Pesquisar conteúdo aqui

Custom Search

domingo, 23 de outubro de 2016

PROVÉRBIOS 17-21 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 24-30 de outubro

TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS: TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | PROVÉRBIOS 17-21

“VIVA EM PAZ COM TODOS”: (10 MIN)

O povo de Jeová vive em paz. Mas isso não acontece por acaso. Um desentendimento pode gerar emoções muito fortes, mas os conselhos da Palavra de Deus podem nos ajudar a controlar essas emoções.
Quando acontece um problema, os cristãos fiéis tentam manter a paz. Como?
Pr 19:11
• Eles ficam calmos
Pr 18:13, 17
• Antes de agir, procuram saber tudo o que está por trás da situação
Pr 17:9
• Eles mostram amor e perdoam a ofensa

Pr 19:11 — Quando for ofendido, fique calmo. (w14 1/12 págs. 12-13)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 19:11
11 A perspicácia do homem faz com que ele não se ire facilmente,
E é bonito da sua parte deixar passar a ofensa.
• A Sentinela (2014) ‘A perspicácia do homem torna mais vagarosa a sua ira’
‘A perspicácia do homem torna mais vagarosa a sua ira’
Um treinador de basquete é despedido por não ter controlado sua raiva.
Uma criança começa a espernear e gritar por não conseguir o que quer.
Uma mãe grita com seu filho porque o quarto dele está bagunçado.
TODOS nós já vimos pessoas ficarem furiosas e com certeza já ficamos com raiva alguma vez. Sabemos que a raiva é um sentimento ruim que deve ser controlado. Mas muitas vezes achamos que temos motivos para ficar chateados, principalmente quando parece que alguém ultrapassa o limite do que para nós é certo ou errado. Um artigo da Associação Americana de Psicologia diz que “a raiva é algo completamente normal, muitas vezes até saudável, um sentimento humano”.
Isso parece fazer sentido quando lemos o que o apóstolo cristão Paulo escreveu sob inspiração divina. Sabendo que às vezes as pessoas podem sentir raiva, ele disse: “Ficai furiosos, mas não pequeis; não se ponha o sol enquanto estais encolerizados.” (Efésios 4:26) Assim, será que devemos colocar para fora nossa raiva ou nos esforçar para controlá-la?
É CORRETO SENTIR RAIVA?
Quando Paulo falou sobre sentir raiva, é provável que ele tivesse em mente as palavras do salmista que escreveu: “Ficai agitados, mas não pequeis.” (Salmo 4:4) Mas qual era a intenção de Paulo ao dar esse conselho? Ele explicou: “Sejam tirados dentre vós toda a amargura maldosa, e ira, e furor, e brado, e linguagem ultrajante, junto com toda a maldade.” (Efésios 4:31) Paulo estava incentivando os cristãos a controlar a raiva. É interessante que o artigo da Associação Americana de Psicologia continua: “Pesquisas mostram que ‘liberar’ a raiva deixa a pessoa ainda mais furiosa e agressiva e não ajuda . . . a resolver a situação.”
Então, como podemos controlar a raiva e ficar livres de todos os seus efeitos negativos? O sábio Rei Salomão do Israel antigo escreveu: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” (Provérbios 19:11) Como “a perspicácia” pode ajudar uma pessoa a se controlar?
COMO A PERSPICÁCIA DIMINUI A RAIVA
Perspicácia é a capacidade de ver o que está por trás de uma situação. Como isso pode nos ajudar quando alguém nos provoca ou nos ofende?
Quando vemos uma injustiça, é comum ficarmos indignados. Mas quando deixamos que nossos sentimentos nos controlem e agimos de forma impensada, corremos o risco de machucar tanto os outros como a nós mesmos. Assim como um fogo sem controle pode destruir uma casa inteira, a raiva descontrolada pode destruir nossa reputação e o nosso relacionamento com Deus e com outros. Assim, quando percebemos que nossa raiva está aumentando, é hora de parar e avaliar com cuidado a situação. Pensar em todos os fatores envolvidos com certeza nos ajudará a controlar nossas emoções.
O Rei Davi, pai de Salomão, quase cometeu assassinato num caso envolvendo um homem chamado Nabal. Ele só não cometeu esse erro porque foi ajudado a enxergar o que estava por trás da situação. Davi e seus homens protegiam o rebanho de Nabal no deserto de Judá. Quando chegou a época de tosquiar o rebanho, Davi pediu comida a Nabal. A resposta foi: “Tenho eu de tomar meu pão, e minha água, e minha carne de abate que abati para os meus tosquiadores, e dar isso a homens de quem nem mesmo sei donde são?” Que insulto! Diante dessa resposta, Davi juntou 400 homens e saiu para matar Nabal e todos os homens que estavam com ele. — 1 Samuel 25:4-13.
Abigail, esposa de Nabal, ficou sabendo do incidente e foi falar com Davi. Ela se ajoelhou diante dele e dos homens que estavam com ele e disse: “Deixa a tua escrava falar aos teus ouvidos e escuta as palavras da tua escrava.” Daí, ela explicou que Nabal era um homem ignorante e que Davi se arrependeria caso fizesse o que havia planejado. — 1 Samuel 25:24-31.
Como as palavras de Abigail ajudaram Davi a ter perspicácia e a se controlar diante daquela situação tensa? Primeiro, ele entendeu que Nabal era um homem ignorante. Segundo, que ele, Davi, teria culpa de sangue caso se vingasse. Assim como Davi, você talvez fique furioso com alguma coisa. O que fazer? “Respire fundo e conte até dez”, sugere um artigo da Clínica Mayo sobre como lidar com a raiva. Sim, pare e pense nas causas do problema e nas consequências do que você pretende fazer. Deixe que a perspicácia diminua sua raiva — ou que até mesmo acabe com ela. — 1 Samuel 25:32-35.
De maneira similar, muitas pessoas hoje são ajudadas a se controlar. Sebastian começou a estudar a Bíblia aos 23 anos numa prisão da Polônia. Ele explica como esse estudo o ajudou a controlar sua personalidade explosiva: “Primeiro, eu penso no problema, daí, tento aplicar os conselhos da Bíblia. Eu descobri que ela é o melhor guia.”
Setsuo tenta fazer a mesma coisa. Ele disse: “Eu costumava gritar com as pessoas quando elas me irritavam no trabalho. Depois que comecei a estudar a Bíblia, em vez de gritar eu paro e penso: ‘Quem é realmente o culpado? Será que não sou eu?’” Pensar nisso o ajudou a se controlar.
A raiva pode ser um sentimento muito forte, mas os conselhos da Palavra de Deus são ainda mais fortes. Se você aplicar os sábios conselhos da Bíblia e orar pedindo a ajuda de Deus, também terá perspicácia para controlar sua raiva.

Pr 18:13, 17; 21:13 — Procure saber tudo o que está por trás da situação. (w11 15/8 pág. 30 pars. 11-14)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 18:13
13 Responder antes de ouvir os fatos
É tolice e resulta em humilhação.
Tradução do Novo Mundo Provérbios 18:17
17 O primeiro a apresentar a sua causa parece estar certo,
Até que vem a outra parte e o interroga.
Tradução do Novo Mundo Provérbios 21:13
13 Quem tapa o ouvido ao clamor do pobre,
Também clamará e não terá resposta.
A Sentinela (2011) Empenhe-se pela paz
11. Que cuidado o ancião deve ter se um cristão deseja lhe falar sobre um desentendimento com um irmão?
11 Que dizer se um cristão deseja falar com um ancião sobre um problema com um parente ou com um irmão na congregação? Provérbios 21:13 diz: ‘Aquele que tapa seu ouvido contra o clamor queixoso do de condição humilde, ele mesmo também clamará e não se lhe responderá.’ Um ancião certamente não ‘taparia seu ouvido’. Mas outro provérbio alerta: “O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione.” (Pro. 18:17, Nova Versão Internacional) O ancião deve ouvir bondosamente, mas precisa cuidar para não tomar o lado da pessoa que conta o problema. Após ouvir o assunto, é provável que ele pergunte se o ofendido falou com a pessoa que causou o mal-estar. O ancião talvez recapitule também os passos bíblicos que o ofendido pode dar em favor da paz.
12. Cite exemplos do perigo de agir precipitadamente ao ouvir uma queixa.
12 Três exemplos da Bíblia salientam o perigo de agir precipitadamente depois de ouvir apenas um lado duma controvérsia. Potifar acreditou quando sua esposa lhe disse que José tentou violentá-la. Com ira injustificada, ele mandou prender José. (Gên. 39:19, 20) O Rei Davi acreditou em Ziba, que disse que seu amo, Mefibosete, havia passado para o lado dos inimigos de Davi. “Eis que é teu tudo o que pertence a Mefibosete” foi a resposta precipitada de Davi. (2 Sam. 16:4; 19:25-27) Disseram ao Rei Artaxerxes que os judeus estavam reconstruindo as muralhas de Jerusalém e estavam prestes a se rebelar contra o Império Persa. O rei acreditou nesse relato falso e mandou parar a obra de reconstrução em Jerusalém. Com isso, os judeus interromperam a obra no templo de Deus. (Esd. 4:11-13, 23, 24) Os anciãos cristãos sensatamente seguem o conselho de Paulo a Timóteo, de não fazer julgamentos prematuros. — Leia 1 Timóteo 5:21.
13, 14. (a) Que limitações todos nós temos quanto a desentendimentos de outros? (b) Com que ajuda os anciãos podem contar para fazer julgamentos corretos em casos de irmãos cristãos?
13 Mesmo quando parece que os dois lados de um desentendimento já foram apresentados, é vital entender que “se alguém pensa que tem adquirido conhecimento de algo, ele ainda não o conhece como devia conhecer”. (1 Cor. 8:2) Será que sabemos todos os detalhes que originaram o desentendimento? Somos capazes de entender a fundo a formação dos envolvidos? Se forem chamados para julgar, é extremamente importante que os anciãos não se deixem enganar por falsidades, táticas escusas ou boatos. O Juiz designado por Deus, Jesus Cristo, julga com justiça. Ele não ‘julga pelo que meramente parece aos seus olhos, nem repreende simplesmente segundo a coisa ouvida pelos seus ouvidos’. (Isa. 11:3, 4) Em vez disso, Jesus é guiado pelo espírito de Jeová. Os anciãos cristãos também se beneficiam da direção do espírito santo de Deus.
14 Antes de julgar casos de irmãos cristãos, os anciãos precisam orar pela ajuda do espírito de Jeová e confiar na orientação divina por consultar a Palavra de Deus e as publicações do escravo fiel e discreto. — Mat. 24:45.

Pr 17:9 — Mostre amor e perdoe a ofensa. (w11 15/8 pág. 31 par. 17)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 17:9
9 Quem perdoa uma transgressão promove o amor,
Mas aquele que insiste em falar sobre um assunto separa bons amigos.
A Sentinela (2011) Empenhe-se pela paz
17. O que todos os cristãos podem fazer em favor da paz?
17 A maioria das discórdias entre irmãos não envolve transgressões sérias que exijam uma ação judicativa. Portanto, é elogiável amorosamente desconsiderar os pequenos erros de outros. “Esquecer uma ofensa cria laços de amizade”, diz a Palavra de Deus, e “insistir nela separa os maiores amigos”. (Pro. 17:9, Sociedade Bíblica Portuguesa) Acatar essas palavras nos ajudará a preservar a paz na congregação e uma boa relação com Jeová. — Mat. 6:14, 15.

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)

Pr 17:5 — Como esse texto nos ajuda a decidir com o que vamos nos divertir? (w10 15/11 pág. 6 par. 17; w10 15/11 pág. 31 par. 15)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 17:5
5 Quem zomba do pobre insulta Aquele que o fez,
Quem se alegra com a desgraça dos outros não ficará impune.
A Sentinela (2010) Jovens, sejam guiados pela Palavra de Deus
17. Que perguntas poderá fazer a si mesmo ao escolher entretenimento?
17 Para permanecer leal a Deus quando estiver a sós, você precisa desenvolver suas “faculdades perceptivas . . . para distinguir tanto o certo como o errado” e então treinar essas faculdades “pelo uso” por agir de acordo com o que você sabe ser o certo. (Heb. 5:14) Por exemplo, quanto à sua escolha de música, de filme ou de site na internet, veja a seguir algo que pode ajudá-lo a escolher o que é certo e evitar o que é errado. Pergunte-se: ‘Será que o conteúdo me incentivará a demonstrar terna compaixão ou me influenciará a alegrar-me com “o desastre de outrem”?’ (Pro. 17:5) ‘Será ele de ajuda para eu “amar o que é bom” ou tornará mais difícil “odiar o que é mau”?’ (Amós 5:15) O que você faz quando está a sós revela os valores que você realmente preza. — Luc. 6:45.
A Sentinela (2010) ‘Andaremos na nossa integridade’
15. Por que é errado alegrar-se quando alguém que nos odeia sofre uma calamidade?
15 O justo Jó jamais se alegrava quando alguém que o odiava sofria uma calamidade. Um provérbio posterior alerta: “Quando teu inimigo cai, não te alegres; e quando se faz que tropece, não jubile teu coração, para que Jeová não o veja e seja mau aos seus olhos, e ele certamente faça recuar sua ira contra ele.” (Pro. 24:17, 18) Visto que Jeová pode ler o coração, ele sabe se em secreto nos alegramos com a desgraça alheia e, com certeza, não aprova essa atitude. (Pro. 17:5) Deus pode lidar conosco de acordo com isso, pois ele diz: “Minha é a vingança e a retribuição.” — Deut. 32:35.

Pr 20:25 — Como esse texto pode nos ajudar antes de pedir alguém em namoro ou em casamento? (w09 15/5 págs. 15-16 pars. 12-13)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 20:25
25 É uma armadilha para o homem dizer precipitadamente: “É sagrado!”
E só depois pensar no voto que fez.
A Sentinela (2009) Jovens — tornem manifesto o seu progresso
12. Por que o cristão que pretende se casar deve aplicar o princípio em Provérbios 20:25?
12 Alguns adultos jovens se casam precipitadamente, achando ser essa a solução para a infelicidade, a solidão, o tédio e os problemas em casa. No entanto, a troca de votos conjugais é algo sério. Nos tempos bíblicos, alguns irrefletidamente fizeram votos sagrados, ou santos, sem analisar o que estava envolvido. (Leia Provérbios 20:25.) Nem sempre os adultos jovens consideram com seriedade as exigências do casamento. Mais tarde, descobrem que há muito mais envolvido do que pensavam.
13. Que perguntas devem considerar os que pensam em namorar, e de que bons conselhos dispõem?
13 Assim, antes de iniciar um namoro, pergunte-se: ‘Por que desejo me casar? Que expectativas eu tenho? É essa a pessoa certa para mim? Que contribuição posso dar ao casamento?’ Para ajudá-lo a fazer um exame consciencioso, “o escravo fiel e discreto” já publicou artigos bem específicos a respeito. (Mat. 24:45-47) Encare essas matérias como conselhos de Jeová para você. Avalie com cuidado as informações e aplique-as. Jamais permita se tornar comparável ‘ao cavalo e ao mulo sem entendimento’. (Sal. 32:8, 9) Desenvolva uma compreensão cabal a respeito das exigências do casamento. Se você acha que está pronto para iniciar um namoro, lembre-se sempre de ser ‘exemplo na castidade’. — 1 Tim. 4:12.
14. Como o progresso espiritual pode ajudá-lo caso você venha a se casar?
14 A madureza espiritual resulta também em sucesso depois do casamento. O cristão maduro se esforça em alcançar a “medida da estatura que pertence à plenitude do Cristo”. (Efé. 4:11-14) Ele se empenha arduamente em desenvolver uma personalidade semelhante à de Cristo. Como nosso Exemplo, “Cristo não agradou a si mesmo”. (Rom. 15:3) Quando ambos os cônjuges persistem em buscar, não a sua própria vantagem, mas a do outro, a vida familiar se torna um refúgio de paz e consolo. (1 Cor. 10:24) O marido mostra amor abnegado e a esposa está decidida a ser submissa ao marido assim como Jesus é submisso ao seu Cabeça. — 1 Cor. 11:3; Efé. 5:25.
“Efetua plenamente o teu ministério”
15, 16. Como você pode tornar manifesto seu progresso no ministério?
15 Chamando a atenção à importante designação de Timóteo, Paulo escreveu: “Eu te mando solenemente, perante Deus e Cristo Jesus, . . . prega a palavra, ocupa-te nisso urgentemente.” E acrescentou: “Faze a obra dum evangelizador, efetua plenamente o teu ministério.” (2 Tim. 4:1, 2, 5) Para cumprir essa tarefa, Timóteo tinha de estar “nutrido com as palavras da fé”. — Leia 1 Timóteo 4:6.
16 Como você pode estar “nutrido com as palavras da fé”? Paulo escreveu: “Continua a aplicar-te à leitura pública, à exortação, ao ensino. Pondera estas coisas; absorve-te nelas.” (1 Tim. 4:13, 15) Para haver melhora é preciso estudo pessoal diligente. A expressão “absorve-te” transmite a idéia de mergulhar

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

PROVÉRBIOS 17-21 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS

PROVÉRBIOS 17:3)
“O cadinho é para a prata e o forno de fundição para o ouro, Mas é Jeová quem examina os corações.”
it-3 pp. 395-396 Refinação, refinador
O ouro com freqüência contém prata em várias dosagens. Não se sabe como estes eram separados nos tempos bíblicos, mas uma diferença no método de tratar os dois parece ser indicada em Provérbios 17:3 e 27:21: “O cadinho de refinação é para a prata e o forno de fundição para o ouro.” O ácido nítrico evidentemente só foi descoberto no nono século EC; assim, antes disso o ouro era purificado por outros meios. Por exemplo, caso houvesse chumbo misturado com o ouro, as impurezas podiam ser eliminadas como escória por fundição, ao passo que o ouro era retido pelo chumbo. Daí, pela lenta fervura do chumbo (operação conhecida como copelação), o ouro puro permanecia. Tal processo exige considerável perícia, pois, se a temperatura for elevada demais, ou a fervura rápida demais, o ouro será eliminado junto com o chumbo. O operador aprende a avaliar e a controlar o refino pela cor do metal fundido. (Veja Sal 12:6; Je 6:28-30; Ez 22:18-22.) As Escrituras fazem alusão ao emprego de barrela na refinação da prata. — Mal 3:2, 3.
PROVÉRBIOS 17:9)
“Quem perdoa uma transgressão promove o amor, Mas aquele que insiste em falar sobre um assunto separa bons amigos.”
it-3 p. 666 Tagarelice, calúnia
O tagarela talvez fale a respeito das falhas e dos erros de alguém. Mas, mesmo sendo verdade o que se diz, o tagarela está errado e revela falta de amor. O provérbio diz: “Quem encobre uma transgressão está procurando amor, e aquele que continua falando sobre um assunto separa os que estão familiarizados uns com os outros.” — Pr 17:9.
PROVÉRBIOS 17:10)
“Uma repreensão tem efeito mais profundo em quem tem entendimento Do que bater cem vezes em quem é tolo.”
it-1 p. 817 Entendimento
Por ele ser entendido, está pronto para escutar, discerne a base da repreensão e tira dela maior proveito do que o estúpido tiraria de cem golpes. — Pr 17:10; veja 29:19.
PROVÉRBIOS 17:14)
“Começar uma briga é como abrir uma comporta; Retire-se antes de estourar a discussão.”
g02 8/2 p. 24 A era da raiva e da agressividade — Quais as suas causas?
Frank Donovan, no seu livro Dealing With Anger—Self-Help Solutions for Men (Como Lidar com a Raiva — Soluções de Auto-Ajuda para Homens), recomenda: “Driblar a raiva e a agressividade — ou mais especificamente, sair da cena e se afastar das pessoas quando estiver para explodir — é a melhor estratégia.”
Provérbios 17:14: “O princípio da contenda é como alguém deixando sair águas; portanto, retira-te antes de estourar a altercação.”
ba p. 26 Um livro prático para a vida moderna
“O princípio da contenda é como alguém deixando sair águas; portanto, retira-te antes de estourar a altercação.” (Provérbios 17:14) É sábio retirar-se de uma situação potencialmente explosiva, antes de perder a compostura.
PROVÉRBIOS 17:17)
“O verdadeiro amigo ama em todos os momentos E se torna um irmão em tempos de aflição.”
w11 1/7 p. 8 Uma vida significativa agora e para sempre
PRINCÍPIO BÍBLICO: “O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” — PROVÉRBIOS 17:17.
É bem mais fácil lidar com nossos problemas quando temos com quem desabafar. O filósofo inglês Francis Bacon escreveu que, para quem não tem verdadeiros amigos, “o mundo nada mais é do que um deserto”. Ter amigos verdadeiros — e ser um bom amigo — pode tornar a vida mais fácil de viver; ela pode ser bela e gratificante.
w05 1/8 pp. 6-7 A Bíblia pode ajudá-lo a encontrar alegria
“O verdadeiro companheiro está amando todo o tempo e é um irmão nascido para quando há aflição.” (Provérbios 17:17) Ter alguém para confidenciar sentimentos e receber conselhos pode ser de ajuda para controlar os sentimentos negativos antes que eles nos dominem. Conversar com alguém nos ajuda a ver as coisas de forma positiva e equilibrada. Simone admite: “Conversar com alguém ajuda muito. Você precisa falar sobre o que está sentindo. Muitas vezes, tudo o que precisamos é apenas desabafar.” Fazer isso nos ajudará a experimentar a veracidade do provérbio: “A ansiedade no coração do homem é o que o fará curvar-se, mas a boa palavra é o que o alegra.” — Provérbios 12:25.
PROVÉRBIOS 17:18)
“O homem que não tem bom senso dá um aperto de mão E concorda em ser fiador na presença do seu próximo.”
it-1 p. 269 Atitudes, posturas e gestos
Acordo, Participação. Apertar a mão e bater palmas eram gestos empregados para expressar acordo, ratificação ou confirmação dum contrato ou dum negócio. (Esd 10:19) As Escrituras advertem contra fazer isso para ser fiador dum empréstimo para outra pessoa. (Pr 6:1-3; 17:18; 22:26)
it-1 p. 556 Coração
Outro provérbio diz: “O homem falto de coração [“destituído de senso”, CBC] dá apertos de mão [gesto usado para ratificar um acordo], prestando plena fiança diante do seu companheiro.” (Pr 17:18) Talvez levado pelo sentimentalismo, tal homem entra num acordo que poderá muito bem resultar em perda de dinheiro e em sérias dificuldades econômicas para ele. Embora talvez seja bem-intencionado ou tenha motivação louvável, não obstante revela falta de bom senso.
PROVÉRBIOS 17:19)
“Quem ama a briga ama a transgressão. Quem faz alta a sua porta procura a ruína.”
w93 15/5 p. 30 Evite o espírito soberbo!
Evite o espírito soberbo!
Um sábio provérbio bíblico diz: “Quem faz alta a sua entrada está procurando a derrocada.” (Provérbios 17:19) O que há de errado com uma entrada alta? E qual é a idéia básica deste provérbio?
NOS tempos antigos, não eram incomuns pessoas e bandos de saqueadores a cavalo. Casas não protegidas no campo aberto eram vulneráveis a ladrões. Para impedir o roubo dos seus bens, alguns donos de casa construíam uma muralha com um tipo de portão especial. A muralha era alta, mas o vão do portão era baixo. De fato, alguns não tinham mais de um metro de altura — baixos demais para um cavalo com seu cavaleiro. Aqueles que não faziam baixas as entradas dos seus pátios arriscavam que homens a cavalo entrassem e saqueassem seus bens.
Nas cidades, as entradas nos pátios em geral eram baixas e não atraíam a atenção, não dando nenhum indício da riqueza que talvez houvesse dentro do conjunto murado. Todavia, na Pérsia, uma entrada alta era um dos sinais de realeza, que alguns súditos procuravam imitar a um grande risco. Quem fizesse alto o vão do portão da sua casa expunha-se a ser roubado por ostentar prosperidade.
Provérbios 17:19 mostra assim que aqueles que fazem alta a entrada expõem-se ao desastre por atribuírem a si um valor maior do que realmente têm. Este provérbio talvez aluda também à boca como entrada bem aberta com conversa jactanciosa e arrogante. Tal conversa promove rixa e pode por fim causar um desastre ao orgulhoso. Quão sábio, portanto, é evitar o espírito soberbo!
[Crédito da foto na página 30]
Picturesque Palestine, Sinai and Egypt, Volume 1, do Coronel Wilson (1881)
PROVÉRBIOS 17:22)
“O coração alegre é um bom remédio, Mas o espírito abatido consome as energias da pessoa.”
it-1 p. 737 Doenças e tratamento
As Escrituras reconhecem o princípio psicossomático, embora só em tempos relativamente recentes os pesquisadores médicos em geral se tenham dado conta de que há alguma conexão entre as condições patológicas do corpo e o estado emocional da pessoa. Provérbios 17:22 declara: “O coração alegre faz bem como o que cura, mas o espírito abatido resseca os ossos.” Emoções tais como a inveja, o medo, a cobiça, o ódio e a ambição egoísta são prejudiciais, ao passo que efeitos bons e às vezes terapêuticos são produzidos através do cultivo e da demonstração de amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, brandura e autodomínio — os frutos do espírito de Deus. (Gál 5:22, 23)
g 8/11 p. 29 Sabedoria que faz bem para a saúde
Benefícios similares resultam de um coração alegre. O Dr. Derek Cox, uma autoridade na área da saúde na Escócia, disse numa reportagem à BBC News: “Se você é feliz, provavelmente terá menos doenças físicas do que as pessoas infelizes.” A mesma reportagem disse: “As pessoas mais felizes também têm maior proteção contra problemas como doenças cardíacas e derrames.”
g 8/11 p. 29 Sabedoria que faz bem para a saúde
“O coração alegre serve de bom remédio.” — PROVÉRBIOS 17:22, Almeida, revista e corrigida.
g00 8/8 p. 8 Quando as substâncias químicas causam doenças
Também importante é ter boa disposição mental e senso de humor, além de ser amado e amar. De fato, “amor e risos” é a prescrição que certa médica dá a todos os seus pacientes de MSQ. Sim, “o coração alegre faz bem como o que cura”. — Provérbios 17:22.
g97 22/6 p. 25 Como posso lidar com a minha doença?
Provérbios 17:22 diz: “O coração alegre faz bem como o que cura.” Alguns talvez achem que não é apropriado rir quando a pessoa se depara com uma doença grave. Mas o humor saudável e uma companhia agradável arejam as idéias e aumentam o desejo de viver. Para falar a verdade, a alegria é uma qualidade de Deus, um dos frutos do espírito Dele. (Gálatas 5:22) Esse espírito pode ajudá-lo a se alegrar mesmo que você esteja lutando contra uma doença. — Salmo 41:3.
g94 22/5 pp. 26-27 Ponha humor na sua vida
O humor e a saúde
O humor é muito útil quando usado adequadamente. De fato, aos poucos se acumulam evidências de que o riso talvez tenha até utilidade terapêutica. Sabe-se que rir massageia saudavelmente os órgãos internos. Além disso, segundo a revista American Health, alguns “pesquisadores acham que o riso pode fortalecer o sistema imunológico”. A revista cita então o imunologista Lee S. Berk, atribuindo-lhe a declaração: “As emoções negativas podem afetar o sistema imunológico, e agora parece que as positivas podem fazer algo similar.” Isso sublinha a sabedoria das palavras da Bíblia: “O coração alegre faz bem como o que cura.” — Provérbios 17:22.
w93 15/3 p. 22 Por que o queixoso não é feliz
Conforme disse certa vez o sábio Rei Salomão, “o coração alegre faz bem como o que cura, mas o espírito abatido resseca os ossos”. (Provérbios 17:22) O espírito queixoso esgota-nos emocionalmente e priva-nos da alegria. Reflete pessimismo, não otimismo. Mas aqueles que aprendem a pensar e a falar sobre ‘coisas louváveis’ têm um coração alegre, que até mesmo pode fazê-los sentir-se melhor. — Filipenses 4:8.
g91 8/3 p. 9 Visita a um doente — como ajudá-lo
Não chegue com rosto triste ou solene, ainda que o quadro clínico da doente não pareça bom. “O coração alegre faz bem como o que cura”, afirma o sábio escritor de Provérbios, “mas o espírito abatido resseca os ossos”. (Provérbios 17:22)
PROVÉRBIOS 17:23)
“Quem é mau aceita suborno às escondidas Para perverter o caminho da justiça.”
it-3 p. 647 Suborno
As expressões ‘um suborno tomado do peito’ e “o suborno no peito” podem ser entendidas melhor quando se toma em consideração que, em hebraico, a palavra “peito” pode referir-se também à dobra duma veste, acima do cinto. Portanto, essas expressões indicam que o suborno, pelo visto, era escondido na dobra superior da veste e então dado em secreto a outro que, por sua vez, também o escondia. — Pr 17:23; 21:14; veja DÁDIVAS, PRESENTES.
PROVÉRBIOS 17:24)
“A sabedoria está bem diante de quem tem discernimento, Mas os olhos do tolo vagueiam até os confins da terra.”
it-1 p. 816 Entendimento
A pessoa corretamente motivada procura obter entendimento, não por mera curiosidade ou para se exaltar, mas com o próprio fim de agir com sabedoria; ‘a sabedoria está diante da sua face’. (Pr 17:24; veja SABEDORIA.)
it-3 p. 128 Olho
Diz-se que o estúpido tem seus olhos “na extremidade da terra”, perambulando cá e acolá sem nenhum objeto fixo, seus pensamentos estando em toda a parte, exceto onde deviam estar. (Pr 17:24)
w06 15/9 p. 19 Destaques do livro de Provérbios
17:24. Diferentemente do “estúpido”, cujos olhos e mente vagueiam em vez de focalizarem coisas importantes, devemos buscar entendimento a fim de agirmos com sabedoria.
PROVÉRBIOS 17:27)
“O homem de conhecimento controla as suas palavras, E o homem de discernimento mantém a calma.”
w97 15/3 p. 14 par. 9 Incline seu coração ao discernimento
9 Se ficarmos irados, o discernimento pode indicar-nos que devemos ficar quietos para evitar uma conflagração. Provérbios 17:27 diz: “Quem refreia as suas declarações é possuído de conhecimento e o homem de discernimento é de espírito frio.” O discernimento e o amor fraternal nos ajudarão a compreender a necessidade de controlar o impulso de, sem pensar, falar algo que possa magoar. Se já houve uma explosão de ira, o amor e a humildade nos induzirão a pedir desculpas e a reparar o dano. Mas, suponhamos que alguém nos tenha ofendido. Neste caso, falemos com ele em particular, de forma branda e humilde, com o objetivo principal de promover a paz. — Mateus 5:23, 24; 18:15-17.
PROVÉRBIOS 18:1)
“Quem se isola busca seus desejos egoístas; Rejeita toda a sabedoria prática.”
it-3 p. 481 Sabedoria
Quem se isola, seguindo seu próprio estreito conceito sobre a vida e seus próprios desejos egoístas, por fim sai numa tangente, contrário a toda a sabedoria prática. — Pr 18:1.
w12 1/6 p. 8 Prática para os nossos dias
A Bíblia também avisa: “Quem se isola procurará o seu próprio desejo egoísta; estourará contra toda a sabedoria prática.” (Provérbios 18:1)
w12 1/6 p. 8 Prática para os nossos dias
Um estudo de dez anos na Austrália mostrou que idosos com “um bom círculo de amigos e confidentes” tinham maiores chances de viver mais.
PROVÉRBIOS 18:9)
“Quem é preguiçoso no seu trabalho É irmão de quem causa destruição.”
it-2 p. 421 Irmão
Companheiros com índole e disposição semelhantes, mesmo se forem más, são corretamente chamados de irmãos. — Pr 18:9.
PROVÉRBIOS 18:10)
“O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.”
it-2 p. 159 Fortificações
Usos Simbólicos. Visto que as torres no ermo eram os lugares mais seguros de refúgio num raio de quilômetros ao redor, podemos ver quão apropriado é Provérbios 18:10: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.”
it-3 p. 101 Nome
Portanto, a garantia dada por Jeová no Salmo 91:14 aplica-se a tais pessoas: “Protegê-lo-ei por ele ter chegado a conhecer meu nome.” O nome em si não é uma fórmula mágica, mas Aquele que tem este nome pode dar proteção ao seu povo devoto. De modo que o nome representa o próprio Deus. É por isso que o provérbio diz: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” (Pr 18:10) Isto é o que fazem aqueles que lançam seu fardo sobre Jeová. (Sal 55:22)
it-3 p. 349 Provérbios, Livro de
Quem ‘se refugia’ no nome de Jeová (entendendo e reconhecendo este nome em tudo o que representa) verificará que é como uma torre forte, para a qual, nos tempos antigos, as pessoas fugiam em busca de segurança diante do inimigo. — Pr 18:10; 29:25.
w14 1/11 p. 6 Devemos ter medo do Diabo?
Provérbios 18:10 diz: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” É claro que isso não significa que o nome de Deus em si seja um amuleto da sorte. Mas, se realmente honramos o nome de Deus, podemos sempre recorrer a ele em busca de proteção.
cl cap. 7 p. 70 par. 8 Poder protetor — ‘Deus é para nós um refúgio’
Provérbios 18:10 diz: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” Nos tempos bíblicos, às vezes se construíam torres nos lugares desabitados como locais de refúgio. Mas cabia a quem estivesse em perigo fugir até a torre em busca de segurança. É similar no caso de encontrar refúgio no nome de Deus. Isso envolve mais do que apenas repeti-lo; o nome divino em si não é um talismã. Em vez disso, temos de conhecer o Portador desse nome, confiar Nele e viver de acordo com os seus padrões justos. Quanta bondade da parte de Jeová em nos garantir que, se o buscarmos com fé, ele se tornará uma torre de proteção para nós!
w04 15/8 pp. 17-18 par. 4 Jeová é o nosso ‘baluarte em tempos de aflição’
