicado.
Para o linguista francês Émile Benveniste o ego (moi) pode ser entendido também a nível do discurso.I é os básicos pronomes indicando pessoa (I/you) e só podem ser definidos e existente em uma instância discursiva e em relação um com o outro (esta identificação dialógica - relacionamento você já tinha sido observado pelo filósofo existencialista Martin Buber).De acordo com Benveniste, "pode ser identificada apenas pelo exemplo do discurso que o contém" e, simetricamente poderia defini-lo como "o indivíduo que é falado no discurso atual exemplo contendo a amostra (deixis) linguística seu".Quanto o pronome "ele" para Benveniste é uma não-pessoa.

O Id em Antropologia

Antropologia em uso indica o Id de cujo ponto de vista consideram-se as relações de parentesco ou filiação.

A identificação da filosofia

Em espanhol, de acordo com uma explicação simplista, fornecida pelo SAR em seu DRAE designa a realidade pessoal do orador ou que escreve e refere-se, também, a todos sujeito humano como pessoa.
O conceito de eu desempenhou um lugar central no trabalho de muitos filósofos;por exemplo na enunciação original (em francês) do cogito ergo sum feita por Descartes (que usou o francês palavra eu je equivalente).Em termos de Kant, o filósofo principalmente ego como base da epistemologia, para Kant, o eu é a unidade associada com a totalidade das representações e o "acho" que é a apercepção pura, gnoseologically Id é a unidade transcendental da apercepção, esta unidade tem um caráter objetivo que faz diferir a natureza subjetiva da consciência.Mas que eu é o conhecimento de identificação, na medida em que surgirem dúvidas de Kant da passagem da razão teórica à razão prática, é impossível manter o critério da unidade transcendental da aperceptiva por isso é necessário a inclusão do ego em uma realidade mais ampla, que ao invés de preceder tal unidade mais ampla para a sociedade e a história é a própria históriatambém, apesar das grandes diferenças que ocorreram entre dois pensadores o ego Kantiano tem semelhanças com a razão como dialecticamente é comparável ao "espírito" (Geist) que teoriza Hegel embora ambos (talvez comparável ao logos) "razão" e "o espírito" (ou "Geist") hegeliana são muito superiores para o ego e o ego está subordinado a eles no decorrer da história.
Para Schopenhauer, que considerou-se proseguidor de Kant e ao mesmo tempo foi influenciado pela idéia de maya do hinduísmo e do Budismo, eu era uma expressão ou representação (Vorstellung) ilusória para um material da vontade (Wille) e o inconsciente.Então o conceito de identificação assume especial importância no romântico de filosofia que encontrou o jovem sistemas de Schelling e no trabalho de Fichte.Esses dois pensadores acreditavam que o comum que eu tinha como referência a uma ' me tudo o que foi totalmente qualificado e a base de todo conhecimento;é muito importante saber que a identificação de Fichte (aqui com letras maiúsculas é não um "mero" eu, mas um tipo de entidade superior) é a realidade antes da separação entre sujeito e objeto (sem as tonalidades metafísicas mais de um século depois, Jacques Lacan vai chegar a algumas conclusões preliminares similares ainda que num contexto muito diferente).

O Id em psicologia

Em psicologia, eu mais frequentemente (como em Antropologia) preocupados com o ego Latinism universal;Alemão: Ich e francês je (I pronomes) ou moi i pronominal sendo usado atualmente em francês moi como equivalente ao ego, é definida como a unidade dinâmica que constitui a consciência individual de sua própria identidade e sua relação com o meio ambiente.É, portanto, o ponto de referência de todos os fenômenos físicos, sexuais e psíquicos.

A identificação de acordo com a psicanálise

Aqui também importa salientar a definição simplista que dá o DRAE sobre o ego (ou eu) uma vez que é definido como a instância consciente de uma humana, "instância individual para que qualquer pessoa pode ser responsável pela sua identidade, bem como suas relações com o meio ambiente".
De acordo com o pensamento de Sigmund Freud, do ponto de vista da psicanálise, o Id é um testador de realidade, inteligência, razão e o conhecimento de causa e efeito para aumentar a libido, bônus e colocar freio para a compulsão à morte.Também é o psíquico que se conecta com o mundo exterior e uma ponte entre o 'ele' (ou id, - em alemão é - é um dos nomes dados por Freud ao inconsciente como a primeira ou o segundo tópico freudiano e o "superego", que é a aglomeração de um conjunto de mentes do grupo, formando uma psique ideal.)Esta ponte é o que torna uma pessoa um "individual", uma vez que "ele" e o "superego" são conceitos exemplares.Para Freud, o ego pode ser composto de duas partes principais;um sistema de percepção e de um conjunto de idéias inconscientes sobre a realidade que existe.eu usei os traços que identificam e os ideais do "superego" para controlar os instintos animais do 'it'.Isso e o desejo de se parecer com o "superego" que procuram defeitos fim e ambivalência pessoal e tentando comparar com outro fantasiado, a me fazer irá sobrepor a 'it' e que é uma versão modificada leste.Contato com a realidade externa fora os ideais do "superego" pode levar a casos de mania e outras doenças mentais.
o ego (em francês Moi), de acordo com Lacan, é uma instância de registro do imaginário, e que mesmo uma espécie de alienação.o sujeito é visto no seu ego.a formação do ego segundo Lacan implica uma primeira triangulação entre a mãe, a criança e o objeto a.o ego do sujeito é constituído de uma percepção especular em um outro (quase sempre a mãe ou quem cumprir a função materna), o ego de cada configuração de assunto iria ocorrer principalmente durante a fase do espelho.o ego não deve ser confundida com a consciência - apesar do fato de que parece ser- e menos ainda com o sujeito humano: o sujeito humano é $, clivado pela intervenção da função paterna que é registrada com a criança na ordem simbólica da linguagem, enquanto que, apesar da aparente, o ego no imaginário surge em cada ser humano precisamente antes do simbólicoassim que o ego é algo do tamanho do imaginário e assim então pregnado pelo narcisismo que vem do outro (o outro quanto esse primeiro grau do outro é a mãe, não do outro que está além da função materna) seria fundamental para grande parte dos psicanalistas a post-Freud porque eles acreditaram que a cura psicanalítica de Lacan para fortalecer o ego quando precisamente reforçar o ego esconde o problemasubjacente no inconsciente, Lacan entende que sujeito e pessoa não são os mesmos e que o ego é referida pessoa, na medida em que a etimologia de pessoa refere-se a máscara com a qual ele atua.

Mais Artigos desta Categoria:

  1. Instrumentos de percussão
  2. Invasão - Definição, Conceito, significado, Que é Invasão
  3. Inigualável
  4. Imposto
  5. Inovação
  6. Incesto
  7. Impulso
  8. Incidente
  9. Ingrimo - definição, conceito, significado, o que é Ingrimo
  10. Igualdade

Posts mais vistos

Bigamia - Definição, conceito, significado, o que é Bigamia

Bigamia: definições, conceitos e significados Definição de bigamia Bigamia. O status do homem ou a mulher casada com duas pessoas ao mesmo tempo. Não é permitido no mundo ocidental.
Bigamia é um termo jurídico que se refere à situação que ocorre quando uma pessoa entra em qualquer número de casamentos 'secundários', além do original, que é reconhecido legalmente; e você pode ser punido com prisão. Muitos países têm leis específicas que proíbe a bigamia e considerado crime qualquer casamento infantil.
Bigamia entra a classificação da poligamia, que é mais geral. Isso gera:
"O tipo de casamento em que é permitido para uma pessoa ser casada com várias pessoas ao mesmo tempo."
De acordo com esta definição:
• Poligamia decompõe-se em: "poli = muitos" e "veado = casamento", referindo-se aos "vários casamentos".
Tempo:
• Bigamia é decomposto em: "bi = dois" e "veado = casamento", referindo-se ao "apenas doi…

O que é demisexualidad | Conceitos de Psicologia.

O que é demisexualidad?Desde o final do século XX, a sexualidade tornou-se um muito menos tabu e colonizou todas as esferas da vida. Sexo na arte, ciência sexo, sexo na família e até mesmo na escola. Afinal, não há nada de errado: Se você falar mais de sexo, mais se sabe, vai ter menos preconceitos e é muito mais saudável e responsável.Os seres humanos são seres sexuais desde o nascimento até a nossa morte e, portanto, a sexualidade é parte de todos os aspectos de nossa personalidade. A sexualidade é muito mais do que atração sexual e relacionamentos, portanto, mesmo se uma pessoa não experimentar desejos sexuais de qualquer tipo, é um erro chamar assexuada e que, além de não sentir atração sexual, a pessoa continua a ser um ser sexual.
Mas vamos deixar de lado a assexualidade chamada e se concentrar por um momento sobre a demisexualidad. Sobre o que é isso? É uma condição física? Será que a orientação sexual? Ou o que?
O que é exatamente o demisexualidad?O demisexualidad não é …

Sammu-Ramat e Semiramis: A inspiração e o mito | Origem e História

por Joshua J. Mark Sammu-Ramat (reinou 806-811 A.C.) foi a rainha regente do Império Assírio, que ocupou o trono para seu filho Adad Nirari III até que ele atingiu a maturidade. Ela também é conhecida como Shammuramat, Sammuramat e, principalmente, como Semiramis. Esta última designação, "Semiramis", tem sido a fonte de controvérsia considerável para mais de um século, como estudiosos e historiadores discutem se Sammu-Ramat foi a inspiração para os mitos relativos a Semiramis, se Sammu-Ramat governou até a Assíria e se Semiramis existiu como uma personagem histórica real. O debate vem acontecendo há algum tempo e não susceptível de ser conclui uma maneira ou outra num futuro próximo mas, ainda assim, parece possível que sugerem a possibilidade que as lendas de Semiramis eram, na verdade, inspirado o reinado da rainha Sammu-Ramat e tem sua base, se não em seus atos reais, então pelo menos na impressão ela fez sobre o povo de seu tempo.

Semiramis, recebendo a pa…