PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

PROVÉRBIOS 1-6 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 3-9 de outubro

TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS: TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | PROVÉRBIOS 1-6

“CONFIE EM JEOVÁ DE TODO O SEU CORAÇÃO”: (10 MIN)

Jeová merece a nossa confiança. Como podemos confiar nele de todo o coração? Um modo é por fazer orações. Outra maneira é por meditar no significado do nome de Jeová, que nos garante que ele é capaz de cumprir todas as suas promessas. O capítulo 3 de Provérbios mostra que, se sempre confiarmos em Jeová, ele vai endireitar nossos caminhos.
Quem é sábio aos seus próprios olhos . . .
Pr 3:5-7
• toma decisões sem antes pedir a orientação dele
• vive de acordo com suas próprias ideias ou faz o que o mundo diz
Quem confia em Jeová . . .
• fortalece sua amizade com ele por meio do estudo da Bíblia, da meditação e da oração
• procura saber o que Jeová pensa: pesquisa o que a Bíblia diz e depois toma uma decisão
COMO VOCÊ TOMA DECISÕES?
Primeiro, eu faço o que acho ser melhor e
depois peço para Jeová abençoar minha decisão
Primeiro, eu busco a ajuda de Jeová por meio de oração e estudo pessoal;
depois, tomo uma decisão seguindo os conselhos da Bíblia

[Mostre o vídeo Introdução a Provérbios.]

Pr 3:1-4 — Mostre amor leal e fidelidade. (w00 15/1 pág. 23 par. 3–pág. 24 par. 1)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 3:1-4
3 Meu filho, não se esqueça dos meus ensinamentos,
E que o seu coração obedeça aos meus mandamentos,
2 Porque eles lhe acrescentarão muitos dias
E anos de vida e paz.
3 Que o amor leal e a fidelidade não o abandonem.
Coloque-os em volta do pescoço;
Escreva-os na tábua do seu coração;
4 Então você ganhará favor e terá grande entendimento
Aos olhos de Deus e dos homens.
A Sentinela (2000) Cultive uma relação achegada com Jeová
Cultive uma relação achegada com Jeová
“CHEGAI-VOS a Deus, e ele se chegará a vós”, escreveu o discípulo Tiago. (Tiago 4:8) E o salmista Davi cantou: “A intimidade com Jeová pertence aos que o temem.” (Salmo 25:14) Isso deixa claro que Jeová Deus quer que tenhamos uma relação bem achegada com ele. Mas nem todos os que adoram a Deus e obedecem suas leis necessariamente se sentem achegados a ele.
E você? Tem uma relação achegada com Deus? É claro que deseja achegar-se mais a ele. Como podemos cultivar uma relação achegada com Deus? O que isso significaria para nós? O terceiro capítulo do livro bíblico de Provérbios responde.
Manifeste benevolência e veracidade
O Rei Salomão, do antigo Israel, inicia o terceiro capítulo de Provérbios com as palavras: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos, porque te serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz.” (Provérbios 3:1, 2) Visto que foi Deus quem inspirou Salomão a escrever, esse conselho paternal vem, na realidade, de Jeová Deus, e é dirigido a nós. Aqui somos aconselhados a seguir os lembretes de Deus — suas leis, ou ensinos, e mandamentos — registrados na Bíblia. Se fizermos isso, nos “serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz”. Realmente, mesmo hoje é possível ter uma vida pacífica e evitar atividades que nos exponham ao risco de morrer prematuramente, o que muitas vezes acontece com quem faz o que é mau. Além disso, podemos ter a esperança de viver eternamente num novo mundo pacífico. — Provérbios 1:24-31; 2:21, 22.
Em seguida, Salomão diz: “Não te abandonem a própria benevolência e veracidade. Ata-as à tua garganta. Inscreve-as na tábua do teu coração, e acha assim favor e boa perspicácia aos olhos de Deus e do homem terreno.” (Provérbios 3:3, 4)
A palavra no idioma original para “benevolência” também é traduzida “amor leal”, e dá a idéia de fidelidade, solidariedade e lealdade. Estamos decididos a continuar apegados a Jeová aconteça o que acontecer? Demonstramos benevolência no relacionamento com concrentes? Fazemos esforço para nos mantermos achegados a eles? Ao lidarmos com eles no dia-a-dia, mantemos ‘a lei da benevolência sobre nossa língua’ mesmo sob condições provadoras? — Provérbios 31:26.
Por ser muito benevolente, Jeová está “pronto a perdoar”. (Salmo 86:5) Se estamos arrependidos dos pecados que cometemos e corrigimos o nosso proceder, temos a garantia de que Jeová nos dará “épocas de refrigério”. (Atos 3:19) Não acha que devemos imitar nosso Deus por perdoarmos as falhas dos outros? — Mateus 6:14, 15.
Jeová é o “Deus da verdade”, e deseja que os que procuram achegar-se a ele sejam ‘verazes’. (Salmo 31:5) Podemos realmente esperar que Jeová seja nosso amigo se levamos uma vida dupla — agindo de uma maneira quando estamos com nossos irmãos cristãos e de outra quando estamos fora de sua vista — como “homens de inveracidade” que escondem que tipo de pessoas são? (Salmo 26:4) Isso seria muita tolice, pois “todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos” de Jeová. — Hebreus 4:13.
Devemos valorizar a benevolência e a veracidade como um colar de preço inestimável ‘atado à nossa garganta’, pois nos ajudarão a ‘achar favor aos olhos de Deus e do homem terreno’. Não devemos fazer dessas qualidades uma mera fachada, mas temos de entalhá-las ‘na tábua do nosso coração’, fazendo com que se tornem parte de nossa personalidade.
Desenvolva absoluta confiança em Jeová
O sábio rei continua: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” — Provérbios 3:5, 6.
Jeová certamente merece toda nossa confiança. Por ser o Criador, ele é “vigoroso em poder” e a Fonte de “energia dinâmica”. (Isaías 40:26, 29) Ele é capaz de realizar tudo o que se propôs a fazer. O próprio significado de seu nome, “Ele causa que venha a ser”, nos faz ter confiança em sua habilidade de cumprir o que prometeu. O fato de ser “impossível que Deus minta” o torna o próprio epítome da verdade. (Hebreus 6:18) Sua principal qualidade é o amor. (1 João 4:8) Ele é “justo em todos os seus caminhos e leal em todos os seus trabalhos”. (Salmo 145:17) Se não pudermos confiar em Deus, em quem confiaremos? Obviamente, para cultivarmos confiança nele, precisamos ‘saborear e ver que Jeová é bom’, por aplicarmos em nossa vida o que aprendemos da Bíblia e refletir sobre o bem que isso gera. — Salmo 34:8.
Como podemos ‘notar a Jeová em todos os nossos caminhos’? O salmista inspirado diz: “Meditarei certamente em toda a tua atividade e vou ocupar-me com as tuas ações.” (Salmo 77:12) Visto que Deus é invisível, para cultivarmos uma relação achegada com ele é fundamental que meditemos sobre suas grandes obras e sobre a maneira como lida com seu povo.
A oração também é uma maneira importante de levarmos Jeová em conta. O Rei Davi continuava a chamar a Jeová “o dia inteiro”. (Salmo 86:3) Davi muitas vezes orava durante a noite, como na ocasião em que era um fugitivo no ermo. (Salmo 63:6, 7) O apóstolo Paulo exortou: “Em todas as ocasiões, fazeis orações em espírito.” (Efésios 6:18) Com que freqüência oramos? Ao falar com Deus, gostamos de abrir o coração para ele? Pedimos a ajuda dele quando passamos por situações provadoras? Oramos em busca de orientação antes de tomarmos decisões importantes? Por orarmos sinceramente a Jeová, conquistamos sua afeição. E temos a garantia de que ele ouvirá nossas orações e ‘endireitará nossas veredas’.
É tolice ‘nos estribarmos em nossa própria compreensão’ ou na compreensão de pessoas importantes no mundo, quando podemos depositar plena confiança em Jeová. “Não te tornes sábio aos teus próprios olhos”, diz Salomão. Em vez disso, ele exorta: “Teme a Jeová e desvia-te do mal. Torne-se isso uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos.” (Provérbios 3:7, 8) O temor salutar de desagradar a Deus deve influir em todas as nossas ações, pensamentos e emoções. Esse temor reverente nos impede de fazer o que é mau, e é espiritualmente benéfico e revigorante.
Dê seu melhor a Jeová
De que outra maneira podemos nos achegar a Jeová? “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos”, orienta o rei. (Provérbios 3:9) Honrar a Jeová significa demonstrar-lhe alta estima e exaltá-lo publicamente por apoiar e participar na proclamação pública de seu nome. As coisas valiosas com as quais honramos a Jeová são nosso tempo e energia, e nossos dons e bens materiais. Essas devem ser nossas primícias — o melhor que temos. Concorda que a maneira de usarmos

Pr 3:5-8 — Desenvolva total confiança em Jeová. (w00 15/1 pág. 24 pars. 2-6)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 3:5-8
5 Confie em Jeová de todo o seu coração;
Não confie no seu próprio entendimento.
6 Lembre-se dele em todos os seus caminhos,
E ele endireitará as suas veredas.
7 Não se torne sábio aos seus próprios olhos.
Tema a Jeová e afaste-se do mal.
8 Isso será uma cura para o seu corpo
E revigoramento para os seus ossos.
A Sentinela (2000) Cultive uma relação achegada com Jeová
quando estamos fora de sua vista — como “homens de inveracidade” que escondem que tipo de pessoas são? (Salmo 26:4) Isso seria muita tolice, pois “todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos” de Jeová. — Hebreus 4:13.
Devemos valorizar a benevolência e a veracidade como um colar de preço inestimável ‘atado à nossa garganta’, pois nos ajudarão a ‘achar favor aos olhos de Deus e do homem terreno’. Não devemos fazer dessas qualidades uma mera fachada, mas temos de entalhá-las ‘na tábua do nosso coração’, fazendo com que se tornem parte de nossa personalidade.
Desenvolva absoluta confiança em Jeová
O sábio rei continua: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” — Provérbios 3:5, 6.
Jeová certamente merece toda nossa confiança. Por ser o Criador, ele é “vigoroso em poder” e a Fonte de “energia dinâmica”. (Isaías 40:26, 29) Ele é capaz de realizar tudo o que se propôs a fazer. O próprio significado de seu nome, “Ele causa que venha a ser”, nos faz ter confiança em sua habilidade de cumprir o que prometeu. O fato de ser “impossível que Deus minta” o torna o próprio epítome da verdade. (Hebreus 6:18) Sua principal qualidade é o amor. (1 João 4:8) Ele é “justo em todos os seus caminhos e leal em todos os seus trabalhos”. (Salmo 145:17) Se não pudermos confiar em Deus, em quem confiaremos? Obviamente, para cultivarmos confiança nele, precisamos ‘saborear e ver que Jeová é bom’, por aplicarmos em nossa vida o que aprendemos da Bíblia e refletir sobre o bem que isso gera. — Salmo 34:8.
Como podemos ‘notar a Jeová em todos os nossos caminhos’? O salmista inspirado diz: “Meditarei certamente em toda a tua atividade e vou ocupar-me com as tuas ações.” (Salmo 77:12) Visto que Deus é invisível, para cultivarmos uma relação achegada com ele é fundamental que meditemos sobre suas grandes obras e sobre a maneira como lida com seu povo.
A oração também é uma maneira importante de levarmos Jeová em conta. O Rei Davi continuava a chamar a Jeová “o dia inteiro”. (Salmo 86:3) Davi muitas vezes orava durante a noite, como na ocasião em que era um fugitivo no ermo. (Salmo 63:6, 7) O apóstolo Paulo exortou: “Em todas as ocasiões, fazeis orações em espírito.” (Efésios 6:18) Com que freqüência oramos? Ao falar com Deus, gostamos de abrir o coração para ele? Pedimos a ajuda dele quando passamos por situações provadoras? Oramos em busca de orientação antes de tomarmos decisões importantes? Por orarmos sinceramente a Jeová, conquistamos sua afeição. E temos a garantia de que ele ouvirá nossas orações e ‘endireitará nossas veredas’.
É tolice ‘nos estribarmos em nossa própria compreensão’ ou na compreensão de pessoas importantes no mundo, quando podemos depositar plena confiança em Jeová. “Não te tornes sábio aos teus próprios olhos”, diz Salomão. Em vez disso, ele exorta: “Teme a Jeová e desvia-te do mal. Torne-se isso uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos.” (Provérbios 3:7, 8) O temor salutar de desagradar a Deus deve influir em todas as nossas ações, pensamentos e emoções. Esse temor reverente nos impede de fazer o que é mau, e é espiritualmente benéfico e revigorante.
Dê seu melhor a Jeová
De que outra maneira podemos nos achegar a Jeová? “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos”, orienta o rei. (Provérbios 3:9) Honrar a Jeová significa demonstrar-lhe alta estima e exaltá-lo publicamente por apoiar e participar na proclamação pública de seu nome. As coisas valiosas com as quais honramos a Jeová são nosso tempo e energia, e nossos dons e bens materiais. Essas devem ser nossas primícias — o melhor que temos. Concorda que a maneira de usarmos

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)

Pr 1:7 — Em que sentido o temor de Jeová é “o princípio do conhecimento”? (w06 15/9 pág. 17 par. 1; it-1 pág. 544 par. 2)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 1:7
7 O temor de Jeová é o princípio do conhecimento.
Apenas os tolos desprezam a sabedoria e a disciplina.
A Sentinela (2006) Destaques do livro de Provérbios
Perguntas bíblicas respondidas:
1:7; 9:10 — Em que sentido o temor de Jeová é “o princípio do conhecimento” e “o início da sabedoria”? Sem o temor de Jeová não pode haver conhecimento, pois ele é o Criador de tudo e Autor das Escrituras. (Romanos 1:20; 2 Timóteo 3:16, 17) Ele é a Fonte de todo o conhecimento verdadeiro. Portanto, o conhecimento começa com o temor reverente de Jeová. Temer a Deus é também o início da sabedoria porque não pode existir sabedoria sem conhecimento. Além do mais, qualquer conhecimento que possa ter, a pessoa que não teme a Jeová não o usará para honrar o Criador.
Perspicaz, Volume 1 Conhecimento
Fonte do Conhecimento. Jeová é realmente a Fonte básica do conhecimento. A vida, naturalmente, procede dele, e a vida é essencial para que se tenha algum conhecimento. (Sal 36:9; At 17:25, 28) Além disso, Deus criou todas as coisas, de modo que o conhecimento humano se baseia num estudo da obra de Deus. (Re 4:11; Sal 19:1, 2) Deus inspirou também a sua Palavra escrita, da qual o homem pode aprender a vontade e os propósitos divinos. (2Ti 3:16, 17) De modo que o ponto focal de todo o verdadeiro conhecimento é Jeová, e aquele que o busca deve ter um temor de Deus, que o torne cuidadoso para não incorrer no desagrado de Jeová. Tal temor é o princípio do conhecimento. (Pr 1:7) Esse temor piedoso coloca a pessoa em condições de obter conhecimento exato, ao passo que aqueles que não tomam a Deus em consideração prontamente tiram conclusões erradas das coisas que observam.

Pr 6:1-5 — Algumas pessoas se envolvem em um acordo comercial que resulta em prejuízo. O que é certo fazer numa situação dessas? (w00 15/9 pág. 25 pars. 3-5)

Tradução do Novo Mundo Provérbios 6:1-5
6 Meu filho, se você se tornou fiador do seu próximo,
Se apertou a mão de um estranho,
2 Se foi enlaçado pela sua própria promessa,
Se foi apanhado pelas palavras da sua própria boca,
3 Meu filho, faça o seguinte para se livrar,
Pois você caiu nas mãos do seu próximo:
Vá se humilhar e suplique logo ao seu próximo.
4 Não feche os olhos para dormir,
Nem deixe suas pálpebras descansar.
5 Livre-se como a gazela se livra das mãos do caçador,
Como o pássaro das mãos do passarinheiro.
A Sentinela (2000) Proteja seu nome
Livre-se de promessas imprudentes
O capítulo 6 de Provérbios começa com as palavras: “Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, se tiveres dado teu aperto de mão até mesmo a um estranho, se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, se tiveres sido apanhado pelas declarações da tua boca, então toma esta ação, meu filho, e livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te e arremete contra o teu próximo com importunações.” — Provérbios 6:1-3.
Este provérbio aconselha a pessoa a não se envolver nos tratos comerciais de outros, especialmente de estranhos. É verdade que os israelitas deviam ‘amparar seu irmão que ficou pobre e financeiramente fraco’. (Levítico 25:35-38) Mas alguns israelitas empreendedores envolviam-se em especulações comerciais e conseguiam apoio financeiro por convencer outros a ‘prestar fiança’ por eles, tornando-os assim responsáveis pela dívida. Situações similares podem surgir hoje. Por exemplo, algumas instituições financeiras podem exigir um avalista antes de aprovarem um empréstimo que consideram arriscado. Como é imprudente comprometer-se assim apressadamente a favor de outros! Ora, isso pode enlaçar-nos financeiramente, até mesmo dando-nos um mau nome perante bancos e outros credores.
Que fazer quando nos encontramos num apuro por ter tomado uma ação que no começo parecia sábia, mas que mostrou-se imprudente quando a examinamos mais de perto? O conselho é deixar de lado o orgulho e ‘arremeter contra o próximo com importunações’ — com solicitações constantes. Temos de fazer todo o possível para endireitar os assuntos. Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.” E deve-se fazer isso sem demora, pois o rei acrescenta: “Não dês sono aos teus olhos, nem cochilo aos teus olhos radiantes. Livra-te como a gazela se livra da mão e como o pássaro da mão do passarinheiro.” (Provérbios 6:4, 5) É melhor desvencilhar-se dum compromisso imprudente, quando possível, do que ser enlaçado por ele.

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

PROVÉRBIOS 1-6 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS

PROVÉRBIOS 1:2)
“para se conhecer sabedoria e disciplina, para se discernirem as declarações de entendimento,”
w06 15/9 p. 16 Destaques do livro de Provérbios
As declarações inspiradas reunidas no livro de Provérbios têm um objetivo duplo — ‘conhecer a sabedoria e a disciplina’. (Provérbios 1:2) Tais declarações nos ajudam a adquirir sabedoria, que é a capacidade de ver as coisas com clareza e aplicar o conhecimento para resolver problemas. Por meio delas também recebemos disciplina, ou treinamento moral. Dar atenção a esses provérbios e aceitar seus conselhos pode influir no nosso coração, trazer felicidade e levar ao sucesso. — Hebreus 4:12.
w99 15/9 pp. 12-13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
O objetivo do livro de Provérbios é explicado nas suas palavras iniciais: “Os provérbios de Salomão, filho de Davi, rei de Israel, para se conhecer sabedoria e disciplina, para se discernirem as declarações de entendimento, para se receber a disciplina que dá perspicácia, justiça e juízo, e retidão, para se dar argúcia aos inexperientes, conhecimento e raciocínio ao moço.” — Provérbios 1:1-4.
Que objetivo nobre têm “os provérbios de Salomão”! Visam a se ‘conhecer sabedoria e disciplina’. A sabedoria envolve encarar as coisas do modo como são e usar este conhecimento para resolver problemas, atingir objetivos, evitar ou afastar perigos, ou ajudar outros a fazer isso. “No Livro de Provérbios”, diz uma obra de referências, “‘sabedoria’ significa viver com habilidade — a capacidade de fazer escolhas sábias e viver de forma bem-sucedida”. Como é importante adquirir sabedoria! — Provérbios 4:7.
Os provérbios de Salomão dão também disciplina. Precisamos deste treinamento? Nas Escrituras, disciplina transmite o sentido de correção, repreensão e castigo. Segundo certo erudito bíblico, “denota o treinamento da natureza moral, envolvendo a correção da obstinação em tolice”. A disciplina, quer imposta por nós mesmos, quer dada por outros, não somente nos restringe de nos empenharmos em transgressões, mas também nos motiva a mudar para melhor. Deveras, precisamos de disciplina se quisermos continuar moralmente limpos.
O objetivo dos provérbios é duplo — dar sabedoria e dar disciplina. A disciplina moral e a capacidade mental têm numerosos aspectos. A retidão e a justiça, por exemplo, são qualidades morais, e elas nos ajudam a aderir às elevadas normas de Jeová.
A sabedoria é um conjunto de muitos fatores, incluindo entendimento, perspicácia, argúcia e raciocínio.
PROVÉRBIOS 1:3)
“para se receber a disciplina que dá perspicácia, justiça e juízo, e retidão,”
w99 15/9 p. 13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Ter perspicácia requer conhecimento dos motivos e reconhecimento de por que certo proceder é certo ou errado. Por exemplo, um homem de entendimento pode discernir quando alguém está indo na direção errada e pode imediatamente avisá-lo do perigo. Mas requer perspicácia da sua parte para entender por que a pessoa vai naquela direção e pensar no modo mais eficaz de socorrê-la.
w99 15/9 p. 12 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
para se receber a disciplina que dá perspicácia, justiça e juízo, e retidão,
PROVÉRBIOS 1:4)
“para se dar argúcia aos inexperientes, conhecimento e raciocínio ao moço.”
w02 15/12 p. 30 Lembra-se?
Como o “raciocínio” pode servir de proteção? (Provérbios 1:4)
Ele pode nos alertar aos perigos para a nossa espiritualidade e nos motivar a adotar uma atitude correta como, por exemplo, evitar envolvimentos imorais com colegas de trabalho. Ajuda-nos a reconhecer que nossos irmãos cristãos são imperfeitos, o que fará com que evitemos uma reação precipitada ao sermos provocados. Pode ajudar-nos também a evitar pressões do materialismo, que poderiam nos desviar espiritualmente. — 15/8, páginas 21-4.
w99 15/9 p. 13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Os arguciosos são prudentes — não simplórios. (Provérbios 14:15) Conseguem prever o mal e preparar-se para ele. E a sabedoria nos habilita a ter pensamentos e idéias sadios que dão um objetivo intencional à vida. O estudo dos provérbios bíblicos deveras é recompensador, porque foram registrados para conhecermos sabedoria e disciplina. Mesmo os “inexperientes” que prestam atenção aos provérbios obterão argúcia, e o “moço”, conhecimento e raciocínio.
w99 15/9 p. 12 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
para se dar argúcia aos inexperientes, conhecimento e raciocínio ao moço.” — Provérbios 1:1-4.
PROVÉRBIOS 1:5)
“O sábio escutará e absorverá mais instrução, e homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita”
w12 15/6 p. 30 Seja sábio — Busque “orientação perita”
Lembrando-se da metáfora de que a vida é como uma viagem, veja esta verdade bíblica: “O sábio escutará e absorverá mais instrução, e homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita.” (Pro. 1:5, 6) O termo hebraico traduzido “orientação perita” pode se referir às ações do capitão de um navio do passado. Implica a habilidade de guiar e orientar com perícia.
Embora exija esforço, podemos obter “orientação perita” e aprender a “navegar” com êxito no oceano da vida. Como indicado em Provérbios, temos de permitir que “sabedoria”, “entendimento” e “perspicácia” trabalhem juntos. (Pro. 1:2-6; 2:1-9) E não podemos deixar de buscar a orientação divina, pois até mesmo os maus talvez saibam ‘dirigir’ para fins injustos. — Pro. 12:5.
w99 15/9 p. 13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Provérbios para os sábios
Os provérbios bíblicos, porém, não são apenas para os inexperientes e para os jovens. São para todos os bastante sábios para escutar. “O sábio escutará e absorverá mais instrução, e homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita para entender um provérbio e uma expressão enigmática, as palavras de sábios e seus enigmas.” (Provérbios 1:5, 6) Quem já tem sabedoria aumentará seu saber por dar atenção aos provérbios, e o homem de entendimento aguçará sua capacidade de levar a vida com bom êxito.
w95 15/6 p. 19 par. 6 ‘Serviço sagrado com a sua faculdade de raciocínio’
Necessitamos também de entendimento, pois “homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita”. (Provérbios 1:5) O entendido consegue separar os fatores individuais dum assunto e perceber a relação que têm entre si. Assim como no caso dum quebra-cabeça, pode juntar as peças para poder enxergar o quadro inteiro.
it-1 p. 816 Entendimento
Provérbios 1:1-6 mostra que “homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita para entender um provérbio e uma expressão enigmática, as palavras de sábios e seus enigmas”. Estes não devem ser apenas coisas ditas para passar o tempo em conversa ociosa, porque os sábios não costumam desperdiçar tempo desta maneira, mas devem referir-se a instruções, perguntas e problemas que disciplinam e treinam a mente e o coração segundo princípios corretos, preparando assim o aprendiz para ações sábias no futuro. (Veja Sal 49:3, 4.)
PROVÉRBIOS 1:6)
“para entender um provérbio e uma expressão enigmática, as palavras de sábios e seus enigmas.”
w99 15/9 p. 13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Um provérbio muitas vezes expressa uma profunda verdade com pouquíssimas palavras. Um provérbio bíblico pode assumir a forma duma declaração intrigante. (Provérbios 1:17-19) Alguns provérbios são quebra-cabeças — declarações perplexas e intricadas, que precisam ser desenredadas. O provérbio pode também conter símiles, metáforas e outras figuras de linguagem. Entendê-las requer tempo e meditação. Salomão, compositor de muitíssimos provérbios, certamente entendia as nuanças do entendimento dum provérbio. No livro de Provérbios, ele empreende a tarefa de habilitar os seus leitores a fazer o mesmo, algo a que a pessoa sábia deve querer dar atenção.
w99 15/9 p. 13 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
para entender um provérbio e uma expressão enigmática, as palavras de sábios e seus enigmas.” (Provérbios 1:5, 6)
it-1 p. 812 Enigma
Enigma
Uma declaração intrigante. A palavra hebraica para enigma também pode ser vertida ‘declaração ambígua’ ou ‘pergunta desconcertante’. (Veja Da 8:23 n.) Enigmas são contrastados com linguagem clara que pode ser facilmente entendida. (Núm 12:8) Essa palavra às vezes é usada como expressão paralela de “dito proverbial”, porque um enigma bem que pode ser uma declaração cheia de significado, mas que é expressa em linguagem obscura. (Sal 49:4) A mesma palavra hebraica traduzida “enigmas”, também, num contexto diferente, é vertida “perguntas difíceis”. (2Cr 9:1) É preciso uma mente arguta para formular um enigma, que amiúde envolve uma analogia obscura, porém exata, e desvendar tal enigma exige a habilidade de ver as coisas em sua relação umas com as outras; assim, a Bíblia se refere aos enigmas como produto de pessoas sábias e como algo a ser discernido pelo homem de entendimento. — Pr 1:5, 6.
it-1 p. 816 Entendimento
Provérbios 1:1-6 mostra que “homem de entendimento é aquele que adquire orientação perita para entender um provérbio e uma expressão enigmática, as palavras de sábios e seus enigmas”. Estes não devem ser apenas coisas ditas para passar o tempo em conversa ociosa, porque os sábios não costumam desperdiçar tempo desta maneira, mas devem referir-se a instruções, perguntas e problemas que disciplinam e treinam a mente e o coração segundo princípios corretos, preparando assim o aprendiz para ações sábias no futuro. (Veja Sal 49:3, 4.)
PROVÉRBIOS 1:7)
“O temor de Jeová é o princípio do conhecimento. Sabedoria e disciplina são o que os meros tolos têm desprezado.”
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
1:7; 9:10 — Em que sentido o temor de Jeová é “o princípio do conhecimento” e “o início da sabedoria”? Sem o temor de Jeová não pode haver conhecimento, pois ele é o Criador de tudo e Autor das Escrituras. (Romanos 1:20; 2 Timóteo 3:16, 17) Ele é a Fonte de todo o conhecimento verdadeiro. Portanto, o conhecimento começa com o temor reverente de Jeová.
w99 15/9 pp. 13-14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
O começo que leva a um objetivo
Onde se começa a fazer a busca de sabedoria e de disciplina? Salomão responde: “O temor de Jeová é o princípio do conhecimento. Sabedoria e disciplina são o que os meros tolos têm desprezado.” (Provérbios 1:7) O conhecimento começa com o temor de Jeová. Sem conhecimento não pode haver nem sabedoria nem disciplina. Portanto, o temor de Jeová é o início para se ter sabedoria e disciplina. — Provérbios 9:10; 15:33.
O temor de Deus não significa ter um pavor mórbido dele. Antes, é profunda reverência e admiração. Não pode haver verdadeiro conhecimento sem este temor. A vida provém de Jeová Deus, e ela é, naturalmente, essencial para termos conhecimento. (Salmo 36:9; Atos 17:25, 28) Além disso, Deus criou todas as coisas; de modo que todo o conhecimento humano se baseia no estudo das obras dele. (Salmo 19:1, 2; Revelação [Apocalipse] 4:11) Deus inspirou também sua Palavra escrita, que é “proveitosa para ensinar, para repreender, para endireitar as coisas, para disciplinar em justiça”. (2 Timóteo 3:16, 17) De modo que o ponto focal de todo o verdadeiro conhecimento é Jeová, e quem o procura precisa ter temor reverente Dele.
De que valor são o conhecimento humano e a sabedoria do mundo sem o temor de Deus? O apóstolo Paulo escreveu: “Onde está o sábio? Onde o escriba? Onde o polemista deste sistema de coisas? Não tornou Deus tola a sabedoria do mundo?” (1 Coríntios 1:20) Quem é sábio nas coisas do mundo, mas não tem temor piedoso, tira conclusões erradas de fatos conhecidos e acaba sendo um ‘mero tolo’.
g97 22/8 p. 19 O que fazer para não levar a culpa por tudo?
Como deve reagir, então, quando é responsabilizado por algo que realmente fez? Alguns jovens tentam agir como se fossem vítimas da maior injustiça do mundo. Eles protestam, esperneiam, dizendo que os pais sempre os culpam por tudo. O que conseguem com isso? Os pais, frustrados, tomam medidas mais duras para convencer. A Bíblia dá o seguinte conselho: “Sabedoria e disciplina são o que os meros tolos têm desprezado. Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.” (Provérbios 1:7, 8) Quando você admite seus erros e faz as mudanças necessárias, você pode aprender de seus erros. — Hebreus 12:11.
rs p. 174 par. 5 Filosofia
Pro. 1:7; Sal. 111:10: “O temor de Jeová é o princípio do conhecimento . . . [e] da sabedoria.” (Se o universo não fosse o produto de um Criador inteligente, mas de mera força cega, irracional, seria possível termos uma concepção unificada do universo? Será que do estudo de algo que em si é irracional resultaria o que quer que seja que se qualificasse como sabedoria? Os que tentam conceber o universo, ou a própria vida, não levando em conta a Deus e seu propósito, enfrentam constante frustração. Interpretam mal o que aprendem e fazem uso errado dos fatos que colhem. A desconsideração da crença em Deus destrói a chave do conhecimento exato e torna impossível uma linha de pensamento verdadeiramente coerente.)
it-1 p. 544 Conhecimento
De modo que o ponto focal de todo o verdadeiro conhecimento é Jeová, e aquele que o busca deve ter um temor de Deus, que o torne cuidadoso para não incorrer no desagrado de Jeová. Tal temor é o princípio do conhecimento. (Pr 1:7) Esse temor piedoso coloca a pessoa em condições de obter conhecimento exato, ao passo que aqueles que não tomam a Deus em consideração prontamente tiram conclusões erradas das coisas que observam.
PROVÉRBIOS 1:8)
“Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.”
w00 1/8 p. 5 Por que é essencial respeitar a autoridade?
No livro de Provérbios, o sábio Salomão chama atenção para a união de pais tementes a Deus diante dos seus filhos, dizendo: “Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.” (Provérbios 1:8) Quando os pais mantêm esta espécie de solidariedade razoável diante dos filhos, estes saberão o que se espera deles. Eles talvez procurem jogar pai e mãe um contra o outro para conseguir o que querem, mas a autoridade unida dos pais é de proteção para os jovens.
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
O rei sábio dirige-se a seguir ao jovem: “Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Provérbios 1:8, 9.
No antigo Israel, os pais tinham a responsabilidade, dada por Deus, de instruir os filhos. Moisés exortou os pais: “Estas palavras que hoje te ordeno têm de estar sobre o teu coração; e tens de inculcá-las a teu filho, e tens de falar delas sentado na tua casa e andando pela estrada, e ao deitar-te e ao levantar-te.” (Deuteronômio 6:6, 7) As mães também exerciam uma considerável influência. Dentro da estrutura da autoridade de seu marido, a esposa hebréia podia fazer vigorar a lei da família.
g97 22/8 p. 19 O que fazer para não levar a culpa por tudo?
Como deve reagir, então, quando é responsabilizado por algo que realmente fez? Alguns jovens tentam agir como se fossem vítimas da maior injustiça do mundo. Eles protestam, esperneiam, dizendo que os pais sempre os culpam por tudo. O que conseguem com isso? Os pais, frustrados, tomam medidas mais duras para convencer. A Bíblia dá o seguinte conselho: “Sabedoria e disciplina são o que os meros tolos têm desprezado. Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.” (Provérbios 1:7, 8) Quando você admite seus erros e faz as mudanças necessárias, você pode aprender de seus erros. — Hebreus 12:11.
w92 15/10 p. 9 par. 4 O amoroso arranjo da família instituído por Jeová
As mães exerciam muita influência. Provérbios 1:8 ordenava aos jovens: “Escuta, meu filho, a disciplina de teu pai e não abandones a lei de tua mãe.” Sim, no âmbito da autoridade de seu marido, a esposa hebréia podia estabelecer — e fazer cumprir — leis familiares. Devia ser honrada pelos filhos, mesmo depois de ela envelhecer. — Provérbios 23:22.
PROVÉRBIOS 1:9)
“Porque são uma grinalda de encanto para a tua cabeça e um fino colar para a tua garganta.”
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Porque são uma grinalda de encanto para a tua cabeça e um fino colar para a tua garganta.” — Provérbios 1:8, 9.
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Deveras, em toda a Bíblia, a família é a unidade básica para se fornecer educação. (Efésios 6:1-3) Obedecerem os filhos aos pais crentes é para eles um figurativo adorno com grinalda de encanto e colar de honra.
PROVÉRBIOS 1:10)
“Filho meu, se pecadores tentarem seduzir-te, não consintas [nisso].”
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
É claro que o engodo são as riquezas. Tomando por base o enriquecimento rápido, “pecadores” seduzem outros a se envolverem nas tramas violentas e injustas deles.
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Um pai asiático, antes de enviar seu filho de 16 anos aos Estados Unidos para receber uma educação superior, aconselhou-o a não se envolver com gente ruim. Este conselho repete a advertência de Salomão: “Filho meu, se pecadores tentarem seduzir-te, não consintas nisso.” (Provérbios 1:10)
PROVÉRBIOS 1:12)
“Traguemo-los vivos assim como o Seol, sim, inteiros, como aos que descem ao poço.”
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Eles ‘tragam sua vítima viva assim como o Seol, mesmo inteira’, privando-a de tudo o que tiver, assim como a sepultura recebe o cadáver inteiro.
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Traguemo-los vivos assim como o Seol, sim, inteiros, como aos que descem ao poço.
PROVÉRBIOS 1:13)
“Achemos toda sorte de valores preciosos. Enchamos as nossas casas de despojo.”
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Eles convidam a se seguir uma carreira no crime — querem ‘encher sua casa de despojo’, e querem que o inexperiente ‘lance sua sorte com eles’. Que advertência oportuna isso é para nós! Não usam as gangues de jovens e os traficantes de drogas uns métodos similares de aliciamento? Não é a promessa de se ficar rapidamente rico a tentação de muitas propostas questionáveis de negócios?
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Achemos toda sorte de valores preciosos. Enchamos as nossas casas de despojo. Devias lançar a tua sorte entre nós. Venha a haver apenas uma só bolsa pertencente a todos nós.’” — Provérbios 1:11-14.
PROVÉRBIOS 1:14)
“Devias lançar a tua sorte entre nós. Venha a haver apenas uma só bolsa pertencente a todos nós” —”
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Eles convidam a se seguir uma carreira no crime — querem ‘encher sua casa de despojo’, e querem que o inexperiente ‘lance sua sorte com eles’. Que advertência oportuna isso é para nós! Não usam as gangues de jovens e os traficantes de drogas uns métodos similares de aliciamento? Não é a promessa de se ficar rapidamente rico a tentação de muitas propostas questionáveis de negócios?
w99 15/9 p. 14 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Achemos toda sorte de valores preciosos. Enchamos as nossas casas de despojo. Devias lançar a tua sorte entre nós. Venha a haver apenas uma só bolsa pertencente a todos nós.’” — Provérbios 1:11-14.
PROVÉRBIOS 1:17)
“Pois é debalde que se estende a rede diante dos olhos de algo que tem asas.”
w99 15/9 p. 15 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Predizendo o seu fim desastroso, ele acrescenta: “Pois é debalde que se estende a rede diante dos olhos de algo que tem asas. Por conseguinte, eles mesmos ficam de tocaia pelo próprio sangue destes; ficam às escondidas contra as suas almas. Assim são as veredas de todo aquele que obtém lucro injusto. Tira a própria alma dos seus donos.” — Provérbios 1:15-19.
“Todo aquele que obtém lucro injusto” perecerá no seu próprio proceder. A própria emboscada que os iníquos armam para outros se tornará uma armadilha para eles mesmos. Será que os malfeitores deliberados mudarão de proceder? Não. Uma rede pode estar à plena vista, mas os pássaros — criaturas ‘que têm asas’ — de qualquer modo voam para dentro dela. De modo similar, os iníquos, cegados pela sua ganância, prosseguem com os seus atos criminosos, embora mais cedo ou mais tarde sejam apanhados.
PROVÉRBIOS 1:18)
“Por conseguinte, eles mesmos ficam de tocaia pelo próprio sangue destes; ficam às escondidas contra as suas almas.”
w99 15/9 p. 15 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Predizendo o seu fim desastroso, ele acrescenta: “Pois é debalde que se estende a rede diante dos olhos de algo que tem asas. Por conseguinte, eles mesmos ficam de tocaia pelo próprio sangue destes; ficam às escondidas contra as suas almas. Assim são as veredas de todo aquele que obtém lucro injusto. Tira a própria alma dos seus donos.” — Provérbios 1:15-19.
“Todo aquele que obtém lucro injusto” perecerá no seu próprio proceder. A própria emboscada que os iníquos armam para outros se tornará uma armadilha para eles mesmos. Será que os malfeitores deliberados mudarão de proceder? Não. Uma rede pode estar à plena vista, mas os pássaros — criaturas ‘que têm asas’ — de qualquer modo voam para dentro dela. De modo similar, os iníquos, cegados pela sua ganância, prosseguem com os seus atos criminosos, embora mais cedo ou mais tarde sejam apanhados.
PROVÉRBIOS 1:19)
“Assim são as veredas de todo aquele que obtém lucro injusto. Tira a própria alma dos seus donos.”
w99 15/9 p. 15 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Predizendo o seu fim desastroso, ele acrescenta: “Pois é debalde que se estende a rede diante dos olhos de algo que tem asas. Por conseguinte, eles mesmos ficam de tocaia pelo próprio sangue destes; ficam às escondidas contra as suas almas. Assim são as veredas de todo aquele que obtém lucro injusto. Tira a própria alma dos seus donos.” — Provérbios 1:15-19.
“Todo aquele que obtém lucro injusto” perecerá no seu próprio proceder. A própria emboscada que os iníquos armam para outros se tornará uma armadilha para eles mesmos. Será que os malfeitores deliberados mudarão de proceder? Não. Uma rede pode estar à plena vista, mas os pássaros — criaturas ‘que têm asas’ — de qualquer modo voam para dentro dela. De modo similar, os iníquos, cegados pela sua ganância, prosseguem com os seus atos criminosos, embora mais cedo ou mais tarde sejam apanhados.
PROVÉRBIOS 1:20)
“A verdadeira sabedoria é que grita na própria rua. Nas praças públicas está emitindo a sua voz.”
w99 15/9 p. 15 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Salomão declara: “A verdadeira sabedoria é que grita na própria rua. Nas praças públicas está emitindo a sua voz. Clama na extremidade superior das ruas barulhentas. Às entradas dos portões da cidade diz as suas próprias declarações.” (Provérbios 1:20, 21) Com voz alta e clara, a sabedoria grita em lugares públicos para todos a ouvirem. No antigo Israel, os anciãos davam conselhos sábios e faziam decisões judiciais junto aos portões da cidade. Para nós, Jeová fez a verdadeira sabedoria ser registrada na sua Palavra, a Bíblia, que está amplamente disponível. E seus servos se ocupam hoje em proclamar publicamente a mensagem dela em toda a parte. Deveras, Deus faz com que se proclame a sabedoria perante todos.
PROVÉRBIOS 1:21)
“Clama na extremidade superior das ruas barulhentas. Às entradas dos portões da cidade diz as suas próprias declarações:”
w99 15/9 p. 15 Obtenha sabedoria e aceite disciplina
Salomão declara: “A verdadeira sabedoria é que grita na própria rua. Nas praças públicas está emitindo a sua voz. Clama na extremidade superior das ruas barulhentas. Às entradas dos portões da cidade diz as suas próprias declarações.” (Provérbios 1:20, 21) Com voz alta e clara, a sabedoria grita em lugares públicos para todos a ouvirem. No antigo Israel, os anciãos davam conselhos sábios e faziam decisões judiciais junto aos portões da cidade. Para nós, Jeová fez a verdadeira sabedoria ser registrada na sua Palavra, a Bíblia, que está amplamente disponível. E seus servos se ocupam hoje em proclamar publicamente a mensagem dela em toda a parte. Deveras, Deus faz com que se proclame a sabedoria perante todos.
PROVÉRBIOS 1:32)
“Pois a renegação dos inexperientes é o que os matará e a despreocupação dos estúpidos é o que os destruirá.”
w02 1/10 p. 32 É correto ser uma pessoa “despreocupada”?
É correto ser uma pessoa “despreocupada”?
A MAIORIA das pessoas provavelmente encararia como elogio ser considerada despreocupada, de natureza descontraída, calma e tolerante. No entanto, existe o outro lado da despreocupação. A Bíblia diz: “A despreocupação dos estúpidos é o que os destruirá.” (Provérbios 1:32) O que significa isso?
Outras versões da Bíblia vertem a palavra hebraica original com expressões tais como “descuido” (Loyola), ‘satisfeito consigo mesmo’ (Nova Tradução na Linguagem de Hoje) e “indolência”. (Pontifício Instituto Bíblico) Neste sentido, a despreocupação é relacionada com a preguiça e o descuido e, portanto, com a estupidez e a tolice.
No primeiro século, os cristãos na congregação de Laodicéia ou não se davam conta da sua deficiência espiritual, ou não se importavam com ela. Convencidos, gabavam-se de ‘não precisarem de coisa alguma’. Jesus Cristo os corrigiu, exigindo que reavivassem seu zelo cristão. — Revelação (Apocalipse) 3:14-19.
A acomodação e a despreocupação também eram características das pessoas nos dias de Noé. Elas ficavam absortas com coisas corriqueiras, “comendo e bebendo, os homens casando-se e as mulheres sendo dadas em casamento, . . . e não fizeram caso, até que veio o dilúvio e os varreu a todos”. Jesus acrescentou então: “Assim será a presença do Filho do homem.” — Mateus 24:37-39.
O cumprimento de profecias bíblicas indica que estamos vivendo na “presença do Filho do homem”, Jesus Cristo. Que nunca fiquemos indolentes, descuidados, satisfeitos com nós mesmos — despreocupados no sentido negativo. — Lucas 21:29-36.
PROVÉRBIOS 2:1)
“Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos,”
w02 15/8 pp. 15-17 “Siga-me continuamente”
Cultivemos amor pelas verdades que aprendemos
3 Para amar as verdades que ensinamos a outros nós mesmos temos de gostar de aprender essas verdades. No mundo atual, desenvolver esse tipo de amor nem sempre é fácil. Fatores tais como uma instrução escolar inadequada, bem como maus hábitos desenvolvidos na juventude, fazem com que muitos não gostem de estudar. No entanto, é essencial que aprendamos de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
4 Note que nos versículos 1 a 4 somos repetidamente exortados a nos esforçarmos não só a ‘aceitar’ e a ‘entesourar’, mas também a ‘persistir em procurar’ e a ‘continuar a buscar’. No entanto, o que nos deve motivar a fazer tudo isso? Pois bem, note a frase ‘incline teu coração ao discernimento’. Uma obra de referência diz que esta exortação “não é só um apelo para prestar atenção; também exige tomar uma atitude: ser receptivo e ter vivo interesse no que lhe é ensinado”. E o que pode contribuir para que aceitemos e estejamos desejosos de aprender o que Jeová nos ensina? O modo como vemos as coisas. Precisamos considerar “o próprio conhecimento de Deus” como “prata” e como “tesouros escondidos”.
5 Tal conceito não é difícil de adquirir. Por exemplo, o “conhecimento de Deus” que você obteve provavelmente inclui a verdade de que Jeová tem o propósito de fazer a humanidade fiel viver para sempre num Paraíso na Terra. (Salmo 37:28, 29) Quando aprendeu essa verdade, sem dúvida a considerava um tesouro genuíno, um conhecimento que lhe encheu a mente e o coração de esperança e de alegria. Mas o que dizer de agora? Com o passar do tempo, será que o apreço pelo seu tesouro diminuiu ou se desvaneceu? Nesse caso, procure fazer duas coisas. Primeiro, renove seu apreço, quer dizer, tente lembrar-se com regularidade por que cada verdade que Jeová lhe ensinou, mesmo as que aprendeu há muitos anos, é valiosa para você.
6 Segundo, continue a aumentar o seu tesouro. Afinal, se estivesse escavando e encontrasse por acaso uma pedra preciosa, será que apenas a poria no bolso e seguiria adiante feliz? Ou continuaria escavando em busca de outras? A Palavra de Deus está repleta de verdades semelhantes a prata e a tesouros escondidos. Não importa quantas verdades preciosas já encontrou, poderá achar mais. (Romanos 11:33) Quando descobre um novo aspecto da verdade, pergunte-se: ‘O que o torna um tesouro? Será que me dá um entendimento mais profundo da personalidade de Jeová e de seus propósitos? Oferece alguma orientação prática que me pode ajudar a seguir os passos de Jesus?’ Refletir nessas perguntas o ajudará a desenvolver seu amor às verdades que Jeová lhe ensinou.
w02 1/12 p. 14 par. 6 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
O que aprendemos dessas palavras? Que a responsabilidade recai sobre nós individualmente. Note a condição, “se aceitares as minhas declarações”. Este é um fator crucial quando lembramos que a maioria da humanidade não presta atenção à Palavra de Deus. Para termos alegria em estudar a Palavra de Deus temos de estar dispostos a acolher as declarações de Jeová e a considerá-las como um tesouro que não queremos perder. Nunca devemos permitir que a nossa rotina diária nos mantenha ocupados demais ou nos distraia a ponto de encararmos a Palavra de Deus com indiferença e até com desconfiança. — Romanos 3:3, 4.
w02 1/12 p. 14 par. 6 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
Provérbios 2:1,
w02 1/12 p. 14 par. 6 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
6 Para começar, encontramos esta exortação: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos,
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Nota a quem cabe a responsabilidade para obter sabedoria? Nestes versículos, a conjunção condicional “se” ocorre três vezes. É evidente que cabe a cada um de nós buscar a sabedoria e seus ajudadores — o discernimento e o entendimento (ou a compreensão). Primeiro, porém, precisamos “aceitar” e “entesourar” na memória as palavras de sabedoria registradas nas Escrituras. Para isso temos de estudar a Bíblia.
w99 15/11 p. 25 “O próprio Jeová dá sabedoria”
O “se” repetido, na passagem inicial do segundo capítulo de Provérbios, é seguido por palavras tais como “aceitares”, “entesourares”, “clamares”, “persistires em procurar” e “continuares a buscar”. Por que usa o escritor essas expressões de crescente intensidade? Certa obra de referência diz: “O sábio enfatiza [aqui] a necessidade de seriedade na busca da sabedoria.” Deveras, temos de buscar seriamente a sabedoria e as qualidades relacionadas com ela — o discernimento e o entendimento (ou a compreensão).
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos,
PROVÉRBIOS 2:2)
“de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento;”
w02 15/8 pp. 15-17 “Siga-me continuamente”
Cultivemos amor pelas verdades que aprendemos
3 Para amar as verdades que ensinamos a outros nós mesmos temos de gostar de aprender essas verdades. No mundo atual, desenvolver esse tipo de amor nem sempre é fácil. Fatores tais como uma instrução escolar inadequada, bem como maus hábitos desenvolvidos na juventude, fazem com que muitos não gostem de estudar. No entanto, é essencial que aprendamos de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
4 Note que nos versículos 1 a 4 somos repetidamente exortados a nos esforçarmos não só a ‘aceitar’ e a ‘entesourar’, mas também a ‘persistir em procurar’ e a ‘continuar a buscar’. No entanto, o que nos deve motivar a fazer tudo isso? Pois bem, note a frase ‘incline teu coração ao discernimento’. Uma obra de referência diz que esta exortação “não é só um apelo para prestar atenção; também exige tomar uma atitude: ser receptivo e ter vivo interesse no que lhe é ensinado”. E o que pode contribuir para que aceitemos e estejamos desejosos de aprender o que Jeová nos ensina? O modo como vemos as coisas. Precisamos considerar “o próprio conhecimento de Deus” como “prata” e como “tesouros escondidos”.
5 Tal conceito não é difícil de adquirir. Por exemplo, o “conhecimento de Deus” que você obteve provavelmente inclui a verdade de que Jeová tem o propósito de fazer a humanidade fiel viver para sempre num Paraíso na Terra. (Salmo 37:28, 29) Quando aprendeu essa verdade, sem dúvida a considerava um tesouro genuíno, um conhecimento que lhe encheu a mente e o coração de esperança e de alegria. Mas o que dizer de agora? Com o passar do tempo, será que o apreço pelo seu tesouro diminuiu ou se desvaneceu? Nesse caso, procure fazer duas coisas. Primeiro, renove seu apreço, quer dizer, tente lembrar-se com regularidade por que cada verdade que Jeová lhe ensinou, mesmo as que aprendeu há muitos anos, é valiosa para você.
6 Segundo, continue a aumentar o seu tesouro. Afinal, se estivesse escavando e encontrasse por acaso uma pedra preciosa, será que apenas a poria no bolso e seguiria adiante feliz? Ou continuaria escavando em busca de outras? A Palavra de Deus está repleta de verdades semelhantes a prata e a tesouros escondidos. Não importa quantas verdades preciosas já encontrou, poderá achar mais. (Romanos 11:33) Quando descobre um novo aspecto da verdade, pergunte-se: ‘O que o torna um tesouro? Será que me dá um entendimento mais profundo da personalidade de Jeová e de seus propósitos? Oferece alguma orientação prática que me pode ajudar a seguir os passos de Jesus?’ Refletir nessas perguntas o ajudará a desenvolver seu amor às verdades que Jeová lhe ensinou.
w02 1/12 p. 14 par. 6 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; . . . ” (Provérbios 2:1, 2)
w02 1/12 p. 14 par. 7 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
7 Será que realmente ‘prestamos atenção’ e escutamos bem quando se explica a Palavra de Deus nas nossas reuniões cristãs? (Efésios 4:20, 21) ‘Inclinamos o coração’ para obter discernimento? Pode ser que o orador não seja muito experiente, mas quando ele fala da Palavra de Deus merece nossa cuidadosa atenção. É claro que, para prestarmos atenção à sabedoria de Jeová, temos de estar nas reuniões cristãs sempre que possível. (Provérbios 18:1) Imagine como alguém teria ficado desapontado se tivesse perdido a reunião na sala de andar superior em Jerusalém no Pentecostes de 33 EC! Embora as nossas reuniões não sejam tão espetaculares como aquela, considera-se a Bíblia, nosso compêndio básico. De modo que cada reunião pode ser uma bênção para nós, se prestarmos atenção e acompanharmos a leitura dos textos na nossa Bíblia. — Atos 2:1-4; Hebreus 10:24, 25.
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento;
w99 15/11 pp. 24-25 “O próprio Jeová dá sabedoria”
A sabedoria é a capacidade de fazer bom uso do conhecimento provido por Deus. E quão maravilhosamente a Bíblia torna disponível a sabedoria! Sim, ela contém palavras de sabedoria, tais como as registradas nos livros de Provérbios e Eclesiastes, e temos de dar atenção a essas palavras. Encontramos também, nas páginas da Bíblia, muitos exemplos que mostram os benefícios de aplicarmos os princípios divinos e as armadilhas de não fazermos caso deles. (Romanos 15:4; 1 Coríntios 10:11) Por exemplo, considere o relato sobre o ganancioso Geazi, ajudante do profeta Eliseu. (2 Reis 5:20-27) Não nos ensina isso a sabedoria de evitar a ganância? E que dizer do resultado trágico das visitas aparentemente inofensivas que Diná, a filha de Jacó, fazia às “filhas do país” de Canaã? (Gênesis 34:1-31) Não discernimos prontamente que é tolice manter más associações? — Provérbios 13:20; 1 Coríntios 15:33.
Prestar atenção à sabedoria exige obter discernimento e entendimento. Segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, discernimento é a “faculdade de julgar as coisas clara e sensatamente; critério; tino; juízo”. O discernimento divino é a capacidade de distinguir o certo do errado e assim escolher o proceder correto. A menos que ‘inclinemos o coração’ ao discernimento ou que estejamos ansiosos de obtê-lo, como é que podemos ficar na “estrada que conduz à vida”? (Mateus 7:14; note Deuteronômio 30:19, 20.) O estudo e a aplicação da Palavra de Deus é que dão discernimento.
w96 15/1 p. 12 par. 8 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento;
w96 15/1 p. 12 par. 9 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
Inclinam o coração ao discernimento, avaliando bem os fatos que aprendem.
PROVÉRBIOS 2:3)
“se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento,”
w02 15/8 pp. 15-17 “Siga-me continuamente”
Cultivemos amor pelas verdades que aprendemos
3 Para amar as verdades que ensinamos a outros nós mesmos temos de gostar de aprender essas verdades. No mundo atual, desenvolver esse tipo de amor nem sempre é fácil. Fatores tais como uma instrução escolar inadequada, bem como maus hábitos desenvolvidos na juventude, fazem com que muitos não gostem de estudar. No entanto, é essencial que aprendamos de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
4 Note que nos versículos 1 a 4 somos repetidamente exortados a nos esforçarmos não só a ‘aceitar’ e a ‘entesourar’, mas também a ‘persistir em procurar’ e a ‘continuar a buscar’. No entanto, o que nos deve motivar a fazer tudo isso? Pois bem, note a frase ‘incline teu coração ao discernimento’. Uma obra de referência diz que esta exortação “não é só um apelo para prestar atenção; também exige tomar uma atitude: ser receptivo e ter vivo interesse no que lhe é ensinado”. E o que pode contribuir para que aceitemos e estejamos desejosos de aprender o que Jeová nos ensina? O modo como vemos as coisas. Precisamos considerar “o próprio conhecimento de Deus” como “prata” e como “tesouros escondidos”.
5 Tal conceito não é difícil de adquirir. Por exemplo, o “conhecimento de Deus” que você obteve provavelmente inclui a verdade de que Jeová tem o propósito de fazer a humanidade fiel viver para sempre num Paraíso na Terra. (Salmo 37:28, 29) Quando aprendeu essa verdade, sem dúvida a considerava um tesouro genuíno, um conhecimento que lhe encheu a mente e o coração de esperança e de alegria. Mas o que dizer de agora? Com o passar do tempo, será que o apreço pelo seu tesouro diminuiu ou se desvaneceu? Nesse caso, procure fazer duas coisas. Primeiro, renove seu apreço, quer dizer, tente lembrar-se com regularidade por que cada verdade que Jeová lhe ensinou, mesmo as que aprendeu há muitos anos, é valiosa para você.
6 Segundo, continue a aumentar o seu tesouro. Afinal, se estivesse escavando e encontrasse por acaso uma pedra preciosa, será que apenas a poria no bolso e seguiria adiante feliz? Ou continuaria escavando em busca de outras? A Palavra de Deus está repleta de verdades semelhantes a prata e a tesouros escondidos. Não importa quantas verdades preciosas já encontrou, poderá achar mais. (Romanos 11:33) Quando descobre um novo aspecto da verdade, pergunte-se: ‘O que o torna um tesouro? Será que me dá um entendimento mais profundo da personalidade de Jeová e de seus propósitos? Oferece alguma orientação prática que me pode ajudar a seguir os passos de Jesus?’ Refletir nessas perguntas o ajudará a desenvolver seu amor às verdades que Jeová lhe ensinou.
w02 1/12 p. 14 par. 8 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
8 As próximas palavras do sábio rei são: “Se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, . . . ” (Provérbios 2:3) Que atitude ou espírito essas palavras nos transmitem? O forte desejo de entender a Palavra de Jeová. As palavras do rei sugerem a disposição de estudar com o objetivo de obter discernimento, de compreender qual é a vontade de Jeová. Naturalmente, isso requer esforço, o que nos leva às palavras e à ilustração de Salomão a seguir. — Efésios 5:15-17.
w99 15/11 pp. 24-25 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Prestar atenção à sabedoria exige obter discernimento e entendimento. Segundo o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa, discernimento é a “faculdade de julgar as coisas clara e sensatamente; critério; tino; juízo”. O discernimento divino é a capacidade de distinguir o certo do errado e assim escolher o proceder correto. A menos que ‘inclinemos o coração’ ao discernimento ou que estejamos ansiosos de obtê-lo, como é que podemos ficar na “estrada que conduz à vida”? (Mateus 7:14; note Deuteronômio 30:19, 20.) O estudo e a aplicação da Palavra de Deus é que dão discernimento.
Como podemos ‘clamar pela compreensão’ — a capacidade de ver como os aspectos dum assunto se relacionam entre si e como um todo? Naturalmente, a idade e a experiência são fatores que nos podem ajudar a obter maior entendimento — mas não necessariamente. (Jó 12:12; 32:6-12) “Comporto-me com mais entendimento do que homens mais idosos”, disse o salmista, “pois observei as tuas próprias ordens [Jeová]”. Ele cantou também: “A própria exposição das tuas palavras dá luz, fazendo que os inexperientes entendam.” (Salmo 119:100, 130) Jeová é o “Antigo de Dias” e tem entendimento infinitamente superior ao de toda a humanidade. (Daniel 7:13) Deus pode dar entendimento ao inexperiente, habilitando-o a ser nesta qualidade até mesmo superior aos mais idosos. Portanto, devemos diligentemente estudar e aplicar a Palavra de Deus, a Bíblia.
O “se” repetido, na passagem inicial do segundo capítulo de Provérbios, é seguido por palavras tais como “aceitares”, “entesourares”, “clamares”, “persistires em procurar” e “continuares a buscar”. Por que usa o escritor essas expressões de crescente intensidade? Certa obra de referência diz: “O sábio enfatiza [aqui] a necessidade de seriedade na busca da sabedoria.” Deveras, temos de buscar seriamente a sabedoria e as qualidades relacionadas com ela — o discernimento e o entendimento (ou a compreensão).
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento,
w96 15/1 p. 12 par. 8 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento,
w96 15/1 p. 12 par. 9 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
Na realidade, clamam pela compreensão, ou pela habilidade de ver como os ângulos de um assunto se relacionam entre si.
it-1 p. 545 Conhecimento
Discernimento. A palavra hebraica freqüentemente traduzida por “discernimento” (tevu•náh) é aparentada com a palavra bi•náh, traduzida “entendimento” ou “compreensão”. Ambas aparecem em Provérbios 2:3, que a Tradução do Novo Mundo verte: “Se . . . clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento . . . ” Como no caso da compreensão ou entendimento, o discernimento envolve ver ou reconhecer coisas, mas dá ênfase a se diferenciar as partes, pesando ou avaliando uma à luz das outras.
PROVÉRBIOS 2:4)
“se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos,”
w11 1/10 p. 15 Você pode encontrar “o próprio conhecimento de Deus”
“O próprio conhecimento de Deus” é realmente um tesouro espiritual. Como você pode encontrá-lo? Uma dica está no versículo 4 do capítulo 2 de Provérbios, onde Salomão compara esse conhecimento a “tesouros escondidos”. Pense no seguinte: Um tesouro escondido não sai de seu lugar sozinho e vai parar nas mãos de alguém que não fez nada para obtê-lo. É preciso esforço para encontrá-lo. Dá-se o mesmo com o conhecimento de Deus. Esse tesouro na verdade está ‘enterrado’ na Bíblia. Para encontrá-lo, precisamos nos esforçar.
w02 15/8 pp. 15-17 “Siga-me continuamente”
Cultivemos amor pelas verdades que aprendemos
3 Para amar as verdades que ensinamos a outros nós mesmos temos de gostar de aprender essas verdades. No mundo atual, desenvolver esse tipo de amor nem sempre é fácil. Fatores tais como uma instrução escolar inadequada, bem como maus hábitos desenvolvidos na juventude, fazem com que muitos não gostem de estudar. No entanto, é essencial que aprendamos de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
4 Note que nos versículos 1 a 4 somos repetidamente exortados a nos esforçarmos não só a ‘aceitar’ e a ‘entesourar’, mas também a ‘persistir em procurar’ e a ‘continuar a buscar’. No entanto, o que nos deve motivar a fazer tudo isso? Pois bem, note a frase ‘incline teu coração ao discernimento’. Uma obra de referência diz que esta exortação “não é só um apelo para prestar atenção; também exige tomar uma atitude: ser receptivo e ter vivo interesse no que lhe é ensinado”. E o que pode contribuir para que aceitemos e estejamos desejosos de aprender o que Jeová nos ensina? O modo como vemos as coisas. Precisamos considerar “o próprio conhecimento de Deus” como “prata” e como “tesouros escondidos”.
5 Tal conceito não é difícil de adquirir. Por exemplo, o “conhecimento de Deus” que você obteve provavelmente inclui a verdade de que Jeová tem o propósito de fazer a humanidade fiel viver para sempre num Paraíso na Terra. (Salmo 37:28, 29) Quando aprendeu essa verdade, sem dúvida a considerava um tesouro genuíno, um conhecimento que lhe encheu a mente e o coração de esperança e de alegria. Mas o que dizer de agora? Com o passar do tempo, será que o apreço pelo seu tesouro diminuiu ou se desvaneceu? Nesse caso, procure fazer duas coisas. Primeiro, renove seu apreço, quer dizer, tente lembrar-se com regularidade por que cada verdade que Jeová lhe ensinou, mesmo as que aprendeu há muitos anos, é valiosa para você.
6 Segundo, continue a aumentar o seu tesouro. Afinal, se estivesse escavando e encontrasse por acaso uma pedra preciosa, será que apenas a poria no bolso e seguiria adiante feliz? Ou continuaria escavando em busca de outras? A Palavra de Deus está repleta de verdades semelhantes a prata e a tesouros escondidos. Não importa quantas verdades preciosas já encontrou, poderá achar mais. (Romanos 11:33) Quando descobre um novo aspecto da verdade, pergunte-se: ‘O que o torna um tesouro? Será que me dá um entendimento mais profundo da personalidade de Jeová e de seus propósitos? Oferece alguma orientação prática que me pode ajudar a seguir os passos de Jesus?’ Refletir nessas perguntas o ajudará a desenvolver seu amor às verdades que Jeová lhe ensinou.
w02 1/12 pp. 14-15 par. 9 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
9 Ele prossegue: “Se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, . . . ” (Provérbios 2:4) Isto nos faz pensar nos mineradores que no decorrer dos séculos têm procurado os chamados metais preciosos, a prata e o ouro. Homens já mataram pelo ouro. Outros gastaram a vida inteira à procura dele. Mas qual é o verdadeiro valor do ouro? Se você estivesse perdido num deserto e morrendo de sede, o que preferiria: uma barra de ouro ou um copo de água? No entanto, com demasiado zelo os homens têm ido em busca do ouro com seu valor artificial e arbitrário. Com quanto mais zelo deveríamos buscar sabedoria, discernimento e entendimento de Deus e da sua vontade! Mas quais são os benefícios de tal busca? — Salmo 19:7-10; Provérbios 3:13-18.
w02 1/12 p. 15 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
A partir de 1979, o valor de um grama de ouro oscilou entre US$ 27,40 em 1980 e US$ 8,15 em 1999.
w02 15/12 pp. 13-14 pars. 3-7 “Ele se chegará a vós”
se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus. Pois o próprio Jeová dá sabedoria.” (Provérbios 2:3-6) Imagine, humanos imperfeitos podem achar “o próprio conhecimento de Deus”! Este presente — o conhecimento encontrado na Palavra de Deus — é comparado a “tesouros escondidos”. Por quê?
4 Um motivo é que o conhecimento de Deus é muito valioso. Uma das suas mais preciosas bênçãos é a perspectiva de vida eterna. (João 17:3) Mas esse conhecimento enriquece nossa vida desde já. Por exemplo, em resultado de nosso cuidadoso estudo da Palavra de Deus, encontramos as respostas a perguntas importantes, tais como: Qual é o nome de Deus? (Salmo 83:18) Qual é a verdadeira condição dos mortos? (Eclesiastes 9:5, 10) Qual é o propósito de Deus para a Terra e a humanidade? (Isaías 45:18) Aprendemos também que o melhor modo de viver é por aplicar os conselhos sábios da Bíblia. (Isaías 30:20, 21; 48:17, 18) De modo que temos uma orientação sólida, que nos ajuda a lidar com as ansiedades da vida e a adotar um proceder que promove genuína felicidade e satisfação. Acima de tudo, o estudo da Palavra de Deus nos dá condições de conhecer as qualidades maravilhosas de Jeová e de nos achegarmos a ele. O que poderia ser mais valioso do que ter um relacionamento achegado com Jeová baseado no “próprio conhecimento de Deus”?
5 Há outro motivo de se comparar o conhecimento de Deus a “tesouros escondidos”. Assim como muitos tesouros, ele é relativamente raro no mundo. Dos seis bilhões de habitantes da Terra, uns seis milhões de adoradores de Jeová, ou cerca de 1 em 1.000, encontraram “o próprio conhecimento de Deus”. Para ilustrar que é um privilégio raro conhecer a verdade da Palavra de Deus, avalie apenas uma pergunta bíblica: O que acontece aos humanos quando morrem? As Escrituras nos ensinam que a alma morre e que os mortos estão inconscientes. (Ezequiel 18:4) Todavia, a crença falsa de que algo dentro da pessoa continua vivo após a morte é adotada pela maioria das religiões do mundo. É parte fundamental das religiões da cristandade. Essa crença também existe no budismo, no hinduísmo, no islamismo, no jainismo, no judaísmo, no siquismo, no taoísmo e no xintoísmo. Imagine — bilhões de pessoas são enganadas por uma única doutrina falsa!
6 Por que mais pessoas não encontram “o próprio conhecimento de Deus”? É porque não se pode compreender plenamente o significado da Palavra de Deus sem a ajuda dele. Lembre-se de que esse conhecimento é uma dádiva. Jeová a dá apenas aos que estão dispostos a pesquisar a sua palavra com honestidade e humildade. Esses talvez não sejam “sábios em sentido carnal”. (1 Coríntios 1:26) Muitos dentre eles podem até mesmo ser considerados “indoutos e comuns” segundo os padrões do mundo. (Atos 4:13) Mas isso não importa. Jeová nos recompensa com “o próprio conhecimento de Deus” por causa das qualidades que encontra no nosso coração.
7 Veja um exemplo. Muitos eruditos na cristandade fizeram extensos comentários sobre a Bíblia. Essas obras de referência talvez expliquem o fundo histórico de certos acontecimentos ou personagens, o sentido de palavras hebraicas e gregas, e assim por diante. Com tudo o que aprenderam, será que esses eruditos realmente encontraram “o próprio conhecimento de Deus”? Bem, será que eles entendem claramente o tema da Bíblia — a vindicação da soberania de Jeová por meio do seu Reino celestial? Sabem que Jeová Deus não é parte duma Trindade? Nós temos um entendimento exato de tais assuntos. Por quê? Porque Jeová nos tem abençoado para discernirmos verdades espirituais que muitos “dos sábios e dos intelectuais” despercebem. (Mateus 11:25) Jeová realmente abençoa os que se achegam a ele!
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos,
w99 15/11 p. 25 “O próprio Jeová dá sabedoria”
O “se” repetido, na passagem inicial do segundo capítulo de Provérbios, é seguido por palavras tais como “aceitares”, “entesourares”, “clamares”, “persistires em procurar” e “continuares a buscar”. Por que usa o escritor essas expressões de crescente intensidade? Certa obra de referência diz: “O sábio enfatiza [aqui] a necessidade de seriedade na busca da sabedoria.” Deveras, temos de buscar seriamente a sabedoria e as qualidades relacionadas com ela — o discernimento e o entendimento (ou a compreensão).
Fará você tal esforço?
Um fator principal na busca da sabedoria é o estudo diligente da Bíblia. Este estudo, porém, deve ser muito mais do que apenas a leitura para se obter informações. A meditação objetiva sobre o que lemos é uma parte essencial do estudo das Escrituras. A obtenção de sabedoria e de discernimento envolve refletir sobre como podemos usar o que aprendemos para resolver problemas e para tomar decisões. Para obter entendimento é preciso refletir em como a nova matéria se enquadra no que já sabemos. Quem pode negar que estudar assim a Bíblia com reflexão requer tempo e energia? O investimento de tempo e de energia é similar ao que se gasta em ‘procurar prata e ouro como a tesouros escondidos’. Fará você tal esforço necessário? ‘Comprará você o tempo oportuno’ para fazer isso? — Efésios 5:15, 16.
w98 15/6 pp. 13-14 pars. 8-9 Tem apreço pela organização de Jeová?
8 Um sábio da antiguidade disse: “Filho meu [ou filha minha], se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” — Provérbios 2:1-5.
9 Nota a quem cabe a responsabilidade? A frase que se repete é ‘Se tu’. E note a expressão: ‘Se tu continuares a buscar como a tesouros escondidos.’ Pense nos mineradores que por séculos cavaram em busca de prata e de ouro na Bolívia, no México, na África do Sul, e em outros países. Eles trabalharam arduamente, usando picaretas e pás, para escavar a rocha da qual poderiam obter metais preciosos. Davam tanto valor ao ouro, que numa única mina na Califórnia, EUA, escavaram 591 quilômetros de túneis, chegando a uma profundidade de um quilômetro e meio — só para encontrar ouro. No entanto, será que você pode comer o ouro? Pode beber o ouro? Será que o sustentará num deserto, se estiver morrendo de fome e de sede? Não; seu valor é artificial e arbitrário, mudando cada dia, conforme refletem os mercados internacionais. Não obstante, homens têm morrido por ele. Então, quanto esforço vale a pena fazer para obter o ouro espiritual, “o próprio conhecimento de Deus”? Imagine só, o próprio conhecimento do Soberano Senhor do Universo, da sua organização e dos seus propósitos! Neste respeito, podemos usar picaretas e pás espirituais. Estas são as publicações baseadas na Bíblia, que nos ajudam a cavar na Palavra de Deus e discernir seu significado. — Jó 28:12-19.
w96 15/1 p. 12 par. 8 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos,
w96 15/1 p. 12 par. 9 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
Os de coração reto agem como se estivessem cavando em busca de prata ou de tesouros ocultos.
w93 1/8 p. 32 Em busca dum tesouro escondido
O Rei Salomão, do antigo Israel, sabia com quanta determinação os homens cavam em busca dum tesouro escondido, e referiu-se a isso quando escreveu: “Se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” — Provérbios 2:3-5.
PROVÉRBIOS 2:5)
“neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
w11 1/10 p. 15 Você pode encontrar “o próprio conhecimento de Deus”
Salomão diz que esse tesouro é “o próprio conhecimento de Deus” — ou seja, a verdade sobre Deus e seus propósitos revelados na Bíblia. (Versículo 5) Há vários aspectos relacionados a esse tesouro.
Ensinos verdadeiros. A Bíblia responde a perguntas como: Qual é o nome de Deus? (Salmo 83:18) O que acontece na morte? (Salmo 146:3, 4) Por que existimos? (Gênesis 1:26-28; Salmo 115:16) Realmente, quanto você acha que valeriam as respostas a perguntas tão importantes?
Conselhos sábios. A Bíblia nos ensina o melhor modo de vida. Como fazer o casamento durar? (Efésios 5:28, 29, 33) Como criar filhos responsáveis? (Deuteronômio 6:5-7; Efésios 6:4) Como encontrar felicidade na vida? (Mateus 5:3; Lucas 11:28) Novamente surge a pergunta: Quanto valem conselhos confiáveis sobre esses assuntos?
Informações sobre a natureza e a personalidade de Deus. A Bíblia é a principal fonte de informações exatas sobre Deus. Como ele é? (João 1:18; 4:24) Ele se importa conosco? (1 Pedro 5:6, 7) Quais são algumas de suas qualidades mais notáveis? (Êxodo 34:6, 7; 1 João 4:8) Quanto você acha que valem essas informações fidedignas sobre nosso Criador?
“O próprio conhecimento de Deus” é realmente um tesouro espiritual.
w09 15/7 p. 3 pars. 2-3 Encontre os tesouros “cuidadosamente ocultos” em Cristo
No entanto, a Palavra de Deus nos convida a buscar tesouros que realmente nos influenciam. Esse convite é feito a todos, e a recompensa vale muito mais do que qualquer tesouro material. — Leia Provérbios 2:1-6.
3 Considere o valor dos tesouros que Jeová exorta seus adoradores a procurar. Um desses tesouros é “o temor de Jeová”, que nos protege nestes tempos perigosos. (Sal. 19:9) Encontrar “o próprio conhecimento de Deus” pode resultar na maior honra que se concede a um ser humano — ter uma estreita relação pessoal com o Altíssimo. E, com os tesouros divinos da sabedoria, do conhecimento e do discernimento, podemos enfrentar com êxito os problemas e as situações do cotidiano. (Pro. 9:10, 11)
w02 15/8 pp. 15-17 “Siga-me continuamente”
Cultivemos amor pelas verdades que aprendemos
3 Para amar as verdades que ensinamos a outros nós mesmos temos de gostar de aprender essas verdades. No mundo atual, desenvolver esse tipo de amor nem sempre é fácil. Fatores tais como uma instrução escolar inadequada, bem como maus hábitos desenvolvidos na juventude, fazem com que muitos não gostem de estudar. No entanto, é essencial que aprendamos de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.”
4 Note que nos versículos 1 a 4 somos repetidamente exortados a nos esforçarmos não só a ‘aceitar’ e a ‘entesourar’, mas também a ‘persistir em procurar’ e a ‘continuar a buscar’. No entanto, o que nos deve motivar a fazer tudo isso? Pois bem, note a frase ‘incline teu coração ao discernimento’. Uma obra de referência diz que esta exortação “não é só um apelo para prestar atenção; também exige tomar uma atitude: ser receptivo e ter vivo interesse no que lhe é ensinado”. E o que pode contribuir para que aceitemos e estejamos desejosos de aprender o que Jeová nos ensina? O modo como vemos as coisas. Precisamos considerar “o próprio conhecimento de Deus” como “prata” e como “tesouros escondidos”.
5 Tal conceito não é difícil de adquirir. Por exemplo, o “conhecimento de Deus” que você obteve provavelmente inclui a verdade de que Jeová tem o propósito de fazer a humanidade fiel viver para sempre num Paraíso na Terra. (Salmo 37:28, 29) Quando aprendeu essa verdade, sem dúvida a considerava um tesouro genuíno, um conhecimento que lhe encheu a mente e o coração de esperança e de alegria. Mas o que dizer de agora? Com o passar do tempo, será que o apreço pelo seu tesouro diminuiu ou se desvaneceu? Nesse caso, procure fazer duas coisas. Primeiro, renove seu apreço, quer dizer, tente lembrar-se com regularidade por que cada verdade que Jeová lhe ensinou, mesmo as que aprendeu há muitos anos, é valiosa para você.
6 Segundo, continue a aumentar o seu tesouro. Afinal, se estivesse escavando e encontrasse por acaso uma pedra preciosa, será que apenas a poria no bolso e seguiria adiante feliz? Ou continuaria escavando em busca de outras? A Palavra de Deus está repleta de verdades semelhantes a prata e a tesouros escondidos. Não importa quantas verdades preciosas já encontrou, poderá achar mais. (Romanos 11:33) Quando descobre um novo aspecto da verdade, pergunte-se: ‘O que o torna um tesouro? Será que me dá um entendimento mais profundo da personalidade de Jeová e de seus propósitos? Oferece alguma orientação prática que me pode ajudar a seguir os passos de Jesus?’ Refletir nessas perguntas o ajudará a desenvolver seu amor às verdades que Jeová lhe ensinou.
w02 1/12 p. 15 par. 10 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
10 A explicação de Salomão prossegue: “Neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” (Provérbios 2:5) Que idéia maravilhosa — humanos pecaminosos podem achar “o próprio conhecimento de Deus”, Jeová, o Soberano Senhor do Universo! (Salmo 73:28; Atos 4:24) Os filósofos e os chamados homens sábios do mundo têm procurado por séculos entender os mistérios da vida e do Universo. Mas não encontraram “o próprio conhecimento de Deus”. Por que não? Embora estivesse disponível já por milhares de anos na Palavra de Deus, a Bíblia, eles o consideram simples demais e por isso não o aceitam, nem o compreendem. — 1 Coríntios 1:18-21.
w02 15/12 pp. 13-14 pars. 3-7 “Ele se chegará a vós”
se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus. Pois o próprio Jeová dá sabedoria.” (Provérbios 2:3-6) Imagine, humanos imperfeitos podem achar “o próprio conhecimento de Deus”! Este presente — o conhecimento encontrado na Palavra de Deus — é comparado a “tesouros escondidos”. Por quê?
4 Um motivo é que o conhecimento de Deus é muito valioso. Uma das suas mais preciosas bênçãos é a perspectiva de vida eterna. (João 17:3) Mas esse conhecimento enriquece nossa vida desde já. Por exemplo, em resultado de nosso cuidadoso estudo da Palavra de Deus, encontramos as respostas a perguntas importantes, tais como: Qual é o nome de Deus? (Salmo 83:18) Qual é a verdadeira condição dos mortos? (Eclesiastes 9:5, 10) Qual é o propósito de Deus para a Terra e a humanidade? (Isaías 45:18) Aprendemos também que o melhor modo de viver é por aplicar os conselhos sábios da Bíblia. (Isaías 30:20, 21; 48:17, 18) De modo que temos uma orientação sólida, que nos ajuda a lidar com as ansiedades da vida e a adotar um proceder que promove genuína felicidade e satisfação. Acima de tudo, o estudo da Palavra de Deus nos dá condições de conhecer as qualidades maravilhosas de Jeová e de nos achegarmos a ele. O que poderia ser mais valioso do que ter um relacionamento achegado com Jeová baseado no “próprio conhecimento de Deus”?
5 Há outro motivo de se comparar o conhecimento de Deus a “tesouros escondidos”. Assim como muitos tesouros, ele é relativamente raro no mundo. Dos seis bilhões de habitantes da Terra, uns seis milhões de adoradores de Jeová, ou cerca de 1 em 1.000, encontraram “o próprio conhecimento de Deus”. Para ilustrar que é um privilégio raro conhecer a verdade da Palavra de Deus, avalie apenas uma pergunta bíblica: O que acontece aos humanos quando morrem? As Escrituras nos ensinam que a alma morre e que os mortos estão inconscientes. (Ezequiel 18:4) Todavia, a crença falsa de que algo dentro da pessoa continua vivo após a morte é adotada pela maioria das religiões do mundo. É parte fundamental das religiões da cristandade. Essa crença também existe no budismo, no hinduísmo, no islamismo, no jainismo, no judaísmo, no siquismo, no taoísmo e no xintoísmo. Imagine — bilhões de pessoas são enganadas por uma única doutrina falsa!
6 Por que mais pessoas não encontram “o próprio conhecimento de Deus”? É porque não se pode compreender plenamente o significado da Palavra de Deus sem a ajuda dele. Lembre-se de que esse conhecimento é uma dádiva. Jeová a dá apenas aos que estão dispostos a pesquisar a sua palavra com honestidade e humildade. Esses talvez não sejam “sábios em sentido carnal”. (1 Coríntios 1:26) Muitos dentre eles podem até mesmo ser considerados “indoutos e comuns” segundo os padrões do mundo. (Atos 4:13) Mas isso não importa. Jeová nos recompensa com “o próprio conhecimento de Deus” por causa das qualidades que encontra no nosso coração.
7 Veja um exemplo. Muitos eruditos na cristandade fizeram extensos comentários sobre a Bíblia. Essas obras de referência talvez expliquem o fundo histórico de certos acontecimentos ou personagens, o sentido de palavras hebraicas e gregas, e assim por diante. Com tudo o que aprenderam, será que esses eruditos realmente encontraram “o próprio conhecimento de Deus”? Bem, será que eles entendem claramente o tema da Bíblia — a vindicação da soberania de Jeová por meio do seu Reino celestial? Sabem que Jeová Deus não é parte duma Trindade? Nós temos um entendimento exato de tais assuntos. Por quê? Porque Jeová nos tem abençoado para discernirmos verdades espirituais que muitos “dos sábios e dos intelectuais” despercebem. (Mateus 11:25) Jeová realmente abençoa os que se achegam a ele!
w01 1/2 pp. 10-11 pars. 9-10 Aceitou a verdade?
9 O que se dá quando nos vemos assolados por dúvidas? O que temos de fazer? O sábio Rei Salomão fornece a resposta: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” — Provérbios 2:1-5.
10 Não é esta uma idéia espantosa? Se estivermos dispostos a dar detida atenção à sabedoria de Deus, ‘acharemos o próprio conhecimento de Deus’. Deveras, o conhecimento do Soberano Senhor do Universo está ao nosso alcance, se estivermos dispostos a aceitar e a prezar suas declarações. Isto significa dirigir-se a Jeová em oração e por meio de estudo pessoal. Os tesouros escondidos da sua Palavra podem dissipar quaisquer dúvidas e ajudar-nos a ver a luz da verdade.
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” — Provérbios 2:1-5.
w99 15/11 p. 25 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Considere que grandes tesouros nos aguardarão se de coração honesto investigarmos a fundo a Bíblia. Ora, poderemos encontrar “o próprio conhecimento de Deus” — o conhecimento sólido, estável e vitalizador de nosso Criador! (João 17:3) “O temor a Jeová” também é um tesouro a se conseguir. Como é valioso ter este espanto reverente dele! O temor salutar de desagradá-lo tem de reger todos os aspectos da nossa vida, acrescentando uma dimensão espiritual a tudo o que fazemos. — Eclesiastes 12:13.
w96 15/1 p. 12 par. 9 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
Mas que grande tesouro encontram os que têm coração receptivo? É “o próprio conhecimento de Deus”. De que se trata? Em termos simples, é o conhecimento vitalizador encontrado na Palavra de Deus, a Bíblia.
w96 15/1 p. 12 par. 8 A humanidade precisa do conhecimento de Deus
neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.
w95 15/3 p. 12 Aprenda a deleitar-se no temor de Jeová
Fará você esse esforço?
10 Naturalmente, apenas lermos a Bíblia ou assistirmos às reuniões no Salão do Reino não garante que tenhamos temor piedoso. Note o que precisamos fazer se realmente havemos de entender o temor de Jeová. Provérbios 2:1-5 diz: “Filho meu, se aceitares as minhas declarações e entesourares contigo os meus próprios mandamentos, de modo a prestares atenção à sabedoria, com o teu ouvido, para inclinares teu coração ao discernimento; se, além disso, clamares pela própria compreensão e emitires a tua voz pelo próprio discernimento, se persistires em procurar isso como a prata e continuares a buscar isso como a tesouros escondidos, neste caso entenderás o temor a Jeová e acharás o próprio conhecimento de Deus.” Portanto, quando assistimos às reuniões, temos de prestar atenção ao que se diz, fazer um esforço sério de nos concentrar nas idéias-chave e de lembrá-las, ponderando em como nosso sentimento a respeito de Jeová deve influenciar nossa atitude para com o conselho dado — sim, abrir nosso coração. Assim entenderemos o temor de Jeová.
kl cap. 1 pp. 6-7 pars. 3-5 Seu futuro poderá ser feliz!
3 Referimo-nos a um tipo especial de conhecimento, muito superior à sabedoria humana. É “o próprio conhecimento de Deus”. (Provérbios 2:5) Uns 2.000 anos atrás, um escritor bíblico disse: “Cada casa . . . é construída por alguém, mas quem construiu todas as coisas é Deus.” (Hebreus 3:4) Imagine quanto conhecimento deve ter o Criador de todas as coisas! A Bíblia diz que Deus conta e dá nome a todas as estrelas. Que idéia assombrosa, considerando que há centenas de bilhões de estrelas na nossa galáxia, e, segundo os astrônomos, existem uns cem bilhões de outras galáxias! (Salmo 147:4) Deus também sabe tudo a nosso respeito, assim, quem a não ser ele poderia fornecer as melhores respostas às importantes questões da vida? — Mateus 10:30.
4 Visualize dois homens tentando consertar seus carros. Frustrado, um deles larga as ferramentas no chão e desiste. O outro calmamente corrige o problema, liga a chave de ignição e sorri ao ver o motor pegar e funcionar suavemente. Não seria difícil adivinhar qual dos dois homens tinha um manual de instruções do fabricante. Não é lógico que Deus forneceria instruções para orientar a nossa vida? Como talvez saiba, a Bíblia afirma ser justamente isso — um livro de instruções e orientações do nosso Criador, projetado para transmitir o conhecimento a respeito de Deus. — 2 Timóteo 3:16.
5 Se essa afirmação da Bíblia for correta, imagine que tesouros de conhecimento deve conter esse livro! Em Provérbios 2:1-5, ela nos insta a procurar a sabedoria, a cavar em busca dela como se fosse um tesouro oculto — não no terreno do pensamento humano, mas na própria Palavra de Deus. Se procurarmos ali, ‘acharemos o próprio conhecimento de Deus’. Visto que Deus conhece as nossas limitações e necessidades, ele nos dá instruções que nos ajudam a levar uma vida pacífica e feliz. (Salmo 103:14; Isaías 48:17) Ademais, o conhecimento de Deus nos proporciona emocionantes boas novas.
PROVÉRBIOS 2:6)
“Pois o próprio Jeová dá sabedoria; da sua boca procedem conhecimento e discernimento.”
w11 1/10 p. 15 Você pode encontrar “o próprio conhecimento de Deus”
Se você demonstrar essa iniciativa, Jeová fará o resto. “O próprio Jeová dá sabedoria”, diz o versículo 6. Apenas com a ajuda de Deus conseguimos entender plenamente as verdades da Bíblia. (João 6:44; Atos 16:14)
w02 1/12 p. 15 par. 11 Tenha prazer no estudo da Palavra de Deus
11 Veja outro incentivo que Salomão destaca: “O próprio Jeová dá sabedoria; da sua boca procedem conhecimento e discernimento.” (Provérbios 2:6) Jeová dá, livre e generosamente, sabedoria, conhecimento e discernimento a todo aquele que está disposto a procurá-los. Certamente, temos todos os motivos para dar valor ao estudo pessoal da Palavra de Deus, mesmo que requeira esforço, disciplina e sacrifício. Pelo menos temos cópias impressas da Bíblia e não precisamos fazer cópias manuscritas, como alguns faziam na antiguidade! — Deuteronômio 17:18, 19.
w99 15/11 p. 26 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Você não fracassará!
Muitas vezes, a busca de gemas, ouro e prata enterrados não dá resultados. Isto não precisa ocorrer com a busca de tesouros espirituais. Por que não? “O próprio Jeová dá sabedoria”, Salomão nos garante, “da sua boca procedem conhecimento e discernimento”. — Provérbios 2:6.
O Rei Salomão era famoso pela sua sabedoria. (1 Reis 4:30-32) As Escrituras revelam que ele tinha sabedoria numa variedade de assuntos, incluindo plantas, animais, a natureza humana e a Palavra de Deus. O discernimento que mostrou ter como rei jovem para resolver a disputa entre duas mulheres, cada qual afirmando ser a mãe do mesmo filho, ajudou a dar-lhe fama internacional. (1 Reis 3:16-28) Qual era a fonte do seu grande saber? Salomão orou a Jeová pedindo “sabedoria e conhecimento” e a habilidade de “discernir entre o que é bom e o que é mau”. Jeová lhe concedeu isso. — 2 Crônicas 1:10-12; 1 Reis 3:9.
Nós também devemos orar, pedindo a ajuda de Jeová ao estudarmos diligentemente a sua Palavra. O salmista orou: “Instrui-me, ó Jeová, acerca do teu caminho. Andarei na tua verdade. Unifica meu coração para temer o teu nome.” (Salmo 86:11) Jeová aprovou esta oração, pois mandou que fosse registrada na Bíblia. Podemos confiar em que nossas sinceras e freqüentes orações, pedindo sua ajuda para encontrar tesouros espirituais na Bíblia, não ficarão sem resposta. — Lucas 18:1-8.
w97 15/3 p. 12 pars. 1-2 Incline seu coração ao discernimento
JEOVÁ é nosso Grandioso Instrutor. (Isaías 30:20, 21) Mas o que precisamos fazer para tirar proveito do “próprio conhecimento de Deus”, revelado na sua Palavra? Em parte, temos de ‘inclinar nosso coração ao discernimento’ — desejar de coração adquirir e demonstrar esta qualidade. Para conseguir isso, temos de recorrer a Deus, pois o sábio disse: “O próprio Jeová dá sabedoria; da sua boca procedem conhecimento e discernimento.” (Provérbios 2:1-6) O que são conhecimento, sabedoria e discernimento?
2 Conhecimento é familiaridade com fatos colhidos por experiência, observação ou estudo. Sabedoria é a habilidade de pôr o conhecimento em prática. (Mateus 11:19) O Rei Salomão mostrou ter sabedoria quando duas mulheres reivindicavam o mesmo filho e ele usou seu conhecimento da devoção que a mãe tem ao seu filho para resolver a disputa. (1 Reis 3:16-28) Discernimento é saber “estabelecer diferença; separar; distinguir”. É a “faculdade de julgar as coisas clara e sensatamente; critério; tino; juízo”. (Novo Dicionário Aurélio) Se inclinarmos o coração ao discernimento, Jeová no-lo dará por meio do seu Filho. (2 Timóteo 2:1, 7) Mas como pode o discernimento afetar os diversos aspectos da vida?
w97 15/3 pp. 15-17 Incline seu coração ao discernimento
Sempre recorra a Jeová para obter discernimento
15 Para seguirmos um caminho reto na vida, todos temos de reconhecer nossa imperfeição e recorrer a Jeová em busca de discernimento espiritual. Provérbios 2:6-9 diz: “O próprio Jeová dá sabedoria; da sua boca procedem conhecimento e discernimento. E para os retos ele entesourará a sabedoria prática; para os que andam em integridade ele é escudo, observando as veredas do juízo, e ele guardará o próprio caminho dos que lhe são leais. Neste caso entenderás a justiça, e o juízo, e a retidão, o curso inteiro do que é bom.” — Note Tiago 4:6.
16 Admitindo nossa dependência de Jeová, procuremos então humildemente discernir a vontade dele por aprofundar-nos na Sua Palavra. Ele tem sabedoria em sentido absoluto, e seus conselhos sempre são benéficos. (Isaías 40:13; Romanos 11:34) Na realidade, qualquer conselho contrário ao dele não tem nenhum valor. Provérbios 21:30 diz: “Não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho em oposição a Jeová.” (Note Provérbios 19:21.) Somente o discernimento espiritual, desenvolvido pelo estudo da Palavra de Deus, com a ajuda de publicações fornecidas pelo “escravo fiel e discreto”, nos ajudará a seguir o caminho certo na vida. (Mateus 24:45-47) Portanto, orientemos nosso caminho na vida em harmonia com o conselho de Jeová, sabendo que, não importa quão plausível possa parecer um conselho contrário, este não se compara com a Palavra Dele.
17 Os cristãos de discernimento, ao darem conselho, dão-se conta de que esse deve basear-se solidamente na Palavra de Deus, e que requer estudar a Bíblia e meditar nela antes de se dar uma resposta. (Provérbios 15:28) Caso se responda erroneamente a perguntas sobre assuntos sérios, pode-se causar grande dano. Por isso, os anciãos cristãos precisam ter discernimento espiritual e devem orar, pedindo a orientação de Jeová, quando procuram ajudar espiritualmente a concrentes.
Tenha abundante discernimento espiritual
18 Para agradar a Jeová, precisamos ter “discernimento em todas as coisas”. (2 Timóteo 2:7) O ávido estudo da Bíblia e o acatamento da orientação do espírito e da organização de Deus nos ajudarão a discernir o que fazer quando confrontados com situações que nos podem levar ao caminho errado. Por exemplo, suponhamos que alguma coisa na congregação não seja resolvida da forma como nós achamos que deveria ser. O discernimento espiritual ajuda-nos a compreender que isto não é motivo de pararmos de nos associar com o povo de Jeová e de deixarmos de servir a Deus. Pense no privilégio que temos de servir a Jeová, na liberdade espiritual que usufruímos e na alegria que podemos derivar de nosso serviço como proclamadores do Reino. O discernimento espiritual nos habilita a ter a perspectiva certa e a dar-nos conta de que somos dedicados a Deus, e que devemos prezar nossa relação com ele, não importa o que outros façam. Se não pudermos fazer nada de forma teocrática para resolver o problema, temos de esperar com paciência que Jeová remedie a situação. Em vez de desistirmos ou de ficarmos desesperados, devemos ‘esperar por Deus’. — Salmo 42:5, 11.
19 O discernimento espiritual ajuda-nos a permanecer leais a Deus e ao seu povo. Paulo disse aos cristãos em Filipos: “Isto é o que continuo a orar: que o vosso amor abunde ainda mais e mais com conhecimento exato e pleno discernimento; que vos certifiqueis das coisas mais importantes, para que sejais sem defeito e não façais outros tropeçar, até o dia de Cristo.” (Filipenses 1:9, 10) Para arrazoarmos de forma correta, precisamos ter “conhecimento exato e pleno discernimento”. A palavra grega aqui traduzida “discernimento” indica “sensitiva percepção moral”. Quando aprendemos alguma coisa, queremos perceber como se relaciona com Deus e Cristo, e meditar em como magnifica a personalidade e as provisões de Jeová. Isto aumenta nosso discernimento e nosso apreço por aquilo que Jeová Deus e Jesus Cristo fizeram por nós. Se não entendermos algo plenamente, o discernimento nos ajudará a reconhecer que não devemos abandonar a nossa fé em todas as coisas importantes que aprendemos sobre Deus, Cristo e o propósito divino.
20 Teremos uma abundância de discernimento espiritual se sempre harmonizarmos nossos pensamentos e nossas ações com a Palavra de Deus. (2 Coríntios 13:5) Fazermos isso de modo construtivo nos ajudará a ser humildes, não convencidos, nem críticos de outros. O discernimento nos ajudará a tirar proveito da correção recebida e a certificar-nos das coisas mais importantes. (Provérbios 3:7) Portanto, tendo o desejo de agradar a Jeová, procuremos ficar cheios do conhecimento exato da sua Palavra. Isto nos habilitará a distinguir o certo do errado, a decidir o que realmente é importante e a nos apegar lealmente à nossa preciosa relação com Jeová. Tudo isso é possível se inclinamos o coração ao discernimento. No entanto, é preciso mais uma coisa. Temos de permitir que o discernimento nos resguarde.
PROVÉRBIOS 2:10)
“Quando a sabedoria entrar no teu coração e o próprio conhecimento se tornar agradável à tua própria alma,”
w99 15/11 pp. 26-27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Quando ‘o próprio conhecimento se torna agradável’
O estudo pessoal da Bíblia — um requisito essencial para se obter sabedoria — para muitos não necessariamente é uma perspectiva agradável. Por exemplo, Lawrence, de 58 anos de idade, diz: “Eu sempre fiz trabalho braçal. Estudar é difícil para mim.” E Michael, de 24 anos, que não gostava de estudar na escola, diz: “Tive de obrigar-me a me sentar e estudar.” No entanto, o desejo de estudar pode ser cultivado.
Veja o que Michael fez. Ele conta: “Disciplinei-me para estudar todos os dias por meia hora. Logo pude ver o efeito disso na minha atitude, nos meus comentários nas reuniões cristãs e nas minhas conversas com outros. Agora fico na expectativa dos meus períodos de estudo, e não gosto quando algo interfere com eles.” Deveras, o estudo pessoal passa a ser gostoso quando notamos o progresso que fazemos. Lawrence também fez esforço para estudar a Bíblia e, com o tempo, passou a servir como ancião numa congregação das Testemunhas de Jeová.
Tornar o estudo pessoal uma ocasião agradável requer um esforço coerente. No entanto, os benefícios são muitos. “Quando a sabedoria entrar no teu coração e o próprio conhecimento se tornar agradável à tua própria alma”, diz Salomão, “guardar-te-á o próprio raciocínio, resguardar-te-á o próprio discernimento”. — Provérbios 2:10, 11.
PROVÉRBIOS 2:12)
“para livrar-te do mau caminho, do homem que fala perversidades,”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“Para livrar-te do mau caminho”
De que modo mostrarão ser de proteção a sabedoria, o conhecimento, o raciocínio e o discernimento? “[São] para livrar-te do mau caminho”, diz Salomão, “do homem que fala perversidades, dos que abandonam as veredas da retidão para andar nos caminhos da escuridão, dos que se alegram em fazer o mal, que jubilam com as perversidades da maldade; aqueles cujas veredas são pervertidas e que são sinuosos no seu rumo geral”. — Provérbios 2:12-15.
Deveras, os que prezam a verdadeira sabedoria evitam associar-se com alguém que “fala perversidades”, quer dizer, algo contrário ao que é veraz e direito. O raciocínio e o discernimento dão proteção contra os que rejeitam a verdade só para andarem nos caminhos da escuridão, e contra os sinuosos e que têm prazer em fazer o mal. — Provérbios 3:32.
PROVÉRBIOS 2:13)
“dos que abandonam as veredas da retidão para andar nos caminhos da escuridão,”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“Para livrar-te do mau caminho”
De que modo mostrarão ser de proteção a sabedoria, o conhecimento, o raciocínio e o discernimento? “[São] para livrar-te do mau caminho”, diz Salomão, “do homem que fala perversidades, dos que abandonam as veredas da retidão para andar nos caminhos da escuridão, dos que se alegram em fazer o mal, que jubilam com as perversidades da maldade; aqueles cujas veredas são pervertidas e que são sinuosos no seu rumo geral”. — Provérbios 2:12-15.
Deveras, os que prezam a verdadeira sabedoria evitam associar-se com alguém que “fala perversidades”, quer dizer, algo contrário ao que é veraz e direito. O raciocínio e o discernimento dão proteção contra os que rejeitam a verdade só para andarem nos caminhos da escuridão, e contra os sinuosos e que têm prazer em fazer o mal. — Provérbios 3:32.
PROVÉRBIOS 2:14)
“dos que se alegram em fazer o mal, que jubilam com as perversidades da maldade;”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“Para livrar-te do mau caminho”
De que modo mostrarão ser de proteção a sabedoria, o conhecimento, o raciocínio e o discernimento? “[São] para livrar-te do mau caminho”, diz Salomão, “do homem que fala perversidades, dos que abandonam as veredas da retidão para andar nos caminhos da escuridão, dos que se alegram em fazer o mal, que jubilam com as perversidades da maldade; aqueles cujas veredas são pervertidas e que são sinuosos no seu rumo geral”. — Provérbios 2:12-15.
Deveras, os que prezam a verdadeira sabedoria evitam associar-se com alguém que “fala perversidades”, quer dizer, algo contrário ao que é veraz e direito. O raciocínio e o discernimento dão proteção contra os que rejeitam a verdade só para andarem nos caminhos da escuridão, e contra os sinuosos e que têm prazer em fazer o mal. — Provérbios 3:32.
PROVÉRBIOS 2:15)
“aqueles cujas veredas são pervertidas e que são sinuosos no seu rumo geral;”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“Para livrar-te do mau caminho”
De que modo mostrarão ser de proteção a sabedoria, o conhecimento, o raciocínio e o discernimento? “[São] para livrar-te do mau caminho”, diz Salomão, “do homem que fala perversidades, dos que abandonam as veredas da retidão para andar nos caminhos da escuridão, dos que se alegram em fazer o mal, que jubilam com as perversidades da maldade; aqueles cujas veredas são pervertidas e que são sinuosos no seu rumo geral”. — Provérbios 2:12-15.
Deveras, os que prezam a verdadeira sabedoria evitam associar-se com alguém que “fala perversidades”, quer dizer, algo contrário ao que é veraz e direito. O raciocínio e o discernimento dão proteção contra os que rejeitam a verdade só para andarem nos caminhos da escuridão, e contra os sinuosos e que têm prazer em fazer o mal. — Provérbios 3:32.
PROVÉRBIOS 2:16)
“para livrar-te da mulher estranha, da mulher estrangeira que amaciou as suas próprias declarações,”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
A “mulher estranha”, a prostituta,
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
“para livrar-te da mulher estranha, da mulher estrangeira que amaciou as suas próprias declarações,
w99 15/11 “O próprio Jeová dá sabedoria”
[Nota(s) de rodapé]
A palavra “estranho” era aplicada aos que se desviavam do que estava em harmonia com a Lei e assim se afastavam de Jeová. Portanto, a prostituta — não necessariamente uma estrangeira — é chamada de “mulher estranha”.
PROVÉRBIOS 2:17)
“que abandona o amigo íntimo da sua mocidade e que se esqueceu do próprio pacto do seu Deus.”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
é retratada como alguém que abandona “o amigo íntimo da sua mocidade” — provavelmente o marido de quando ela era mulher mais jovem. (Note Malaquias 2:14.) Esqueceu-se da proibição do adultério, que era parte do pacto da Lei. (Êxodo 20:14)
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
que abandona o amigo íntimo da sua mocidade e que se esqueceu do próprio pacto do seu Deus.
PROVÉRBIOS 2:19)
“Nenhum dos que têm relações com ela retornará, nem retomarão as veredas dos viventes.”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Nenhum dos que têm relações com ela retornará, nem retomarão as veredas dos viventes”. — Provérbios 2:16-19.
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Os que têm relações com ela talvez nunca ‘retomem as veredas dos viventes’, visto que, mais cedo ou mais tarde, podem chegar a um ponto sem volta, a saber, a morte, da qual não poderão retornar.
PROVÉRBIOS 2:20)
“O objetivo é que andes no caminho de gente boa e que guardes as veredas dos justos.”
w99 15/11 p. 27 “O próprio Jeová dá sabedoria”
Resumindo a finalidade do seu conselho sobre a sabedoria, Salomão declara: “O objetivo é que andes no caminho de gente boa e que guardes as veredas dos justos.” (Provérbios 2:20) Que maravilhoso objetivo a sabedoria tem! Ela nos ajuda a levar uma vida feliz e satisfatória, que tem a aprovação de Deus.
PROVÉRBIOS 3:1)
“Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos,”
w00 15/1 p. 23 Cultive uma relação achegada com Jeová
(Provérbios 3:1, 2) Visto que foi Deus quem inspirou Salomão a escrever, esse conselho paternal vem, na realidade, de Jeová Deus, e é dirigido a nós. Aqui somos aconselhados a seguir os lembretes de Deus — suas leis, ou ensinos, e mandamentos — registrados na Bíblia.
w00 15/1 p. 23 Cultive uma relação achegada com Jeová
O Rei Salomão, do antigo Israel, inicia o terceiro capítulo de Provérbios com as palavras: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos,
w93 15/12 p. 11 pars. 3-4 Confie em Jeová!
Trata-se de conselhos sábios que podem ser usados pelos pais ao criarem filhos. Notável é o conselho do capítulo 3 de Provérbios, que começa com a cautela: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos.” À medida que os últimos dias do mundo iníquo de Satanás estão chegando ao fim, devemos prestar cada vez mais atenção às advertências de Jeová. Talvez o caminho pareça longo, mas a promessa dada a todos os que perseveram é que lhes “serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz” — vida eterna no novo sistema de Jeová. — Provérbios 3:1, 2.
4 Um relacionamento feliz entre pai e filho pode ser bem precioso. Nosso Criador, Jeová Deus, providenciou que fosse assim. Cristo Jesus disse a respeito da sua própria relação íntima com Jeová: “O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também da mesma maneira. Pois o Pai tem afeição pelo Filho e mostra-lhe todas as coisas que ele mesmo faz.” (João 5:19, 20) Jeová determinou que existisse uma intimidade similar entre ele e toda a sua família na Terra, assim como também entre pais humanos e seus filhos.
PROVÉRBIOS 3:2)
“porque te serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz.”
w00 15/1 p. 23 Cultive uma relação achegada com Jeová
Se fizermos isso, nos “serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz”. Realmente, mesmo hoje é possível ter uma vida pacífica e evitar atividades que nos exponham ao risco de morrer prematuramente, o que muitas vezes acontece com quem faz o que é mau. Além disso, podemos ter a esperança de viver eternamente num novo mundo pacífico. — Provérbios 1:24-31; 2:21, 22.
w00 15/1 p. 23 Cultive uma relação achegada com Jeová
porque te serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz.” (Provérbios 3:1, 2)
w93 15/12 p. 11 par. 3 Confie em Jeová!
Trata-se de conselhos sábios que podem ser usados pelos pais ao criarem filhos. Notável é o conselho do capítulo 3 de Provérbios, que começa com a cautela: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos.” À medida que os últimos dias do mundo iníquo de Satanás estão chegando ao fim, devemos prestar cada vez mais atenção às advertências de Jeová. Talvez o caminho pareça longo, mas a promessa dada a todos os que perseveram é que lhes “serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz” — vida eterna no novo sistema de Jeová. — Provérbios 3:1, 2.
PROVÉRBIOS 3:3)
“Não te abandonem a própria benevolência e veracidade. Ata-as à tua garganta. Inscreve-as na tábua do teu coração,”
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
3:3. Devemos valorizar muito a benevolência e a veracidade e exibi-las como se fossem um inestimável colar. É preciso também inscrever tais qualidades no coração, tornando-as parte de nós.
w00 15/1 pp. 23-24 Cultive uma relação achegada com Jeová
Em seguida, Salomão diz: “Não te abandonem a própria benevolência e veracidade. Ata-as à tua garganta. Inscreve-as na tábua do teu coração, e acha assim favor e boa perspicácia aos olhos de Deus e do homem terreno.” (Provérbios 3:3, 4)
A palavra no idioma original para “benevolência” também é traduzida “amor leal”, e dá a idéia de fidelidade, solidariedade e lealdade. Estamos decididos a continuar apegados a Jeová aconteça o que acontecer? Demonstramos benevolência no relacionamento com concrentes? Fazemos esforço para nos mantermos achegados a eles? Ao lidarmos com eles no dia-a-dia, mantemos ‘a lei da benevolência sobre nossa língua’ mesmo sob condições provadoras? — Provérbios 31:26.
Por ser muito benevolente, Jeová está “pronto a perdoar”. (Salmo 86:5) Se estamos arrependidos dos pecados que cometemos e corrigimos o nosso proceder, temos a garantia de que Jeová nos dará “épocas de refrigério”. (Atos 3:19) Não acha que devemos imitar nosso Deus por perdoarmos as falhas dos outros? — Mateus 6:14, 15.
Jeová é o “Deus da verdade”, e deseja que os que procuram achegar-se a ele sejam ‘verazes’. (Salmo 31:5) Podemos realmente esperar que Jeová seja nosso amigo se levamos uma vida dupla — agindo de uma maneira quando estamos com nossos irmãos cristãos e de outra quando estamos fora de sua vista — como “homens de inveracidade” que escondem que tipo de pessoas são? (Salmo 26:4) Isso seria muita tolice, pois “todas as coisas estão nuas e abertamente expostas aos olhos” de Jeová. — Hebreus 4:13.
Devemos valorizar a benevolência e a veracidade como um colar de preço inestimável ‘atado à nossa garganta’, pois nos ajudarão a ‘achar favor aos olhos de Deus e do homem terreno’. Não devemos fazer dessas qualidades uma mera fachada, mas temos de entalhá-las ‘na tábua do nosso coração’, fazendo com que se tornem parte de nossa personalidade.
w93 15/12 p. 12 par. 6 Confie em Jeová!
6 O sábio conselho paternal para os do povo de Deus, tanto idosos como jovens, prossegue nos versículos 3 e 4 do capítulo 3 de Provérbios: “Não te abandonem a própria benevolência e veracidade. Ata-as à tua garganta. Inscreve-as na tábua do teu coração, e acha assim favor e boa perspicácia aos olhos de Deus e do homem terreno.” O próprio Jeová Deus sobressai-se em mostrar benevolência e veracidade. Conforme declara o Salmo 25:10, “todas as veredas de Jeová são benevolência e veracidade”. Imitando a Jeová, devemos prezar estas qualidades e seu poder protetor, apreciando-as como faríamos com um valiosíssimo colar e gravando-as indelevelmente no coração. Assim podemos orar fervorosamente: “Ó Jeová.
PROVÉRBIOS 3:5)
“Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão.”
w13 15/9 p. 24 par. 10 Tome decisões com sabedoria
10 É com bom motivo que a Bíblia nos aconselha: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” (Pro. 3:5, 6) Repare que, depois da expressão “não te estribes na tua própria compreensão”, o texto diz “nota-o [a Jeová]”. É Ele quem age perfeitamente com bom juízo. Assim, antes de tomarmos qualquer decisão, precisamos recorrer à Bíblia para ver o conceito de Jeová sobre o assunto. Daí, devemos basear nossa decisão no ponto de vista dele. É assim que agimos com bom juízo, imitando o modo de pensar de Jeová.
w11 15/11 ‘Não confie na sua própria compreensão’
‘Não confie na sua própria compreensão’
“Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão.” — PRO. 3:5.
O EMPREGADOR de Cíntia já desativou alguns setores de sua empresa e dispensou vários funcionários. Cíntia acha que será a próxima. O que ela fará se perder o emprego? Como pagará as contas? Uma cristã chamada Pâmela deseja mudar-se para onde a necessidade de proclamadores do Reino é maior, mas será que deve se mudar? Samuel tem outro tipo de preocupação. Ele foi exposto à pornografia quando era bem novo. Agora, aos 20 e poucos anos, ele enfrenta forte tentação para voltar a esse hábito. Como resistir ao impulso?
2 Em quem você confia ao enfrentar aflições, tomar decisões importantes ou resistir a tentações? Confia só em você ou ‘lança seu fardo sobre Jeová’? (Sal. 55:22) “Os olhos de Jeová estão atentos aos justos”, diz a Bíblia, e “seus ouvidos estão atentos ao seu clamor por ajuda”. (Sal. 34:15) Assim, é muito importante ter plena confiança em Jeová e não confiar na nossa própria compreensão. — Pro. 3:5.
3 Confiar em Jeová de coração pleno envolve fazer as coisas à Sua maneira, segundo a Sua vontade. Nesse sentido, é fundamental sempre orar a Jeová e sinceramente pedir suas orientações. Muitos, porém, acham difícil confiar de modo pleno em Jeová. Por exemplo, uma irmã chamada Lia admite: “Aprender a confiar plenamente em Jeová é uma luta constante para mim.” Por quê? “Não tenho relacionamento com meu pai”, diz ela, “e minha mãe não se importava com as minhas emoções ou outras necessidades. Assim, logo aprendi a cuidar de mim mesma”. A maneira como foi criada tornou difícil para Lia confiar plenamente em alguém. Habilidades pessoais e sucesso também podem levar à autoconfiança. Por confiar na sua experiência, um ancião talvez comece a cuidar de assuntos congregacionais sem primeiro orar a Deus.
4 Jeová espera que façamos um esforço sincero para vivermos à altura de nossas orações e agirmos em harmonia com a sua vontade. Mas como alguém pode conseguir o equilíbrio entre lançar sobre Jeová as suas ansiedades e fazer esforço para resolver problemas difíceis? Que cuidado precisamos ter quando tomamos decisões? Por que é importante orar para resistir a tentações? Consideraremos essas perguntas por refletir em exemplos bíblicos.
Quando estamos aflitos
5 A Bíblia diz sobre o Rei Ezequias, de Judá: “Ele se apegava a Jeová. Não se desviou de segui-lo, mas continuou a guardar os seus mandamentos, que Jeová tinha ordenado a Moisés.” Realmente, “foi em Jeová, o Deus de Israel, que ele confiou”. (2 Reis 18:5, 6) Como Ezequias reagiu quando o Rei Senaqueribe, da Assíria, enviou Rabsaqué e outros representantes a Jerusalém com uma poderosa força militar? O forte exército assírio já havia capturado muitas cidades fortificadas de Judá, e Senaqueribe voltava agora sua atenção para Jerusalém. Ezequias foi à casa de Jeová e orou: “Ó Jeová, nosso Deus, por favor, salva-nos da sua mão, para que todos os reinos da terra saibam que somente tu, ó Jeová, és Deus.” — 2 Reis 19:14-19.
6 Ezequias agiu em harmonia com o que pediu em oração. Mesmo antes de subir ao templo para orar, ele instruiu o povo a não responder às zombarias de Rabsaqué. Além disso, enviou uma delegação ao profeta Isaías, em busca de conselhos. (2 Reis 18:36; 19:1, 2) Ezequias tomou medidas que tinha o direito de tomar. Naquela ocasião, ele não tentou encontrar uma solução contrária à vontade de Jeová; não buscou apoio do Egito ou de nações vizinhas. Em vez de confiar na sua própria compreensão, Ezequias confiou em Jeová. Depois que o anjo de Jeová abateu 185 mil homens de Senaqueribe, esse rei assírio “partiu” e voltou para Nínive. — 2 Reis 19:35, 36.
7 Ana, esposa do levita Elcana, também confiou em Jeová na sua aflitiva condição de não conseguir ter filhos. (1 Sam. 1:9-11, 18) O profeta Jonas foi livrado da barriga de um grande peixe depois de orar: “Na minha aflição clamei a Jeová e ele passou a responder-me. Do ventre do Seol clamei por ajuda. Ouviste a minha voz.” (Jonas 2:1, 2, 10) É muito consolador saber que, por pior que seja a nossa situação, podemos fazer um “pedido de favor” a Jeová. — Leia Salmo 55:1, 16.
8 Os exemplos de Ezequias, Ana e Jonas também nos ensinam uma importante lição a respeito do que não devemos nos esquecer ao orarmos sob forte pressão. Eles sofreram dor emocional quando estavam aflitos. Mas as suas orações mostram que eles não pensavam só em si mesmos e em obter alívio de seus problemas. Para eles, o nome de Deus, sua adoração e fazer a vontade divina eram coisas mais importantes. Ezequias se afligia com o vitupério que estava sendo lançado sobre o nome de Jeová. Ana prometeu devotar ao serviço no tabernáculo em Silo o filho que tanto desejava. E Jonas disse: “O que votei, vou pagar.” — Jonas 2:9.
9 Ao orarmos para ser livrados de uma situação provadora, é sábio examinar nossas motivações. Pensamos exclusivamente em nos livrar do problema ou mantemos em mente Jeová e seus propósitos? Por causa do sofrimento pessoal podemos ficar tão absortos na nossa própria situação que a preocupação com assuntos espirituais fica em segundo plano. Ao orarmos pedindo ajuda, focalizemos a mente em Jeová, na santificação de seu nome e na vindicação de sua soberania. Isso pode nos ajudar a manter um conceito positivo mesmo que não venha a solução que esperamos. Em alguns casos, a resposta às nossas orações talvez seja que simplesmente precisamos continuar a suportar a situação, com a ajuda de Deus. — Leia Isaías 40:29; Filipenses 4:13.
Ao tomar decisões
10 Como você toma decisões de peso na vida? Será que você decide primeiro e só depois ora a Jeová para abençoar a decisão que já tomou? Veja o que fez Jeosafá, rei de Judá, quando as forças moabitas e amonitas se juntaram para guerrear contra ele. Judá não tinha condições de enfrentar forças tão grandes. Que ação Jeosafá tomaria?
11 “Jeosafá ficou com medo e pôs a sua face a buscar a Jeová”, diz a Bíblia. Ele proclamou um jejum para todo o Judá e reuniu o povo para “consultar a Jeová”. Daí pôs-se de pé na congregação de Judá e Jerusalém, e fez uma oração. Ele rogou, em parte: “Ó nosso Deus, não executarás neles o julgamento? Porque não há em nós poder diante desta grande massa de gente que vem contra nós; e nós mesmos não sabemos o que devemos fazer, mas os nossos olhos se fixam em ti.” O Deus verdadeiro ouviu a oração de Jeosafá e providenciou um livramento milagroso. (2 Crô. 20:3-12, 17) Quando tomamos decisões, em especial aquelas que podem afetar a nossa espiritualidade, não devemos confiar em Jeová em vez de em nossa própria compreensão?
12 O que devemos fazer diante de situações que pareçam mais fáceis de resolver — talvez porque a experiência do passado nos permite pensar rapidamente numa solução? Um relato envolvendo o Rei Davi esclarece essa questão. Quando os amalequitas atacaram a cidade de Ziclague, eles raptaram as esposas e os filhos de Davi, bem como de seus homens. Davi perguntou a Jeová: “Devo ir no encalço desta guerrilha?” Jeová respondeu: “Vai no encalço, pois sem falta os alcançarás e sem falta proverás livramento.” Davi obedeceu e ‘livrou tudo o que os amalequitas tinham tomado’. — 1 Sam. 30:7-9, 18-20.
13 Algum tempo depois do ataque amalequita, os filisteus investiram contra Israel. Davi consultou de novo a Jeová e obteve uma resposta clara. Deus disse: “Sobe, porque sem falta entregarei os filisteus nas tuas mãos.” (2 Sam. 5:18, 19) Pouco depois, os filisteus mais uma vez investiram contra Davi. O que ele faria dessa vez? Ele poderia ter pensado: ‘Já enfrentei duas vezes uma situação como essa. Vou atacar os inimigos de Deus como fiz nas outras ocasiões.’ Ou será que Davi buscaria a orientação de Jeová? Davi não confiou na sua experiência. Ele novamente orou a Jeová. Como deve ter ficado contente de ter feito isso! As instruções que recebeu dessa vez eram diferentes. (2 Sam. 5:22, 23) Assim sendo, diante de uma situação ou de um problema que sejam parecidos com outros que já enfrentamos, temos de cuidar para não confiar apenas na nossa experiência. — Leia Jeremias 10:23.
14 Por sermos imperfeitos, todos nós — até mesmo anciãos experientes — precisamos cuidar para não deixar de buscar a orientação de Jeová ao tomarmos decisões. Veja como o sucessor de Moisés, Josué, e os anciãos de Israel reagiram quando foram procurados por astutos gibeonitas que se disfarçaram e fingiram ter vindo de uma terra distante. Sem consultarem a Jeová, Josué e outros tomaram a iniciativa de fazer paz com os gibeonitas, selando um pacto com eles. Embora Jeová no fim tenha apoiado o acordo, ele se certificou de que a falha de deixar de buscar sua orientação fosse registrada nas Escrituras para nosso benefício. — Jos. 9:3-6, 14, 15.
Ao lutar para resistir a tentações
15 Por termos a “lei do pecado” nos nossos membros, precisamos travar uma luta árdua contra as inclinações pecaminosas. (Rom. 7:21-25) É uma luta que pode ser vencida. Como? Jesus disse a seus seguidores que a oração é vital para resistir a tentações. (Leia Lucas 22:40.) Mesmo que desejos ou pensamentos errados não desapareçam depois de orarmos, temos de ‘persistir em pedir a Deus’ sabedoria para lidar com essa provação. Temos a garantia de que “ele dá generosamente a todos, e sem censurar”. (Tia. 1:5) Tiago escreveu também: “Há alguém [espiritualmente] doente entre vós? Chame a si os anciãos da congregação, e orem sobre ele, untando-o com óleo em nome de Jeová. E a oração de fé fará que o indisposto fique bom.” — Tia. 5:14, 15.
16 A oração é essencial para resistir a tentações, mas temos de reconhecer a necessidade de orar no momento certo. Veja o caso de certo jovem mencionado em Provérbios 7:6-23. Ao anoitecer, ele passava por uma rua onde se sabia que morava uma mulher imoral. Desencaminhado pela persuasão dela e seduzido pela maciez de seus lábios, ele a acompanha como um touro ao abate. Por que esse jovem passou por ali? Visto que ele era “falto de coração”, isto é, inexperiente, ele com certeza lutava contra desejos errados. (Pro. 7:7) Quando a oração o teria beneficiado mais? Naturalmente, orar para resistir à tentação teria sido valioso em qualquer momento de seu encontro. Mas a melhor hora para ele ter orado teria sido assim que teve a ideia de passar por aquela rua.
17 Hoje, um homem talvez lute arduamente contra ver pornografia. Mas digamos que ele visite sites da internet em que sabe que há fotos ou vídeos provocantes. Não seria o seu caso similar ao daquele jovem mencionado em Provérbios, capítulo 7? Que caminho perigoso para percorrer! Para resistir à tentação de ver pornografia, a pessoa precisa buscar a ajuda de Jeová em oração antes de entrar nesses caminhos na internet.
18 Não é fácil resistir a tentações ou vencer maus hábitos. “A carne é contra o espírito no seu desejo”, escreveu o apóstolo Paulo, “e o espírito contra a carne”. Portanto, ‘as coisas que gostaríamos de fazer, não fazemos’. (Gál. 5:17) Para enfrentar esse desafio, temos de orar com fervor assim que pensamentos errados ou tentações surgirem na nossa mente, e daí agir de acordo com as orações. Não estamos sujeitos a “nenhuma tentação exceto a que é comum aos homens” e, com a ajuda de Jeová, podemos permanecer fiéis a ele. — 1 Cor. 10:13.
19 Não importa se estamos lidando com uma situação difícil, tomando uma decisão de peso ou tentando resistir a tentações, Jeová nos deu uma dádiva maravilhosa — a preciosa provisão da oração. Por meio dela mostramos nossa confiança nele. Devemos também persistir em pedir a Deus espírito santo, que nos orienta e fortalece. (Luc. 11:9-13) E, acima de tudo, confiemos em Jeová e não na nossa própria compreensão.
[Nota(s) de rodapé]
Os nomes foram mudados.
w03 1/9 p. 12 pars. 18-21 Tenha confiança em Jeová
Essas palavras são belas e reanimadoras. Certamente, em todo o Universo não há ninguém mais confiável do que o nosso amoroso Pai celestial. No entanto, é mais fácil ler essas palavras em Provérbios do que pô-las em prática.
19 Muitos têm idéias errôneas sobre o que significa confiar em Jeová. Alguns consideram tal confiança apenas como sentimento, uma espécie de felicidade absoluta que deve surgir espontaneamente no coração. Outros parecem crer que confiar em Deus significa que podemos esperar que ele nos proteja de toda dificuldade, que solucione todos os nossos problemas, que resolva cada desafio do dia-a-dia exatamente como gostaríamos — e imediatamente! Mas tais idéias não têm nenhuma base. A confiança é muito mais do que apenas um sentimento, e ela não é irrealística. No caso dos adultos, a confiança envolve tomar decisões conscientes e ponderadas.
20 Note de novo o que diz Provérbios 3:5. Confiarmos em Jeová é contrastado com nos estribarmos na nossa própria compreensão, sugerindo que não podemos fazer ambas as coisas. Significa isso que não temos permissão de usar a nossa própria capacidade de entendimento? Não, porque Jeová, que nos deu essa capacidade, espera que a usemos ao servi-lo. (Romanos 12:1) Mas em que nos estribamos, ou nos baseamos? Se o nosso modo de pensar não estiver em harmonia com o de Jeová, aceitaremos sua sabedoria pelo que ela é — infinitamente superior à nossa? (Isaías 55:8, 9) Confiarmos em Jeová significa deixar que o seu modo de pensar guie o nosso.
21 Para ilustrar: Pense numa criança sentada no banco de trás dum carro, com os pais sentados na frente. O pai dirige o carro. Quando surgem dificuldades na viagem — quanto ao caminho certo a seguir ou talvez um problema com o tempo ou com a condição da estrada — como reage a criança obediente e confiante? Será que fica dizendo ao pai, aos gritos, como deve dirigir o carro? Questiona as decisões dos pais ou se recusa a obedecer quando eles a lembram de que deve permanecer sentada e com o cinto de segurança? Não, porque confia que seus pais resolvam essas questões, embora sejam imperfeitos. Nosso Pai, Jeová, é perfeito. Não devemos confiar nele de modo pleno, especialmente quando confrontados com situações provadoras? — Isaías 30:21.
w03 1/9 p. 12 par. 18 Tenha confiança em Jeová
Provérbios 3:5,
w03 1/9 p. 12 Tenha confiança em Jeová
O que significa confiar em Jeová
18 A Palavra de Deus nos exorta: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão.
w01 15/10 p. 21 par. 17 Cultive um coração que agrade a Jeová
17 “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão”, admoestou o Rei Salomão. (Provérbios 3:5) O coração que confia em Jeová sabe que, não importa o que Ele peça ou mande fazer por meio da sua Palavra, isso sempre está certo. (Isaías 48:17) Jeová certamente merece toda a nossa confiança. Ele é capaz de executar todos os seus propósitos. (Isaías 40:26, 29) Ora, seu próprio nome significa literalmente “Ele Causa que Venha a Ser”, o que aumenta a confiança na sua capacidade de cumprir o que prometeu! Ele é “justo em todos os seus caminhos e leal em todos os seus trabalhos”. (Salmo 145:17) Naturalmente, para cultivarmos confiança nele, temos de ‘saborear e ver que Jeová é bom’ por aplicar o que aprendemos da Bíblia na nossa vida pessoal e por refletir no bem que isso produz. — Salmo 34:8.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
O sábio rei continua: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
— Provérbios 3:5, 6.
Jeová certamente merece toda nossa confiança. Por ser o Criador, ele é “vigoroso em poder” e a Fonte de “energia dinâmica”. (Isaías 40:26, 29) Ele é capaz de realizar tudo o que se propôs a fazer. O próprio significado de seu nome, “Ele causa que venha a ser”, nos faz ter confiança em sua habilidade de cumprir o que prometeu. O fato de ser “impossível que Deus minta” o torna o próprio epítome da verdade. (Hebreus 6:18) Sua principal qualidade é o amor. (1 João 4:8) Ele é “justo em todos os seus caminhos e leal em todos os seus trabalhos”. (Salmo 145:17) Se não pudermos confiar em Deus, em quem confiaremos? Obviamente, para cultivarmos confiança nele, precisamos ‘saborear e ver que Jeová é bom’, por aplicarmos em nossa vida o que aprendemos da Bíblia e refletir sobre o bem que isso gera. — Salmo 34:8.
w93 15/12 Confie em Jeová!
Confie em Jeová!
“Confia em Jeová de todo o teu coração.” — PROVÉRBIOS 3:5.
UM MISSIONÁRIO veterano escreve: “‘CONFIA NO SENHOR DE TODO O TEU CORAÇÃO, E NÃO TE ESTRIBES NO TEU PRÓPRIO ENTENDIMENTO.’ Estas palavras da Bíblia, emolduradas e penduradas na parede dum lar que eu visitava, atraíram a minha atenção. Durante o resto daquele dia, meditei nelas. Perguntei-me se podia confiar em Deus de todo o meu coração.” Este homem tinha então 21 anos de idade. Aos 90 anos, e ainda servindo fielmente como ancião em Perth, na Austrália, ele pode recordar uma vida enriquecida pelos frutos duma confiança de todo o coração em Jeová, inclusive os 26 anos rigorosos de pioneiro em novos campos missionários no Ceilão (agora Sri Lanka), na Birmânia (agora Mianmar), na Malásia, na Tailândia, na Índia e no Paquistão.
2 “Confia em Jeová de todo o teu coração” — estas palavras de Provérbios 3:5, segundo a Tradução do Novo Mundo, deviam motivar todos nós a continuar a devotar de todo o coração nossa vida a Jeová, confiantes em que ele pode fortalecer nossa fé até mesmo para vencermos obstáculos montanhescos. (Mateus 17:20) Examinemos agora Provérbios 3:5 no seu contexto.
Instruções paternais
3 Os nove capítulos iniciais do livro bíblico de Provérbios brilham com instruções paternais, conselhos sábios de Jeová para todos os que aguardam usufruir a filiação nos céus ou a “liberdade gloriosa dos filhos de Deus” na Terra paradísica. (Romanos 8:18-21, 23) Trata-se de conselhos sábios que podem ser usados pelos pais ao criarem filhos. Notável é o conselho do capítulo 3 de Provérbios, que começa com a cautela: “Filho meu, não te esqueças da minha lei, e observe teu coração os meus mandamentos.” À medida que os últimos dias do mundo iníquo de Satanás estão chegando ao fim, devemos prestar cada vez mais atenção às advertências de Jeová. Talvez o caminho pareça longo, mas a promessa dada a todos os que perseveram é que lhes “serão acrescentados longura de dias e anos de vida e paz” — vida eterna no novo sistema de Jeová. — Provérbios 3:1, 2.
4 Um relacionamento feliz entre pai e filho pode ser bem precioso. Nosso Criador, Jeová Deus, providenciou que fosse assim. Cristo Jesus disse a respeito da sua própria relação íntima com Jeová: “O Filho não pode fazer nem uma única coisa de sua própria iniciativa, mas somente o que ele observa o Pai fazer. Porque as coisas que Este faz, estas o Filho faz também da mesma maneira. Pois o Pai tem afeição pelo Filho e mostra-lhe todas as coisas que ele mesmo faz.” (João 5:19, 20) Jeová determinou que existisse uma intimidade similar entre ele e toda a sua família na Terra, assim como também entre pais humanos e seus filhos.
5 No antigo Israel estimulava-se na família o relacionamento de confiança mútua. Jeová aconselhou ali ao pai: “Estas minhas palavras tendes de fixar no vosso coração e na vossa alma, e atá-las como sinal sobre a vossa mão, e elas têm de servir de frontal entre os vossos olhos. Também, tendes de ensiná-las aos vossos filhos, falando delas sentado na tua casa e andando pela estrada, e ao deitar-te e ao levantar-te. E tens de escrevê-las sobre as ombreiras da tua casa e nos teus portões, para que sejam muitos os vossos dias e os dias de vossos filhos sobre o solo de que Jeová jurou aos vossos antepassados que lhes havia de dar, como os dias dos céus sobre a terra.” (Deuteronômio 11:18-21) A Palavra inspirada de nosso Grandioso Instrutor, Jeová Deus, realmente pode servir para relacioná-lo intimamente com pais e filhos, e também com todos os outros que o servem na congregação cristã. — Isaías 30:20, 21.
6 O sábio conselho paternal para os do povo de Deus, tanto idosos como jovens, prossegue nos versículos 3 e 4 do capítulo 3 de Provérbios: “Não te abandonem a própria benevolência e veracidade. Ata-as à tua garganta. Inscreve-as na tábua do teu coração, e acha assim favor e boa perspicácia aos olhos de Deus e do homem terreno.” O próprio Jeová Deus sobressai-se em mostrar benevolência e veracidade. Conforme declara o Salmo 25:10, “todas as veredas de Jeová são benevolência e veracidade”. Imitando a Jeová, devemos prezar estas qualidades e seu poder protetor, apreciando-as como faríamos com um valiosíssimo colar e gravando-as indelevelmente no coração. Assim podemos orar fervorosamente: “Ó Jeová. Resguardem-me constantemente a tua benevolência e a tua veracidade.” — Salmo 40:11.
Uma confiança duradoura
7 A confiança é definida no Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa Caldas Aulete como “convicção íntima acerca da probidade, diligência, talento e discrição de alguém”. A probidade de Jeová está firmemente ancorada na sua benevolência. E podemos ter plena confiança na sua capacidade de fazer o que prometeu, porque o seu próprio nome, Jeová, o identifica como o grandioso Elaborador de Propósitos. (Êxodo 3:14; 6:2-8) Como Criador, ele é a Fonte de força e de energia dinâmica. (Isaías 40:26, 29) Ele é o epítome da verdade, porque “é impossível que Deus minta”. (Hebreus 6:18) Por isso somos incentivados a depositar implícita confiança em Jeová, nosso Deus, a grande Fonte de toda a verdade, que possui a onipotência para proteger os que confiam nele e para levar todos os seus grandiosos propósitos a um glorioso término. — Salmo 91:1, 2; Isaías 55:8-11.
8 No mundo degradado em volta de nós lamentavelmente há falta de confiança. Em seu lugar encontramos ganância e corrupção em toda a parte. A capa do número de maio de 1993 da revista World Press Review ostentava a mensagem: “SURTO DE CORRUPÇÃO — Dinheiro Sujo na Nova Ordem Mundial. A indústria da corrupção estende-se do Brasil à Alemanha, dos Estados Unidos à Argentina, da Espanha ao Peru, da Itália ao México, do Vaticano à Rússia.” Visto que a chamada nova ordem mundial do homem se baseia em ódio, ganância e desconfiança, ela só produz crescentes desgraças para a humanidade.
9 As Testemunhas de Jeová, em contraste com as nações políticas, sentem-se felizes de serem “a nação cujo Deus é Jeová”. Só elas podem verazmente dizer: “Em Deus confiamos.” Cada uma delas pode clamar com júbilo: “Em união com Deus louvarei a sua palavra. . . . Tenho posto a minha confiança em Deus. Não temerei.” — Salmo 33:12; 56:4, 11.
10 Num país asiático, onde milhares de jovens, Testemunhas, sofreram severos espancamentos e encarceramentos, a confiança em Jeová habilitou a grande maioria deles a perseverar. Certa noite, na prisão, um jovem, Testemunha, que sofrera horríveis torturas, achou que não podia mais agüentar isso. Mas outro jovem chegou-se a ele furtivamente nas sombras. Sussurrou: “Não desista; eu transigi e nunca mais tive paz mental.” O primeiro jovem renovou sua resolução de manter-se firme. Podemos ter plena confiança em Jeová de que ele nos ajudará a superar todo e qualquer esforço de Satanás de corroer nossa integridade. — Jeremias 7:3-7; 17:1-8; 38:6-13, 15-17.
11 O primeiro mandamento reza em parte: “Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração.” (Marcos 12:30) Quando meditamos na Palavra de Deus, as grandiosas verdades que aprendemos penetram fundo no nosso coração, motivando-nos a gastar-nos totalmente no serviço de nosso maravilhoso Deus, o Soberano Senhor Jeová. Com o coração transbordante de apreço por ele — por tudo o que nos tem ensinado, que tem feito por nós e ainda fará por nós — somos incentivados a confiar implicitamente na sua salvação. — Isaías 12:2.
12 Esta confiança pode ser cultivada no decorrer dos anos. Um homem humilde, Testemunha de Jeová, que tinha servido fielmente por mais de 50 anos na sede da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA) em Brooklyn a partir de abril de 1927, escreveu: “No fim daquele mês, recebi a mesada de 5 dólares dentro de um envelope contendo um belo cartão com o texto bíblico de Provérbios 3:5, 6 . . . Havia todo motivo de confiar em Jeová, pois na sede logo cheguei a apreciar que Jeová tem um ‘escravo fiel e discreto’ que cuida fielmente de todos os interesses do Reino aqui na terra. — Mateus 24:45-47.” O coração deste cristão não se fixava no amor ao dinheiro, mas em obter “um tesouro que nunca falhe, nos céus”. Assim também hoje em dia, os milhares que servem nos lares de Betel da Sociedade Torre de Vigia em toda a Terra fazem isso sob um tipo de voto legal de pobreza. Confiam em Jeová para lhes fornecer seu sustento diário. — Lucas 12:29-31, 33, 34.
Estribe-se em Jeová
13 Nosso Pai celestial admoesta-nos: “Não te estribes na tua própria compreensão.” (Provérbios 3:5) Conselheiros e psicólogos do mundo nunca podem esperar chegar perto de ter a sabedoria e a compreensão que Jeová revela ter. “Seu entendimento está além de ser narrado.” (Salmo 147:5) Em vez de nos estribarmos na sabedoria de homens destacados do mundo ou nas nossas próprias emoções desinformadas, recorramos a Jeová, à sua Palavra e aos anciãos na congregação cristã para obter conselhos maduros. — Salmo 55:22; 1 Coríntios 2:5.
14 A sabedoria humana ou o orgulho dum cargo de destaque não nos levará a parte alguma no dia de provação severa, que rapidamente se aproxima. (Isaías 29:14; 1 Coríntios 2:14) No Japão, durante a Segunda Guerra Mundial, um apto mas orgulhoso pastor do povo de Deus preferiu estribar-se no seu próprio entendimento. Sob pressão, tornou-se apóstata, e a maioria do rebanho também cedeu sob a perseguição. Uma leal irmã japonesa, que corajosamente sobreviveu a tratamento terrível em imundas celas de prisão, comentou: “Os que permaneceram fiéis não tinham habilidades especiais e não eram pessoas de atuação marcante. Certamente, todos nós precisamos sempre confiar em Jeová de todo o nosso coração.”
15 Confiar em Jeová em vez de na nossa própria compreensão envolve humildade. Como é importante esta qualidade para todos os que querem agradar a Jeová! Ora, mesmo o nosso Deus, embora seja o Soberano Senhor de todo o Universo, demonstra humildade nos seus tratos com a sua criação inteligente. Podemos ser gratos por isso. “Ele condescende em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó.” (Salmo 113:6, 7) Em sua grande misericórdia, perdoa-nos as nossas fraquezas à base da sua maior dádiva à humanidade, o precioso sacrifício de resgate de seu Filho amado, Cristo Jesus. Como devemos ser gratos por esta benignidade imerecida!
16 O próprio Jesus lembra-nos: “Quem se enaltecer, será humilhado, e quem se humilhar, será enaltecido.” (Mateus 23:12) Irmãos batizados devem procurar, com humildade, obter responsabilidades na congregação cristã. No entanto, os superintendentes não devem considerar seu cargo como símbolo de status, mas como oportunidade de realizar um trabalho de forma humilde, apreciativa e disposta, assim como Jesus, que disse: “Meu Pai tem estado trabalhando até agora e eu estou trabalhando.” — João 5:17; 1 Pedro 5:2, 3.
17 Reconheçamos sempre de forma humilde e com oração que não somos mais do que pó à vista de Jeová. Portanto, quão gratos podemos ser de que “a benevolência de Jeová é de tempo indefinido a tempo indefinido para com os que o temem, e sua justiça é para os filhos dos filhos”! (Salmo 103:14, 17) Assim, todos nós devemos ser ávidos estudantes da Palavra de Deus. O tempo gasto com estudo pessoal e em família, e nas reuniões congregacionais, deve estar entre as nossas horas mais preciosas toda semana. Assim aumentaremos em “conhecimento do Santíssimo”. Isto é “o que é entendimento”. — Provérbios 9:10.
“Em todos os teus caminhos . . .”
18 Indicando-nos Jeová, a Fonte divina de entendimento, Provérbios 3:6 declara a seguir: “Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” Notar a Jeová envolve manter-se achegado a ele em oração. Onde quer que estejamos e não importa que situação possa surgir, temos acesso imediato a ele em oração. No desempenho das nossas tarefas diárias, ao nos prepararmos para o serviço de campo, quando vamos de casa em casa proclamando seu Reino, nossa oração constante pode ser para que ele abençoe nossa atividade. De modo que podemos ter o inestimável privilégio e a alegria de ‘andar com Deus’, confiantes em que ele ‘endireitará as nossas veredas’, assim como fez para Enoque, Noé, que temiam a Deus, e para israelitas fiéis tais como Josué e Daniel. — Gênesis 5:22; 6:9; Deuteronômio 8:6; Josué 22:5; Daniel 6:23; veja também Tiago 4:8, 10.
19 Quando fazemos nossas petições a Jeová, podemos confiar em que ‘a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os nossos corações e as nossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus’. (Filipenses 4:7) Esta paz de Deus, refletida por um semblante alegre, pode recomendar nossa mensagem aos moradores que encontramos durante a nossa pregação. (Colossenses 4:5, 6) Pode também animar os que sofrem aflições ou injustiças, hoje tão comuns no mundo, conforme mostra o relato que segue.
20 Max Liebster, judeu natural, que como por um milagre sobreviveu ao Holocausto, descreveu sua viagem a um campo de extermínio nazista nas seguintes palavras: “Fomos trancados em vagões, transformados em muitas pequenas celas para duas pessoas. Empurrado para dentro de uma delas, vi-me face a face com outro preso, cujos olhos refletiam tranqüilidade. Ele estava ali por causa do seu respeito pela lei de Deus, preferindo a prisão e a possível morte a derramar sangue de outras pessoas. Era Testemunha de Jeová. Os filhos lhe haviam sido tirados, e a esposa fora executada. Ele esperava sofrer a mesma sorte. A viagem de 14 dias trouxe uma resposta às minhas orações, porque foi durante esta mesma viagem para a morte que encontrei a esperança de vida eterna.”
21 Depois de ter passado pela “cova de leões” de Auschwitz, conforme a chamou, e de ter sido batizado, este irmão casou-se com uma Testemunha de Jeová, que também tinha estado encarcerada e cujo pai sofrera no campo de concentração de Dachau. Enquanto o pai desta esteve ali, soube que sua esposa e sua jovem filha também tinham sido presas. Ele descreveu sua reação: “Fiquei muito preocupado. Daí, certo dia, enquanto estava na fila do chuveiro, ouvi uma voz citar Provérbios 3:5, 6 . . . Ecoava como se fosse uma voz vinda do céu. Era exatamente o que eu precisava para recuperar o equilíbrio.” Na realidade, a voz era a de outro preso citando este texto, mas o incidente salienta o poder que a Palavra de Deus pode exercer sobre nós. (Hebreus 4:12) Que a voz de Jeová nos fale poderosamente hoje por meio das palavras de nosso texto do ano de 1994: “Confia em Jeová de todo o teu coração”!
[Nota(s) de rodapé]
Veja o artigo “Confio em Jeová de Todo o Meu Coração”, conforme narrado por Claude S. Goodman, em A Sentinela de 15 de março de 1974, páginas 184-9.
Veja o artigo “Determinei Louvar a Jeová”, conforme narrado por Harry Peterson, em A Sentinela de 15 de janeiro de 1969, páginas 53-6.
Veja o artigo “Jeová Não Abandona Seus Servos”, conforme narrado por Matsue Ishii, em A Sentinela de 1.° de maio de 1988, páginas 21-5.
Veja também o artigo “Libertação! Mostramo-nos Gratos”, conforme contado por Max Liebster, em A Sentinela de 15 de janeiro de 1979, páginas 20-4.
PROVÉRBIOS 3:6)
“Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.”
w13 15/9 p. 24 par. 10 Tome decisões com sabedoria
10 É com bom motivo que a Bíblia nos aconselha: “Confia em Jeová de todo o teu coração e não te estribes na tua própria compreensão. Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” (Pro. 3:5, 6) Repare que, depois da expressão “não te estribes na tua própria compreensão”, o texto diz “nota-o [a Jeová]”. É Ele quem age perfeitamente com bom juízo. Assim, antes de tomarmos qualquer decisão, precisamos recorrer à Bíblia para ver o conceito de Jeová sobre o assunto. Daí, devemos basear nossa decisão no ponto de vista dele. É assim que agimos com bom juízo, imitando o modo de pensar de Jeová.
w03 1/9 pp. 12-13 par. 22 Tenha confiança em Jeová
22 No entanto, Provérbios 3:6 indica que devemos ‘notar a Jeová em todos os nossos caminhos’, não só quando confrontados com situações difíceis. Portanto, as decisões que tomamos no dia-a-dia devem refletir nossa confiança em Jeová. Ao surgirem problemas, não devemos ficar desesperados, entrar em pânico ou resistir à orientação de Jeová sobre o melhor modo de resolver a situação. Devemos encarar as provações como oportunidades de apoiar a soberania de Jeová, de provar que Satanás é mentiroso, e de desenvolver a obediência e outras qualidades que agradam a Jeová. — Hebreus 5:7, 8.
w03 1/9 p. 12 par. 18 Tenha confiança em Jeová
Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” (Provérbios 3:5, 6)
w02 15/12 pp. 10-11 pars. 13-14 “Chegai-vos a Deus”
O temor de Deus nos ajudará a acatar o conselho sábio registrado em Provérbios 3:6: “Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” O que significa isso?
14 Todos os dias você tem de tomar decisões, grandes e pequenas. Por exemplo, que tipo de conversa terá com seus colegas de trabalho ou de escola e com seus vizinhos? (Lucas 6:45) Fará o máximo para cumprir suas tarefas, ou procurará fazer o mínimo possível? (Colossenses 3:23) Ficará mais achegado aos que mostram pouco ou nenhum amor a Jeová, ou procurará estreitar seu relacionamento com pessoas fortes em sentido espiritual? (Provérbios 13:20) O que fará, mesmo em pequena escala, para promover os interesses do Reino de Deus? (Mateus 6:33) Se as suas decisões diárias são orientadas por princípios bíblicos tais como os citados aqui, então você realmente está notando a Jeová ‘em todos os seus caminhos’.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” — Provérbios 3:5, 6.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
Como podemos ‘notar a Jeová em todos os nossos caminhos’? O salmista inspirado diz: “Meditarei certamente em toda a tua atividade e vou ocupar-me com as tuas ações.” (Salmo 77:12) Visto que Deus é invisível, para cultivarmos uma relação achegada com ele é fundamental que meditemos sobre suas grandes obras e sobre a maneira como lida com seu povo.
A oração também é uma maneira importante de levarmos Jeová em conta. O Rei Davi continuava a chamar a Jeová “o dia inteiro”. (Salmo 86:3) Davi muitas vezes orava durante a noite, como na ocasião em que era um fugitivo no ermo. (Salmo 63:6, 7) O apóstolo Paulo exortou: “Em todas as ocasiões, fazeis orações em espírito.” (Efésios 6:18) Com que freqüência oramos? Ao falar com Deus, gostamos de abrir o coração para ele? Pedimos a ajuda dele quando passamos por situações provadoras? Oramos em busca de orientação antes de tomarmos decisões importantes? Por orarmos sinceramente a Jeová, conquistamos sua afeição. E temos a garantia de que ele ouvirá nossas orações e ‘endireitará nossas veredas’.
w93 15/12 pp. 14-16 Confie em Jeová!
“Em todos os teus caminhos . . .”
18 Indicando-nos Jeová, a Fonte divina de entendimento, Provérbios 3:6 declara a seguir: “Nota-o em todos os teus caminhos, e ele mesmo endireitará as tuas veredas.” Notar a Jeová envolve manter-se achegado a ele em oração. Onde quer que estejamos e não importa que situação possa surgir, temos acesso imediato a ele em oração. No desempenho das nossas tarefas diárias, ao nos prepararmos para o serviço de campo, quando vamos de casa em casa proclamando seu Reino, nossa oração constante pode ser para que ele abençoe nossa atividade. De modo que podemos ter o inestimável privilégio e a alegria de ‘andar com Deus’, confiantes em que ele ‘endireitará as nossas veredas’, assim como fez para Enoque, Noé, que temiam a Deus, e para israelitas fiéis tais como Josué e Daniel. — Gênesis 5:22; 6:9; Deuteronômio 8:6; Josué 22:5; Daniel 6:23; veja também Tiago 4:8, 10.
19 Quando fazemos nossas petições a Jeová, podemos confiar em que ‘a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os nossos corações e as nossas faculdades mentais por meio de Cristo Jesus’. (Filipenses 4:7) Esta paz de Deus, refletida por um semblante alegre, pode recomendar nossa mensagem aos moradores que encontramos durante a nossa pregação. (Colossenses 4:5, 6) Pode também animar os que sofrem aflições ou injustiças, hoje tão comuns no mundo, conforme mostra o relato que segue.
20 Max Liebster, judeu natural, que como por um milagre sobreviveu ao Holocausto, descreveu sua viagem a um campo de extermínio nazista nas seguintes palavras: “Fomos trancados em vagões, transformados em muitas pequenas celas para duas pessoas. Empurrado para dentro de uma delas, vi-me face a face com outro preso, cujos olhos refletiam tranqüilidade. Ele estava ali por causa do seu respeito pela lei de Deus, preferindo a prisão e a possível morte a derramar sangue de outras pessoas. Era Testemunha de Jeová. Os filhos lhe haviam sido tirados, e a esposa fora executada. Ele esperava sofrer a mesma sorte. A viagem de 14 dias trouxe uma resposta às minhas orações, porque foi durante esta mesma viagem para a morte que encontrei a esperança de vida eterna.”
21 Depois de ter passado pela “cova de leões” de Auschwitz, conforme a chamou, e de ter sido batizado, este irmão casou-se com uma Testemunha de Jeová, que também tinha estado encarcerada e cujo pai sofrera no campo de concentração de Dachau. Enquanto o pai desta esteve ali, soube que sua esposa e sua jovem filha também tinham sido presas. Ele descreveu sua reação: “Fiquei muito preocupado. Daí, certo dia, enquanto estava na fila do chuveiro, ouvi uma voz citar Provérbios 3:5, 6 . . . Ecoava como se fosse uma voz vinda do céu. Era exatamente o que eu precisava para recuperar o equilíbrio.” Na realidade, a voz era a de outro preso citando este texto, mas o incidente salienta o poder que a Palavra de Deus pode exercer sobre nós. (Hebreus 4:12) Que a voz de Jeová nos fale poderosamente hoje por meio das palavras de nosso texto do ano de 1994: “Confia em Jeová de todo o teu coração”!
PROVÉRBIOS 3:7)
“Não te tornes sábio aos teus próprios olhos. Teme a Jeová e desvia-te do mal.”
w01 1/2 p. 32 “Uma cura para o teu umbigo”
“Uma cura para o teu umbigo”
ACREDITA-SE que um grande número das doenças da humanidade são provocadas por tensões emocionais, tais como o medo, a tristeza, a inveja, o ressentimento, o ódio e o sentimento de culpa. Em vista disso, como é consoladora a declaração bíblica de que ‘temer a Jeová’ é “uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos”! — Provérbios 3:7, 8.
Os ossos são a estrutura sustentadora do corpo. De modo que a Bíblia usa a palavra “ossos” de modo figurado, para representar o ser humano, especialmente quando afetado por sentimentos e emoções profundas. Mas como temer a Jeová é “uma cura para o teu umbigo”?
Os eruditos bíblicos têm opiniões divergentes sobre a menção do “umbigo” neste texto. Um comentarista diz que, por ele estar na “região central do corpo”, o “umbigo” talvez represente todos os órgãos vitais. Outro erudito sugere que a palavra “umbigo” pode referir-se ao cordão umbilical, como é usado em Ezequiel 16:4. Se for assim, Provérbios 3:8 talvez enfatize nossa total dependência de Deus — assim como um feto indefeso depende totalmente da mãe para ser nutrido. Ainda outra idéia é que “umbigo” aqui pode referir-se aos músculos e aos tendões do corpo. No contexto deste versículo, estes componentes talvez sejam contrastados com os “ossos” — os componentes mais sólidos do corpo.
Qualquer que seja o sentido específico, uma coisa é certa: Mostrar que se tem temor reverente de Jeová é o proceder sábio. Harmonizar-nos com as normas de Deus pode contribuir para o nosso bem-estar físico agora. Além disso, pode dar-nos o favor de Jeová, o que nos levará a uma vida infindável com saúde perfeita — no seu vindouro novo mundo. — Isaías 33:24; Revelação (Apocalipse) 21:4; 22:2.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
“Não te tornes sábio aos teus próprios olhos”, diz Salomão. Em vez disso, ele exorta: “Teme a Jeová e desvia-te do mal. Torne-se isso uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos.” (Provérbios 3:7, 8) O temor salutar de desagradar a Deus deve influir em todas as nossas ações, pensamentos e emoções. Esse temor reverente nos impede de fazer o que é mau, e é espiritualmente benéfico e revigorante.
w93 15/12 pp. 16-17 pars. 2-4 Cultive temor piedoso
2 Lemos em Provérbios 3:7: “Não te tornes sábio aos teus próprios olhos. Teme a Jeová e desvia-te do mal.” Desde o tempo dos nossos primeiros pais, quando a Serpente seduziu Eva com a promessa de ‘saber o que é bom e o que é mau’, a mera sabedoria humana não tem conseguido satisfazer as necessidades da humanidade. (Gênesis 3:4, 5; 1 Coríntios 3:19, 20) Em nenhum período da História isso tem sido mais evidente do que neste século 20 — nestes “últimos dias” em que a humanidade, colhendo os frutos do pensamento ateu, evolucionista, é afligida pelo racismo, pela violência e por todo tipo de imoralidade. (2 Timóteo 3:1-5, 13; 2 Pedro 3:3, 4) É uma ‘nova desordem mundial’ que nem a ONU, nem as religiões fragmentadas do mundo podem resolver.
3 A Palavra profética de Deus informa-nos que forças demoníacas têm saído “aos reis de toda a terra habitada, a fim de ajuntá-los para a guerra do grande dia de Deus, o Todo-poderoso . . . ao lugar que em hebraico se chama Har-Magedon”. (Revelação [Apocalipse] 16:14, 16) Dentro em pouco, o terror da parte de Jeová sobrevirá a esses reis, ou governantes. Será como o pavor que sobreveio aos cananeus quando Josué e os israelitas vieram executar o julgamento neles. (Josué 2:9-11) No entanto, hoje em dia, é aquele que foi tipificado por Josué, Cristo Jesus — o “Rei dos reis e Senhor dos senhores” — quem ‘golpeará as nações e as pastoreará com vara de ferro’, em expressão “da ira do furor de Deus, o Todo-poderoso”. — Revelação 19:15, 16.
4 Quem será salvo nesta ocasião? Não serão os consumidos pelo medo que serão libertos, mas sim todos os que tiverem cultivado um temor reverente de Jeová. Em vez de serem sábios aos seus próprios olhos, estes ‘desviam-se do mal’. Com humildade, nutrem a mente com aquilo que é bom, de modo que o mal é expelido do seu modo de pensar. Têm respeito salutar pelo Soberano Senhor Jeová, o “Juiz de toda a terra”, que está prestes a executar todos os que se apegam à maldade, assim como aniquilou os depravados sodomitas. (Gênesis 18:25) Na realidade, para o próprio povo de Deus, “o temor de Jeová é fonte de vida para se desviar dos laços da morte”. — Provérbios 14:27.
PROVÉRBIOS 3:8)
“Torne-se isso uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos.”
w01 1/2 p. 32 “Uma cura para o teu umbigo”
“Uma cura para o teu umbigo”
ACREDITA-SE que um grande número das doenças da humanidade são provocadas por tensões emocionais, tais como o medo, a tristeza, a inveja, o ressentimento, o ódio e o sentimento de culpa. Em vista disso, como é consoladora a declaração bíblica de que ‘temer a Jeová’ é “uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos”! — Provérbios 3:7, 8.
Os ossos são a estrutura sustentadora do corpo. De modo que a Bíblia usa a palavra “ossos” de modo figurado, para representar o ser humano, especialmente quando afetado por sentimentos e emoções profundas. Mas como temer a Jeová é “uma cura para o teu umbigo”?
Os eruditos bíblicos têm opiniões divergentes sobre a menção do “umbigo” neste texto. Um comentarista diz que, por ele estar na “região central do corpo”, o “umbigo” talvez represente todos os órgãos vitais. Outro erudito sugere que a palavra “umbigo” pode referir-se ao cordão umbilical, como é usado em Ezequiel 16:4. Se for assim, Provérbios 3:8 talvez enfatize nossa total dependência de Deus — assim como um feto indefeso depende totalmente da mãe para ser nutrido. Ainda outra idéia é que “umbigo” aqui pode referir-se aos músculos e aos tendões do corpo. No contexto deste versículo, estes componentes talvez sejam contrastados com os “ossos” — os componentes mais sólidos do corpo.
Qualquer que seja o sentido específico, uma coisa é certa: Mostrar que se tem temor reverente de Jeová é o proceder sábio. Harmonizar-nos com as normas de Deus pode contribuir para o nosso bem-estar físico agora. Além disso, pode dar-nos o favor de Jeová, o que nos levará a uma vida infindável com saúde perfeita — no seu vindouro novo mundo. — Isaías 33:24; Revelação (Apocalipse) 21:4; 22:2.
w00 15/1 p. 24 Cultive uma relação achegada com Jeová
“Não te tornes sábio aos teus próprios olhos”, diz Salomão. Em vez disso, ele exorta: “Teme a Jeová e desvia-te do mal. Torne-se isso uma cura para o teu umbigo e refrigério para os teus ossos.” (Provérbios 3:7, 8) O temor salutar de desagradar a Deus deve influir em todas as nossas ações, pensamentos e emoções. Esse temor reverente nos impede de fazer o que é mau, e é espiritualmente benéfico e revigorante.
PROVÉRBIOS 3:9)
“Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos.”
w13 15/6 pp. 14-15 par. 11 Tenha apreço pela generosidade e razoabilidade de Jeová
11 Podemos também ser generosos com Jeová. “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas”, exortam as Escrituras. (Pro. 3:9) Essas “coisas valiosas” incluem nosso tempo, energia e recursos, que podemos usar liberalmente no Seu serviço. Até mesmo crianças podem aprender a ser generosas com Jeová. “Quando nossa família faz um donativo no Salão do Reino, deixamos que nossos filhos coloquem o dinheiro na caixa de donativos”, diz o pai deles, Jason. “Eles gostam disso, porque, como eles mesmos dizem, estão ‘dando algo para Jeová’.” Crianças que sentem a alegria de dar a Jeová quando jovens provavelmente continuarão a ser generosos com ele quando adultos. — Pro. 22:6.
w00 15/1 pp. 24-25 Cultive uma relação achegada com Jeová
De que outra maneira podemos nos achegar a Jeová? “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos”, orienta o rei. (Provérbios 3:9) Honrar a Jeová significa demonstrar-lhe alta estima e exaltá-lo publicamente por apoiar e participar na proclamação pública de seu nome. As coisas valiosas com as quais honramos a Jeová são nosso tempo e energia, e nossos dons e bens materiais. Essas devem ser nossas primícias — o melhor que temos. Concorda que a maneira de usarmos nossos recursos pessoais deve mostrar que estamos decididos a ‘continuar a buscar primeiro o Reino e a justiça de Deus’? — Mateus 6:33.
w97 1/11 pp. 26-29 “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas” — Como?
“Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas” — Como?
“HONRA a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos.” Estas palavras inspiradas de sabedoria, escritas há uns 2.600 anos, contêm a chave para se obter abundantes bênçãos de Jeová, porque o escritor passa a salientar: “Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura; e teus tanques de lagar transbordarão de vinho novo.” — Provérbios 3:9, 10.
Mas o que significa honrar a Jeová Deus? Quais são as coisas valiosas com que devemos honrá-lo? E como podemos fazer isso?
“Honra a Jeová”
Nas Escrituras, a principal palavra hebraica para honra, ka•vóhdh, significa literalmente “peso”. Portanto, honrar uma pessoa significa considerá-la como sendo de peso, notável ou importante. Outra palavra hebraica para honra, yeqár, é também traduzida “precioso” ou “coisas preciosas”. De forma similar, a palavra grega ti•mé, traduzida na Bíblia por “honra”, transmite o sentido de estima, valor, preciosidade. De modo que se honra alguém por mostrar-lhe profundo respeito e estima.
Honrar tem também outro aspecto. Considere o relato a respeito do fiel judeu Mordecai, que em certa ocasião expôs uma trama contra a vida do Rei Assuero, da antiga Pérsia. Mais tarde, quando o rei soube que não se fizera nada para honrar a Mordecai por este ato, ele perguntou ao seu primeiro-ministro, Hamã, qual seria a melhor maneira de honrar alguém de quem o rei se tivesse agradado. Hamã pensou que essa honra fosse para ele mesmo, mas como se enganou! De qualquer modo, Hamã disse que tal homem devia ser trajado com “vestimenta real” e feito montar em “um cavalo em que o rei cavalga”. Ele concluiu: “Terão de fazê-lo cavalgar no cavalo na praça pública da cidade, e terão de clamar diante dele: ‘Assim se faz ao homem em cuja honra o próprio rei se agradou.’” (Ester 6:1-9) Neste caso, honrar alguém incluía exaltá-lo em público, para ser muito estimado por todas as pessoas.
De modo similar, honrar a Jeová tem dois aspectos: tê-lo pessoalmente em alta estima e enaltecê-lo publicamente por participar na obra da proclamação pública do Seu nome e apoiá-la.
Quais são as “tuas coisas valiosas”?
Nossas coisas valiosas certamente incluem nossa vida, nosso tempo, nossos talentos e nossa força. Que dizer de nossos bens materiais? Considere as palavras de Jesus, quando ele viu uma viúva pobre lançar duas moedinhas de pouco valor num dos cofres do tesouro do templo. Ele disse: “Esta viúva, embora pobre, lançou neles mais do que todos eles. Porque todos estes [outros contribuintes] lançaram neles dádivas do que lhes sobrava, mas esta mulher, de sua carência, lançou neles todo o seu meio de vida.” (Lucas 21:1-4) Jesus louvou essa viúva por ela usar seus bens materiais para a promoção da adoração de Jeová.
Portanto, é evidente que as coisas valiosas, mencionadas por Salomão, também incluem os bens materiais que talvez possuamos. E a expressão “as primícias de todos os teus produtos” contém a idéia de darmos a Jeová o melhor de nossas coisas valiosas.
Como, porém, se pode honrar a Deus por dar coisas materiais? Já não lhe pertencem todas as coisas? (Salmo 50:10; 95:3-5) “Tudo procede de ti”, reconheceu o Rei Davi numa oração feita de coração a Jeová. E referente aos grandes donativos que ele e seu povo fizeram para a construção do templo, Davi disse: “Da tua própria mão o demos a ti.” (1 Crônicas 29:14) Portanto, ao oferecermos dádivas a Jeová, apenas lhe devolvemos o que ele nos deu na bondade do seu coração. (1 Coríntios 4:7) Mas, conforme já mencionado, honrar a Jeová inclui enaltecê-lo aos olhos de outros. E as dádivas materiais usadas para a promoção da adoração verdadeira honram a Jeová. A Bíblia contém exemplos excelentes de se honrar assim a Jeová.
Exemplos do passado
Há uns 3.500 anos, quando chegou o tempo de Jeová providenciar para os israelitas o tabernáculo no ermo como lugar de adoração, surgiu a necessidade de uma variedade de objetos preciosos para o projeto fornecido por Deus. Jeová ordenou a Moisés que ‘cada um de coração disposto trouxesse uma contribuição para Jeová’. (Êxodo 35:5) O relato prossegue: “Eles vieram então, todo aquele cujo coração o impelia, e trouxeram, todo aquele cujo espírito o incitava, a contribuição pertencente a Jeová para a obra da tenda de reunião e para todo o seu serviço, e para as vestes sagradas.” (Êxodo 35:21) Suas ofertas voluntárias, na realidade, mostravam ser muito mais do que se requeria para a obra, de modo que o povo teve de ser ‘contido de trazê-las’! — Êxodo 36:5, 6.
Considere outro exemplo. Quando o tabernáculo já servira a sua finalidade e se faziam preparativos para a construção do templo, Davi fez uma grande contribuição pessoal para o templo a ser construído pelo seu filho, Salomão. Ele exortou também outros para participarem nisso, e o povo correspondeu com dádivas de coisas valiosas para Jeová. Somente a prata e o ouro valiam uns 50 bilhões de dólares segundo valores atuais. “E o povo se alegrava por fazerem ofertas voluntárias.” — 1 Crônicas 29:3-9; 2 Crônicas 5:1.
“Ofertas voluntárias” nos nossos dias
Como podemos participar na alegria de fazer ofertas voluntárias nos nossos dias? A obra mais importante em andamento no mundo, na época atual, é a da pregação do Reino e de fazer discípulos. (Mateus 24:14; 28:19, 20; Atos 1:8) E Jeová achou por bem confiar os interesses terrestres do Reino às suas Testemunhas. — Isaías 43:10.
É evidente que se precisa de dinheiro para financiar a obra feita hoje pelas Testemunhas de Jeová. A construção e a manutenção de Salões do Reino, de Salões de Assembléias, de filiais e congêneres, de gráficas e de lares de Betel requerem dinheiro. A edição e a distribuição de Bíblias e de publicações bíblicas em diversas línguas também envolvem despesas. Como se arca com essas despesas organizacionais? Com contribuições estritamente voluntárias!
A maioria das contribuições são feitas por pessoas que — assim como a viúva observada por Jesus — têm apenas recursos limitados. Não querendo estar em falta neste aspecto de honrar a Jeová, contribuem quantias modestas, ‘segundo a capacidade real delas’, e, às vezes, “além de sua capacidade real”. — 2 Coríntios 8:3, 4.
“Faça cada um conforme tem resolvido no seu coração, não de modo ressentido, nem sob compulsão, pois Deus ama o dador animado”, disse o apóstolo Paulo aos cristãos em Corinto. (2 Coríntios 9:7) Dar com alegria requer um bom planejamento. Paulo disse aos coríntios: “Todo primeiro dia da semana, cada um de vós, na sua própria casa, ponha algo de lado, em reserva, conforme tiver prosperado, para que, quando eu chegar, não se façam então as coletas.” (1 Coríntios 16:2) De forma similar, de modo particular e voluntário, os que querem fazer donativos para promover a obra do Reino hoje em dia podem reservar alguma parte da sua renda para este fim.
Jeová abençoa os que o honram
Embora a prosperidade material em si não produza prosperidade espiritual, o uso generoso de nossas coisas valiosas — nosso tempo, nossa força e nossos recursos materiais — para honrar a Jeová, resulta em ricas bênçãos. Isto se dá porque Deus, a quem pertence tudo, nos assegura: “Far-se-á que a própria alma generosa engorde, e aquele que rega liberalmente os outros também será regado liberalmente.” — Provérbios 11:25.
Após a morte do Rei Davi, seu filho Salomão usou as contribuições voluntárias coletadas pelo seu pai para construir um glorioso templo, assim como Jeová orientara. E enquanto Salomão permaneceu fiel na sua adoração a Deus, “Judá e Israel continuaram a morar em segurança, . . . desde Dã até Berseba, todos os dias de Salomão”. (1 Reis 4:25) Os depósitos estavam cheios, os tonéis de vinho transbordavam — enquanto Israel ‘honrava a Jeová com as suas coisas valiosas’.
Mais tarde, Jeová disse por meio do seu profeta Malaquias: “‘Experimentai-me, por favor, neste respeito’, disse Jeová dos exércitos, ‘se eu não vos abrir as comportas dos céus e realmente despejar sobre vós uma bênção até que não haja mais necessidade’.” (Malaquias 3:10) A prosperidade espiritual hoje usufruída pelos servos de Jeová é evidência de que Deus tem cumprido a sua promessa.
Jeová certamente se agrada quando fazemos a nossa parte na promoção dos interesses do Reino. (Hebreus 13:15, 16) E ele promete sustentar-nos se ‘persistirmos em buscar primeiro o reino e a Sua justiça’. (Mateus 6:33) Portanto, ‘honremos a Jeová com as nossas coisas valiosas’ com muito regozijo de coração.
w93 15/12 pp. 17-18 Cultive temor piedoso
Honra dada a Jeová
6 Nosso apreciativo temor de Jeová, junto com um amor intenso a ele, devem motivar-nos a acatar Provérbios 3:9: “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas e com as primícias de todos os teus produtos.” Não somos compelidos a honrar a Jeová com nossas ofertas. Estas devem ser voluntárias, conforme indicado umas 12 vezes, de Êxodo 35:29 a Deuteronômio 23:23, com referência aos sacrifícios no antigo Israel. Essas primícias dadas a Jeová devem ser as melhores dádivas que possamos oferecer, em reconhecimento da bondade e da benevolência que usufruímos Dele. (Salmo 23:6) Devem refletir nossa determinação de ‘persistir em buscar primeiro o reino e a Sua justiça’. (Mateus 6:33) E qual é o resultado de honrarmos a Jeová com as nossas coisas valiosas? “Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura; e teus tanques de lagar transbordarão de vinho novo.” — Provérbios 3:10.
7 A maneira primária de Jeová nos abençoar é espiritual. (Malaquias 3:10) Portanto, as primícias que lhe oferecemos devem ser principalmente espirituais. Devemos usar nosso tempo, nossas energias e nossa força vital para fazer a Sua vontade. Isto, por sua vez, nos nutrirá, do mesmo modo como esta atividade se tornou “alimento” fortalecedor para Jesus. (João 4:34) Nossos depósitos espirituais estarão cheios e nossa alegria, simbolizada por vinho novo, transbordará. Além disso, ao passo que com confiança oramos pedindo suficiente alimento material para cada dia, podemos coerentemente contribuir com generosidade dos nossos meios para apoiar a obra mundial do Reino. (Mateus 6:11) Tudo o que possuímos, inclusive os bens materiais, recebemos de nosso amoroso Pai celestial. Ele derramará bênçãos adicionais ao ponto em que usamos essas coisas valiosas para o seu louvor. — Provérbios 11:4; 1 Coríntios 4:7.
jv cap. 21 p. 342 Como se financia a obra?
No entanto, no que diz respeito a dar, deve-se notar que as Testemunhas de Jeová não pensam apenas em termos de bens materiais. Nos congressos de distrito de 1985-86, elas consideraram o assunto “Honremos a Jeová com as Nossas Coisas Valiosas”. (Pro. 3:9) Frisou-se que essas coisas valiosas não só incluem bens materiais, mas também recursos físicos, mentais e espirituais.
it-1 p. 684 Depósito
Em vez de incentivar-nos a procurar bens terrestres e assim acumular uma grande quantidade deles, o sábio escritor de Provérbios diz: “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas . . . Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura.” (Pr 3:9, 10) Isto foi exemplificado por aquilo que se deu com a nação de Israel, a qual, quando servia obedientemente a Jeová e trazia os plenos dízimos ao santuário, era abençoada com abundância. (De 28:1, 8; 1Rs 4:20; 2Cr 31:4-10; Mal 3:10)
PROVÉRBIOS 3:10)
“Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura; e teus tanques de lagar transbordarão de vinho novo.”
w00 15/1 p. 25 Cultive uma relação achegada com Jeová
Quando honramos a Jeová com nossas coisas valiosas, não saímos perdendo. “Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura”, garante Salomão, “e teus tanques de lagar transbordarão de vinho novo”. (Provérbios 3:10) Embora a prosperidade espiritual não leve necessariamente à prosperidade material, o fato de usarmos nossos recursos de maneira generosa para honrar a Jeová nos traz ricas bênçãos. Jesus considerava que fazer a vontade de Deus era como “alimento”. (João 4:34) Da mesma maneira, quando participamos na obra de pregar e fazer discípulos, que glorifica a Jeová, somos nutridos. Se participarmos nessa obra continuamente, teremos abundantes suprimentos nos nossos depósitos espirituais. Nossa alegria — simbolizada pelo vinho novo — transbordará.
Não é verdade que confiamos em Jeová e oramos para que nos dê o alimento material necessário para cada dia? (Mateus 6:11) Na realidade, tudo o que possuímos nos foi dado por nosso amoroso Pai celestial. À medida que usarmos nossas coisas valiosas para louvar a Jeová, ele nos abençoará ainda mais. — 1 Coríntios 4:7.
w93 15/12 pp. 17-18 pars. 6-7 Cultive temor piedoso
E qual é o resultado de honrarmos a Jeová com as nossas coisas valiosas? “Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura; e teus tanques de lagar transbordarão de vinho novo.” — Provérbios 3:10.
7 A maneira primária de Jeová nos abençoar é espiritual. (Malaquias 3:10) Portanto, as primícias que lhe oferecemos devem ser principalmente espirituais. Devemos usar nosso tempo, nossas energias e nossa força vital para fazer a Sua vontade. Isto, por sua vez, nos nutrirá, do mesmo modo como esta atividade se tornou “alimento” fortalecedor para Jesus. (João 4:34) Nossos depósitos espirituais estarão cheios e nossa alegria, simbolizada por vinho novo, transbordará. Além disso, ao passo que com confiança oramos pedindo suficiente alimento material para cada dia, podemos coerentemente contribuir com generosidade dos nossos meios para apoiar a obra mundial do Reino. (Mateus 6:11) Tudo o que possuímos, inclusive os bens materiais, recebemos de nosso amoroso Pai celestial. Ele derramará bênçãos adicionais ao ponto em que usamos essas coisas valiosas para o seu louvor. — Provérbios 11:4; 1 Coríntios 4:7.
it-1 p. 684 Depósito
Em vez de incentivar-nos a procurar bens terrestres e assim acumular uma grande quantidade deles, o sábio escritor de Provérbios diz: “Honra a Jeová com as tuas coisas valiosas . . . Então os teus depósitos de suprimentos se encherão de fartura.” (Pr 3:9, 10) Isto foi exemplificado por aquilo que se deu com a nação de Israel, a qual, quando servia obedientemente a Jeová e trazia os plenos dízimos ao santuário, era abençoada com abundância. (De 28:1, 8; 1Rs 4:20; 2Cr 31:4-10; Mal 3:10)
PROVÉRBIOS 3:11)
“Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová; e não abomines a sua repreensão,”
w03 1/10 p. 21 Entenda o objetivo da disciplina
No entanto, quando Jeová convida seus adoradores a aceitarem a sua disciplina, ele não se refere à punição de pecadores impenitentes.
É significativo que a Bíblia não descreva Jeová primariamente como punidor. Em vez disso, ele é muitas vezes descrito como instrutor amoroso e orientador paciente. ( Jó 36:22; Salmo 71:17; Isaías 54:13) De fato, a disciplina divina, administrada como medida corretiva, é sempre acompanhada pelo amor e pela paciência. Os cristãos, por entenderem o objetivo da disciplina, estão em melhores condições de aceitar e de aplicar a disciplina com a atitude correta.
w03 1/10 p. 20 Entenda o objetivo da disciplina
A Bíblia, porém, apresenta a disciplina numa luz diferente. “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová”, escreveu o sábio Rei Salomão. (Provérbios 3:11) Essas palavras não se referem à disciplina em geral, mas à “disciplina de Jeová”, quer dizer, à disciplina baseada nos elevados princípios de Deus. Apenas essa disciplina é espiritualmente produtiva e benéfica — até mesmo desejável. Em contraste, a disciplina baseada no pensamento humano que está em conflito com os elevados princípios de Jeová muitas vezes é abusiva e prejudicial. Isso explica por que muitos têm uma atitude negativa para com a disciplina.
Por que somos incentivados a aceitar a disciplina de Jeová? Nas Escrituras, a disciplina divina é descrita como expressão do amor de Deus às suas criaturas humanas. De modo que Salomão prosseguiu dizendo: “Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.” — Provérbios 3:12.
Disciplina ou punição — qual a diferença?
A disciplina, conforme expressa na Bíblia, tem muitos aspectos — orientação, instrução, educação, repreensão, correção e até mesmo punição. No entanto, em cada caso, a disciplina de Jeová é motivada por amor e seu objetivo é beneficiar quem a recebe. A disciplina corretiva de Jeová nunca tem por objetivo exclusivo a punição.
w00 15/1 p. 25 Cultive uma relação achegada com Jeová
Aceite a disciplina de Jeová
Notando a importância da disciplina para se ter uma relação achegada com Jeová, o rei de Israel nos aconselha: “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová; e não abomines a sua repreensão, porque Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.” — Provérbios 3:11, 12.
Mas pode ser que não achemos fácil aceitar disciplina. “Nenhuma disciplina parece no momento ser motivo de alegria, mas sim de pesar”, escreveu o apóstolo Paulo, “no entanto, depois dá fruto pacífico, a saber, a justiça, aos que têm sido treinados por ela”. (Hebreus 12:11) O conselho e a disciplina fazem parte do treinamento que nos achega a Deus. A correção de Jeová — quer a recebamos dos pais, da congregação cristã, ou por meditarmos nas Escrituras durante o estudo pessoal — é uma expressão de Seu amor por nós. Aceitá-la é uma demonstração de sabedoria.
w93 15/12 pp. 18-19 pars. 8-9 Cultive temor piedoso
8 Nos versículos 11 e 12 , o capítulo 3 de Provérbios fala novamente do relacionamento feliz entre pai e filho que existe em famílias piedosas, bem como entre Jeová e seus amados filhos espirituais na Terra. Lemos: “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová; e não abomines a sua repreensão, porque Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.” As pessoas do mundo detestam a repreensão. Os do povo de Jeová devem acolhê-la. O apóstolo Paulo citou essas palavras de Provérbios, dizendo: “Filho meu, não deprecies a disciplina da parte de Jeová, nem desfaleças quando és corrigido por ele; pois Jeová disciplina aquele a quem ama . . . É verdade que nenhuma disciplina parece no momento ser motivo de alegria, mas sim de pesar; no entanto, depois dá fruto pacífico, a saber, a justiça, aos que têm sido treinados por ela.” — Hebreus 12:5, 6, 11.
9 Sim, a repreensão e a disciplina são partes necessárias do treinamento de cada um de nós, quer as recebamos dos pais, quer por meio da congregação cristã ou por meditarmos nos textos bíblicos durante o nosso estudo pessoal. É uma questão de vida ou morte acatarmos a disciplina, conforme declara também Provérbios 4:1, 13: “Escutai, ó filhos, a disciplina do pai e prestai atenção, para conhecerdes a compreensão. Agarra a disciplina; não a largues. Resguarda-a, pois ela mesma é a tua vida.”
tp cap. 10 p. 110 pars. 6-7 Está disposto a encarar a verdade na sua vida?
Provérbios 3:11 identifica essa Fonte: “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová.”
7 Como provê Deus tal disciplina? Por meio de sua Palavra, a Bíblia Sagrada. Assim, ao lermos a Bíblia, ou quando um concrente nos traz à atenção os conselhos dela, e notamos que de algum modo não estamos à altura, estamos recebendo a disciplina de Deus. Por reconhecermos que essa disciplina é correta, e a aplicarmos, provamos que encaramos a verdade. Reconhecemos o direito de Deus de nos dar orientação e mostramos que somos do tipo de pessoas que ele quer na sua Nova Ordem. Sim, a nossa vida depende de aceitarmos a disciplina divina! — Provérbios 4:13.
PROVÉRBIOS 3:12)
“porque Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.”
w00 15/1 p. 25 Cultive uma relação achegada com Jeová
Aceite a disciplina de Jeová
Notando a importância da disciplina para se ter uma relação achegada com Jeová, o rei de Israel nos aconselha: “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová; e não abomines a sua repreensão, porque Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.” — Provérbios 3:11, 12.
Mas pode ser que não achemos fácil aceitar disciplina. “Nenhuma disciplina parece no momento ser motivo de alegria, mas sim de pesar”, escreveu o apóstolo Paulo, “no entanto, depois dá fruto pacífico, a saber, a justiça, aos que têm sido treinados por ela”. (Hebreus 12:11) O conselho e a disciplina fazem parte do treinamento que nos achega a Deus. A correção de Jeová — quer a recebamos dos pais, da congregação cristã, ou por meditarmos nas Escrituras durante o estudo pessoal — é uma expressão de Seu amor por nós. Aceitá-la é uma demonstração de sabedoria.
w93 15/12 pp. 18-19 pars. 8-9 Cultive temor piedoso
8 Nos versículos 11 e 12 , o capítulo 3 de Provérbios fala novamente do relacionamento feliz entre pai e filho que existe em famílias piedosas, bem como entre Jeová e seus amados filhos espirituais na Terra. Lemos: “Filho meu, não rejeites a disciplina de Jeová; e não abomines a sua repreensão, porque Jeová repreende aquele a quem ama, assim como o pai faz com o filho em quem tem prazer.” As pessoas do mundo detestam a repreensão. Os do povo de Jeová devem acolhê-la. O apóstolo Paulo citou essas palavras de Provérbios, dizendo: “Filho meu, não deprecies a disciplina da parte de Jeová, nem desfaleças quando és corrigido por ele; pois Jeová disciplina aquele a quem ama . . . É verdade que nenhuma disciplina parece no momento ser motivo de alegria, mas sim de pesar; no entanto, depois dá fruto pacífico, a saber, a justiça, aos que têm sido treinados por ela.” — Hebreus 12:5, 6, 11.
9 Sim, a repreensão e a disciplina são partes necessárias do treinamento de cada um de nós, quer as recebamos dos pais, quer por meio da congregação cristã ou por meditarmos nos textos bíblicos durante o nosso estudo pessoal. É uma questão de vida ou morte acatarmos a disciplina, conforme declara também Provérbios 4:1, 13: “Escutai, ó filhos, a disciplina do pai e prestai atenção, para conhecerdes a compreensão. Agarra a disciplina; não a largues. Resguarda-a, pois ela mesma é a tua vida.”
PROVÉRBIOS 3:13)
“Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento,”
w93 15/12 p. 19 Cultive temor piedoso
A maior felicidade
10 Como são belas as expressões que agora se seguem, sendo deveras ‘palavras deleitosas, corretas, de verdade’! (Eclesiastes 12:10) Estas palavras inspiradas de Salomão descrevem a verdadeira felicidade. São palavras que devemos inscrever no coração. Lemos:
11 “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro. Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela. Na sua direita há longura de dias; na sua esquerda há riquezas e glória. Seus caminhos são caminhos aprazíveis e todas as suas sendas são paz. Ela é árvore de vida para os que a agarram, e os que a seguram bem devem ser chamados de felizes.” — Provérbios 3:13-18.
12 Sabedoria — quantas vezes ela é mencionada no livro de Provérbios, ao todo 46 vezes! “O temor de Jeová é o início da sabedoria.” Trata-se de sabedoria piedosa, prática, baseada no conhecimento da Palavra de Deus, que habilita Seu povo a seguir um rumo seguro através da perigosa tempestade que assola o mundo de Satanás. (Provérbios 9:10) O discernimento, mencionado 19 vezes em Provérbios, é o auxiliar da sabedoria, ajudando-nos a combater os desígnios de Satanás. O grande Adversário tem milênios de experiência no uso das suas artimanhas. No entanto, temos por instrutor algo muito mais valioso do que a experiência: o discernimento piedoso, a capacidade de distinguir o certo do errado e de escolher o caminho certo a seguir. Isto é o que Jeová nos ensina por meio da sua Palavra. — Provérbios 2:10-13; Efésios 6:11.
13 O caos econômico prevalecente hoje no mundo é precursor do cumprimento da profecia de Ezequiel 7:19: “A própria prata deles lançarão nas ruas e o próprio ouro deles tornar-se-á uma coisa abominável. Nem a sua prata nem o seu ouro poderá livrá-los no dia da fúria de Jeová.” Toda a riqueza material na Terra nem se pode comparar com o poder salvador da sabedoria e do discernimento. O sábio Rei Salomão declarou em outra ocasião: “A sabedoria é para proteção, assim como o dinheiro é para proteção; mas a vantagem do conhecimento é que a própria sabedoria preserva vivos os que a possuem.” (Eclesiastes 7:12) Felizes, deveras, são todos os que hoje andam nos caminhos agradáveis de Jeová e que escolhem sabiamente a “longura de dias”, a vida eterna que é a dádiva de Deus a todos os que exercem fé no sacrifício resgatador de Jesus! — Provérbios 3:16; João 3:16; 17:3.
PROVÉRBIOS 3:14)
“porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto [é melhor] do que o próprio ouro.”
w93 15/12 p. 19 Cultive temor piedoso
A maior felicidade
10 Como são belas as expressões que agora se seguem, sendo deveras ‘palavras deleitosas, corretas, de verdade’! (Eclesiastes 12:10) Estas palavras inspiradas de Salomão descrevem a verdadeira felicidade. São palavras que devemos inscrever no coração. Lemos:
11 “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro. Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela. Na sua direita há longura de dias; na sua esquerda há riquezas e glória. Seus caminhos são caminhos aprazíveis e todas as suas sendas são paz. Ela é árvore de vida para os que a agarram, e os que a seguram bem devem ser chamados de felizes.” — Provérbios 3:13-18.
12 Sabedoria — quantas vezes ela é mencionada no livro de Provérbios, ao todo 46 vezes! “O temor de Jeová é o início da sabedoria.” Trata-se de sabedoria piedosa, prática, baseada no conhecimento da Palavra de Deus, que habilita Seu povo a seguir um rumo seguro através da perigosa tempestade que assola o mundo de Satanás. (Provérbios 9:10) O discernimento, mencionado 19 vezes em Provérbios, é o auxiliar da sabedoria, ajudando-nos a combater os desígnios de Satanás. O grande Adversário tem milênios de experiência no uso das suas artimanhas. No entanto, temos por instrutor algo muito mais valioso do que a experiência: o discernimento piedoso, a capacidade de distinguir o certo do errado e de escolher o caminho certo a seguir. Isto é o que Jeová nos ensina por meio da sua Palavra. — Provérbios 2:10-13; Efésios 6:11.
13 O caos econômico prevalecente hoje no mundo é precursor do cumprimento da profecia de Ezequiel 7:19: “A própria prata deles lançarão nas ruas e o próprio ouro deles tornar-se-á uma coisa abominável. Nem a sua prata nem o seu ouro poderá livrá-los no dia da fúria de Jeová.” Toda a riqueza material na Terra nem se pode comparar com o poder salvador da sabedoria e do discernimento. O sábio Rei Salomão declarou em outra ocasião: “A sabedoria é para proteção, assim como o dinheiro é para proteção; mas a vantagem do conhecimento é que a própria sabedoria preserva vivos os que a possuem.” (Eclesiastes 7:12) Felizes, deveras, são todos os que hoje andam nos caminhos agradáveis de Jeová e que escolhem sabiamente a “longura de dias”, a vida eterna que é a dádiva de Deus a todos os que exercem fé no sacrifício resgatador de Jesus! — Provérbios 3:16; João 3:16; 17:3.
g92 8/5 p. 32 “Há milhões nele”
O ouro tem atraído a humanidade por milhares de anos. Todavia, seu valor é artificial e arbitrário, mudando segundo os ventos da bolsa de valores e do mercado internacional do ouro. Existe, porém, um “ouro” que nunca perde seu valor e está prontamente disponível a todos os que o procuram com sinceridade. De que se trata? “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro.” (Provérbios 3:13, 14) Sim, sabedoria e discernimento, baseados no conhecimento do Deus verdadeiro e de Seu propósito para com a Terra, têm valor mais duradouro do que o ouro.
PROVÉRBIOS 3:15)
“Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela.”
w93 15/12 p. 19 Cultive temor piedoso
A maior felicidade
10 Como são belas as expressões que agora se seguem, sendo deveras ‘palavras deleitosas, corretas, de verdade’! (Eclesiastes 12:10) Estas palavras inspiradas de Salomão descrevem a verdadeira felicidade. São palavras que devemos inscrever no coração. Lemos:
11 “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro. Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela. Na sua direita há longura de dias; na sua esquerda há riquezas e glória. Seus caminhos são caminhos aprazíveis e todas as suas sendas são paz. Ela é árvore de vida para os que a agarram, e os que a seguram bem devem ser chamados de felizes.” — Provérbios 3:13-18.
12 Sabedoria — quantas vezes ela é mencionada no livro de Provérbios, ao todo 46 vezes! “O temor de Jeová é o início da sabedoria.” Trata-se de sabedoria piedosa, prática, baseada no conhecimento da Palavra de Deus, que habilita Seu povo a seguir um rumo seguro através da perigosa tempestade que assola o mundo de Satanás. (Provérbios 9:10) O discernimento, mencionado 19 vezes em Provérbios, é o auxiliar da sabedoria, ajudando-nos a combater os desígnios de Satanás. O grande Adversário tem milênios de experiência no uso das suas artimanhas. No entanto, temos por instrutor algo muito mais valioso do que a experiência: o discernimento piedoso, a capacidade de distinguir o certo do errado e de escolher o caminho certo a seguir. Isto é o que Jeová nos ensina por meio da sua Palavra. — Provérbios 2:10-13; Efésios 6:11.
13 O caos econômico prevalecente hoje no mundo é precursor do cumprimento da profecia de Ezequiel 7:19: “A própria prata deles lançarão nas ruas e o próprio ouro deles tornar-se-á uma coisa abominável. Nem a sua prata nem o seu ouro poderá livrá-los no dia da fúria de Jeová.” Toda a riqueza material na Terra nem se pode comparar com o poder salvador da sabedoria e do discernimento. O sábio Rei Salomão declarou em outra ocasião: “A sabedoria é para proteção, assim como o dinheiro é para proteção; mas a vantagem do conhecimento é que a própria sabedoria preserva vivos os que a possuem.” (Eclesiastes 7:12) Felizes, deveras, são todos os que hoje andam nos caminhos agradáveis de Jeová e que escolhem sabiamente a “longura de dias”, a vida eterna que é a dádiva de Deus a todos os que exercem fé no sacrifício resgatador de Jesus! — Provérbios 3:16; João 3:16; 17:3.
PROVÉRBIOS 3:16)
“Na sua direita há longura de dias; na sua esquerda há riquezas e glória.”
w93 15/12 p. 19 Cultive temor piedoso
A maior felicidade
10 Como são belas as expressões que agora se seguem, sendo deveras ‘palavras deleitosas, corretas, de verdade’! (Eclesiastes 12:10) Estas palavras inspiradas de Salomão descrevem a verdadeira felicidade. São palavras que devemos inscrever no coração. Lemos:
11 “Feliz o homem que achou sabedoria e o homem que obtém discernimento, porque tê-la por ganho é melhor do que ter por ganho a prata, e tê-la como produto é melhor do que o próprio ouro. Ela é mais preciosa do que os corais, e todos os outros agrados teus não se podem igualar a ela. Na sua direita há longura de dias; na sua esquerda há riquezas e glória. Seus caminhos são caminhos aprazíveis e todas as suas sendas são paz. Ela é árvore de vida para os que a agarram, e os que a seguram bem devem ser chamados de felizes.” — Provérbios 3:13-18.
12 Sabedoria — quantas vezes ela é mencionada no livro de Provérbios, ao todo 46 vezes! “O temor de Jeová é o início da sabedoria.” Trata-se de sabedoria piedosa, prática, baseada no conhecimento da Palavra de Deus, que habilita Seu povo a seguir um rumo seguro através da perigosa tempestade que assola o mundo de Satanás. (Provérbios 9:10) O discernimento, mencionado 19 vezes em Provérbios, é o auxiliar da sabedoria, ajudando-nos a combater os desígnios de Satanás. O grande Adversário tem milênios de experiência no uso das suas artimanhas. No entanto, temos por instrutor algo muito mais valioso do que a experiência: o discernimento piedoso, a capacidade de distinguir o certo do errado e de escolher o caminho certo a seguir. Isto é o que Jeová nos ensina por meio da sua Palavra. — Provérbios 2:10-13; Efésios 6:11.
13 O caos econômico prevalecente hoje no mundo é precursor do cumprimento da profecia de Ezequiel 7:19: “A própria prata deles lançarão nas ruas e o próprio ouro deles tornar-se-á uma coisa abominável. Nem a sua prata nem o seu ouro poderá livrá-los no dia da fúria de Jeová.” Toda a riqueza material na Terra nem se pode comparar com o poder salvador da sabedoria e do discernimento. O sábio Rei Salomão declarou em outra ocasião: “A sabedoria é para proteção, assim como o dinheiro é para proteção; mas a vantagem do conhecimento é que a própria sabedoria preserva vivos os que a possuem.” (Eclesiastes 7:12) Felizes, deveras, são todos os que hoje andam nos caminhos agradáveis de Jeová e que escolhem sabiamente a “longura de dias”, a vida eterna que é a dádiva de Deus a todos os que exercem fé no sacrifício resgatador de Jesus! — Provérbios 3:16; João 3:16; 17:3.
PROVÉRBIOS 3:19)
“O próprio Jeová fundou a terra em sabedoria. Firmou solidamente os céus em discernimento.”
w93 15/12 p. 19 par. 14 Cultive temor piedoso
14 É apropriado que nós humanos, criados à imagem de Deus, nos esforcemos a cultivar sabedoria e discernimento, qualidades que o próprio Jeová demonstrou na realização das suas maravilhosas obras de criação. “O próprio Jeová fundou a terra em sabedoria. Firmou solidamente os céus em discernimento.” (Provérbios 3:19,
w93 15/12 pp. 19-20 par. 14 Cultive temor piedoso
Ele passou a fazer criaturas viventes não por meio dum processo místico e inexplicável de evolução, mas por atos diretos de criação, cada uma “segundo a sua espécie” e para um fim sábio. (Gênesis 1:25) Quando finalmente foi produzido o homem com inteligência e capacidades muito superiores às dos animais, o aplauso dos anjos deve ter ecoado e ricocheteado em todos os céus. (Compare com Jó 38:1, 4, 7.) A previdência discernidora de Jeová, sua sabedoria e seu amor, são claramente evidentes em todas as suas produções na Terra. — Salmo 104:24.
PROVÉRBIOS 3:21)
“Filho meu, que não se afastem dos teus olhos. Resguarda a sabedoria prática e o raciocínio,”
cl cap. 22 p. 228 Está pondo em prática “a sabedoria de cima”?
“Resguarda a sabedoria prática”
21 A sabedoria divina é uma dádiva de Jeová, por isso, devemos resguardá-la. Salomão disse: “Filho meu, . . . resguarda a sabedoria prática e o raciocínio.” (Provérbios 3:21) Infelizmente, o próprio Salomão deixou de fazer isso. Ele continuou a ser sábio enquanto manteve um coração obediente. Mas, por fim, suas muitas esposas estrangeiras desviaram seu coração da adoração pura de Jeová. (1 Reis 11:1-8) O que aconteceu com Salomão ilustra que apenas ter conhecimento não adianta muita coisa se esse não for aplicado corretamente.
22 Como podemos resguardar a sabedoria prática? Além de ler regularmente a Bíblia e as publicações baseadas nela, fornecidas pelo “escravo fiel e discreto”, devemos nos empenhar em aplicar o que aprendemos. (Mateus 24:45) Temos motivos de sobra para fazer isso. A sabedoria divina torna a nossa vida muito melhor agora. Permite que nos ‘apeguemos firmemente à verdadeira vida’, quer dizer, à vida no novo mundo de Deus. (1 Timóteo 6:19) E, o mais importante de tudo, cultivar a sabedoria de cima nos achega à fonte de toda a sabedoria, Jeová Deus.
w93 15/12 p. 20 par. 15 Cultive temor piedoso
15 Não somente precisamos cultivar as qualidades de Jeová, de sabedoria e discernimento, mas também temos de apegar-nos a elas, nunca afrouxando o nosso estudo da Sua Palavra. Ele nos admoesta: “Filho meu, que não se afastem dos teus olhos. Resguarda a sabedoria prática e o raciocínio, e mostrar-se-ão vida para a tua alma e encanto para a tua garganta.” (Provérbios 3:21,
PROVÉRBIOS 3:25)
“Não precisarás ter medo de uma repentina coisa pavorosa, nem da tempestade sobre os iníquos, porque ela está chegando.”
w00 15/1 p. 26 Cultive uma relação achegada com Jeová
Realmente, podemos andar com segurança e dormir em paz enquanto aguardamos o dia da “repentina destruição” sobrevir como ladrão ao mundo perverso de Satanás. (1 Tessalonicenses 5:2, 3; 1 João 5:19) Mesmo durante a iminente grande tribulação, podemos contar com a seguinte garantia: “Não precisarás ter medo de uma repentina coisa pavorosa, nem da tempestade sobre os iníquos, porque ela está chegando. Porque o próprio Jeová, de fato, mostrará ser tua confiança e ele certamente guardará teu pé da captura.” — Provérbios 3:25, 26; Mateus 24:21.
PROVÉRBIOS 3:27)
“Não negues o bem àqueles a quem é devido, quando estiver no poder da tua mão fazê-lo.”
w10 15/10 p. 15 Como Jeová encara as desculpas?
A Palavra de Deus diz: “Não negues o bem àqueles a quem é devido, quando estiver no poder da tua mão fazê-lo.” (Pro. 3:27) O que você notou nesse provérbio com relação aos requisitos de Deus? Jeová não exige que você tente se igualar ao seu irmão quanto ao ‘poder’ que ele possa ter na mão, mas sim que o sirva com o que estiver ‘no poder da sua mão’. De fato, cada um de nós — não importa se é pouco ou muito ‘o poder da nossa mão’ — pode servir a Jeová de todo o coração. — Luc. 10:27; Col. 3:23.
w00 15/1 p. 26 Cultive uma relação achegada com Jeová
Faça o bem
“Não negues o bem àqueles a quem é devido”, admoesta Salomão, “quando estiver no poder da tua mão fazê-lo.” (Provérbios 3:27) Fazer o bem a outros envolve usarmos generosamente nossos recursos em prol deles, o que pode ser feito de muitas maneiras. Mas, não concorda que a melhor coisa que podemos fazer pelas pessoas neste “tempo do fim” é ajudá-las a obter um relacionamento achegado com o verdadeiro Deus? (Daniel 12:4) Assim, agora é o tempo de demonstrarmos zelo na obra de pregar o Reino e fazer discípulos. — Mateus 28:19, 20.
w93 15/12 pp. 20-21 Cultive temor piedoso
Ame fazer o que é bom
16 Nos dias atuais deve-se mostrar zelo na pregação das boas novas do Reino em testemunho a todas as nações. Mas esta obra de testemunho tem de ser apoiada por outras atividades cristãs, conforme descrito em Provérbios 3:27, 28: “Não negues o bem àqueles a quem é devido, quando estiver no poder da tua mão fazê-lo. Não digas ao teu próximo: ‘Vai, e volta, e amanhã darei’, quando tens alguma coisa contigo.” (Compare com Tiago 2:14-17.) Visto que grande parte do mundo está nas garras da pobreza e da fome, tem havido clamores urgentes para ajudarmos nosso próximo, especialmente nossos irmãos espirituais. Como têm reagido as Testemunhas de Jeová?
17 Veja um exemplo: durante o ano passado, um clamor urgente por ajuda veio da ex-Iugoslávia. A fraternidade nos países vizinhos respondeu maravilhosamente. Durante os meses frígidos do inverno passado, foi possível que diversos comboios de socorros penetrassem na área de guerra, transportando publicações atuais, roupa quente, alimentos e medicamentos para as Testemunhas necessitadas. Numa ocasião, os irmãos pediram licença para entrar no país com 15 toneladas de suprimentos de ajuda, mas quando receberam a licença, era para 30 toneladas! As Testemunhas de Jeová na Áustria rapidamente despacharam mais três caminhões. Ao todo, 25 toneladas chegaram ao seu destino. Quanto se agradaram nossos irmãos de receber estas abundantes provisões espirituais e materiais!
18 Como reagiram os destinatários? Logo cedo neste ano, um ancião escreveu: “Os irmãos e as irmãs em Sarajevo estão vivos e passam bem, e o que é mais importante, ainda somos espiritualmente fortes para suportar esta guerra louca. A situação dos alimentos foi muito difícil. Que Jeová os abençoe e os recompense pelos esforços que fizeram em nosso favor. As autoridades têm um respeito especial pelas Testemunhas de Jeová, por causa do seu modo exemplar de vida e por seu respeito pelas autoridades. Somos também gratos pelo alimento espiritual que nos mandaram.” — Compare com Salmo 145:18.
19 Esses irmãos em perigo mostraram também apreço por meio do seu zeloso ministério de campo. Muitos vizinhos chegam-se a eles pedindo estudos bíblicos. Na cidade de Tuzla, onde se entregaram cinco toneladas de alimentos, 40 publicadores relataram cada um em média 25 horas de serviço de campo no mês, num excelente apoio aos nove pioneiros na congregação. Tiveram a notável assistência de 243 na Comemoração da morte de Jesus. Esses queridos irmãos deveras estão “sendo completamente vitoriosos, por intermédio daquele que nos amou”. — Romanos 8:37.
20 A generosidade evidenciada pelos grandes comboios de socorros com alimentos e roupa quente, enviados à ex-União Soviética, também tem sido igualada pelo zelo dos irmãos ali. Por exemplo, em Moscou, a assistência à Comemoração, este ano, foi de 7.549, comparada com os 3.500 do ano passado. No mesmo período, as congregações nesta cidade aumentaram de 12 para 16. Na inteira ex-União Soviética (sem contar os Estados Bálticos) o aumento foi de 14% em congregações, de 25% em publicadores e de 74% em pioneiros. Que espírito de zelo e de abnegação! Faz lembrar o primeiro século, quando havia uma “reciprocidade”. Os cristãos que tinham valores espirituais e materiais faziam contribuições generosas para aqueles em lugares menos favorecidos, ao passo que o zelo desses aflitos dava alegria e encorajamento aos doadores. — 2 Coríntios 8:14.
it-2 p. 386 Imparcialidade
Imparcialidade
Ausência de preconceitos ou de favoritismo; justeza. A imparcialidade é uma questão de não se permitir que a posição, a eloqüência, a riqueza, o suborno, ou, por outro lado, o sentimentalismo em favor duma pessoa pobre ou de outra forma em condição desfavorável altere o julgamento ou as medidas tomadas em favor dela. A imparcialidade se certifica de que todos sejam tratados em harmonia com o que é equânime e justo, segundo o que cada um merece e necessita. — Pr 3:27.
PROVÉRBIOS 3:32)
“Porque a pessoa sinuosa é algo detestável para Jeová, mas ele tem intimidade com os retos.”
w93 15/7 pp. 21-22 Como podemos suprir virtude à nossa fé?
A virtude e nossas ações
15 Uma vez que o modo de pensar e a conversa do cristão têm de ser virtuosos, que dizer das nossas ações? Ter conduta virtuosa é a única maneira de ter a aprovação de Deus. Nenhum servo de Jeová pode abandonar a virtude, passar a ser sinuoso e enganoso, e ainda assim pensar que essas coisas tenham a aceitação de Deus. Provérbios 3:32 diz: “A pessoa sinuosa é algo detestável para Jeová, mas ele tem intimidade com os retos.” Se prezarmos nossa relação com Jeová Deus, então essas palavras de reflexão deverão impedir que tramemos algo maldoso ou façamos algo sinuoso. Pois entre as sete coisas detestáveis para a alma de Jeová está “o coração que projeta ardis prejudiciais”! (Provérbios 6:16-19) Portanto, evitemos ações assim e façamos o que é virtuoso, em benefício de nossos semelhantes e para a glória de nosso Pai celestial.
PROVÉRBIOS 4:1)
“Escutai, ó filhos, a disciplina do pai e prestai atenção, para conhecerdes a compreensão.”
w00 15/5 p. 20 ‘Resguarde seu coração’
Escute a disciplina de um pai
O capítulo 4 de Provérbios começa com as palavras: “Escutai, ó filhos, a disciplina do pai e prestai atenção, para conhecerdes a compreensão. Pois é boa instrução o que vos hei de dar. Não abandoneis a minha lei.” — Provérbios 4:1, 2.
O conselho dado aos jovens é escutar as instruções sábias de seus pais piedosos, especialmente as do genitor. Ele tem a responsabilidade bíblica de prover as necessidades físicas e espirituais da sua família. (Deuteronômio 6:6, 7; 1 Timóteo 5:8) Sem esta orientação, quanto mais difícil é para alguém jovem atingir a madureza! Portanto, não devia o filho aceitar respeitosamente a disciplina de seu pai?
Mas o que se dá no caso de alguém jovem que não tem pai para o instruir? Por exemplo, Jason, de onze anos de idade, perdeu o pai quando tinha quatro anos. Quando um ancião cristão lhe perguntou qual era o aspecto mais difícil da sua vida, Jason respondeu prontamente: “Sinto falta dum pai. Às vezes, isso me deixa muito deprimido.” No entanto, os jovens que têm falta de orientação parental têm à sua disposição conselho consolador. Jason e outros como ele podem procurar e receber conselho paternal dos anciãos e de outras pessoas maduras na congregação cristã. — Tiago 1:27.
PROVÉRBIOS 4:2)
“Pois é boa instrução o que vos hei de dar. Não abandoneis a minha lei.”
w00 15/5 p. 20 ‘Resguarde seu coração’
Escute a disciplina de um pai
O capítulo 4 de Provérbios começa com as palavras: “Escutai, ó filhos, a disciplina do pai e prestai atenção, para conhecerdes a compreensão. Pois é boa instrução o que vos hei de dar. Não abandoneis a minha lei.” — Provérbios 4:1, 2.
O conselho dado aos jovens é escutar as instruções sábias de seus pais piedosos, especialmente as do genitor. Ele tem a responsabilidade bíblica de prover as necessidades físicas e espirituais da sua família. (Deuteronômio 6:6, 7; 1 Timóteo 5:8) Sem esta orientação, quanto mais difícil é para alguém jovem atingir a madureza! Portanto, não devia o filho aceitar respeitosamente a disciplina de seu pai?
Mas o que se dá no caso de alguém jovem que não tem pai para o instruir? Por exemplo, Jason, de onze anos de idade, perdeu o pai quando tinha quatro anos. Quando um ancião cristão lhe perguntou qual era o aspecto mais difícil da sua vida, Jason respondeu prontamente: “Sinto falta dum pai. Às vezes, isso me deixa muito deprimido.” No entanto, os jovens que têm falta de orientação parental têm à sua disposição conselho consolador. Jason e outros como ele podem procurar e receber conselho paternal dos anciãos e de outras pessoas maduras na congregação cristã. — Tiago 1:27.
PROVÉRBIOS 4:3)
“Pois, mostrei-me verdadeiro filho para meu pai, terno e o único diante de minha mãe.”
w00 15/5 p. 20 ‘Resguarde seu coração’
Recordando a sua própria educação, Salomão prossegue: “Mostrei-me verdadeiro filho para meu pai, terno e o único diante de minha mãe.” (Provérbios 4:3) Evidentemente, o rei se lembrava com agrado da sua criação. Sendo “verdadeiro filho” que tomava a peito o conselho do pai, o jovem Salomão deve ter tido um relacionamento cordial e achegado com seu pai, Davi. Além disso, era “o único” ou bem-amado. Como é importante que a criança se desenvolva num lar em que o ambiente é cordial e há livre comunicação com os pais!
PROVÉRBIOS 4:5)
“Adquire sabedoria, adquire compreensão. Não te esqueças e não te apartes das declarações da minha boca.”
w00 15/5 p. 20 ‘Resguarde seu coração’
Adquire sabedoria, adquire compreensão. Não te esqueças e não te apartes das declarações da minha boca.
w00 15/5 p. 21 ‘Resguarde seu coração’
Obtermos entendimento também é essencial. Sem ele, será que realmente poderíamos ver a relação entre os fatos e obter o quadro total dum assunto em consideração? Se nos faltasse entendimento, como poderíamos perceber os motivos e as razões das coisas, e obter perspicácia e discernimento? Deveras, para sermos capazes de juntar as informações e tirar conclusões corretas, precisamos de entendimento. — Daniel 9:22, 23.
PROVÉRBIOS 4:7)
“Sabedoria é a coisa principal. Adquire sabedoria; e com tudo o que adquirires, adquire compreensão.”
w07 1/1 p. 18 Os formandos de Gileade recebem instrução animadora
Conselhos finais dos instrutores
O próximo discurso foi proferido por Wallace Liverance, instrutor de Gileade, cujo tema se baseou em Provérbios 4:7. Ele disse que, embora a sabedoria piedosa seja muito importante, precisamos também ‘adquirir compreensão’, que envolve combinar fatos isolados e daí ver como se relacionam entre si de modo a entender o pleno significado do assunto. O orador mostrou que obter compreensão traz alegria. Por exemplo, nos dias de Neemias, os levitas “explicavam a lei” e ‘a tornavam compreensível’. Depois disso, as pessoas entregavam-se a “grande alegria, porque tinham entendido as palavras que se lhes deram a conhecer”. (Neemias 8:7, 8, 12) O irmão Liverance concluiu: “A alegria é o resultado natural de se compreender a Palavra de Deus, inspirada pelo espírito.”
w00 15/5 p. 21 ‘Resguarde seu coração’
Sabedoria é a coisa principal. Adquire sabedoria; e com tudo o que adquirires, adquire compreensão.’” — Provérbios 4:4-7.
Por que a sabedoria é “a coisa principal”? Ter sabedoria significa pôr o conhecimento e o entendimento a funcionar para produzir bons resultados. O conhecimento — saber ou estar familiarizado com fatos devido à observação ou à experiência, ou pela leitura ou pelo estudo — é fundamental para se ter sabedoria. Mas se não tivermos a habilidade de fazer bom uso dele, nosso conhecimento será de pouco valor. Nós não só temos de ler regularmente a Bíblia e as publicações bíblicas fornecidas pelo “escravo fiel e discreto”, mas precisamos também esforçar-nos a aplicar o que aprendemos delas. — Mateus 24:45.
w99 15/11 p. 24 “O próprio Jeová dá sabedoria”
QUE atividades consomem seu tempo e sua energia? Preocupa-se com fazer para si um bom nome? Dedica-se você a ficar rico? Que dizer de seguir uma carreira em certo campo de atividade ou criar habilidades em um ou mais campos de conhecimento? Acha importante cultivar um bom relacionamento com outros? Preocupa-se principalmente em manter uma boa saúde?
Todas essas coisas parecem ter algum valor. Mas o que é de importância primária? A Bíblia responde: “Sabedoria é a coisa principal. Adquire sabedoria.” (Provérbios 4:7)
PROVÉRBIOS 4:10)
“Ouve, filho meu, e aceita as minhas declarações. Então os anos de vida se tornarão muitos para ti.”
w00 15/5 p. 22 ‘Resguarde seu coração’
Outro tipo de disciplina faz também com que ‘os anos de nossa vida se tornem muitos’. Como? Ora, Jesus Cristo disse: “Quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito.” (Lucas 16:10) Se nos disciplinarmos em coisas pequenas, não tornará isso mais fácil para nós fazer o mesmo com coisas grandes, de que nossa vida pode depender? Por exemplo, treinar o olho para não ‘persistir em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela’, tornará improvável que sucumbamos à imoralidade. (Mateus 5:28) Naturalmente, este princípio se aplica tanto a homens como a mulheres. Se disciplinarmos a mente para ‘trazer todo pensamento ao cativeiro’, haverá pouco perigo de transgredirmos gravemente em palavras ou em ações. — 2 Coríntios 10:5.
PROVÉRBIOS 4:12)
“Ao andares, teu passo não ficará tolhido; e se correres, não tropeçarás.”
w00 15/5 p. 22 ‘Resguarde seu coração’
É verdade que a disciplina costuma ser difícil de aceitar e pode parecer muito restritiva. (Hebreus 12:11) No entanto, o rei sábio assegura-nos que, se nos agarrarmos à disciplina, nosso caminho nos levará a fazer progresso. Assim como o treinamento correto permite que o corredor avance a toda velocidade sem cair ou se machucar, agarrarmos a disciplina permite-nos continuar na estrada da vida num passo constante sem tropeçar. Naturalmente, temos de ter cuidado quanto ao caminho que escolhemos.
PROVÉRBIOS 4:13)
“Agarra a disciplina; não [a] largues. Resguarda-a, pois ela mesma é a tua vida.”
w00 15/5 pp. 21-22 ‘Resguarde seu coração’
“Agarra a disciplina”
Repetindo as instruções de seu pai, o rei de Israel diz a seguir: “Ouve, filho meu, e aceita as minhas declarações. Então os anos de vida se tornarão muitos para ti. Vou instruir-te no próprio caminho da sabedoria; vou fazer que pises nos trilhos da retidão. Ao andares, teu passo não ficará tolhido; e se correres, não tropeçarás. Agarra a disciplina; não a largues. Resguarda-a, pois ela mesma é a tua vida.” — Provérbios 4:10-13.
Como verdadeiro filho, Salomão deve ter reconhecido o valor da disciplina amorosa que instrui e corrige. Sem uma disciplina equilibrada, como poderíamos esperar alcançar a madureza espiritual ou melhorar a qualidade da nossa vida? Se não aprendermos nada dos nossos erros ou se deixarmos de corrigir idéias erradas, nosso progresso espiritual realmente será insignificante. A disciplina razoável resulta em boa conduta e assim nos ajuda a ‘pisar nos trilhos da retidão’.
Outro tipo de disciplina faz também com que ‘os anos de nossa vida se tornem muitos’. Como? Ora, Jesus Cristo disse: “Quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito, e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito.” (Lucas 16:10) Se nos disciplinarmos em coisas pequenas, não tornará isso mais fácil para nós fazer o mesmo com coisas grandes, de que nossa vida pode depender? Por exemplo, treinar o olho para não ‘persistir em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela’, tornará improvável que sucumbamos à imoralidade. (Mateus 5:28) Naturalmente, este princípio se aplica tanto a homens como a mulheres. Se disciplinarmos a mente para ‘trazer todo pensamento ao cativeiro’, haverá pouco perigo de transgredirmos gravemente em palavras ou em ações. — 2 Coríntios 10:5.
É verdade que a disciplina costuma ser difícil de aceitar e pode parecer muito restritiva. (Hebreus 12:11) No entanto, o rei sábio assegura-nos que, se nos agarrarmos à disciplina, nosso caminho nos levará a fazer progresso. Assim como o treinamento correto permite que o corredor avance a toda velocidade sem cair ou se machucar, agarrarmos a disciplina permite-nos continuar na estrada da vida num passo constante sem tropeçar. Naturalmente, temos de ter cuidado quanto ao caminho que escolhemos.
PROVÉRBIOS 4:14)
“Não entres na vereda dos iníquos e não te encaminhes diretamente para o caminho dos maus.”
w01 15/3 p. 12 par. 8 Como vencer a fraqueza humana
Provérbios 4:14, 15 exorta: “Não entres na vereda dos iníquos e não te encaminhes diretamente para o caminho dos maus. Evita-o, não passes por ele; aparta-te dele e passa adiante.” Muitas vezes sabemos de antemão se certas circunstâncias poderiam levar-nos a pecar. Portanto, é óbvio que, como cristãos, devemos ‘passar adiante’, ficando longe de alguém, de alguma coisa e de algum lugar que poderiam estimular em nós desejos errados e incentivar paixões impuras.
w00 15/5 p. 22 ‘Resguarde seu coração’
Como é tolo ‘encaminhar-nos diretamente para o caminho dos maus’ por expor-nos à violência apresentada em grande parte dos entretenimentos do mundo atual! O esforço de ser ternamente compassivo simplesmente não é compatível com a absorção de doses dessensibilizantes de cenas de maldades apresentadas na televisão ou no cinema.
PROVÉRBIOS 4:15)
“Evita-o, não passes por ele; aparta-te dele e passa adiante.”
w01 15/3 p. 12 par. 8 Como vencer a fraqueza humana
Provérbios 4:14, 15 exorta: “Não entres na vereda dos iníquos e não te encaminhes diretamente para o caminho dos maus. Evita-o, não passes por ele; aparta-te dele e passa adiante.” Muitas vezes sabemos de antemão se certas circunstâncias poderiam levar-nos a pecar. Portanto, é óbvio que, como cristãos, devemos ‘passar adiante’, ficando longe de alguém, de alguma coisa e de algum lugar que poderiam estimular em nós desejos errados e incentivar paixões impuras.
PROVÉRBIOS 4:17)
“Pois alimentaram-se do pão da iniqüidade e bebem o vinho de atos de violência.”
w00 15/5 p. 22 ‘Resguarde seu coração’
Pois alimentaram-se do pão da iniqüidade e bebem o vinho de atos de violência.” — Provérbios 4:14-17.
Os iníquos, cujos caminhos Salomão quer que evitemos, sustentam-se com seus atos desprezíveis. Para eles, fazer o que é mau é como alimento e bebida.
PROVÉRBIOS 4:18)
“Mas a vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.”
w11 15/7 pp. 29-30 par. 7 Você entrou no descanso de Deus?
7 Muitos de nós sabem de cor o texto de Provérbios 4:18: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” Isso significa que a nossa conduta e o nosso entendimento dos propósitos de Deus melhoram com o passar do tempo.
w06 15/2 p. 26 Continue a andar na vereda de luz crescente
Continue a andar na vereda de luz crescente
‘A vereda dos justos é como a luz que clareia mais e mais até o dia ficar firmemente estabelecido.’ — PROVÉRBIOS 4:18.
QUEM estaria em melhores condições de descrever o efeito do sol nascente sobre a escuridão da noite do que a própria Fonte da luz, Jeová Deus? (Salmo 36:9) ‘Quando a luz da manhã segura as extremidades da Terra’, diz ele, ‘a Terra se transforma como o barro debaixo dum selo, e as coisas tomam sua posição como na vestimenta’. (Jó 38:12-14) Com a luz crescente do sol as coisas na Terra tomam forma e se tornam mais claras, assim como o barro mole passa por uma transformação ao receber a impressão do emblema de um selo, ou sinete.
2 Jeová é também a Fonte de luz espiritual. (Salmo 43:3) Ao passo que o mundo permanece em densas trevas, o Deus verdadeiro continua a lançar luz sobre seu povo. Com que resultado? A Bíblia responde: ‘A vereda dos justos é como a luz que clareia mais e mais até o dia ficar firmemente estabelecido.’ (Provérbios 4:18) A luz crescente da parte de Jeová continua a iluminar a vereda de seu povo. Ela o refina em sentido organizacional, doutrinal e moral.
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
4:18. O conhecimento espiritual é progressivo. Para permanecer na luz é necessário ser sempre humilde e manso.
w01 1/8 p. 14 par. 11 Manifeste seu progresso
O cristão maduro não é alguém que impressiona outros com a sua inteligência. Antes, a Bíblia diz: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” (Provérbios 4:18) Deveras, é “a vereda”, não a pessoa, que “clareia mais e mais”.
w00 15/5 pp. 22-23 ‘Resguarde seu coração’
Continue na luz
Ainda usando a analogia duma vereda, Salomão declara: “Mas a vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” (Provérbios 4:18) Estudar a Bíblia e tentar aplicar na vida o que ela diz pode ser comparado a iniciar uma viagem de manhã cedo, ainda no escuro. Quando a escuridão do céu noturno passa a se tornar um azul escuro, ainda não enxergamos quase nada. Mas quando aos poucos começa a clarear, devagarzinho percebemos cada vez mais o que há em volta de nós. Por fim, o sol brilha, e nós vemos tudo em pormenores nítidos. Deveras, a verdade aos poucos fica cada vez mais clara para nós quando persistimos em estudar as Escrituras com paciência e diligência. Suprir o coração com nutrição espiritual é essencial se havemos de protegê-lo contra raciocínios falsos.
O significado ou sentido de profecias bíblicas também se desenrola progressivamente. As profecias se tornam claras para nós quando o espírito santo de Jeová lança luz sobre elas e ao passo que se cumprem nos acontecimentos mundiais ou no que se dá com o povo de Deus. Em vez de impacientemente recorrermos a especulações sobre o seu cumprimento, temos de aguardar que ‘a luz clareie mais e mais’.
w99 15/8 p. 27 Beneficiados pelo “cereal do céu”
É com bons motivos que Jeová não nos enche constantemente com um montão de emocionantes coisas novas. Antes, ele lança aos poucos e progressivamente mais luz sobre a sua Palavra. (Provérbios 4:18) Isto permite que seu povo assimile e pratique as coisas que aprende. Jesus seguiu o exemplo de seu Pai quando instruiu seus primeiros discípulos. Explicou-lhes a Palavra de Deus “até onde eram capazes de escutar”, ou “compreender”, conforme algumas traduções o expressam. — Marcos 4:33; note João 16:12.
w97 1/9 p. 32 Uma lâmpada para guiá-lo na vereda da vida
Aqueles que empreendem um estudo da Palavra de Deus, a Bíblia Sagrada, e aplicam o que ela diz, são como alguém que inicia uma viagem de madrugada. No começo, não consegue enxergar muito, por estar escuro. Mas quando o sol começa a nascer, ele enxerga cada vez mais. Por fim, o sol brilha diretamente sobre ele. Ele vê tudo com clareza. Esta ilustração faz lembrar um provérbio bíblico: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” — Provérbios 4:18.
w95 15/5 Lampejos de luz, grandes e pequenos (Parte um)
Lampejos de luz, grandes e pequenos Parte um)
“A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” — PROVÉRBIOS 4:18.
UMA prova da sabedoria divina, de acordo com Provérbios 4:18, é que a revelação de verdades espirituais tem ocorrido gradualmente, por meio de lampejos de luz. No artigo precedente, vimos como este texto se cumpriu no tempo dos apóstolos. Um grande conjunto de verdades bíblicas revelado de uma só vez tanto ofuscaria como confundiria — semelhante ao efeito de se sair do escuro para a luz brilhante do sol. Além disso, a verdade revelada gradualmente fortalece a fé dos cristãos de forma contínua. Torna mais brilhante sua esperança e mais claro o caminho que devem seguir.
“O escravo fiel e discreto”
2 No tempo dos apóstolos, Jesus Cristo achou apropriado usar meios sobrenaturais para dar aos seus seguidores os primeiríssimos lampejos de luz. Temos dois exemplos disso: Pentecostes de 33 EC e a conversão de Cornélio em 36 EC. Posteriormente, Cristo achou conveniente usar um instrumento humano, conforme predissera: “Quem é realmente o escravo fiel e discreto a quem o seu amo designou sobre os seus domésticos, para dar-lhes o seu alimento no tempo apropriado? Feliz aquele escravo, se o seu amo, ao chegar, o achar fazendo assim! Deveras, eu vos digo: Ele o designará sobre todos os seus bens.” (Mateus 24:45-47) Este escravo não podia ser apenas uma pessoa, porque devia fornecer alimento espiritual desde o começo da congregação cristã em Pentecostes até que o Amo, Jesus Cristo, chegasse para a prestação de contas. Os fatos indicam que esta classe do escravo fiel e discreto é composta de todos os cristãos ungidos como grupo, na terra, em qualquer período.
3 Quem estava incluído entre os primeiros membros da classe do escravo fiel e discreto? Um era o apóstolo Pedro, que acatou a ordem de Jesus: “Apascenta as minhas ovelhinhas.” (João 21:17) Outros dos primeiros membros da classe do escravo incluíam Mateus, que escreveu o Evangelho que leva o seu nome, e Paulo, Tiago e Judas, que escreveram cartas inspiradas. O apóstolo João, que escreveu o livro de Revelação (Apocalipse), seu Evangelho e suas cartas, também era membro da classe do escravo fiel e discreto. Estes homens escreveram em harmonia com a comissão de Jesus.
4 Se todos os ungidos, como grupo, não importa onde vivam na terra, são membros da classe do escravo, quem são os “domésticos”? Estes são os mesmos ungidos, mas encarados dum ponto de vista diferente — como pessoas individuais. Sim, como pessoas individuais fazem parte tanto do “escravo” como dos “domésticos”, dependendo de fornecerem alimento espiritual ou de o assimilarem. Para ilustrar isso: conforme registrado em 2 Pedro 3:15, 16, o apóstolo Pedro menciona as cartas de Paulo. Quando as lia, Pedro era como um dos domésticos que se nutriam do alimento espiritual fornecido por Paulo qual representante da classe do escravo.
5 Sobre isso declarou o livro Aproximou-se o Reino de Deus de Mil Anos: “Não possuímos um quadro histórico nítido sobre como os da classe do ‘escravo fiel e discreto’ existiram e serviram durante os séculos após a morte dos apóstolos do Amo Jesus Cristo. Aparentemente, uma geração da classe do ‘escravo’ alimentou a próxima geração dela. (2 Timóteo 2:2) Mas na última metade do século dezenove, houve pessoas tementes a Deus que amavam o alimento espiritual da Bíblia Sagrada e que desejavam alimentar-se dele . . . Formaram-se turmas de estudo bíblico . . . e elas progrediram em entendimento das verdades fundamentais das Escrituras Sagradas. Os sinceros e altruístas entre estes estudantes da Bíblia estavam ansiosos de compartilhar estas porções vitais do alimento espiritual com outros. Possuíam o espírito fiel do ‘escravo’ designado para dar aos ‘domésticos’ o necessário ‘alimento’ espiritual ‘no tempo apropriado’. Foram ‘discretos’ em discernir que então era o tempo certo e apropriado e quais os melhores meios para servir o alimento. Esforçaram-se a servi-lo.” — Páginas 344-5.
Primeiros lampejos de luz nos tempos modernos
6 Um fato que se destaca muito com relação aos que Jeová usou para produzir este gradual aumento de luz espiritual é que eles não atribuíam nenhum mérito a si mesmos. A atitude de C. T. Russell, primeiro presidente da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA), era que o Senhor se agradava em usar os humildes talentos deles. Referente aos epítetos que seus inimigos costumavam usar, o irmão Russell fez questão que se soubesse que ele nunca conhecera um “russelita” e que não havia tal coisa como o “russelismo”. Todo o mérito cabia a Deus.
7 A julgar pelos resultados, não pode haver dúvida de que o espírito santo de Jeová dirigia os esforços do irmão Russell e dos associados com ele. Eles davam evidência de estar ligados ao escravo fiel e discreto. Embora muitos clérigos daquela época professassem crer que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus e que Jesus é o Filho de Deus, endossavam doutrinas falsas, babilônicas, tais como a Trindade, a imortalidade da alma humana e o tormento eterno. Em harmonia com a promessa de Jesus, foi realmente devido ao espírito santo que os esforços humildes do irmão Russell e dos seus associados fizeram a verdade brilhar como nunca antes. (João 16:13) Esses ungidos Estudantes da Bíblia deram prova de que realmente eram parte da classe do escravo fiel e discreto, cuja comissão é fornecer alimento espiritual aos domésticos do Amo. Seus esforços foram de muita ajuda no ajuntamento dos ungidos.
8 É notável ver quanto Jeová, por meio do espírito santo, favoreceu esses primeiros Estudantes da Bíblia com lampejos de luz. Para começar, eles provaram firmemente que o Criador existe e que ele tem o nome ímpar de Jeová. (Salmo 83:18; Romanos 1:20) Viram que Jeová tem quatro atributos principais — poder, justiça, sabedoria e amor. (Gênesis 17:1; Deuteronômio 32:4; Romanos 11:33; 1 João 4:8) Esses cristãos ungidos provaram claramente que a Bíblia é a Palavra inspirada de Deus e que é a verdade. (João 17:17; 2 Timóteo 3:16, 17) Além disso, sustentaram que o Filho de Deus, Jesus Cristo, foi criado e que ele deu a sua vida em resgate pela humanidade. (Mateus 20:28; Colossenses 1:15) O espírito santo, longe de ser a terceira pessoa duma Trindade, foi entendido como sendo a força ativa de Deus. — Atos 2:17.
9 Os Estudantes da Bíblia entenderam claramente que o homem não possui uma alma imortal, mas que ele é uma alma mortal. Deram-se conta de que “o salário pago pelo pecado é a morte”, não o tormento eterno, pois não há tal coisa como um inferno de fogo. (Romanos 5:12; 6:23; Gênesis 2:7; Ezequiel 18:4) Além disso, compreenderam claramente que a teoria da evolução não somente é antibíblica, mas não tem absolutamente nenhuma base em fatos. (Gênesis, capítulos 1 e 2) Discerniram também que a Bíblia apresenta dois destinos — um celestial, para os 144.000 ungidos seguidores das pisadas de Cristo, e uma terra paradísica para uma inúmera “grande multidão” de “outras ovelhas”. (Revelação 7:9; 14:1; João 10:16) Aqueles primeiros Estudantes da Bíblia reconheceram que a terra permanecerá para sempre e não será queimada, conforme ensinam muitas religiões. (Eclesiastes 1:4; Lucas 23:43) Aprenderam também que a volta de Cristo seria invisível e que ele executaria então o julgamento nas nações e introduziria um paraíso terrestre. — Atos 10:42; Romanos 8:19-21; 1 Pedro 3:18.
10 Os Estudantes da Bíblia aprenderam que o batismo bíblico não envolve aspergir bebês, mas que, em harmonia com a ordem de Jesus em Mateus 28:19, 20, é a imersão de crentes ensinados. Passaram a entender que não há base bíblica para a distinção entre clérigos e leigos. (Mateus 23:8-10) Ao contrário, todos os cristãos devem ser pregadores das boas novas. (Atos 1:8) Os Estudantes da Bíblia reconheceram que a Comemoração da morte de Cristo devia ser observada apenas uma vez por ano, em 14 de nisã. Compreenderam também que a Páscoa celebrada no mundo (Easter, Ostern) é um feriado pagão. Além disso, esses ungidos tinham tanta confiança em que Deus apoiava sua obra, que nunca fizeram coletas. (Mateus 10:8) Desde o início compreenderam que os cristãos têm de viver segundo os princípios bíblicos, o que inclui cultivar os frutos do espírito santo de Deus. — Gálatas 5:22, 23.
Crescentes lampejos de luz
11 Foi especialmente a partir de 1919 que os servos de Jeová têm sido abençoados com crescentes lampejos de luz. Que grande lampejo de luz houve no congresso em Cedar Point, em 1922, quando J. F. Rutherford, segundo presidente da Sociedade Torre de Vigia (dos EUA), destacou o ponto de que a obrigação primária dos servos de Jeová é ‘anunciar, anunciar, anunciar o Rei e seu reino’! Logo no ano seguinte, luz brilhou forte sobre a parábola das ovelhas e dos cabritos. Entendeu-se que esta profecia seria cumprida no atual dia do Senhor, não no futuro, durante o Milênio, conforme se pensava antes. Durante o Milênio, os irmãos de Cristo não estariam doentes, nem seriam encarcerados. Além disso, no fim do Milênio, Jeová Deus, não Jesus Cristo, fará o julgamento. — Mateus 25:31-46.
12 Em 1926, outro lampejo forte de luz revelou que a guerra do Armagedom não seria uma revolução social, conforme os Estudantes da Bíblia pensavam certa vez. Antes, seria uma guerra na qual Jeová demonstraria seu poder de forma tão clara, que todas as pessoas se convenceriam de que ele é Deus. — Revelação 16:14-16; 19:17-21.
Natal, feriado pagão
13 Pouco depois, um lampejo de luz fez com que os Estudantes da Bíblia parassem de celebrar o Natal. Antes disso, o Natal sempre fora celebrado pelos Estudantes da Bíblia em todo o mundo, e sua celebração na sede em Brooklyn tinha sido uma ocasião festiva. Mas, discerniu-se então que a observância do 25 de dezembro na realidade era pagã e fora escolhida pela cristandade apóstata para facilitar a conversão dos pagãos. Além disso, verificou-se que Jesus não podia ter nascido no inverno, visto que na ocasião do seu nascimento havia pastores apascentando seus rebanhos nos campos — algo que não fariam à noite em fins de dezembro. (Lucas 2:8) Antes, as Escrituras indicam que Jesus nasceu por volta de 1.° de outubro. Os Estudantes da Bíblia também se deram conta de que os chamados sábios (ou reis magos), que visitaram Jesus cerca de dois anos depois do seu nascimento, eram magos pagãos.
Um novo nome
14 Em 1931, um lampejo forte de verdade revelou a esses Estudantes da Bíblia um nome bíblico apropriado. Os do povo de Jeová tinham entendido que não podiam aceitar nenhum dos apelidos que outros lhes deram, tais como russelitas, auroristas do milênio e “antiinfernistas”. Mas, começaram também a reconhecer que o nome que haviam adotado — Estudantes Internacionais da Bíblia — não era adequado. Eles eram muito mais do que apenas estudantes da Bíblia. Além disso, havia muitos outros que estudavam a Bíblia, mas que não tinham nada em comum com os Estudantes da Bíblia.
15 Como vieram a ter os Estudantes da Bíblia um novo nome? Durante anos, A Sentinela tinha destacado o nome de Jeová. Portanto, era bem apropriado que os Estudantes da Bíblia adotassem o nome encontrado em Isaías 43:10: “‘Vós sois as minhas testemunhas’, é a pronunciação de Jeová, ‘sim, meu servo a quem escolhi, para que saibais e tenhais fé em mim, e para que entendais que eu sou o Mesmo. Antes de mim não foi formado nenhum Deus e depois de mim continuou a não haver nenhum’.”
Vindicação e a “grande multidão”
16 No segundo volume do livro Vindicação, publicado em inglês pela Sociedade Torre de Vigia (dos EUA) em 1932, um lampejo de luz revelou que as profecias de restabelecimento, registradas por Isaías, Jeremias, Ezequiel e outros profetas, não se aplicavam (como antes se pensava) aos judeus carnais, que voltavam à Palestina descrentes e com motivações políticas. Antes, estas profecias de restabelecimento, que tiveram um cumprimento menor quando os judeus voltaram do cativeiro babilônico em 537 AEC, tiveram seu cumprimento maior na libertação e no restabelecimento do Israel espiritual a partir de 1919, e na resultante prosperidade no paraíso espiritual usufruída pelos verdadeiros servos de Jeová hoje em dia.
17 Com o tempo, os lampejos de luz revelaram que o propósito principal de Jeová não era a salvação de criaturas humanas, mas a vindicação da Sua soberania. Entendeu-se que o tema mais importante da Bíblia não era o resgate, mas o Reino, pois este vindicará a soberania de Jeová. Que lampejo de luz isso foi! Os cristãos dedicados não mais se preocupavam principalmente com ir para o céu.
18 Em 1935, um forte lampejo de luz revelou que a grande multidão mencionada em Revelação 7:9-17 não era uma classe celestial secundária. Pensara-se que os mencionados nestes versículos fossem alguns dos ungidos que não tinham sido inteiramente fiéis e que assim ficavam em pé diante do trono, em vez de estar sentados em tronos, governando como reis e sacerdotes junto com Jesus Cristo. Mas, simplesmente não existe tal coisa como ser parcialmente fiel. A pessoa ou é fiel ou é infiel. De modo que se percebeu que esta profecia se referia à inumerável grande multidão de todas as nações, que agora está sendo ajuntada e cujas esperanças são terrenas. São “as ovelhas” de Mateus 25:31-46 e as “outras ovelhas” de João 10:16.
A cruz não é símbolo cristão
19 Por muitos anos, os Estudantes da Bíblia deram destaque à cruz como símbolo do cristianismo. Até mesmo tinham um broche com o símbolo de “cruz e coroa”. Segundo a Versão Rei Jaime, em inglês, Jesus mandou que seus seguidores tomassem sobre si a “cruz” deles, e muitos chegaram a crer que Jesus foi executado numa cruz. (Mateus 16:24; 27:32) Durante décadas, este símbolo aparecia também na capa da revista A Torre de Vigia (agora A Sentinela).
20 O livro Riquezas, publicado pela Sociedade em 1936, tornou claro que Jesus Cristo não foi executado numa cruz, mas num poste, ou estaca, vertical. De acordo com certa autoridade, a palavra grega (stau•rós), traduzida “cruz” na Versão Rei Jaime, “denota primariamente um poste ou uma estaca vertical. [Deve] ser [diferenciado] da forma eclesiástica de uma cruz de duas traves. A forma desta última teve sua origem na antiga Caldéia e foi usada como símbolo do deus Tamuz”. Longe de ser idolatrado, o instrumento em que Jesus foi pregado deve ser encarado com repugnância.
21 Há outros exemplos, tanto de lampejos grandes de luz como dos que talvez fossem considerados pequenos. Veja o artigo que segue, em que serão considerados.
[Nota(s) de rodapé]
Publicado pela Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados.
Com o tempo, compreendeu-se que, se o mais importante nascimento já ocorrido não podia ser celebrado, tampouco devíamos celebrar outros aniversários natalícios. Além disso, nem os israelitas, nem os primeiros cristãos, celebravam aniversários natalícios. A Bíblia menciona apenas dois natalícios, um de Faraó e o outro de Herodes Ântipas. Cada uma destas celebrações ficou maculada por uma execução. As Testemunhas de Jeová não celebram natalícios porque estas observâncias têm origem pagã e tendem a enaltecer os que celebram o aniversário do seu nascimento. — Gênesis 40:20-22; Marcos 6:21-28.
Este foi o erro cometido por várias denominações da cristandade. Luteranos foi o apelido que os inimigos de Martinho Lutero deram aos seguidores dele, os quais então o adotaram. Do mesmo modo, os batistas adotaram o apelido que outros lhes deram porque pregavam o batismo por imersão. De certo modo similar, os metodistas adotaram o nome que lhes fora dado. Sobre como os da Sociedade dos Amigos passaram a ser chamados de quacres diz a Enciclopédia Delta Universal: “A palavra inglesa quaker, que significa trêmulo, foi usada por um juiz para insultar Fox [o fundador], quando este lhe disse para ‘tremer ante a Palavra de Deus’.” O juiz chamou a Fox de ‘quacre’.
w95 15/5 pp. 10-15 Lampejos de luz no tempo dos apóstolos
Lampejos de luz no tempo dos apóstolos
“A própria luz brilhou para o justo e a alegria,até mesmo para os retos no coração.” — SALMO 97:11.
NÓS, como verdadeiros cristãos, apreciamos as palavras do Salmo 97:11. ‘A luz brilhou’ para nós repetidamente. De fato, alguns de nós temos visto a iluminação fornecida por Jeová já por décadas. Isso nos faz lembrar Provérbios 4:18, que reza: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” Visto que nós, Testemunhas de Jeová, temos apreço pelas Escrituras, em vez de por tradições, somos parecidos aos primeiros cristãos. A atitude deles é claramente percebida nos livros históricos das Escrituras Gregas Cristãs e nas suas cartas, escritas sob inspiração divina.
2 Entre os primeiros lampejos de luz para os primitivos seguidores de Jesus Cristo havia alguns que se relacionavam com o Messias. André disse a Simão Pedro, seu irmão: “Achamos o Messias.” (João 1:41) Algum tempo depois, o Pai no céu habilitou o apóstolo Pedro a atestar isso ao dizer a Jesus Cristo: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivente.” — Mateus 16:16, 17; João 6:68, 69.
Luz lançada sobre a comissão deles de pregar
3 Jesus Cristo, depois da sua ressurreição, lançou luz sobre uma obrigação que caberia a todos os seus seguidores. É bem provável que tenha sido aos 500 discípulos reunidos na Galiléia que ele disse: “Ide, portanto, e fazei discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, ensinando-as a observar todas as coisas que vos ordenei. E eis que estou convosco todos os dias, até à terminação do sistema de coisas.” (Mateus 28:19, 20; 1 Coríntios 15:6) Daí em diante, todos os seguidores de Cristo deviam ser pregadores, e sua comissão de pregar não se devia limitar “às ovelhas perdidas da casa de Israel”. (Mateus 10:6) Tampouco deviam realizar o batismo de João em símbolo do arrependimento para o perdão de pecados. Em vez disso, deviam batizar as pessoas “em o nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo”.
4 Pouco antes de Jesus ascender ao céu, seus 11 apóstolos fiéis perguntaram: “Senhor, é neste tempo que restabeleces o reino a Israel?” Em vez de responder a esta pergunta, Jesus deu instruções adicionais sobre a comissão deles de pregar, dizendo: “Recebereis poder e sereis testemunhas de mim tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até à parte mais distante da terra.” Até aquele tempo, eles tinham sido testemunhas apenas de Jeová, mas passariam agora a ser também testemunhas de Cristo. — Atos 1:6-8.
5 Apenas dez dias depois, que fortes lampejos de luz os seguidores de Jesus receberam! No dia do Pentecostes de 33 EC, pela primeira vez entenderam plenamente o significado de Joel 2:28, 29: “[Eu, Jeová,] derramarei meu espírito sobre toda sorte de carne, e vossos filhos e vossas filhas certamente profetizarão. Quanto aos vossos homens idosos, terão sonhos. Quanto aos vossos jovens, terão visões. E até mesmo sobre os servos e sobre as servas derramarei naqueles dias meu espírito.” Os discípulos de Jesus viram o espírito santo, em forma de línguas como que de fogo, pousar sobre a cabeça de todos eles — cerca de 120 homens e mulheres — reunidos em Jerusalém. — Atos 1:12-15; 2:1-4.
6 Foi também no dia de Pentecostes que os discípulos entenderam pela primeira vez que as palavras do Salmo 16:10 se aplicavam ao ressuscitado Jesus Cristo. O salmista dissera: “[Tu, Jeová Deus,] não deixarás a minha alma no Seol. Não permitirás que aquele que te é leal veja a cova.” Os discípulos deram-se conta de que essas palavras não se poderiam ter aplicado ao Rei Davi, porque o seu túmulo ainda estava entre eles. Não é de admirar que cerca de 3.000 daqueles que ouviram explicada esta nova luz ficassem tão convencidos, que foram batizados naquele mesmo dia! — Atos 2:14-41.
7 Durante muitos séculos, os israelitas reconheciam o que Deus dissera a seu respeito: “Somente a vós vos conheci dentre todas as famílias do solo.” (Amós 3:2) De modo que foi deveras um forte lampejo de luz para o apóstolo Pedro e os que o acompanharam à casa de Cornélio, oficial do exército romano, quando o espírito santo pela primeira vez desceu sobre incircuncisos crentes gentios. É digno de nota que esta foi a única vez em que o espírito santo foi dado antes do batismo. Mas, teve de ser assim. De outro modo, Pedro não teria sabido que estes gentios incircuncisos estavam habilitados para ser batizados. Reconhecendo plenamente o significado deste fenômeno, Pedro perguntou: “Pode alguém proibir a água, de modo que estes [gentios] não sejam batizados, sendo que receberam o espírito santo assim como nós?” Naturalmente, nenhum dos presentes podia de direito objetar a isso, e assim se realizou o batismo desses gentios. — Atos 10:44-48; note Atos 8:14-17.
Não mais circuncisão
8 Outro forte lampejo de luz da verdade ocorreu relacionado com a questão da circuncisão. A prática da circuncisão teve início em 1919 AEC, com o pacto que Jeová fez com Abraão. Deus ordenara então que Abraão e todos os outros varões da sua casa fossem circuncidados. (Gênesis 17:9-14, 23-27) De modo que a circuncisão tornou-se um sinal distintivo dos descendentes de Abraão. E como se orgulhavam desta prática! Em resultado disso, o termo “incircunciso” tornou-se uma expressão de desprezo. (Isaías 52:1; 1 Samuel 17:26, 27) Pode-se ver facilmente por que alguns dos primeiros cristãos judeus queriam manter este símbolo. Alguns deles tiveram uma discussão bastante forte com Paulo e Barnabé sobre este assunto. Para resolvê-lo, Paulo e outros foram a Jerusalém para consultar o corpo governante cristão. — Atos 15:1, 2.
9 Esta vez, não foi por um milagre óbvio que aqueles primeiros cristãos receberam luz para ver que a circuncisão não era mais um requisito para os servos de Jeová. Em vez disso, receberam esta luz aumentada por meio da pesquisa das Escrituras, recorrendo ao espírito santo para obter orientação, e ouvindo as experiências de Pedro e de Paulo a respeito da conversão de gentios incircuncisos. (Atos 15:6-21) A decisão foi emitida numa carta, que em parte rezava: “Pareceu bem ao espírito santo e a nós mesmos não vos acrescentar nenhum fardo adicional, exceto as seguintes coisas necessárias: de persistirdes em abster-vos de coisas sacrificadas a ídolos, e de sangue, e de coisas estranguladas, e de fornicação.” (Atos 15:28, 29) Os primeiros cristãos foram assim eximidos da ordem de praticar a circuncisão e dos outros requisitos da Lei mosaica. Portanto, Paulo pôde dizer aos cristãos gálatas: “Para tal liberdade é que Cristo nos libertou.” — Gálatas 5:1.
Luz nos Evangelhos
10 Não há dúvida de que o Evangelho de Mateus, escrito por volta de 41 EC, contém muitos lampejos de luz em benefício dos seus leitores. Foram comparativamente poucos os cristãos do primeiro século que ouviram o próprio Jesus expor seus ensinos. É especialmente o Evangelho de Mateus que salienta que o tema da pregação de Jesus era o Reino. E quão fortemente Jesus tinha salientado a importância de se ter a motivação correta! Quantos lampejos de luz havia no seu Sermão do Monte, nas suas parábolas (tais como as registradas no capítulo 13 ), e na sua grande profecia nos capítulos 24 e 25 ! Tudo isso foi trazido à atenção dos primeiros cristãos no relato do Evangelho de Mateus, escrito apenas uns oito anos depois de Pentecostes de 33 EC.
11 Cerca de 15 anos mais tarde, Lucas escreveu o seu Evangelho. Embora grande parte dele seja similar ao relato de Mateus, 59% é adicional. Lucas registrou seis dos milagres de Jesus e duas vezes esse número das Suas ilustrações não são mencionadas pelos outros escritores de Evangelhos. Parece que foi apenas poucos anos depois que Marcos escreveu seu Evangelho, destacando Jesus Cristo como homem de ação, operador de milagres. Embora Marcos na maior parte relatasse eventos já mencionados por Mateus e Lucas, ele registrou uma parábola não mencionada por eles. Nesta ilustração, Jesus comparou o Reino de Deus a uma semente que brota, cresce e gradualmente dá fruto. — Marcos 4:26-29.
12 Depois há o Evangelho de João, escrito mais de 30 anos depois de Marcos ter escrito seu relato. Que feixe de luz João lançou sobre o ministério de Jesus, especialmente por meio de muitas referências à existência pré-humana dele! Apenas João fornece o relato sobre a ressurreição de Lázaro, e somente ele nos fornece muitas observações excelentes de Jesus aos seus apóstolos fiéis, bem como a sua comovedora oração na noite em que foi traído, conforme registradas nos capítulos 13 a 17. Na realidade, diz-se que 92% do Evangelho de João é ímpar.
Lampejos de luz nas cartas de Paulo
13 O apóstolo Paulo foi usado de modo especial para transmitir lampejos de verdade para os cristãos que viviam no tempo dos apóstolos. Por exemplo, há a carta de Paulo aos romanos, escrita por volta de 56 EC — aproximadamente na mesma época em que Lucas escreveu seu Evangelho. Paulo salienta nessa carta que a justiça é imputada em resultado da benignidade imerecida de Deus e pela fé em Jesus Cristo. A ênfase que Paulo deu neste aspecto das boas novas tem induzido alguns a encarar sua carta aos romanos como um quinto Evangelho.
14 Paulo escreveu sobre certos assuntos que perturbavam os cristãos em Corinto. Sua carta aos coríntios inclui muitos conselhos inspirados, que têm beneficiado os cristãos até os nossos dias. Para começar, ele teve de esclarecer os coríntios acerca do erro que cometiam em criar cultos de personalidade em torno de certas pessoas. O apóstolo corrigiu o modo de pensar deles, dizendo-lhes francamente: “Exorto-vos agora, irmãos, por intermédio do nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que todos faleis de acordo, e que não haja entre vós divisões, mas que estejais aptamente unidos na mesma mente e na mesma maneira de pensar.” — 1 Coríntios 1:10-15.
15 A congregação cristã em Corinto tolerava crassa imoralidade. Um homem ali havia tomado a esposa do seu pai, praticando assim ‘fornicação tal como nem havia entre as nações’. Paulo escreveu claramente: “Removei o homem iníquo de entre vós.” (1 Coríntios 5:1, 11-13) Isto era algo novo para a congregação cristã — a desassociação. Outro assunto sobre o qual a congregação coríntia precisava ser esclarecida tinha que ver com o caso de alguns dos seus membros levarem irmãos espirituais perante tribunais do mundo para resolver divergências. Paulo censurou-os fortemente por isso. — 1 Coríntios 6:5-8.
16 Mais um assunto que afligia a congregação em Corinto tinha que ver com as relações sexuais. Em 1 Coríntios, capítulo 7, Paulo mostrou que, por causa da prevalência da imoralidade sexual, é bom que cada homem tenha a sua própria esposa e cada mulher, o seu próprio marido. Paulo mostrou também que, embora pessoas solteiras possam servir a Jeová com menos distração, nem todos têm o dom de permanecer solteiros. E caso o marido duma mulher faleça, ela estará livre para se casar de novo, mas “somente no Senhor”. — 1 Coríntios 7:39.
17 Que lampejos de luz o Senhor lançou sobre a ressurreição mediante Paulo! Com que espécie de corpo serão ressuscitados os cristãos ungidos? “Semeia-se corpo físico, é levantado corpo espiritual”, escreveu Paulo. Nenhum corpo carnal será levado para o céu, pois, “carne e sangue não podem herdar o reino de Deus”. Paulo acrescentou que nem todos os ungidos dormiriam na morte, mas que, durante a presença de Jesus, alguns, por ocasião da morte, seriam ressuscitados instantaneamente para a vida imortal. — 1 Coríntios 15:43-53.
18 Na sua carta aos cristãos em Tessalônica, Paulo foi usado para lançar luz sobre o futuro. O dia de Jeová viria como ladrão, de noite. Paulo explicou também: “Quando estiverem dizendo: ‘Paz e segurança!’ então lhes há de sobrevir instantaneamente a repentina destruição, assim como as dores de aflição vêm sobre a mulher grávida, e de modo algum escaparão.” — 1 Tessalonicenses 5:2, 3.
19 Com a escrita da sua carta aos hebreus, Paulo forneceu lampejos de luz aos primeiros cristãos em Jerusalém e na Judéia. Ele mostrou enfaticamente a superioridade do sistema de adoração cristão sobre o sistema de adoração mosaico! Os cristãos, em vez de seguirem a Lei transmitida por anjos, têm fé na salvação primeiro mencionada pelo Filho de Deus, muito superior a tais mensageiros angélicos. (Hebreus 2:2-4) Moisés foi apenas assistente na casa de Deus. Jesus Cristo, porém, preside à casa inteira. Cristo é sumo sacerdote segundo a ordem de Melquisedeque, ocupando uma posição muito superior à do sacerdócio arônico. Paulo salientou também que os israelitas não podiam entrar no descanso de Deus por falta de fé e de obediência, mas que os cristãos entram nele por causa da sua fidelidade e obediência. — Hebreus 3:1-4:11.
20 Por outro lado, também, o novo pacto é muito superior ao pacto da Lei. Conforme fora profetizado 600 anos antes, em Jeremias 31:31-34, os que estão no novo pacto têm a lei de Deus escrita no coração e usufruem o verdadeiro perdão de pecados. Em vez de terem por sacerdote alguém que tenha de oferecer anualmente sacrifícios por seus próprios pecados e pelos do povo, os cristãos têm por Sumo Sacerdote a Jesus Cristo, que não tem pecado, e que de uma vez para sempre ofereceu um sacrifício pelos pecados. Em vez de entrar num lugar santo feito por mãos, para apresentar sua oferta, ele entrou no próprio céu, a fim de aparecer perante a pessoa de Jeová. Além disso, os sacrifícios de animais sob o pacto da Lei mosaica não podiam remover completamente os pecados, ou não teriam sido oferecidos anualmente. Mas o sacrifício de Cristo, oferecido uma vez para sempre, realmente remove pecados. Tudo isto lança luz sobre o grande templo espiritual, em cujos pátios servem agora os do restante ungido e as “outras ovelhas”. — João 10:16; Hebreus 9:24-28.
21 O espaço não permite a citação de mais exemplos, tais como os lampejos de luz encontrados nas cartas do apóstolo Pedro, bem como nas dos discípulos Tiago e Judas. Mas os já citados devem bastar para mostrar que Salmo 97:11 e Provérbios 4:18 tiveram cumprimentos notáveis no tempo dos apóstolos. A verdade começou a progredir de tipos e sombras para cumprimentos e realidades. — Gálatas 3:23-25; 4:21-26.
22 Após a morte dos apóstolos de Jesus e o começo da predita apostasia, a luz da verdade brilhou muito fraca. (2 Tessalonicenses 2:1-11) Fiel à promessa de Jesus, porém, o Amo retornou depois de muitos séculos e encontrou “o escravo fiel e discreto” dando aos “domésticos” seu alimento no tempo apropriado. Em resultado disso, Jesus Cristo designou este escravo “sobre todos os seus bens”. (Mateus 24:45-47) E que lampejos de luz se seguiram? Isto será considerado no artigo que segue.
[Nota(s) de rodapé]
O solo mencionado aqui refere-se ao ambiente em que o cristão escolhe cultivar qualidades de personalidade. — Veja A Sentinela de 15 de dezembro de 1980, páginas 18-19.
w95 15/5 Lampejos de luz, grandes e pequenos (Parte dois)
Lampejos de luz, grandes e pequenos Parte dois)
“Pela luz vinda de ti podemos ver a luz.” — SALMO 36:9.
O LIVRO bíblico de Revelação (ou Apocalipse) desde o começo deixou intrigados os cristãos. Fornece um belo exemplo de como a luz da verdade aumenta cada vez mais. Em 1917, o povo de Jeová publicou uma explicação de Revelação no livro O Mistério Consumado, em inglês. Este expunha destemidamente os líderes religiosos e políticos da cristandade, no entanto, muitas das suas explicações baseavam-se em diversas fontes. Ainda assim, O Mistério Consumado serviu para testar a lealdade dos Estudantes da Bíblia ao canal visível que Jeová estava usando.
2 Um notável lampejo de luz incidiu sobre o livro de Revelação com a publicação do artigo “Nascimento da Nação”, na Sentinela de 1.° de março de 1925, em inglês. Pensara-se que o capítulo 12 de Revelação descrevesse uma guerra entre a Roma pagã e a Roma papal, sendo o filho varão representativo do papado. Mas, esse artigo mostrou que Revelação 11:15-18 influía no significado do capítulo 12, indicando que se relacionava com o nascimento do Reino de Deus.
3 Tudo isso levou a um entendimento muito mais claro de Revelação que veio em 1930 com a publicação dos dois volumes de Luz, em inglês. Mais outros refinamentos surgiram em “Caiu Babilônia, a Grande!” O Reino de Deus já Domina! (1963; em português, 1972) e em “Cumprir-se-á, Então, o Mistério de Deus” (1969; em português, 1971). No entanto, havia mais para aprender sobre o livro profético de Revelação. Brilhou então uma luz mais clara sobre ele em 1988, com a publicação de Revelação — Seu Grandioso Clímax Está Próximo!. Pode-se dizer que a chave deste esclarecimento progressivo é que a profecia de Revelação tem aplicação no “dia do Senhor”, que começou em 1914. (Revelação 1:10) Portanto, o livro de Revelação seria entendido com mais clareza ao passo que este dia progredisse.
Esclarecidos os “poderes superiores”
4 Um forte lampejo de luz foi visto em 1962, relacionado com Romanos 13:1, que diz: “Toda a alma esteja sujeita aos poderes superiores [“autoridades superiores”, Tradução do Novo Mundo].” (Matos Soares) Os primeiros Estudantes da Bíblia entendiam que os “poderes superiores” mencionados aqui se referiam às autoridades do mundo. Entendiam que este texto significava que, se um cristão fosse recrutado em tempo de guerra, ele seria obrigado a usar uniforme, pegar em arma e seguir para a frente de batalha, para as trincheiras. Pensavam que, visto o cristão não poder matar outro humano, no pior dos casos ele se veria obrigado a atirar para o ar.
5 A Sentinela de 15 de novembro e de 1.° de dezembro de 1962, em inglês, (15 de junho e 1.° de julho de 1963 em português), lançou uma luz clara sobre o assunto ao considerar as palavras de Jesus em Mateus 22:21: “Pagai de volta a César as coisas de César, mas a Deus as coisas de Deus.” Relevantes são as palavras dos apóstolos em Atos 5:29: “Temos de obedecer a Deus como governante antes que aos homens.” Os cristãos estão sujeitos a César — as “autoridades superiores” — somente enquanto isto não requer que o cristão viole a lei de Deus. Entendeu-se que a sujeição a César é relativa, não absoluta. Os cristãos retribuem a César apenas aquilo que não está em conflito com os requisitos de Deus. Que satisfação deu ter uma luz clara sobre este assunto!
Lampejos de luz sobre assuntos de organização
6 Havia a questão de quem deveria servir como ancião e diácono nas congregações. Para evitar a estrutura hierárquica prevalecente na cristandade, chegou-se à conclusão de que estes deviam ser eleitos democraticamente pelo voto dos membros de cada congregação. Mas, a crescente luz em A Sentinela de 1.° de setembro e de 15 de outubro de 1932, em inglês, (novembro-dezembro de 1932 em português) mostrava que as Escrituras não fornecem nenhuma base para haver anciãos eletivos. De modo que estes foram substituídos por uma comissão de serviço, e a Sociedade escolhia um diretor de serviço.
7 A Torre de Vigia (agora A Sentinela), na edição de junho-julho de 1938, continha lampejos de luz que mostravam que os servos na congregação não deviam ser eleitos, mas designados, quer dizer, designados teocraticamente. Em 1971 (1972 em português), outro lampejo de luz mostrou que nenhuma congregação devia ser dirigida apenas por um servo de congregação. Antes, cada uma devia ter um corpo de anciãos, ou superintendentes, designado pelo Corpo Governante das Testemunhas de Jeová. De modo que, pela luz crescente no decorrer de uns 40 anos, tornou-se evidente que tanto os anciãos como os diáconos, estes agora conhecidos como servos ministeriais, deviam ser designados pelo “escravo fiel e discreto” por meio do seu Corpo Governante. (Mateus 24:45-47) Isso estava em harmonia com o que ocorreu no tempo dos apóstolos. Homens tais como Timóteo e Tito foram designados superintendentes pelo corpo governante do primeiro século. (1 Timóteo 3:1-7; 5:22; Tito 1:5-9) Tudo isso é um cumprimento notável de Isaías 60:17: “Em lugar de cobre trarei ouro, e em lugar de ferro trarei prata, e em lugar de madeira, cobre, e em lugar de pedras, ferro; e eu vou designar a paz como teus superintendentes e a justiça como teus feitores.”
8 Havia também a questão de como a Sociedade Torre de Vigia devia funcionar. Por muitos anos, o Corpo Governante das Testemunhas de Jeová era sinônimo da diretoria da Sociedade Torre de Vigia de Bíblias e Tratados de Pensilvânia (EUA), e os assuntos na maior parte eram tratados pelo seu presidente. Conforme mostrou o Anuário das Testemunhas de Jeová de 1977 (páginas 258-9), em 1976, o Corpo Governante passou a funcionar com seis comissões, cada uma designada para cuidar de certos aspectos da obra mundial. A Comissão do Pessoal trata dos assuntos do pessoal, inclusive dos interesses de todos os que servem na família mundial de Betel. A Comissão Editora trata de todos os assuntos seculares e legais, tais como propriedades e gráficas. A Comissão de Serviço cuida da obra de testemunho e supervisiona os superintendentes viajantes, os pioneiros e as atividades dos publicadores de congregação. A Comissão de Ensino é responsável pelas reuniões congregacionais, pelos dias de assembléia especial, pelas assembléias de circuito e pelos congressos de distrito e internacionais, bem como pelas diversas escolas para a educação espiritual do povo de Deus. A Comissão de Redação supervisiona a preparação e a tradução das publicações em todas as formas, certificando-se de que tudo esteja em harmonia com as Escrituras. A Comissão do Presidente cuida de emergências e de outros assuntos urgentes. Também nos anos 70, as filiais e congêneres da Sociedade Torre de Vigia (EUA) passaram a ser dirigidas por uma comissão, em vez de por um superintendente.
Luz relacionada com a conduta cristã
9 Muitos lampejos de luz eram pertinentes à conduta cristã. Por exemplo, considere o assunto da neutralidade. Um lampejo especialmente forte de luz foi lançado sobre este assunto no artigo “Neutralidade” em A Sentinela de 1.° de novembro de 1939, em inglês (fevereiro de 1940 em português). Isso foi bem oportuno, vindo logo depois do começo da Segunda Guerra Mundial! O artigo definiu a neutralidade e mostrou que os cristãos não se devem envolver nos assuntos políticos ou nas confrontações entre nações. (Miquéias 4:3, 5; João 17:14, 16) Este é um fator que contribui para serem odiados por todas as nações. (Mateus 24:9) As batalhas do antigo Israel não constituem precedente para os cristãos, conforme Jesus esclareceu em Mateus 26:52. Além disso, nem uma única nação política é hoje uma teocracia, governada por Deus, como foi o antigo Israel.
10 Lançou-se também luz sobre a santidade do sangue. Alguns Estudantes da Bíblia pensavam que a proibição de comer sangue, em Atos 15:28, 29, se limitava aos cristãos judeus. No entanto, Atos 21:25 mostra que, no tempo dos apóstolos, esta ordem era aplicada também aos que eram das nações e que se tornaram crentes. De modo que a santidade do sangue se aplica a todos os cristãos, conforme mostrou A Sentinela de 1.° de julho de 1945, em inglês. Isto significa não apenas recusar comer sangue animal, como em chouriços de sangue, mas também abster-se de sangue humano, como no caso das transfusões de sangue.
11 Em resultado da crescente luz, hábitos que no começo apenas eram desaprovados foram mais tarde tratados com a devida seriedade. Um exemplo disso relaciona-se com o uso de fumo. Na Torre de Vigia de Sião de 1.° de agosto de 1895, em inglês, o irmão Russell chamou atenção para 1 Coríntios 10:31 e 2 Coríntios 7:1, e escreveu: “Não vejo como seria para a glória de Deus, nem em benefício do próprio cristão, usar fumo em qualquer forma.” Desde 1973, entendeu-se claramente que ninguém que usa fumo pode ser Testemunha de Jeová. Em 1976, esclareceu-se que nenhuma Testemunha podia estar empregada num estabelecimento de jogatina e ainda continuar na congregação.
Outros refinamentos
12 Lançou-se também crescente luz sobre quantas chaves simbólicas Jesus deu a Pedro. Os Estudantes da Bíblia entendiam que Pedro recebeu duas chaves para abrir o caminho para as pessoas herdarem o Reino — uma para os judeus, usada em Pentecostes de 33 EC, e a outra para os gentios, usada pela primeira vez em 36 EC, quando Pedro pregou a Cornélio. (Atos 2:14-41; 10:34-48) Com o tempo, viu-se que havia um terceiro grupo envolvido — os samaritanos. Pedro usou a segunda chave quando lhes abriu a oportunidade do Reino. (Atos 8:14-17) De modo que a terceira chave foi usada quando Pedro pregou a Cornélio. — A Sentinela de 1.° de maio de 1980, páginas 16-22, 26.
13 À base de outro lampejo de luz viu-se que Jesus mencionou não apenas dois apriscos, mas três. (João, capítulo 10) Estes eram (1) o aprisco de ovelhas judaico, do qual João, o Batizador, era o porteiro, (2) o aprisco dos herdeiros ungidos do Reino e (3) o aprisco das “outras ovelhas”, que têm esperança terrestre. — João 10:2, 3, 15, 16; A Sentinela de 15 de agosto de 1984, páginas 10-20.
14 O entendimento do jubileu antitípico também recebeu alguns esclarecimentos. Sob a Lei, todo 50.° ano era um grande jubileu, em que as coisas eram devolvidas aos seus donos originais. (Levítico 25:10) Entendia-se já por muito tempo que isso prefigurava o Reinado Milenar de Cristo. Em épocas mais recentes, porém, viu-se que o antitípico jubileu realmente começou em Pentecostes de 33 EC, quando aqueles sobre quem se derramou o espírito santo foram libertados da servidão ao pacto da Lei mosaica. — A Sentinela de 1.° de janeiro de 1987, páginas 18-28.
Crescente luz sobre terminologia
15 “O congregante procurou achar palavras deleitosas e a escrita de palavras corretas de verdade.” (Eclesiastes 12:10) Estas palavras podem muito bem ser aplicadas ao nosso assunto em pauta, pois a luz tem brilhado não somente sobre assuntos importantes, tais como doutrinas e conduta, mas também sobre a terminologia cristã e seu significado exato. Por exemplo, entre os Estudantes da Bíblia, uma das mais prezadas publicações era o volume um dos Estudos das Escrituras, intitulado O Plano Divino das Eras (publicado em inglês). No entanto, com o tempo, percebeu-se que a Palavra de Deus fala apenas de humanos fazerem planos. (Provérbios 19:21) As Escrituras nunca falam de Jeová fazer planos. Ele não precisa planejar. Qualquer propósito dele por certo é bem-sucedido, por causa da Sua infinita sabedoria e poder, assim como lemos em Efésios 1:9, 10: “É segundo o seu beneplácito, que ele se propôs em si mesmo, para uma administração no pleno limite dos tempos designados.” De modo que se viu gradualmente que o termo “propósito” é mais apropriado com relação a Jeová.
16 Depois havia a questão de se obter um entendimento melhor de Lucas 2:14. Segundo a versão Almeida (revista e corrigida), o texto reza: “Glória a Deus nas alturas, paz na terra, boa vontade para com os homens.” Entendeu-se que isso não expressava a idéia correta, porque Deus não expressa boa vontade para com os iníquos. Portanto, as Testemunhas encararam isso como uma questão de paz para com homens que tinham boa vontade para com Deus. De modo que chamavam os interessados na Bíblia de pessoas de boa vontade. Mas então se entendeu que estava envolvida boa vontade, não da parte de homens, mas da parte de Deus. Assim, a nota de rodapé sobre Lucas 2:14 na Tradução do Novo Mundo fala de “homens que ele [Deus] aprova”. Todos os cristãos que vivem à altura do seu voto de dedicação usufruem a boa vontade de Deus.
17 De modo similar, as Testemunhas por muito tempo falavam da vindicação do nome de Jeová. Mas, será que Satanás questionara o nome de Jeová? Ou, fizera isso algum agente de Satanás, como se Jeová não tivesse o direito de ter este nome? Não, de modo algum. Não foi o nome de Jeová que fora desafiado e precisava ser vindicado. É por isso que as publicações mais recentes da Sociedade Torre de Vigia não falam da vindicação do nome de Jeová. Falam da vindicação da soberania de Jeová e de seu nome ser santificado. Isto está em harmonia com o que Jesus nos mandou orar: “Santificado seja o teu nome.” (Mateus 6:9) Vez após vez Jeová disse que ia santificar o seu nome, que os israelitas não haviam desafiado, mas profanado. — Ezequiel 20:9, 14, 22; 36:23.
18 É interessante que, em 1971, o livro “As Nações Terão de Saber que Eu Sou Jeová” — Como? fez esta distinção: “Jesus Cristo . . . luta . . . pela vindicação da Soberania universal de Jeová e pela glorificação do nome de Jeová.” (Em português, 1973; página 337) Em 1973, o livro Aproximou-se o Reino de Deus de Mil Anos disse: “A vindoura ‘grande tribulação’ é o tempo para o Deus Todo-poderoso, Jeová, vindicar sua soberania universal e santificar o seu nome digno.” (Em português, 1975; página 410) Daí, em 1975, o livro Está Próxima a Salvação do Homem da Aflição Mundial! declarou: “Ter-se-á então realizado o maior dos eventos da história universal, a vindicação da soberania universal de Jeová e a santificação de seu nome sagrado.” — Em português, 1976; página 275.
19 Quão abençoado é o povo de Jeová por desfrutar toda esta luz espiritual! Em nítido contraste, a seguinte declaração dum clérigo indica a escuridão espiritual em que os líderes da cristandade se encontram: “Por que há pecado? Por que há sofrimento? Por que há o diabo? Estas são perguntas que quero fazer ao Senhor quando eu for para o céu.” Mas as Testemunhas de Jeová podem dizer-lhe por quê: por causa da questão da legitimidade da soberania de Jeová e da pergunta sobre se as criaturas humanas conseguem manter a sua integridade a Deus apesar da oposição do Diabo.
20 No decorrer dos anos, lampejos de luz, tanto grandes como pequenos, têm iluminado o caminho dos servos dedicados de Jeová. Isto se tem dado em cumprimento de textos tais como Salmo 97:11 e Provérbios 4:18. Mas, nunca devemos esquecer que andar na luz significa ter apreço pela crescente luz e viver em harmonia com ela. Conforme notamos, esta crescente luz envolve tanto a nossa conduta como a nossa comissão de pregar.
[Nota(s) de rodapé]
Numa reação a este conceito, A Sentinela de 1.° e de 15 de junho de 1929, em inglês, interpretou as “autoridades superiores” como sendo Jeová Deus e Jesus Cristo. Foi principalmente este conceito que foi corrigido em 1962.
A Sentinela de 15 de abril de 1992 anunciou que irmãos escolhidos na maior parte dentre as “outras ovelhas” estavam sendo designados para ajudar as comissões do Corpo Governante, correspondendo aos netineus nos dias de Esdras. — João 10:16; Esdras 2:58.
jv cap. 10 p. 121 Crescimento no conhecimento exato da verdade
No caso de quem revelaria ser sua vereda “como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido”? (Pro. 4:18) Quem realmente faria a obra ordenada por Jesus, ao dizer: “Sereis testemunhas de mim . . . até à parte mais distante da terra”? Quem não só faria discípulos, mas também ‘os ensinaria a observar todas as coisas’ que Jesus ordenara? (Atos 1:8; Mat. 28:19, 20) Deveras, estava próximo o tempo em que o Senhor faria uma clara distinção entre os cristãos verdadeiros, que ele assemelhou ao trigo, e os de imitação, aos quais se referiu como joio (realmente um tipo de erva daninha que até amadurecer se parece muito com o trigo)? (Mat. 13:24-30, 36-43) Quem provaria ser “o escravo fiel e discreto” a quem o Amo, Jesus Cristo, na sua presença, empossado no Reino, confiaria maiores responsabilidades relacionadas com a obra predita para a terminação deste sistema de coisas? — Mat. 24:3, 45-47.
Deixar brilhar a luz
Jesus instruiu seus discípulos no sentido de partilharem com outros a luz da verdade divina que receberam dele. “Vós sois a luz do mundo”, disse ele. “Deixai brilhar a vossa luz perante os homens.” (Mat. 5:14-16; Atos 13:47) Charles Taze Russell e seus associados reconheciam que tinham a obrigação de fazer isso.
Achavam eles que tinham todas as respostas, a plena luz da verdade? A essa pergunta o irmão Russell respondeu de modo explícito: “Certamente que não; tampouco as teremos até o ‘dia perfeito’.” (Pro. 4:18, Almeida) Referiam-se com freqüência às suas crenças bíblicas como “a verdade atual” — não com a idéia de que a verdade em si mudasse, mas sim no sentido de que o entendimento por parte deles era progressivo.
Esses zelosos estudantes da Bíblia não se esquivavam da idéia de que, em matéria de religião, existe a verdade. Reconheciam a Jeová como “Deus da verdade” e a Bíblia como sua Palavra veraz. (Sal. 31:5; Jos. 21:45; João 17:17) Davam-se conta de que ainda havia muita coisa que não conheciam, mas não deixavam de declarar com convicção o que haviam aprendido da Bíblia.
jv cap. 10 pp. 146-148 Crescimento no conhecimento exato da verdade
A luz brilha cada vez mais
Segundo reflete a sua história moderna, a experiência das Testemunhas de Jeová tem sido como a descrita em Provérbios 4:18: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” A luz tem clareado progressivamente, assim como a aurora é seguida pelo nascer do sol e a plena luz de um novo dia. Considerando os assuntos à luz do conhecimento disponível na época, elas tinham às vezes conceitos incompletos, até mesmo inexatos. Por mais que se esforçassem, simplesmente não podiam entender certas profecias até que estas começassem a se cumprir. Ao passo que Jeová tem lançado mais luz sobre a sua Palavra por meio de seu espírito, seus servos têm estado dispostos humildemente a fazer os necessários ajustes.
Tal entendimento progressivo não se limitou ao período inicial de sua história moderna. Continua até o presente. Por exemplo, em 1962, houve um ajuste de entendimento sobre “as autoridades superiores”, em Romanos 13:1-7.
Por muitos anos, os Estudantes da Bíblia haviam ensinado que “as autoridades superiores” eram Jeová Deus e Jesus Cristo. Por quê? Na Watch Tower de 1.° e 15 de junho de 1929, citou-se uma variedade de leis seculares e mostrou-se que o que era permitido num país era proibido em outro. Chamou-se também atenção para leis seculares que exigiam que as pessoas fizessem o que Deus proibia, ou que proibiam o que Deus ordenava que seus servos fizessem. Por causa de seu desejo sincero de mostrar respeito à autoridade suprema de Deus, parecia aos Estudantes da Bíblia que “as autoridades superiores” tinham de ser Jeová Deus e Jesus Cristo. Continuavam a obedecer às leis seculares, mas frisava-se a obediência primeiro a Deus. Foi uma lição importante, uma lição que os fortaleceu durante os anos de tumulto mundial que se seguiram. Mas não entendiam claramente o que Romanos 13:1-7 dizia.
Anos mais tarde, fez-se um cuidadoso reexame desse texto junto com seu contexto e seu significado à luz do resto da Bíblia. Assim, em 1962, compreendeu-se que “as autoridades superiores” são os governantes seculares, mas, com a ajuda da Tradução do Novo Mundo, discerniu-se claramente o princípio da sujeição relativa. Isto não exigiu nenhuma mudança de vulto na atitude das Testemunhas de Jeová para com os governos do mundo, mas corrigiu seu entendimento de um trecho importante das Escrituras. Deu oportunidade para as Testemunhas individualmente considerarem com cuidado se estavam de fato vivendo à altura de suas responsabilidades tanto para com Deus como para com as autoridades seculares. Esse claro entendimento das “autoridades superiores” tem servido de proteção para as Testemunhas de Jeová, especialmente nos países em que ondas de nacionalismo e clamores por maior liberdade resultaram em violência e na formação de novos governos.
No ano seguinte, 1963, apresentou-se uma aplicação mais abrangente de “Babilônia, a Grande”. (Rev. 17:5) Um exame da história secular e religiosa levou à conclusão de que a influência da antiga Babilônia permeou não só a cristandade, mas todas as partes da Terra. Entendeu-se assim que Babilônia, a Grande, é o inteiro império mundial da religião falsa. O conhecimento disso tem habilitado as Testemunhas de Jeová a ajudar muito mais pessoas de diferentes formações a acatar a ordem bíblica: “Saí dela, povo meu.” — Rev. 18:4.
De fato, o desenrolar dos eventos preditos no inteiro livro de Revelação tem fornecido grande esclarecimento espiritual. Em 1917, publicou-se no livro The Finished Mystery (O Mistério Consumado) um estudo sobre Revelação. Mas o “dia do Senhor”, mencionado em Revelação 1:10, nessa época mal começava; muitas das coisas preditas ainda não haviam acontecido e não eram claramente entendidas. Entretanto, os acontecimentos nos anos posteriores lançaram mais luz sobre o significado dessa parte da Bíblia, e esses eventos tiveram um profundo efeito sobre o estudo muito esclarecedor de Revelação, publicado em 1930, em dois volumes intitulados Light (Luz). Na década de 60, mais conhecimento atualizado foi apresentado nos livros “Caiu Babilônia, a Grande!” O Reino de Deus já Domina! e “Cumprir-se-á, Então, o Mistério de Deus”. Duas décadas depois, fez-se outro estudo profundo dessa parte da Bíblia. A linguagem figurativa de Revelação foi cuidadosamente analisada à luz de expressões similares em outras partes da Bíblia. (1 Cor. 2:10-13) Foram examinados os eventos do século vinte em cumprimento das profecias. Os resultados foram publicados em 1988 no empolgante livro Revelação — Seu Grandioso Clímax Está Próximo!.
jv cap. 31 pp. 708-709 De que maneira escolhidas e dirigidas por Deus
Jeová sempre conduziu seu povo a um entendimento mais claro de sua vontade. (Sal. 43:3) Sua maneira de guiá-lo pode ser ilustrada assim: se a pessoa ficou numa sala escura por muito tempo, não é melhor que seja exposta à luz gradativamente? Jeová tem exposto seu povo à luz da verdade de maneira similar; tem-lhe dado esclarecimento progressivamente. (Compare com João 16:12, 13.) Tem sido como diz o provérbio: “A vereda dos justos é como a luz clara que clareia mais e mais até o dia estar firmemente estabelecido.” — Pro. 4:18.
Os tratos de Jeová com seus servos escolhidos nos tempos bíblicos confirmam que o entendimento claro de sua vontade e propósitos muitas vezes vem gradativamente. Assim, Abraão não entendeu plenamente como se desenrolaria o propósito de Jeová com relação ao “descendente [lit.: semente]”. (Gên. 12:1-3, 7; 15:2-4; compare com Hebreus 11:8.) Daniel não compreendeu o desenrolar final das profecias que registrou. (Dan. 12:8, 9) Jesus, quando esteve na Terra, admitiu que não sabia o dia e a hora em que o atual sistema acabará. (Mat. 24:36) Os apóstolos a princípio não entenderam que o Reino de Jesus seria celestial, que não seria estabelecido no primeiro século e que até gentios poderiam herdá-lo. — Luc. 19:11; Atos 1:6, 7; 10:9-16, 34, 35; 2 Tim. 4:18; Rev. 5:9, 10.
Não nos deve surpreender que também nos tempos modernos Jeová muitas vezes tenha conduzido seu povo como organização progressiva, gradativamente esclarecendo-lhes verdades bíblicas. Não são as verdades em si que mudam. A verdade permanece a verdade. A vontade e o propósito de Jeová apresentados na Bíblia permanecem inalterados. (Isa. 46:10) Mas o entendimento do povo de Deus sobre essas verdades fica progressivamente mais claro “no tempo apropriado”, no tempo devido de Jeová. (Mat. 24:45; compare com Daniel 12:4, 9.)
it-2 p. 726 Luz, I
Assim como a luz do sol continua a brilhar cada vez mais desde a alva até “o dia estar firmemente estabelecido”, assim a vereda dos justos, iluminada pela sabedoria piedosa, fica cada vez mais clara. (Pr 4:18)
PROVÉRBIOS 4:19)
“O caminho dos iníquos é como as trevas; não souberam em que têm estado tropeçando.”
w00 15/5 p. 23 ‘Resguarde seu coração’
Mas que dizer dos que rejeitam a orientação de Deus por se negarem a andar na luz? “O caminho dos iníquos é como as trevas”, diz Salomão. “Não souberam em que têm estado tropeçando.” (Provérbios 4:19) Os iníquos são como um homem que tropeça na escuridão sem saber o que o fez tropeçar. Mesmo quando os ímpios parecem prosperar por causa da sua injustiça, seu aparente êxito é apenas temporário. O salmista cantou a respeito de tais: “De fato, tu [Jeová] os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas.” — Salmo 73:18.
w97 1/9 p. 32 Uma lâmpada para guiá-lo na vereda da vida
Que dizer dos que rejeitam a orientação de Deus? A Bíblia diz: “O caminho dos iníquos é como as trevas; não souberam em que têm estado tropeçando.” (Provérbios 4:19) Deveras, os iníquos são como alguém que tropeça no escuro. Mesmo seus aparentes êxitos são no melhor dos casos temporários, pois “não há sabedoria, nem discernimento, nem conselho em oposição a Jeová”. — Provérbios 21:30.
PROVÉRBIOS 4:23)
“Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.”
w07 1/6 p. 6 Revelada a fonte do mal!
‘Resguarde seu coração’
Uma das manifestações desse “ar” é a praga da pornografia, que estimula desejos sexuais impróprios e faz com que um comportamento anormal pareça atraente. (1 Tessalonicenses 4:3-5) Estupro, sadismo, estupro cometido em parceria, bestialidade e abuso sexual de crianças são alguns dos assuntos que a pornografia exibe como forma de diversão. Mesmo em suas formas menos nocivas, a pornografia pode ser altamente viciadora e prejudica os que a vêem ou lêem, transformando-os em habituais voyeurs. É um mal que prejudica tanto as relações humanas como o relacionamento da pessoa com Deus. A pornografia reflete a mentalidade degradante dos demônios que a promovem — rebeldes cujos desejos sexuais impróprios começaram lá nos dias de Noé, antes do Dilúvio.
Não foi sem motivo que o sábio Salomão aconselhou: “Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” (Provérbios 4:23) Em termos práticos, resguardar o coração do laço da pornografia pode significar mudar o canal da TV ou desligar o computador caso apareçam imagens obscenas, e é importante agir de modo rápido e decisivo! Imagine-se como um soldado tentando se desviar de uma bala direcionada ao seu coração. Satanás tem por alvo o seu coração figurativo — o centro de suas motivações e desejos — e tenta corrompê-lo.
Você precisa também proteger seu coração contra o amor à violência, pois o Diabo sabe que “[Jeová] certamente odeia a quem ama a violência”. (Salmo 11:5) Satanás não precisa transformá-lo num vilão sanguinário para torná-lo inimigo de Deus; ele só precisa cultivar em você o amor à violência. Não é por acaso que a violência, muitas vezes com temas de ocultismo, satura a mídia. Os nefilins morreram e desapareceram há muito tempo, mas suas características e comportamento ainda persistem. Será que sua escolha de diversão mostra que você não se deixa enganar pelas estratégias de Satanás? — 2 Coríntios 2:11.
w05 1/9 p. 30 Deixe que a “declaração” de Jeová o proteja
Deixe que a “declaração” de Jeová proteja o seu coração
Quando foi tentado no deserto, Jesus contestou Satanás citando apropriadamente a Palavra de Deus. (Lucas 4:1-13) No entanto, ele não se envolveu em debates para mostrar quem sabia mais. Baseando sua defesa nas Escrituras, Jesus falou do coração e, por isso, a estratégia de Satanás, que tinha dado tão certo no Éden, falhou no caso de Jesus. As maquinações de Satanás também falharão no nosso caso se enchermos o coração com as declarações de Jeová. Nada pode ter mais valor do que isso, “pois [do coração] procedem as fontes da vida”. — Provérbios 4:23.
Além disso, temos de continuar protegendo o coração, nunca desistindo. Apesar de falhar no deserto, Satanás não parou de testar Jesus. (Lucas 4:13) Ele também continuará nos testando, usando várias estratégias para violar nossa integridade. (Revelação [Apocalipse] 12:17) Portanto, imitemos Jesus cultivando um profundo amor pela Palavra de Deus bem como pedindo incessantemente em oração espírito santo e sabedoria. (1 Tessalonicenses 5:17; Hebreus 5:7) Jeová, por sua vez, promete que todos os que se refugiam nele não sofrerão dano espiritual. — Salmo 91:1-10; Provérbios 1:33.
w04 15/2 pp. 10-12 Mantenha a castidade resguardando o coração
Resguarde o coração
4 A chave para se manter a castidade é resguardar o coração. A Bíblia diz: “Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” (Provérbios 4:23) O que é “teu coração”, mencionado aqui? Não é o órgão literal. Este coração é figurativo. Refere-se à pessoa que você é no íntimo, incluindo seus pensamentos, seus sentimentos e suas motivações. A Bíblia diz: “Tens de amar a Jeová, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de toda a tua força vital.” (Deuteronômio 6:5) Jesus disse que esse mandamento é o maior de todos. (Marcos 12:29, 30) É evidente que o nosso coração tem grande valor. Vale a pena protegê-lo.
5 No entanto, a Bíblia diz também que “o coração é mais traiçoeiro do que qualquer outra coisa e está desesperado”. (Jeremias 17:9) Como pode o coração ser traiçoeiro — um perigo para nós? Um carro, por exemplo, é muito útil, até mesmo para salvar a vida numa emergência. Mas se o motorista não dirigir com perícia, se não segurar firmemente o volante, o mesmo carro pode tornar-se facilmente uma arma perigosa. De modo similar, se você não proteger seu coração, estará à mercê de qualquer desejo ou impulso íntimo, e as conseqüências podem ser desastrosas. A Palavra de Deus diz: “Quem confia no seu próprio coração é estúpido, mas aquele que anda em sabedoria é o que escapará.” (Provérbios 28:26) De fato, poderá andar em sabedoria e escapar de resultados desastrosos se usar a Palavra de Deus como guia, assim como você consultaria um mapa rodoviário antes de iniciar uma viagem. — Salmo 119:105.
6 Nosso coração não está naturalmente inclinado para a castidade. Temos de direcioná-lo nesse sentido. Um modo de fazer isso é meditar sobre o verdadeiro valor da castidade. Essa qualidade está intimamente relacionada com a santidade, que significa limpeza, pureza, ausência da pecaminosidade. A santidade é uma qualidade preciosa, sendo parte da própria natureza de Jeová Deus. Centenas de versículos bíblicos associam essa qualidade com Jeová. Realmente, a Bíblia diz que “a santidade pertence a Jeová”. (Êxodo 28:36) No entanto, o que essa elevada qualidade tem a ver conosco, humanos imperfeitos?
7 Jeová nos diz na sua Palavra: “Tendes de ser santos, porque eu sou santo.” (1 Pedro 1:16) Podemos sim imitar a santidade de Jeová; podemos ser limpos diante dele por mantermos a nossa castidade. Portanto, quando nos refreamos de atos impuros, aviltantes, procuramos alcançar um privilégio elevado e emocionante — o de refletir uma característica bela do Deus Altíssimo! (Efésios 5:1) Não devemos presumir que isso esteja além do nosso alcance, porque Jeová é um Amo sábio e razoável, que nunca exige de nós mais do que podemos fazer. (Salmo 103:13, 14; Tiago 3:17) É verdade que continuar espiritual e moralmente casto exige esforço. No entanto, o apóstolo Paulo observou que ‘a sinceridade e a castidade se devem ao Cristo’. (2 Coríntios 11:3) Não devemos a Cristo e a seu Pai a obrigação de fazer todo esforço possível para nos manter moralmente castos? Afinal, seria impossível retribuir-lhes plenamente todo o amor que demonstraram por nós. (João 3:16; 15:13) Temos o privilégio de expressar nossa gratidão por levarmos uma vida moralmente limpa. Ao meditarmos assim sobre a castidade, passaremos a dar valor a ela, protegendo o nosso coração.
8 Resguardamos também o coração pelo modo de nos nutrirmos. Temos de nutrir regularmente a mente e o coração com bom alimento espiritual, enfocando as boas novas do Reino de Deus. (Colossenses 3:2) Mesmo a nossa conversa deve refletir isso. Se tivermos a fama de sempre falar sobre assuntos profanos, imorais, revelaremos o que temos no coração. (Lucas 6:45) Em vez disso, devemos ter a reputação de ser pessoas que conversam sobre assuntos espirituais e edificantes. (Efésios 5:3) Para proteger o coração, temos de evitar diversos perigos sérios. Analisemos dois deles.
g03 22/3 p. 11 Como escolher clipes musicais?
Provérbios 4:23: “Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” Você tem algum equipamento esportivo ou instrumento musical de que gosta muito? Sem dúvida não mede esforços para mantê-lo em bom estado e guardá-lo num lugar seguro. Com certeza não o largaria no meio da rua sem ninguém tomando conta, mesmo que por alguns instantes, pois teria medo de que fosse danificado ou roubado. Você faz de tudo para protegê-lo. É preciso ter a mesma determinação para proteger seu coração, não o expondo mesmo que momentaneamente a algum entretenimento prejudicial.
w01 15/10 pp. 22-26 Resguarde seu coração
Resguarde seu coração
“Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” — PROVÉRBIOS 4:23.
UM HOMEM idoso, numa ilha do Caribe, saiu do seu abrigo depois de um furacão. Ao ver os danos em volta dele, sentiu falta de uma enorme árvore que por décadas havia ficado perto do portão de entrada. ‘Como pode ser isso’, perguntava-se ele, ‘quando árvores menores na vizinhança sobreviveram?’ Um exame do tronco da árvore caída deu-lhe a resposta. O interior da árvore aparentemente inabalável estava podre, e o furacão simplesmente expôs esta invisível deterioração.
2 Como é trágico quando um verdadeiro adorador, que parece estar firmemente arraigado no modo de vida cristão, sucumbe a uma prova de fé. A Bíblia diz corretamente que “a inclinação do coração do homem é má desde a sua mocidade”. (Gênesis 8:21) Isto significa que, sem constante vigilância, mesmo os melhores corações podem ser induzidos a fazer o mal. Visto que nenhum coração humano imperfeito é imune à corrupção, temos de levar a sério a advertência: “Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração.” (Provérbios 4:23) Então, como podemos resguardar nosso coração figurativo?
Exames regulares são imprescindíveis
3 Se você for consultar um médico para um exame geral de saúde, é provável que ele examine seu coração. Sugere sua saúde geral, inclusive a do coração, que você consome suficientes nutrientes? Como vai sua pressão arterial? É a batida do seu coração regular e forte? Faz suficientes exercícios? Sofre seu coração um estresse indevido?
4 Se o coração literal precisa de exames regulares, que dizer do seu coração figurativo? Jeová o examina. (1 Crônicas 29:17) Nós também devíamos fazê-lo. Mas como? Por fazer perguntas tais como estas: Recebe meu coração suficiente alimento espiritual pelo estudo pessoal regular e pela assistência às reuniões? (Salmo 1:1, 2; Hebreus 10:24, 25) Está a mensagem de Jeová bem achegada ao meu coração, como “um fogo aceso encerrado nos meus ossos”, induzindo-me a participar na pregação do Reino e na obra de fazer discípulos? (Jeremias 20:9; Mateus 28:19, 20; Romanos 1:15, 16) Sinto-me induzido a esforçar-me vigorosamente, participando em alguma modalidade do ministério de tempo integral quando possível? (Lucas 13:24) A que tipo de ambiente exponho meu coração figurativo? Procuro associar-me com outros que se empenham na adoração verdadeira de todo o coração? (Provérbios 13:20; 1 Coríntios 15:33) Devemos notar prontamente qualquer deficiência e tomar logo as medidas corretivas.
5 Muitas vezes sofremos provas de fé. Estas dão-nos oportunidades para notar a condição de nosso coração. Moisés disse aos israelitas quando estavam prontos para entrar na Terra Prometida: “Jeová, teu Deus, te fez andar estes quarenta anos no ermo para te humilhar, para te pôr à prova, a fim de saber o que havia no teu coração, se guardarias ou não os seus mandamentos.” (Deuteronômio 8:2) Muitas vezes não somos surpreendidos por sentimentos, desejos ou reações que surgem quando nos confrontamos com situações ou tentações inesperadas? As provações que Jeová permite certamente podem fazer com que nos apercebamos de nossas falhas, dando-nos a oportunidade de melhorar. (Tiago 1:2-4) Que nunca deixemos de refletir com oração nas nossas reações às provações!
O que revelam nossas palavras?
6 Como podemos saber o que entesouramos no coração? Jesus disse: “O homem bom, do bom tesouro do seu coração, traz para fora o bom, mas o homem iníquo, do seu tesouro iníquo, traz para fora o que é iníquo; pois é da abundância do coração que a sua boca fala.” (Lucas 6:45) Aquilo de que costumamos falar é um bom indício do que há no nosso coração. Conversamos muito sobre coisas materiais e realizações seculares? Ou giram nossas conversas freqüentemente em torno de coisas espirituais e objetivos teocráticos? Em vez de divulgar os erros dos outros, estamos amorosamente inclinados a encobri-los? (Provérbios 10:11, 12) Temos a tendência de conversar muito sobre pessoas e os acontecimentos na vida delas, mas pouco sobre princípios e idéias? Seria isso um indício de que nos interessamos indevidamente nos assuntos pessoais dos outros? — 1 Pedro 4:15.
7 Considere o que aconteceu em uma grande família. Os dez filhos mais velhos de Jacó “não eram capazes de falar pacificamente” com José, seu irmão mais novo. Por que não? Por que tinham ciúme de ele ser o filho favorito do pai. Mais tarde, quando José foi abençoado com sonhos da parte de Jeová Deus, provando que ele tinha o Seu favor, eles acharam “razão adicional para o odiarem”. (Gênesis 37:4, 5, 11) Eles cruelmente venderam seu irmão como escravo. Depois, na tentativa de encobrir sua transgressão, enganaram o pai para ele pensar que José tinha sido morto por um animal selvagem. Dez dos irmãos de José não resguardaram seu coração nesta ocasião. Se tivermos a tendência de criticar outros, não seria isso evidência de termos inveja ou ciúme no coração? Precisamos ser vigilantes para examinar o que sai da nossa boca e desarraigar prontamente inclinações impróprias.
8 Ao passo que é “impossível que Deus minta”, os humanos imperfeitos estão inclinados a mentir. (Hebreus 6:18) “Todo homem é mentiroso”, lamentou o salmista. (Salmo 116:11) Até mesmo o apóstolo Pedro, mentindo, negou Jesus três vezes. (Mateus 26:69-75) É evidente que temos de ter cuidado de não mentir, porque Jeová odeia a “língua falsa”. (Provérbios 6:16-19) Caso alguma vez sucumbamos à tentação de contar uma mentira, seria bom analisar a causa. Foi por temor do homem? Foi por temermos uma punição? Será que talvez o motivo do problema tenha sido querer manter as aparências ou puro egoísmo? De qualquer modo, como é apropriado que reflitamos sobre o assunto, admitindo humildemente nossa falha e pedindo o perdão de Jeová, procurando a sua ajuda para vencer a fraqueza! “Os anciãos da congregação” podem ser os mais indicados para dar esta ajuda. — Tiago 5:14.
9 Em resposta ao jovem Rei Salomão, que pediu sabedoria e conhecimento, Jeová disse: “Visto que isto se mostrou achegado ao teu coração e não pediste riquezas, nem bens materiais, nem honra, . . . são dados a ti a sabedoria e o conhecimento; também te darei riquezas, e bens materiais, e honra.” (2 Crônicas 1:11, 12) À base do que Salomão pediu e do que não pediu, Jeová sabia o que era achegado ao coração de Salomão. O que revelam as nossas comunicações com Deus a respeito de nosso coração? Mostram nossas orações que temos sede de conhecimento, sabedoria e discernimento? (Provérbios 2:1-6; Mateus 5:3) Temos os interesses do Reino no coração? (Mateus 6:9, 10) Se as nossas orações se tornaram mecânicas e superficiais, isto poderia indicar que precisamos tomar tempo para meditar nos atos de Jeová. (Salmo 103:2) Todos os cristãos devem estar atentos para discernir o que suas orações revelam.
O que indicam as nossas ações?
10 Foi dito que as ações falam mais alto do que as palavras. Nossas ações certamente revelam muito sobre o que somos no íntimo. Por exemplo, em questões de moralidade, proteger o coração significa mais do que apenas evitar um ato de fornicação ou de adultério. Jesus disse no seu Sermão do Monte: “Todo aquele que persiste em olhar para uma mulher, a ponto de ter paixão por ela, já cometeu no coração adultério com ela.” (Mateus 5:28) Como podemos evitar cometer adultério, mesmo no coração?
11 O fiel patriarca Jó deixou um exemplo para homens e mulheres cristãos casados. Jó, sem dúvida, convivia normalmente com mulheres mais jovens e até mesmo ajudou-as bondosamente quando precisavam. Mas a idéia de ter um interesse romântico nelas estava fora de questão para este homem de integridade. Por quê? Porque tinha tomado a resolução firme de não olhar com desejo imoral para mulheres. “Concluí um pacto com os meus olhos”, disse ele. “Portanto, como poderia mostrar-me atento a uma virgem?” (Jó 31:1) Façamos um pacto similar com os nossos olhos e protejamos o coração.
12 “Quem é fiel no mínimo, é também fiel no muito”, declarou o Filho de Deus, “e quem é injusto no mínimo, é também injusto no muito”. (Lucas 16:10) Deveras, temos de examinar nossa conduta em assuntos aparentemente pequenos da vida diária, mesmo os que acontecem na privacidade de nosso lar. (Salmo 101:2) Quando estamos em casa, vendo televisão ou ligados à Internet, será que cuidamos de acatar a admoestação bíblica: “A fornicação e a impureza de toda sorte, ou a ganância, não sejam nem mesmo mencionadas entre vós, assim como é próprio dum povo santo; nem conduta vergonhosa, nem conversa tola, nem piadas obscenas, coisas que não são decentes”? (Efésios 5:3, 4) E o que dizer da violência que se pode ver na televisão ou nos videogames? “O próprio Jeová examina tanto o justo como o iníquo”, disse o salmista, “e Sua alma certamente odeia a quem ama a violência”. — Salmo 11:5.
13 “O coração é mais traiçoeiro do que qualquer outra coisa e está desesperado”, advertiu Jeremias. (Jeremias 17:9) Esta traição do coração pode manifestar-se quando desculpamos os nossos erros, minimizamos as nossas faltas, racionalizamos graves falhas de personalidade ou exageramos realizações. O coração desesperado também é capaz de adotar uma atitude dupla — lábios suaves indicam uma coisa enquanto as ações indicam outra. (Salmo 12:2; Provérbios 23:7) Como é vital sermos honestos ao examinar o que procede do coração!
É nosso olho singelo?
14 “A lâmpada do corpo é o olho”, disse Jesus. “Se, pois, o teu olho for singelo, todo o teu corpo será luminoso.” (Mateus 6:22) O olho singelo enfoca uma única coisa, ou objetivo, não se distraindo ou se desviando dela. De fato, nosso olho deve enfocar ‘buscar primeiro o reino e a justiça de Deus’. (Mateus 6:33) O que pode acontecer ao nosso coração figurativo se o nosso olho não se mantiver singelo?
15 Considere o assunto de se ganhar o sustento. Prover as necessidades da nossa família é um requisito cristão. (1 Timóteo 5:8) Mas que dizer quando somos tentados pelo desejo de ter o que há de mais novo, o melhor e o mais procurado em matéria de alimento, roupa, abrigo e outras coisas? Não poderia isso realmente escravizar o coração e a mente, tornando-nos dúbios na nossa adoração? (Salmo 119:113; Romanos 16:18) Por que deveríamos ficar tão absortos em cuidar das necessidades físicas, a ponto de nossa vida girar apenas em torno da família, dos negócios e das coisas materiais? Lembre-se do conselho inspirado: “Prestai atenção a vós mesmos, para que os vossos corações nunca fiquem sobrecarregados com o excesso no comer, e com a imoderação no beber, e com as ansiedades da vida, e aquele dia venha sobre vós instantaneamente como um laço. Pois virá sobre todos os que moram na face de toda a terra.” — Lucas 21:34, 35.
16 O olho é uma importante via de acesso à mente e ao coração. O que ele enfoca pode influenciar fortemente nossos pensamentos, nossas emoções e ações. Usando uma linguagem ilustrativa, Jesus referiu-se ao poder da tentação visual e disse: “Se, pois, aquele olho direito teu te faz tropeçar, arranca-o e lança-o para longe de ti. Porque é mais proveitoso para ti que percas um dos teus membros, do que ser todo o teu corpo lançado na Geena.” (Mateus 5:29) É preciso impedir que o olho se fixe em coisas impróprias. Por exemplo, não se deve permitir que ele se fixe em matéria que se destina a despertar ou excitar paixões e desejos ilícitos.
17 Naturalmente, não nos comunicamos com o mundo exterior apenas por meio do sentido da visão. Outros sentidos, tais como o tato e a audição, desempenham o seu papel, e temos de ter precaução também com os correspondentes membros do corpo. O apóstolo Paulo admoestou: “Amortecei, portanto, os membros do vosso corpo que estão na terra, com respeito a fornicação, impureza, apetite sexual, desejo nocivo e cobiça, que é idolatria.” — Colossenses 3:5.
18 Um desejo impróprio pode surgir nas partes recônditas de nossa mente. Entreter um desejo errado costuma intensificá-lo, influenciando o coração. “Então o desejo, tendo-se tornado fértil, dá à luz o pecado.” (Tiago 1:14, 15) Muitos admitem que esse é o caminho que os leva a praticar o vício solitário. Como é importante que continuemos a encher a mente com preocupações espirituais! (Filipenses 4:8) E quando surge na mente um pensamento impróprio, devemos esforçar-nos a rejeitá-lo.
‘Sirva a Deus de pleno coração’
19 Já na idade avançada, o Rei Davi disse ao seu filho: “Tu, Salomão, meu filho, conhece o Deus de teu pai e serve-o de pleno coração e de alma agradável; porque Jeová sonda todos os corações e discerne toda inclinação dos pensamentos.” (1 Crônicas 28:9) O próprio Salomão orou pedindo “um coração obediente”. (1 Reis 3:9) No entanto, confrontou-se com o desafio de manter esse coração durante toda a sua vida.
20 Se havemos de ser bem-sucedidos neste respeito, não só temos de cultivar um coração que agrade a Jeová, mas também temos de resguardá-lo. Para conseguir isso, temos de manter os lembretes da Palavra de Deus bem junto do coração — ‘no meio dele’. (Provérbios 4:20-22) Também temos de ter o costume de examinar nosso coração, refletindo com oração no que nossas palavras e ações revelam. De que valor é esta reflexão sem procurarmos sinceramente a ajuda de Jeová para corrigir qualquer fraqueza que percebemos ter? E como é vital que controlemos bem o que absorvemos por meio dos nossos sentidos! Por agirmos assim, temos a garantia de que “a paz de Deus, que excede todo pensamento, guardará os [nossos] corações e as [nossas] faculdades mentais por meio de Cristo Jesus”. (Filipenses 4:6, 7) Portanto, estejamos decididos a resguardar o coração, mais do que qualquer outra coisa que há de ser guardada, e a servir a Jeová de pleno coração.
w00 15/5 pp. 23-24 ‘Resguarde seu coração’
Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração, pois dele procedem as fontes da vida.” — Provérbios 4:20-23.
O exemplo do próprio Salomão confirma o valor do conselho de se resguardar o coração. Deveras, na juventude ele ‘mostrou ser verdadeiro filho’ de seu pai e continuou fiel a Jeová por boa parte da sua vida adulta. No entanto, a Bíblia relata: “Sucedeu, no tempo da velhice de Salomão, que as próprias esposas [estrangeiras] dele lhe haviam inclinado o coração para seguir outros deuses; e seu coração não se mostrou pleno para com Jeová, seu Deus, como o coração de Davi, seu pai.” (1 Reis 11:4) Sem constante vigilância, mesmo o melhor dos corações pode ser engodado para fazer o que é ruim. (Jeremias 17:9) Temos de manter os lembretes da Palavra de Deus bem achegados ao coração — ‘no meio dele’. Isto inclui a orientação fornecida no capítulo 4 de Provérbios.
it-1 p. 554 Coração
De modo que as Escrituras aconselham: “Mais do que qualquer outra coisa a ser guardada, resguarda teu coração [o inteiro homem interior], pois dele procedem as fontes da vida.” (Pr 4:23)
PROVÉRBIOS 4:24)
“Remove de ti a perversão da fala; e põe longe de ti a sinuosidade dos lábios.”
w00 15/5 p. 24 ‘Resguarde seu coração’
— Provérbios 4:24-27.
Em vista da admoestação de Salomão, precisamos examinar nosso modo de falar e de agir. Se havemos de proteger o coração e agradar a Deus, temos de evitar conversa errada e sinuosa. (Provérbios 3:32) Por isso, devemos refletir com oração no que nossas palavras e nossas ações revelam a nosso respeito. Daí, procuremos a ajuda de Jeová para corrigirmos qualquer fraqueza que notemos. — Salmo 139:23, 24.
w00 15/5 p. 24 ‘Resguarde seu coração’
Salomão nos admoesta apropriadamente: “Remove de ti a perversão da fala; e põe longe de ti a sinuosidade dos lábios.
PROVÉRBIOS 5:1)
“Filho meu, presta deveras atenção à minha sabedoria. Inclina teus ouvidos ao meu discernimento,”
w00 15/7 p. 28 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Proteção por meio da faculdade de raciocínio
“Filho meu, presta deveras atenção à minha sabedoria”, começa o rei de Israel. E acrescenta: “Inclina teus ouvidos ao meu discernimento, para guardar os raciocínios; e resguardem os teus lábios o próprio conhecimento.” — Provérbios 5:1, 2.
Para resistir às tentações de fazer o que é imoral, precisamos de sabedoria — a habilidade de aplicar o conhecimento bíblico — e de discernimento, o poder para distinguir o certo do errado e escolher o rumo certo. Somos incentivados a prestar atenção à sabedoria e ao discernimento, a fim de resguardarmos nossa faculdade de raciocínio. Como podemos fazer isso? Quando estudamos a Palavra de Deus, a Bíblia, precisamos observar atentamente a maneira de Jeová fazer as coisas e inclinar nosso ouvido à sua vontade e propósito. Por fazermos assim, estaremos direcionando nossos pensamentos no rumo certo. A faculdade de raciocínio que adquirimos deste modo se harmoniza com a sabedoria e o conhecimento piedosos. Quando exercida de maneira apropriada, esta faculdade nos protege de sermos enlaçados pelos engodos imorais.
PROVÉRBIOS 5:2)
“para guardar os raciocínios; e resguardem os teus lábios o próprio conhecimento.”
w00 15/7 p. 28 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Proteção por meio da faculdade de raciocínio
“Filho meu, presta deveras atenção à minha sabedoria”, começa o rei de Israel. E acrescenta: “Inclina teus ouvidos ao meu discernimento, para guardar os raciocínios; e resguardem os teus lábios o próprio conhecimento.” — Provérbios 5:1, 2.
Para resistir às tentações de fazer o que é imoral, precisamos de sabedoria — a habilidade de aplicar o conhecimento bíblico — e de discernimento, o poder para distinguir o certo do errado e escolher o rumo certo. Somos incentivados a prestar atenção à sabedoria e ao discernimento, a fim de resguardarmos nossa faculdade de raciocínio. Como podemos fazer isso? Quando estudamos a Palavra de Deus, a Bíblia, precisamos observar atentamente a maneira de Jeová fazer as coisas e inclinar nosso ouvido à sua vontade e propósito. Por fazermos assim, estaremos direcionando nossos pensamentos no rumo certo. A faculdade de raciocínio que adquirimos deste modo se harmoniza com a sabedoria e o conhecimento piedosos. Quando exercida de maneira apropriada, esta faculdade nos protege de sermos enlaçados pelos engodos imorais.
it-1 p. 546 Conhecimento
Raciocínio. O conhecimento relaciona-se também com o que às vezes é traduzido por “raciocínio” (hebr.: mezim•máh). A palavra hebraica pode ser usada em mau sentido (idéias, tramas, ardis maldosos) ou em sentido favorável (argúcia, sagacidade). (Sal 10:2; Pr 1:4) Assim, a mente e os pensamentos podem ser orientados para um fim admirável, reto, ou exatamente para o contrário. Por se prestar detida atenção a como Jeová faz as coisas e por se inclinar os ouvidos a todos os diversos aspectos da Sua vontade e propósitos, salvaguarda-se o próprio raciocínio, orientando-o para os canais corretos. (Pr 5:1, 2) O raciocínio corretamente usado, harmonioso com a sabedoria e o conhecimento piedosos, guardará a pessoa contra ser enlaçada por engodos imorais. — Pr 2:10-12.
PROVÉRBIOS 5:3)
“Pois os lábios duma mulher estranha estão gotejando como favo de mel e seu paladar é mais macio do que o azeite.”
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
5:3 — Por que uma prostituta é chamada de “mulher estranha”? Provérbios 2:16, 17 refere-se à “mulher estranha” como alguém “que se esqueceu do próprio pacto do seu Deus”. Quem adorava deuses falsos, ou fazia de si mesmo um estranho em relação à Lei mosaica por desprezá-la, como no caso de uma prostituta, era chamado de estranho. — Jeremias 2:25; 3:13.
w00 15/7 pp. 28-29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Cuidado com a conversa macia
O motivo pelo qual a faculdade de raciocínio é essencial para se manter a pureza moral num mundo impuro é que a pessoa imoral tem maneiras sedutoras. Salomão adverte: “Os lábios duma mulher estranha estão gotejando como favo de mel e seu paladar é mais macio do que o azeite.
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Neste provérbio, a pessoa sinuosa é retratada como uma “mulher estranha” — uma prostituta. As palavras que ela usa para seduzir a vítima são tão doces quanto o mel extraído do favo e mais suaves do que o azeite. Não é assim que começa a maioria das investidas sexuais imorais? Por exemplo, veja o caso de Amy, uma atraente secretária de 27 anos de idade. Ela conta: “Tenho um colega de trabalho que é muito atencioso comigo e vive me elogiando. É bom ser notada. Mas percebo claramente que seu interesse em mim é estritamente sexual. Não vou ceder às suas investidas.” As palavras lisonjeiras de alguém sedutor geralmente são agradáveis, a menos que reconheçamos a verdadeira natureza delas. Para isso, precisamos usar nossa faculdade de raciocínio.
it-2 p. 798 Mel, favo de mel
O capítulo 5 de Provérbios usa a doçura do mel de favo para ilustrar a tentação para a imoralidade sexual a que a “mulher estranha” pode expor um homem com seus atrativos, usando encanto e palavras macias. Isto é um excelente aviso para os cristãos hoje em dia. “Os lábios duma mulher estranha estão gotejando como favo de mel e seu paladar é mais macio do que o azeite. Mas o efeito posterior dela é tão amargo como o absinto; é tão afiado como uma espada de dois gumes. Seus pés descem à morte”, diz o sábio. As palavras e ações macias, melosas, induzem o homem ao ato imoral, de modo que “de repente vai ele atrás dela, igual ao touro que chega ao abate”. — Pr 5:3-5; 7:21, 22.
PROVÉRBIOS 5:4)
“Mas o efeito posterior dela é tão amargo como o absinto; é tão afiado como uma espada de dois gumes.”
w06 15/9 p. 29 par. 16 “Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
Mas o efeito posterior dela é tão amargo como o absinto; é tão afiado como uma espada de dois gumes.” (Provérbios 5:3, 4) Os efeitos da impureza moral são dolorosos e podem ser mortíferos. Esses incluem uma consciência pesada, doenças sexualmente transmissíveis e a ruína emocional do cônjuge da pessoa infiel. Esses com certeza são bons motivos para não enveredar por um caminho que possa levar à infidelidade conjugal.
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Mas o efeito posterior dela é tão amargo como o absinto; é tão afiado como uma espada de dois gumes.” — Provérbios 5:3, 4.
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Os efeitos posteriores da imoralidade são tão amargos quanto o absinto e tão afiados quanto uma espada de dois gumes — dolorosos e mortíferos. As conseqüências amargas de tal conduta muitas vezes são consciência perturbada, gravidez indesejada ou uma doença sexualmente transmissível. E pense na enorme dor emocional daquele cujo cônjuge foi infiel. Um único ato de infidelidade pode causar feridas suficientemente profundas para durar a vida inteira. A imoralidade realmente fere.
g93 22/8 p. 18 Corro risco de contrair Aids?
Isso pode acontecer!
A epidemia de AIDS sublinha a veracidade das advertências da Bíblia de que “o efeito posterior” da imoralidade sexual “é tão amargo como absinto”. (Provérbios 5:3-5; 7:21-23) É claro que a Bíblia refere-se primariamente a danos espirituais e emocionais. Mas não deve surpreender que a imoralidade sexual também tenha vários efeitos posteriores prejudiciais para o corpo.
PROVÉRBIOS 5:5)
“Seus pés descem à morte. Mesmo os passos dela firmam-se no próprio Seol.”
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Falando sobre o estilo de vida de uma mulher que age de maneira sinuosa, o sábio rei continua: “Seus pés descem à morte. Mesmo os passos dela firmam-se no próprio Seol. Ela não contempla a vereda da vida. Seus trilhos seguiram errantes, ela nem sabe para onde.” (Provérbios 5:5, 6) Os caminhos da mulher imoral a levam à morte — seus passos a conduzem ao Seol, a sepultura comum da humanidade. O rápido aumento das doenças sexualmente transmissíveis, especialmente a Aids, nos mostra a verdade dessas palavras. O fim desse tipo de mulher é o mesmo daqueles que a acompanham nas suas trilhas tortuosas.
PROVÉRBIOS 5:8)
“Guarda teu caminho longe dela e não te chegues à entrada da sua casa,”
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
5:8. Devemos nos manter bem longe de todas as influências imorais, não importa se elas vêm por meio da música, do entretenimento, da internet, de livros ou de revistas.
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Guarda teu caminho longe dela e não te chegues à entrada da sua casa.” — Provérbios 5:7, 8.
Temos de ficar o mais longe possível da influência de pessoas imorais. Por que deveríamos expor-nos ao seu modo de agir por ouvirmos músicas degradantes, assistirmos a programas corrompedores ou nos expormos a matérias pornográficas? (Provérbios 6:27; 1 Coríntios 15:33; Efésios 5:3-5) Também, seria muita tolice atrair a atenção dessas pessoas por flertarmos com elas ou por nos arrumarmos e vestirmos de maneira imodesta. — 1 Timóteo 4:8; 1 Pedro 3:3, 4.
PROVÉRBIOS 5:9)
“para que não dês a tua dignidade a outros, nem os teus anos ao que é cruel;”
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Salomão responde: “Para que não dês a tua dignidade a outros, nem os teus anos ao que é cruel;
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
— Provérbios 5:9-11.
Salomão mostra o alto preço que a pessoa paga por sucumbir à imoralidade. O adultério e a perda da dignidade, ou amor-próprio, andam de mãos dadas. Não é realmente humilhante servir apenas para satisfazer nossa própria paixão imoral ou a de outra pessoa? Não mostra falta de amor-próprio envolver-se em intimidade sexual com alguém com quem não estamos casados?
PROVÉRBIOS 5:10)
“para que os estranhos não se fartem com o teu poder, nem as coisas que obtiveste com dor fiquem na casa dum estrangeiro,”
w00 15/7 p. 29 Você pode permanecer casto num mundo imoral
para que os estranhos não se fartem com o teu poder, nem as coisas que obtiveste com dor fiquem na casa dum estrangeiro,
w00 15/7 pp. 29-30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Mas, o que está incluído em ‘darmos nossos anos, nosso poder, e o fruto de nosso trabalho a estranhos? Uma obra de referência declara: “A idéia principal destes versículos é clara: O preço da infidelidade pode ser alto; pois tudo o que a pessoa trabalha para conseguir — posição, poder, prosperidade — pode ser perdido quer pelas exigências gananciosas da mulher quer pela reivindicação de compensação por parte da comunidade.” Relacionamentos imorais podem custar muito caro!
PROVÉRBIOS 5:12)
“E terás de dizer: “Quanto odiei a disciplina e desrespeitou meu coração até mesmo a repreensão!”
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Após perder a dignidade e esgotar seus recursos, a pessoa tola lamenta, dizendo: “Quanto odiei a disciplina e desrespeitou meu coração até mesmo a repreensão! E não escutei a voz dos meus instrutores e não inclinei meu ouvido aos meus mestres. Vim a estar facilmente em toda sorte de maldade no meio da congregação e da assembléia.” — Provérbios 5:12-14.
Com o tempo, o transgressor expressa o que um erudito chama de “longa ladainha de ‘se eu tivesse’: se eu tivesse escutado meu pai; se eu não tivesse agido da minha maneira; se eu tivesse escutado conselhos”. Mas, é tarde demais. A vida da pessoa que deixou de ser casta foi arruinada e sua reputação foi manchada. É vital analisar o alto preço da imoralidade antes que sejamos tragados por ela.
PROVÉRBIOS 5:13)
“E não escutei a voz dos meus instrutores e não inclinei meu ouvido aos meus mestres.”
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Após perder a dignidade e esgotar seus recursos, a pessoa tola lamenta, dizendo: “Quanto odiei a disciplina e desrespeitou meu coração até mesmo a repreensão! E não escutei a voz dos meus instrutores e não inclinei meu ouvido aos meus mestres. Vim a estar facilmente em toda sorte de maldade no meio da congregação e da assembléia.” — Provérbios 5:12-14.
Com o tempo, o transgressor expressa o que um erudito chama de “longa ladainha de ‘se eu tivesse’: se eu tivesse escutado meu pai; se eu não tivesse agido da minha maneira; se eu tivesse escutado conselhos”. Mas, é tarde demais. A vida da pessoa que deixou de ser casta foi arruinada e sua reputação foi manchada. É vital analisar o alto preço da imoralidade antes que sejamos tragados por ela.
PROVÉRBIOS 5:14)
“Vim a estar facilmente em toda sorte de maldade no meio da congregação e da assembléia.””
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Após perder a dignidade e esgotar seus recursos, a pessoa tola lamenta, dizendo: “Quanto odiei a disciplina e desrespeitou meu coração até mesmo a repreensão! E não escutei a voz dos meus instrutores e não inclinei meu ouvido aos meus mestres. Vim a estar facilmente em toda sorte de maldade no meio da congregação e da assembléia.” — Provérbios 5:12-14.
Com o tempo, o transgressor expressa o que um erudito chama de “longa ladainha de ‘se eu tivesse’: se eu tivesse escutado meu pai; se eu não tivesse agido da minha maneira; se eu tivesse escutado conselhos”. Mas, é tarde demais. A vida da pessoa que deixou de ser casta foi arruinada e sua reputação foi manchada. É vital analisar o alto preço da imoralidade antes que sejamos tragados por ela.
PROVÉRBIOS 5:15)
“Bebe água da tua própria cisterna e filetes de água do meio do teu próprio poço.”
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Contudo, somente os casados devem usufruir essa intimidade. Por isso, Salomão exorta ao homem casado: “Bebe água da tua própria cisterna e filetes de água do meio do teu próprio poço.
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
— Provérbios 5:15-17.
“Tua própria cisterna” e “teu próprio poço” são expressões poéticas que se referem a uma esposa amada. Usufruir prazeres sexuais com ela é comparado a beber águas refrescantes. Ao contrário do suprimento de água em lugares públicos, a cisterna ou poço é considerada propriedade particular.
PROVÉRBIOS 5:16)
“Porventura se deviam espalhar teus mananciais portas afora, [tuas] correntes de água nas próprias praças públicas?”
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
Porventura se deviam espalhar teus mananciais portas afora, tuas correntes de água nas próprias praças públicas?
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
E o homem é aconselhado a gerar filhos em casa, com sua esposa, em vez de espalhar sua semente nas praças públicas, ou seja, entre outras mulheres. Fica claro que o conselho para o homem é que seja fiel à esposa.
PROVÉRBIOS 5:18)
“Mostre-se abençoada a tua fonte de água e alegra-te com a esposa da tua mocidade,”
w06 15/9 p. 25 “Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
“Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
‘Alegra-te com a esposa da tua mocidade. Por que, meu filho, devias extasiar-te com uma mulher estranha?’ — PROVÉRBIOS 5:18, 20.
A BÍBLIA não considera o sexo um assunto tabu. Em Provérbios 5:18, 19, lemos: “Mostre-se abençoada a tua fonte de água e alegra-te com a esposa da tua mocidade, gama amável e encantadora cabra-montesa. Inebriem-te os seus próprios seios todo o tempo. Que te extasies constantemente com o seu amor.”
2 A expressão “fonte de água” refere-se à fonte de gratificação sexual. É abençoada no sentido de que o sentimento de amor romântico e êxtase entre um casal é dádiva de Deus. Tal intimidade, porém, deve restringir-se apenas ao casamento.
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
O sábio continua: “Mostre-se abençoada a tua fonte de água e alegra-te com a esposa da tua mocidade,
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
A expressão “fonte de água” refere-se à fonte de satisfação sexual. O prazer sexual que os casados usufruem é ‘abençoado’ — concedido por Deus. Assim, o homem é exortado a se alegrar com a esposa da sua mocidade.
w92 1/8 p. 32 “A esposa da tua mocidade”
“A esposa da tua mocidade”
“O ADULTÉRIO parece ser quase que um evento cotidiano.” Assim dizem muitos peritos, segundo o jornal Los Angeles Times. Fica surpreso diante de tal declaração? No entanto, o psiquiatra Frank Pittman calcula que cerca de 50 por cento dos maridos e de 30 a 40 por cento das esposas têm sido infiéis. Se for verdade, então quase que a metade de todos os casados comete adultério!
Significa isso que a imoralidade é correta? De modo algum! A difusão da infidelidade não a torna correta — assim como tampouco o aumento do crime nas ruas torna correto que se assalte alguém. A imoralidade fere. Por exemplo, a humanidade é hoje afligida por uma pandemia de perigosas doenças sexualmente transmissíveis, as quais seriam facilmente controladas se as pessoas levassem uma vida de boa moral. A doença assassina, a AIDS, nunca se teria espalhado se as pessoas não tivessem levado uma vida sexual desenfreada.
Além disso, mesmo os mais sofisticados e “esclarecidos” sentem uma enorme dor quando o cônjuge é infiel. Um ato de infidelidade pode causar feridas que levam toda uma vida para sarar.
O ponto mais importante, porém, é que não tomar a sério os votos maritais é um grande desrespeito a Deus, visto que ele é o Autor do casamento. A Bíblia diz: “O matrimônio seja honroso entre todos.” Somos também advertidos: “Deus julgará os fornicadores e os adúlteros.” — Hebreus 13:4.
Portanto, os que são sábios acatam as palavras inspiradas: “Alegra-te com a esposa da tua mocidade.” (Provérbios 5:18) Eles procuram contentamento e felicidade com o seu cônjuge. Desta forma resguardam a saúde física e emocional, e o que é mais importante, dão honra ao grandioso Autor do casamento, Jeová Deus.
it-2 p. 152 Fonte, manancial
“Fonte de água” é uma expressão que também é usada com referência a uma fonte de satisfação sexual. — Pr 5:18.
PROVÉRBIOS 5:19)
“gama amável e encantadora cabra-montesa. Inebriem-te os seus próprios seios todo o tempo. Que te extasies constantemente com o seu amor.”
w06 15/9 p. 25 “Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
“Alegra-te com a esposa da tua mocidade”
‘Alegra-te com a esposa da tua mocidade. Por que, meu filho, devias extasiar-te com uma mulher estranha?’ — PROVÉRBIOS 5:18, 20.
A BÍBLIA não considera o sexo um assunto tabu. Em Provérbios 5:18, 19, lemos: “Mostre-se abençoada a tua fonte de água e alegra-te com a esposa da tua mocidade, gama amável e encantadora cabra-montesa. Inebriem-te os seus próprios seios todo o tempo. Que te extasies constantemente com o seu amor.”
2 A expressão “fonte de água” refere-se à fonte de gratificação sexual. É abençoada no sentido de que o sentimento de amor romântico e êxtase entre um casal é dádiva de Deus. Tal intimidade, porém, deve restringir-se apenas ao casamento.
w00 1/10 pp. 30-31 “Encantadora cabra-montesa”
“Encantadora cabra-montesa”
NÃO costumamos usar o adjetivo “encantadora” para descrever uma cabra. Talvez pensemos nas cabras como animais úteis, que comem quase tudo e que nos fornecem carne saborosa e leite nutritivo — mas dificilmente as chamaríamos de encantadoras.
No entanto, a Bíblia descreve a esposa como “gama amável e encantadora cabra-montesa”. (Provérbios 5:18, 19) Salomão, um escritor do livro de Provérbios, era um observador atento dos animais selváticos em Israel, de modo que, sem dúvida, tinha bons motivos para usar esta metáfora. (1 Reis 4:30-33) Pode ser que, assim como seu pai, Davi, ele tenha observado as cabras-montesas que andavam na região em volta de En-Gedi, perto das margens do mar Morto.
Rebanhos pequenos de cabras-montesas, que vivem perto dali, no deserto da Judéia, visitam regularmente a fonte de En-Gedi. Visto ser esta a única fonte confiável de água nesta região seca, En-Gedi já por séculos tem sido o bebedouro natural favorito das cabras-montesas. Deveras, o nome En-Gedi provavelmente significa “fonte do cabritinho”, testemunho da presença regular de cabritinhos nesta região. O Rei Davi encontrou refúgio ali quando perseguido pelo Rei Saul, embora tivesse de morar como fugitivo “nas rochas calvas dos cabritos monteses”. — 1 Samuel 24:1, 2.
Em En-Gedi, você ainda pode observar uma íbex fêmea, ou cabra-montesa, jeitosamente descer uma ravina rochosa, seguindo o macho para a água. Então talvez você passe a compreender a comparação da íbex fêmea com uma esposa leal. Sua natureza dócil e forma elegante também retratam virtudes femininas. A palavra “encantadora” aparentemente alude à graça e à aparência elegante da cabra-montesa.
A íbex fêmea tem de ser tanto forte como graciosa. Conforme Jeová salientou a Jó, a cabra-montesa dá à luz em rochedos, em lugares pedregosos e inacessíveis, onde pode haver escassez de alimentos e extremos de temperatura. (Jó 39:1) Apesar dessas dificuldades, ela cuida da cria e lhe ensina a subir rochedos e a pular entre eles tão facilmente como ela. A íbex corajosamente protege também sua cria contra predadores. Certo observador viu uma cabra-montesa repelir uma águia por meia hora, ao passo que o filhote ficava agachado sob ela como proteção.
Esposas e mães cristãs muitas vezes têm de criar os filhos em circunstâncias adversas. Assim como a cabra-montesa, mostram dedicação e altruísmo ao desincumbir-se desta responsabilidade dada por Deus. E corajosamente se esforçam a proteger os filhos contra perigos espirituais. Portanto, longe de depreciar as mulheres com esta metáfora, Salomão realmente estava chamando atenção para a graça e a beleza da mulher — qualidades espirituais que reluzem mesmo nas circunstâncias mais difíceis.
[Nota(s) de rodapé]
Segundo The New-Brown-Driver-Briggs-Gesenius Hebrew and English Lexicon, a palavra hebraica hhen, neste contexto, traduzida “encantadora”, significa ‘graça ou elegância de forma e aparência’.
[Fotos nas páginas 30, 30]
A esposa e mãe cristã revela belas qualidades espirituais ao cumprir as responsabilidades que Deus lhe deu
w97 15/7 p. 24 Acrobatas dos rochedos nas montanhas
“Gama amável e encantadora cabra-montesa”
O sábio Rei Salomão instou com os maridos: “Alegra-te com a esposa da tua mocidade, gama amável e encantadora cabra-montesa.” (Provérbios 5:18, 19) Isto não pretendia rebaixar as mulheres. Pelo visto, Salomão aludia à beleza, à graça e a outras qualidades notáveis desses animais.
it-1 p. 389 Cabrito (bode)
A forma hebraica feminina, ya•ʽaláh, é empregada na passagem de Provérbios 5:18, 19. Aqui se compara a esposa da juventude de um homem a uma ‘encantadora cabra-montesa’, aludindo-se possivelmente à graça deste animal.
PROVÉRBIOS 5:20)
“Portanto, meu filho, por que te devias extasiar com uma mulher estranha ou abraçar o seio duma mulher estrangeira?”
w00 15/7 p. 30 Você pode permanecer casto num mundo imoral
A seguir, Salomão faz duas perguntas retóricas: “Portanto, meu filho, por que te devias extasiar com uma mulher estranha ou abraçar o seio duma mulher estrangeira?” (Provérbios 5:20) De fato, por que uma pessoa casada deveria se envolver em intimidades sexuais fora do casamento, por meio de contatos no local de trabalho, na escola ou em qualquer outro lugar?
PROVÉRBIOS 5:21)
“Porque os caminhos do homem estão diante dos olhos de Jeová e ele contempla todos os seus trilhos.”
w06 15/9 p. 17 Destaques do livro de Provérbios
5:21. Será que alguém que ama a Jeová trocaria sua boa relação com o Deus verdadeiro em troca de poucos momentos de prazer? Naturalmente que não! O incentivo mais forte para mantermos a pureza moral é saber que Jeová observa nossos atos e nos considera responsáveis por eles.
w01 15/6 p. 19 par. 5 Continuemos constantes como que vendo Aquele que é invisível!
5 No entanto, se tivermos mentalidade espiritual, nos aperceberemos constantemente de que Jeová, embora não sendo um Deus que procura defeitos nos outros, sabe quando agimos segundo pensamentos e desejos maus. Deveras, “os caminhos do homem estão diante dos olhos de Jeová e ele contempla todos os seus trilhos”. (Provérbios 5:21) Caso sejamos vencidos por um pecado, sentimo-nos induzidos a nos arrepender e procuramos obter o perdão de Jeová, porque o amamos e não queremos causar-lhe nenhuma dor. — Salmo 78:41; 130:3.
w00 15/7 p. 31 Você pode permanecer casto num mundo imoral
‘O iníquo será apanhado pelos seus próprios erros’
O motivo fundamental de a imoralidade sexual ser errada é que Jeová — que deu a vida e a capacidade sexual aos humanos — a desaprova. Por isso, o Rei Salomão cita a razão mais forte para manter a castidade moral ao declarar: “Porque os caminhos do homem estão diante dos olhos de Jeová e ele contempla todos os seus trilhos.” (Provérbios 5:21) De fato, nada fica escondido aos olhos de Deus, “com quem temos uma prestação de contas”. (Hebreus 4:13) Qualquer ato de impureza sexual, a despeito de quão secreto seja e de quais as suas conseqüências físicas e sociais, inevitavelmente prejudica nossa relação com Jeová. Que tolice seria perder a paz com Deus por causa de alguns momentos de prazer ilícito!
PROVÉRBIOS 6:1)
“Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, [se] tiveres dado teu aperto de mão até mesmo a um estranho,”
w00 15/9 pp. 25-26 Proteja seu nome
Livre-se de promessas imprudentes
O capítulo 6 de Provérbios começa com as palavras: “Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, se tiveres dado teu aperto de mão até mesmo a um estranho, se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, se tiveres sido apanhado pelas declarações da tua boca, então toma esta ação, meu filho, e livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te e arremete contra o teu próximo com importunações.” — Provérbios 6:1-3.
Este provérbio aconselha a pessoa a não se envolver nos tratos comerciais de outros, especialmente de estranhos. É verdade que os israelitas deviam ‘amparar seu irmão que ficou pobre e financeiramente fraco’. (Levítico 25:35-38) Mas alguns israelitas empreendedores envolviam-se em especulações comerciais e conseguiam apoio financeiro por convencer outros a ‘prestar fiança’ por eles, tornando-os assim responsáveis pela dívida. Situações similares podem surgir hoje. Por exemplo, algumas instituições financeiras podem exigir um avalista antes de aprovarem um empréstimo que consideram arriscado. Como é imprudente comprometer-se assim apressadamente a favor de outros! Ora, isso pode enlaçar-nos financeiramente, até mesmo dando-nos um mau nome perante bancos e outros credores.
Que fazer quando nos encontramos num apuro por ter tomado uma ação que no começo parecia sábia, mas que mostrou-se imprudente quando a examinamos mais de perto? O conselho é deixar de lado o orgulho e ‘arremeter contra o próximo com importunações’ — com solicitações constantes. Temos de fazer todo o possível para endireitar os assuntos. Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.”
it-1 p. 269 Atitudes, posturas e gestos
Acordo, Participação. Apertar a mão e bater palmas eram gestos empregados para expressar acordo, ratificação ou confirmação dum contrato ou dum negócio. (Esd 10:19) As Escrituras advertem contra fazer isso para ser fiador dum empréstimo para outra pessoa. (Pr 6:1-3; 17:18; 22:26)
PROVÉRBIOS 6:2)
“[se] tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, [se] tiveres sido apanhado pelas declarações da tua boca,”
w00 15/9 pp. 25-26 Proteja seu nome
Livre-se de promessas imprudentes
O capítulo 6 de Provérbios começa com as palavras: “Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, se tiveres dado teu aperto de mão até mesmo a um estranho, se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, se tiveres sido apanhado pelas declarações da tua boca, então toma esta ação, meu filho, e livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te e arremete contra o teu próximo com importunações.” — Provérbios 6:1-3.
Este provérbio aconselha a pessoa a não se envolver nos tratos comerciais de outros, especialmente de estranhos. É verdade que os israelitas deviam ‘amparar seu irmão que ficou pobre e financeiramente fraco’. (Levítico 25:35-38) Mas alguns israelitas empreendedores envolviam-se em especulações comerciais e conseguiam apoio financeiro por convencer outros a ‘prestar fiança’ por eles, tornando-os assim responsáveis pela dívida. Situações similares podem surgir hoje. Por exemplo, algumas instituições financeiras podem exigir um avalista antes de aprovarem um empréstimo que consideram arriscado. Como é imprudente comprometer-se assim apressadamente a favor de outros! Ora, isso pode enlaçar-nos financeiramente, até mesmo dando-nos um mau nome perante bancos e outros credores.
Que fazer quando nos encontramos num apuro por ter tomado uma ação que no começo parecia sábia, mas que mostrou-se imprudente quando a examinamos mais de perto? O conselho é deixar de lado o orgulho e ‘arremeter contra o próximo com importunações’ — com solicitações constantes. Temos de fazer todo o possível para endireitar os assuntos. Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.”
it-1 p. 188 Armadilha
Precisa-se examinar com cuidado e ter muita cautela quanto ao que se vota ou garante fazer, de modo a não descobrir depois que se ficou enredado numa situação da qual talvez seja difícil ou virtualmente impossível escapar. (Pr 6:1-3; 20:25)
PROVÉRBIOS 6:3)
“então toma esta ação, meu filho, e livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te e arremete contra o teu próximo com importunações.”
w00 15/9 pp. 25-26 Proteja seu nome
Livre-se de promessas imprudentes
O capítulo 6 de Provérbios começa com as palavras: “Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, se tiveres dado teu aperto de mão até mesmo a um estranho, se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, se tiveres sido apanhado pelas declarações da tua boca, então toma esta ação, meu filho, e livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te e arremete contra o teu próximo com importunações.” — Provérbios 6:1-3.
Este provérbio aconselha a pessoa a não se envolver nos tratos comerciais de outros, especialmente de estranhos. É verdade que os israelitas deviam ‘amparar seu irmão que ficou pobre e financeiramente fraco’. (Levítico 25:35-38) Mas alguns israelitas empreendedores envolviam-se em especulações comerciais e conseguiam apoio financeiro por convencer outros a ‘prestar fiança’ por eles, tornando-os assim responsáveis pela dívida. Situações similares podem surgir hoje. Por exemplo, algumas instituições financeiras podem exigir um avalista antes de aprovarem um empréstimo que consideram arriscado. Como é imprudente comprometer-se assim apressadamente a favor de outros! Ora, isso pode enlaçar-nos financeiramente, até mesmo dando-nos um mau nome perante bancos e outros credores.
Que fazer quando nos encontramos num apuro por ter tomado uma ação que no começo parecia sábia, mas que mostrou-se imprudente quando a examinamos mais de perto? O conselho é deixar de lado o orgulho e ‘arremeter contra o próximo com importunações’ — com solicitações constantes. Temos de fazer todo o possível para endireitar os assuntos. Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.”
w91 15/7 p. 27 Por que revestir-se de humildade?
Nas Escrituras, uma palavra hebraica traduzida “vai humilhar-te” significa literalmente “pisoteia-te”. Assim, o sábio escritor de Provérbios aconselhou: “Filho meu, . . . se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, . . . livra-te, porque chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te [pisotear-te] e arremete contra o teu próximo com importunações.” (Provérbios 6:1-3) Ou seja, deixe de lado o orgulho, admita seu erro, corrija os assuntos.
it-2 p. 353 Humildade
Pode-se conseguir a condição de humildade por se raciocinar sobre a relação que se mantém com Deus e com o próximo conforme delineada na Bíblia, e depois praticar os princípios aprendidos. Uma palavra hebraica, hith•rap•pés, traduzida “vai humilhar-te”, significa literalmente “pisoteia-te”. Expressa bem a ação descrita pelo sábio escritor de Provérbios: “Filho meu, se tiveres prestado fiança pelo teu próximo, . . . se tiveres sido enlaçado pelas declarações da tua boca, . . . chegaste a ficar na palma da mão do teu próximo: Vai humilhar-te [pisotear-te] e arremete contra o teu próximo com importunações. . . . Livra-te.” (Pr 6:1-5) Em outras palavras, deixe de lado o seu orgulho, reconheça seu erro, corrija os assuntos e procure o perdão.
PROVÉRBIOS 6:4)
“Não dês sono aos teus olhos, nem cochilo aos teus olhos radiantes.”
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.” E deve-se fazer isso sem demora, pois o rei acrescenta: “Não dês sono aos teus olhos, nem cochilo aos teus olhos radiantes. Livra-te como a gazela se livra da mão e como o pássaro da mão do passarinheiro.” (Provérbios 6:4, 5) É melhor desvencilhar-se dum compromisso imprudente, quando possível, do que ser enlaçado por ele.
PROVÉRBIOS 6:5)
“Livra-te como a gazela [se livra] da mão e como o pássaro da mão do passarinheiro.”
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Uma obra de referência salienta: “Não meça esforços para conseguir um acordo com o seu adversário e resolver o assunto, para que a sua fiança não vire contra você e os seus.” E deve-se fazer isso sem demora, pois o rei acrescenta: “Não dês sono aos teus olhos, nem cochilo aos teus olhos radiantes. Livra-te como a gazela se livra da mão e como o pássaro da mão do passarinheiro.” (Provérbios 6:4, 5) É melhor desvencilhar-se dum compromisso imprudente, quando possível, do que ser enlaçado por ele.
PROVÉRBIOS 6:6)
“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio.”
g05 8/9 p. 4 O papel da cooperação na natureza
Milhares de anos atrás, o rei Salomão, que era um estudioso dos assuntos da natureza, observou a humilde formiga. Ele escreveu: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” — Provérbios 6:6-8
As formigas são um exemplo perfeito de cooperação, diligência e ordem, e geralmente trabalham juntas para arrastar até o formigueiro objetos muito maiores do que elas. Algumas delas até mesmo ajudam membros da colônia que estão feridos ou exaustos a voltar para o formigueiro. Diante dessas características, não é de admirar que Salomão tenha escolhido as formigas como um modelo para imitarmos.
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Seja diligente como a formiga
“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio”, admoesta Salomão. Que sabedoria podemos adquirir por examinar o comportamento de uma pequena formiga? O rei responde: “Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” — Provérbios 6:6-8.
As formigas são maravilhosamente organizadas e notavelmente cooperativas entre si. Por instinto ajuntam suprimentos de alimentos para o futuro. Não têm “comandante, nem oficial ou governante”. É verdade que há uma formiga rainha, mas ela é rainha só no sentido que põe ovos e é a mãe da colônia. Não dá ordens. Mesmo sem capataz para obrigá-las a trabalhar, nem supervisor para fiscalizá-las, as formigas continuam trabalhando incansavelmente.
Não devíamos nós ser diligentes como a formiga? Trabalhar arduamente e esforçar-nos a melhorar o nosso trabalho é bom para nós, quer sejamos supervisionados, quer não. Deveras, na escola, no nosso emprego e quando participamos em atividades espirituais, devemos fazer o melhor que pudermos. Assim como a formiga é beneficiada pela diligência, assim Deus quer que nós ‘vejamos o que é bom por todo o nosso trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) A consciência limpa e a satisfação pessoal são recompensas pelo trabalho árduo. — Eclesiastes 5:12.
g97 22/3 p. 31 Horta é com ela mesma
Horta é com ela mesma
A SAÚVA, formiga da América do Sul, surpreende os biólogos com suas sofisticadas técnicas de horticultura. Para conseguir alimento, esse pequeno inseto fragmenta folhas e junta detritos do chão da floresta trazendo-os ao seu ninho subterrâneo. A seguir ela moe os pedacinhos formando uma massa que serve de adubo para a sua cultura de fungos. A saúva instintivamente sabe manter a sua horta a uma temperatura e umidade ideais para conseguir os melhores resultados. Para criar novas plantações, ela transfere mudinhas de fungos para novos canteiros de folhas. A saúva até mesmo domina a arte de poda para maximizar o crescimento dos fungos. Pesquisadores galeses observaram que essa horticultora habilidosa não desperdiça tempo nem energia, trabalhando de acordo com a demanda de alimentos no ninho.
Cuidar de horta envolve trabalho árduo, e a saúva tira isso de letra. Não é de admirar que a Bíblia diga: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Realmente, o instinto da saúva atesta a sabedoria do seu Criador, Jeová Deus. — Provérbios 30:24, 25.
g96 8/3 p. 19 Estudamos a Bíblia no zoológico!
“Vai ter com a formiga, . . . e torna-te sábio”
Algo que não esperávamos ver num parque de animais é um grande formigueiro, a casa de três colônias de saúvas, que são as “jardineiras” do mundo das formigas. Podemos ver a colônia atrás de um painel de vidro; isso permite que estudemos o comportamento dessas criaturinhas. As formigas nos interessam porque são usadas na Bíblia como exemplo de diligência e sabedoria instintiva. — Provérbios 6:6.
Wijbren Landman é especialista em insetos. Ele explica: “Calcula-se em um milhão de vezes um bilhão o número de formigas que labutam na superfície da Terra, o que significa que, para cada humano, existem nada menos que 200.000 formigas! Das 15.000 espécies que encontramos espalhadas por todos os continentes, com exceção das regiões polares, nenhuma é exatamente igual a outra. Cada espécie constrói seu próprio tipo de casa e come seu próprio tipo de alimento, mas todas têm mais ou menos o mesmo modo de organização.
“As saúvas cultivam fungos comestíveis, assim como os humanos cultivam cogumelos. Como vêem aqui, o cultivo é feito no subsolo, mas o alimento para os fungos vêm da superfície. O dia todo, as operárias ocupam-se em transportar folhas para os formigueiros. Sobem nas árvores ou em arbustos e escolhem uma folha. Depois, usando suas mandíbulas como tesoura, cortam rapidamente pedaços semicirculares da folha e, em fila, carregam-no para o formigueiro, segurando-o sobre a cabeça como se fosse um guarda-sol. Elas cortam as folhas tão rápido que, nas Américas do Sul e Central, desfolham arbustos e árvores inteiros em questão de horas. Não é de admirar que não sejam muito benquistas lá! No formigueiro, outras operárias limpam cuidadosamente os pedaços de folhas antes de mascá-los. Depois, a polpa resultante é misturada com enzimas e aminoácidos que as formigas excretam. Só então a polpa fica no ponto para servir de alimento para os fungos, e estes por sua vez assegurarão um suprimento de alimento constante para a colônia inteira.”
w93 15/5 p. 32 Por que ‘ir ter com a formiga’?
Por que ‘ir ter com a formiga’?
O SÁBIO Rei Salomão, do antigo Israel, deu o seguinte conselho: “Vai ter com a formiga.” Por que disse isso? O que podemos aprender das formigas?
Salomão acrescentou: “Vê os . . . caminhos [da formiga] e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Estas palavras da antiguidade expressam verdades descobertas por naturalistas da atualidade.
Agur, escritor de provérbios, indica que as formigas são “instintivamente sábias”. (Provérbios 30:24, 25) Naturalmente, sua sabedoria não é produto de raciocínio inteligente, mas resulta dos instintos com que o Criador as dotou. Por causa do instinto, por exemplo, as formigas ajuntam seu alimento na época certa.
As formigas estão maravilhosamente organizadas. Notavelmente cooperadoras e atentas a co-trabalhadoras, ajudam formigas feridas ou exaustas a voltar ao formigueiro. Preparam-se instintivamente para o futuro e fazem todo o possível para cumprir com suas tarefas.
A atuação natural das formigas dá a entender que os humanos devem fazer planos com antecedência e trabalhar arduamente. Isto se aplica na escola, no trabalho e nas atividades espirituais. Assim como a formiga é beneficiada por sua diligência, assim Deus quer que os humanos ‘vejam o que é bom por todo o seu trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) Os verdadeiros cristãos, iguais às formigas, trabalham o dia inteiro. Fazem ‘tudo o que sua mão acha para fazer’, não porque há um chefão vigiando, mas por honestidade e com o desejo de serem trabalhadores diligentes, produtivos. — Eclesiastes 9:10; compare com Provérbios 6:9-11; veja também Tito 2:9, 10.
Seremos realmente felizes se ‘formos ter com a formiga’ e aplicarmos o que aprendemos dela. E teremos a maior felicidade se fizermos com diligência a vontade de Jeová Deus, conforme revelada na Bíblia.
it-2 p. 153 Formiga
Características Exemplares. Assim, um breve exame da formiga dá força à exortação: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio.” (Pr 6:6) As formigas não só são notáveis pela sua preparação instintiva para o futuro, mas também pela sua persistência e determinação, muitas vezes carregando ou tenazmente arrastando objetos que têm duas ou mais vezes o seu peso, fazendo todo o possível para cumprir sua tarefa específica e negando-se a desistir, mesmo que caiam, deslizem ou rolem algum íngreme precipício abaixo. Sendo notavelmente cooperadoras, mantêm seus ninhos bem limpos e mostram preocupação com outras operárias, às vezes ajudando formigas feridas ou esgotadas a retornar ao ninho.
PROVÉRBIOS 6:7)
“Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante,”
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Seja diligente como a formiga
“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio”, admoesta Salomão. Que sabedoria podemos adquirir por examinar o comportamento de uma pequena formiga? O rei responde: “Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” — Provérbios 6:6-8.
As formigas são maravilhosamente organizadas e notavelmente cooperativas entre si. Por instinto ajuntam suprimentos de alimentos para o futuro. Não têm “comandante, nem oficial ou governante”. É verdade que há uma formiga rainha, mas ela é rainha só no sentido que põe ovos e é a mãe da colônia. Não dá ordens. Mesmo sem capataz para obrigá-las a trabalhar, nem supervisor para fiscalizá-las, as formigas continuam trabalhando incansavelmente.
Não devíamos nós ser diligentes como a formiga? Trabalhar arduamente e esforçar-nos a melhorar o nosso trabalho é bom para nós, quer sejamos supervisionados, quer não. Deveras, na escola, no nosso emprego e quando participamos em atividades espirituais, devemos fazer o melhor que pudermos. Assim como a formiga é beneficiada pela diligência, assim Deus quer que nós ‘vejamos o que é bom por todo o nosso trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) A consciência limpa e a satisfação pessoal são recompensas pelo trabalho árduo. — Eclesiastes 5:12.
g97 22/3 p. 31 Horta é com ela mesma
Horta é com ela mesma
A SAÚVA, formiga da América do Sul, surpreende os biólogos com suas sofisticadas técnicas de horticultura. Para conseguir alimento, esse pequeno inseto fragmenta folhas e junta detritos do chão da floresta trazendo-os ao seu ninho subterrâneo. A seguir ela moe os pedacinhos formando uma massa que serve de adubo para a sua cultura de fungos. A saúva instintivamente sabe manter a sua horta a uma temperatura e umidade ideais para conseguir os melhores resultados. Para criar novas plantações, ela transfere mudinhas de fungos para novos canteiros de folhas. A saúva até mesmo domina a arte de poda para maximizar o crescimento dos fungos. Pesquisadores galeses observaram que essa horticultora habilidosa não desperdiça tempo nem energia, trabalhando de acordo com a demanda de alimentos no ninho.
Cuidar de horta envolve trabalho árduo, e a saúva tira isso de letra. Não é de admirar que a Bíblia diga: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Realmente, o instinto da saúva atesta a sabedoria do seu Criador, Jeová Deus. — Provérbios 30:24, 25.
w93 15/5 p. 32 Por que ‘ir ter com a formiga’?
Por que ‘ir ter com a formiga’?
O SÁBIO Rei Salomão, do antigo Israel, deu o seguinte conselho: “Vai ter com a formiga.” Por que disse isso? O que podemos aprender das formigas?
Salomão acrescentou: “Vê os . . . caminhos [da formiga] e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Estas palavras da antiguidade expressam verdades descobertas por naturalistas da atualidade.
Agur, escritor de provérbios, indica que as formigas são “instintivamente sábias”. (Provérbios 30:24, 25) Naturalmente, sua sabedoria não é produto de raciocínio inteligente, mas resulta dos instintos com que o Criador as dotou. Por causa do instinto, por exemplo, as formigas ajuntam seu alimento na época certa.
As formigas estão maravilhosamente organizadas. Notavelmente cooperadoras e atentas a co-trabalhadoras, ajudam formigas feridas ou exaustas a voltar ao formigueiro. Preparam-se instintivamente para o futuro e fazem todo o possível para cumprir com suas tarefas.
A atuação natural das formigas dá a entender que os humanos devem fazer planos com antecedência e trabalhar arduamente. Isto se aplica na escola, no trabalho e nas atividades espirituais. Assim como a formiga é beneficiada por sua diligência, assim Deus quer que os humanos ‘vejam o que é bom por todo o seu trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) Os verdadeiros cristãos, iguais às formigas, trabalham o dia inteiro. Fazem ‘tudo o que sua mão acha para fazer’, não porque há um chefão vigiando, mas por honestidade e com o desejo de serem trabalhadores diligentes, produtivos. — Eclesiastes 9:10; compare com Provérbios 6:9-11; veja também Tito 2:9, 10.
Seremos realmente felizes se ‘formos ter com a formiga’ e aplicarmos o que aprendemos dela. E teremos a maior felicidade se fizermos com diligência a vontade de Jeová Deus, conforme revelada na Bíblia.
it-2 p. 153 Formiga
“Um Povo.” As formigas são chamadas de “um povo” [hebr.: ʽam], em Provérbios 30:25; do mesmo modo que Joel se referiu aos gafanhotos como “uma nação” (Jl 1:6), e esta expressão é bem apropriada para estas criaturas pequeninhas. Ao passo que algumas colônias de formigas talvez tenham apenas umas poucas dezenas de formigas, outras possuem enormes populações, que ascendem a centenas de milhares. Embora, em geral, de tamanho moderado, o ninho ou a área cheia de túneis pode aumentar até atingir quase meio hectare. Dentro de cada colônia, há três castas básicas: a rainha ou rainhas, os machos e as operárias (fêmeas não desenvolvidas sexualmente). Todavia, conforme declara o provérbio, a formiga ‘não tem comandante, nem oficial ou governante’. (Pr 6:7) A rainha não é tal em sentido governamental, e pode mais apropriadamente ser chamada de formiga-mãe, porque a sua função essencial é pôr ovos. Ao passo que a rainha pode viver até 15 anos, os machos só vivem o suficiente para a fecundação e então morrem. As formigas operárias, cuja vida pode chegar aos seis anos, têm diversas tarefas a cumprir, tais como procurar e ajuntar alimentos para a colônia, alimentar a rainha, atuar como amas-secas das larvas, limpar o ninho, escavar novas câmaras, segundo as necessidades de expansão, e defender o ninho. As operárias podem ter tamanho e proporções diferentes, até numa mesma colônia, as maiores, em alguns casos, atuando como soldados, em caso de invasão do ninho. Todavia, apesar da divisão bastante precisa do trabalho (o qual, em algumas colônias, é organizado segundo a idade das operárias, e em outras segundo o tamanho) e da organização relativamente complexa existente, não há sinal de algum oficial superior, ou capataz.
PROVÉRBIOS 6:8)
“prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.”
w10 1/7 p. 9 Você Sabia?
Será que as formigas realmente recolhem seu alimento no verão?
Provérbios 6:6-8 diz: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.”
De fato, várias espécies de formiga armazenam comida. É provável que Salomão tenha se referido à formiga colhedeira (Messor semirufus), a mais comum em Israel atualmente.
Segundo certa fonte, “as formigas colhedeiras saem de seus ninhos para procurar comida quando o tempo é favorável . . . [e] recolhem sementes durante os meses mais quentes do ano”. Elas apanham sementes nas plantas ou do chão, e constroem seus ninhos subterrâneos perto de campos, celeiros ou eiras, onde há grãos.
No ninho, as formigas armazenam os alimentos numa série de câmaras de forma achatada, ligadas por uma rede de galerias. Essas câmaras podem ter até 12 centímetros de diâmetro e 1 centímetro de altura. Diz-se que uma colônia de formigas colhedeiras bem suprida consegue sobreviver “por mais de quatro meses, mesmo que lá fora não haja mais alimento ou água”.
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Seja diligente como a formiga
“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio”, admoesta Salomão. Que sabedoria podemos adquirir por examinar o comportamento de uma pequena formiga? O rei responde: “Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” — Provérbios 6:6-8.
As formigas são maravilhosamente organizadas e notavelmente cooperativas entre si. Por instinto ajuntam suprimentos de alimentos para o futuro. Não têm “comandante, nem oficial ou governante”. É verdade que há uma formiga rainha, mas ela é rainha só no sentido que põe ovos e é a mãe da colônia. Não dá ordens. Mesmo sem capataz para obrigá-las a trabalhar, nem supervisor para fiscalizá-las, as formigas continuam trabalhando incansavelmente.
Não devíamos nós ser diligentes como a formiga? Trabalhar arduamente e esforçar-nos a melhorar o nosso trabalho é bom para nós, quer sejamos supervisionados, quer não. Deveras, na escola, no nosso emprego e quando participamos em atividades espirituais, devemos fazer o melhor que pudermos. Assim como a formiga é beneficiada pela diligência, assim Deus quer que nós ‘vejamos o que é bom por todo o nosso trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) A consciência limpa e a satisfação pessoal são recompensas pelo trabalho árduo. — Eclesiastes 5:12.
g97 22/3 p. 31 Horta é com ela mesma
Horta é com ela mesma
A SAÚVA, formiga da América do Sul, surpreende os biólogos com suas sofisticadas técnicas de horticultura. Para conseguir alimento, esse pequeno inseto fragmenta folhas e junta detritos do chão da floresta trazendo-os ao seu ninho subterrâneo. A seguir ela moe os pedacinhos formando uma massa que serve de adubo para a sua cultura de fungos. A saúva instintivamente sabe manter a sua horta a uma temperatura e umidade ideais para conseguir os melhores resultados. Para criar novas plantações, ela transfere mudinhas de fungos para novos canteiros de folhas. A saúva até mesmo domina a arte de poda para maximizar o crescimento dos fungos. Pesquisadores galeses observaram que essa horticultora habilidosa não desperdiça tempo nem energia, trabalhando de acordo com a demanda de alimentos no ninho.
Cuidar de horta envolve trabalho árduo, e a saúva tira isso de letra. Não é de admirar que a Bíblia diga: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Realmente, o instinto da saúva atesta a sabedoria do seu Criador, Jeová Deus. — Provérbios 30:24, 25.
w93 15/5 p. 32 Por que ‘ir ter com a formiga’?
Por que ‘ir ter com a formiga’?
O SÁBIO Rei Salomão, do antigo Israel, deu o seguinte conselho: “Vai ter com a formiga.” Por que disse isso? O que podemos aprender das formigas?
Salomão acrescentou: “Vê os . . . caminhos [da formiga] e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” (Provérbios 6:6-8) Estas palavras da antiguidade expressam verdades descobertas por naturalistas da atualidade.
Agur, escritor de provérbios, indica que as formigas são “instintivamente sábias”. (Provérbios 30:24, 25) Naturalmente, sua sabedoria não é produto de raciocínio inteligente, mas resulta dos instintos com que o Criador as dotou. Por causa do instinto, por exemplo, as formigas ajuntam seu alimento na época certa.
As formigas estão maravilhosamente organizadas. Notavelmente cooperadoras e atentas a co-trabalhadoras, ajudam formigas feridas ou exaustas a voltar ao formigueiro. Preparam-se instintivamente para o futuro e fazem todo o possível para cumprir com suas tarefas.
A atuação natural das formigas dá a entender que os humanos devem fazer planos com antecedência e trabalhar arduamente. Isto se aplica na escola, no trabalho e nas atividades espirituais. Assim como a formiga é beneficiada por sua diligência, assim Deus quer que os humanos ‘vejam o que é bom por todo o seu trabalho árduo’. (Eclesiastes 3:13, 22; 5:18) Os verdadeiros cristãos, iguais às formigas, trabalham o dia inteiro. Fazem ‘tudo o que sua mão acha para fazer’, não porque há um chefão vigiando, mas por honestidade e com o desejo de serem trabalhadores diligentes, produtivos. — Eclesiastes 9:10; compare com Provérbios 6:9-11; veja também Tito 2:9, 10.
Seremos realmente felizes se ‘formos ter com a formiga’ e aplicarmos o que aprendemos dela. E teremos a maior felicidade se fizermos com diligência a vontade de Jeová Deus, conforme revelada na Bíblia.
w93 15/6 p. 10 pars. 9-10 A criação diz: “eles são inescusáveis”
Foi este mesmo Rei Salomão que escreveu: “Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; vê os seus caminhos e torna-te sábio. Embora não tenha comandante, nem oficial ou governante, prepara seu alimento no próprio verão; tem recolhido seus alimentos na própria colheita.” — Provérbios 6:6-8.
10 Quem ensinou às formigas a armazenarem no verão alimentos para passar o frio do inverno? Durante séculos duvidou-se da exatidão do relato de Salomão sobre essas formigas que recolhem sementes e as armazenam para uso no inverno. Ninguém encontrara qualquer evidência da sua existência. No entanto, em 1871, um naturalista britânico descobriu seus celeiros subterrâneos, e a exatidão da Bíblia em relatar isso foi vindicada. Mas como conseguiram essas formigas a previdência para saber no verão que vinha o frio do inverno, bem como a sabedoria para saber o que fazer a respeito? A própria Bíblia explica que muitas das criações de Jeová possuem programadas nelas a sabedoria para a sua sobrevivência. As formigas ceifeiras são beneficiadas por esta bênção de seu Criador.
it-2 p. 153 Formiga
A Bíblia menciona a formiga como ‘preparando seu alimento no verão e recolhendo seus alimentos na colheita’. (Pr 6:8) Uma das variedades mais comuns de formiga encontrada na Palestina, a formiga colhedeira ou ceifeira (Messor semirufus), armazena grandes suprimentos de cereais na primavera e no verão, e faz uso deles nas estações, inclusive no inverno, em que é difícil obter alimento. Esta formiga costuma ser encontrada perto de eiras, onde há abundância de sementes e de grãos. Quando a chuva faz que a umidade atinja as sementes armazenadas, as formigas colhedeiras levam depois os grãos para fora, ao sol, a fim de secarem. Sabe-se até mesmo que ela arranca a parte germinal da semente, para que não brote enquanto armazenada. As colônias de formigas colhedeiras tornam-se evidentes pelos caminhos bem batidos, bem como pelas cascas de sementes deixadas fora da entrada do formigueiro.
PROVÉRBIOS 6:10)
“Mais um pouco de sono, mais um pouco de cochilo, mais um pouco de cruzar as mãos ao estar deitado,”
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Imitando a fala do preguiçoso, o rei acrescenta: “Mais um pouco de sono, mais um pouco de cochilo, mais um pouco de cruzar as mãos ao estar deitado, e certamente chegará a tua pobreza como um bandoleiro e a tua carência como um homem armado.” (Provérbios 6:9-11) Enquanto o preguiçoso está descansando, sobrevém-lhe a pobreza com a velocidade dum bandoleiro, e a escassez o ataca como um homem armado. Os campos do preguiçoso ficam logo cheios de ervas daninhas e urtigas. (Provérbios 24:30, 31) Seus negócios dão rapidamente prejuízo. Quanto tempo é que um empregador toleraria um ocioso? E será que um aluno que é preguiçoso demais para estudar pode esperar ser bem-sucedido na escola?
PROVÉRBIOS 6:11)
“e certamente chegará a tua pobreza como um bandoleiro e a tua carência como um homem armado.”
w00 15/9 p. 26 Proteja seu nome
Imitando a fala do preguiçoso, o rei acrescenta: “Mais um pouco de sono, mais um pouco de cochilo, mais um pouco de cruzar as mãos ao estar deitado, e certamente chegará a tua pobreza como um bandoleiro e a tua carência como um homem armado.” (Provérbios 6:9-11) Enquanto o preguiçoso está descansando, sobrevém-lhe a pobreza com a velocidade dum bandoleiro, e a escassez o ataca como um homem armado. Os campos do preguiçoso ficam logo cheios de ervas daninhas e urtigas. (Provérbios 24:30, 31) Seus negócios dão rapidamente prejuízo. Quanto tempo é que um empregador toleraria um ocioso? E será que um aluno que é preguiçoso demais para estudar pode esperar ser bem-sucedido na escola?
PROVÉRBIOS 6:12)
“O homem imprestável, o homem daquilo que é prejudicial está andando com perversão de fala,”
w00 15/9 pp. 26-27 Proteja seu nome
Seja honesto
Descrevendo ainda outro tipo de comportamento que arruína a reputação da pessoa na comunidade e seu relacionamento com Deus, Salomão prossegue: “O homem imprestável, o homem daquilo que é prejudicial está andando com perversão de fala, piscando o olho, fazendo sinais com o pé, dando indicações com os dedos. Há perversidade no seu coração. Todo o tempo projeta algo mau. Continua enviando meramente contendas.” — Provérbios 6:12-14.
Esta é a descrição dum enganador. O mentiroso costuma tentar ocultar sua inveracidade. Como? Não apenas “com perversão de fala”, mas também com linguagem corporal. Um erudito salienta: “Gestos, o tom da voz e até mesmo expressões faciais são métodos calculados para enganar; por detrás duma fachada de sinceridade há uma mente pervertida e um espírito de discórdia.” Tal homem imprestável está tramando o mal e sempre causa contendas. Qual será o resultado disso para ele?
PROVÉRBIOS 6:13)
“piscando o olho, fazendo sinais com o pé, dando indicações com os dedos.”
w00 15/9 pp. 26-27 Proteja seu nome
Seja honesto
Descrevendo ainda outro tipo de comportamento que arruína a reputação da pessoa na comunidade e seu relacionamento com Deus, Salomão prossegue: “O homem imprestável, o homem daquilo que é prejudicial está andando com perversão de fala, piscando o olho, fazendo sinais com o pé, dando indicações com os dedos. Há perversidade no seu coração. Todo o tempo projeta algo mau. Continua enviando meramente contendas.” — Provérbios 6:12-14.
Esta é a descrição dum enganador. O mentiroso costuma tentar ocultar sua inveracidade. Como? Não apenas “com perversão de fala”, mas também com linguagem corporal. Um erudito salienta: “Gestos, o tom da voz e até mesmo expressões faciais são métodos calculados para enganar; por detrás duma fachada de sinceridade há uma mente pervertida e um espírito de discórdia.” Tal homem imprestável está tramando o mal e sempre causa contendas. Qual será o resultado disso para ele?
PROVÉRBIOS 6:14)
“Há perversidade no seu coração. Todo o tempo projeta algo mau. Continua enviando meramente contendas.”
w00 15/9 pp. 26-27 Proteja seu nome
Seja honesto
Descrevendo ainda outro tipo de comportamento que arruína a reputação da pessoa na comunidade e seu relacionamento com Deus, Salomão prossegue: “O homem imprestável, o homem daquilo que é prejudicial está andando com perversão de fala, piscando o olho, fazendo sinais com o pé, dando indicações com os dedos. Há perversidade no seu coração. Todo o tempo projeta algo mau. Continua enviando meramente contendas.” — Provérbios 6:12-14.
Esta é a descrição dum enganador. O mentiroso costuma tentar ocultar sua inveracidade. Como? Não apenas “com perversão de fala”, mas também com linguagem corporal. Um erudito salienta: “Gestos, o tom da voz e até mesmo expressões faciais são métodos calculados para enganar; por detrás duma fachada de sinceridade há uma mente pervertida e um espírito de discórdia.” Tal homem imprestável está tramando o mal e sempre causa contendas. Qual será o resultado disso para ele?
PROVÉRBIOS 6:15)
“É por isso que chegará repentinamente o seu desastre; num instante será quebrantado, e não haverá cura.”
w00 15/9 p. 27 Proteja seu nome
“É por isso que chegará repentinamente o seu desastre”, responde o rei de Israel. “Num instante será quebrantado, e não haverá cura.” (Provérbios 6:15) Quando o mentiroso é exposto, sua reputação é logo arruinada. Quem é que confiaria nele outra vez? Seu fim deveras é desastroso, pois “todos os mentirosos” estão alistados entre os que terão a morte eterna. (Revelação [Apocalipse] 21:8) De todos os modos, devemos “comportar-nos honestamente em todas as coisas”. — Hebreus 13:18.
PROVÉRBIOS 6:16)
“Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma:”
w00 15/9 p. 27 Proteja seu nome
Odeie o que Jeová odeia
Odiar a maldade — como isso nos impede cometer atos que prejudicam nossa reputação! Não devemos então cultivar uma aversão ao que é mau? No entanto, exatamente o que devemos odiar? Salomão declara: “Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma: olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade, a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.” — Provérbios 6:16-19.
As sete categorias mencionadas pelo provérbio são básicas e abrangem quase todos os tipos de males. “Olhos altaneiros” e “o coração que projeta ardis prejudiciais” são pecados cometidos em pensamentos. Uma “língua falsa” e “a testemunha falsa que profere mentiras” são palavras pecaminosas. “Mãos que derramam sangue inocente” e “pés que se apressam a correr para a maldade” são atos iníquos. E especialmente odioso para Jeová é o tipo de pessoa que tem prazer em instigar brigas entre os que de outro modo estariam em paz. O aumento do número de seis para sete sugere que não se pretende que a lista seja completa, visto que os humanos sempre aumentam suas ações más.
Deveras, precisamos passar a abominar aquilo que Deus odeia. Por exemplo, temos de evitar “olhos altaneiros” ou qualquer demonstração de orgulho. E certamente se tem de evitar a tagarelice prejudicial, porque ela pode facilmente causar “contendas entre irmãos”. Se divulgássemos boatos desamorosos, crítica injustificável ou mentiras, talvez não ‘derramássemos sangue inocente’, mas certamente poderíamos destruir a boa reputação de outra pessoa.
PROVÉRBIOS 6:17)
“olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente,”
w00 15/9 p. 27 Proteja seu nome
Odeie o que Jeová odeia
Odiar a maldade — como isso nos impede cometer atos que prejudicam nossa reputação! Não devemos então cultivar uma aversão ao que é mau? No entanto, exatamente o que devemos odiar? Salomão declara: “Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma: olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade, a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.” — Provérbios 6:16-19.
As sete categorias mencionadas pelo provérbio são básicas e abrangem quase todos os tipos de males. “Olhos altaneiros” e “o coração que projeta ardis prejudiciais” são pecados cometidos em pensamentos. Uma “língua falsa” e “a testemunha falsa que profere mentiras” são palavras pecaminosas. “Mãos que derramam sangue inocente” e “pés que se apressam a correr para a maldade” são atos iníquos. E especialmente odioso para Jeová é o tipo de pessoa que tem prazer em instigar brigas entre os que de outro modo estariam em paz. O aumento do número de seis para sete sugere que não se pretende que a lista seja completa, visto que os humanos sempre aumentam suas ações más.
Deveras, precisamos passar a abominar aquilo que Deus odeia. Por exemplo, temos de evitar “olhos altaneiros” ou qualquer demonstração de orgulho. E certamente se tem de evitar a tagarelice prejudicial, porque ela pode facilmente causar “contendas entre irmãos”. Se divulgássemos boatos desamorosos, crítica injustificável ou mentiras, talvez não ‘derramássemos sangue inocente’, mas certamente poderíamos destruir a boa reputação de outra pessoa.
PROVÉRBIOS 6:18)
“o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade,”
w00 15/9 p. 27 Proteja seu nome
Odeie o que Jeová odeia
Odiar a maldade — como isso nos impede cometer atos que prejudicam nossa reputação! Não devemos então cultivar uma aversão ao que é mau? No entanto, exatamente o que devemos odiar? Salomão declara: “Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma: olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade, a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.” — Provérbios 6:16-19.
As sete categorias mencionadas pelo provérbio são básicas e abrangem quase todos os tipos de males. “Olhos altaneiros” e “o coração que projeta ardis prejudiciais” são pecados cometidos em pensamentos. Uma “língua falsa” e “a testemunha falsa que profere mentiras” são palavras pecaminosas. “Mãos que derramam sangue inocente” e “pés que se apressam a correr para a maldade” são atos iníquos. E especialmente odioso para Jeová é o tipo de pessoa que tem prazer em instigar brigas entre os que de outro modo estariam em paz. O aumento do número de seis para sete sugere que não se pretende que a lista seja completa, visto que os humanos sempre aumentam suas ações más.
Deveras, precisamos passar a abominar aquilo que Deus odeia. Por exemplo, temos de evitar “olhos altaneiros” ou qualquer demonstração de orgulho. E certamente se tem de evitar a tagarelice prejudicial, porque ela pode facilmente causar “contendas entre irmãos”. Se divulgássemos boatos desamorosos, crítica injustificável ou mentiras, talvez não ‘derramássemos sangue inocente’, mas certamente poderíamos destruir a boa reputação de outra pessoa.
PROVÉRBIOS 6:19)
“a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.”
w00 15/9 p. 27 Proteja seu nome
Odeie o que Jeová odeia
Odiar a maldade — como isso nos impede cometer atos que prejudicam nossa reputação! Não devemos então cultivar uma aversão ao que é mau? No entanto, exatamente o que devemos odiar? Salomão declara: “Há seis coisas que Jeová deveras odeia; sim, há sete coisas detestáveis para a sua alma: olhos altaneiros, língua falsa e mãos que derramam sangue inocente, o coração que projeta ardis prejudiciais, pés que se apressam a correr para a maldade, a testemunha falsa que profere mentiras e todo aquele que cria contendas entre irmãos.” — Provérbios 6:16-19.
As sete categorias mencionadas pelo provérbio são básicas e abrangem quase todos os tipos de males. “Olhos altaneiros” e “o coração que projeta ardis prejudiciais” são pecados cometidos em pensamentos. Uma “língua falsa” e “a testemunha falsa que profere mentiras” são palavras pecaminosas. “Mãos que derramam sangue inocente” e “pés que se apressam a correr para a maldade” são atos iníquos. E especialmente odioso para Jeová é o tipo de pessoa que tem prazer em instigar brigas entre os que de outro modo estariam em paz. O aumento do número de seis para sete sugere que não se pretende que a lista seja completa, visto que os humanos sempre aumentam suas ações más.
Deveras, precisamos passar a abominar aquilo que Deus odeia. Por exemplo, temos de evitar “olhos altaneiros” ou qualquer demonstração de orgulho. E certamente se tem de evitar a tagarelice prejudicial, porque ela pode facilmente causar “contendas entre irmãos”. Se divulgássemos boatos desamorosos, crítica injustificável ou mentiras, talvez não ‘derramássemos sangue inocente’, mas certamente poderíamos destruir a boa reputação de outra pessoa.
PROVÉRBIOS 6:23)
“Pois o mandamento é uma lâmpada e a lei é uma luz, e as repreensões da disciplina são o caminho da vida,”
w00 15/9 pp. 27-28 Proteja seu nome
Pode termos sido criados segundo princípios bíblicos proteger-nos contra o laço da imoralidade sexual? Sim, pode. Assegura-se-nos: “O mandamento é uma lâmpada e a lei é uma luz, e as repreensões da disciplina são o caminho da vida, para guardar-te da mulher má, da maciez da língua da mulher estrangeira.” (Provérbios 6:23, 24) Lembrarmo-nos do conselho da Palavra de Deus e o usarmos como ‘lâmpada para o nosso pé e luz para a nossa senda’ nos ajudará a resistir aos convites sutis duma mulher má, ou mesmo dum homem mau. — Salmo 119:105.
PROVÉRBIOS 6:24)
“para guardar-te da mulher má, da maciez da língua da mulher estrangeira.”
w00 15/9 pp. 27-28 Proteja seu nome
Pode termos sido criados segundo princípios bíblicos proteger-nos contra o laço da imoralidade sexual? Sim, pode. Assegura-se-nos: “O mandamento é uma lâmpada e a lei é uma luz, e as repreensões da disciplina são o caminho da vida, para guardar-te da mulher má, da maciez da língua da mulher estrangeira.” (Provérbios 6:23, 24) Lembrarmo-nos do conselho da Palavra de Deus e o usarmos como ‘lâmpada para o nosso pé e luz para a nossa senda’ nos ajudará a resistir aos convites sutis duma mulher má, ou mesmo dum homem mau. — Salmo 119:105.
PROVÉRBIOS 6:25)
“Não desejes no teu coração a sua lindeza e não te cative ela com os seus olhos lustrosos,”
w00 15/9 pp. 27-28 Proteja seu nome
‘Não desejes a sua lindeza’
Salomão inicia a próxima parte do seu conselho por dizer: “Observa, filho meu, o mandamento de teu pai e não abandones a lei de tua mãe. Ata as declarações constantemente ao teu coração; enrola-as em volta da tua garganta.” O motivo disso? “Ao andares, isso te guiará; ao te deitares, isso ficará de guarda sobre ti; e quando tiveres acordado, isso mesmo se ocupará de ti.” — Provérbios 6:20-22.
Pode termos sido criados segundo princípios bíblicos proteger-nos contra o laço da imoralidade sexual? Sim, pode. Assegura-se-nos: “O mandamento é uma lâmpada e a lei é uma luz, e as repreensões da disciplina são o caminho da vida, para guardar-te da mulher má, da maciez da língua da mulher estrangeira.” (Provérbios 6:23, 24) Lembrarmo-nos do conselho da Palavra de Deus e o usarmos como ‘lâmpada para o nosso pé e luz para a nossa senda’ nos ajudará a resistir aos convites sutis duma mulher má, ou mesmo dum homem mau. — Salmo 119:105.
“Não desejes no teu coração, a sua lindeza”, admoesta o sábio rei, “e não te cative ela com os seus olhos lustrosos”. Por que não? “Visto que por causa duma mulher prostituta fica-se reduzido a um pão redondo; mas, no que se refere à esposa de outro homem, ela caça até mesmo a alma preciosa.” — Provérbios 6:25, 26.
Será que Salomão se refere a uma esposa adúltera como prostituta? Talvez. Ou pode ser que faça uma distinção entre as conseqüências de se cometer imoralidade com uma prostituta e as resultantes do adultério com a esposa de outro homem. Quem tem intimidades com uma prostituta pode ficar reduzido a “um pão redondo” — à extrema pobreza. Pode até mesmo passar a sofrer dolorosas e debilitantes doenças sexualmente transmissíveis, inclusive a mortífera Aids. Por outro lado, quem procura ter intimidade com o cônjuge de outra pessoa estaria em maior perigo imediato sob a Lei. Uma esposa adúltera põe em perigo a “alma preciosa” do seu amante. “Mais do que a abreviação da vida por devassidão . . . é indicada”, diz uma obra de referência. “O pecador está sujeito à pena de morte.” (Levítico 20:10; Deuteronômio 22:22) De qualquer modo, não importa quão bela essa mulher seja, ela não deve ser desejada.
PROVÉRBIOS 6:26)
“visto que por causa duma mulher prostituta [fica-se reduzido] a um pão redondo; mas, no que se refere à esposa de [outro] homem, ela caça até mesmo a alma preciosa.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
“Visto que por causa duma mulher prostituta fica-se reduzido a um pão redondo; mas, no que se refere à esposa de outro homem, ela caça até mesmo a alma preciosa.” — Provérbios 6:25, 26.
Será que Salomão se refere a uma esposa adúltera como prostituta? Talvez. Ou pode ser que faça uma distinção entre as conseqüências de se cometer imoralidade com uma prostituta e as resultantes do adultério com a esposa de outro homem. Quem tem intimidades com uma prostituta pode ficar reduzido a “um pão redondo” — à extrema pobreza. Pode até mesmo passar a sofrer dolorosas e debilitantes doenças sexualmente transmissíveis, inclusive a mortífera Aids. Por outro lado, quem procura ter intimidade com o cônjuge de outra pessoa estaria em maior perigo imediato sob a Lei. Uma esposa adúltera põe em perigo a “alma preciosa” do seu amante. “Mais do que a abreviação da vida por devassidão . . . é indicada”, diz uma obra de referência. “O pecador está sujeito à pena de morte.” (Levítico 20:10; Deuteronômio 22:22)
PROVÉRBIOS 6:27)
“Pode um homem juntar fogo no seu seio sem se queimarem as suas vestes?”
w10 15/4 p. 15 Você permite que Jeová lhe faça perguntas?
“Pode um homem juntar fogo no seu seio sem se queimarem as suas vestes?” (Pro. 6:27) Os primeiros nove capítulos de Provérbios incluem breves dissertações de um pai que transmite sabedoria prática ao filho. A pergunta acima refere-se às amargas consequências do adultério. (Pro. 6:29) Se nos flagrarmos flertando ou entretendo desejos sexuais errados, essa pergunta deverá soar na nossa mente como uma campainha de alarme. Em princípio, essa pergunta pode ser feita sempre que a pessoa seja tentada a adotar um proceder insensato. Com quanta clareza ela enfatiza este prático princípio bíblico: ‘Você colhe o que semeia’! — Gál. 6:7.
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
‘Não junte fogo no seu seio’
Para enfatizar ainda mais o perigo do adultério, Salomão pergunta: “Pode um homem juntar fogo no seu seio sem se queimarem as suas vestes? Ou pode um homem andar sobre brasas sem se chamuscarem os seus pés?” Explicando o sentido da ilustração, ele diz: “Assim é com aquele que tem relações com a esposa do seu próximo; ninguém que tocar nela ficará impune.” (Provérbios 6:27-29) Esse pecador certamente será punido.
“As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome”, faz-se-nos lembrar. Mesmo assim, “quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa”. (Provérbios 6:30, 31) No antigo Israel, exigia-se do ladrão um pagamento mesmo que isso acabasse com tudo o que tinha. Quanto mais merece ser punido o adúltero que não tem desculpa pelo que fez!
“Quem comete adultério com uma mulher é falto de coração”, declara Salomão. O homem falto de coração não tem bom critério, visto que “arruína a sua própria alma”. (Provérbios 6:32) Por fora ele talvez pareça ser uma pessoa de boa reputação, mas por dentro há uma grave falta de desenvolvimento correto.
Há mais envolvido no que o adúltero vai colher. “Achará praga e desonra, e seu próprio vitupério não será extinto. Pois o furor dum varão vigoroso é ciúme, e ele não terá compaixão no dia da vingança. Não terá consideração para com nenhuma sorte de resgate, nem consentirá, não importa quão grande faças o presente.” — Provérbios 6:33-35.
O ladrão pode compensar o que ele furtou, mas o adúltero não tem como fazer restituição. Que compensação poderia oferecer a um marido irado? Mesmo que o transgressor suplique muito, dificilmente será tratado com compaixão. De modo algum pode o adúltero compensar seu pecado. O vitupério e a desonra lançados sobre o seu nome permanecem. Além disso, de modo algum pode resgatar-se ou livrar-se da punição que merece.
PROVÉRBIOS 6:29)
“Assim é com aquele que tem relações com a esposa do seu próximo; ninguém que tocar nela ficará impune.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Explicando o sentido da ilustração, ele diz: “Assim é com aquele que tem relações com a esposa do seu próximo; ninguém que tocar nela ficará impune.” (Provérbios 6:27-29) Esse pecador certamente será punido.
“As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome”, faz-se-nos lembrar. Mesmo assim, “quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa”. (Provérbios 6:30, 31) No antigo Israel, exigia-se do ladrão um pagamento mesmo que isso acabasse com tudo o que tinha. Quanto mais merece ser punido o adúltero que não tem desculpa pelo que fez!
PROVÉRBIOS 6:30)
“As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome.”
w10 1/3 p. 14 Você deve ser honesto o tempo todo?
[Quadro na página 14]
Provérbios 6:30 desculpa o roubo?
Provérbios 6:30 declara: “As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome.” Essa declaração desculpa o roubo? De modo algum. O contexto mostra que mesmo assim Deus considera o ladrão responsável pelo seu erro. O próximo versículo diz: “Mas, quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa.” (Provérbios 6:31) Embora o ladrão que rouba porque está com fome talvez não esteja fazendo algo tão condenável como alguém que rouba por ganância ou para prejudicar outra pessoa, ainda assim, ele é responsável por ‘compensar’, ou devolver o que roubou. Quem quiser ter a aprovação de Deus não pode roubar em nenhuma circunstância.
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
“As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome”, faz-se-nos lembrar. Mesmo assim, “quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa”. (Provérbios 6:30, 31) No antigo Israel, exigia-se do ladrão um pagamento mesmo que isso acabasse com tudo o que tinha. Quanto mais merece ser punido o adúltero que não tem desculpa pelo que fez!
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Segundo a Lei mosaica, o ladrão tinha de restituir o dobro, o quádruplo ou o quíntuplo. (Êxodo 22:1-4) O termo “sete vezes” provavelmente indicava a plena medida da penalidade, que podia ser muitas vezes maior do que aquilo que tinha furtado.
g97 8/11 p. 19 A pobreza justifica o furto?
Contudo, Provérbios 6:30 diz que “as pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome”. Será que essa declaração desculpa o furto? De modo algum. O contexto mostra que Deus ainda considera o ladrão responsável pelo erro. O versículo seguinte diz: “Mas, quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa.” — Provérbios 6:31.
Embora o ladrão que furta porque está com fome talvez não seja tão repreensível quanto aquele que o faz por ganância ou com a intenção de prejudicar a vítima, os que querem ter a aprovação de Deus não devem ser culpados de nenhum tipo de furto.
w94 15/4 p. 20 É realmente roubo?
Considere o que a Bíblia diz sobre o roubo em outra situação aparentemente de emergência: “As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome. Mas, quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa.” (Provérbios 6:30, 31) Em outras palavras, ao ser apanhado, o ladrão tem de arcar com toda a punição prevista na lei. Segundo a Lei mosaica, o ladrão tinha de compensar o que roubou. Assim, em vez de encorajar ou justificar o roubo, a Bíblia adverte que mesmo em situações de emergência, o roubo pode resultar em perda econômica, desmoralização, e, mais sério ainda, a perda da aprovação de Deus.
PROVÉRBIOS 6:31)
“Mas, quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
“As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome”, faz-se-nos lembrar. Mesmo assim, “quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa”. (Provérbios 6:30, 31) No antigo Israel, exigia-se do ladrão um pagamento mesmo que isso acabasse com tudo o que tinha. Quanto mais merece ser punido o adúltero que não tem desculpa pelo que fez!
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Segundo a Lei mosaica, o ladrão tinha de restituir o dobro, o quádruplo ou o quíntuplo. (Êxodo 22:1-4) O termo “sete vezes” provavelmente indicava a plena medida da penalidade, que podia ser muitas vezes maior do que aquilo que tinha furtado.
w94 15/4 p. 20 É realmente roubo?
Considere o que a Bíblia diz sobre o roubo em outra situação aparentemente de emergência: “As pessoas não desprezam o ladrão só porque furta para encher a sua alma quando está com fome. Mas, quando descoberto, ele o compensará com sete vezes tanto; dará todos os valores da sua casa.” (Provérbios 6:30, 31) Em outras palavras, ao ser apanhado, o ladrão tem de arcar com toda a punição prevista na lei. Segundo a Lei mosaica, o ladrão tinha de compensar o que roubou. Assim, em vez de encorajar ou justificar o roubo, a Bíblia adverte que mesmo em situações de emergência, o roubo pode resultar em perda econômica, desmoralização, e, mais sério ainda, a perda da aprovação de Deus.
PROVÉRBIOS 6:32)
“Quem comete adultério com uma mulher é falto de coração; quem faz isso, arruína a sua própria alma.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
“Quem comete adultério com uma mulher é falto de coração”, declara Salomão. O homem falto de coração não tem bom critério, visto que “arruína a sua própria alma”. (Provérbios 6:32) Por fora ele talvez pareça ser uma pessoa de boa reputação, mas por dentro há uma grave falta de desenvolvimento correto.
rs p. 187 par. 3 Independência
“Quem comete adultério com uma mulher . . . arruína a sua própria alma.” (Pro. 6:32) (Quanto à homossexualidade, veja Romanos 1:24-27.) (As relações sexuais ilícitas podem, na ocasião, parecer agradáveis. Mas conduzem a doenças repugnantes, a gravidez indesejada, a aborto, a ciúme, a consciência pesada, a distúrbios emocionais e certamente à desaprovação de Deus, de quem depende nossa perspectiva de vida futura.)
it-1 p. 556 Coração
Que a expressão “falto de coração” inclui a idéia de falta de bom senso ou discernimento é evidente do contexto em que é usada nas Escrituras. Em Provérbios 6:32, o sábio diz que quem comete adultério “é falto de coração”. Outras traduções rezam aqui: “carece de senso” (CBC), “sem juízo” (BJ, BLH), “falto de entendimento” (Al, IBB), “insensato” (MC, PIB). O adúltero é “insensato” em vista dos frutos amargos de tal imoralidade sexual. (Pr 1:2-4; 6:23-35; 7:7, 21-27) Por fora ele talvez pareça ser alguém de boa reputação, mas o homem interior tem séria falta de desenvolvimento correto.
PROVÉRBIOS 6:33)
“Achará praga e desonra, e seu próprio vitupério não será extinto.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Há mais envolvido no que o adúltero vai colher. “Achará praga e desonra, e seu próprio vitupério não será extinto. Pois o furor dum varão vigoroso é ciúme, e ele não terá compaixão no dia da vingança. Não terá consideração para com nenhuma sorte de resgate, nem consentirá, não importa quão grande faças o presente.” — Provérbios 6:33-35.
O ladrão pode compensar o que ele furtou, mas o adúltero não tem como fazer restituição. Que compensação poderia oferecer a um marido irado? Mesmo que o transgressor suplique muito, dificilmente será tratado com compaixão. De modo algum pode o adúltero compensar seu pecado. O vitupério e a desonra lançados sobre o seu nome permanecem. Além disso, de modo algum pode resgatar-se ou livrar-se da punição que merece.
PROVÉRBIOS 6:34)
“Pois o furor dum varão vigoroso é ciúme, e ele não terá compaixão no dia da vingança.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Há mais envolvido no que o adúltero vai colher. “Achará praga e desonra, e seu próprio vitupério não será extinto. Pois o furor dum varão vigoroso é ciúme, e ele não terá compaixão no dia da vingança. Não terá consideração para com nenhuma sorte de resgate, nem consentirá, não importa quão grande faças o presente.” — Provérbios 6:33-35.
O ladrão pode compensar o que ele furtou, mas o adúltero não tem como fazer restituição. Que compensação poderia oferecer a um marido irado? Mesmo que o transgressor suplique muito, dificilmente será tratado com compaixão. De modo algum pode o adúltero compensar seu pecado. O vitupério e a desonra lançados sobre o seu nome permanecem. Além disso, de modo algum pode resgatar-se ou livrar-se da punição que merece.
PROVÉRBIOS 6:35)
“Não terá consideração para com nenhuma sorte de resgate, nem consentirá, não importa quão grande faças o presente.”
w00 15/9 p. 28 Proteja seu nome
Há mais envolvido no que o adúltero vai colher. “Achará praga e desonra, e seu próprio vitupério não será extinto. Pois o furor dum varão vigoroso é ciúme, e ele não terá compaixão no dia da vingança. Não terá consideração para com nenhuma sorte de resgate, nem consentirá, não importa quão grande faças o presente.” — Provérbios 6:33-35.
O ladrão pode compensar o que ele furtou, mas o adúltero não tem como fazer restituição. Que compensação poderia oferecer a um marido irado? Mesmo que o transgressor suplique muito, dificilmente será tratado com compaixão. De modo algum pode o adúltero compensar seu pecado. O vitupério e a desonra lançados sobre o seu nome permanecem. Além disso, de modo algum pode resgatar-se ou livrar-se da punição que merece.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

LINKS PATROCINADOS

ADDTHIS