4 Em harmonia com a oração de Jesus, Jeová realmente vigia sobre nós. Ele é o nosso “baluarte no tempo da aflição”. (Salmo 37:39) O livro de Provérbios usa palavras similares quando diz: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” (Provérbios 18:10) Esse texto revela uma verdade básica a respeito da preocupação amorosa de Jeová com as suas criaturas. Deus oferece proteção especialmente aos justos que o buscam de modo ativo, como que correndo para se abrigar dentro de uma torre forte.
be p. 274 par. 6-p. 275 par. 2 A mensagem que devemos divulgar
O nome de Deus é “uma torre forte”. Quem realmente conhece a Jeová desfruta de grande proteção. Isso não acontece simplesmente porque a pessoa usa o nome pessoal de Deus ou consegue enumerar algumas de suas qualidades, mas porque realmente confia em Jeová. Fazendo alusão a pessoas assim, Provérbios 18:10 declara: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.”
Aproveite bem toda oportunidade que tiver para exortar as pessoas a confiar em Jeová. (Sal. 37:3; Pro. 3:5, 6) Essa confiança mostra que temos fé nele e em suas promessas. (Heb. 11:6) A Palavra de Deus garante que quem “invocar o nome de Jeová” por saber que ele é o Soberano do Universo, por amar seu modo de agir e por acreditar plenamente que ele é a única fonte de salvação, será salvo. (Rom. 10:13, 14) Ao ensinar outras pessoas, ajude-as tanto a desenvolver como a demonstrar esse tipo de fé em cada faceta da vida.
Muitos enfrentam problemas bastante difíceis e, às vezes, não conseguem ver a saída. Exorte-os a aprender a vontade de Jeová, a confiar nele e a pôr em prática o que aprendem. (Sal. 25:5) Incentive-os a orar fervorosamente pela ajuda de Deus e a agradecer-lhe pelas bênçãos que recebem. (Fil. 4:6, 7) Quando realmente conhecerem a Jeová, não pelo simples fato de lerem algumas passagens bíblicas, mas por constatarem o cumprimento das promessas divinas em sua própria vida, passarão a desfrutar da segurança obtida por quem compreende bem o que o nome de Jeová representa. — Sal. 34:8; Jer. 17:7, 8.
w98 1/9 p. 10 pars. 9-10 Fique a salvo como parte da organização de Deus
9 A organização visível de Jeová também dá proteção. Como? Lemos em Provérbios 18:10: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” Isto não significa que a mera repetição do nome de Deus dê proteção. Antes, refugiar-nos no nome de Deus significa que confiamos no próprio Jeová. (Salmo 20:1; 122:4) Significa apoiar sua soberania, apoiar suas leis e seus princípios, e ter fé nas suas promessas. (Salmo 8:1-9; Isaías 50:10; Hebreus 11:6) Inclui dar a Jeová devoção exclusiva. Apenas os que adoram a Jeová deste modo podem dizer junto com o salmista: “Nele [em Jeová] se alegra o nosso coração; porque depositamos a nossa confiança no seu santo nome.” — Salmo 33:21; 124:8.
10 Agora, todos na organização visível de Deus dizem assim como Miquéias: “Nós, da nossa parte, andaremos no nome de Jeová, nosso Deus, por tempo indefinido, para todo o sempre.” (Miquéias 4:5) A atual organização gira em torno do “Israel de Deus”, que na Bíblia é chamado de “povo para o seu nome”. (Gálatas 6:16; Atos 15:14; Isaías 43:6, 7; 1 Pedro 2:17) Portanto, fazer parte da organização de Jeová significa fazer parte dum povo que procura e recebe proteção no nome de Deus.
w98 15/12 p. 30 Lembra-se?
□ Em que sentido pode-se dizer que “o nome de Jeová é uma torre forte?” (Provérbios 18:10) Refugiar-se no nome de Deus significa confiar no próprio Jeová. (Salmo 20:1; 122:4) Significa apoiar sua soberania, apoiar suas leis e seus princípios, ter fé nas suas promessas e dar-lhe devoção exclusiva. (Isaías 50:10; Hebreus 11:6) — 1/9, página 10.
w94 1/2 p. 19 “O nome de Jeová é uma torre forte”
Os Proclamadores do Reino Relatam
“O nome de Jeová é uma torre forte”
VIVEMOS em tempos instáveis. Nossa vida aparentemente estável pode mudar da noite para o dia, e, sem aviso, alguns se vêem em grande perigo antes de se aperceberem disso. O perigo pode proceder de levantes políticos, dum assaltante violento, de catástrofe natural ou duma grave doença. Qualquer que seja o caso, a que deve recorrer o cristão quando corre risco de vida?
David, um missionário que mora em uma das congêneres da Sociedade Torre de Vigia, aprendeu a resposta a esta pergunta por meio duma experiência aterrorizadora. Sendo motorista, certa manhã ele deixou a congênere para apanhar alguns betelitas que trabalham em Betel mas não moram ali. Ainda estava escuro. Ele já havia apanhado Rosalía e passava em frente à delegacia de polícia quando ouviu o primeiro tiro.
Daí tudo aconteceu rapidamente. Ele ouviu um barulho igual ao de um rojão e notou que saía ar de um dos pneus. Subitamente, viu um soldado no meio da via apontando um fuzil para ele. Aconteceram três coisas quase que simultaneamente: uma rajada de tiros crivou a lateral do jipe, estilhaçando os vidros; David e Rosalía abaixaram-se rapidamente; o soldado atirou no pára-brisa na altura dos olhos.
Mesmo debaixo de uma saraivada de balas, David, ainda abaixado, brecou o veículo da melhor maneira possível. Tanto David como Rosalía achavam que iam morrer. Eles oravam em voz alta a Jeová, pedindo-lhe que cuidasse deles. Rosalía mais tarde disse que naqueles momentos ela estava imaginando como sua família reagiria quando soubesse de sua morte!
Ainda vivos!
O barulho dos tiros e de vidro estilhaçado finalmente parou, e David olhou para Rosalía. Quando ele viu uma pequena mancha redonda de sangue nas costas dela, seu coração quase parou. Mas um pedaço de vidro, não uma bala, tinha se encravado ali. Os joelhos dela sangravam devido aos cortes feitos por pedaços de vidro, mas no mais ela parecia bem.
Homens de uniformes militares, com faixas brancas no braço, aproximaram-se do jipe e ordenaram que saíssem com as mãos para o alto. O que parecia ter uma patente mais elevada dirigiu-se a um soldado e disse: “Vocês receberam ordens de não atirar em civis.” O soldado tentou justificar-se dizendo que ouviu tiros e achava que tinham vindo do jipe.
Quando David identificou Rosalía e a si mesmo como Testemunhas de Jeová, a reação foi favorável. Ele explicou o que estivera fazendo, mas os soldados ainda queriam detê-los. Aparentemente, uma facção militar preparara um golpe de estado de manhã, e esses soldados tentavam tomar a delegacia quando David e Rosalía passaram no jipe.
Rosalía estava bem abalada, mas corajosamente manteve-se calma enquanto David pedia insistentemente para serem libertados. Por fim, deixaram-nos ir embora — sem o jipe. Tiveram de andar até uma avenida próxima e pegar um ônibus para chegar à congênere, onde Rosalía recebeu cuidados no ambulatório médico.
O poder da oração
David aprendeu algo desta experiência — nunca subestimar o poder da oração fervorosa, e nunca se esquecer de que identificar-se corajosamente como uma das Testemunhas de Jeová é muitas vezes uma proteção. Pode ser literalmente veraz que “o nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção”. — Provérbios 15:29; 18:10; Filipenses 4:6.
[Crédito da foto na página 19]
Fotografía de Publicaciones Capriles, Caracas, Venezuela
rs p. 141 par. 3 Espiritismo
Pro. 18:10: “O nome de Jeová é uma torre forte. O justo corre para dentro dela e recebe proteção.” (Isto não significa que o uso do nome pessoal de Deus sirva de encantamento para afastar o mal. O “nome” de Jeová representa a própria Pessoa dele. Somos protegidos quando chegamos a conhecê-lo e depositamos plena confiança nele, sujeitando-nos à autoridade dele e obedecendo os seus mandamentos. Se fizermos isso, então, quando o invocarmos por ajuda, usando seu nome pessoal, ele proverá a proteção que prometeu em sua Palavra.)
PROVÉRBIOS 18:11)
“A riqueza do rico é a sua cidade fortificada; Na sua imaginação ela é como uma muralha protetora.”
g 4/09 p. 6 ‘Tenho muito que fazer!’
UMA MURALHA IMAGINÁRIA
“As coisas valiosas do rico são a sua vila fortificada, e na sua imaginação são como uma muralha protetora.” (Provérbios 18:11) Nos tempos antigos, as pessoas dependiam de muralhas para se proteger contra ataques. Mas imagine-se vivendo numa cidade cercada por uma muralha que existe apenas em sua mente. Por mais que tente se convencer de que a muralha existe, ficará decepcionado porque não será protegido contra seus inimigos.
Os jovens que buscam riquezas encontram-se numa situação similar. Você tem filhos? Se tiver, fará bem em ajudá-los a evitar a armadilha do materialismo, ou seja, a não morar numa cidade com uma muralha imaginária.
w01 15/6 p. 8 Como poderá manter um conceito equilibrado sobre o dinheiro?
A Palavra de Deus diz: “As coisas valiosas do rico são a sua vila fortificada, e na sua imaginação são como uma muralha protetora.” (Provérbios 18:11) Deveras, em última análise, a segurança que as riquezas podem dar é apenas imaginária e até enganosa. É errado fazermos nossa vida girar em torno delas, em vez de em obter a aprovação de Deus.
w92 15/7 p. 15 par. 7 Rejeite as fantasias mundanas, empenhe-se pelas realidades do Reino
7 As riquezas materiais podem facilmente enganar-nos. É por isso que se nos diz: “As coisas valiosas do rico são a sua vila fortificada, e na sua imaginação são como uma muralha protetora.” (Provérbios 18:11) Sim, apenas “na sua imaginação”, porque as riquezas materiais pouco protegem em épocas de inflação galopante, de colapso econômico, de reviravolta política ou de doença terminal. Jesus Cristo advertiu contra a tolice de se depositar confiança nas riquezas materiais. (Lucas 12:13-21) Temos também as palavras de aviso do apóstolo Paulo: “O amor ao dinheiro é raiz de toda sorte de coisas prejudiciais, e alguns, por procurarem alcançar este amor, foram desviados da fé e se traspassaram todo com muitas dores.” — 1 Timóteo 6:10.
PROVÉRBIOS 18:12)
“Antes da queda, o coração do homem é arrogante; E antes da glória há humildade.”
it-2 p. 354 Humildade
A humildade guia a pessoa na vereda certa e a leva à glória, porque é Deus quem exalta este e rebaixa aquele. (Sal 75:7) “Antes da derrocada, o coração do homem é soberbo, e antes da glória há humildade.” (Pr 18:12; 22:4) Portanto, quem busca a glória pela soberba fracassará, assim como o Rei Uzias, de Judá, que se tornou presunçoso e ilicitamente usurpou deveres sacerdotais: “Assim que ficou forte, ensoberbeceu-se o seu coração a ponto de causar a ruína, de modo que agiu de maneira infiel contra Jeová, seu Deus, e entrou no templo de Jeová para queimar incenso sobre o altar do incenso.” Quando se enfureceu porque os sacerdotes o corrigiram, ele foi atacado de lepra. (2Cr 26:16-21) A falta de humildade desencaminhou a Uzias, resultando na sua queda.
it-2 p. 356 Humildade
A pretensa humildade pode na realidade resultar em levar alguém a se tornar soberbo, porque talvez tenda a pensar que é justo por mérito próprio; ou talvez ele ache que está alcançando seus objetivos, não se dando conta de que não pode enganar a Jeová. Caso ele fique soberbo, com o tempo será humilhado dum modo de que não gostará. Será rebaixado, e isto pode resultar na sua própria destruição. — Pr 18:12; 29:23.
PROVÉRBIOS 18:13)
“Responder antes de ouvir os fatos É tolice e resulta em humilhação.”
w99 15/3 pp. 16-17 par. 4 Ensine com perspicácia e com persuasão
4 É especialmente importante que os anciãos cristãos sejam bons ouvintes. Só assim podem realmente ‘saber como responder a cada um’. (Colossenses 4:6) Provérbios 18:13 adverte: “Quando alguém replica a um assunto antes de ouvi-lo, é tolice da sua parte e uma humilhação.” Certa vez, dois irmãos bem-intencionados deram a uma irmã conselho sobre o mundanismo, por ela ter perdido algumas reuniões. A irmã ficou muito magoada por não lhe terem perguntado por que ela não esteve nas reuniões. Ela se estava recuperando duma recente cirurgia. Então, como é importante que escutemos antes de dar conselho!
PROVÉRBIOS 18:14)
“O espírito do homem pode sustentá-lo na sua doença, Mas quem pode suportar o espírito abatido?”
g97 22/6 p. 25 Como posso lidar com a minha doença?
Atitude mental positiva
Para lidar bem com qualquer doença é preciso ter uma atitude positiva. A Bíblia diz: “O espírito do homem pode agüentar a sua enfermidade; mas, quanto ao espírito abatido, quem o pode suportar?” (Provérbios 18:14) Pensamentos e sentimentos sombrios, pessimistas, tornam a cura mais difícil. Jason descobriu que isso é verdade.
No início ele teve de lutar contra sentimentos negativos, como a ira, que o estavam deixando muito deprimido. O que ajudou? Ele explica: “Os artigos sobre depressão em A Sentinela e Despertai! realmente me ajudaram a manter uma atitude positiva. Agora tento viver um dia por vez.”
Carmen, de 17 anos, também aprendeu a ver o lado bom das coisas. Embora sofra de anemia da célula falciforme, ela pensa nas coisas boas que tem. “Penso nos outros que estão em situação pior do que eu e que não podem fazer as coisas que eu posso”, diz ela. “Assim, sinto-me grata e não fico com tanta pena de mim mesma.”
g91 22/11 p. 6 A Bíblia já combatia a doença antes da ciência
Vale a pena ponderar sobre o capítulo 18, versículo 14, de Provérbios: “O espírito do homem pode agüentar a sua enfermidade; mas, quanto ao espírito abatido, quem o pode suportar?” Este texto sugere que a capacidade da pessoa de suportar determinado grau de doença (moléstia) física pode ser aumentada por apoiar-se em suas forças espirituais.
PROVÉRBIOS 18:15)
“O coração de quem tem entendimento adquire conhecimento, E o ouvido dos sábios busca o conhecimento.”
w04 15/10 p. 14 par. 4 “Percorre o país”
4 A Palavra de Deus comenta: “O coração do entendido adquire conhecimento e o ouvido dos sábios procura achar conhecimento.” (Provérbios 18:15) Podemos obter conhecimento sobre muitos assuntos, mas o conhecimento exato a respeito de Jeová Deus e da sua maneira de agir é o mais importante. Certamente, o que lemos na Bíblia é essencial para obter esse conhecimento. (2 Timóteo 3:16) No entanto, note que é preciso ter entendimento. Trata-se da capacidade de compreender um assunto e de discernir o que está envolvido nele por entender a relação entre suas partes e o conjunto.
PROVÉRBIOS 18:17)
“O primeiro a apresentar a sua causa parece estar certo, Até que vem a outra parte e o interroga.”
w11 15/8 p. 30 pars. 11-12 Empenhe-se pela paz
Mas outro provérbio alerta: “O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione.” (Pro. 18:17, Nova Versão Internacional) O ancião deve ouvir bondosamente, mas precisa cuidar para não tomar o lado da pessoa que conta o problema. Após ouvir o assunto, é provável que ele pergunte se o ofendido falou com a pessoa que causou o mal-estar. O ancião talvez recapitule também os passos bíblicos que o ofendido pode dar em favor da paz.
12 Três exemplos da Bíblia salientam o perigo de agir precipitadamente depois de ouvir apenas um lado duma controvérsia. Potifar acreditou quando sua esposa lhe disse que José tentou violentá-la. Com ira injustificada, ele mandou prender José. (Gên. 39:19, 20) O Rei Davi acreditou em Ziba, que disse que seu amo, Mefibosete, havia passado para o lado dos inimigos de Davi. “Eis que é teu tudo o que pertence a Mefibosete” foi a resposta precipitada de Davi. (2 Sam. 16:4; 19:25-27) Disseram ao Rei Artaxerxes que os judeus estavam reconstruindo as muralhas de Jerusalém e estavam prestes a se rebelar contra o Império Persa. O rei acreditou nesse relato falso e mandou parar a obra de reconstrução em Jerusalém. Com isso, os judeus interromperam a obra no templo de Deus. (Esd. 4:11-13, 23, 24) Os anciãos cristãos sensatamente seguem o conselho de Paulo a Timóteo, de não fazer julgamentos prematuros. — Leia 1 Timóteo 5:21.
PROVÉRBIOS 18:19)
“Um irmão ofendido é mais inacessível do que uma cidade fortificada, E há disputas que são como as trancas de uma fortaleza.”
it-3 p. 454 Rixa
As contendas entre aqueles que outrora usufruíam um relacionamento fraterno podem representar uma barreira quase intransponível para a reconciliação. “Um irmão contra quem se transgride é mais do que uma vila fortificada; e há contendas que são como a tranca duma torre de habitação.” — Pr 18:19.
w06 15/9 p. 18 Destaques do livro de Provérbios
18:19 — De que modo “um irmão contra quem se transgride é mais do que uma vila fortificada”? Como uma forte cidade sob cerco, tal pessoa talvez resista firmemente a perdoar erros. A desavença entre ela e o transgressor pode com facilidade tornar-se uma barreira como “a tranca duma torre de habitação”.
w94 1/2 p. 32 “Mais do que uma vila fortificada”
“Mais do que uma vila fortificada”
“NA PROPORÇÃO atual, cerca de 40% das crianças dos EUA presenciarão o rompimento do casamento dos pais antes de chegarem aos 18 anos.” (Science, 7 de junho de 1991) Que estatística alarmante! Por que acontece isto?
O juiz de vara de família e de juízo de órfãos e sucessões Edward M. Ginsburg, numa entrevista para o The Boston Globe, expressou seu conceito. Ele disse: “Somos uma sociedade egoísta. Queremos para ‘mim’. Perguntamos: ‘Que vantagem levo nisso agora?’ Desejamos gratificação imediata.”
Tal egoísmo imaturo resulta em amargura e conflito no casamento. O juiz Ginsburg diz que quando os casais finalmente chegam ao tribunal, o marido e a esposa querem vindicar-se. Querem que alguém lhes diga que estão certos e seu parceiro errado. Desejam alguém que diga: “Você venceu a batalha.”
Suas palavras lembram-nos o provérbio inspirado: “Um irmão contra quem se transgride é mais do que uma vila fortificada.” (Provérbios 18:19) Sim, quando surgem contendas no casamento, os envolvidos podem ser desarrazoados e inflexíveis. Em muitos casos, recusam-se obstinadamente a fazer concessões, como “uma vila fortificada” sob sítio.
Será que tem de ser assim? Não, há uma alternativa. Os casamentos são fortes e duradouros quando ambos os cônjuges, desde o início, acatam as palavras do apóstolo Paulo: “Tornai-vos benignos uns para com os outros, ternamente compassivos, perdoando-vos liberalmente uns aos outros, assim como também Deus vos perdoou liberalmente por Cristo.” (Efésios 4:32) É fácil cultivar tais qualidades? Nem sempre. Mas até que ponto é fácil o divórcio? Até que ponto são dolorosos os fardos emocionais e financeiros de um casamento rompido? E que dizer dos filhos, que muitas vezes levam as cicatrizes do divórcio dos pais pela vida afora?
É muito melhor que ambos os cônjuges empenhem-se para preservar o casamento e não sejam intransigentes um com o outro, como “uma vila fortificada”. O conselho de Paulo aos cristãos aplica-se especialmente aos casados: “Revesti-vos de amor, pois é o perfeito vínculo de união.” — Colossenses 3:14.
[Crédito da foto na página 32]
The Complete Encyclopedia of Illustration/J. G. Heck
PROVÉRBIOS 18:21)
“Morte e vida estão no poder da língua; Os que gostam de usá-la comerão os seus frutos.”
it-3 p. 785 Vida
Para resguardar a vida por guardar o coração é preciso controlar a língua. “Morte e vida estão no poder da língua, e quem a ama comerá os seus frutos.” (Pr 18:21) O motivo disso foi explicado por Jesus: “As coisas procedentes da boca saem do coração, e estas coisas aviltam o homem.” (Mt 15:18; Tg 3:5-10) Mas pelo uso correto da língua para louvar a Deus e para falar coisas corretas, continua-se no caminho da vida. — Sal 34:12-14; 63:3; Pr 15:4.
w00 1/3 p. 17 “Buscai a Jeová e a sua força”
O poder de ferir e o poder de curar
14 Nem todo o poder que temos procede diretamente de Deus. Por exemplo, a língua é pequena, mas tem o poder de ferir e também de curar. “Morte e vida estão no poder da língua”, adverte Salomão. (Provérbios 18:21) O resultado da curta conversa de Satanás com Eva mostra quanto estrago se pode causar com palavras. (Gênesis 3:1-5; Tiago 3:5) Nós também podemos causar muito dano com a língua. Observações depreciativas a respeito do peso duma mocinha podem induzi-la à anorexia. A repetição irrefletida de alguma calúnia pode estragar uma amizade de longa duração. Deveras, a língua precisa ser controlada.
PROVÉRBIOS 18:24)
“Alguns amigos estão prontos para acabar um com o outro, Mas há um amigo que se apega mais do que um irmão.”
g96 8/2 p. 7 Confiar ou não confiar?
O escritor do livro bíblico de Provérbios reconhece que “há companheiros dispostos a se fazerem mutuamente em pedaços”, isto é, pessoas que tentarão explorar a sua confiança. O mundo está cheio delas. Mas dê aos outros tempo e oportunidade de demonstrar que são dignos de confiança. Assim, você encontrará amigos que, de fato, ‘se apegarão mais do que um irmão’. — Provérbios 18:24.
PROVÉRBIOS 19:3)
“É a tolice do homem que distorce o seu caminho, E o seu coração fica furioso com Jeová.”
w13 15/8 pp. 10-14 Nunca fique ‘furioso com Jeová’
Nunca fique ‘furioso com Jeová’
“É a tolice do homem terreno que deturpa seu caminho, e por isso seu coração fica furioso com o próprio Jeová.” — PRO. 19:3.
COMO RESPONDERIA?
O que poderia nos levar a ficar ‘furiosos com Jeová’?
Cite cinco fatores que podem nos ajudar a não ficar furiosos com Deus.
De que devemos nos lembrar quando enfrentamos problemas difíceis?
DIGAMOS que você seja um homem que há muitos anos tem um casamento feliz. Mas, certo dia, ao voltar para casa, você vê que tudo ali está arruinado. Os móveis e as louças foram quebrados e o carpete totalmente estragado. Seu querido lar tornou-se um caos. Será que você logo diria: “Por que minha esposa fez isso?” Ou é mais provável que perguntasse: “Quem fez isso?” Sem dúvida, é a segunda pergunta que de imediato viria à sua mente. Por quê? Porque você sabe que sua amada esposa nunca seria capaz de um ato injustificado de vandalismo como esse.
2 Hoje, vemos o lar da humanidade arruinado por poluição, violência e imoralidade. Como estudantes da Bíblia, sabemos que é impossível que Jeová seja o causador de todos esses problemas. Ele criou este planeta para ser um agradável paraíso. (Gên. 2:8, 15) Jeová é um Deus de amor. (1 João 4:8) Nosso estudo das Escrituras nos ajudou a identificar o verdadeiro causador de muitas das dificuldades do mundo. Não é nenhum outro senão Satanás, o Diabo, “o governante do mundo”. — João 14:30; 2 Cor. 4:4.
3 No entanto, não podemos culpar a Satanás por todas as nossas aflições. Por que não? Porque alguns de nossos problemas resultam de nossos próprios erros. (Leia Deuteronômio 32:4-6.) Mesmo que reconheçamos isso, nossa natureza imperfeita pode distorcer nosso modo de pensar e nos levar a um proceder que por fim leve ao desastre. (Pro. 14:12) De que maneira? Em vez de culpar a nós mesmos ou a Satanás por um problema, poderíamos passar a culpar a Jeová. Poderíamos até mesmo ‘ficar furiosos com Jeová’. — Pro. 19:3.
4 É mesmo possível ficarmos ‘furiosos com Jeová’? Fazer isso com certeza seria inútil. (Isa. 41:11) O que esperaríamos ganhar? Um poeta disse certa vez: “Seu braço é curto demais para boxear com Deus.” Talvez nunca cheguemos a ponto de expressar uma queixa contra Jeová. Mas Provérbios 19:3 diz que a tolice de um homem “deturpa seu caminho, e por isso seu coração fica furioso com o próprio Jeová”. De fato, é possível ficar furioso com Deus no coração. Essa atitude poderia se manifestar de maneiras sutis. A pessoa poderia, por assim dizer, guardar rancor contra Jeová. Em resultado, ela talvez se afaste da congregação ou não apoie plenamente os arranjos para a adoração de Jeová.
5 O que poderia nos levar a ficar ‘furiosos com Jeová’? Como podemos evitar essa armadilha? É essencial sabermos as respostas a essas perguntas. Isso envolve a nossa relação com Jeová Deus.
O QUE PODERIA NOS LEVAR A FICAR ‘FURIOSOS COM JEOVÁ’?
6 O que poderia levar o coração de um servo fiel de Jeová a se queixar dele? Vejamos cinco fatores e analisemos exemplos bíblicos que mostram como alguns no passado caíram nessa armadilha. — 1 Cor. 10:11, 12.
7 A conversa negativa de outros pode nos influenciar. (Leia Deuteronômio 1:26-28.) Os israelitas tinham acabado de ser libertados da escravidão no Egito. Jeová havia milagrosamente trazido dez pragas contra aquela nação opressiva e depois destruído Faraó e seu exército no mar Vermelho. (Êxo. 12:29-32, 51; 14:29-31; Sal. 136:15) O povo de Deus estava prestes a entrar na Terra Prometida. Mas, naquele momento decisivo, os israelitas começaram a queixar-se de Jeová. O que levou a essa falta de fé? Eles ficaram amedrontados por causa do relatório negativo de alguns que haviam sido enviados para espionar a terra. (Núm. 14:1-4) Qual foi o resultado? Uma geração inteira não teve permissão de entrar naquela “boa terra”. (Deut. 1:34, 35) Que dizer de nós? Será que pode acontecer, vez por outra, de permitirmos que a conversa negativa de outros enfraqueça a nossa fé e nos leve a murmurar contra os tratos de Jeová conosco?
8 Aflições e dificuldades podem nos desanimar. (Leia Isaías 8:21, 22.) Nos dias de Isaías, a nação de Judá se encontrava em apuros. Estava cercada de inimigos. A comida era escassa. Muitos passavam fome. O mais grave, porém, é que havia fome espiritual. (Amós 8:11) Mas, em vez de buscarem a ajuda de Jeová para lidar com essas aflições, eles começaram a ‘invocar o mal’ contra o seu rei e o seu Deus. Eles culparam a Jeová por seus problemas. Se formos afligidos por causa de uma tragédia ou de problemas pessoais, será que também diremos no coração: ‘Onde estava Jeová quando precisei dele?’
9 Não sabemos todos os fatos. Por não terem todos os fatos, os israelitas nos dias de Ezequiel achavam que o caminho de Jeová ‘não era acertado’. (Eze. 18:29) É como se eles tivessem se constituído juízes de Deus, colocando seus próprios padrões de justiça acima dos de Jeová e julgando-o à base de seu entendimento limitado dos acontecimentos. Se às vezes não entendemos bem um relato bíblico ou como as coisas acontecem na nossa vida, será que achamos no coração que o caminho de Jeová é injusto, ‘não acertado’? — Jó 35:2.
10 Nós culpamos outros pelos nossos próprios pecados e erros. Bem no início da história humana, Adão culpou a Deus pelo seu próprio pecado. (Gên. 3:12) Embora Adão tenha violado a lei de Deus deliberadamente e com pleno conhecimento das consequências, ele culpou a Jeová. Ele insinuou que Jeová lhe tinha dado uma má esposa. Desde aquele tempo, outros têm seguido o exemplo de Adão de culpar a Deus por seus próprios erros. É bom nos perguntar: ‘Será que o desapontamento e a frustração causados pelos meus erros poderiam me levar a ficar descontente com as normas de Jeová?’
11 Nós nos tornamos egocêntricos. O profeta Jonas teve dificuldade de aceitar a decisão de Jeová de estender misericórdia aos ninivitas. (Jonas 4:1-3) Por quê? Pelo visto ele ficou preocupado demais em salvar as aparências quando sua proclamação de destruição não se confirmou. Jonas se preocupou tanto com sua reputação que deixou que isso ofuscasse a compaixão que deveria ter tido pelos ninivitas arrependidos. Poderíamos nós da mesma forma nos tornar tão egocêntricos a ponto de ficarmos ‘furiosos com Jeová’ por ainda não ter trazido o fim? Se há décadas pregamos que o dia de Jeová está próximo, será que poderíamos começar a ficar impacientes com Jeová quando outros nos criticam por proclamarmos o que a Bíblia diz? — 2 Ped. 3:3, 4, 9.
COMO EVITAR FICAR ‘FURIOSO COM JEOVÁ’
12 O que podemos fazer se nosso coração pecaminoso começar a questionar algumas atividades de Jeová? Lembre-se de que isso seria insensato. Outra tradução de Provérbios 19:3 diz: “A ignorância do homem atrapalha seus assuntos e ele logo culpa a Jeová.” (Byington) Com isso em mente, consideremos agora cinco fatores que nos ajudarão a nunca permitir que as frustrações da vida nos façam culpar a Jeová.
13 Não negligencie sua relação com Jeová. Podemos evitar a tendência imperfeita de ficarmos furiosos com Deus se mantivermos uma relação achegada com ele. (Leia Provérbios 3:5, 6.) Precisamos confiar em Jeová. É preciso também evitar nos tornar sábios aos nossos próprios olhos ou nos tornar egocêntricos. (Pro. 3:7; Ecl. 7:16) Assim, será menos provável culparmos a Jeová quando coisas ruins acontecerem.
14 Não permita que conversa negativa o afete. Os israelitas nos dias de Moisés tinham muitos motivos para acreditar que Jeová os conduziria à Terra Prometida. (Sal. 78:43-53) Mas, quando receberam o relatório negativo dos dez espias infiéis, eles ‘não se lembraram da mão’ de Jeová. (Sal. 78:42) Se meditarmos nas atividades de Jeová, lembrando-nos de todas as boas coisas que ele tem feito por nós, fortaleceremos nossa relação com ele. Em resultado, não permitiremos que ideias negativas de outros criem uma barreira entre nós e Jeová. — Sal. 77:11, 12.
15 E se tivermos uma atitude negativa para com nossos irmãos? Nesse caso, nossa relação com Jeová poderá ficar afetada. (1 João 4:20) Quando os israelitas questionaram a designação e o cargo de Arão, Jeová encarou isso como se estivessem resmungando contra Ele. (Núm. 17:10) Da mesma forma, se começarmos a resmungar contra os que Jeová usa para dirigir a parte terrestre de sua organização, poderemos indiretamente estar nos queixando de Jeová. — Heb. 13:7, 17.
16 Lembre-se de que Jeová não é o causador de nossos problemas. Embora os israelitas nos dias de Isaías tivessem se afastado de Jeová, Ele ainda desejava ajudá-los. (Isa. 1:16-19) Não importa que problemas tenhamos, podemos encontrar consolo em saber que Jeová se importa conosco e quer nos ajudar. (1 Ped. 5:7) De fato, ele promete nos dar a força necessária para perseverarmos. — 1 Cor. 10:13.
17 Se estamos sofrendo alguma injustiça — assim como o fiel Jó sofreu —, temos de nos lembrar de que Jeová não é a causa dessa injustiça. Jeová odeia a injustiça; ele ama a retidão. (Sal. 33:5) Como Eliú, amigo de Jó, reconheçamos o seguinte: “Longe está do verdadeiro Deus agir ele iniquamente, e do Todo-Poderoso agir injustamente!” (Jó 34:10) Em vez de causar nossos problemas, Jeová nos dá “toda boa dádiva e todo presente perfeito”. — Tia. 1:13, 17.
18 Nunca duvide de Jeová. Deus é perfeito, e seus pensamentos são mais elevados do que os nossos. (Isa. 55:8, 9) Assim, a humildade e a modéstia devem nos ajudar a admitir que o nosso entendimento é limitado. (Rom. 9:20) Raramente temos todos os fatos a respeito de determinada situação. Sem dúvida, já comprovamos que este provérbio é verdadeiro: “O primeiro a apresentar a sua causa parece ter razão, até que outro venha à frente e o questione.” — Pro. 18:17, Nova Versão Internacional.
19 Se um amigo de confiança fizesse algo que talvez de início não entendêssemos ou nos parecesse estranho, será que logo o acusaríamos de ter feito algo errado? Ou estaríamos inclinados a dar a ele o benefício da dúvida, em especial se o conhecêssemos por muitos anos? Se tratamos nossos amigos imperfeitos de maneira tão amorosa, quanto mais devemos estar inclinados a confiar em nosso Pai celestial, cujos caminhos e pensamentos são muito mais elevados do que os nossos!
20 Coloque a culpa em quem merece. Por que devemos fazer isso? Bem, talvez sejamos responsáveis por alguns de nossos problemas. Se esse for o caso, temos de reconhecer isso. (Gál. 6:7) Não tente culpar a Jeová pelos problemas. Por que isso não seria razoável? Veja este exemplo: um carro talvez tenha condições de andar em alta velocidade. Digamos que um motorista ultrapasse em muito o limite de velocidade numa curva fechada e se acidente. Deveria o fabricante do carro ser culpado pelo acidente? É claro que não! De maneira similar, Jeová nos criou com a capacidade de livre escolha. Mas também nos proveu de orientações sobre como tomar decisões sábias. Portanto, por que culparíamos nosso Criador pelos nossos erros?
21 Naturalmente, nem todos os nossos problemas resultam de erros pessoais e ações erradas. Algumas coisas acontecem como resultado ‘do tempo e do imprevisto’. (Ecl. 9:11) Acima de tudo, nunca percamos de vista o fato de que Satanás, o Diabo, é a causa primária da perversidade. (1 João 5:19; Rev. 12:9) Ele é o inimigo — não Jeová! — 1 Ped. 5:8.
PREZE SUA PRECIOSA RELAÇÃO COM JEOVÁ
22 Ao sofrer aflições e dificuldades, lembre-se do exemplo de Josué e Calebe. Diferentemente dos outros dez espias, esses dois homens fiéis fizeram um relatório positivo. (Núm. 14:6-9) Eles mostraram fé em Jeová. Mesmo assim, tiveram de vagar no ermo por 40 anos com os outros israelitas. Será que Josué e Calebe se queixaram ou ficaram amargurados, achando que isso foi injusto? Não. Eles confiaram em Jeová. Foram abençoados? Certamente que sim! Ao passo que uma geração inteira morreu no ermo, esses dois homens por fim entraram na Terra Prometida. (Núm. 14:30) Similarmente, nós receberemos as bênçãos de Jeová se “não desfalecermos” em fazer a sua vontade. — Gál. 6:9; Heb. 6:10.
23 Se você está desanimado por causa de problemas, de imperfeições de outros ou de suas próprias imperfeições, o que deve fazer? Concentre-se nas maravilhosas qualidades de Jeová. Visualize a esperança que ele lhe deu. Pergunte-se: ‘O que seria de mim sem Jeová?’ Permaneça achegado ao nosso Deus e nunca permita que seu coração fique furioso com ele!
w03 15/7 p. 23 Raciocine de forma correta — aja sabiamente
É até mesmo possível ficar “furioso com o próprio Jeová”. (Provérbios 19:3) Como? Por atribuirmos nossos problemas a Deus e os usarmos como justificativa para fazer algo que não está em harmonia com as leis e os princípios dele.
w98 1/8 p. 32 Quem é culpado?
Quem é culpado?
Muitos culpam a Deus pelas dificuldades que têm. Um provérbio bíblico declara: “A estultícia do próprio homem arruína a sua vida, contudo o seu coração se ira contra o Senhor.” (Provérbios 19:3, Almeida, Edição Contemporânea) No entanto, responsabilizar a Deus pelos males do homem é como culpar o fabricante dum automóvel pela prevalência de acidentes causados por motoristas embriagados.
w92 15/11 pp. 15-18 pars. 9-20 A culpa não cabe a Jeová
Devemos apreciar a ajuda divina que recebemos, nunca culpando a Deus pelos apertos e pelas dificuldades que causamos a nós mesmos. Neste respeito, um provérbio sábio declara: “É a tolice do homem terreno que deturpa seu caminho, e por isso seu coração fica furioso com o próprio Jeová.” (Provérbios 19:3) Outra versão diz: “Alguns arruínam-se pelas suas próprias ações estúpidas e depois culpam o SENHOR.” (Today’s English Version) Ainda outra tradução declara: “A ignorância do homem atrapalha seus assuntos e depois ele se enfurece com Jeová.” — Byington.
10 Em harmonia com o princípio deste provérbio, Adão agiu egoistamente e seu raciocínio tolo ‘deturpou seu caminho’. Seu coração desviou-se de Jeová Deus, e ele passou a seguir seu próprio caminho egoísta, independente. Ora, Adão tornou-se tão ingrato, que culpou seu Criador e assim se tornou inimigo do Altíssimo! O pecado de Adão arruinou seu próprio caminho e o da sua família. Que advertência isso nos dá! Os que estão inclinados a culpar a Jeová por condições indesejáveis poderiam muito bem perguntar-se: Dou crédito a Deus pelas boas coisas que usufruo? Sou grato de que tenho vida como uma das suas criações? Não foram os meus próprios erros que me causaram a dificuldade? Será que mereço o favor ou a ajuda de Jeová por seguir a sua orientação, conforme especificada na sua Palavra inspirada, a Bíblia?
Um Perigo Até Mesmo Para Servos de Deus
11 Os líderes religiosos judeus, do primeiro século EC, afirmavam servir a Deus, mas negligenciavam Sua palavra de verdade e se estribavam no seu próprio entendimento. (Mateus 15:8, 9) Visto que Jesus Cristo expôs o seu raciocínio errado, eles o mataram. Mais tarde, mostraram-se muito encolerizados contra os discípulos dele. (Atos 7:54-60) O caminho desses homens era tão deturpado, que realmente se enfureceram contra o próprio Jeová. — Veja Atos 5:34, 38, 39.
12 Até mesmo alguns na congregação cristã desenvolveram um modo de pensar perigoso, tentando responsabilizar a Deus pelas dificuldades com que se confrontam. Por exemplo, anciãos designados em certa congregação acharam necessário dar a uma jovem irmã casada bondoso, porém firme conselho bíblico, contra associar-se com um homem do mundo. Durante uma palestra, ela culpou a Deus por não lhe ajudar a suportar a tentação que seu contínuo contato com aquele homem lhe causava. Ela até mesmo disse que estava zangada com Deus! Argumentos bíblicos e repetidos esforços para ajudá-la nada adiantaram, e o proceder imoral mais tarde levou à expulsão dela da congregação cristã.
13 O espírito queixoso pode induzir alguém a culpar a Jeová. “Homens ímpios”, que se introduziram na congregação do primeiro século, tinham um mau espírito assim, e este era acompanhado por outros tipos de raciocínios espiritualmente corruptos. Conforme disse o discípulo Judas, esses homens ‘transformavam a benignidade imerecida de nosso Deus numa desculpa para conduta desenfreada e se mostravam falsos para com o nosso único Dono e Senhor, Jesus Cristo’. Judas declarou também: “Estes homens são resmungadores, queixosos de sua sorte na vida.” (Judas 3, 4, 16) Os servos leais de Jeová orarão sabiamente para ter um espírito apreciativo, não uma atitude queixosa, que por fim poderá amargurá-los a ponto de perderem a fé em Deus e colocarem em perigo sua relação com ele.
14 Talvez pense que isso não pode acontecer com você. No entanto, quando as coisas vão mal por causa de nossos enganos ou dos outros, isso poderá por fim induzir-nos a culpar a Deus. Por exemplo, alguém talvez se ofenda com o que um concrente diz ou faz. Aquele que se ofende — possivelmente alguém que por muitos anos tem servido lealmente a Jeová — talvez diga então: ‘Se esta pessoa ficar na congregação, não freqüentarei as reuniões.’ Alguém talvez fique tão perturbado, que diga no coração: ‘Se as coisas prosseguirem assim, não quero fazer parte da congregação.’ Mas, será que o cristão deve ter tal atitude? Se outro humano imperfeito o ofendeu, por que irar-se e ficar perturbado com toda a congregação do povo que é aceitável a Deus e lhe serve lealmente? Por que deve alguém que se dedicou a Jeová parar de fazer a vontade divina e assim culpar a Deus? Quão sábio é deixar que uma pessoa ou uma série de circunstâncias destruam a boa relação que se tem com Jeová? Certamente é tolo e pecaminoso parar de adorar a Jeová Deus por qualquer motivo que seja. — Tiago 4:17.
15 Imagine-se na mesma congregação que o amoroso cristão Gaio. Ele estava “fazendo uma obra fiel” por ser hospitaleiro com co-adoradores visitantes — e ainda por cima estranhos! Mas, evidentemente, na mesma congregação havia um homem orgulhoso, Diótrefes. Este não recebia nada com respeito de João, um dos apóstolos de Jesus Cristo. De fato, Diótrefes até mesmo parolava acerca de João com palavras iníquas. O apóstolo disse: “Não contente com estas coisas, [Diótrefes] nem mesmo recebe os irmãos com respeito, e, os que querem recebê-los, ele procura impedir e lançar fora da congregação.” — 3 João 1, 5-10.
16 João, se fosse a essa congregação, pretendia lembrar o que Diótrefes estava fazendo. No ínterim, como reagiam Gaio e outros cristãos hospitaleiros daquela congregação? Não há nenhuma indicação bíblica de que algum deles dissesse: ‘Enquanto Diótrefes fizer parte da congregação, eu não quero fazer parte dela. Não me vão ver mais nas reuniões.’ Sem dúvida, Gaio e outros como ele mantiveram-se firmes. Não permitiram que nada os impedisse de fazerem a vontade de Deus, e certamente não ficaram furiosos com Jeová. Decididamente não; e eles não sucumbiram às artimanhas de Satanás, o Diabo, que se teria alegrado se eles se tivessem tornado infiéis a Jeová e tivessem culpado a Deus. — Efésios 6:10-18.
Nunca Fique Furioso com Jeová
17 Mesmo que alguém, ou uma situação, na congregação desagradasse ou ofendesse a um servo de Deus, aquele que se sentisse ofendido realmente estaria deturpando seu próprio caminho se parasse de associar-se com o povo de Jeová. Alguém assim não estaria fazendo uso correto das suas faculdades perceptivas. (Hebreus 5:14) Portanto, esteja decidido a enfrentar todas as adversidades por manter a integridade. Mantenha sua lealdade a Jeová Deus, a Jesus Cristo e à congregação cristã. (Hebreus 10:24, 25) A verdade que conduz à vida eterna não pode ser encontrada em nenhuma outra parte.
18 Lembre-se também de que Jeová nunca prova alguém com coisas más. (Tiago 1:13) Deus, que é o próprio epítome do amor, faz o bem, especialmente aos que o amam. (1 João 4:8) Embora nem sempre entendamos as atuações divinas, podemos confiar em que Jeová Deus nunca deixará de fazer o que é melhor para os seus servos. Conforme disse Pedro: “Humilhai-vos, portanto, sob a mão poderosa de Deus, para que ele vos enalteça no tempo devido, ao passo que lançais sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” (1 Pedro 5:6, 7) Sim, Jeová realmente se importa com seu povo. — Salmo 94:14.
19 Portanto, não permita que alguma coisa ou alguém o façam tropeçar. Conforme o salmista o expressou muito bem, “paz abundante pertence aos que amam a tua lei [a de Jeová Deus], e para eles não há pedra de tropeço”. (Salmo 119:165) Todos nós passamos por provações, e estas podem fazer com que nos sintamos às vezes um pouco deprimidos e desanimados. Mas, nunca permita que se desenvolva amargura no seu coração, especialmente não contra Jeová. (Provérbios 4:23) Com a sua ajuda e à base da Bíblia, resolva os problemas que puder e suporte os persistentes. — Mateus 18:15-17; Efésios 4:26, 27.
20 Nunca deixe que suas emoções o façam reagir com tolice, deturpando assim seu caminho. Fale e aja para alegrar o coração de Deus. (Provérbios 27:11) Invoque a Jeová em oração fervorosa, sabendo que ele realmente se importa com você como um dos seus servos e que lhe dará o entendimento necessário para continuar na vereda da vida junto com Seu povo. (Provérbios 3:5, 6) Acima de tudo, não fique furioso com Deus. Quando algo sai errado, sempre se lembre de que a culpa não cabe a Jeová.
PROVÉRBIOS 19:8)
“Quem obtém bom senso ama a si mesmo. Quem preza o discernimento será bem-sucedido.”
it-1 p. 556 Coração
Em contraste com alguém “falto de coração”, os provérbios também falam daquele que “adquire coração”. Conforme diz Provérbios 19:8: “Quem adquire coração ama a sua própria alma. Quem guarda o discernimento vai achar o bem.” É alguém que dá séria consideração ao que ele realmente é bem no íntimo. Usa a mente para obter conhecimento exato de Deus e dos caminhos dele; medita nessas coisas e procura aplicá-las. Amolda cuidadosamente seus desejos, suas afeições, suas emoções e seus objetivos na vida em harmonia com aquilo de que se dá conta que será aprovado por Deus. Por fazer isso, beneficia-se a si mesmo, demonstrando que “ama a sua própria alma”. Edificando assim a pessoa interior, “guarda o discernimento”, porque fortifica de modo sadio os fatores que fortemente influenciam sua própria capacidade de pensar claramente e agir sabiamente.
lv cap. 9 p. 108 ‘Fuja da imoralidade sexual’
‘OBTENHA BOM SENSO’
24 A Bíblia fala de alguém que “não tinha bom senso” e daquele que “obtém entendimento”. (Provérbios 7:7) Devido à falta de madureza espiritual e de experiência no serviço de Deus, alguém que ‘não tem bom senso’ pode não ter discernimento e bom critério. É mais fácil que cometa pecado grave, assim como o jovem descrito em Provérbios 7:6-23. Mas aquele que “obtém bom senso” dá séria atenção à pessoa que ele é no íntimo, por meio do estudo regular da Palavra de Deus junto com oração. E até onde sua condição imperfeita permite, ele harmoniza seus pensamentos, desejos, emoções e alvos na vida com o que Deus aprova. Dessa forma ele “ama a si mesmo”, ou se beneficia, e ‘é bem-sucedido’. — Provérbios 19:8.
25 Pergunte-se: ‘Estou plenamente convencido de que os padrões de Deus são justos? Acredito mesmo que segui-los resulta em grande felicidade?’ (Salmo 19:7-10; Isaías 48:17, 18) Se você tiver alguma dúvida, nem que seja pequena, resolva a situação. Pense no que acontecerá se você desconsiderar as leis de Deus. Além disso, ‘prove e veja que Jeová é bom’ por viver a verdade e encher a mente com pensamentos saudáveis, ou seja, com coisas que são verdadeiras, justas, castas, amáveis e virtuosas. (Salmo 34:8; Filipenses 4:8, 9) Pode ter certeza de que, quanto mais fizer isso, mais amará a Deus, amará o que ele ama e odiará o que ele odeia. José não era um super-homem. Mas ele conseguiu ‘fugir da imoralidade sexual’ porque permitiu que Jeová o moldasse por muitos anos, ajudando-o a ‘obter bom senso’. Que o mesmo aconteça com você! — Isaías 64:8.
w99 1/7 p. 19 pars. 4-5 Famílias, louvem a Deus como parte da congregação dele
Talvez nem todos os motivos dele sejam maus, mas leva tempo para condicionar o coração para agradar a Deus. Isto envolve harmonizar os pensamentos, os desejos, os afetos, as emoções e os objetivos que se tem na vida com o que Deus aprova, tanto quanto isso é possível a humanos imperfeitos. Quando alguém amolda assim o seu íntimo de modo piedoso, ele “adquire coração”. — Provérbios 9:4; 19:8.
5 Podem os pais ajudar os filhos a ‘adquirir coração’? É verdade que nenhum humano pode dar uma boa condição de coração a outra pessoa. Cada um de nós foi dotado de livre-arbítrio, e muito depende dos pensamentos que entretemos. Os pais que têm discernimento, porém, muitas vezes conseguem fazer seu filho expressar-se, descobrindo o que ele tem no coração e em que precisa de ajuda. Use perguntas tais como: ‘O que está achando disso?’ e: ‘O que gostaria mesmo de fazer?’ Daí, escute com paciência. Mantenha a calma. (Provérbios 20:5) Um ambiente de bondade, compreensão e amor é importante quando se quer tocar o coração.
PROVÉRBIOS 19:11)
“A perspicácia do homem faz com que ele não se ire facilmente, E é bonito da sua parte deixar passar a ofensa.”
w14 1/12 pp. 12-13 ‘A perspicácia do homem torna mais vagarosa a sua ira’
O sábio Rei Salomão do Israel antigo escreveu: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” (Provérbios 19:11) Como “a perspicácia” pode ajudar uma pessoa a se controlar?
COMO A PERSPICÁCIA DIMINUI A RAIVA
Perspicácia é a capacidade de ver o que está por trás de uma situação. Como isso pode nos ajudar quando alguém nos provoca ou nos ofende?
Quando vemos uma injustiça, é comum ficarmos indignados. Mas quando deixamos que nossos sentimentos nos controlem e agimos de forma impensada, corremos o risco de machucar tanto os outros como a nós mesmos. Assim como um fogo sem controle pode destruir uma casa inteira, a raiva descontrolada pode destruir nossa reputação e o nosso relacionamento com Deus e com outros. Assim, quando percebemos que nossa raiva está aumentando, é hora de parar e avaliar com cuidado a situação. Pensar em todos os fatores envolvidos com certeza nos ajudará a controlar nossas emoções.
O Rei Davi, pai de Salomão, quase cometeu assassinato num caso envolvendo um homem chamado Nabal. Ele só não cometeu esse erro porque foi ajudado a enxergar o que estava por trás da situação. Davi e seus homens protegiam o rebanho de Nabal no deserto de Judá. Quando chegou a época de tosquiar o rebanho, Davi pediu comida a Nabal. A resposta foi: “Tenho eu de tomar meu pão, e minha água, e minha carne de abate que abati para os meus tosquiadores, e dar isso a homens de quem nem mesmo sei donde são?” Que insulto! Diante dessa resposta, Davi juntou 400 homens e saiu para matar Nabal e todos os homens que estavam com ele. — 1 Samuel 25:4-13.
Abigail, esposa de Nabal, ficou sabendo do incidente e foi falar com Davi. Ela se ajoelhou diante dele e dos homens que estavam com ele e disse: “Deixa a tua escrava falar aos teus ouvidos e escuta as palavras da tua escrava.” Daí, ela explicou que Nabal era um homem ignorante e que Davi se arrependeria caso fizesse o que havia planejado. — 1 Samuel 25:24-31.
Como as palavras de Abigail ajudaram Davi a ter perspicácia e a se controlar diante daquela situação tensa? Primeiro, ele entendeu que Nabal era um homem ignorante. Segundo, que ele, Davi, teria culpa de sangue caso se vingasse. Assim como Davi, você talvez fique furioso com alguma coisa. O que fazer? “Respire fundo e conte até dez”, sugere um artigo da Clínica Mayo sobre como lidar com a raiva. Sim, pare e pense nas causas do problema e nas consequências do que você pretende fazer. Deixe que a perspicácia diminua sua raiva — ou que até mesmo acabe com ela. — 1 Samuel 25:32-35.
De maneira similar, muitas pessoas hoje são ajudadas a se controlar. Sebastian começou a estudar a Bíblia aos 23 anos numa prisão da Polônia. Ele explica como esse estudo o ajudou a controlar sua personalidade explosiva: “Primeiro, eu penso no problema, daí, tento aplicar os conselhos da Bíblia. Eu descobri que ela é o melhor guia.”
Setsuo tenta fazer a mesma coisa. Ele disse: “Eu costumava gritar com as pessoas quando elas me irritavam no trabalho. Depois que comecei a estudar a Bíblia, em vez de gritar eu paro e penso: ‘Quem é realmente o culpado? Será que não sou eu?’” Pensar nisso o ajudou a se controlar.
cl cap. 18 p. 187 par. 22 Sabedoria encontrada na ‘Palavra de Deus’
22 A Palavra de Deus dá o seguinte conselho prudente: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” (Provérbios 19:11) Perspicácia é a habilidade de ver abaixo da superfície, de ver além do óbvio. A perspicácia resulta em compreensão, porque nos ajuda a discernir por que a outra pessoa falou ou agiu de determinada maneira. Se nos esforçarmos a entender suas verdadeiras motivações, sentimentos e circunstâncias, isso nos ajudará a deixar de lado pensamentos e sentimentos negativos para com ela.
w07 1/12 pp. 19-20 Ensinem seu filho a ser pacífico
Não se irritar com facilidade
Provérbios 19:11 diz: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira.” Como vocês podem ajudar seus filhos a cultivar tal perspicácia? David descreve um método prático que ele e sua esposa, Mariann, acharam útil ao lidar com seu filho e sua filha. David diz: “Quando nossos filhos ficam chateados com alguém que diz ou faz algo que os magoa, nós os ajudamos a mostrar empatia. Fazemos perguntas simples como: ‘Será que a pessoa teve um dia difícil? Ela poderia estar com ciúmes? Será que alguém a magoou?’” Mariann acrescenta: “Isso geralmente os acalma e os ajuda a não abrigar sentimentos negativos ou discutir sobre quem está certo ou errado.”
Esse tipo de instrução pode produzir resultados maravilhosos. Note como Nicole, mencionada no início do artigo, foi ajudada por sua mãe, Michelle, de uma maneira que foi muito além de simplesmente restaurar a amizade com sua amiga Gabrielle. “Eu e Nicole lemos o capítulo 14 do livro Aprenda do Grande Instrutor”, diz Michelle. “Então expliquei o que Jesus quis dizer quando falou que deveríamos perdoar alguém ‘até setenta e sete vezes’. Depois de ouvir com atenção Nicole expressar seus sentimentos, pude ajudá-la a sentir a tristeza e a frustração de Gabrielle pelo fato de sua melhor amiga estar se mudando para tão longe.” — Mateus 18:21, 22.
Entender melhor o que pôde ter levado à reação inesperada de Gabrielle ajudou Nicole a desenvolver empatia e a motivou a ligar para Gabrielle e pedir desculpas. “Desde então”, diz Michelle, “Nicole fica feliz por levar em consideração os sentimentos dos outros e por fazer coisas boas para fazê-los se sentir melhor”. — Filipenses 2:3, 4.
Ajudem seus filhos a não ficar perturbados por causa de erros e mal-entendidos. Talvez vocês tenham a satisfação de ver seus filhos ser amigáveis e demonstrar afeição a outros. — Romanos 12:10; 1 Coríntios 12:25.
Incentivem a beleza do perdão
“É beleza . . . passar por alto a transgressão”, diz Provérbios 19:11. Jesus, no momento mais agonizante de sua vida, imitou seu Pai e demonstrou disposição de perdoar. (Lucas 23:34) Seus filhos podem aprender a beleza do perdão quando sentem pessoalmente o consolo de serem perdoados por vocês.
Por exemplo, Willy, de 5 anos, ama colorir figuras com sua avó. Em certa ocasião, a avó parou de repente de colorir, deu-lhe uma bronca e foi embora. Willy ficou muito triste com isso. Seu pai, Sam, disse: “A avó de Willy sofre do mal de Alzheimer. Então, explicamos esse assunto a Willy numa linguagem que ele pudesse entender.” Depois de lembrá-lo que ele tinha sido perdoado muitas vezes e que devia fazer o mesmo a outros, Sam ficou maravilhado com a reação de Willy. Sam diz: “Pode imaginar como eu e minha esposa nos sentimos ao ver nosso filhinho ir até a avó de 80 anos, falar com ela em tom de desculpas e depois levá-la pela mão de volta à mesa?”
Sem dúvida, é beleza quando os filhos aprendem a ‘continuar a suportar’ as falhas e os erros dos outros e a perdoá-los. (Colossenses 3:13) Mesmo quando as pessoas são indisciplinadas de propósito, digam a seu filho que uma reação pacífica pode ser poderosa, pois “quando Jeová tem prazer nos caminhos de um homem, faz que até os seus próprios inimigos estejam em paz com ele”. — Provérbios 16:7.
g05 22/2 pp. 19-20 Como controlar minhas emoções?
Mais uma vez, a questão é controlar os pensamentos. Em Provérbios 19:11, a Bíblia diz: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” Quando alguém o irrita, tente entender por que agiu assim. A pessoa queria mesmo magoar você? Ou será que foi apenas uma ação impulsiva ou impensada? Tolerar os erros dos outros reflete a misericórdia de Deus e pode ajudar a controlar os sentimentos de raiva.
ba p. 26 Um livro prático para a vida moderna
Na Bíblia há também conselhos sensatos sobre controlar a ira. Por exemplo, Provérbios 19:11 diz: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” O termo hebraico para “perspicácia” vem de um verbo que chama a atenção para “conhecer a razão” de algo.14 O conselho sábio é: “Pense antes de agir.” Esforçar-se em entender por que os outros falam ou agem de certa maneira pode ajudar a pessoa a ser mais tolerante, e menos dada à ira. — Provérbios 14:29.
w95 15/7 p. 22 Você pode superar essas barreiras
“A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão”, diz Provérbios 19:11. É muito melhor perdoar do que deixar a ira e o ressentimento envenenar o espírito. Salvador, um ancião conhecido por seu temperamento bondoso, disse: “Quando um irmão me trata mal ou diz algo grosseiro, eu me pergunto: ‘Como posso ajudar meu irmão? O que fazer para evitar que meu precioso relacionamento com ele fique prejudicado?’ Estou sempre ciente de como é fácil dizer a coisa errada. Se alguém fala algo irrefletidamente, a solução ideal seria apagar o que disse e reiniciar a conversa, o que é impossível. Assim, adoto o melhor proceder cabível no caso por ignorar o comentário. Em vez de pensar que meu irmão é desse jeito mesmo, atribuo isso a uma manifestação da imperfeição.”
kl cap. 17 p. 166 par. 12 Encontre segurança entre o povo de Deus
Como reagirá se alguém o ofender? A Bíblia diz: “A perspicácia do homem certamente torna mais vagarosa a sua ira, e é beleza da sua parte passar por alto a transgressão.” (Provérbios 19:11) Ter perspicácia significa ver o que está por trás de uma situação, entender os fatores subjacentes que fazem com que uma pessoa fale ou aja de certo modo. A maioria de nós usa de muita perspicácia para desculpar-se pelos próprios erros. Por que não usar perspicácia também para compreender e não levar em conta as imperfeições dos outros? — Mateus 7:1-5; Colossenses 3:13.
PROVÉRBIOS 19:13)
“O filho tolo causa dificuldades ao seu pai, E a esposa briguenta é como uma goteira que não para de pingar.”
it-1 p. 456 Casa
Colocavam-se caibros menores de madeira atravessados nestas vigas, que, por sua vez, eram cobertos de ramos, juncos e coisas semelhantes. Em seguida havia uma camada de terra, de vários centímetros de espessura, revestida por grosso reboco de argila, ou de argila e cal. Podia-se facilmente fazer uma abertura nesse terraço de terra, como foi feita por alguns homens que se esforçaram a levar um paralítico à presença de Jesus, para que fosse curado. (Mr 2:4) As vigas do terraço costumavam ser sustentadas por uma fileira de postes retos de madeira que descansavam sobre bases de pedra. Em tais terraços ou telhados podia brotar grama (Sal 129:6), e era difícil impedir que tivessem goteiras. (Pr 19:13; 27:15; Ec 10:18) Provavelmente, antes de a estação chuvosa começar, consertavam-se e alisavam-se os terraços ou telhados para permitir melhor escoamento da água.
PROVÉRBIOS 19:17)
“Quem mostra favor ao pobre empresta a Jeová, E Ele o recompensará por isso.”
cl cap. 20 p. 207 par. 19 “Sábio de coração”, mas humilde
Note o que Provérbios 19:17 diz: “Aquele que mostra favor ao de condição humilde está emprestando a Jeová.” É óbvio que só um dono bom e razoável prestaria atenção a cada ato de bondade realizado a favor dos humildes. Mais do que isso, esse texto indica que o Criador do Universo na verdade se considera endividado para com meros seres humanos que agem com misericórdia! Isso é humildade no mais alto grau.
w10 15/10 p. 19 Você toma a dianteira em honrar seus irmãos?
Honrar os “humildes”
15 Ao dar honra, quem na congregação não deve ser despercebido? A Palavra de Deus diz: “Aquele que mostra favor ao de condição humilde está emprestando a Jeová, e Ele lhe retribuirá o seu tratamento.” (Pro. 19:17) Como o princípio contido nessas palavras deve nos afetar ao nos empenharmos em tomar a dianteira em dar honra?
16 Você concordará que, de alguma forma, a maioria das pessoas honra seus superiores, mas essas mesmas pessoas talvez tratem aqueles que consideram inferiores com pouco ou nenhum respeito. Jeová, porém, não age assim. Ele declara: “Honrarei os que me honrarem.” (1 Sam. 2:30; Sal. 113:5-7) Jeová honra a todos os que o servem e lhe dão honra. Ele não ignora os “humildes”. (Leia Isaías 57:15; 2 Crô. 16:9) Naturalmente, desejamos imitar a Jeová. Assim, se desejamos avaliar como estamos nos saindo em dar honra genuína, é bom nos perguntar: ‘Como trato os que não têm cargo de destaque ou de responsabilidade na congregação?’ (João 13:14, 15) A resposta a essa pergunta revela muito com relação ao grau de sincero respeito que temos pelos outros. — Leia Filipenses 2:3, 4.
PROVÉRBIOS 19:20)
“Escute o conselho e aceite a disciplina, Para se tornar sábio no futuro.”
w02 15/10 p. 32 ‘Torne-se sábio no seu futuro’
‘Torne-se sábio no seu futuro’
“A maioria da humanidade usa seus primeiros anos para tornar miseráveis os seus últimos.” Assim disse o ensaísta francês do século 17, Jean de La Bruyère. De fato, uma pessoa jovem, indecisa, talvez vacile, sentindo-se descontente e desapontada. Por outro lado, um jovem teimoso talvez insista em agir de maneira imprudente, que o privará de alegria mais adiante na vida. De qualquer forma, o pecado — quer quando deixamos de fazer o que é certo, quer quando fazemos o que é errado — pode nos causar muita infelicidade.
Como se pode evitar isso? Advertindo contra a indecisão, a Palavra de Deus aconselha os jovens: “Lembra-te, pois, do teu Grandioso Criador nos dias da tua idade viril, antes que passem a vir os dias calamitosos ou cheguem os anos em que dirás: ‘Não tenho agrado neles.’” (Eclesiastes 12:1) Se você for jovem, tome medidas positivas para aprender algo sobre o seu “Grandioso Criador” enquanto ainda estiver nesse estágio da vida.
Então, como a Bíblia ajuda os jovens a evitar cometer tolices? Ela diz: “Escuta o conselho e aceita a disciplina, para que te tornes sábio no teu futuro.” (Provérbios 19:20) A Bíblia mostra também claramente que a rejeição da sabedoria divina por causa de negligência ou de rebeldia na juventude, ou em qualquer idade, traz resultados amargos. (Provérbios 13:18) Por outro lado, acatar as orientações divinas resulta em “longura de dias e anos de vida e paz”, em uma vida que proporciona contentamento e um senso de realização. — Provérbios 3:2.
PROVÉRBIOS 19:25)
“Golpeie o zombador para que o inexperiente se torne prudente; Repreenda quem tem entendimento, e ele aumentará em conhecimento.”
it-1 p. 817 Entendimento
Quem tem verdadeiro entendimento não pensa que sabe tudo; por isso, Provérbios 19:25 diz: “Deve-se repreender ao entendido, para que discirna o conhecimento.” (Veja Jó 6:24, 25; Sal 19:12, 13.)
PROVÉRBIOS 20:1)
“O vinho é zombador, e o álcool é indisciplinado; Quem se perde por causa deles não é sábio.”
it-1 p. 321 Bebedice, embriaguez
Proibida na Congregação Cristã. O beberrão tende a ser turbulento ou rude, a fazer barulho sem restrições e a agir de modo ridículo, trazendo vitupério. (Pr 20:1; Sal 107:27; Is 19:14)
w04 1/12 pp. 20-21 par. 10 Tenha um conceito equilibrado sobre bebidas alcoólicas
10 Beber sem moderação não prejudica as pessoas só em sentido físico, mas também espiritualmente. “O vinho e o licor tiram a razão”, diz a Bíblia. (Oséias 4:11, Bíblia Pastoral) O álcool afeta a mente. “Quando a pessoa toma uma bebida”, explica uma publicação do Instituto Nacional de Combate ao Uso de Drogas, dos EUA, “o álcool é absorvido através do sistema digestivo para a corrente sanguínea e chega rapidamente ao cérebro. Isso começa a diminuir as atividades cerebrais que controlam o pensamento e as emoções. A pessoa se sente menos inibida, mais à vontade”. Nessa condição, é mais provável que ‘nos percamos’, tomemos liberdades indevidas e nos exponhamos a muitas tentações. — Provérbios 20:1.
w04 1/12 pp. 19-20 pars. 2-6 Tenha um conceito equilibrado sobre bebidas alcoólicas
“O vinho é zombador”, avisa a Bíblia, “a bebida inebriante é turbulenta, e quem se perde por ele não é sábio”. (Provérbios 20:1) Mas o que significa alguém se perder pelas bebidas alcoólicas? Que quantidade é excessiva? Que conceito equilibrado existe nessa questão?
Como alguém “se perde” pelas bebidas alcoólicas?
3 No Israel antigo, o filho que fosse glutão e beberrão incorrigível devia ser apedrejado até morrer. (Deuteronômio 21:18-21) O apóstolo Paulo advertiu os cristãos: ‘Cessai de ter convivência com qualquer que se chame irmão, que for fornicador, ou ganancioso, ou idólatra, ou injuriador, ou beberrão, ou extorsor, nem sequer comendo com tal homem.’ Beber a ponto de se embriagar é claramente condenado nas Escrituras. — 1 Coríntios 5:11; 6:9, 10.
4 Descrevendo os sintomas da embriaguez, a Bíblia declara: “Não olhes para o vinho quando apresenta uma cor vermelha, quando está cintilando no copo, quando escorre suavemente. No seu fim morde igual a uma serpente e segrega veneno igual a uma víbora. Teus próprios olhos verão coisas estranhas e teu próprio coração falará coisas perversas.” (Provérbios 23:31-33) Beber em excesso é comparado à picada de uma serpente venenosa. Provoca náusea, confusão mental e até a perda dos sentidos. A pessoa embriagada talvez veja “coisas estranhas” no sentido de ter alucinações ou delírios. Também pode se sentir menos inibida para expressar pensamentos e desejos impróprios que normalmente reprimiria.
5 E se alguém toma bebidas alcoólicas, mas tem o cuidado de não chegar ao ponto de ficar visivelmente embriagado? Algumas pessoas quase não demonstram sinais de embriaguez, mesmo depois de tomar várias doses. Mas quem pensa que esse hábito é inofensivo está na verdade enganando a si mesmo. (Jeremias 17:9) Talvez desenvolva gradativamente a dependência de álcool e fique ‘escravizado a muito vinho’. (Tito 2:3) Sobre o processo que leva a pessoa a se tornar alcoólatra, a autora Caroline Knapp disse: “É um processo lento, gradual, traiçoeiro e sutil.” O excesso de bebidas alcoólicas é realmente uma armadilha mortal!
6 Considere também a advertência de Jesus: “Prestai atenção a vós mesmos, para que os vossos corações nunca fiquem sobrecarregados com o excesso no comer, e com a imoderação no beber, e com as ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vós instantaneamente como um laço. Pois virá sobre todos os que moram na face de toda a terra.” (Lucas 21:34, 35) Mesmo que a pessoa não chegue a ficar embriagada, a bebida pode deixá-la sonolenta e preguiçosa — em sentido físico e espiritual. O que poderá acontecer-lhe se estiver nesse estado quando o dia de Jeová chegar?
w00 1/5 p. 19 Casamentos alegres que honram a Jeová
A Bíblia adverte que “a bebida inebriante é turbulenta”. (Provérbios 20:1) A palavra hebraica traduzida “turbulenta” significa “ser barulhenta”. Se o álcool pode tornar uma pessoa barulhenta, imagine o que pode fazer a um grupo grande de pessoas que se reúnem e bebem demais!
PROVÉRBIOS 20:4)
“O preguiçoso não ara a terra no inverno; Por isso mendigará durante a colheita, quando não tiver nada.”
it-1 p. 176 Arar (lavrar)
Os dias mais frios, ou épocas de tempo instável ou de nuvens ameaçadoras, não deteriam a pessoa varonil de seu trabalho na época de lavoura, mas o lavrador preguiçoso aproveitaria isso como desculpa para evitar o trabalho. Seus vizinhos não teriam motivos para condoer-se dele quando não colhia nada, devido à sua preguiça na época de arar. (Pr 20:4; Ec 11:4) Mesmo na época de lavoura, porém, os lavradores israelitas tinham de guardar o sábado. — Êx 34:21.
it-2 pp. 800-801 Mendigo, mendigar
Por outro lado, Provérbios 20:4 descreve o preguiçoso como “mendigando no tempo da colheita”, e o Salmo 109:10 descreve a execução da punição nos iníquos como obrigando ‘seus filhos a andarem errantes, e que eles terão de mendigar, e dos seus lugares desolados terão de buscar alimento’. Nestes últimos dois textos, a palavra “mendigar” traduz a hebraica sha•ʼál, termo que basicamente significa “pedir” (Êx 3:22; 1Rs 3:11); todavia, nestes dois casos, dá-se a entender que o pedir é feito da maneira ativa, talvez pública, característica da mendicância.
it-3 p. 311 Preguiça
Ele não tem consideração nem respeito para com o próximo, mas dispõe-se a deixar que outro trabalhe em seu lugar, até mesmo a permitir que outra pessoa lhe forneça as coisas que ele deseja. — Pr 20:4.
PROVÉRBIOS 20:5)
“Os pensamentos do coração de um homem são como águas profundas, Mas o homem de discernimento os puxa para fora.”
w05 15/11 p. 12 A arte de ouvir com amor
“O conselho no coração dum homem é como águas profundas, mas o homem de discernimento é quem o puxará para fora”, diz Provérbios 20:5. Se uma pessoa sábia e experiente reluta em dar conselhos não-solicitados, talvez tenhamos de ‘puxar para fora’ seus conselhos. A situação é parecida quando ouvimos com amor. Requer discernimento fazer a pessoa dizer o que sente. Fazer perguntas ajuda, mas é preciso cuidar para que elas não se tornem uma intromissão nos assuntos privados da pessoa. Pode ser útil sugerir que ela comece por falar a respeito de assuntos sobre os quais se sinta à vontade. Por exemplo, uma mulher casada que deseja falar sobre seus problemas conjugais talvez ache mais fácil começar por falar sobre como ela e seu marido se conheceram e se casaram. Uma pessoa que se tornou inativa no ministério cristão talvez ache mais fácil começar por falar sobre como aprendeu a verdade.
g04 8/12 pp. 9-10 Amigo do peito ou amigo-da-onça?
Para chegar a conhecer o verdadeiro caráter de alguém, é preciso tempo, paciência e habilidade, além de conviver com a pessoa no dia-a-dia. A Bíblia diz: “O conselho no coração dum homem é como águas profundas, mas o homem de discernimento é quem o puxará para fora.” (Provérbios 20:5) Precisamos conversar com prospectivos amigos sobre assuntos sérios — aqueles que puxam para fora a verdadeira personalidade, motivações e princípios. Que tipo de pessoas eles revelam ser? São bondosos ou insensíveis? São animados e positivos, ou céticos e negativos? Abnegados ou interesseiros? Confiáveis ou desleais? Se o prospectivo amigo critica outras pessoas na sua frente, o que o impedirá de criticar você pelas costas? “É da abundância do coração que a boca fala”, disse Jesus. (Mateus 12:34) Se isso acontecer, devemos prestar atenção.
w03 15/9 p. 14 Conversas espirituais edificam
Alguns poços em Israel eram bem fundos. Em Gibeão, os arqueólogos descobriram um reservatório com uns 25 metros de profundidade. Tem degraus que permitem que as pessoas desçam até o fundo para tirar água.
w03 15/9 p. 14 par. 20 Conversas espirituais edificam
Mostre compreensão para com os tímidos. “O conselho no coração dum homem é como águas profundas, mas o homem de discernimento é quem o puxará para fora.” (Provérbios 20:5)
w97 1/11 p. 32 Como puxar “águas profundas”
Como puxar “águas profundas”
UM PROVÉRBIO bíblico declara: “O conselho no coração dum homem é como águas profundas, mas o homem de discernimento é quem o puxará para fora.” (Provérbios 20:5) Nos tempos bíblicos era muito mais difícil obter água do que em muitos países hoje em dia. Quando Jesus falou à mulher samaritana, ela estava puxando água da fonte de Jacó, um poço de uns 23 metros de profundidade! — João 4:5-15.
Conforme Provérbios 20:5 indica, o discernimento necessário para extrair os pensamentos e sentimentos profundos do coração de alguém é similar ao esforço necessário para puxar água dum poço. Isto se dá na maioria dos campos da vida. Por exemplo, é provável que conheça pessoas que, no decorrer de muitos anos, acumularam uma abundância de conhecimento e de experiência. Se elas não estiverem dispostas a oferecer conselho a menos que alguém o solicite, você talvez o tenha de puxar delas. Por mostrar-se interessado, por fazer perguntas e por sondá-las com tato, você como que abaixa seu balde num poço fundo de sabedoria.
O conselho de Provérbios 20:5 se aplica também à família. Muitas vezes se ouve esposas dizerem: “Meu marido não me diz como se sente!” O marido talvez diga: “Minha esposa me trata friamente!” Em situações assim, é preciso ter discernimento, a fim de puxar para fora os pensamentos que estão no fundo do coração do cônjuge. Perguntas feitas com tato (Teve um dia difícil? O que aconteceu? Como posso ajudar?) muitas vezes podem iniciar uma comunicação franca. Mostrar tal discernimento fortalecerá o vínculo conjugal, em benefício tanto do marido como da esposa.
PROVÉRBIOS 20:7)
“O justo está andando na sua integridade. Felizes os filhos que vierem depois dele.”
it-2 p. 410 Integridade
Os filhos privilegiados em terem uma pessoa assim como pai ou mãe devem ser considerados felizes (Pr 20:7), recebendo esplêndido legado do exemplo da vida de seu pai, usufruindo um quinhão do bom nome dele e o respeito que ele granjeou.
PROVÉRBIOS 20:11)
“Até mesmo uma criança mostra o que é pelas suas ações, Se o seu comportamento é puro e correto.”
g97 22/8 p. 20 O que fazer para não levar a culpa por tudo?
Contudo, por que alguns pais vão logo tirando conclusões precipitadas a respeito dos filhos? Para falar a verdade, alguns jovens dão aos pais razões para suspeita. Provérbios 20:11 diz: “Mesmo pelas suas práticas se dá a conhecer o rapaz quanto a se a sua atuação é pura e reta.” Que reputação você estabeleceu perante seus pais? O que revelam as suas “práticas” — que é ‘reto’ e encara as coisas com seriedade, ou que é descuidado e irresponsável? Neste último caso, não se surpreenda se eles com freqüência tiram conclusões precipitadas a seu respeito. “Tinha de ser honesto comigo mesmo”, admitiu Ramon, o jovem já mencionado, a respeito das críticas dos pais. “Às vezes, as suspeitas deles não eram totalmente infundadas.”
PROVÉRBIOS 20:12)
“O ouvido que ouve e o olho que vê, Foi Jeová que fez a ambos.”
it-3 pp. 348-349 Provérbios, Livro de
Jeová, o Criador. Jeová, com incomparável sabedoria, é o Criador de todas as coisas e o Promulgador de leis que governam essas coisas; assim, ele merece a adoração de todas as criaturas. (Pr 3:19, 20) Ele fez o ouvido que ouve e o olho que vê, tanto em sentido literal como moral. Assim sendo, é preciso recorrer a Ele para ver e ouvir com real entendimento. E é preciso entender que somos responsáveis perante Aquele que tudo vê e ouve. — 20:12.
PROVÉRBIOS 20:15)
“Há ouro e grande quantidade de corais, Mas os lábios que transmitem conhecimento são mais preciosos.”
g 5/11 p. 19 Seus lábios são “vasos preciosos”?
Seus lábios são “vasos preciosos”?
● “Há ouro, também uma abundância de corais; mas os lábios de conhecimento são vasos preciosos”, escreveu o Rei Salomão. (Provérbios 20:15) O ouro sempre foi um metal muito valorizado, e nos dias de Salomão, os corais também eram. Mas nossos lábios podem ser ainda mais preciosos que eles. Como? Não por causa de sua aparência, mas por meio das ideias que eles expressam.
Lábios preciosos dizem coisas boas, gentis e amorosas. E, por serem “lábios de conhecimento”, falam a verdade sobre Deus conforme registrada na Bíblia. Esse livro antigo está repleto de sabedoria e verdade sobre nosso Criador, além de excelentes conselhos para a vida. — João 17:17.
Infelizmente, muitas pessoas usam mal os lábios por dizer mentiras sobre Deus. Por exemplo, algumas o culpam pela injustiça e pelo sofrimento do mundo, que em grande parte são causados pelo próprio homem. Nesse sentido, Provérbios 19:3 declara: “A falta de juízo é o que faz a pessoa cair na desgraça; no entanto ela põe a culpa em Deus.” — Nova Tradução na Linguagem de Hoje.
Outras pessoas desvalorizam seus lábios por meio de comentários hipócritas, boatos cruéis ou até mentiras maldosas. Usando uma forte figura de linguagem, Provérbios 26:23 diz: “Como um revestimento de prata recobrindo um caco são os lábios fervorosos com um coração mau.” Como “um revestimento de prata” que esconde um pedaço de cerâmica, os “lábios fervorosos”, que transmitem sentimentos fortes e até mesmo sinceridade, podem na verdade esconder “um coração mau”. — Provérbios 26:24-26.
É claro que não é possível esconder de Deus a maldade. Ele vê o que somos no íntimo. Por essa razão, Jesus Cristo disse: “Limpa primeiro por dentro o copo e o prato, para que também por fora se torne limpo.” (Mateus 23:26) Essa é uma verdade indiscutível. Além disso, se formos limpos, ou puros, no íntimo e tivermos um coração cheio da verdade da Palavra de Deus, isso será percebido pelas coisas que falamos. O resultado? Nossos lábios serão “vasos preciosos”, principalmente aos olhos de Deus.
[Foto na página 19]
Os lábios da pessoa sábia são “vasos preciosos”
PROVÉRBIOS 20:16)
“Tome a roupa do homem que se tornou fiador de um estranho, E tome dele uma garantia caso ele seja fiador de uma mulher estrangeira.”
it-3 p. 223 Penhor
Nas Escrituras Hebraicas dá-se repetidas vezes o conselho de não se prestar fiança por um estranho, prometendo pagar a dívida da pessoa se ela deixasse de fazer isso. (Pr 11:15; 22:26, 27; veja FIANÇA.) Assim, Provérbios 20:16 fala de se ‘tomar a veste’ de quem presta fiança por um estranho. Isto está em contraste direto com a consideração compassiva a ser demonstrada para com o pobre que se vê obrigado a se tornar devedor por causa do seu próprio infortúnio. Quem presta fiança por um estranho não é apenas desafortunado, mas é estúpido; o provérbio evidentemente diz que se deixe que ‘ele sofra as conseqüências’. A última parte do versículo fala de ‘tomar um penhor’ “no caso duma mulher estrangeira”. O homem que entrasse num relacionamento com tal mulher poderia ficar empobrecido (veja Pr 5:3, 8-10), de modo que talvez tivesse de penhorar seus bens remanescentes como fiança para as suas dívidas. O provérbio parece dizer que não merece que se tenha dó dele, visto que agiu contrário a todos os bons conselhos ao ter tratos com a “mulher estrangeira”.
PROVÉRBIOS 20:17)
“Saboroso para o homem é o pão ganho por meio de mentiras, Mas depois sua boca ficará cheia de cascalho.”
it-1 p. 464 Cascalho
Cascalho
Pedrinhas ou seixos. Nas Escrituras, usa-se “cascalho” em sentido ilustrativo. Os efeitos danosos posteriores de se ganhar o pão por meio de falsidade são comparados a se ter a boca cheia de cascalho. (Pr 20:17)
PROVÉRBIOS 20:18)
“Quando há comunicação, os planos são bem-sucedidos; Trave a sua guerra com orientação perita.”
w12 15/6 p. 31 Seja sábio — Busque “orientação perita”
Curiosamente, o termo traduzido “orientação perita” é usado também com relação à guerra. Lemos: “Travarás a tua guerra com orientação perita [“boa estratégia”, Sociedade Bíblica Portuguesa], e na multidão de conselheiros há salvação.” — Pro. 20:18; 24:6.
Como um estrategista que planeja uma batalha, faremos bem em prever potenciais perigos à nossa espiritualidade. (Pro. 22:3)
PROVÉRBIOS 20:25)
“É uma armadilha para o homem dizer precipitadamente: “É sagrado!” E só depois pensar no voto que fez.”
it-1 p. 188 Armadilha
Precisa-se examinar com cuidado e ter muita cautela quanto ao que se vota ou garante fazer, de modo a não descobrir depois que se ficou enredado numa situação da qual talvez seja difícil ou virtualmente impossível escapar. (Pr 6:1-3; 20:25)
PROVÉRBIOS 20:26)
“O rei sábio separa os maus E passa sobre eles uma roda de debulhar.”
it-3 p. 457 Roda
Uso Ilustrativo e Figurado. Segundo o texto massorético hebraico, Provérbios 20:26 reza: “O rei sábio dispersa os iníquos e revolve sobre eles uma roda.” Isto parece fazer alusão a uma ação tomada por um rei, comparável ao uso da roda para trilhar o cereal. (Compare com Is 28:27, 28.) A metáfora parece indicar que o rei sábio age prontamente para separar os iníquos dos justos e para punir os iníquos. O mal é assim suprimido de seu domínio. (Compare com Pr 20:8.) No entanto, por uma ligeira alteração, este versículo diz que um rei sábio revolve sobre os iníquos “seu próprio prejuízo”.
PROVÉRBIOS 20:27)
“O fôlego do homem é a lâmpada de Jeová; Ela examina o mais íntimo do seu ser.”
it-2 p. 661 Lâmpada
Segundo Provérbios 20:27, “o fôlego do homem terreno é a lâmpada de Jeová, fazendo uma busca cuidadosa em todas as partes mais íntimas do ventre”. Pelo que a pessoa ‘exala’ ou dá vazão, sejam expressões boas, sejam más, ela revela ou lança luz sobre sua personalidade ou íntimo. — Compare isso com At 9:1.
PROVÉRBIOS 20:29)
“A glória dos jovens é a sua força, E o esplendor dos idosos são os seus cabelos brancos.”
it-1 p. 454 Cãs
A Bíblia reconhece tanto a beleza da juventude como o esplendor da velhice. “A beleza dos jovens é o seu poder e o esplendor dos anciãos são as suas cãs.” (Pr 20:29) Esta última parte é especialmente veraz se tais pessoas estiverem adorando e servindo a Jeová.
w93 15/3 pp. 27-30 O esplendor dos cabelos grisalhos
O poder da juventude
A Bíblia reconhece a força juvenil e suas vantagens, pois declara: “A beleza dos jovens é o seu poder.” (Provérbios 20:29) No Israel antigo, a força dos levitas jovens era usada no templo, não raro para muitas das tarefas mais pesadas. Hoje em dia, grande parte do trabalho nas gráficas, nos lares de Betel e nas construções da Sociedade Torre de Vigia é executada por homens e mulheres jovens, que ofereceram sua energia e sua capacidade para promover os interesses do Reino. (Mateus 6:33) Eles usufruem assim excelentes privilégios no serviço de Deus.
O provérbio que acabamos de citar conclui com as palavras “e o esplendor dos anciãos são as suas cãs”. Quando o vigor juvenil é conjugado com a experiência e a sabedoria dos anos, forma-se uma combinação bem forte.
Para ilustrar: um jovem aprendiz de carpinteiro, a quem se pede colocar uns painéis, procura desincumbir-se da tarefa com vigor juvenil. Um carpinteiro mais idoso e mais experiente nota que o jovem ajudante, apesar de sua energia, bate num prego diversas vezes antes de fazê-lo penetrar. O trabalhador mais idoso recomenda que o jovem segure o martelo na ponta do cabo, em vez de perto da cabeça do martelo. Isto habilita o jovem a bater no prego com força maior, poupando tempo e energia.
De modo similar, uma mulher jovem e vigorosa talvez aprenda por tentativas que certos tecidos se estragam quando não são lavados segundo as instruções. Uma mulher experiente, porém, sabe o valor de tomar tempo para separar a roupa e lavar algumas peças à parte. Aprendeu também que pode evitar passar a ferro algumas peças por dobrá-las quando as tira do varal ou do secador.
Aprender de alguém experiente pode tornar a vida mais fácil. Não obstante, chega o dia em que mesmo os mais experientes não podem cuidar de certas tarefas que realizavam facilmente alguns anos antes. Um escritor observou aptamente: “Se os jovens tão-somente soubessem e os idosos tão-somente pudessem.” Mas, quão bom é quando os idosos apreciam a força dos mais jovens e pacientemente compartilham com eles a experiência adquirida no decorrer dos anos — e os jovens humildemente aceitam sugestões! Assim, ambos os grupos etários são beneficiados.
Adquirir esplendor
Não basta ter idade. “Não são apenas os abundantes em dias que se mostram sábios, nem somente os idosos que entendem o juízo”, disse o jovem Eliú. (Jó 32:9; Eclesiastes 4:13) Para que realmente se lhe dê valor, por causa dos cabelos grisalhos, a pessoa mais idosa deve ter feito mais com a sua vida do que apenas preguiçosamente ter passado seus dias vendo televisão, assistindo a eventos esportivos ou de outro modo só ter-se divertido. E, mesmo nos anos posteriores, os idosos precisam continuar a aprender.
Alguns gabam-se de como fazem as coisas, ou dizem: “A experiência é o melhor mestre.” No entanto, a Palavra de Deus aconselha: “O sábio escutará e absorverá mais instrução, e homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita.” (Provérbios 1:5; compare com 1 Coríntios 10:11.) A experiência nem sempre é o melhor mestre, porque podemos aprender dos erros dos outros sem ter de cometer os mesmos erros. Além disso, o cristão precisa lembrar-se de que “as cãs são uma coroa de beleza quando se acham no caminho da justiça”. (Provérbios 16:31) Uma vida passada no serviço fiel a Jeová é bela do Seu ponto de vista e granjeia o respeito dos outros como bom exemplo. Naturalmente, aprender sobre Deus e adquirir experiência “no caminho da justiça” pode começar cedo na vida e deve ser um processo perene. — Romanos 11:33, 34.
Pode-se ilustrar isso com o que se deu com um menino de sete anos, na Suécia. Ele perguntou ao superintendente da Escola do Ministério Teocrático, na congregação, se podia ingressar nessa escola. O superintendente perguntou: “Por quê?” Ao que o menino respondeu: “A pessoa não pode desperdiçar a vida inteira!” (Eclesiastes 12:1) Que exemplo positivo tanto para jovens como para idosos!
Honrar o cabelo grisalho
Uma tendência perturbadora da sociedade moderna é dar muito valor à aptidão física e à capacidade atlética, e menosprezar os idosos. Qual deve ser a atitude do cristão para com os de cabelos grisalhos na congregação?
Em vez de não fazermos caso dos cristãos idosos, devemos levá-los em consideração e gastar tempo com eles. Por exemplo, nas reuniões semanais das Testemunhas de Jeová, no Salão do Reino, faz você questão de cumprimentar os idosos? Eles realmente apreciam os cumprimentos dos jovens e dos outros. E quanto os idosos gostam de estar presentes em reuniões sociais de concrentes de diferentes idades! Embora um casal jovem possa ter mais em comum com outros casais de sua idade, seria recompensador incluir idosos em tais reuniões alegres. — 1 Tessalonicenses 3:12; 5:15.
Quão importante é mostrar consideração quando se fala com os idosos! Quando um irmão idoso com 40 anos de serviço prestado a Jeová certa vez falou a outro ancião sobre como poderia ser usado na congregação, o mais jovem disse: “O irmão tem muito pouco para oferecer.” Que observação desamorosa! O irmão mais idoso tinha menos energia do que antes, sua participação no ministério de campo tinha diminuído um pouco, e alguns privilégios de supervisão evidentemente estavam além de sua capacidade atual; todavia, ele tinha muito para oferecer. Tinha acumulado anos de sabedoria e de experiência no caminho da justiça. Por esses idosos terem trabalhado arduamente como pregadores do Reino, terem suportado perseguição, arcado com pesados fardos de responsabilidade cristã e treinado outros, o povo de Deus usufrui agora uma organização forte, apoiada pelo Seu espírito. Portanto, respeitemos esses idosos como conselheiros sábios, pastores amorosos e instrutores eficazes.
Há também bons motivos para dar séria consideração às sugestões de pessoas mais idosas. Por exemplo, um irmão experiente sugeriu que não se colocasse a porta de certo Salão do Reino no lado oeste do prédio. Irmãos mais jovens, mais preocupados com a suposta beleza da construção, não aceitaram sua sugestão. Depois de alguns anos, porém, a porta tinha de ser mudada de lugar, porque constante vento e chuva do oeste estragaram-na. A sabedoria prática da experiência era superior aos fatores estéticos. Quando os mais jovens honram os mais idosos por escutarem suas opiniões e sua sabedoria prática, isto poderá poupar tempo e dinheiro. Mesmo que não se siga a sugestão de alguém mais velho, ele pode ser honrado por se deixá-lo saber que ela foi tomada em consideração, mas que outros fatores levaram a uma decisão diferente. — Veja Provérbios 1:8.
PROVÉRBIOS 20:30)
“Ferimentos e contusões removem o mal, E os golpes purificam o mais íntimo do ser.”
it-2 p. 18 Espancamento
As Escrituras enfatizam repetidas vezes o valor de golpes como medida disciplinar. Provérbios 20:30 mostra que a disciplina pode penetrar fundo, resultando em bem para a pessoa. Reza: “Feridas de contusões é o que expurga o mal; e os golpes, as partes mais íntimas do ventre.” O disciplinado assim devia reconhecer que agiu tolamente e devia mudar. (Pr 10:13; 19:29)
PROVÉRBIOS 21:1)
“O coração do rei é como correntes de água nas mãos de Jeová. Ele o direciona para onde quiser.”
it-3 p. 78 Neemias, Livro de
Induzir Jeová a Artaxerxes a fazer a Sua vontade por atender a solicitação de Neemias, de reconstruir a muralha de Jerusalém, ilustra historicamente Provérbios 21:1: “O coração do rei é como correntes de água na mão de Jeová. Vira-o para onde quer que se agrade.” — Ne 2:4-8.
PROVÉRBIOS 21:11)
“Quando o zombador é punido, o inexperiente obtém sabedoria; Quando o sábio recebe instrução, obtém conhecimento.”
it-3 p. 263 Perspicácia
Segundo Provérbios 21:11, quando o sábio se torna perspicaz — isto é, quando considera com cuidado as informações disponíveis e em resultado disso obtém uma visão mais clara do assunto — ele “obtém conhecimento”, quer dizer, sabe o que fazer a respeito do assunto, que conclusões tirar e que conselho dar.
it-3 p. 477 Sabedoria
Provérbios 21:11 diz que, “por se dar perspicácia ao sábio, ele obtém conhecimento”. O sábio se sente feliz de obter qualquer informação que lhe forneça uma visão mais clara das circunstâncias e condições subjacentes, e das causas de problemas. Assim ele “obtém conhecimento” sobre o que fazer na questão e sabe que conclusões tirar, o que é necessário para solucionar o problema existente. — Compare isso com Pr 9:9; Ec 7:25; 8:1; Ez 28:3; veja PERSPICÁCIA.
PROVÉRBIOS 21:13)
“Quem tapa o ouvido ao clamor do pobre, Também clamará e não terá resposta.”
w93 15/3 p. 20 Por que o queixoso não é feliz
Provérbios 21:13 diz: “Quanto àquele que tapa seu ouvido contra o clamor queixoso do de condição humilde, ele mesmo também clamará e não se lhe responderá.” Em vez de desconsiderar uma queixa legítima, os anciãos devem escutar com compreensão. Por outro lado, todos nós podemos cooperar por encaminhar queixas sérias aos anciãos, em vez de repeti-las a todos os dispostos a ouvir.
PROVÉRBIOS 21:14)
“Um presente dado em segredo abranda a ira; E o suborno dado às escondidas, o forte furor.”
it-3 p. 647 Suborno
As expressões ‘um suborno tomado do peito’ e “o suborno no peito” podem ser entendidas melhor quando se toma em consideração que, em hebraico, a palavra “peito” pode referir-se também à dobra duma veste, acima do cinto. Portanto, essas expressões indicam que o suborno, pelo visto, era escondido na dobra superior da veste e então dado em secreto a outro que, por sua vez, também o escondia. — Pr 17:23; 21:14; veja DÁDIVAS, PRESENTES.
PROVÉRBIOS 21:17)
“Quem ama a diversão ficará pobre; Quem ama o vinho e o azeite não ficará rico.”
w97 1/10 p. 27 Está sendo envenenado pelo espírito do mundo?
A Bíblia adverte: “Aquele que ama a hilaridade [“diversão”, Lamsa] será alguém em necessidade.” (Provérbios 21:17) Não é errado divertir-se, mas amar a diversão ou dar-lhe importância primária levará a se sofrer carência espiritual. Nosso apetite espiritual inevitavelmente ficará insensível e teremos menos tempo disponível para pregar as boas novas.
PROVÉRBIOS 21:18)
“O perverso serve de resgate para o justo; E o traiçoeiro, para os íntegros.”
it-2 p. 634 Justiça
A derradeira posse da terra é prometida aos justos; os iníquos hão de ser eliminados da terra como “resgate” pelos justos, pois, enquanto os iníquos estão no controle, os justos não podem ter paz. E as possessões dos iníquos serão dos justos, conforme diz o provérbio: “A riqueza do pecador é algo entesourado para o justo.” — Pr 13:22; 21:18.
it-3 p. 349 Provérbios, Livro de
Mostra-se que os julgamentos de Jeová são inteiramente corretos, em todos os sentidos, e resultam no bem dos que buscam a retidão. No devido tempo, Deus eliminará os iníquos da terra, a morte destes sendo o preço da liberdade dos justos. Concordemente, o provérbio declara: “O iníquo é resgate para o justo; e quem age traiçoeiramente toma o lugar dos retos.” (Pr 21:18)
it-3 p. 423 Resgate
Faz-se freqüente referência a Jeová remir do Egito os da nação de Israel, para serem sua “propriedade particular” (De 9:26; Sal 78:42), e a remi-los do exílio na Assíria e em Babilônia, muitos séculos depois. (Is 35:10; 51:11; Je 31:11, 12; Za 10:8-10) Também neste caso, a redenção envolvia um preço, uma troca. Ao remir Israel do Egito, Jeová evidentemente fez com que o preço fosse pago pelo Egito. Israel era, efetivamente, o “primogênito” de Deus, e Jeová avisou a Faraó de que a obstinada recusa deste em livrar Israel demandaria a vida dos primogênitos do Faraó e de todo o Egito, quer humano, quer animal. (Êx 4:21-23; 11:4-8) Similarmente, por Ciro ter derrubado Babilônia e libertado os judeus de sua condição de exilados, Jeová lhe deu em troca o “Egito como resgate [forma de kó•fer] por [seu povo], a Etiópia e Sebá” em lugar destes. O Império Persa conquistou assim mais tarde aquelas regiões e, desta forma, ‘grupos nacionais foram dados em lugar das almas dos israelitas’. (Is 43:1-4) Tais trocas estão em harmonia com a declaração inspirada de que o “iníquo é [ou, serve de] resgate [kó•fer] para o justo; e quem age traiçoeiramente toma o lugar dos retos”. — Pr 21:18.
tp cap. 4 pp. 40-41 par. 18 Primeiro a destruição mundial — depois a paz mundial
18 A destruição dos que preferem este atual sistema de coisas, portanto, é o preço que se terá de pagar para remir da insegurança e do sofrimento aqueles que amam o que é reto. Isto se harmoniza com o princípio bíblico: “O iníquo é resgate para o justo.” — Provérbios 21:18; veja Isaías 43:1, 3, 4.
PROVÉRBIOS 21:19)
“Melhor morar no deserto Do que com uma esposa briguenta e geniosa.”
w06 15/9 p. 28 par. 13 “Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
Um provérbio bíblico diz: “Melhor é morar numa terra erma, do que com uma esposa contenciosa junto com vexame.” (Provérbios 21:19) Se você é esposa e seu casamento é desse tipo, pergunte-se: ‘Será que meu humor está tornando difícil para meu marido ficar perto de mim?’
PROVÉRBIOS 21:21)
“Quem se empenha pela justiça e pelo amor leal Achará vida, justiça e glória.”
w10 15/8 p. 25 par. 19 Permita que “a lei da benevolência” resguarde sua língua
19 Provérbios 21:21 diz: “Quem se empenha pela justiça e pela benevolência achará vida, justiça e glória.” Uma das bênçãos em reserva para uma pessoa assim será ‘achar a vida’ — não uma curta existência, mas uma vida sem fim. Jeová ajuda essa pessoa a ‘apegar-se firmemente à verdadeira vida’. (1 Tim. 6:12, 19)
w91 15/7 p. 22 Empenhemo-nos sempre pela benevolência
Continue a Empenhar-se Pela Benevolência
17 Todos os que desejam ter o favor de Deus têm de empenhar-se pela benevolência. “Quem se empenha pela justiça e pela benevolência achará vida, justiça e glória”, diz um sábio provérbio. (Provérbios 21:21) A pessoa piedosa empenha-se diligentemente pela justiça de Deus, sendo sempre guiada por padrões divinos. (Mateus 6:33) Mostra continuamente amor leal, ou benevolência, a outros em sentido material e, especialmente, espiritual. Assim, ela ‘acha’ a justiça, pois o espírito de Jeová ajuda-a a viver de maneira justa. De fato, ela está ‘vestida de justiça’, como estava o piedoso Jó. (Jó 29:14) Tal pessoa não busca a sua própria glória. (Provérbios 25:27) Em vez disso, ela obtém a glória que Jeová permite que ela receba, talvez em forma de respeito da parte de outros seres humanos induzidos por Deus a lidarem benignamente com ela por causa de sua própria benevolência para com eles. Ademais, os que lealmente fazem a vontade de Deus encontrarão a vida — não apenas para poucos anos fugazes, mas, para sempre.
PROVÉRBIOS 21:25)
“O desejo do preguiçoso o matará, Pois suas mãos se negam a trabalhar.”
it-3 p. 311 Preguiça
A preguiça do indolente por fim lhe trará resultados funestos, pois “o próprio anelo do preguiçoso o entregará à morte”. Seu anelo é de coisas que ele não merece, ou que são erradas. Talvez fique arruinado ao tentar obtê-las. De qualquer modo, seu anelo aliado à preguiça o afasta de Deus, a Fonte da vida. — Pr 21:25.
PROVÉRBIOS 21:30)
“Não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho que possam se opor a Jeová.”
it-1 p. 548 Conselho, conselheiro
Isto enfatiza que, se o conselho há de ser de proveito, tem de tomar a Jeová em consideração. Qualquer conselho que está em oposição ao Altíssimo não tem valor. Não é conselho. — Pr 19:21; 21:30.
it-1 p. 815 Entendimento
Ele conhece o Seu próprio propósito invencível e sabe o que fará no futuro. Suas normas justas são fixas, imutáveis. Por isso, “não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho em oposição a Jeová”. (Pr 21:30; compare isso com Is 29:13, 14; Je 23:20; 30:24.)
it-3 p. 349 Provérbios, Livro de
Julgamento e orientação. Quem conhece a Jeová se dá conta, através do conhecimento e da experiência, que, conforme diz Provérbios 21:30, “não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho em oposição a Jeová”. Portanto, embora talvez ouça outros planos, ou os acalente no coração, a pessoa sensata orientará seu modo de vida em harmonia com o conselho de Jeová, sabendo que conselhos contrários, não importa quão sábios ou plausíveis estes aparentam ser, não podem prevalecer contra a palavra de Jeová. — 19:21; compare isso com Jos 23:14; Mt 5:18.
w97 15/3 pp. 15-16 par. 16 Incline seu coração ao discernimento
Na realidade, qualquer conselho contrário ao dele não tem nenhum valor. Provérbios 21:30 diz: “Não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho em oposição a Jeová.” (Note Provérbios 19:21.) Somente o discernimento espiritual, desenvolvido pelo estudo da Palavra de Deus, com a ajuda de publicações fornecidas pelo “escravo fiel e discreto”, nos ajudará a seguir o caminho certo na vida. (Mateus 24:45-47) Portanto, orientemos nosso caminho na vida em harmonia com o conselho de Jeová, sabendo que, não importa quão plausível possa parecer um conselho contrário, este não se compara com a Palavra Dele.
PROVÉRBIOS 21:31)
“O cavalo é preparado para o dia da batalha, Mas a salvação pertence a Jeová.”
w98 15/12 p. 10 par. 2 A salvação pertence a Jeová
2 Salomão, o filho de Davi, também sabia que Jeová é a Fonte da salvação, porque disse: “O cavalo é algo preparado para o dia da batalha, mas a salvação pertence a Jeová.” (Provérbios 21:31) No antigo Oriente Médio, bois puxavam o arado, jumentos carregavam fardos, pessoas andavam em mulas e cavalos eram usados em guerra. No entanto, antes de os israelitas entrarem na Terra Prometida, Deus ordenou que seu futuro rei ‘não devia aumentar para si cavalos’. (Deuteronômio 17:16) Não haveria necessidade de cavalos de guerra, porque Jeová salvaria seu povo.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone