PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

SALMOS 110-118 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 29 de agosto–4 de setembro

ADS

TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS:
TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | SALMOS 110-118

“COMO VOU RETRIBUIR A JEOVÁ?”: (10 MIN)

O salmista foi salvo “das cordas da morte” e por isso se sentia profundamente grato a Jeová. (Sal 116:3) Ele estava decidido a mostrar que era grato. Como? Por cumprir todas as suas promessas e fazer tudo que Jeová esperava dele.
Que motivos eu tenho esta semana para ser grato a Jeová?
Como posso mostrar a Jeová que sou grato?

Sal 116:3, 4, 8 — Jeová salvou a vida do salmista (w87 15/3 24 § 5)

Tradução do Novo MundoSalmo 116:3, 4
3 Cercaram-me as cordas da morte;
A Sepultura se apoderou de mim.
Fui dominado por aflição e tristeza.
4 Mas invoquei o nome de Jeová:
“Ó Jeová, livra-me!”
Tradução do Novo MundoSalmo 116:8
8 Tu me livraste da morte,
Os meus olhos das lágrimas, o meu pé do tropeço.
w87 15/3 p. 24 Deus feliz, povo feliz!
110:3 — Qual é o significado de ter “homens jovens assim como gotas de orvalho”?
O orvalho é associado com bênção, produtividade e abundância. (Gênesis 27:28) As gotas de orvalho também são suaves, refrescantes, sustentadoras de vida e numerosas. Nos dias da força militar do Rei messiânico, seus súditos se oferecem pronta e alegremente, em números tão grandes, que podem ser comparados a gotas de orvalho. Iguais a refrescantes gotas de orvalho, em toda a organização de Jeová há hoje numerosos jovens, homens e mulheres, que prestam serviço a Deus e a seus companheiros na adoração.

Sal 116:12 — O salmista queria mostrar sua gratidão a Jeová (w09 15/7 29 §§ 4-5; w98 1/12 24 § 3)

Tradução do Novo MundoSalmo 116:12
12 Como vou retribuir a Jeová
Todo o bem que me tem feito?
A Sentinela (2009) Receba com gratidão — dê de todo o coração
O salmista perguntou: ‘Que pagarei a Jeová por todos os benefícios que me fez?’ (Sal. 116:12) Que benefícios ele havia recebido? Jeová o sustentara num período de “aflição e pesar” e havia ‘socorrido sua alma da morte’. Agora, o salmista queria ‘pagar’ a Jeová de alguma maneira. O que poderia fazer? Ele disse: “Pagarei meus votos a Jeová.” (Sal. 116:3, 4, 8, 10-14) Ele decidiu manter todas as promessas solenes que fizera a Jeová e cumprir todas as suas obrigações para com Ele.
Você pode fazer o mesmo. Como? Por sempre conduzir sua vida de um modo que se ajuste às leis e aos princípios de Deus. Por isso, certifique-se de que sua adoração a Jeová continue a ser a coisa mais importante na sua vida e permita que o espírito de Deus o guie em tudo o que você faz. (Ecl. 12:13; Gál. 5:16-18) Na verdade, você nunca poderá retribuir na inteireza tudo o que Jeová tem feito por você. No entanto, observar que você está dando de si de todo o coração no serviço de Jeová ‘alegra o Seu coração’. (Pro. 27:11) Que privilégio maravilhoso é agradar a Jeová dessa maneira!
w98 1/12 p. 24 No limiar de atividades maiores
Conselhos finais dos instrutores
Seguiram-se discursos de três membros do corpo docente de Gileade. Karl Adams falou primeiro sobre o assunto “O que você pagará de volta a Jeová?”. Seu discurso baseava-se no Salmo 116, que Jesus talvez cantasse na noite antes da sua morte. (Mateus 26:30, nota na NM com Referências.) Em que pensou Jesus ao cantar as palavras: “Que pagarei de volta a Jeová por todos os benefícios que me fez”? (Salmo 116:12) Talvez pensasse no corpo perfeito que Jeová lhe preparara. (Hebreus 10:5) No dia seguinte, ele teria de oferecer este corpo em sacrifício, o que provaria a profundidade do seu amor. Os estudantes da 105.a turma haviam provado a bondade de Jeová nos últimos cinco meses. Agora iriam mostrar seu amor a Deus por trabalhar arduamente nas suas designações missionárias.

Sal 116:13, 14, 17, 18 — O salmista estava decidido a fazer tudo o que Jeová esperava dele (w10 15/4 27, quadro)

Tradução do Novo MundoSalmo 116:13, 14
13 Levantarei o cálice da salvação,
E invocarei o nome de Jeová.
14 Cumprirei os meus votos a Jeová
Na presença de todo o seu povo.
Tradução do Novo MundoSalmo 116:17, 18
17 Oferecerei a ti o sacrifício de agradecimento;
Invocarei o nome de Jeová.
18 Cumprirei os meus votos a Jeová
Na presença de todo o seu povo,
A Sentinela (2010) Está seguindo plenamente a Cristo?
O que o ajudará a continuar a seguir a Cristo?
▪ Leia diariamente a Palavra de Deus, e medite sobre o que você lê. — Sal. 1:1-3; 1 Tim. 4:15.
▪ Ore com frequência pedindo o apoio e a orientação do espírito de Deus. — Zac. 4:6; Luc. 11:9, 13.
▪ Associe-se com os que demonstram sincero zelo pelo ministério. — Pro. 13:20; Heb. 10:24, 25.
▪ Reconheça a urgência dos tempos em que vivemos. — Efé. 5:15, 16.
▪ Tenha em mente as sérias consequências de ‘se escusar’. — Luc. 9:59-62.
▪ Reflita regularmente sobre seu voto de dedicação e as muitas bênçãos resultantes de servir a Jeová e seguir a Cristo de todo coração. — Sal. 116:12-14; 133:3; Pro. 10:22.

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)

Sal 110:4— O que é o “juramento” mencionado nesse versículo? (w14 15/10 11 §§ 15-17; w06 1/9 14 § 1)

Tradução do Novo MundoSalmo 110:4
4 Jeová fez um juramento, e não voltará atrás:
“Você é sacerdote para sempre
À maneira de Melquisedeque!”
A Sentinela (2014) Tenha fé inabalável no Reino
15-17. De acordo com o pacto para um sacerdote como Melquisedeque, que papel adicional o descendente desempenharia, e por quê?
15 Ao passo que o pacto abraâmico e o pacto davídico garantem que o descendente da mulher teria uma função de rei, esse papel por si só não seria suficiente para trazer bênçãos às pessoas de todas as nações. Para que fossem plenamente abençoadas, elas precisariam ser libertadas de sua condição pecaminosa e passar a fazer parte da família universal de Jeová. Para que isso se tornasse realidade, o descendente também teria de desempenhar um papel de sacerdote. Nosso sábio Criador providenciou isso por meio de outro acordo legal: o pacto para um sacerdote como Melquisedeque.
16 Por meio do Rei Davi, Jeová revelou que faria um pacto pessoal com Jesus que teria um objetivo duplo: fazer com que ele ‘se sentasse à direita’ de Deus até que subjugasse seus inimigos e que se tornasse um “sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque”. (Leia Salmo 110:1, 2, 4.) Por que “à maneira de Melquisedeque”? Porque muito antes de qualquer descendente de Abraão herdar a Terra Prometida, Melquisedeque, rei de Salém, serviu como “sacerdote do Deus Altíssimo”. (Heb. 7:1-3) Ele havia sido designado diretamente por Jeová para esse fim. Ele é o único mencionado nas Escrituras Hebraicas que serviu como rei e sacerdote ao mesmo tempo. Além disso, visto que não há nenhum registro de alguém que tenha ocupado uma posição assim antes ou depois de Melquisedeque, ele pode ser chamado de “sacerdote perpetuamente”, ou para sempre.
17 Jesus foi designado diretamente por Deus para ser sacerdote por meio desse pacto pessoal que Jeová fez com ele, e ele será “sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque”. (Heb. 5:4-6) Isso mostra claramente que Jeová se comprometeu legalmente a usar o Reino messiânico para realizar seu propósito original com respeito aos humanos na Terra.
A Sentinela (2006) Destaques do livro quinto dos Salmos
110:4 — A respeito de que Jeová ‘jurou sem deplorar’? Esse juramento é o pacto que Jeová fez com Jesus Cristo para que este servisse como Rei e Sumo Sacerdote. — Lucas 22:29.

Sal 116:15— Num discurso fúnebre, por que esse versículo não deve ser aplicado à pessoa que faleceu? (w12 15/5 22 § 2)

Tradução do Novo MundoSalmo 116:15
15 Dolorosa aos olhos de Jeová
É a morte dos que lhe são leais.
A Sentinela (2012) Perguntas dos Leitores
Ao proferir um discurso fúnebre de um cristão, portanto, não é adequado aplicar o Salmo 116:15 ao morto, mesmo que tenha falecido fiel a Jeová. Por que não? Porque a declaração do salmista tem um sentido mais amplo. Significa que, para Deus, a morte do grupo inteiro dos leais a ele é custosa demais para ele permitir que isso aconteça. — Veja Salmo 72:14; 116:8.

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

SALMOS 110-118 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS

SALMO 110:1)
“A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: “Senta-te à minha direita, Até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.””
cl cap. 19 p. 194 par. 13 “A sabedoria de Deus em segredo sagrado”
13 Sob inspiração, Davi escreveu: “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: ‘Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.’
cl cap. 19 p. 194 par. 13 “A sabedoria de Deus em segredo sagrado”
Salmo 110:1,
cl cap. 19 p. 194 par. 13 “A sabedoria de Deus em segredo sagrado”
As palavras de Davi se aplicavam diretamente ao Descendente prometido, ou Messias. (Atos 2:35, 36) Esse Rei governaria, não em Jerusalém, mas desde os céus, à “direita” de Jeová. Isso lhe daria autoridade não só sobre o território de Israel, mas sobre toda a Terra. (Salmo 2:6-8)
w12 15/10 p. 26 par. 14 Obedeça a Deus e beneficie-se de suas promessas juramentadas
14 Segundo, Jeová inspirou Davi a predizer que esse Rei sem igual serviria também como Sumo Sacerdote da humanidade. Em Israel o reinado e o sacerdócio eram totalmente separados. Os sacerdotes eram da tribo de Levi, e os reis eram da tribo de Judá. Mas Davi profetizou a respeito desse futuro herdeiro ilustre: “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: ‘Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.’ Jeová jurou (e não o deplorará): ‘Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!’” (Sal. 110:1, 4) Em cumprimento dessa profecia, Jesus Cristo, o Descendente prometido, governa agora no céu. Ele serve também como Sumo Sacerdote da humanidade por ajudar os arrependidos a entrar numa relação aceitável com Deus. — Leia Hebreus 7:21, 25, 26.
w06 1/9 p. 13 Destaques do livro quinto dos Salmos
110:1, 2 — O que o “Senhor [de Davi]”, Jesus Cristo, fazia enquanto estava sentado à direita de Deus? Logo após a sua ressurreição, Jesus subiu ao céu e esperou à direita de Deus até 1914 para começar a reinar. Durante esse tempo, Jesus governava seus seguidores ungidos, liderando-os na obra de pregar e fazer discípulos e preparando-os para reinar com ele em seu Reino. — Mateus 24:14; 28:18-20; Lucas 22:28-30.
kl cap. 10 p. 96 par. 15 O Reino de Deus já domina
15 Referindo-se profeticamente a Jesus como “Senhor”, o Rei Davi disse: “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: ‘Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.’” (Salmo 110:1; note Atos 2:34-36.) Esta profecia indica que o governo de Jesus não começaria logo após a sua ascensão ao céu. Em vez disso, ele teria de esperar à direita de Deus. (Hebreus 10:12, 13)
w94 1/6 pp. 28-29 “Jesus Cristo é Senhor” — como e quando?
“Jesus Cristo é Senhor” — como e quando?
“DISSE o SENHOR ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos debaixo dos teus pés.” É assim que a versão Almeida, atualizada, traduz o Salmo 110:1. Quem é “o SENHOR” aqui, e a quem ele se dirige?
Uma tradução mais exata do texto hebraico responde prontamente à primeira pergunta. “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: . . . ” Assim, “SENHOR ” em letras maiúsculas refere-se ao Deus todo-poderoso, o próprio Jeová. Embora a versão Almeida, atualizada, reconheça o nome divino por grafá-lo “SENHOR” em vez de “Senhor”, ela não foi a primeira a confundir estes títulos, pois a Septuaginta grega antiga, traduzida do hebraico, usou “Senhor” no lugar de Jeová em cópias posteriores. Por quê? Porque o título “Senhor” passou a substituir o nome divino, o Tetragrama (יהוה). O erudito A. E. Garvie diz: “O uso do título Senhor [ký•ri•os] é provavelmente explicado com mais facilidade pelo uso deste título na sinagoga judaica em vez do nome que aparece no pacto quando as Escrituras eram lidas, Yahveh [Jeová].”
A Bíblia identifica Jeová como o “Soberano Senhor”. (Gênesis 15:2, 8; Atos 4:24; Revelação 6:10) Ele é também chamado de ‘o verdadeiro Senhor’ e “o Senhor de toda a terra”. (Êxodo 23:17; Josué 3:13; Revelação 11:4) Quem, então, é o outro “Senhor” do Salmo 110:1, e como ele veio a ser reconhecido como tal por Jeová?
Jesus Cristo como “Senhor”
Jesus é tratado por “Senhor” nos quatro Evangelhos, mais acentuadamente em Lucas e João. No primeiro século EC, este título denotava respeito e cortesia, sendo equivalente à palavra inglesa “Sir” (Senhor). (João 12:21; 20:15, Interlinear do Reino) No evangelho de Marcos o termo “Instrutor”, ou Rabôni, é usado mais freqüentemente ao se dirigir a Jesus. (Compare Marcos 10:51 com Lucas 18:41.) Até a pergunta de Saulo na estrada para Damasco: “Quem és, Senhor?”, tem o mesmo sentido geral duma indagação cortês. (Atos 9:5) Mas à medida que os seguidores de Jesus vieram a conhecer o seu Mestre, é evidente que o uso que faziam do título “Senhor” expressava muito mais do que simples respeito.
Após sua morte e ressurreição, mas antes de sua ascensão ao céu, Jesus apareceu a seus discípulos e fez esta declaração surpreendente: “Foi-me dada toda a autoridade no céu e na terra.” (Mateus 28:18) Daí, no dia de Pentecostes, sob a influência do espírito santo que havia sido derramado, Pedro mencionou o Salmo 110:1 e disse: “Portanto, que toda a casa de Israel saiba com certeza que Deus o fez tanto Senhor como Cristo, a este Jesus, a quem pregastes numa estaca.” (Atos 2:34-36) Devido à sua fidelidade ao ponto de suportar uma morte vergonhosa na estaca de tortura, Jesus foi ressuscitado e recebeu a mais alta recompensa. Ele então passou a exercer seu senhorio nos céus.
O apóstolo Paulo confirmou as palavras de Pedro ao escrever que Deus ‘o assentara [a Cristo] à sua direita nos lugares celestiais, muito acima de todo governo, e autoridade, e poder, e senhorio, e todo nome dado, não só neste sistema de coisas, mas também no que há de vir’. (Efésios 1:20, 21) O senhorio de Jesus Cristo está acima de todos os outros, e continuará assim no novo mundo. (1 Timóteo 6:15) Ele foi enaltecido a “uma posição superior” e foi-lhe dado “o nome que está acima de todo outro nome” para que todos reconheçam “que Jesus Cristo é Senhor, para a glória de Deus, o Pai”. (Filipenses 2:9-11) Cumpriu-se dessa forma a primeira parte do Salmo 110:1, e “anjos, e autoridades, e poderes” foram sujeitos ao senhorio de Jesus. — 1 Pedro 3:22; Hebreus 8:1.
Nas Escrituras Hebraicas, a expressão “Senhor dos senhores” aplica-se somente a Jeová. (Deuteronômio 10:17; Salmo 136:2, 3) Mas Pedro, sob inspiração, disse a respeito de Cristo Jesus: “Este é o Senhor de todos os demais [ou: “Senhor de todos nós”, Goodspeed].” (Atos 10:36) Ele é deveras “Senhor tanto sobre mortos como sobre viventes”. (Romanos 14:8, 9) Os cristãos reconhecem prontamente a Jesus Cristo como seu Senhor e Dono, e voluntariamente mostram-se obedientes a ele como seus súditos, comprados com o seu sangue muito precioso. E Jesus Cristo tem governado como Rei dos reis e Senhor dos senhores sobre sua congregação desde Pentecostes de 33 EC. Mas agora, desde 1914, foi-lhe dada autoridade régia para governar nesta posição com os seus inimigos colocados como ‘escabelo para os pés’. Era então o tempo oportuno de ele ‘subjugar no meio deles’, em cumprimento do Salmo 110:1, 2. — Hebreus 2:5-8; Revelação 17:14; 19:16.
si p. 247 par. 25 Livro bíblico número 58 — Hebreus
25 Além do mais, na carta de Paulo aos hebreus, encontramos evidência animadora de que as profecias registradas há muito nas Escrituras Hebraicas foram, mais tarde, cumpridas de modo maravilhoso. Tudo isso é para a nossa instrução e consolo hoje em dia. Por exemplo, em Hebreus, Paulo cinco vezes aplica as palavras da profecia do Reino, no Salmo 110:1, a Jesus Cristo como o Descendente do Reino, que “se tem assentado à direita do trono de Deus”, esperando “até que os seus inimigos sejam postos por escabelo dos seus pés”. (Heb. 12:2; 10:12, 13; 1:3, 13; 8:1)
pe cap. 16 p. 137 pars. 8-10 O governo de Deus inicia seu domínio
Quando chegou o tempo para Cristo começar a dominar, Jeová disse-lhe: “Subjuga [ou, conquista] no meio dos teus inimigos.” — Salmo 110:1, 2, 5, 6.
9 Soa estranho que alguém seria inimigo do governo de Deus? Na verdade, nem todos desejam viver sob um governo que exige que seus súditos façam o que é correto. Assim, após narrar como Jeová e seu Filho assumiriam o domínio mundial, a Bíblia diz: “As nações ficaram furiosas.” (Revelação 11:15, 17, 18) As nações não acolhem bem o reino de Deus porque Satanás as desencaminha, em oposição a este reino.
10 Quando o governo de Deus começa seu domínio, Satanás e seus anjos ainda estão morando no céu. Visto que se opõem ao domínio do reino, a guerra irrompe logo em seguida. Em resultado, Satanás e seus anjos são expulsos do céu.
it-2 p. 50 Estêvão
Estêvão foi o primeiro a dar testemunho de que observara, numa visão especial, Jesus retornado ao céu e à mão direita de Deus, conforme profetizado no Salmo 110:1. — At 7:55, 56.
it-2 p. 763 Mão
Estar à mão direita dum governante significava ter a posição mais importante, logo depois do próprio governante (Sal 110:1; At 7:55, 56; Ro 8:34; 1Pe 3:22),
ws cap. 3 p. 22 pars. 3-4 O domínio do “Príncipe da Paz” no meio de inimigos
Pouco antes de sua morte como mártir, ele teve uma disputa com seus oponentes religiosos e citou o Salmo 110. Lemos sobre isso em Lucas 20:41-44: “Ele, por sua vez, lhes disse: ‘Como é que dizem que o Cristo é filho de Davi? Porque o próprio Davi diz no livro dos Salmos: “Jeová disse ao meu Senhor: Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.” Davi, portanto, chama-o de “Senhor”; então, como é que ele é seu filho?’”
4 Torna-se assim evidente que Jesus Cristo, como o Filho de Davi, não começaria a dominar só após a conversão do mundo. Em vez disso, ele começaria a dominar no meio de inimigos que Jeová Deus, por meio duma guerra, finalmente converteria em escabelo para os pés de seu entronizado Filho.
SALMO 110:2)
“Jeová enviará de Sião o bastão da tua força, [dizendo:] “Subjuga no meio dos teus inimigos.””
gt cap. 132 À direita de Deus
Naquele ano, Jeová deu a Jesus a ordem de subjugar no meio dos seus inimigos!
Obedecendo às ordens do Pai, Jesus purificou os céus da presença de Satanás e seus demônios, lançando-os para baixo, à Terra. Depois de ver isso acontecer em visão, João ouve uma voz celestial proclamar: “Agora se realizou a salvação, e o poder, e o reino de nosso Deus, e a autoridade do seu Cristo!” Sim, em 1914 Cristo começou a dominar como Rei!
Que boas novas para os adoradores de Jeová no céu! Eles são instados: “Regozijai-vos, ó céus, e vós os que neles residis!” Mas qual é a situação para os na Terra? “Ai da terra e do mar, porque desceu a vós o Diabo, tendo grande ira, sabendo que ele tem um curto período de tempo.”
Estamos nesse curto período de tempo agora mesmo. Atualmente, as pessoas manifestam se estão habilitadas para entrarem no novo mundo de Deus ou se irão para a destruição. A verdade é: seu próprio destino está agora sendo determinado pelo modo como você reage às boas novas do Reino de Deus que estão sendo pregadas em toda a Terra sob a direção de Cristo.
Jesus Cristo depois servirá como Agente de Deus para livrar a Terra do inteiro sistema de coisas de Satanás e de todos os que o apoiam. Jesus efetuará a remoção de toda a iniquidade na guerra que a Bíblia chama de Har-Magedon, ou Armagedom. Depois disso, Jesus, a maior Pessoa do universo, depois do próprio Jeová Deus, se apoderará de Satanás e seus demônios e os amarrará por mil anos num “abismo”, isto é, um estado de inatividade semelhante à morte.
gt cap. 132 À direita de Deus
Enquanto está à direita de Deus, Jesus aguarda a ordem de seu Pai: “Subjuga no meio dos teus inimigos.” Mas, nesse ínterim, até tomar ação contra os seus inimigos, o que faz Jesus?
pe cap. 16 p. 137 pars. 8-10 O governo de Deus inicia seu domínio
Quando chegou o tempo para Cristo começar a dominar, Jeová disse-lhe: “Subjuga [ou, conquista] no meio dos teus inimigos.” — Salmo 110:1, 2, 5, 6.
9 Soa estranho que alguém seria inimigo do governo de Deus? Na verdade, nem todos desejam viver sob um governo que exige que seus súditos façam o que é correto. Assim, após narrar como Jeová e seu Filho assumiriam o domínio mundial, a Bíblia diz: “As nações ficaram furiosas.” (Revelação 11:15, 17, 18) As nações não acolhem bem o reino de Deus porque Satanás as desencaminha, em oposição a este reino.
10 Quando o governo de Deus começa seu domínio, Satanás e seus anjos ainda estão morando no céu. Visto que se opõem ao domínio do reino, a guerra irrompe logo em seguida. Em resultado, Satanás e seus anjos são expulsos do céu.
it-2 p. 395 Inimigo
No entanto, após a sua ressurreição, ele “se assentou à direita de Deus, daí em diante esperando até que os seus inimigos sejam postos por escabelo dos seus pés”. (He 10:12, 13; Lu 20:41-43) Esta profecia foi registrada no Salmo 110, declarando a ordem de Jeová a seu Filho: “Subjuga no meio dos teus inimigos.” (Sal 110:2) Revela-se que estes inimigos de Jeová e de seu “ungido” se compõem de “nações”, “grupos nacionais”, “reis da terra” e “dignitários”. (Sal 2:1-9) Em Revelação 19:11-21, o personagem chamado “Fiel e Verdadeiro”, “A Palavra de Deus” e “Rei dos reis e Senhor dos senhores” é descrito como conduzindo os exércitos dos céus contra seus inimigos. Seus inimigos são aqui descritos como “a fera e os reis da terra, e os seus exércitos” e o “falso profeta”, a todos os quais Cristo aniquila.
SALMO 110:3)
“Teu povo se oferecerá voluntariamente no dia da tua força militar. Nos esplendores da santidade, da madre da alva, Tens a tua companhia de homens jovens assim como gotas de orvalho.”
kr cap. 6 pp. 61-65 pars. 5-18 Um povo que prega — ministros se oferecem voluntariamente
Mais de mil anos antes de Jesus nascer na Terra, Jeová inspirou Davi a escrever sobre o tempo em que o Messias começaria a governar. (Leia Salmo 110:1-3.) Jesus, o Rei recém-entronizado, teria inimigos que se oporiam a ele. Mas ele teria também um exército de apoiadores. Não seria necessário obrigá-los a servir ao Rei. Mesmo os jovens entre eles se ofereceriam de bom grado, tornando-se uma multidão tão grande que poderia muito bem ser comparada a inúmeras gotas de orvalho cobrindo o solo ao amanhecer.
6 Jesus sabia que a profecia registrada no Salmo 110 se referia a ele. (Mat. 22:42-45) Por isso, ele tinha todos os motivos para confiar que teria apoiadores leais que se ofereceriam voluntariamente para pregar as boas novas em toda a Terra. O que os fatos históricos mostram? Será que o Rei realmente convocou um exército de pregadores voluntários nestes últimos dias?
“Meu privilégio e dever é anunciar essa mensagem”
7 Pouco depois de ser entronizado, Jesus tomou medidas para preparar seus seguidores para a grande obra a ser feita. Como vimos no Capítulo 2, ele fez uma obra de inspeção e purificação de 1914 até o início de 1919. (Mal. 3:1-4) Mais tarde em 1919, ele designou o escravo fiel para tomar a dianteira entre seus seguidores. (Mat. 24:45) A partir de então, esse escravo começou a fornecer alimento espiritual — por meio de discursos de congressos e publicações impressas — que enfatizou repetidas vezes a responsabilidade de todos os cristãos em ter uma participação pessoal na pregação.
8 Discursos de congressos. Ansiosos por orientação, os Estudantes da Bíblia se reuniram em Cedar Point, Ohio, EUA, de 1.° a 8 de setembro de 1919 para seu primeiro grande congresso depois da Primeira Guerra Mundial. No segundo dia do congresso, o irmão Rutherford proferiu um discurso em que disse de forma bem direta aos congressistas: “A missão do cristão na Terra . . . é proclamar a mensagem do Reino . . . do Senhor.”
9 O ponto alto daquele congresso ocorreu três dias depois quando o irmão Rutherford proferiu o discurso “Comunicado aos colaboradores”, que foi publicado em A Sentinela sob o título “Anunciando o Reino”. Ele declarou: “Nos momentos sérios, é natural o cristão se perguntar: por que estou na Terra? E a resposta com certeza deve ser: o Senhor graciosamente fez de mim seu embaixador para levar a mensagem divina de reconciliação ao mundo, e meu privilégio e dever é anunciar essa mensagem.”
10 Naquele discurso histórico, o irmão Rutherford anunciou que uma nova revista, The Golden Age (A Idade de Ouro, hoje chamada Despertai!), seria publicada para atrair as pessoas ao Reino, mostrando que ele é a única esperança da humanidade. Daí, ele perguntou quantos dos presentes gostariam de participar na distribuição dessa revista. Um relatório sobre o congresso explicou: “Ver a reação dos presentes foi algo emocionante! Seis mil pessoas se levantaram como se fossem uma só pessoa.” Ficou claro que o Rei tinha apoiadores dispostos que estavam ansiosos para proclamar o seu Reino.
11 Publicações impressas. Por meio das páginas de A Sentinela, a importância da obra predita por Jesus — isto é, a pregação das boas novas do Reino — ficou cada vez mais clara. Veja alguns exemplos do início da década de 20.
12 Que mensagem seria proclamada em cumprimento de Mateus 24:14? Quando essa obra seria realizada? O número de 1.° de julho de 1920 de A Sentinela, no artigo “Evangelho do Reino”, explicou essa mensagem, dizendo: “As boas novas referidas aqui são a respeito do fim da velha ordem de coisas e do estabelecimento do reino do Messias.” O artigo mostrou claramente quando essa mensagem seria pregada, dizendo: “Esta mensagem tem de ser proferida entre o tempo da grande guerra mundial [Primeira Guerra Mundial] e o tempo da ‘grande tribulação’.” Então, o artigo observou: “Agora é a hora . . . de proclamar essas boas novas por toda a parte da cristandade.”
13 Será que o povo de Deus seria pressionado a fazer a obra que Jesus predisse? Não. O artigo “Tende boa coragem”, de A Sentinela de 15 de março de 1921, apelou para o espírito voluntário dos cristãos ungidos. Cada um foi incentivado a se perguntar: “Encaro como meu maior privilégio, bem como meu dever, participar nessa obra?” O artigo disse também: “Nós nos sentimos confiantes de que, quando você encara [sua participação na obra como um privilégio], será como Jeremias, em cujo coração a palavra do Senhor era ‘como um fogo aceso encerrado nos [seus] ossos’, impelindo-o de tal modo que ele não podia deixar de falar.” (Jer. 20:9) Esse incentivo caloroso refletia a confiança que Jeová e Jesus têm nos leais apoiadores do Reino.
14 Como os cristãos verdadeiros deviam contatar as pessoas com a mensagem do Reino? Em 1922, A Sentinela de 15 de agosto publicou um artigo curto, porém poderoso, intitulado “O serviço é essencial”. Ele orientou os cristãos ungidos a “ativamente levar a mensagem impressa às pessoas e conversar com elas nas portas, dando testemunho de que o reino dos céus está próximo”.
15 Sem dúvida, a partir de 1919, Cristo usou seu escravo fiel e discreto para enfatizar repetidas vezes que proclamar a mensagem do Reino é um privilégio e um dever do cristão na Terra. Mas como os Estudantes da Bíblia reagiram ao incentivo de participar na obra de proclamar o Reino?
“Os fiéis serão voluntários”
16 Nas décadas de 20 e 30, alguns resistiram à ideia de que todos os cristãos ungidos deviam participar no ministério. A Sentinela de 1.° de novembro de 1927, em inglês, explicou o que estava acontecendo: “Há aqueles hoje na igreja [congregação] que ocupam a responsável posição de ancião . . . que recusam encorajar seus irmãos a ter parte no serviço e eles mesmos recusam participar. . . . Zombam da sugestão de ir de porta em porta levando a mensagem de Deus, seu Rei e seu reino ao povo.” O artigo disse sem rodeios: “Chegou o tempo para os fiéis tomarem nota desses e evitá-los, e dizer-lhes que não confiaremos mais a esses homens o ofício de ancião.”
17 Felizmente, a maioria das congregações reagiu com entusiasmo à orientação do escravo fiel. Para elas era um privilégio divulgar a mensagem do Reino. A Sentinela de 15 de março de 1926, em inglês, comentou: “Os fiéis serão voluntários . . . para levar essa mensagem às pessoas.” Esses fiéis viveram à altura das palavras proféticas do Salmo 110:3 e mostraram ser apoiadores dispostos do Rei messiânico.
18 Nos últimos cem anos, milhões de pessoas têm se oferecido para realizar a obra de proclamar o Reino.
w08 15/4 p. 12 par. 1 Jovens, lembrem-se de seu Grandioso Criador agora
JEOVÁ considera os jovens cristãos tão preciosos e refrescantes como gotas de orvalho. E ele predisse que no dia da “força militar” de seu Filho, moças e rapazes se ‘ofereceriam voluntariamente’ no serviço de Cristo. (Sal. 110:3) Essa profecia se cumpriria numa época em que a maioria das pessoas seriam ímpias, desobedientes, e só pensariam em si mesmas e no dinheiro. Mas Jeová sabia que os jovens que o adorassem seriam diferentes. Quanta confiança ele tem em vocês, jovens irmãos e irmãs!
w02 15/9 p. 8 Jovens que são como reanimadoras gotas de orvalho
Uma “companhia de homens jovens” tão reanimadora como gotas de orvalho foi predita no livro dos Salmos. Esse livro também fala de “jovens” e de “virgens” louvando o nome de Jeová. — Salmo 110:3; 148:12, 13.
Um lugar para jovens prosperarem
A comparação com gotas de orvalho é apropriada, porque o orvalho é relacionado com abundância e bênçãos. (Gênesis 27:28) Gotas de orvalho são suaves e refrescantes. Neste tempo da presença de Cristo, grande número de jovens cristãos se oferece voluntariamente. Como reanimadoras gotas de orvalho, muitos jovens servem alegremente a Deus e ajudam seus companheiros na adoração. — Salmo 71:17.
wi p. 30 pars. 24-25 Quem conduzirá as nações à paz?
24 O Rei Davi escreveu que quando o Messias começasse a reinar, o ‘povo de Deus se ofereceria voluntariamente’. (Salmo 110:3) Embora as condições do mundo tenham passado de mal a pior desde aquele ano marcado de 1914, também tem-se cumprido o aspecto positivo da profecia; o povo de Deus tem oferecido voluntariamente seu tempo para pregar ‘as boas novas do reino em toda a terra habitada, em testemunho a todas as nações’. (Mateus 24:14, NM) Por exemplo, todo ano as Testemunhas gastam centenas de milhões de horas falando às pessoas sobre o Reino de Deus e dirigindo estudos bíblicos domiciliares gratuitos com os que se interessam em examinar os fatos.
25 Todo esse tempo é dado gratuitamente. Os que realizam essa obra procedem de todas as camadas sociais, de todas as idades e praticamente de todas as profissões imagináveis. Esses são os descritos em Isaías 2:3 pelas palavras: “Os muitos povos irão e dirão: ‘Vinde, subamos ao Monte do SENHOR [hebraico: יהוה, Jeová].’” Não se trata duma mera campanha para “ganhar almas”. Trata-se dum programa educacional mundial que tem dois objetivos: (1) Informar as pessoas de todas as nações de que o Reino de Deus está operando e dizer-lhes exatamente o que ele fará em breve, e (2) instruir, gratuitamente, todos os que desejarem examinar os fatos e servir ao Deus vivente conforme ele deseja.
it-2 p. 736 Madre
Jeová diz ao Senhor de Davi que, no dia da força militar dele, este terá voluntários dispostos, saindo “como gotas de orvalho” “da madre da alva” (donde procede o orvalho da madrugada). — Sal 110:1-3.
SALMO 110:4)
“Jeová jurou e não o deplorará): “Tu és sacerdote por tempo indefinido À maneira de Melquisedeque!””
cl cap. 19 p. 194 par. 13 “A sabedoria de Deus em segredo sagrado”
Jeová jurou (e não o deplorará): ‘Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!’” (Salmo 110:1, 4)
cl cap. 19 p. 194 par. 13 “A sabedoria de Deus em segredo sagrado”
Note que Jeová fez o juramento solene de que o Messias seria “sacerdote . . . à maneira de Melquisedeque” — um rei-sacerdote que viveu nos dias de Abraão. Como Melquisedeque, o vindouro Descendente seria designado diretamente por Deus para ser Rei e Sacerdote! — Gênesis 14:17-20.
w12 15/10 p. 26 par. 14 Obedeça a Deus e beneficie-se de suas promessas juramentadas
14 Segundo, Jeová inspirou Davi a predizer que esse Rei sem igual serviria também como Sumo Sacerdote da humanidade. Em Israel o reinado e o sacerdócio eram totalmente separados. Os sacerdotes eram da tribo de Levi, e os reis eram da tribo de Judá. Mas Davi profetizou a respeito desse futuro herdeiro ilustre: “A pronunciação de Jeová a meu Senhor é: ‘Senta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos como escabelo para os teus pés.’ Jeová jurou (e não o deplorará): ‘Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!’” (Sal. 110:1, 4) Em cumprimento dessa profecia, Jesus Cristo, o Descendente prometido, governa agora no céu. Ele serve também como Sumo Sacerdote da humanidade por ajudar os arrependidos a entrar numa relação aceitável com Deus. — Leia Hebreus 7:21, 25, 26.
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
110:4 — A respeito de que Jeová ‘jurou sem deplorar’? Esse juramento é o pacto que Jeová fez com Jesus Cristo para que este servisse como Rei e Sumo Sacerdote. — Lucas 22:29.
si p. 245 pars. 13-16 Livro bíblico número 58 — Hebreus
13 Conceito maduro sobre a superioridade do sacerdócio de Cristo (4:14–7:28). Paulo insta os hebreus a se apegarem à confissão de Jesus, o grande Sumo Sacerdote que passou pelos céus, para que achem misericórdia. O Cristo não glorificou a si mesmo, mas foi o Pai quem disse: “Tu és sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque.” (Heb. 5:6; Sal. 110:4) Primeiro, Cristo foi aperfeiçoado para o cargo de sumo sacerdote por aprender obediência através do sofrimento, a fim de tornar-se responsável pela salvação eterna de todos os que o obedecem. Paulo tem “muito a dizer e difícil de explicar”, mas os hebreus ainda são criancinhas necessitando de leite, quando, efetivamente, deviam ser instrutores. “O alimento sólido . . . é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm as suas faculdades perceptivas treinadas para distinguir tanto o certo como o errado.” O apóstolo insta-os a ‘avançar à madureza’. — Heb. 5:11, 14; 6:1.
14 É impossível que os que chegaram a conhecer a palavra de Deus e se desviaram sejam revivificados para o arrependimento, “porque eles de novo pregam para si mesmos o Filho de Deus numa estaca e o expõem ao opróbrio público”. Apenas pela fé e paciência podem os crentes herdar a promessa feita a Abraão — promessa tornada segura e firme por duas coisas imutáveis: a palavra e o juramento de Deus. A esperança deles, que é “âncora para a alma, tanto segura como firme”, foi estabelecida por Jesus entrar até o “interior da cortina” como Precursor e Sumo Sacerdote à maneira de Melquisedeque. — 6:6, 19.
15 Este Melquisedeque era tanto “rei de Salém” como “sacerdote do Deus Altíssimo”. Até mesmo o chefe de família Abraão pagou-lhe dízimos e, por seu intermédio, também Levi, que ainda estava nos lombos de Abraão. A bênção de Melquisedeque sobre Abraão estendeu-se pois a Levi ainda por nascer, e isto indicou que o sacerdócio levítico era inferior ao de Melquisedeque. Ademais, se a perfeição viesse por meio do sacerdócio levítico de Arão, haveria necessidade de outro sacerdote “à maneira de Melquisedeque”? Outrossim, visto que há mudança de sacerdócio, “necessariamente há também mudança da lei”. — 7:1, 11, 12.
16 A Lei, de fato, não aperfeiçoou nada, mas mostrou ser fraca e ineficaz. Visto que continuavam a morrer, houve muitos sacerdotes, mas Jesus “por continuar vivo para sempre, tem o seu sacerdócio sem quaisquer sucessores. Por conseguinte, ele é também capaz de salvar completamente os que se aproximam de Deus por intermédio dele, porque está sempre vivo para interceder por eles”. Este Sumo Sacerdote, Jesus, é “leal, cândido, imaculado, separado dos pecadores”, ao passo que os sumos sacerdotes designados pela Lei são fracos, precisando primeiro oferecer sacrifícios pelos seus próprios pecados antes de poderem interceder pelos outros. Portanto, a palavra do próprio juramento de Deus “designa um Filho, que é aperfeiçoado para sempre”. — 7:24-26, 28.
si p. 247 par. 25 Livro bíblico número 58 — Hebreus
Outrossim, Paulo cita o Salmo 110:4 ao explicar o importante cargo ocupado pelo Filho de Deus como “sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque”. Como Melquisedeque da antiguidade, que no registro bíblico é “sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo nem princípio de dias nem fim de vida”, Jesus é tanto Rei como “sacerdote perpetuamente”, para administrar os benefícios eternos de seu sacrifício de resgate a todos os que obedientemente se colocam sob o seu domínio. (Heb. 5:6, 10; 6:20; 7:1-21) É a este mesmo Rei-Sacerdote que Paulo se refere ao citar o Salmo 45:6, 7: “Deus é o teu trono para todo o sempre, e o cetro do teu reino é o cetro da retidão. Amaste a justiça e odiaste o que é contra a lei. É por isso que Deus, o teu Deus, te ungiu com óleo de exultação mais do que a teus associados.” (Heb. 1:8, 9) Ao citar Paulo as Escrituras Hebraicas e mostrar o seu cumprimento em Cristo Jesus, vemos as partes do padrão divino encaixarem-se no seu devido lugar, para nosso esclarecimento.
it-2 pp. 798-799 Melquisedeque
Tipificado o Sacerdócio de Cristo. Numa notável profecia messiânica, o juramento afiançado de Jeová ao “Senhor” de Davi é: “Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!” (Sal 110:1, 4) Este salmo inspirado deu aos hebreus motivos para considerar o prometido Messias como aquele em quem se conjugariam os cargos de sacerdote e de rei. O apóstolo Paulo, na carta aos hebreus, eliminou qualquer dúvida a respeito da identidade de quem fora predito, falando de “Jesus, que se tornou sumo sacerdote para sempre à maneira de Melquisedeque”. — He 6:20; 5:10; veja PACTO.
Designação direta. Evidentemente, foi Jeová quem designou Melquisedeque para ser sacerdote. Ao considerar a condição de Jesus como o grande Sumo Sacerdote, Paulo mostrou que nenhum homem assume esta honra “por si mesmo, mas apenas quando é chamado por Deus, assim como também Arão foi”. Ele explicou também que “o Cristo não se glorificou a si mesmo por se tornar sumo sacerdote, mas foi glorificado por aquele que falou com referência a ele: ‘Tu és meu filho; hoje eu me tornei teu pai’”, e o apóstolo, a seguir, aplica as palavras proféticas do Salmo 110:4 a Jesus Cristo. — He 5:1, 4-6.
ws cap. 13 pp. 106-107 par. 3 O “Príncipe da Paz” volta-se para os que não estão no Novo Pacto
3 Jesus, por meio de seu sacrifício a favor do novo pacto, tornou-se o Sumo Sacerdote de Jeová. Não se tornou isso por descendência natural de Arão, o primeiro sumo sacerdote de Israel. Foi juramentado no cargo de Sumo Sacerdote pelo juramento do Deus Altíssimo, Jeová, Aquele que constitui sacerdotes. As palavras do Salmo 110:4 aplicam-se a Jesus: “Jeová jurou (e não o deplorará): ‘Tu és sacerdote por tempo indefinido à maneira de Melquisedeque!’” — Hebreus 7:20, 21.
SALMO 110:5)
“O próprio Jeová, à tua direita, Há de despedaçar reis no dia da sua ira.”
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
109:30, 31; 110:5. O soldado usa a mão direita para segurar a espada e normalmente essa mão não é protegida pelo escudo, que fica na mão esquerda. Em sentido figurado, Jeová está “à direita” dos seus servos, para lutar por eles. Assim, ele lhes dá proteção e ajuda — um ótimo motivo para ‘o elogiarmos muito’!
it-2 p. 763 Mão
Usualmente, a mão direita dum guerreiro era a que segurava a espada, e não era protegida pelo escudo na mão esquerda. Portanto, o amigo que ficasse ou lutasse à mão direita dele o defendia e protegia. Esta situação foi usada de forma metafórica com respeito à ajuda e proteção que Deus dá aos que o servem. — Sal 16:8; 109:30, 31; 110:5; 121:5.
SALMO 111:1)
“Louvai a Jah! Elogiarei a Jeová de todo o coração No grupo íntimo dos retos e na assembléia.”
w09 15/3 p. 20 Jeová merece que o louvemos em união
Jeová merece que o louvemos em união
“Louvai a Jah!” — SAL. 111:1.
“ALELUIA!” Essa exclamação é ouvida com freqüência nas igrejas da cristandade. Algumas pessoas usam muito essa expressão na conversa do dia-a-dia. No entanto, poucos conhecem seu significado sagrado, e o estilo de vida de muitos que a usam desonra a Deus. (Tito 1:16) “Aleluia”, explica certo dicionário bíblico, é uma “palavra usada pelos escritores de vários salmos convidando a todos para se unirem a eles em louvar a Jeová”. De fato, vários eruditos bíblicos esclarecem que “aleluia” significa “‘Louvai a Jah’, [isto é] Jeová”.
2 É compreensível que, na Tradução do Novo Mundo, a expressão no Salmo 111:1 é traduzida “Louvai a Jah!”. Uma forma grega dessa expressão ocorre quatro vezes em Revelação 19:1-6 para celebrar o fim da religião falsa. Quando isso acontecer, os adoradores verdadeiros terão um motivo especial para usar a expressão “aleluia” de modo respeitoso.
Suas grandes obras
3 O compositor do Salmo 111 fornece muitas razões pelas quais Jeová realmente merece que o louvemos em união. O versículo 1 diz: “Elogiarei a Jeová de todo o coração no grupo íntimo dos retos e na assembléia.” As atuais Testemunhas de Jeová pensam o mesmo. O objetivo principal de nos reunirmos com regularidade, tanto em congregações locais como em grandes congressos, é louvar a Jeová.
SALMO 111:2)
“Grandes são os trabalhos de Jeová, Pesquisados por parte de todos os que se agradam deles.”
w09 15/3 pp. 20-21 pars. 4-6 Jeová merece que o louvemos em união
4 “Grandes são os trabalhos de Jeová, pesquisados por parte de todos os que se agradam deles.” (Sal. 111:2) Note a expressão “pesquisados por”. De acordo com certa obra de referência, o versículo pode se referir a humanos que fazem das obras de Deus “um alvo de sinceros e devotados estudos e meditações”. As criações de Jeová revelam um grande e maravilhoso objetivo. Ele posicionou o Sol, a Terra e a Lua nos lugares exatos, em relação um ao outro, para que houvesse calor, luz, noite e dia, estações e marés na Terra.
5 Os cientistas já descobriram muitas coisas a respeito da posição da Terra no sistema solar, e sobre a órbita, o tamanho e a massa perfeitamente projetados de nossa grande Lua. A disposição e interação desses corpos celestes possibilita as belas e periódicas mudanças de estação. E muito já se aprendeu sobre a regulagem perfeita das forças naturais do Universo. Assim, num artigo (em inglês) intitulado “O Universo projetado ‘na medida’”, um professor de engenharia mecânica observou: “É muito fácil entender por que tantos cientistas mudaram de opinião nos últimos 30 anos, concordando agora que exige uma enorme dose de fé crer que o Universo pode ser explicado como nada mais do que um não planejado acidente cósmico. A evidência de que existe um projetista inteligente é tanto mais incisiva quanto mais entendemos nosso ambiente cuidadosamente construído.”
6 Outra grande expressão da obra criativa de Deus é a maneira como ele nos fez. (Sal. 139:14) Ao criar os humanos, ele lhes deu uma mente, um corpo com um conjunto completo de órgãos necessários e a habilidade de trabalhar. Veja, por exemplo, o milagre relacionado aos dons divinos da fala e da audição, bem como às habilidades de ler e escrever. Muitos têm essas habilidades. Têm também uma fantástica obra-prima de engenharia — a estrutura ereta do corpo humano. De fato, o projeto e o equilíbrio do corpo, suas funções mecânicas e sua química inspiram reverência. Além disso, as espantosas conexões de nervos que possibilitam o funcionamento da mente e dos sentidos vão muito além do que os cientistas têm realizado. Na realidade, os feitos humanos só são possíveis graças à mente e aos sentidos com que somos dotados. Até mesmo o mais instruído e capaz engenheiro não poderia ter construído algo tão belo e útil como as dez “alavancas” maravilhosamente projetadas — os nossos dedos. Pergunte-se: ‘Poderiam impressionantes obras de arte e de construção terem sido feitas sem o uso habilidoso dos dedos com que Deus nos dotou?’
SALMO 111:3)
“Sua atuação é a própria dignidade e esplendor, E sua justiça permanece de pé para todo o sempre.”
w09 15/3 pp. 21-22 Jeová merece que o louvemos em união
As grandes obras de Deus e Suas qualidades
7 As grandes obras de Jeová incluem outras coisas maravilhosas que ele tem feito pela humanidade, conforme descrito na Bíblia. Esse livro em si é uma harmoniosa obra-prima. Diferentemente de qualquer outro livro, ele é, sem dúvida, ‘inspirado por Deus e proveitoso para ensinar’. (2 Tim. 3:16) Por exemplo, o primeiro livro da Bíblia, Gênesis, explica como Deus acabou com a perversidade na Terra nos dias de Noé. O segundo livro, Êxodo, mostra como Jeová vindicou sua Divindade libertando Israel da escravidão no Egito. É provável que o salmista estivesse pensando nesses eventos quando foi motivado a dizer a respeito de Jeová: “Sua atuação é a própria dignidade e esplendor, e sua justiça permanece de pé para todo o sempre. Ele fez uma recordação para as suas obras maravilhosas. Jeová é clemente e misericordioso.” (Sal. 111:3, 4) Não concorda que as atividades de Jeová no curso da História, incluindo as que você vivenciou, são uma “recordação” de sua “dignidade e esplendor”?
8 Note que o salmista enfatiza também as belas qualidades de Jeová, como a justiça, a clemência e a misericórdia. Você sabe que as obras da humanidade pecaminosa raras vezes se baseiam na justiça. Muitas vezes elas refletem ganância, inveja e arrogância. Evidências disso são as diabólicas armas que os homens produzem para as guerras que eles fomentam e para obter grandes lucros. Isso resulta em indizível sofrimento e horror para milhões de vítimas inocentes. Também, muitas obras humanas foram realizadas à custa da opressão dos pobres. Um exemplo que muitos talvez citem é o uso de trabalho escravo na construção das pirâmides. Elas serviam basicamente como túmulos para os orgulhosos faraós. Além disso, muitas das obras atuais da humanidade, além de opressivas, “arruínam a terra”. — Leia Revelação 11:18.
9 Como são diferentes as obras de Jeová, que sempre se baseiam no que é correto! Essas incluem a misericordiosa provisão de salvação da humanidade pecaminosa. Ao prover o resgate, Deus demonstrou “sua própria justiça”. (Rom. 3:25, 26) Sim, “sua justiça permanece de pé para todo o sempre”! Quanto à clemência, essa tem sido manifestada pelo modo paciente com que Deus tem lidado com humanos pecaminosos. Às vezes, ele até mesmo usou a expressão “por favor” ao apelar a eles para que largassem seu proceder prejudicial e fizessem o que é correto. — Leia Ezequiel 18:25.
SALMO 111:4)
“Ele fez uma recordação para as suas obras maravilhosas. Jeová é clemente e misericordioso.”
w09 15/3 pp. 21-22 Jeová merece que o louvemos em união
As grandes obras de Deus e Suas qualidades
7 As grandes obras de Jeová incluem outras coisas maravilhosas que ele tem feito pela humanidade, conforme descrito na Bíblia. Esse livro em si é uma harmoniosa obra-prima. Diferentemente de qualquer outro livro, ele é, sem dúvida, ‘inspirado por Deus e proveitoso para ensinar’. (2 Tim. 3:16) Por exemplo, o primeiro livro da Bíblia, Gênesis, explica como Deus acabou com a perversidade na Terra nos dias de Noé. O segundo livro, Êxodo, mostra como Jeová vindicou sua Divindade libertando Israel da escravidão no Egito. É provável que o salmista estivesse pensando nesses eventos quando foi motivado a dizer a respeito de Jeová: “Sua atuação é a própria dignidade e esplendor, e sua justiça permanece de pé para todo o sempre. Ele fez uma recordação para as suas obras maravilhosas. Jeová é clemente e misericordioso.” (Sal. 111:3, 4) Não concorda que as atividades de Jeová no curso da História, incluindo as que você vivenciou, são uma “recordação” de sua “dignidade e esplendor”?
8 Note que o salmista enfatiza também as belas qualidades de Jeová, como a justiça, a clemência e a misericórdia. Você sabe que as obras da humanidade pecaminosa raras vezes se baseiam na justiça. Muitas vezes elas refletem ganância, inveja e arrogância. Evidências disso são as diabólicas armas que os homens produzem para as guerras que eles fomentam e para obter grandes lucros. Isso resulta em indizível sofrimento e horror para milhões de vítimas inocentes. Também, muitas obras humanas foram realizadas à custa da opressão dos pobres. Um exemplo que muitos talvez citem é o uso de trabalho escravo na construção das pirâmides. Elas serviam basicamente como túmulos para os orgulhosos faraós. Além disso, muitas das obras atuais da humanidade, além de opressivas, “arruínam a terra”. — Leia Revelação 11:18.
9 Como são diferentes as obras de Jeová, que sempre se baseiam no que é correto! Essas incluem a misericordiosa provisão de salvação da humanidade pecaminosa. Ao prover o resgate, Deus demonstrou “sua própria justiça”. (Rom. 3:25, 26) Sim, “sua justiça permanece de pé para todo o sempre”! Quanto à clemência, essa tem sido manifestada pelo modo paciente com que Deus tem lidado com humanos pecaminosos. Às vezes, ele até mesmo usou a expressão “por favor” ao apelar a eles para que largassem seu proceder prejudicial e fizessem o que é correto. — Leia Ezequiel 18:25.
SALMO 111:5)
“Tem dado alimento aos que o temem. Lembrar-se-á do seu pacto por tempo indefinido.”
w09 15/3 p. 22 Jeová merece que o louvemos em união
Fiel às suas promessas
10 Jeová “tem dado alimento aos que o temem. Lembrar-se-á do seu pacto por tempo indefinido”. (Sal. 111:5) Pelo visto, o salmista se referia ao pacto abraâmico. Jeová prometera abençoar o descendente de Abraão e disse que esse descendente ‘tomaria posse do portão dos seus inimigos’. (Gên. 22:17, 18; Sal. 105:8, 9) No cumprimento inicial dessas promessas, o descendente de Abraão se tornou a nação de Israel. Por muito tempo, seus membros eram escravos no Egito, mas “Deus lembrou-se do seu pacto com Abraão” e os libertou. (Êxo. 2:24) O modo como Jeová lidou com eles depois disso revelou sua grande generosidade. Ele lhes proveu alimento físico, além de alimento espiritual para suas mentes e corações. (Deut. 6:1-3; 8:4; Nee. 9:21) Nos séculos que se seguiram, a nação muitas vezes se desviou de Deus, embora ele enviasse profetas para exortá-la a retornar. Mais de 1.500 anos depois que libertou os israelitas do Egito, Deus enviou seu Filho unigênito à Terra. A maioria dos judeus rejeitou Jesus e concordou com a sua execução. Assim sendo, Jeová formou uma simbólica nova nação, “o Israel de Deus”. Junto com Cristo, essa nação compõe o figurativo descendente de Abraão, que, como predito por Jeová, seria usado para abençoar a humanidade. — Gál. 3:16, 29; 6:16.
11 Jeová continua a ‘lembrar-se de seu pacto’ e das bênçãos prometidas nele. Atualmente, Deus provê um farto suprimento de alimento espiritual em mais de 400 línguas. Além disso, ele continua a atender às nossas orações a respeito de necessidades materiais, em harmonia com as palavras: “Dá-nos o nosso pão para o dia, segundo as exigências do dia.” — Luc. 11:3; Sal. 72:16, 17; Isa. 25:6-8.
SALMO 111:6)
“Contou ao seu povo o poder dos seus trabalhos, Dando-lhes a herança das nações.”
w09 15/3 pp. 22-23 Jeová merece que o louvemos em união
O espantoso poder de Jeová
12 “Contou ao seu povo o poder dos seus trabalhos, dando-lhes a herança das nações.” (Sal. 111:6) Um dos notáveis eventos na história de Israel que o salmista talvez tivesse em mente foi a milagrosa libertação do Egito. Quando Jeová por fim permitiu que os israelitas entrassem na Terra Prometida, eles conquistaram reinos a leste e a oeste do rio Jordão. (Leia Neemias 9:22-25.) Sim, Jeová deu a Israel “a herança das nações”. Que demonstração do poder de Deus!
13 Sabemos, porém, que apesar de tudo o que Jeová fez por eles, os israelitas não mostraram respeito por Ele nem pelos seus ancestrais Abraão, Isaque e Jacó. Continuaram rebeldes, até que Deus usou Babilônia para levá-los ao exílio. (2 Crô. 36:15-17; Nee. 9:28-30) Se o compositor do Salmo 111 viveu após o retorno de Israel do exílio em Babilônia, como sugerem alguns eruditos bíblicos, ele tinha motivos adicionais para louvar a Jeová por sua lealdade e poder. Deus demonstrou tais qualidades libertando os judeus de Babilônia — um império que tinha como diretriz não libertar os cativos. — Isa. 14:4, 17.
14 Uns cinco séculos mais tarde, Jeová usou seu poder de modo ainda mais significativo, libertando humanos arrependidos da escravidão ao pecado e à morte. (Rom. 5:12) Com isso abriu-se a oportunidade para 144 mil humanos se tornarem seguidores de Cristo, ungidos por espírito. Em 1919, Jeová usou seu poder para libertar um pequeno restante desses ungidos do cativeiro da religião falsa. As suas realizações durante o tempo do fim só podem ser atribuídas ao poder de Deus. Depois de se provarem fiéis até a morte, participarão com Jesus Cristo em governar a Terra, desde o céu, em benefício de humanos arrependidos. (Rev. 2:26, 27; 5:9, 10) Eles herdarão a Terra num sentido muito mais amplo do que o Israel antigo. — Mat. 5:5.
SALMO 111:7)
“Os trabalhos das suas mãos são verdade e julgamento; Fidedignas são todas as ordens que ele dá,”
w09 15/3 p. 23 Jeová merece que o louvemos em união
Princípios eternos e confiáveis
15 “Os trabalhos das suas mãos são verdade e julgamento; fidedignas são todas as ordens que ele dá, bem sustentadas para todo o sempre, por tempo indefinido, executadas em verdade e em retidão.” (Sal. 111:7, 8) ‘Os trabalhos das mãos de Jeová’ incluem duas tábuas de pedra nas quais foram gravadas dez importantes leis dadas a Israel. (Êxo. 31:18) Essas leis, junto com os outros regulamentos que se tornaram parte do pacto da Lei mosaica, baseiam-se em princípios eternos e confiáveis.
16 Por exemplo, uma das ordens, ou leis, nessas tábuas, dizia: “Eu, Jeová, teu Deus, sou um Deus que exige devoção exclusiva.” Dizia também que Jeová demonstra ‘benevolência para com a milésima geração no caso dos que o amam e guardam seus mandamentos’. Essas tábuas de pedra continham também princípios eternos, como ‘honrar pai e mãe’ e ‘não furtar’, além da profundamente perspicaz lei contra a cobiça. — Êxo. 20:5, 6, 12, 15, 17.
SALMO 111:8)
“Bem sustentadas para todo o sempre, por tempo indefinido, Executadas em verdade e em retidão.”
w09 15/3 p. 23 Jeová merece que o louvemos em união
Princípios eternos e confiáveis
15 “Os trabalhos das suas mãos são verdade e julgamento; fidedignas são todas as ordens que ele dá, bem sustentadas para todo o sempre, por tempo indefinido, executadas em verdade e em retidão.” (Sal. 111:7, 8) ‘Os trabalhos das mãos de Jeová’ incluem duas tábuas de pedra nas quais foram gravadas dez importantes leis dadas a Israel. (Êxo. 31:18) Essas leis, junto com os outros regulamentos que se tornaram parte do pacto da Lei mosaica, baseiam-se em princípios eternos e confiáveis.
16 Por exemplo, uma das ordens, ou leis, nessas tábuas, dizia: “Eu, Jeová, teu Deus, sou um Deus que exige devoção exclusiva.” Dizia também que Jeová demonstra ‘benevolência para com a milésima geração no caso dos que o amam e guardam seus mandamentos’. Essas tábuas de pedra continham também princípios eternos, como ‘honrar pai e mãe’ e ‘não furtar’, além da profundamente perspicaz lei contra a cobiça. — Êxo. 20:5, 6, 12, 15, 17.
SALMO 111:9)
“Enviou ao seu povo a própria redenção. Ordenou o seu pacto por tempo indefinido. Seu nome é santo e atemorizante.”
w09 15/3 pp. 23-24 Jeová merece que o louvemos em união
Nosso “santo e atemorizante” Redentor
17 “Enviou ao seu povo a própria redenção. Ordenou o seu pacto por tempo indefinido. Seu nome é santo e atemorizante.” (Sal. 111:9) Aqui também o salmista talvez tivesse em mente a lealdade de Jeová à sua promessa feita no pacto com Abraão. Assim sendo, Jeová não abandonou seu povo quando eram escravos no Egito antigo, nem mais tarde, quando eram cativos em Babilônia. Em ambos os casos, Deus agiu como redentor de seu povo. Esses dois feitos já seriam suficientes para Israel tratar o nome de Deus como santo. — Leia Êxodo 20:7; Romanos 2:23, 24.
18 O mesmo se dá com os cristãos hoje, que foram libertados da desalentadora escravidão ao pecado e à morte. Devemos fazer o máximo para viver em harmonia com o primeiro pedido na oração-modelo: “Santificado seja o teu nome.” (Mat. 6:9)
SALMO 111:10)
“O temor de Jeová é o princípio da sabedoria. Todos os que as cumprem têm boa perspicácia. Seu louvor permanece de pé para todo o sempre.”
w09 15/3 p. 24 pars. 18-19 Jeová merece que o louvemos em união
Meditar a respeito desse glorioso nome deve instilar em nós o temor a Deus. O escritor do Salmo 111 expressou o conceito correto sobre o temor a Deus, dizendo: “O temor de Jeová é o princípio da sabedoria. Todos os que cumprem [suas ordens] têm boa perspicácia.” — Sal. 111:10.
19 O salutar temor a Deus nos ajuda a odiar o que é mau. Também nos ajuda a imitar as belas qualidades de Deus mencionadas no Salmo 112, que consideraremos no próximo artigo. Esse salmo mostra como podemos nos habilitar para estar entre os milhões de pessoas que louvarão a Deus para sempre. Ele com certeza merece isso. “Seu louvor permanece de pé para todo o sempre.” — Sal. 111:10.
w95 15/3 p. 16 O proveito de se temer o verdadeiro Deus
Sabedoria, mais preciosa do que o ouro
3 O principal proveito é a verdadeira sabedoria. Salmo 111:10 declara: “O temor de Jeová é o princípio da sabedoria.” O que significa isso? A sabedoria é a capacidade de usar o conhecimento com êxito para solucionar problemas, evitar perigos e atingir certos objetivos. Envolve ter bom critério. O princípio dela, a primeira parte, a base desta sabedoria é o temor de Jeová. Por quê? Porque toda a criação é trabalho das suas mãos. Depende dele. Ele dotou a humanidade de livre-arbítrio, mas não com a capacidade de dirigir com êxito os seus próprios passos sem ser guiada por ele. (Josué 24:15; Jeremias 10:23) Podemos ter êxito duradouro apenas se reconhecermos esses fatos fundamentais da vida e se vivermos em harmonia com eles. Se o nosso conhecimento de Jeová nos der a convicção inabalável de que a vontade de Deus terá êxito certo, e que sua promessa e sua capacidade de recompensar a fidelidade são garantidas, então o temor piedoso nos motivará a agir com sabedoria. — Provérbios 3:21-26; Hebreus 11:6.
rs p. 174 par. 5 Filosofia
Pro. 1:7; Sal. 111:10: “O temor de Jeová é o princípio do conhecimento . . . [e] da sabedoria.” (Se o universo não fosse o produto de um Criador inteligente, mas de mera força cega, irracional, seria possível termos uma concepção unificada do universo? Será que do estudo de algo que em si é irracional resultaria o que quer que seja que se qualificasse como sabedoria? Os que tentam conceber o universo, ou a própria vida, não levando em conta a Deus e seu propósito, enfrentam constante frustração. Interpretam mal o que aprendem e fazem uso errado dos fatos que colhem. A desconsideração da crença em Deus destrói a chave do conhecimento exato e torna impossível uma linha de pensamento verdadeiramente coerente.)
SALMO 112:1)
“Louvai a Jah! Feliz o homem que teme a Jeová, De cujos mandamentos se tem agradado muito.”
w09 15/3 pp. 25-26 Os justos louvarão a Deus para sempre
Base para felicidade
6 “Feliz o homem que teme a Jeová, de cujos mandamentos se tem agradado muito. Sua descendência se tornará poderosa na terra. Quanto à geração dos retos, será ela abençoada.” (Sal. 112:1, 2) Note que o salmista primeiro menciona “homem” no singular e depois muda para o plural “retos” na última parte do versículo 2. Isso sugere que o Salmo 112 talvez se refira a um grupo, composto de muitas pessoas. Curiosamente, o apóstolo Paulo foi inspirado a aplicar o Salmo 112:9 em relação com os cristãos no primeiro século. (Leia 2 Coríntios 9:8, 9.) Que bela descrição esse salmo faz da felicidade ao alcance dos atuais seguidores de Cristo na Terra!
7 Como indica o Salmo 112:1, os cristãos verdadeiros sentem grande felicidade ao andar no ‘temor a Jeová’. Esse temor salutar de desagradar a Deus ajuda-os a resistir ao espírito do mundo de Satanás. Eles ‘se agradam muito’ em estudar a Palavra de Deus e em obedecer aos mandamentos divinos. Isso inclui a ordem de pregar as boas novas do Reino em toda a Terra. Esforçam-se em fazer discípulos de pessoas de todas as nações, e ao mesmo tempo alertam os maus a respeito do vindouro dia de julgamento de Deus. — Eze. 3:17, 18; Mat. 28:19, 20.
8 Por obedecerem a esses mandamentos, os atuais servos de Deus na Terra somam mais de 7 milhões. Quem pode negar que o povo de Deus se tornou ‘poderoso na Terra’? (João 10:16; Rev. 7:9, 14) E quão ‘abençoados’ ainda serão à medida que Deus realizar seu propósito! Como grupo, os que têm esperança terrestre serão preservados na vindoura “grande tribulação” para formar “uma nova terra” na qual “há de morar a justiça”. Com o tempo, os sobreviventes do Armagedom ‘serão abençoados’ ainda mais. Estarão presentes para acolher os milhões de ressuscitados. Que perspectiva emocionante! Por fim, os que ‘se agradam muito’ dos mandamentos de Deus alcançarão a perfeição humana e terão para sempre “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus”. — 2 Ped. 3:13; Rom. 8:21.
w00 15/7 p. 5 Como a sua vida pode ter mais sentido
É ruim fazer isso? Não, porque percebermos que nossa conduta faz diferença para Deus dá mais sentido à nossa vida. Incentiva-nos a ser pessoas melhores — o que certamente é um objetivo meritório. “Feliz o homem que teme a Jeová, de cujos mandamentos se tem agradado muito”, diz o Salmo 112:1. Termos temor reverente a Deus e obedecermos de coração aos seus mandamentos pode dar mais sentido à nossa vida.
SALMO 112:2)
“Sua descendência se tornará poderosa na terra. Quanto à geração dos retos, será ela abençoada.”
w09 15/3 pp. 25-26 Os justos louvarão a Deus para sempre
Base para felicidade
6 “Feliz o homem que teme a Jeová, de cujos mandamentos se tem agradado muito. Sua descendência se tornará poderosa na terra. Quanto à geração dos retos, será ela abençoada.” (Sal. 112:1, 2) Note que o salmista primeiro menciona “homem” no singular e depois muda para o plural “retos” na última parte do versículo 2. Isso sugere que o Salmo 112 talvez se refira a um grupo, composto de muitas pessoas. Curiosamente, o apóstolo Paulo foi inspirado a aplicar o Salmo 112:9 em relação com os cristãos no primeiro século. (Leia 2 Coríntios 9:8, 9.) Que bela descrição esse salmo faz da felicidade ao alcance dos atuais seguidores de Cristo na Terra!
7 Como indica o Salmo 112:1, os cristãos verdadeiros sentem grande felicidade ao andar no ‘temor a Jeová’. Esse temor salutar de desagradar a Deus ajuda-os a resistir ao espírito do mundo de Satanás. Eles ‘se agradam muito’ em estudar a Palavra de Deus e em obedecer aos mandamentos divinos. Isso inclui a ordem de pregar as boas novas do Reino em toda a Terra. Esforçam-se em fazer discípulos de pessoas de todas as nações, e ao mesmo tempo alertam os maus a respeito do vindouro dia de julgamento de Deus. — Eze. 3:17, 18; Mat. 28:19, 20.
8 Por obedecerem a esses mandamentos, os atuais servos de Deus na Terra somam mais de 7 milhões. Quem pode negar que o povo de Deus se tornou ‘poderoso na Terra’? (João 10:16; Rev. 7:9, 14) E quão ‘abençoados’ ainda serão à medida que Deus realizar seu propósito! Como grupo, os que têm esperança terrestre serão preservados na vindoura “grande tribulação” para formar “uma nova terra” na qual “há de morar a justiça”. Com o tempo, os sobreviventes do Armagedom ‘serão abençoados’ ainda mais. Estarão presentes para acolher os milhões de ressuscitados. Que perspectiva emocionante! Por fim, os que ‘se agradam muito’ dos mandamentos de Deus alcançarão a perfeição humana e terão para sempre “a liberdade gloriosa dos filhos de Deus”. — 2 Ped. 3:13; Rom. 8:21.
SALMO 112:3)
“Na sua casa há coisas valiosas e riquezas; E sua justiça permanece de pé para todo o sempre.”
w09 15/3 p. 27 par. 10 Os justos louvarão a Deus para sempre
Opositores já tentaram acabar com a obra de pregação do Reino, mas fracassaram. Na verdade, o resultado dessa obra de justiça ‘permanecerá para sempre’. Por perseverarem no proceder de justiça, os servos de Deus podem ter a garantia de viver eternamente, ‘permanecendo para sempre’.
w09 15/3 pp. 26-27 Os justos louvarão a Deus para sempre
Uso sábio de riquezas
9 “Na sua casa há coisas valiosas e riquezas; e sua justiça permanece de pé para todo o sempre. Ele raiou na escuridão como luz para os retos. Ele é clemente, e misericordioso, e justo.” (Sal. 112:3, 4) Nos tempos bíblicos, alguns servos de Deus se destacavam por suas riquezas materiais. Em outro sentido, os a quem Deus aprova se tornam realmente ricos, mesmo que não o sejam em coisas materiais. No geral, aqueles que escolhem se humilhar perante Deus talvez sejam pobres e desprezados pelo mundo, como se dava nos dias de Jesus. (Luc. 4:18; 7:22; João 7:49) Mas quer alguém tenha muito em sentido material, quer pouco, é possível ser rico espiritualmente. — Mat. 6:20; 1 Tim. 6:18, 19; leia Tiago 2:5.
SALMO 112:4)
“Ele raiou na escuridão como luz para os retos. Ele é clemente, e misericordioso, e justo.”
w09 15/3 p. 27 par. 10 Os justos louvarão a Deus para sempre
10 Os cristãos ungidos e seus companheiros não guardam para si as suas riquezas espirituais. Em vez disso, eles têm ‘raiado como luz para os retos’ na escuridão do mundo de Satanás. Fazem isso ajudando outros a se beneficiarem dos tesouros espirituais de sabedoria e de conhecimento sobre Deus.
w09 15/3 p. 26 par. 9 Os justos louvarão a Deus para sempre
Ele raiou na escuridão como luz para os retos. Ele é clemente, e misericordioso, e justo.” (Sal. 112:3, 4)
SALMO 112:5)
“Bom é o homem que é clemente e que empresta. Sustenta seus assuntos com justiça.”
w09 15/3 p. 27 Os justos louvarão a Deus para sempre
Clemente e justo
13 “Bom é o homem que é clemente e que empresta.” (Sal. 112:5) Você sem dúvida tem observado que as pessoas que ajudam outros nem sempre são clementes, ou bondosas. Algumas ajudam com ar de superioridade ou de má vontade. Não é agradável receber ajuda de alguém que nos faça sentir inferiores, inconvenientes ou uma carga. Em contraste, como é reanimador receber ajuda de uma pessoa bondosa. Jeová é o grande exemplo de alguém que pratica o dar de modo bondoso e feliz. (1 Tim. 1:11; Tia. 1:5, 17) Jesus Cristo refletiu com perfeição o bondoso exemplo de seu Pai. (Mar. 1:40-42) Assim, para sermos encarados por Deus como justos, praticamos o dar com alegria e bondade, em especial no serviço de campo quando oferecemos ajuda espiritual aos nossos semelhantes.
14 “Sustenta seus assuntos com justiça.” (Sal. 112:5) Conforme predito, a fiel classe-mordomo cuida dos interesses do Amo em harmonia com a justiça de Jeová. (Leia Lucas 12:42-44.) Isso se reflete nas orientações bíblicas que são dadas aos anciãos, que às vezes precisam cuidar de casos de pecados graves na congregação. A maneira justa de lidar com os assuntos é evidente também nas instruções baseadas na Bíblia que a classe-escravo fornece sobre o funcionamento das congregações, dos lares missionários e de Betel. Requer-se justiça não apenas dos anciãos, mas também de outros cristãos nos seus tratos entre si e com descrentes, mesmo nos assuntos comerciais. — Leia Miquéias 6:8, 11.
SALMO 112:6)
“Pois em tempo algum será abalado. O justo mostrará ser para uma recordação por tempo indefinido.”
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
15 “Pois em tempo algum será abalado. O justo mostrará ser para uma recordação por tempo indefinido.
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Sal. 112:6
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Se forem vítimas de uma tragédia, eles terão melhores condições de lidar com a situação, pois confiam no apoio de Jeová. Deus jamais permite que os justos sejam ‘abalados’ — ele lhes dá ajuda e forças para perseverar. — Fil. 4:13.
SALMO 112:7)
“Não terá medo, nem mesmo de más notícias. Seu coração é firme, feito confiante em Jeová.”
w09 15/3 p. 28 par. 16 Os justos louvarão a Deus para sempre
16 Além disso, os justos do ponto de vista de Deus precisam suportar o ódio e as mentiras divulgadas por opositores, mas isso nunca silenciou os cristãos verdadeiros e jamais os silenciará. Em vez disso, os servos de Deus seguem firmes e inabaláveis na obra que Jeová lhes confiou — pregar as boas novas do Reino e fazer discípulos de todos os que reagirem favoravelmente.
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Nunca antes na História houve tantas notícias ruins, tais como guerras, terrorismo, doenças novas e ressurgentes, crime, pobreza e poluição. Aqueles que Deus considera justos não estão imunes aos efeitos dessas más notícias, mas isso não os paralisa de medo. Em vez disso, com coração “firme” e “inabalável” encaram o futuro com confiança, sabendo que o novo mundo justo de Deus está próximo. Se forem vítimas de uma tragédia, eles terão melhores condições de lidar com a situação, pois confiam no apoio de Jeová.
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Sal. 112:6-
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Não terá medo, nem mesmo de más notícias. Seu coração é firme, feito confiante em Jeová.
SALMO 112:8)
“Seu coração é inabalável; ele não terá medo, Até que olhe para os seus adversários.”
w09 15/3 p. 28 par. 16 Os justos louvarão a Deus para sempre
Sem dúvida, os justos enfrentarão crescente oposição à medida que o fim se aproxima. Esse ódio atingirá o clímax no ataque mundial de Satanás, o Diabo, em seu papel de Gogue de Magogue. Daí, finalmente, ‘olharemos para nossos adversários’ na sua humilhante derrota. Que experiência será ver a completa santificação do nome de Jeová! — Eze. 38:18, 22, 23.
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Aqueles que Deus considera justos não estão imunes aos efeitos dessas más notícias, mas isso não os paralisa de medo. Em vez disso, com coração “firme” e “inabalável” encaram o futuro com confiança, sabendo que o novo mundo justo de Deus está próximo. Se forem vítimas de uma tragédia, eles terão melhores condições de lidar com a situação, pois confiam no apoio de Jeová.
w09 15/3 p. 28 par. 15 Os justos louvarão a Deus para sempre
Seu coração é inabalável; ele não terá medo, até que olhe para os seus adversários.” (Sal. 112:6-8)
SALMO 112:9)
“Tem distribuído amplamente; tem dado aos pobres. Sua justiça permanece de pé para todo o sempre. Seu próprio chifre será exaltado com glória.”
w09 15/3 p. 27 pars. 11-12 Os justos louvarão a Deus para sempre
11 O povo de Deus, tanto os da ungida classe-escravo como os da “grande multidão”, tem sido generoso com relação a coisas materiais. O Salmo 112:9 diz: “Tem distribuído amplamente; tem dado aos pobres.” Os atuais cristãos verdadeiros muitas vezes fazem doações materiais a co-cristãos e até mesmo a outros em necessidade. Além disso, dão apoio material a campanhas de ajuda humanitária em tempos de tragédias. Como disse Jesus, fazer isso é também uma fonte de felicidade. — Leia Atos 20:35; 2 Coríntios 9:7.
12 Pense também nos gastos envolvidos em publicar esta revista em 172 idiomas, muitos dos quais falados por pessoas relativamente pobres. E também no fato de que ela está disponível em várias línguas de sinais usadas pelos surdos, bem como em braile, para os cegos.
w09 15/3 p. 28 Os justos louvarão a Deus para sempre
“Exaltado com glória”
17 Como será bom louvar a Jeová unidamente, sem oposição do Diabo e de seu mundo! Esse prazer será a herança eterna dos que mantêm uma posição justa perante Deus. Eles não sofrerão vergonha e derrota, pois Jeová promete também que o “chifre” do justo “será exaltado com glória”. (Sal. 112:9) O justo do ponto de vista de Jeová exultará vitoriosamente ao ver a ruína de todos os inimigos da soberania de Jeová.
SALMO 112:10)
“O próprio iníquo [o] verá e certamente ficará vexado. Rangerá os próprios dentes e realmente se derreterá. O desejo dos iníquos perecerá.”
w09 15/3 p. 28 par. 18 Os justos louvarão a Deus para sempre
18 “O próprio iníquo o verá e certamente ficará vexado. Rangerá os próprios dentes e realmente se derreterá. O desejo dos iníquos perecerá.” (Sal. 112:10) Todos os que persistirem em se opor ao povo de Deus em breve ‘se derreterão’ na sua inveja e ódio. Seu desejo de ver o fim de nossa obra perecerá com eles na vindoura “grande tribulação”. — Mat. 24:21.
SALMO 113:1)
“Louvai a Jah! Oferecei louvor, ó servos de Jeová, Louvai o nome de Jeová.”
w97 1/7 p. 16 Separados para serem mundialmente louvadores alegres
“Louvai a Jah! Oferecei louvor, ó servos de Jeová, louvai o nome de Jeová.” — SALMO 113:1.
JEOVÁ DEUS é o Grandioso Criador do céu e da terra, é o nosso Soberano Universal por toda a eternidade. Ele merece plenamente nosso entusiástico louvor. Por isso, o Salmo 113:1-3 nos manda: “Louvai a Jah! Oferecei louvor, ó servos de Jeová, louvai o nome de Jeová. Venha a ser abençoado o nome de Jeová desde agora e por tempo indefinido. Desde o nascente do sol até o seu poente, o nome de Jeová deve ser louvado.”
2 Nós, como Testemunhas de Deus, nos alegramos de fazer isso. Como é emocionante que Jeová Deus, em breve, fará com que este alegre cântico de louvor, que entoamos hoje, encha a Terra inteira! (Salmo 22:27) Ouve-se a sua voz neste grandioso coro mundial? Em caso afirmativo, como deve sentir-se feliz de estar separado deste mundo desunido e sem alegria!
3 Louvarmos a Jeová de forma unida certamente nos torna diferentes e sem igual. Falamos e ensinamos em acordo e usamos os mesmos métodos para proclamar ‘a abundância da bondade de Jeová’. (Salmo 145:7) Deveras, como povo dedicado de Jeová, fomos postos à parte para o serviço de nosso Deus, Jeová. Deus mandou que os do seu antigo povo dedicado, Israel, se mantivessem separados das nações em volta deles e não se manchassem com as práticas dessas nações. (Êxodo 34:12-16) Deu aos do seu povo leis para ajudá-los a fazer isso. Assim também hoje, Jeová nos tem dado a sua Palavra Sagrada, a Bíblia. As instruções dela nos mostram como podemos manter-nos separados deste mundo. (2 Coríntios 6:17; 2 Timóteo 3:16, 17) Não somos separados por meio dum isolamento em mosteiros ou conventos, assim como os monges e as freiras de Babilônia, a Grande. Seguindo o exemplo de Jesus Cristo, somos louvadores públicos de Jeová.
w92 15/11 pp. 8-9 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Louvai a Jah!
5 O Salmo 113 responde à pergunta: Por que louvar a Jeová? Começa com a ordem: “Louvai a Jah! Oferecei louvor, ó servos de Jeová, louvai o nome de Jeová. Venha a ser abençoado o nome de Jeová desde agora e por tempo indefinido.” (Salmo 113:1, 2) “Aleluia!” sim: “Louvai a Jah!” Esta ordem aplica-se especialmente ao povo de Deus neste “tempo do fim”. (Daniel 12:4) Desde agora e para sempre, o nome de Jeová será enaltecido em toda a Terra. Suas Testemunhas proclamam agora que Jeová é Deus, que Cristo é Rei e que o Reino já foi estabelecido no céu. Satanás, o Diabo, e sua organização não podem impedir este louvor dado a Jeová.
6 O cântico de louvor ressoará até que Jeová o faça encher a Terra. “Desde o nascente do sol até o seu poente, o nome de Jeová deve ser louvado.” (Salmo 113:3) Isto significa mais do que apenas uma adoração diária por parte de algumas criaturas terrestres. O sol levanta-se no leste e põe-se no oeste, abrangendo toda a Terra. Onde quer que o sol brilhe, o nome de Jeová será em breve louvado por todas as pessoas, libertas da servidão à religião falsa e à organização de Satanás. Na realidade, este cântico, que nunca terminará, é agora entoado pelas Testemunhas ungidas de Jeová e por aqueles que serão filhos terrestres do Seu Rei, Jesus Cristo. Que privilégio eles têm de ser cantores dos louvores de Jeová!
SALMO 113:2)
“Venha a ser abençoado o nome de Jeová Desde agora e por tempo indefinido.”
w92 15/11 pp. 8-9 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Louvai a Jah!
5 O Salmo 113 responde à pergunta: Por que louvar a Jeová? Começa com a ordem: “Louvai a Jah! Oferecei louvor, ó servos de Jeová, louvai o nome de Jeová. Venha a ser abençoado o nome de Jeová desde agora e por tempo indefinido.” (Salmo 113:1, 2) “Aleluia!” sim: “Louvai a Jah!” Esta ordem aplica-se especialmente ao povo de Deus neste “tempo do fim”. (Daniel 12:4) Desde agora e para sempre, o nome de Jeová será enaltecido em toda a Terra. Suas Testemunhas proclamam agora que Jeová é Deus, que Cristo é Rei e que o Reino já foi estabelecido no céu. Satanás, o Diabo, e sua organização não podem impedir este louvor dado a Jeová.
6 O cântico de louvor ressoará até que Jeová o faça encher a Terra. “Desde o nascente do sol até o seu poente, o nome de Jeová deve ser louvado.” (Salmo 113:3) Isto significa mais do que apenas uma adoração diária por parte de algumas criaturas terrestres. O sol levanta-se no leste e põe-se no oeste, abrangendo toda a Terra. Onde quer que o sol brilhe, o nome de Jeová será em breve louvado por todas as pessoas, libertas da servidão à religião falsa e à organização de Satanás. Na realidade, este cântico, que nunca terminará, é agora entoado pelas Testemunhas ungidas de Jeová e por aqueles que serão filhos terrestres do Seu Rei, Jesus Cristo. Que privilégio eles têm de ser cantores dos louvores de Jeová!
SALMO 113:3)
“Desde o nascente do sol até o seu poente, O nome de Jeová deve ser louvado.”
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
113:3 — De que forma o nome de Jeová deve ser louvado “desde o nascente do sol até o seu poente”? Isso envolve mais do que um grupo de pessoas adorando a Deus todos os dias. Desde o nascer do sol no leste até ele se pôr no oeste, seus raios iluminam o globo inteiro. Da mesma forma, Jeová deve ser louvado na Terra inteira. Não é possível conseguir isso sem um esforço organizado. Como Testemunhas de Jeová, prezamos o privilégio que temos de louvar a Deus e de participar zelosamente na obra de proclamação do Reino.
w92 15/11 p. 9 par. 6 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
6 O cântico de louvor ressoará até que Jeová o faça encher a Terra. “Desde o nascente do sol até o seu poente, o nome de Jeová deve ser louvado.” (Salmo 113:3) Isto significa mais do que apenas uma adoração diária por parte de algumas criaturas terrestres. O sol levanta-se no leste e põe-se no oeste, abrangendo toda a Terra. Onde quer que o sol brilhe, o nome de Jeová será em breve louvado por todas as pessoas, libertas da servidão à religião falsa e à organização de Satanás. Na realidade, este cântico, que nunca terminará, é agora entoado pelas Testemunhas ungidas de Jeová e por aqueles que serão filhos terrestres do Seu Rei, Jesus Cristo. Que privilégio eles têm de ser cantores dos louvores de Jeová!
SALMO 113:4)
“Jeová tem ficado muito enaltecido sobre todas as nações; Sua glória está acima dos céus.”
w92 15/11 p. 9 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Jeová É Incomparável
7 O salmista acrescenta: “Jeová tem ficado muito enaltecido sobre todas as nações; sua glória está acima dos céus.” (Salmo 113:4) Isto destaca dois aspectos da supremacia de Deus: (1) Para Jeová, o Supremo, “muito enaltecido sobre todas as nações”, elas são como uma gota dum balde e como mero pó na balança; (Isaías 40:15; Daniel 7:18) (2) sua glória é muito maior à dos céus físicos, porque os anjos fazem a sua vontade soberana. — Salmo 19:1, 2; 103:20, 21.
SALMO 113:5)
“Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus, Aquele que faz a sua morada no alto?”
it-2 p. 354 Humildade
Uma Qualidade de Deus. O próprio Jeová Deus possui entre as suas qualidades a humildade. Não que haja qualquer inferioridade da sua parte, ou alguma submissão a outros. Antes, ele mostra humildade por exercer misericórdia e grande compaixão para com pecadores humildes. Só o fato de lidar ele até mesmo com pecadores e providenciar seu Filho como sacrifício pelos pecados da humanidade já é uma expressão de humildade. Jeová Deus tem permitido o que é mau por uns 6.000 anos e tem deixado surgir a humanidade, embora o pai dela, Adão, tivesse pecado. Por meio da benignidade imerecida, mostrou-se assim misericórdia com os descendentes de Adão, dando-lhes a oportunidade de obter vida eterna. (Ro 8:20, 21) Tudo isto, junto com outras qualidades excelentes de Deus, demonstra a Sua humildade.
O Rei Davi entendia e apreciava esta qualidade expressa na benignidade imerecida de Deus para com ele. Depois de Jeová o ter livrado da mão de todos os seus inimigos, ele cantou: “Tu me darás o teu escudo de salvação, e é a tua humildade que me engrandece.” (2Sa 22:36; Sal 18:35) Embora ele, na sua grande dignidade, esteja sentado no seu lugar exaltado no mais alto dos céus, ainda assim se pode dizer a respeito de Jeová: “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus, Aquele que faz a sua morada no alto? Ele condescende em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó; ele ergue o pobre da própria cova de cinzas, para fazê-lo sentar-se com os nobres, com os nobres do seu povo.” — Sal 113:5-8.
SALMO 113:6)
“Ele condescende em olhar para o céu e para a terra,”
w06 15/6 p. 31 Uma lição a respeito de orgulho e humildade
Embora Jeová seja o maior Personagem do Universo, o Salmo 113:6, 7 diz que “ele condescende [está disposto a descer de categoria ou dignidade nos tratos com alguém inferior] em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó; ele ergue o pobre da própria cova de cinzas”.
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
113:4-9. Jeová é tão elevado que até mesmo para “olhar para o céu” ele precisa ser condescendente, em outras palavras, precisa olhar para baixo. Apesar disso, ele se compadece do de condição humilde, do pobre e da mulher estéril. O Soberano Senhor Jeová é humilde e quer que seus adoradores também o sejam. — Tiago 4:6.
w05 15/10 p. 27 pars. 4-5 Cultive a verdadeira humildade
4 Não há ninguém no Universo que, para ajudar humanos pecadores, tenha se humilhado tanto quanto o Soberano Senhor. O salmista pôde escrever: “Jeová tem ficado muito enaltecido sobre todas as nações; sua glória está acima dos céus. Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus, aquele que faz a sua morada no alto? Ele condescende em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó; ele ergue o pobre da própria cova de cinzas.” — Salmo 113:4-7.
5 Note a palavra “condescende”. No caso de humanos, ela pode ter uma conotação negativa, ou seja, a de tratar com ares de superioridade alguém inferior ou menos afortunado. Essa altivez jamais poderia ser atribuída a Jeová, que é puro e santo e, assim, livre de “soberba”. (Marcos 7:22, 23) Mas “condescender” significa também “se rebaixar” ao nível de alguém socialmente inferior, ou “descer” de uma posição ou dignidade ao lidar com um inferior. Assim, algumas Bíblias vertem o Salmo 113:6 transmitindo a idéia de que Deus se humilha. Isso reflete bem a imagem de nosso Deus humilde que amorosamente atende às necessidades de seus adoradores imperfeitos. — 2 Samuel 22:36.
w04 1/11 p. 29 O que a humildade de Jeová significa para nós
Lemos no Salmo 113:6, 7: “[Jeová] condescende em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó.” Ele “condescende” no sentido de que “se abaixa para olhar”. (A Bíblia de Jerusalém)
w93 1/12 p. 15 Exemplos de humildade a serem imitados
“Condescender”, no sentido básico — e no sentido na Tradução do Novo Mundo — é “ceder, anuir voluntariamente”. — Veja o Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa.
w93 1/12 pp. 14-15 pars. 4-5 Exemplos de humildade a serem imitados
De novo, lemos no Salmo 113:6 que Jeová “condescende em olhar para o céu e para a terra”. Outras traduções rezam “se abaixa para olhar” (A Bíblia de Jerusalém), “se humilha para atentar”. — A Bíblia Sagrada, Trinitariana.
5 Jeová Deus certamente foi condescendente no modo em que tratou Abraão ao permitir que este questionasse Sua justiça quando se propôs destruir as cidades iníquas de Sodoma e Gomorra. (Gênesis 18:23-32) E quando Jeová expressou sua disposição de eliminar a nação de Israel — uma vez por motivo de idolatria e outra vez por rebelião — Moisés, em cada uma dessas ocasiões, argumentou com Jeová como se estivesse falando com outro humano. Em cada uma dessas vezes, Jeová respondeu favoravelmente. Mostrava humildade da Sua parte aceder aos rogos de Moisés a respeito do Seu povo Israel. (Êxodo 32:9-14; Números 14:11-20) Outros exemplos dos tratos humildes de Jeová com humanos, como que de pessoa para pessoa, podem ser vistos no seu relacionamento com Gideão e com Jonas, conforme registrado em Juízes 6:36-40 e em Jonas 4:9-11.
w92 15/11 p. 9 par. 8 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
8 Induzido pela eminência de Deus, o salmista disse: “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus, aquele que faz a sua morada no alto? Ele condescende em olhar para o céu e para a terra.” (Salmo 113:5, 6) Deus é tão enaltecido, que tem de condescender a notar assuntos no céu e na Terra. Embora Jeová não seja inferior a ninguém nem esteja em sujeição a outros, mostra humildade em exercer misericórdia e compaixão para com pecadores inferiores. Providenciar ele Seu Filho, Jesus Cristo, como “sacrifício propiciatório” para cristãos ungidos e para o mundo da humanidade é uma expressão de humildade por parte de Jeová. — 1 João 2:1, 2.
it-1 p. 488 Céu, I
Jeová, desde a sua posição suprema e máxima, realmente, ‘olha para baixo’, para os céus e a terra físicos (Sal 14:2; 102:19; 113:6), e também, da sua posição elevada, ele fala, atende petições e faz julgamentos. (1Rs 8:49; Sal 2:4-6; 76:8; Mt 3:17)
it-2 p. 354 Humildade
Uma Qualidade de Deus. O próprio Jeová Deus possui entre as suas qualidades a humildade. Não que haja qualquer inferioridade da sua parte, ou alguma submissão a outros. Antes, ele mostra humildade por exercer misericórdia e grande compaixão para com pecadores humildes. Só o fato de lidar ele até mesmo com pecadores e providenciar seu Filho como sacrifício pelos pecados da humanidade já é uma expressão de humildade. Jeová Deus tem permitido o que é mau por uns 6.000 anos e tem deixado surgir a humanidade, embora o pai dela, Adão, tivesse pecado. Por meio da benignidade imerecida, mostrou-se assim misericórdia com os descendentes de Adão, dando-lhes a oportunidade de obter vida eterna. (Ro 8:20, 21) Tudo isto, junto com outras qualidades excelentes de Deus, demonstra a Sua humildade.
O Rei Davi entendia e apreciava esta qualidade expressa na benignidade imerecida de Deus para com ele. Depois de Jeová o ter livrado da mão de todos os seus inimigos, ele cantou: “Tu me darás o teu escudo de salvação, e é a tua humildade que me engrandece.” (2Sa 22:36; Sal 18:35) Embora ele, na sua grande dignidade, esteja sentado no seu lugar exaltado no mais alto dos céus, ainda assim se pode dizer a respeito de Jeová: “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus, Aquele que faz a sua morada no alto? Ele condescende em olhar para o céu e para a terra, levantando o de condição humilde do próprio pó; ele ergue o pobre da própria cova de cinzas, para fazê-lo sentar-se com os nobres, com os nobres do seu povo.” — Sal 113:5-8.
SALMO 113:7)
“Levantando o de condição humilde do próprio pó; Ele ergue o pobre da própria cova de cinzas,”
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
113:4-9. Jeová é tão elevado que até mesmo para “olhar para o céu” ele precisa ser condescendente, em outras palavras, precisa olhar para baixo. Apesar disso, ele se compadece do de condição humilde, do pobre e da mulher estéril. O Soberano Senhor Jeová é humilde e quer que seus adoradores também o sejam. — Tiago 4:6.
w92 15/11 pp. 9-10 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Jeová É Compassivo
9 Salientando a compaixão de Deus, o salmista acrescenta que Jeová está “levantando o de condição humilde do próprio pó; ele ergue o pobre da própria cova de cinzas, para fazê-lo sentar-se com os nobres, com os nobres do seu povo. Ele faz a estéril morar numa casa como mãe alegre de filhos. Louvai a Jah!” (Salmo 113:7-9) O povo de Jeová tem fé em que ele pode libertar os necessitados que são retos, mudar a sua condição, e satisfazer suas devidas necessidades e desejos. ‘O Enaltecido e Elevado reaviva o espírito dos humildes e o coração dos que estão sendo esmigalhados.’ — Isaías 57:15.
10 Como é que Jeová ‘ergue o pobre, para fazê-lo sentar-se com os nobres’? Quando é da vontade de Deus, ele coloca seus servos em posições de glória iguais às dos nobres. Fez isso no caso de José, que se tornou administrador de alimentos do Egito. (Gênesis 41:37-49) Em Israel, estar sentado com os nobres ou com homens em autoridade entre o povo de Jeová era um privilégio a ser prezado. Iguais aos anciãos cristãos da atualidade, esses homens tinham a ajuda e a bênção de Deus.
SALMO 113:8)
“Para fazê-lo sentar-se com os nobres, Com os nobres do seu povo.”
w92 15/11 p. 10 par. 9 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
para fazê-lo sentar-se com os nobres, com os nobres do seu povo.
w92 15/11 p. 10 par. 9 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Salmo 113:7-
w92 15/11 p. 10 par. 10 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
10 Como é que Jeová ‘ergue o pobre, para fazê-lo sentar-se com os nobres’? Quando é da vontade de Deus, ele coloca seus servos em posições de glória iguais às dos nobres. Fez isso no caso de José, que se tornou administrador de alimentos do Egito. (Gênesis 41:37-49) Em Israel, estar sentado com os nobres ou com homens em autoridade entre o povo de Jeová era um privilégio a ser prezado. Iguais aos anciãos cristãos da atualidade, esses homens tinham a ajuda e a bênção de Deus.
SALMO 113:9)
“Ele faz a estéril morar numa casa Como mãe alegre de filhos. Louvai a Jah!”
w92 15/11 p. 10 par. 11 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
11 Que dizer de ‘fazer da mulher estéril uma mãe alegre’? Deus deu à estéril Ana um filho — Samuel, a quem ela devotou ao Seu serviço. (1 Samuel 1:20-28) O que é mais significativo é que, começando com Jesus e com o derramamento de espírito santo sobre os seus discípulos, em Pentecostes de 33 EC, a mulher simbólica de Deus, a Sião celestial, passou a produzir filhos espirituais. (Isaías 54:1-10, 13; Atos 2:1-4) E assim como Deus restabeleceu os judeus na sua pátria, depois do exílio em Babilônia, em 1919 ele libertou também do cativeiro babilônico os do restante ungido do “Israel de Deus” e os abençoou tão grandemente em sentido espiritual, que se aplicam a eles as palavras do Salmo 113:7-9. (Gálatas 6:16) Os do restante do Israel espiritual e seus associados com esperanças terrestres, quais leais Testemunhas de Jeová, respondem de coração às palavras finais do Salmo 113: “Louvai a Jah!”
SALMO 114:1)
“Quando Israel saiu do Egito, A casa de Jacó, dum povo falando ininteligivelmente,”
w92 15/11 p. 10 par. 12 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
12 O Salmo 114 mostra a singularidade de Jeová por citar eventos singulares envolvendo os israelitas. O salmista cantou: “Quando Israel saiu do Egito, a casa de Jacó, dum povo falando ininteligivelmente, Judá tornou-se seu lugar santo, Israel, seu grandioso domínio.” (Salmo 114:1, 2) Deus libertou Israel da escravidão aos egípcios, cuja língua lhes era estranha aos ouvidos. A libertação do povo de Jeová, chamado Judá e Israel em paralelismo poético, mostra que Deus pode libertar todos os seus servos hoje em dia.
SALMO 114:2)
“Judá tornou-se seu lugar santo, Israel, seu grandioso domínio.”
w92 15/11 p. 10 par. 12 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
12 O Salmo 114 mostra a singularidade de Jeová por citar eventos singulares envolvendo os israelitas. O salmista cantou: “Quando Israel saiu do Egito, a casa de Jacó, dum povo falando ininteligivelmente, Judá tornou-se seu lugar santo, Israel, seu grandioso domínio.” (Salmo 114:1, 2) Deus libertou Israel da escravidão aos egípcios, cuja língua lhes era estranha aos ouvidos. A libertação do povo de Jeová, chamado Judá e Israel em paralelismo poético, mostra que Deus pode libertar todos os seus servos hoje em dia.
SALMO 114:3)
“O próprio mar viu e pôs-se em fuga; Quanto ao Jordão, começou a voltar atrás.”
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
13 A soberania de Jeová sobre toda a criação evidencia-se nas palavras: “O próprio mar viu e pôs-se em fuga; quanto ao Jordão, começou a voltar atrás.
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Salmo 114:3
SALMO 114:4)
“Os próprios montes saltitaram como carneiros, Os morros como cordeiros.”
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Os próprios montes saltitaram como carneiros, os morros como cordeiros.
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Salmo 114:3-
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
‘Os montes saltitavam como carneiros’ quando o monte Sinai fumegava e tremia, na ocasião em que se instituiu o pacto da Lei. (Êxodo 19:7-18)
SALMO 114:5)
“Que é que havia contigo, ó mar, que te puseste em fuga, Ó Jordão, que começaste a voltar atrás?”
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Que é que havia contigo, ó mar, que te puseste em fuga, ó Jordão, que começaste a voltar atrás?
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
(Salmo 114:3-6) O mar Vermelho “pôs-se em fuga” quando Deus abriu para seu povo um caminho através dele. Israel viu então a grande mão de Jeová em ação contra os egípcios, que morreram quando as águas retornaram. (Êxodo 14:21-31) Numa demonstração similar de poder divino, o rio Jordão ‘começou a voltar atrás’, permitindo que os israelitas o atravessassem para Canaã. (Josué 3:14-16)
w92 15/11 pp. 10-11 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Visando o clímax do seu cântico, o salmista colocou o assunto em forma de pergunta, talvez sugerindo que os inanimados mar, rio, monte e morros ficaram abismados diante dessas demonstrações do poder de Jeová.
SALMO 114:6)
“Ó montes, que fostes saltitar como carneiros; Ó morros, como cordeiros?”
w92 15/11 p. 10 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Ó montes, que fostes saltitar como carneiros; ó morros, como cordeiros?” (Salmo 114:3-6)
w92 15/11 pp. 10-11 par. 13 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
‘Os montes saltitavam como carneiros’ quando o monte Sinai fumegava e tremia, na ocasião em que se instituiu o pacto da Lei. (Êxodo 19:7-18) Visando o clímax do seu cântico, o salmista colocou o assunto em forma de pergunta, talvez sugerindo que os inanimados mar, rio, monte e morros ficaram abismados diante dessas demonstrações do poder de Jeová.
SALMO 114:7)
“Fica em severas dores, ó terra, por causa do Senhor, Por causa do Deus de Jacó,”
w92 15/11 p. 11 par. 14 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
14 Ainda aludindo ao poder de Jeová, o salmista cantou: “Fica em severas dores, ó terra, por causa do Senhor, por causa do Deus de Jacó, que transforma a rocha em banhado aquoso de juncos, a rocha de pederneira, em manancial de água.” (Salmo 114:7, 8) Em sentido figurado, o salmista indica assim que a humanidade devia ficar com espanto reverente diante de Jeová, o Senhor e Governante Universal de toda a Terra. Ele era o “Deus de Jacó”, ou Israel, assim como o é dos israelitas espirituais e de seus companheiros terrestres.
SALMO 114:8)
“Que transforma a rocha em banhado aquoso de juncos, A rocha de pederneira, em manancial de água.”
w92 15/11 p. 11 par. 14 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
que transforma a rocha em banhado aquoso de juncos, a rocha de pederneira, em manancial de água.” (Salmo 114:7, 8)
w92 15/11 p. 11 par. 14 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Em Meribá e em Cades, no ermo, Jeová mostrou seu poder por suprir Israel milagrosamente de água, ‘transformando a rocha em banhado aquoso de juncos, a rocha de pederneira, em manancial de água’. (Êxodo 17:1-7; Números 20:1-11) Tais recordações do espantoso poder e do terno cuidado de Jeová dão às suas Testemunhas motivos sólidos para terem incondicional fé nele.
SALMO 115:8)
“Iguais a eles se tornarão os que os fazem, Todos os que neles confiam.”
w92 15/11 p. 11 par. 16 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Os ídolos das nações, porém, não podem fazer nada, porque são estátuas de prata e de ouro feitas pelo homem. Apesar de terem boca, olhos e ouvidos, são mudos, cegos e surdos. Têm nariz, mas não podem cheirar, pés, mas não podem andar, e garganta, mas não podem proferir nenhum som. Os que fazem esses ídolos impotentes, bem como os que confiam neles, tornar-se-ão igualmente sem vida. — Versículos 4-8.
SALMO 115:11)
“Vós, os que temeis a Jeová, confiai em Jeová; Ele é sua ajuda e seu escudo.”
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
17 A seguir, exorta-se a que se confie em Jeová como o Ajudador e o Escudo protetor de Israel, da casa sacerdotal de Arão, e de todos os que temem a Deus. (Salmo 115:9-11) Nós, como os que temem a Jeová Deus, reverenciamos profundamente a Ele e temos um saudável pavor de desagradá-lo.
w92 15/11 p. 11 par. 15 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
15 O Salmo 115 insta-nos a louvar a Jeová e a confiar nele. Atribui-lhe bênção e ajuda, e prova que os ídolos são inúteis. Este salmo talvez fosse cantado de modo antifônico. Quer dizer, uma voz talvez cantasse: “Vós, os que temeis a Jeová, confiai em Jeová.” A congregação talvez respondesse: “Ele é sua ajuda e seu escudo.” — Salmo 115:11.
SALMO 115:16)
“Quanto aos céus, os céus pertencem a Jeová, Mas a terra ele deu aos filhos dos homens.”
g 12/09 p. 10 Por que estamos aqui?
A Bíblia declara sobre o propósito de Deus: “Quanto aos céus, os céus pertencem a Jeová, mas a terra ele deu aos filhos dos homens.” (Salmo 115:16) Assim, é razoável concluir que o único lugar adequado no Universo para a humanidade viver é a Terra, que foi feita por Jeová exatamente com esse objetivo.
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Os céus são o lugar do seu trono, mas Deus fez da Terra o lar eterno da humanidade leal e obediente.
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Salmo 115:16
g92 8/9 pp. 13-14 Exploração espacial — o que reserva o futuro?
Chegará o Homem Algum Dia aos Planetas?
A famosa série de filmes americanos Jornada nas Estrelas aguçou o apetite de milhões de pessoas pelas viagens espaciais. Quais são as perspectivas futuras para a exploração tripulada de outros planetas? Duas perspectivas devem ser consideradas — a humana e a divina. Afinal, a Bíblia diz que Jeová é “Aquele que fez o céu e a terra. Quanto aos céus, os céus pertencem a Jeová, mas a terra ele deu aos filhos dos homens”. — Salmo 115:15, 16; Gênesis 1:1.
Já vimos que muitos cientistas estão otimistas quanto à capacidade dos humanos de chegar a Marte e estabelecer-se lá. A curiosidade humana e o anseio de conhecimento sem dúvida continuarão a impelir homens e mulheres a expandir as fronteiras das descobertas. Um dos objetivos do Telescópio Espacial Hubble, segundo um boletim de informações da NASA, é “procurar outros mundos, outras galáxias e até as origens do próprio Universo”. A NASA também declara: “As perspectivas para atividades espaciais no século 21 são empolgantes e desafiadoras. Podemos visionar consecuções importantes, como indústrias que funcionarão em órbita, bases lunares e expedições tripuladas a Marte. Agora que a fronteira espacial foi atravessada, não há retorno.”
O que se pode dizer do ponto de vista bíblico? É verdade que o homem recebeu de Deus a ordem de ‘multiplicar-se e encher a Terra’. (Gênesis 1:28) Ao mesmo tempo, ele recebeu inteligência e o desejo insaciável de saber mais sobre o seu ambiente, incluindo a biosfera, a estratosfera e além disso. Esse ambiente inclui nosso minúsculo sistema solar e as estrelas mais além. Assim, o Rei Davi foi inspirado a escrever há uns três mil anos: “Quando vejo os teus céus, trabalhos dos teus dedos, a lua e as estrelas que preparaste, que é o homem mortal para que te lembres dele, e o filho do homem terreno para que tomes conta dele?” — Salmo 8:3, 4.
O telescópio Hubble transmitiu recentemente uma imagem da galáxia gigante M87. Foi descrita como uma bolha de luz constituída de dois trilhões de estrelas! Pode imaginar essa quantidade de estrelas? A que distância fica a M87? A cinqüenta e dois milhões de anos-luz da Terra — “relativamente próxima, na escala intergaláctica de distância!” Sejamos francos: o homem e a Terra são infinitamente pequenos, comparados com a inimaginável vastidão do espaço universal! O que Jeová está fazendo e ainda fará em todo esse espaço infinito está além de nossa compreensão atual. Apesar das ambições humanas pela exploração espacial, suscitou-se em nosso planeta uma questão que primeiro tem de ser resolvida pela intervenção de Deus. — Revelação (Apocalipse) 16:14-16.
Questão a Ser Resolvida
A questão é a escolha entre o governo de Deus e o governo de Satanás. É por isso que as Testemunhas de Jeová proclamam no mundo todo que Deus em breve agirá para livrar a Terra da iniqüidade, da corrupção, do assassínio, da violência e da guerra. — Marcos 13:10; 2 Coríntios 4:4.
Os astronautas que já observaram a Terra a centenas de quilômetros no espaço maravilharam-se diante da beleza dessa jóia planetária. Vista lá de cima, a Terra não mostra fronteiras políticas que dividem e separam. É simplesmente um lar indiviso, belo e global para a família humana. No entanto, o mundo aqui está cheio de ganância, inveja, mentiras, exploração, injustiça, terror, medo, crimes e violência. O que precisa a humanidade para cair em si?
A Bíblia mostra que Jeová Deus, o Criador e Proprietário da Terra, em breve agirá contra os indisciplinados e ingovernáveis inquilinos deste planeta. Apenas os genuinamente mansos sobreviverão para herdar a Terra. Só então saberemos que outros propósitos Deus tem em mente para a obediente família humana. — Salmo 37:11, 29; Revelação 11:18; 16:14-16.
SALMO 115:17)
“Os próprios mortos não louvam a Jah, Nem quaisquer dos que descem ao silêncio.”
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Salmo 115:16-
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Visto que os mortos inconscientes e mudos não podem louvar a Jeová, nós, os vivos, devemos fazê-lo com total devoção e lealdade. (Eclesiastes 9:5)
SALMO 115:18)
“Nós, porém, bendiremos a Jah Desde agora e por tempo indefinido. Louvai a Jah!”
w92 15/11 p. 11 par. 17 “Quem é semelhante a Jeová, nosso Deus?”
Apenas aqueles que louvam a Jeová usufruirão a vida eterna e poderão ‘bendizer a Jah’ para sempre, falando bem dele “por tempo indefinido”. Portanto, juntemo-nos lealmente aos que acatam a exortação: “Louvai a Jah!” — Salmo 115:16-18.
SALMO 116:12)
“Que pagarei de volta a Jeová Por todos os benefícios que me fez?”
w09 15/7 p. 29 Receba com gratidão — dê de todo o coração
‘Que pagarei a Jeová?’
O salmista perguntou: ‘Que pagarei a Jeová por todos os benefícios que me fez?’ (Sal. 116:12) Que benefícios ele havia recebido? Jeová o sustentara num período de “aflição e pesar” e havia ‘socorrido sua alma da morte’. Agora, o salmista queria ‘pagar’ a Jeová de alguma maneira. O que poderia fazer? Ele disse: “Pagarei meus votos a Jeová.” (Sal. 116:3, 4, 8, 10-14) Ele decidiu manter todas as promessas solenes que fizera a Jeová e cumprir todas as suas obrigações para com Ele.
Você pode fazer o mesmo. Como? Por sempre conduzir sua vida de um modo que se ajuste às leis e aos princípios de Deus. Por isso, certifique-se de que sua adoração a Jeová continue a ser a coisa mais importante na sua vida e permita que o espírito de Deus o guie em tudo o que você faz. (Ecl. 12:13; Gál. 5:16-18) Na verdade, você nunca poderá retribuir na inteireza tudo o que Jeová tem feito por você. No entanto, observar que você está dando de si de todo o coração no serviço de Jeová ‘alegra o Seu coração’. (Pro. 27:11) Que privilégio maravilhoso é agradar a Jeová dessa maneira!
w98 1/12 p. 24 No limiar de atividades maiores
Karl Adams falou primeiro sobre o assunto “O que você pagará de volta a Jeová?”. Seu discurso baseava-se no Salmo 116, que Jesus talvez cantasse na noite antes da sua morte. (Mateus 26:30, nota na NM com Referências.) Em que pensou Jesus ao cantar as palavras: “Que pagarei de volta a Jeová por todos os benefícios que me fez”? (Salmo 116:12) Talvez pensasse no corpo perfeito que Jeová lhe preparara. (Hebreus 10:5) No dia seguinte, ele teria de oferecer este corpo em sacrifício, o que provaria a profundidade do seu amor.
SALMO 116:14)
“Pagarei meus votos a Jeová, Sim, diante de todo o seu povo.”
w09 15/7 p. 29 Receba com gratidão — dê de todo o coração
O que poderia fazer? Ele disse: “Pagarei meus votos a Jeová.” (Sal. 116:3, 4, 8, 10-14) Ele decidiu manter todas as promessas solenes que fizera a Jeová e cumprir todas as suas obrigações para com Ele.
Você pode fazer o mesmo. Como? Por sempre conduzir sua vida de um modo que se ajuste às leis e aos princípios de Deus. Por isso, certifique-se de que sua adoração a Jeová continue a ser a coisa mais importante na sua vida e permita que o espírito de Deus o guie em tudo o que você faz. (Ecl. 12:13; Gál. 5:16-18)
SALMO 116:15)
“Preciosa aos olhos de Jeová É a morte dos que lhe são leais.”
w12 15/5 p. 22 Perguntas dos Leitores
Perguntas dos Leitores
Em que sentido a morte dos que são leais a Deus é “preciosa aos olhos de Jeová”?
▪ Um salmista inspirado cantou: “Preciosa aos olhos de Jeová é a morte dos que lhe são leais.” (Sal. 116:15) A vida de cada um dos adoradores verdadeiros de Jeová é muito valiosa para ele. No entanto, as acima citadas palavras do Salmo 116 não se referem simplesmente à morte de uma pessoa individual.
Ao proferir um discurso fúnebre de um cristão, portanto, não é adequado aplicar o Salmo 116:15 ao morto, mesmo que tenha falecido fiel a Jeová. Por que não? Porque a declaração do salmista tem um sentido mais amplo. Significa que, para Deus, a morte do grupo inteiro dos leais a ele é custosa demais para ele permitir que isso aconteça. — Veja Salmo 72:14; 116:8.
O Salmo 116:15 garante que Jeová não permitirá que seus servos leais como grupo sejam eliminados da Terra. De fato, nossa história moderna registra nossa firmeza e perseverança sob severas provações e perseguições, o que é uma clara evidência de que Deus nunca permitirá nosso extermínio.
Por causa de seu poder ilimitado e seus propósitos infalíveis, Jeová não permitirá que sejamos aniquilados como grupo. Se Deus permitisse isso, daria a impressão de que seus inimigos são mais poderosos do que ele — uma impossibilidade! O propósito de Jeová de que este globo seja habitado por pessoas leais a ele fracassaria — o que é impossível. (Isa. 45:18; 55:10, 11) Até mesmo a prestação de serviços sagrados a Jeová cessaria na Terra se não restasse nenhum ser humano para adorá-lo nos pátios terrestres de seu grandioso templo espiritual. Não haveria o fundamento para a “nova terra” — uma sociedade humana justa vivendo no nosso globo sob o domínio do “novo céu”. (Rev. 21:1) E o Reinado Milenar de Cristo não poderia se tornar realidade sem súditos terrestres. — Rev. 20:4, 5.
A posição e a reputação de Deus seriam questionadas se ele permitisse que seus inimigos eliminassem da Terra todo o Seu povo. Isso mancharia a posição de Jeová como Soberano Universal. Também por respeito a si mesmo e ao seu santo nome, Jeová não permitirá a morte, como grupo, dos que lhe são leais. E pense nisso: como Deus “sem injustiça”, ele jamais deixará de preservar o grupo de humanos que o tenham servido fielmente. (Deut. 32:4; Gên. 18:25) Além disso, Deus permitir o extermínio de seus servos como grupo seria contrário ao que diz a sua Palavra: “Jeová não abandonará seu povo, por causa do seu grande nome.” (1 Sam. 12:22) Com certeza, “Jeová não abandonará seu povo, nem deixará sua própria herança”. — Sal. 94:14.
É muito animador saber que o povo de Jeová nunca será eliminado da Terra! Portanto, sejamos sempre leais a Deus, confiando na sua promessa: “Nenhuma arma que se forjar contra ti será bem-sucedida, e condenarás toda e qualquer língua que se levantar contra ti em julgamento. Esta é a propriedade hereditária dos servos de Jeová, e sua justiça procede de mim.” — Isa. 54:17.
w12 15/8 p. 30 Lembra-se?
Por que num discurso fúnebre o orador não deve aplicar ao falecido o Salmo 116:15?
Esse texto diz: “Preciosa aos olhos de Jeová é a morte dos que lhe são leais.” Isso significa que, para Deus, morrerem todos os seus leais é custoso demais para ele permitir que ocorra. Jeová não permitirá que seus servos como grupo sejam exterminados da Terra. — 15/5, página 22.
w06 1/9 p. 14 Destaques do livro quinto dos Salmos
116:15 — Em que sentido é ‘preciosa aos olhos de Jeová a morte dos que lhe são leais’? Para Jeová, seus adoradores são tão preciosos que ele considera a morte deles como grupo valiosa demais para permitir que ocorra. Se Jeová deixasse isso acontecer, seria como se os inimigos fossem mais poderosos do que ele. Além disso, não haveria mais ninguém na Terra para estabelecer a base do novo mundo.
SALMO 118:5)
“Das circunstâncias aflitivas invoquei a Jah; Jah me respondeu [e me pôs] num lugar espaçoso.”
w93 1/6 p. 24 A Escola de Gileade — tem 50 anos e continua firme!
O próximo orador, Ralph E. Walls, escolheu o fascinante tema: “Como podemos escapar para a segurança dum ‘lugar espaçoso’?” O que é este “lugar espaçoso”? (Salmo 18:19) “Uma condição de libertação que dá paz mental e segurança no coração”, explicou o orador. De que precisamos ser libertos? ‘De você mesmo — das suas falhas.’ Acrescentou: ‘Também de circunstâncias externas instigadas por Satanás.’ (Salmo 118:5) Como podemos escapar para a segurança dum lugar espaçoso? ‘Por buscar as ordens de Jeová em tudo o que fazemos e por suplicar a Jeová com fé referente a todas as nossas preocupações.’
SALMO 118:22)
“A pedra que os construtores rejeitaram Tem-se tornado a principal do ângulo.”
w11 15/8 pp. 12-13 par. 4 Eles acharam o Messias!
Mas Deus havia inspirado o salmista a dizer: “A pedra que os construtores rejeitaram tem-se tornado a principal do ângulo. Isto veio a ser da parte do próprio Jeová.” (Sal. 118:22, 23) Jesus trouxe essa passagem à atenção de seus opositores religiosos, e Pedro disse que ela se cumpriu em Cristo. (Mar. 12:10, 11; Atos 4:8-11) Jesus realmente se tornou a “pedra angular de alicerce” da congregação cristã. Rejeitado pelos ímpios, ele foi ‘escolhido e era precioso para Deus’. — 1 Ped. 2:4-6.
w00 15/7 p. 14 pars. 19-20 É certa a esperança da ressurreição!
19 Alguns dias mais tarde, Pedro estava perante o Sinédrio e citou de novo os Salmos. Quando perguntado como havia curado um mendigo coxo, o apóstolo disse: “Seja sabido de todos vós e de todo o povo de Israel, que é no nome de Jesus Cristo, o nazareno, a quem pregastes numa estaca, mas a quem Deus levantou dentre os mortos, por esse é que este homem está aqui são em pé diante de vós. Esta [i.e.: Jesus] é ‘a pedra que por vós, construtores, não foi levada em conta, que se tornou a principal do ângulo’. Outrossim, não há salvação em nenhum outro, pois não há outro nome debaixo do céu, que tenha sido dado entre os homens, pelo qual tenhamos de ser salvos.” — Atos 4:10-12.
20 Pedro citou ali o Salmo 118:22, aplicando o texto à morte e à ressurreição de Jesus. Instigados pelos líderes religiosos, os judeus rejeitaram a Jesus. (João 19:14-18; Atos 3:14, 15) A ‘rejeição da pedra pelos construtores’ resultou na morte de Cristo, mas ‘tornar-se a pedra a principal do ângulo’ significava ele ser levantado para a glória espiritual no céu. Conforme o salmista predisse, “isto veio a ser da parte do próprio Jeová”. (Salmo 118:23) Tornar “a pedra” a Principal do ângulo envolveu enaltecê-lo como Rei-Designado. — Efésios 1:19, 20.
gt cap. 106 Desmascarados pelas ilustrações dos vinhedos
O fruto que Jeová espera de tais lavradores é fé em seu Filho, o verdadeiro Messias. Por falharem em produzir tal fruto, Jesus os adverte: “Nunca lestes nas Escrituras [no Salmo 118:22, 23]: ‘A pedra que foi rejeitada pelos construtores é a que se tem tornado a principal pedra angular. Isto procede de Jeová e é maravilhoso aos nossos olhos’? É por isso que vos digo: O reino de Deus vos será tirado e será dado a uma nação que produza os seus frutos. Também, quem cair sobre esta pedra, será despedaçado. Quanto àquele sobre quem ela cair, será pulverizado por ela.”
si p. 253 par. 13 Livro bíblico número 60 — 1 Pedro
Além disso, num trecho repleto de referências a outros textos bíblicos inspirados, ele mostra como a congregação cristã é edificada como casa espiritual de pedras vivas sobre o fundamento de Cristo. E para que fim? Pedro responde: “Vós sois ‘raça escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo para propriedade especial, para que divulgueis as excelências’ daquele que vos chamou da escuridão para a sua maravilhosa luz.” (1 Ped. 2:4-10; Isa. 28:16; Sal. 118:22; Isa. 8:14; Êxo. 19:5, 6; Isa. 43:21; Osé. 1:10; 2:23)
it-1 p. 550 Construtor, construção
Jesus aplicou o cumprimento do Salmo 118:22 a si mesmo, como “a pedra” que os líderes religiosos judaicos e seus seguidores, como “construtores”, haviam rejeitado. (Mt 21:42; Lu 20:17; At 4:11; 1Pe 2:7)
SALMO 118:24)
“Este é o dia feito por Jeová; Nele jubilaremos e nos alegraremos.”
w91 1/1 p. 17 par. 7 Estejamos cheios de alegria
7 Vivemos hoje num dia muito especial. Desde 1914, tem sido o dia da regência de Cristo qual Rei celestial, descrito no Salmo 118:24, 25: “Este é o dia feito por Jeová; nele jubilaremos e nos alegraremos. Ai! Jeová, salva deveras, por favor! Ai! Jeová, concede deveras bom êxito, por favor!” É o dia que atingirá o clímax quando Jeová executar a religião babilônica e unir a noiva de Cristo, de 144.000 irmãos, com seu Rei celestial. Todos os do povo de Deus ‘se alegrarão e estarão cheios de alegria’ por causa disso. Regozijar-se-ão também quando seu Rei Messiânico lutar no Armagedom para salvar a sua nação leal, introduzindo-a no Seu novo mundo justo. (Revelação 19:1-7, 11-16)
SALMO 118:25)
“Ai! Jeová, salva deveras, por favor! Ai! Jeová, concede deveras bom êxito, por favor!”
w91 1/1 p. 17 par. 7 Estejamos cheios de alegria
7 Vivemos hoje num dia muito especial. Desde 1914, tem sido o dia da regência de Cristo qual Rei celestial, descrito no Salmo 118:24, 25: “Este é o dia feito por Jeová; nele jubilaremos e nos alegraremos. Ai! Jeová, salva deveras, por favor! Ai! Jeová, concede deveras bom êxito, por favor!” É o dia que atingirá o clímax quando Jeová executar a religião babilônica e unir a noiva de Cristo, de 144.000 irmãos, com seu Rei celestial. Todos os do povo de Deus ‘se alegrarão e estarão cheios de alegria’ por causa disso. Regozijar-se-ão também quando seu Rei Messiânico lutar no Armagedom para salvar a sua nação leal, introduzindo-a no Seu novo mundo justo. (Revelação 19:1-7, 11-16)
SALMO 118:29)
“Agradecei a Jeová, porque ele é bom; Pois a sua benevolência é por tempo indefinido.”
w02 15/1 p. 13 par. 10 Jeová, o exemplo supremo de bondade
Entre estes está o Salmo 118, entoado por famílias israelitas para concluir a observância da Páscoa. Este salmo começa e termina com as palavras: “Agradecei a Jeová, porque ele é bom; pois a sua benevolência é por tempo indefinido.” (Salmo 118:1, 29) Estas talvez tenham sido as últimas palavras cantadas por Jesus Cristo com seus apóstolos fiéis na noite antes da morte dele em 33 EC. — Mateus 26:30.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS