PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

SALMOS 102-105 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 15-21 de agosto

ADS BY GOOGLE

TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS: TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | SALMOS 102-105

“JEOVÁ SE LEMBRA DE QUE SOMOS PÓ”: (10 MIN)

Davi usou ilustrações para mostrar como Jeová é misericordioso.
Sal 103:11
É difícil compreender a distância entre o céu e a Terra. Da mesma forma, não conseguimos entender totalmente o tamanho do amor leal de Jeová por nós
Sal 103:12
Assim como o lugar onde o sol nasce é longe do lugar onde se põe, Jeová coloca nossos pecados muito longe de nós
Sal 103:13
Quando um filho se machuca, o pai sente pena e o ajuda. Da mesma forma, Jeová mostra misericórdia aos que se arrependem e se sentem esmagados pelo peso do pecado

Sal 103:8-12 — Jeová é misericordioso e nos perdoa quando nos arrependemos (w13 15/6 20 § 14; w12 15/7 16 § 17)

Tradução do Novo MundoSalmo 103:8-12
8 Jeová é misericordioso e compassivo,*+
Paciente* e cheio de amor leal.*+
9 Não nos repreende sem cessar,+
Nem fica ressentido para sempre.+
10 Ele não nos trata conforme os nossos pecados,+
Nem nos retribui o que merecemos pelos nossos erros.+
11 Pois, assim como os céus se elevam acima da terra,
Assim é grande o seu amor leal para com os que o temem.+
12 Tão longe como o nascente é do poente,
Tão longe ele põe de nós as nossas transgressões.+
A Sentinela (2013)Tenha apreço pela lealdade e perdão de Jeová
14. Como meditar no perdão de Jeová pode servir de consolo para nós? Dê um exemplo.
14 Meditar no perdão de Jeová pode nos servir de consolo. Veja um exemplo. Muitos anos atrás, uma irmã, a quem chamaremos de Elaine, foi desassociada. Alguns anos depois, foi readmitida. “Embora eu dissesse a mim mesma e a outros que eu acreditava que tinha sido perdoada por Jeová”, disse ela, “eu sempre achava que de alguma maneira ele estava distante ou que os outros estavam mais achegados a ele e que Jeová era mais real para eles”. Mas Elaine foi consolada por ler e meditar em algumas figuras de linguagem usadas na Bíblia para descrever o perdão de Jeová. Ela acrescenta: “Eu senti o amor e a ternura de Jeová de uma maneira que nunca tinha percebido antes.” Ela ficou especialmente comovida com estas palavras: “Quando Deus perdoa nossos pecados, não precisamos levar a mancha deles pelo resto da vida.”* Elaine diz: “Eu achava que Jeová nunca me perdoaria completamente e que eu carregaria esse peso pelo resto da vida. Sei que vai levar tempo, mas estou começando a achar que realmente posso me achegar mais a Jeová. É como se um peso tivesse sido tirado de meus ombros.” Nós servimos a um Deus realmente amoroso e perdoador. — Sal. 103:9.
A Sentinela (2012)Sirva ao Deus da liberdade
17. Por que não devemos ficar abatidos por causa de nossas imperfeições, e que ajuda Jeová provê?
17 Às vezes, é claro, todos nós cometemos erros. (Ecl. 7:20) Quando isso acontece, não se sinta sem valor ou excessivamente desanimado. Se você ‘tropeçar’, levante-se e siga em frente — mesmo que seja necessário pedir a ajuda dos anciãos. A “oração de fé” dos anciãos, escreveu Tiago, “fará que o indisposto fique bom, e Jeová o levantará. Também, se ele tiver cometido pecados, ser-lhe-á isso perdoado”. (Tia. 5:15) Nunca se esqueça de que Deus é realmente misericordioso e que ele atraiu você à congregação porque viu seu potencial. (Leia Salmo 103:8, 9.) Assim, enquanto você mantiver um coração pleno para com Jeová, ele jamais desistirá de você. — 1 Crô. 28:9.

Sal 103:13, 14 — Jeová sabe de todas as nossas limitações (w15 15/4 26 § 8; w13 15/6 15 § 16)

Tradução do Novo MundoSalmo 103:13, 14
13 Assim como o pai é misericordioso com os filhos,
Jeová é misericordioso com os que o temem.+
14 Pois ele sabe bem como somos formados,+
Lembra-se de que somos pó.+
A Sentinela (2015)Confie sempre em Jeová!
8. O que Jeová promete no que diz respeito às nossas limitações?
8 Outro fator é que Jeová conhece muito bem nossas limitações. (Sal. 103:14) Assim, ele não espera que perseveremos sozinhos, mas nos oferece sua ajuda paternal. É claro, às vezes achamos que já chegamos ao nosso limite. Mas Jeová garante que nunca permitirá que seus servos sofram mais do que podem suportar. Ele ‘provê a saída’. (Leia 1 Coríntios 10:13.) Por isso, temos todos os motivos para confiar que Jeová sabe o que podemos aguentar ou não.
A Sentinela (2013)Tenha apreço pela generosidade e razoabilidade de Jeová
16 Bem, imagine que você seja israelita e muito pobre. Ao chegar ao tabernáculo com um pouco de farinha para oferecer como sacrifício, você nota israelitas mais abastados trazendo animais. Você talvez se sinta constrangido por causa de seu aparentemente insignificante sacrifício de farinha. Daí você se lembra que, aos olhos de Jeová, sua oferta é significativa. Por quê? Uma das razões é que Jeová exigia que a farinha fosse de alta qualidade. É como se Jeová dissesse aos israelitas mais pobres: ‘Eu sei que você não pode oferecer tanto como os outros, mas sei também que o que você está me dando é o seu melhor.’ Realmente, Jeová mostra razoabilidade por levar em conta as limitações e as circunstâncias de seus servos. — Sal. 103:14.

Sal 103:19, 22 — Somos gratos pela misericórdia e compaixão de Jeová. Por isso, reconhecemos e apoiamos a posição dele como Soberano (w10 15/11 25 § 5; w07 1/12 21 § 1)

Tradução do Novo MundoSalmo 103:19
19 Jeová estabeleceu firmemente o seu trono nos céus,+
Ele reina sobre tudo.+
Tradução do Novo MundoSalmo 103:22
22 Louvem a Jeová, todas as suas obras,
Em todos os lugares onde ele domina.*
Que todo o meu ser* louve a Jeová.
A Sentinela (2010)Jeová é nosso Soberano Senhor!
5. Por que devemos nos sentir motivados a apoiar a soberania de Jeová?
5 Como Criador, Jeová Deus é o Soberano da Terra e do Universo. (Leia Revelação 4:11.) Ele é também nosso Juiz, Legislador e Rei, pois combina em si mesmo os poderes judicial, legislativo e executivo do governo universal. (Isa. 33:22) Visto que devemos nossa existência a Deus e dependemos dele, temos de encará-lo como Soberano Senhor. Seremos motivados a apoiar sua elevada posição se sempre tivermos em mente que é “Jeová [quem] estabeleceu firmemente seu trono nos próprios céus; e seu próprio reinado tem mantido domínio sobre tudo”. — Sal. 103:19; Atos 4:24.
A Sentinela (2007)A soberania de Jeová e o Reino de Deus
1. Por que Jeová é o legítimo Soberano do Universo?
“JEOVÁ é que estabeleceu firmemente seu trono nos próprios céus; e seu próprio reinado tem mantido domínio sobre tudo.” (Salmo 103:19) Com essas palavras, o salmista mostrou a verdade básica sobre domínio. Jeová Deus, sendo o Criador, é o legítimo Governante Soberano do Universo.

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)

Sal 102:12, 27 — Quando estamos passando por problemas, como nos ajuda pensar na nossa amizade com Jeová? (w14 15/3 16 §§ 19-21)

Tradução do Novo MundoSalmo 102:12
12 Mas tu, ó Jeová, permaneces para sempre,+
E a tua fama* durará por todas as gerações.+
Tradução do Novo MundoSalmo 102:27
27 Mas tu és o mesmo, e os teus anos nunca terão fim.+
A Sentinela (2014)Como manter uma atitude positiva
19. Que situação o escritor do Salmo 102 estava enfrentando?
19 O escritor do Salmo 102 estava desesperado. Ele se sentia “atribulado”, sofrendo muita aflição física e emocional, e não tinha forças para lidar com seus problemas. (Sal. 102, cabeçalho) Suas palavras dão a entender que ele estava concentrado demais em seu sofrimento, solidão e outros sentimentos negativos. (Sal. 102:3, 4, 6, 11) Ele achava que Jeová ia abandoná-lo. — Sal. 102:10.
20. Como a oração pode ajudar alguém que luta contra pensamentos negativos?
20 Mas o salmista ainda podia usar sua vida para louvar a Jeová. (Leia Salmo 102:19-21.) Conforme mostra o Salmo 102, até mesmo aqueles que estão na fé podem estar sofrendo e lutando para se concentrar em coisas além de seu sofrimento. O salmista se sentia “igual a um pássaro isolado sobre o telhado”, como se tivesse apenas seus problemas como companhia. (Sal. 102:7) Se você se sente assim vez por outra, abra o coração a Jeová, assim como fez o salmista. As orações do “atribulado” — ou seja, as orações que você faz — podem ajudá-lo à medida que luta contra pensamentos negativos. Jeová promete que prestará atenção à “oração dos que foram despojados de tudo e não desprezará a sua oração”. (Sal. 102:17) Confie nessa promessa.
21. Como alguém que luta contra sentimentos negativos pode ter uma atitude mais positiva?
21 O Salmo 102 também mostra como você pode ter uma atitude mais positiva. O salmista fez isso por voltar a atenção para sua relação com Jeová. (Sal. 102:12, 27) Ele se sentiu consolado por saber que Jeová nunca deixaria de sustentar Seu povo diante de dificuldades. Assim, se pensamentos negativos impedirem você de fazer por um tempo tanto quanto gostaria no serviço de Deus, ore sobre isso. Peça que Deus ouça sua oração, não apenas para que você se sinta mais aliviado de sua aflição, mas “para que o nome de Jeová seja declarado”. — Sal. 102:20, 21.

Sal 103:13 — Por que Jeová não responde imediatamente cada pedido que fazemos? (w15 15/4 25 § 7)

Tradução do Novo MundoSalmo 103:13
13 Assim como o pai é misericordioso com os filhos,
Jeová é misericordioso com os que o temem.+
A Sentinela (2015)Confie sempre em Jeová!
7. Por que Jeová nem sempre responde imediatamente nossas orações?
7 Por que Jeová não responde imediatamente cada pedido que fazemos? Lembre-se de que ele compara nossa relação com ele à de um filho com seu pai. (Sal. 103:13) Um filho não tem o direito de esperar que seu pai atenda a todos os seus pedidos, ou que faça isso imediatamente. Alguns desses pedidos não passam de desejos passageiros; outros precisam esperar a hora certa; e ainda outros não resultariam no bem do filho ou de outras pessoas envolvidas. Além disso, fazer tudo o que o filho quer na hora que ele quer muda a natureza da relação entre os dois: passa de uma relação entre pai e filho para uma relação entre escravo e amo — o filho sendo o amo. De modo similar, pode ser que Jeová, pensando no que é melhor para nós, permita que passe algum tempo antes de responder nossas orações. Ele tem o direito de fazer isso por ser nosso sábio Criador, amoroso Amo e Pai celestial. Se ele atendesse imediatamente a todos os nossos pedidos, isso distorceria a relação entre nós e ele. — Note Isaías 29:16; 45:9.

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

SALMOS 102-105 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS

SALMO 102:6)
“Pareço-me deveras ao pelicano do ermo. Tornei-me como o mocho dos lugares desolados.”
*** it-1 p. 573 Coruja (mocho) ***
Igualmente incluída entre as aves ‘impuras’ está a hebraica kohs, palavra vertida por alguns como “mocho”, e designada como Athene noctua. (De 14:16, ALA, CBC, NM; veja também Lexicon in Veteris Testamenti Livros [Léxico dos Livros do Velho Testamento], de L. Koehler e W. Baumgartner, Leiden, 1958, p. 428.) Este mocho (conhecido hoje também como mocho-galego), de uns 25 cm de comprimento, é uma das corujas mais difundidas na Palestina, encontrada em moitas, olivais e ruínas desoladas. O salmista, na sua solitária aflição, sentiu-se como “o mocho dos lugares desolados”. (Sal 102:6) Apropriadamente, o nome árabe desta variedade de coruja significa “mãe de ruínas”.
SALMO 102:7)
“Fiquei emaciado E tornei-me igual a um pássaro isolado sobre o telhado.”
*** w14 15/3 p. 16 par. 20 Como manter uma atitude positiva ***
Conforme mostra o Salmo 102, até mesmo aqueles que estão na fé podem estar sofrendo e lutando para se concentrar em coisas além de seu sofrimento. O salmista se sentia “igual a um pássaro isolado sobre o telhado”, como se tivesse apenas seus problemas como companhia. (Sal. 102:7) Se você se sente assim vez por outra, abra o coração a Jeová, assim como fez o salmista. As orações do “atribulado” — ou seja, as orações que você faz — podem ajudá-lo à medida que luta contra pensamentos negativos.
SALMO 102:12)
“Quanto a ti, ó Jeová, morarás por tempo indefinido, E a recordação de ti será para geração após geração.”
*** w14 15/3 p. 16 par. 21 Como manter uma atitude positiva ***
21 O Salmo 102 também mostra como você pode ter uma atitude mais positiva. O salmista fez isso por voltar a atenção para sua relação com Jeová. (Sal. 102:12, 27) Ele se sentiu consolado por saber que Jeová nunca deixaria de sustentar Seu povo diante de dificuldades.
SALMO 102:19)
“Pois ele olhou para baixo desde a sua altura sagrada, Jeová mesmo, dos próprios céus, olhou para a terra,”
*** it-1 p. 488 Céu, I ***
Jeová, desde a sua posição suprema e máxima, realmente, ‘olha para baixo’, para os céus e a terra físicos (Sal 14:2; 102:19; 113:6), e também, da sua posição elevada, ele fala, atende petições e faz julgamentos. (1Rs 8:49; Sal 2:4-6; 76:8; Mt 3:17)
SALMO 102:25)
“Há muito lançaste os alicerces da própria terra E os céus são o trabalho das tuas mãos.”
*** w11 1/7 p. 27 Quem criou as leis que governam o Universo? ***
3. Eternos ou sujeitos à deterioração?
Aristóteles acreditava que havia uma grande diferença entre os céus e a Terra. Segundo ele, a Terra estava sujeita a mudanças, deterioração e decadência, ao passo que o éter do qual os céus estrelados eram feitos nunca mudava e era eterno. A esferas cristalinas de Aristóteles e os corpos celestes fixos nelas nunca poderiam mudar, se desgastar ou morrer.
É isso o que a Bíblia ensina? O Salmo 102:25-27 diz: “Há muito lançaste os alicerces da própria terra e os céus são o trabalho das tuas mãos. Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; e todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez. Mas tu és o mesmo, e os teus próprios anos não se completarão.”
Note que o salmista, escrevendo talvez dois séculos antes da época de Aristóteles, não contrasta a Terra com os céus estrelados, como se a Terra estivesse sujeita à deterioração ao passo que as estrelas são eternas. Ele contrasta os céus e a Terra com Deus, o poderoso Espírito que dirigiu sua criação.
*** w06 1/1 p. 30 Perguntas dos Leitores ***
A eternidade de Jeová contrasta de forma nítida com a curta duração da vida do próprio salmista. “Teus anos são por todas as gerações”, diz ele a Jeová. (Salmo 102:24) A seguir, o salmista declara: “Há muito lançaste os alicerces da própria terra e os céus são o trabalho das tuas mãos.” — Salmo 102:25.
Nem mesmo a longevidade da Terra e dos céus pode se comparar à eternidade de Jeová.
*** rs p. 406 par. 3 Trindade ***
Por que Hebreus 1:10-12 cita o Salmo 102:25-27 e o aplica ao Filho, quando o salmo diz ser este dirigido a Deus? Porque o Filho é aquele por meio de quem Deus executou suas obras de criação descritas aqui pelo salmista. (Veja Colossenses 1:15, 16; Provérbios 8:22, 27-30.) Seja notado que em Hebreus 1:5b se cita de 2 Samuel 7:14, e isto é aplicado ao Filho de Deus. Embora esse texto tenha a sua primeira aplicação a Salomão, a aplicação posterior dele a Jesus Cristo não significa que Salomão e Jesus sejam a mesma pessoa. Jesus é “maior do que Salomão” e executa uma obra prefigurada por Salomão. — Luc. 11:31.
*** it-1 pp. 490-491 Céu, I ***
Que os céus físicos são permanentes é mostrado pelo fato de que são usados em símiles relacionados com coisas eternas, tais como os resultados pacíficos e justos do reino davídico herdado pelo Filho de Deus. (Sal 72:5-7; Lu 1:32, 33) De modo que textos tais como Salmo 102:25, 26, que falam de os céus ‘perecerem’ e serem ‘substituídos assim como uma vestimenta gasta’, não devem ser entendidos em sentido literal.
Em Lucas 21:33, Jesus diz que “céu e terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão”. O sentido desta expressão parece ser similar ao de Mateus 5:18: “Deveras, eu vos digo que antes passariam o céu e a terra [ou: “mais fácil é passarem céu e terra”; Lu 16:17] do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo se cumprisse.”
O Salmo 102:25-27 enfatiza a eternidade e a imperecibilidade de Deus, ao passo que a sua criação física dos céus e da terra é perecível, quer dizer, poderia ser destruída — se fosse do propósito de Deus. Dessemelhante da existência eterna de Deus, a permanência de qualquer parte da sua criação física não é independente. Conforme se vê na terra, a criação física tem de passar por um contínuo processo de renovação, se há de perdurar ou reter sua forma existente. Que os céus físicos dependem da vontade e do poder sustentador de Deus é indicado no Salmo 148, onde, depois de se referir ao sol, à lua e às estrelas, junto com outras partes da criação de Deus, o versículo 6 declara que Deus “os mantém estabelecidos para sempre, por tempo indefinido. Deu um regulamento, e este não passará”.
As palavras do Salmo 102:25, 26, aplicam-se a Jeová Deus, mas o apóstolo Paulo as cita com referência a Jesus Cristo. Isto se dá porque o Filho unigênito de Deus era o Agente pessoal de Deus usado na criação do universo físico. Paulo contrasta a permanência do Filho com a da criação física, a qual Deus, se intencionasse isso, poderia ‘enrolar assim como a uma capa’ e pôr de lado. — He 1:1, 2, 8, 10-12; compare isso com 1Pe 2:3 n.
SALMO 102:26)
“Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; E todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez.”
*** w11 1/7 pp. 27-28 Quem criou as leis que governam o Universo? ***
3. Eternos ou sujeitos à deterioração?
Aristóteles acreditava que havia uma grande diferença entre os céus e a Terra. Segundo ele, a Terra estava sujeita a mudanças, deterioração e decadência, ao passo que o éter do qual os céus estrelados eram feitos nunca mudava e era eterno. A esferas cristalinas de Aristóteles e os corpos celestes fixos nelas nunca poderiam mudar, se desgastar ou morrer.
É isso o que a Bíblia ensina? O Salmo 102:25-27 diz: “Há muito lançaste os alicerces da própria terra e os céus são o trabalho das tuas mãos. Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; e todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez. Mas tu és o mesmo, e os teus próprios anos não se completarão.”
Note que o salmista, escrevendo talvez dois séculos antes da época de Aristóteles, não contrasta a Terra com os céus estrelados, como se a Terra estivesse sujeita à deterioração ao passo que as estrelas são eternas. Ele contrasta os céus e a Terra com Deus, o poderoso Espírito que dirigiu sua criação. Esse salmo dá a entender que as estrelas estão tão sujeitas à deterioração quanto qualquer coisa na Terra. E o que a ciência moderna descobriu?
A geologia apoia tanto a Bíblia como Aristóteles no que diz respeito à Terra estar sujeita à deterioração. De fato, as rochas de nossa Terra estão sempre se desgastando através da erosão e sendo repostas por meio de atividade vulcânica e outros fenômenos geológicos.
Mas o que dizer das estrelas? Será que elas também estão sujeitas à deterioração natural, como sugere a Bíblia, ou são eternas, como Aristóteles ensinava? No século 16 EC, alguns astrônomos europeus começaram a duvidar da ideia de Aristóteles sobre a eternidade das estrelas. Isso se deu quando observaram pela primeira vez uma supernova, a explosão espetacular de uma estrela. Desde então, os cientistas constataram que as estrelas podem morrer violentamente nessas explosões ou se consumir aos poucos, ou até mesmo implodir. Por outro lado, os astrônomos também já observaram a formação de novas estrelas em ‘berçários estelares’, que são nuvens de gás enriquecido pelas explosões de estrelas velhas. Assim, a imagem que o escritor da Bíblia fez de um tecido que se desgasta e é substituído é completamente apropriada. Não é notável que esse salmista dos tempos antigos tenha sido capaz de escrever palavras que se harmonizam tão bem com as descobertas recentes?
Ainda assim, você talvez se pergunte: ‘Será que a Bíblia ensina que a Terra ou os céus estrelados como um todo terão fim um dia ou precisarão ser substituídos?’ Não, a Bíblia promete que durarão para sempre. (Salmo 104:5; 119:90) Isso acontecerá não porque essas criações são eternas em si mesmas, mas porque o Deus que as criou promete preservá-las. (Salmo 148:4-6) Ele não diz como. Mas você não acha lógico que Aquele que criou o Universo teria o poder de preservá-lo? É como um construtor que se preocupa em cuidar da casa que construiu para si mesmo e sua família.
*** w11 1/7 p. 28 Quem criou as leis que governam o Universo? ***
No século 19, o cientista William Thomson, também conhecido como Lorde Kelvin, descobriu a segunda lei da termodinâmica. Essa lei explica por que, com o tempo, os sistemas naturais tendem a se degenerar e a cessar. Um fator que o levou a chegar a essa conclusão foi o estudo cuidadoso do Salmo 102:25-27.
*** w08 1/4 p. 12 A nossa Terra será algum dia destruída? ***
Muito antes de os cientistas reconhecerem a “tendência rumo à desordem” em todas as coisas físicas, um salmista bíblico escreveu: “Lançaste [ou seja, Deus] os alicerces da própria terra, e os céus são o trabalho das tuas mãos. Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; e todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez. Mas tu és o mesmo, e os teus próprios anos não se completarão.” — Salmo 102:25-27.
Ao registrar essas palavras, o salmista não estava contradizendo o propósito eterno de Deus para a Terra. Em vez disso, ele estava contrastando a existência eterna de Deus com a perecibilidade de toda a matéria que Deus criou. Sem o eterno poder renovador de Deus, o Universo — incluindo o sistema solar de que dependemos para ter estabilidade, luz e energia — se tornaria uma desordem total e, por fim, se destruiria. Assim, sem a intervenção de Jeová, nossa Terra se ‘gastaria’, ou teria um fim permanente.
*** w06 1/1 p. 30 Perguntas dos Leitores ***
Nem mesmo a longevidade da Terra e dos céus pode se comparar à eternidade de Jeová. Daí, ele acrescenta: “Eles [a terra e os céus] é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé.” (Salmo 102:26) A Terra e os céus são perecíveis, mas Jeová deixou escrito em outra parte que eles vão durar para sempre. (Salmo 119:90; Eclesiastes 1:4) Eles poderiam ser destruídos, se esse fosse o propósito de Deus. Em contraste com isso, Deus não pode morrer. As criações físicas continuam ‘estabelecidas para sempre’ apenas porque Deus as mantém. (Salmo 148:6) Se Jeová não renovasse constantemente as criações físicas, então ‘elas se gastariam como a roupa’. (Salmo 102:26) Assim como o homem dura mais que suas roupas, assim também Jeová poderia durar mais do que suas criações — caso decidisse isso. Sabemos, no entanto, que não é esse o caso. A Palavra de Deus nos assegura de que Jeová determinou que a Terra e céus literais permanecerão para sempre. — Salmo 104:5.
*** w06 1/1 p. 30 Perguntas dos Leitores ***
Perguntas dos Leitores
O Salmo 102:26 declara que a terra e os céus “perecerão”. Será que isso quer dizer que o planeta Terra será destruído?
O salmista declarou numa oração a Jeová: “Há muito lançaste os alicerces da própria terra e os céus são o trabalho das tuas mãos. Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; e todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez.” (Salmo 102:25, 26) O contexto mostra que esses versículos estão falando da eternidade de Deus, não da destruição da Terra. Também mostra por que essa verdade fundamental serve de consolo para os servos de Deus.
*** it-1 pp. 490-491 Céu, I ***
Que os céus físicos são permanentes é mostrado pelo fato de que são usados em símiles relacionados com coisas eternas, tais como os resultados pacíficos e justos do reino davídico herdado pelo Filho de Deus. (Sal 72:5-7; Lu 1:32, 33) De modo que textos tais como Salmo 102:25, 26, que falam de os céus ‘perecerem’ e serem ‘substituídos assim como uma vestimenta gasta’, não devem ser entendidos em sentido literal.
Em Lucas 21:33, Jesus diz que “céu e terra passarão, mas as minhas palavras de modo algum passarão”. O sentido desta expressão parece ser similar ao de Mateus 5:18: “Deveras, eu vos digo que antes passariam o céu e a terra [ou: “mais fácil é passarem céu e terra”; Lu 16:17] do que passaria uma só letra menor ou uma só partícula duma letra da Lei sem que tudo se cumprisse.”
O Salmo 102:25-27 enfatiza a eternidade e a imperecibilidade de Deus, ao passo que a sua criação física dos céus e da terra é perecível, quer dizer, poderia ser destruída — se fosse do propósito de Deus. Dessemelhante da existência eterna de Deus, a permanência de qualquer parte da sua criação física não é independente. Conforme se vê na terra, a criação física tem de passar por um contínuo processo de renovação, se há de perdurar ou reter sua forma existente. Que os céus físicos dependem da vontade e do poder sustentador de Deus é indicado no Salmo 148, onde, depois de se referir ao sol, à lua e às estrelas, junto com outras partes da criação de Deus, o versículo 6 declara que Deus “os mantém estabelecidos para sempre, por tempo indefinido. Deu um regulamento, e este não passará”.
As palavras do Salmo 102:25, 26, aplicam-se a Jeová Deus, mas o apóstolo Paulo as cita com referência a Jesus Cristo. Isto se dá porque o Filho unigênito de Deus era o Agente pessoal de Deus usado na criação do universo físico. Paulo contrasta a permanência do Filho com a da criação física, a qual Deus, se intencionasse isso, poderia ‘enrolar assim como a uma capa’ e pôr de lado. — He 1:1, 2, 8, 10-12; compare isso com 1Pe 2:3 n.
SALMO 102:27)
“Mas tu és o mesmo, e os teus próprios anos não se completarão.”
*** w14 15/3 p. 16 par. 21 Como manter uma atitude positiva ***
21 O Salmo 102 também mostra como você pode ter uma atitude mais positiva. O salmista fez isso por voltar a atenção para sua relação com Jeová. (Sal. 102:12, 27) Ele se sentiu consolado por saber que Jeová nunca deixaria de sustentar Seu povo diante de dificuldades.
*** w11 1/7 p. 27 Quem criou as leis que governam o Universo? ***
3. Eternos ou sujeitos à deterioração?
Aristóteles acreditava que havia uma grande diferença entre os céus e a Terra. Segundo ele, a Terra estava sujeita a mudanças, deterioração e decadência, ao passo que o éter do qual os céus estrelados eram feitos nunca mudava e era eterno. A esferas cristalinas de Aristóteles e os corpos celestes fixos nelas nunca poderiam mudar, se desgastar ou morrer.
É isso o que a Bíblia ensina? O Salmo 102:25-27 diz: “Há muito lançaste os alicerces da própria terra e os céus são o trabalho das tuas mãos. Eles é que perecerão, mas tu mesmo continuarás de pé; e todos eles se gastarão como a roupa. Tu os substituirás assim como a uma vestimenta e eles terminarão a sua vez. Mas tu és o mesmo, e os teus próprios anos não se completarão.”
Note que o salmista, escrevendo talvez dois séculos antes da época de Aristóteles, não contrasta a Terra com os céus estrelados, como se a Terra estivesse sujeita à deterioração ao passo que as estrelas são eternas. Ele contrasta os céus e a Terra com Deus, o poderoso Espírito que dirigiu sua criação.
*** it-1 p. 491 Céu, I ***
O Salmo 102:25-27 enfatiza a eternidade e a imperecibilidade de Deus, ao passo que a sua criação física dos céus e da terra é perecível, quer dizer, poderia ser destruída — se fosse do propósito de Deus. Dessemelhante da existência eterna de Deus, a permanência de qualquer parte da sua criação física não é independente.
SALMO 103:1)
“Bendize a Jeová, ó minha alma, Sim, tudo dentro de mim, ao seu santo nome.”
*** w99 15/5 p. 21 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Esse salmo foi composto pelo Rei Davi, do antigo Israel, e começa com as seguintes palavras: “Bendize a Jeová, ó minha alma, sim, tudo dentro de mim, ao seu santo nome.” (Salmo 103:1) “A palavra bendize, aplicada a Deus”, diz uma obra de referência, “significa louvar, e sempre indica uma forte afeição por ele, bem como um senso de gratidão”. No desejo de louvar a Jeová com profundo amor e gratidão, Davi exorta sua própria alma — a si mesmo — a ‘bendizer a Jeová’. Mas como Davi desenvolveu esse sentimento cordial em relação ao Deus que adorava?
SALMO 103:2)
“Bendize a Jeová, ó minha alma, E não te esqueças de todos os seus atos,”
*** w99 15/5 p. 21 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Davi continua: “Não te esqueças de todos os . . . atos [de Jeová].” (Salmo 103:2) O sentimento de gratidão a Jeová evidentemente está ligado a meditar com apreço sobre “seus atos”. Que atos específicos de Jeová Davi tinha em mente? Observar a criação de Jeová Deus, tal como os céus cravejados de estrelas numa noite limpa, pode realmente fazer-nos sentir profunda gratidão pelo Criador. Davi ficou profundamente maravilhado com os céus estrelados. (Salmo 8:3, 4; 19:1) Mas no Salmo 103, Davi se lembra de outro tipo de atividade de Jeová.
SALMO 103:3)
“Aquele que perdoa todo o teu erro, Que cura todas as tuas enfermidades,”
*** w99 15/5 pp. 21-22 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Jeová “perdoa todo o teu erro”
Neste salmo, Davi narra os atos benevolentes de Deus. Referindo-se ao mais importante desses atos, ele canta: ‘Jeová perdoa todo o teu erro.’ (Salmo 103:3) Davi estava bem ciente de seu estado pecaminoso. Após o profeta Natã o confrontar, expondo sua relação adúltera com Bate-Seba, Davi admitiu: “Pequei contra ti [Jeová], somente contra ti, e fiz o que é mau aos teus olhos.” (Salmo 51:4) Com profunda tristeza, implorou: “Mostra-me favor, ó Deus, segundo a tua benevolência. Segundo a abundância das tuas misericórdias, extingue as minhas transgressões. Lava cabalmente de mim o meu erro e purifica-me mesmo do meu pecado.” (Salmo 51:1, 2) Como Davi deve ter se sentido grato por ser perdoado! Sendo imperfeito, ele cometeu outros pecados, mas nunca deixou de se arrepender, aceitar repreensão e mudar de atitude. Refletir sobre os maravilhosos atos de bondade de Deus para com ele levou Davi a bendizer a Jeová.
Não é verdade que nós também somos pecadores? (Romanos 5:12) Até o apóstolo Paulo lamentou: “Eu realmente me deleito na lei de Deus segundo o homem que sou no íntimo, mas observo em meus membros outra lei guerreando contra a lei da minha mente e levando-me cativo à lei do pecado que está nos meus membros. Homem miserável que eu sou! Quem me resgatará do corpo que é submetido a esta morte?” (Romanos 7:22-24) Como podemos ser gratos por Jeová não manter um registro de nossas transgressões! Ele tem prazer em apagá-las quando nos arrependemos e buscamos perdão.
Davi fez-se lembrar: “[Jeová] cura todas as tuas enfermidades.” (Salmo 103:3) Uma vez que curar é um ato de restauração, necessariamente requer mais do que perdoar o erro. Envolve a remoção das “enfermidades” — as más conseqüências de nossas ações erradas. Em seu novo mundo, Jeová erradicará definitivamente as conseqüências físicas do pecado, como a doença e a morte. (Isaías 25:8; Revelação [Apocalipse] 21:1-4) No entanto, mesmo hoje Deus cura nossas enfermidades espirituais. Para alguns, essas incluem ter uma consciência pesada e a relação com Deus cortada. ‘Não se esqueça’ do que Jeová já fez por cada um de nós nesse respeito.
*** it-1 p. 623 Cura ***
Entre as bênçãos que Jeová concedeu a todos os humanos está a faculdade regeneradora do seu organismo físico, a capacidade do corpo de curar a si mesmo quando ferido ou enfermo. O médico talvez recomende certas medidas para acelerar a recuperação, mas, na realidade, é a faculdade recuperadora dada por Deus, inerente ao corpo, que efetua a cura. Por isso, o salmista Davi reconheceu que, embora ele nascesse imperfeito, seu Criador era capaz de sustentá-lo durante enfermidades e curá-lo de todos os seus males. (Sal 51:5; 41:1-3; 103:2-4)
*** it-1 p. 738 Doenças e tratamento ***
A base destas curas era o sacrifício da sua vida humana, o qual seria o clímax da carreira que tinha seguido desde que o espírito de Deus viera sobre ele no rio Jordão, em 29 EC. Os cristãos têm assim uma base para ter esperança e têm prova abundante de que, por meio do ressuscitado Jesus Cristo e por meio do Reino de Deus, a humanidade obediente receberá, não apenas tratamento temporário das doenças, mas o livramento permanente do pecado, das doenças e da morte atribuíveis a Adão. Todo o louvor por isso cabe a Jeová, identificado por Davi como aquele “que cura todas as tuas enfermidades”. — Sal 103:1-3; Re 21:1-5.
SALMO 103:4)
“Que reivindica a tua vida da própria cova, Que te coroa com benevolência e misericórdias,”
*** w99 15/5 p. 22 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Ele “reivindica a tua vida”
“[Jeová] reivindica a tua vida da própria cova”, canta Davi. (Salmo 103:4) A “própria cova” é a sepultura comum da humanidade — Seol, ou Hades. Mesmo antes de se tornar rei de Israel, Davi se viu em perigo mortal. Por exemplo, o Rei Saul, de Israel, nutria um ódio mortal por Davi e tentou matá-lo em várias ocasiões. (1 Samuel 18:9-29; 19:10; 23:6-29) Os filisteus também queriam matá-lo. (1 Samuel 21:10-15) Mas, toda vez Jeová o resgatava da “própria cova”. Como Davi devia sentir-se grato ao lembrar-se desses atos de Jeová!
E você? Já recebeu o apoio de Jeová em períodos de depressão ou de perda? Ou já soube de situações, em nossos dias, em que ele resgatou a vida de suas fiéis Testemunhas da cova do Seol? Talvez tenha ficado comovido ao ler relatos de Seus atos de libertação nas páginas desta revista. Por que não tomar tempo para meditar com apreço nesses feitos do verdadeiro Deus? E, obviamente, todos temos motivos para ser gratos a Jeová pela esperança da ressurreição. — João 5:28, 29; Atos 24:15.
Jeová não apenas nos dá a vida, mas também os meios de torná-la prazerosa e compensadora. O salmista declara que Deus “te coroa com benevolência e misericórdias”. (Salmo 103:4) Jeová não nos abandona nos momentos de necessidade, mas nos ajuda por meio de sua organização visível e de anciãos designados, ou pastores, na congregação. Essa ajuda nos dá condições de lidar com uma situação provadora sem perdermos o respeito próprio e a dignidade. Os pastores cristãos se importam bastante com as ovelhas. Encorajam os doentes e os deprimidos, e fazem todo o possível para restabelecer os que fraquejaram. (Isaías 32:1, 2; 1 Pedro 5:2, 3; Judas 22, 23) O espírito de Jeová motiva esses pastores a tratarem o rebanho com compaixão e amor. A ‘benevolência e as misericórdias’ de Jeová são realmente como uma coroa que nos adorna e dignifica. Tenhamos sempre em mente os atos de Jeová e bendigamos a ele e ao seu santo nome.
SALMO 103:5)
“Que farta o curso da tua vida com o que é bom; Tua mocidade se renova como a duma águia.”
*** w99 15/5 pp. 22-23 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Prosseguindo a exortar a si mesmo, o salmista Davi canta: “[Jeová] farta o curso da tua vida com o que é bom; tua mocidade se renova como a duma águia.” (Salmo 103:5) A vida que Jeová nos dá é alegre e satisfatória. O conhecimento da verdade, por si só, é um tesouro incomparável e uma fonte de imensa alegria. E pense em quão satisfatória é a obra que Jeová nos confiou, de pregar e fazer discípulos. Como é bom encontrar alguém interessado em aprender algo sobre o verdadeiro Deus e ajudar tal pessoa a conhecer a Jeová e a bendizê-lo! Mas, quer as pessoas em nossa localidade escutem, quer não, é um imenso privilégio participar na obra relacionada com a santificação do nome de Jeová e com a vindicação de sua soberania.
À medida que persistimos na obra de proclamar o Reino de Deus, quem não fica cansado ou abatido? Mas Jeová continua a renovar as forças de seus servos, tornando-os ‘como águias’, que têm asas poderosas e que voam a grandes alturas. Podemos ser muito gratos de que nosso amoroso Pai celestial nos fornece tal “energia dinâmica” para que possamos cumprir fielmente nosso ministério dia após dia. — Isaías 40:29-31.
Para ilustrar: Clara tem um emprego de período integral e também trabalha cerca de 50 horas no ministério de pregação todos os meses. Ela diz: “Às vezes estou cansada e me obrigo a sair no serviço de campo somente porque combinei trabalhar com alguém. Mas, uma vez que estou no campo, sempre me sinto revigorada.” Pode ser que você também já tenha sentido o vigor resultante do apoio divino no ministério cristão. Seja você levado a dizer o mesmo que Davi disse nas palavras iniciais deste salmo: “Bendize a Jeová, ó minha alma, sim, tudo dentro de mim, ao seu santo nome.”
*** it-1 p. 70 Águia ***
Este processo de muda, trazendo certa redução da atividade e força, e sendo seguido por uma renovação da vida normal, talvez seja o que o salmista tinha presente ao dizer que a juventude da pessoa ‘se renova como a duma águia’. (Sal 103:5) Outros vêem nisto uma referência à vida relativamente longa da águia, sabendo-se de algumas que atingiram os 80 anos.
SALMO 103:6)
“Jeová está executando atos de justiça E decisões judiciais para todos os que estão sendo defraudados.”
*** w04 1/12 p. 15 par. 10 Andemos no caminho da integridade ***
Recordando um dos “atos” de Deus, Davi continuou: “Jeová está executando atos de justiça e decisões judiciais para todos os que estão sendo defraudados. Fez saber os seus caminhos a Moisés, suas ações até mesmo aos filhos de Israel.” (Salmo 103:2, 6, 7) Talvez Davi tivesse em mente os maus-tratos que os israelitas sofreram às mãos dos egípcios nos dias de Moisés. Nesse caso, refletir sobre como Jeová tornou conhecidos a Moisés os seus caminhos, pelo modo como libertou seu povo, com certeza tocou o coração de Davi e reforçou sua determinação de andar na verdade de Deus.
*** w99 15/5 pp. 23-24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Jeová liberta seu povo
O salmista também canta: “Jeová está executando atos de justiça e decisões judiciais para todos os que estão sendo defraudados. Fez saber os seus caminhos a Moisés, suas ações até mesmo aos filhos de Israel.” (Salmo 103:6, 7) Davi provavelmente estava pensando na ‘defraudação’ sofrida pelos israelitas sob os opressores egípcios nos dias de Moisés. Meditar sobre como Jeová mostrou seus métodos de libertação a Moisés deve ter despertado um profundo sentimento de gratidão em Davi.
Se meditarmos nos tratos de Deus com os israelitas podemos ser levados a sentir gratidão similar. Mas não devemos deixar de meditar nas experiências dos atuais servos de Jeová, como as que são mencionadas nos capítulos 29 e 30 do livro Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus. Os relatos registrados nessa e em outras publicações da Sociedade Torre de Vigia nos permitem ver como Jeová tem ajudado seu povo atualmente a suportar encarceramentos, ataques de turbas, proscrições, e campos de concentração e de trabalhos forçados. Tem havido provações em países devastados pela guerra, como Burundi, Libéria, Ruanda e na antiga Iugoslávia. Onde quer que haja perseguições, a mão de Jeová sempre ampara seus servos fiéis. Meditar nesses atos de nosso grande Deus, Jeová, pode ter sobre nós o mesmo efeito que a meditação sobre o relato da libertação do Egito teve sobre Davi.
SALMO 103:7)
“Fez saber os seus caminhos a Moisés, Suas ações até mesmo aos filhos de Israel.”
*** w04 1/12 p. 15 par. 10 Andemos no caminho da integridade ***
Recordando um dos “atos” de Deus, Davi continuou: “Jeová está executando atos de justiça e decisões judiciais para todos os que estão sendo defraudados. Fez saber os seus caminhos a Moisés, suas ações até mesmo aos filhos de Israel.” (Salmo 103:2, 6, 7) Talvez Davi tivesse em mente os maus-tratos que os israelitas sofreram às mãos dos egípcios nos dias de Moisés. Nesse caso, refletir sobre como Jeová tornou conhecidos a Moisés os seus caminhos, pelo modo como libertou seu povo, com certeza tocou o coração de Davi e reforçou sua determinação de andar na verdade de Deus.
*** w99 15/5 pp. 23-24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Jeová liberta seu povo
O salmista também canta: “Jeová está executando atos de justiça e decisões judiciais para todos os que estão sendo defraudados. Fez saber os seus caminhos a Moisés, suas ações até mesmo aos filhos de Israel.” (Salmo 103:6, 7) Davi provavelmente estava pensando na ‘defraudação’ sofrida pelos israelitas sob os opressores egípcios nos dias de Moisés. Meditar sobre como Jeová mostrou seus métodos de libertação a Moisés deve ter despertado um profundo sentimento de gratidão em Davi.
Se meditarmos nos tratos de Deus com os israelitas podemos ser levados a sentir gratidão similar. Mas não devemos deixar de meditar nas experiências dos atuais servos de Jeová, como as que são mencionadas nos capítulos 29 e 30 do livro Testemunhas de Jeová — Proclamadores do Reino de Deus. Os relatos registrados nessa e em outras publicações da Sociedade Torre de Vigia nos permitem ver como Jeová tem ajudado seu povo atualmente a suportar encarceramentos, ataques de turbas, proscrições, e campos de concentração e de trabalhos forçados. Tem havido provações em países devastados pela guerra, como Burundi, Libéria, Ruanda e na antiga Iugoslávia. Onde quer que haja perseguições, a mão de Jeová sempre ampara seus servos fiéis. Meditar nesses atos de nosso grande Deus, Jeová, pode ter sobre nós o mesmo efeito que a meditação sobre o relato da libertação do Egito teve sobre Davi.
SALMO 103:11)
“Pois assim como os céus são mais altos do que a terra, Sua benevolência é superior para com os que o temem.”
*** w11 1/8 p. 13 Ele se lembra de que “somos pó” ***
“Assim como os céus são mais altos do que a terra, sua benevolência é superior para com os que o temem.” (Versículo 11) Ao olhar para cima, não conseguimos nem imaginar a grande distância entre os céus estrelados e a Terra. Assim, Davi nos ajuda a ver a magnitude da misericórdia de Jeová, uma faceta de seu amor leal. Essa misericórdia beneficia os ‘que temem’ a Deus — os que têm “uma reverência humilde e sincera por sua autoridade”, diz um erudito.
SALMO 103:12)
“Tão longe como o nascente é do poente, Tão longe pôs de nós as nossas transgressões.”
*** cl cap. 26 pp. 262-263 par. 9 Um Deus “pronto a perdoar” ***
9 Davi usou outra expressão vívida para descrever o perdão de Jeová: “Tão longe quanto o leste está do oeste, para tão longe Ele removeu de nós as nossas transgressões.” (O grifo é nosso; Salmo 103:12, The Amplified Bible) A que distância o leste fica do oeste? Pode-se dizer que eles estão no ponto mais distante um do outro; esses dois pontos cardeais nunca se encontram. Um erudito diz que essa expressão significa “o mais longe possível, o mais longe que alguém possa imaginar”. As palavras inspiradas de Davi nos ensinam que, quando perdoa, Jeová coloca os nossos pecados o mais longe que podemos imaginar.
*** w11 1/8 p. 13 Ele se lembra de que “somos pó” ***
“Tão longe como o nascente é do poente, tão longe pôs de nós as nossas transgressões.” (Versículo 12) Outras traduções dizem: “Como o Oriente está longe do Ocidente.” Que distância é essa? O mais longe que podemos imaginar. Uma obra de referência bíblica diz: “Voe o mais longe que as asas da imaginação conseguirem levá-lo e, se voar em direção ao Oriente, o Ocidente ficará cada vez mais longe a cada bater de suas asas.” Aqui Davi está dizendo que, quando Deus perdoa nossos pecados, ele os coloca tão longe de nós que nem conseguimos imaginar a distância.
*** w03 1/7 p. 17 par. 15 “Deus é amor” ***
15 O salmista Davi usou uma expressão vívida para descrever o perdão de Jeová: “Tão longe quanto o leste está do oeste, para tão longe Ele removeu de nós as nossas transgressões.” (O grifo é nosso; Salmo 103:12, The Amplified Bible) A que distância o leste fica do oeste? Pode-se dizer que eles estão no ponto mais distante um do outro; esses dois pontos cardeais nunca se encontram. Um erudito diz que essa expressão significa “o mais longe possível, o mais longe que alguém possa imaginar”. As palavras inspiradas de Davi nos ensinam que, quando perdoa, Jeová coloca os nossos pecados o mais longe que podemos imaginar.
*** w99 15/5 p. 24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Quando nos arrependemos de nossos pecados e buscamos o perdão com base no sangue derramado de Cristo, Deus distancia de nós as nossas transgressões — “tão longe como o nascente é do poente” — e nos restabelece em seu favor.
SALMO 103:13)
“Assim como o pai é misericordioso para com os seus filhos, Jeová tem sido misericordioso para com os que o temem.”
*** w11 1/8 p. 13 Ele se lembra de que “somos pó” ***
“Assim como o pai é misericordioso para com os seus filhos, Jeová tem sido misericordioso para com os que o temem.” (Versículo 13) Por ser pai, Davi sabia como se sente um pai amoroso. Um pai assim se sente movido a mostrar compaixão pelos filhos, especialmente quando estão sofrendo. Davi nos garante que nosso amoroso Pai celestial mostra misericórdia a seus filhos na Terra, em especial quando o coração arrependido deles está “quebrantado e esmagado” por causa de seus pecados. — Salmo 51:17.
SALMO 103:14)
“Porque ele mesmo conhece bem a nossa formação, Lembra-se de que somos pó.”
*** cl cap. 26 p. 261 par. 4 Um Deus “pronto a perdoar” ***
4 Jeová está ciente das nossas limitações. “Ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó”, diz o Salmo 103:14. Ele não se esquece de que somos criaturas de pó, fracas devido à imperfeição. A declaração de que ele conhece “a nossa formação” lembra-nos de que, na Bíblia, Jeová é comparado a um oleiro, e nós a vasos de barro que ele molda. (Jeremias 18:2-6) O Grande Oleiro modera seus tratos conosco por causa da fragilidade de nossa natureza pecaminosa e de acordo com o modo como reagimos à sua orientação.
*** cl cap. 26 p. 261 Um Deus “pronto a perdoar” ***
A palavra hebraica vertida “a nossa formação” também é usada com relação a vasos de barro moldados por um oleiro. — Isaías 29:16.
*** w11 1/8 p. 13 Ele se lembra de que “somos pó” ***
Depois dessas três comparações, Davi revela por que Jeová mostra misericórdia a humanos imperfeitos: “Ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó.” (Versículo 14) Jeová sabe que fomos feitos do pó, tendo fragilidades e limitações. Levando em conta nossa natureza pecaminosa, ele está “pronto a perdoar” — desde que nos arrependamos sinceramente. — Salmo 86:5.
*** g 2/08 p. 10 Será que Deus perdoa pecados graves? ***
Porque ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó.” — Salmo 103:12-14.
Não há dúvida de que a misericórdia de Jeová é completa e imensa, e leva em conta nossas limitações e imperfeições, ou seja, o fato de que somos “pó”.
*** w97 1/12 pp. 10-11 par. 4 Jeová é um Deus “pronto a perdoar” ***
Por que está Jeová disposto a mostrar misericórdia? O próximo versículo responde: “Porque ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó.” (Salmo 103:12-14) Deveras, Jeová não se esquece de que somos criaturas de pó, tendo fragilidades ou fraquezas em resultado da imperfeição. A expressão de que ele conhece “a nossa formação” nos lembra que a Bíblia compara Jeová a um oleiro, e nós, a vasos que ele molda. (Jeremias 18:2-6) O oleiro manuseia seus vasos de barro com firmeza, mas com jeito, ciente da natureza deles. Assim também Jeová, o Grande Oleiro, modera seus tratos conosco de acordo com a fragilidade de nossa natureza pecaminosa. — Note 2 Coríntios 4:7.
*** w94 1/9 Embora seja de pó, continue avançando! ***
Embora seja de pó, continue avançando!
“Ele mesmo conhece bem a nossa formação, lembra-se de que somos pó.” — SALMO 103:14.
EM SENTIDO físico, nós somos pó. “Jeová Deus passou a formar o homem do pó do solo e a soprar nas suas narinas o fôlego de vida, e o homem veio a ser uma alma vivente.” (Gênesis 2:7) Esta descrição simples da criação do homem está em harmonia com a verdade científica. Todos os mais de 90 elementos que compõem o corpo humano são encontrados no “pó do solo”. Um químico certa vez afirmou que o corpo humano adulto é constituído de 65% de oxigênio, 18% de carbono, 10% de hidrogênio, 3% de nitrogênio, 1,5% de cálcio e 1% de fósforo, o restante sendo composto de outros elementos. Não importa se esses cálculos são totalmente exatos ou não. O fato é que ainda “somos pó”!
2 Quem, além de Jeová, poderia criar de nada mais do que o pó criaturas tão complexas assim? As obras de Deus são perfeitas e sem defeito, de modo que certamente não é motivo de queixa que ele tenha decidido criar o homem desta maneira. Na realidade, ter sido o Grandioso Criador capaz de criar o homem do pó do solo dum modo tão espantoso e maravilhoso aumenta nosso apreço pelo Seu ilimitado poder, perícia e sabedoria prática. — Deuteronômio 32:4, nota; Salmo 139:14.
Mudança de circunstâncias
3 As criaturas de pó têm limitações. No entanto, Deus nunca pretendeu que essas fossem penosas ou excessivamente restritivas. Essas limitações não se destinavam a causar desânimo ou a resultar em infelicidade. Ainda assim, conforme indica o contexto do Salmo 103:14, as limitações a que os humanos estão sujeitos podem causar desânimo e resultar em infelicidade. Por quê? Quando Adão e Eva desobedeceram a Deus, provocaram uma mudança de situação para sua futura família. Terem sido feitos de pó assumiu então um novo aspecto.
4 Davi não estava falando das limitações naturais que até mesmo humanos perfeitos, de pó, teriam, mas sim das fragilidades humanas causadas pela imperfeição herdada. Ou ele não teria dito a respeito de Jeová: “Aquele que perdoa todo o teu erro, que cura todas as tuas enfermidades, que reivindica a tua vida da própria cova, [que] nem mesmo fez a nós segundo os nossos pecados; nem trouxe sobre nós o que merecemos segundo os nossos erros.” (Salmo 103:2-4, 10) Se os humanos perfeitos, apesar de serem de pó, tivessem permanecido fiéis, eles nunca teriam errado, nem pecado, a ponto de precisarem de perdão; nem teriam sofrido males que exigissem curas. Acima de tudo, eles nunca teriam de descer à cova da morte, da qual só pudessem ser tirados por meio duma ressurreição.
5 Todos nós, por sermos imperfeitos, temos sofrido as coisas mencionadas por Davi. Apercebemo-nos constantemente das nossas limitações devidas à imperfeição. Ficamos tristes quando essas às vezes parecem prejudicar nossa relação com Jeová ou com nossos irmãos cristãos. Lamentamos que nossas imperfeições e as pressões exercidas pelo mundo de Satanás ocasionalmente nos causem desânimo. Visto que o domínio de Satanás está chegando rapidamente ao fim, seu mundo exerce pressão cada vez maior sobre as pessoas em geral e sobre os cristãos em especial. — Revelação (Apocalipse) 12:12.
6 Acha que está ficando cada vez mais difícil levar uma vida cristã? Alguns cristãos foram ouvidos dizer que, quanto mais tempo estão na verdade, tanto mais imperfeitos parecem tornar-se. No entanto, parece ser mais provável que apenas se tornam cada vez mais apercebidos das suas próprias imperfeições e da sua incapacidade de se harmonizar com as normas perfeitas de Jeová do modo como gostariam. Na realidade, porém, esta pode ser uma possível conseqüência de se continuar a aumentar em conhecimento e em apreço dos requisitos justos de Jeová. É vital que nunca permitamos que a percepção disso nos desanime a ponto de fazermos o jogo do Diabo. No decorrer dos séculos, ele tem repetidas vezes tentado utilizar-se do desânimo para induzir servos de Jeová a abandonar a adoração verdadeira. Todavia, o amor genuíno a Deus, bem como o “ódio consumado” ao Diabo, tem impedido a maioria de fazer isso. — Salmo 139:21, 22; Provérbios 27:11.
7 Ainda assim, os servos de Jeová numa ou noutra ocasião talvez fiquem desanimados. A insatisfação com suas próprias consecuções também pode ser o motivo disso. Talvez envolva fatores físicos ou relações estremecidas com membros da família, amigos ou colegas de trabalho. O fiel Jó ficou tão desanimado, que rogou a Deus: “Quem dera que me escondesses no Seol, que me mantivesses secreto até que a tua ira recuasse, que me fixasses um limite de tempo e te lembrasses de mim!” Ora, se circunstâncias difíceis puderam induzir Jó, “homem inculpe e reto, temendo a Deus e desviando-se do mal”, a ter acessos de desânimo, não é de admirar que o mesmo possa acontecer conosco! — Jó 1:8, 13-19; 2:7-9, 11-13; 14:13.
8 Como é consolador saber que Jeová examina o coração e não desconsidera motivações boas! Ele nunca rejeitará aqueles que se esforçam em toda a sinceridade a agradá-lo. Um ocasional desânimo, na realidade, pode ser um sinal positivo, indicando que não consideramos levianamente o serviço que prestamos a Jeová. Encarado deste ponto de vista, aquele que nunca luta contra o desânimo talvez não esteja espiritualmente tão apercebido das suas fraquezas como outros estão das deles. Lembre-se: “Quem pensa estar de pé, acautele-se para que não caia.” — 1 Coríntios 10:12; 1 Samuel 16:7; 1 Reis 8:39; 1 Crônicas 28:9.
Eles também eram de pó
9 O capítulo 11 de Hebreus alista diversas testemunhas pré-cristãs de Jeová, que exerceram forte fé. Os cristãos do primeiro século e os dos tempos modernos têm feito o mesmo. As lições que podemos aprender deles são inestimáveis. (Note Hebreus 13:7.) Por exemplo, a fé de quem, melhor do que a de Moisés, podem os cristãos imitar? Ele foi convocado para proclamar mensagens de julgamento ao governante mais poderoso do mundo daquele tempo, o Faraó do Egito. Atualmente, as Testemunhas de Jeová têm de proclamar mensagens similares de julgamento contra a religião falsa e outras organizações que estão em oposição ao Reino estabelecido de Cristo. — Revelação 16:1-15.
10 Conforme mostrou Moisés, cumprir tal comissão não é tarefa fácil. “Quem sou eu para ir a Faraó e para ter de fazer os filhos de Israel sair do Egito?” perguntou ele. Podemos compreender que se sentisse incompetente para isso. Ele se preocupou também com a reação dos outros israelitas: “Suponhamos que não me acreditem e não escutem a minha voz?” Jeová explicou-lhe então como poderia provar que tinha autorização para isso, mas, Moisés tinha mais um problema. Ele disse: “Perdão, Jeová, mas eu não sou orador fluente, nem desde ontem, nem desde antes, nem desde que falaste a teu servo, pois sou vagaroso de boca.” — Êxodo 3:11; 4:1, 10.
11 Podemos ocasionalmente sentir-nos assim como Moisés. Embora reconheçamos as nossas obrigações teocráticas, talvez nos perguntemos como é que podemos cumpri-las. ‘Quem sou eu para dirigir-me às pessoas, algumas delas de posição social, econômica ou escolar mais elevada, e presumir poder instruí-las nos caminhos de Deus? Como reagirão meus irmãos espirituais quando eu der comentários nas reuniões cristãs ou fizer apresentações na tribuna na Escola do Ministério Teocrático? Não verão eles minha incompetência?’ Lembre-se, porém, de que Jeová estava com Moisés e o equipou para a sua tarefa, porque Moisés exercia fé. (Êxodo 3:12; 4:2-5, 11, 12) Se imitarmos a fé de Moisés, Jeová estará conosco e também nos equipará para o nosso trabalho.
12 Quem se sente frustrado ou desanimado por causa de pecados ou faltas certamente pode sentir-se como Davi quando este disse: “Eu mesmo conheço as minhas transgressões e meu pecado está constantemente diante de mim.” Rogando a Jeová, Davi disse também: “Esconde a tua face dos meus pecados e extingue até mesmo todos os meus erros.” No entanto, ele nunca deixou que o desânimo o privasse do seu desejo de servir a Jeová. “Não me lances fora de diante da tua face; e não tires de mim o teu espírito santo.” É evidente que Davi era “pó”, mas Jeová não se afastou dele porque Davi exercia fé na promessa de Jeová, de não desprezar “um coração quebrantado e esmagado”. — Salmo 38:1-9; 51:3, 9, 11, 17.
13 No entanto, note que, embora devamos encarar esta “tão grande nuvem de testemunhas” como encorajamento para que “corramos com perseverança a carreira que se nos apresenta”, não se nos manda que nos tornemos seus seguidores. Manda-se que sigamos os passos do “Agente Principal e Aperfeiçoador da nossa fé, Jesus”, não a humanos imperfeitos, nem mesmo aos fiéis apóstolos do primeiro século. — Hebreus 12:1, 2; 1 Pedro 2:21.
14 Os apóstolos Paulo e Pedro, colunas da congregação cristã, tropeçavam às vezes. “O bem que quero, não faço, mas o mal que não quero, este é o que prático”, escreveu Paulo. “Homem miserável que eu sou!” (Romanos 7:19, 24) E Pedro, num momento de excesso de confiança, disse a Jesus: “Ainda que todos os outros tropecem em conexão contigo, eu nunca tropeçarei!” Quando Jesus advertiu Pedro de que este O negaria três vezes, Pedro presunçosamente contradisse seu Amo, gabando-se: “Mesmo que eu tenha de morrer contigo, de modo algum te repudiarei.” No entanto, ele realmente negou a Jesus, um erro que o fez chorar amargamente. Sim, Paulo e Pedro eram de pó. — Mateus 26:33-35.
15 Apesar das suas falhas, porém, Moisés, Davi, Paulo, Pedro e outros iguais a eles saíram-se vitoriosos. Por quê? Porque exerceram forte fé em Jeová, confiaram nele implicitamente e se apegaram a ele apesar de revezes. Confiaram nele para dar-lhes “o poder além do normal”. E ele fez isso, nunca deixando-os cair além de recuperação. Se nós continuarmos a exercer fé, poderemos ter a certeza de que, quando nosso caso for julgado, será em harmonia com as palavras: “Deus não é injusto, para se esquecer de vossa obra e do amor que mostrastes ao seu nome.” Que incentivo isso nos dá para avançarmos apesar de sermos de pó! — 2 Coríntios 4:7; Hebreus 6:10.
O que significa para nós, individualmente, sermos de pó?
16 A experiência tem ensinado a muitos pais e professores a sabedoria de julgar filhos ou estudantes segundo a sua capacidade individual, não à base de comparações com seus irmãos ou com colegas de escola. Isto está em harmonia com o princípio bíblico que se mandou que os cristãos seguissem: “Prove cada um quais são as suas próprias obras, e então terá causa para exultação, apenas com respeito a si próprio e não em comparação com outra pessoa.” — Gálatas 6:4.
17 Em harmonia com este princípio, embora Jeová lide com seu povo qual grupo organizado, ele julga a cada um individualmente. Romanos 14:12 reza: “Cada um de nós prestará contas de si mesmo a Deus.” Jeová conhece bem a constituição genética de cada um dos seus servos. Conhece sua constituição física e mental, suas habilidades, suas capacidades e fraquezas herdadas, as possibilidades que eles têm, bem como até que ponto aproveitam essas possibilidades para produzir frutos cristãos. Os comentários de Jesus a respeito da viúva que lançou duas moedinhas no cofre do templo, bem como sua ilustração da semente lançada em solo excelente, são exemplos animadores para os cristãos que talvez se sintam deprimidos por se compararem imprudentemente com outros. — Marcos 4:20; 12:42-44.
18 É vital que determinemos o que, em nosso próprio caso, significa sermos de pó, para que possamos servir ao máximo possível. (Provérbios 10:4; 12:24; 18:9; Romanos 12:1) Somente por estarmos vivamente apercebidos das nossas próprias falhas e fraquezas é que poderemos ficar atentos à necessidade e possibilidade de uma melhora. Ao examinarmos a nós mesmos, nunca despercebamos o poder do espírito santo em nos ajudar a melhorar. Por meio dele foi criado o Universo, foi escrita a Bíblia, e, em meio a um mundo agonizante, foi trazida à existência uma pacífica sociedade do novo mundo. Portanto, o espírito santo de Deus por certo é suficientemente poderoso para dar sabedoria e força aos que as pedem, a fim de manter a integridade. — Miquéias 3:8; Romanos 15:13; Efésios 3:16.
19 Quanto consolo dá saber que Jeová se lembra de que somos pó! Nunca devemos pensar, porém, que esta é uma desculpa legítima para afrouxar a mão ou talvez até mesmo para fazer o que é errado. De modo algum! Que Jeová se lembra de que somos pó é uma expressão de sua benignidade imerecida. Mas, não queremos ser “homens ímpios, que transformam a benignidade imerecida de nosso Deus numa desculpa para conduta desenfreada e que se mostram falsos para com o nosso único Dono e Senhor, Jesus Cristo”. (Judas 4) Sermos de pó não é desculpa para sermos ímpios. O cristão esforça-se a combater tendências erradas, surrando seu corpo e conduzindo-o como escravo, a fim de evitar ‘contristar o espírito santo de Deus’. — Efésios 4:30; 1 Coríntios 9:27.
20 Agora, durante os últimos anos do sistema mundial de Satanás, não é hora para diminuir o passo — não no que se refere à pregação do Reino, nem com respeito a desenvolver mais plenamente os frutos do espírito de Deus. Em ambos estes campos temos “bastante para fazer”. Agora é o momento para avançar, porque sabemos que nosso “labor não é em vão”. (1 Coríntios 15:58) Jeová nos sustentará, pois Davi disse a Seu respeito: “Nunca permitirá que o justo seja abalado.” (Salmo 55:22) Quanta alegria dá saber que Jeová permite a cada um de nós participar na obra mais grandiosa já designada a criaturas humanas imperfeitas — e isso apesar de sermos de pó!
[Nota(s) de rodapé]
O comentário bíblico Herders Bibelkommentar observa a respeito do Salmo 103:14: “Ele bem sabe que criou os humanos do pó do solo, e conhece as fraquezas e a natureza transitória da vida deles, que os oprimem desde o pecado original.” — O grifo é nosso.
SALMO 103:15)
“Quanto ao homem mortal, seus dias são como os da erva verde; Está florindo como a flor do campo.”
*** w99 15/5 p. 24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Comparados com a imortalidade de Jeová, o “Deus de eternidade”, os “dias” do “homem mortal” são realmente breves — “como os da erva verde”.
SALMO 103:17)
“Mas a benevolência de Jeová é de tempo indefinido a tempo indefinido Para com os que o temem, E sua justiça é para os filhos dos filhos,”
*** w99 15/5 p. 24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Mas Davi medita com apreço: “A benevolência de Jeová é de tempo indefinido a tempo indefinido para com os que o temem, e sua justiça é para os filhos dos filhos, para com os que guardam o seu pacto e para com os que se lembram das suas ordens para as cumprir.” (Gênesis 21:33 nota, NM com Referências; Salmo 103:15-18) Jeová não se esquece dos que o temem. No tempo devido, ele lhes dará a vida eterna. — João 3:16; 17:3.
SALMO 103:19)
“Jeová é que estabeleceu firmemente seu trono nos próprios céus; E seu próprio reinado tem mantido domínio sobre tudo.”
*** w99 15/5 p. 24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Expressando apreço pelo reinado de Jeová, Davi diz: “Jeová é que estabeleceu firmemente seu trono nos próprios céus; e seu próprio reinado tem mantido domínio sobre tudo.” (Salmo 103:19) Embora o reinado de Jeová tenha sido expresso durante um tempo de maneira visível, por meio do reino de Israel, seu trono, na realidade, está nos céus. Sendo o Criador, Jeová é o Governante Supremo do Universo e exerce sua vontade divina nos céus e na Terra de acordo com seus propósitos.
SALMO 103:20)
“Bendizei a Jeová, vós anjos seus, poderosos em poder, cumprindo a sua palavra, Por escutardes a voz da sua palavra.”
*** w99 15/5 p. 24 “Bendize a Jeová, ó minha alma” ***
Davi exorta até as angélicas criaturas celestiais. Ele canta: “Bendizei a Jeová, vós anjos seus, poderosos em poder, cumprindo a sua palavra, por escutardes a voz da sua palavra. Bendizei a Jeová, todos os exércitos seus, vós ministros seus, fazendo a sua vontade. Bendizei a Jeová, todos os trabalhos seus, em todos os lugares do seu domínio. Bendize a Jeová, ó minha alma.” (Salmo 103:20-22) Não concorda que meditarmos sobre os atos de benevolência de Jeová para conosco também nos deve levar a bendizê-lo? Sem dúvida! E podemos estar certos de que o som de nossa voz em louvor de Deus não se perderá entre o poderoso coro de louvadores que inclui até os justos anjos.
SALMO 104:1)
“Bendize a Jeová, ó minha alma. Ó Jeová, meu Deus, mostraste ser muito grande. Tu te vestiste de dignidade e de esplendor,”
*** w08 15/8 p. 13 pars. 6-8 Honre a Jeová por agir com dignidade ***
6 Como o piedoso salmista deve ter se emocionado ao observar a enorme e silenciosa beleza do céu estrelado à noite, enfeitado com brilhantes “jóias”! Maravilhado com a maneira em que Deus ‘estendeu os céus qual pano de tenda’, o salmista representou a Jeová como vestido de dignidade por causa de Sua magnífica habilidade criativa. (Leia Salmo 104:1, 2.) A dignidade e o esplendor do invisível, todo-poderoso Criador são evidentes nas suas obras visíveis.
7 Como exemplo, veja o caso da nossa galáxia, a Via-Láctea. Nesse vasto oceano de estrelas, planetas e sistemas solares, o tamanho do planeta Terra parece tão insignificante quanto um grão de areia numa extensa praia. Só essa galáxia contém mais de cem bilhões de estrelas! Se pudéssemos contar uma estrela por segundo sem parar, 24 horas por dia, levaríamos mais de 3 mil anos para contar cem bilhões.
8 Se a Via-Láctea sozinha possui cem bilhões de estrelas, que dizer do restante do Universo? Astrônomos calculam que a Via-Láctea seja uma dos cerca de 50 bilhões, ou até 125 bilhões, de galáxias. Quantas estrelas existem no Universo? É uma quantidade tão grande que a nossa mente é incapaz de compreender. Mesmo assim, Jeová “[conta] o número das estrelas; a todas elas chama pelos seus nomes”. (Sal. 147:4) Após ver que Jeová está vestido de tamanha dignidade e esplendor, você não se sente motivado a exaltar Seu grandioso nome?
SALMO 104:2)
“Envolvendo-te em luz como que num manto, Estendendo os céus qual pano de tenda,”
*** w08 15/8 p. 13 pars. 6-8 Honre a Jeová por agir com dignidade ***
6 Como o piedoso salmista deve ter se emocionado ao observar a enorme e silenciosa beleza do céu estrelado à noite, enfeitado com brilhantes “jóias”! Maravilhado com a maneira em que Deus ‘estendeu os céus qual pano de tenda’, o salmista representou a Jeová como vestido de dignidade por causa de Sua magnífica habilidade criativa. (Leia Salmo 104:1, 2.) A dignidade e o esplendor do invisível, todo-poderoso Criador são evidentes nas suas obras visíveis.
7 Como exemplo, veja o caso da nossa galáxia, a Via-Láctea. Nesse vasto oceano de estrelas, planetas e sistemas solares, o tamanho do planeta Terra parece tão insignificante quanto um grão de areia numa extensa praia. Só essa galáxia contém mais de cem bilhões de estrelas! Se pudéssemos contar uma estrela por segundo sem parar, 24 horas por dia, levaríamos mais de 3 mil anos para contar cem bilhões.
8 Se a Via-Láctea sozinha possui cem bilhões de estrelas, que dizer do restante do Universo? Astrônomos calculam que a Via-Láctea seja uma dos cerca de 50 bilhões, ou até 125 bilhões, de galáxias. Quantas estrelas existem no Universo? É uma quantidade tão grande que a nossa mente é incapaz de compreender. Mesmo assim, Jeová “[conta] o número das estrelas; a todas elas chama pelos seus nomes”. (Sal. 147:4) Após ver que Jeová está vestido de tamanha dignidade e esplendor, você não se sente motivado a exaltar Seu grandioso nome?
*** it-1 p. 491 Céu, I ***
Jeová, o “Pai das luzes celestiais” (Tg 1:17), é freqüentemente mencionado como tendo ‘estendido os céus’, assim como se faria com um pano de tenda. (Sal 104:1, 2; Is 45:12) Os céus, tanto a expansão atmosférica de dia como os céus estrelados à noite, do ponto de vista dos humanos na terra, têm a aparência duma imensa abóbada.
SALMO 104:4)
“Que faz os seus anjos espíritos, Seus ministros, um fogo devorador.”
*** it-2 p. 32 Espírito ***
O Salmo 104:4 diz que Deus “faz os seus anjos espíritos, seus ministros, um fogo devorador”. Algumas traduções preferiram verter isso assim: “Faz dos ventos seus mensageiros, dos seus ministros um fogo abrasador”, ou de modo similar. (Al, BJ, IBB, PIB) Tais traduções do texto hebraico não são inadmissíveis (veja Sal 148:8); no entanto, a citação deste texto pelo apóstolo Paulo (He 1:7) coincide com a da Septuaginta grega e se harmoniza com a primeira versão acima. (No texto grego de Hebreus 1:7, usa-se o artigo definido [tous] antes de “anjos”, não antes de “espíritos [pneú•ma•ta]”, tornando os anjos o sujeito correto da oração.) Barnes’ Notes on the New Testament (Notas Sobre o Novo Testamento, de Barnes; 1974) diz: “Deve-se presumir que [Paulo], que tinha sido educado no conhecimento da língua hebraica, deve ter tido melhor oportunidade de saber qual era sua lídima construção [referindo-se ao Salmo 104:4], do que nós; e é moralmente certo de que ele empregaria este trecho, num argumento, conforme era comumente entendido por aqueles a quem ele escrevia — isto é, àqueles que estavam familiarizados com a língua e a literatura hebraicas.” — Veja He 1:14.
SALMO 104:5)
“Ele fundou a terra sobre os seus lugares estabelecidos; Não será abalada, por tempo indefinido ou para todo o sempre.”
*** w08 1/8 p. 31 A Terra vai sobreviver? ***
O planeta Terra não será destruído por nenhuma catástrofe. Por que podemos ter certeza disso? Porque Deus promete que a Terra “não será abalada, por tempo indefinido ou para todo o sempre”. (Salmo 104:5) “Gerações vêm e gerações vão”, diz a Bíblia, “mas a terra permanece para sempre”. — Eclesiastes 1:4, Nova Versão Internacional.
Que a Terra vai permanecer para sempre é enfatizado no Salmo 104:5 por duas palavras usadas no hebraico original desse texto — ʽohlám para “tempo indefinido” e ʽadh para “todo o sempre”. A palavra ʽohlám também pode ser traduzida por “muitos anos” ou “perpétuo”. Segundo o Students’ Hebrew and Chaldee Dictionary (Dicionário Hebraico e Caldeu para Estudantes), de Harkavy, ʽadh significa “duração, sempiternidade, eternidade, para sempre”. Essas duas palavras hebraicas servem para enfatizar ainda mais a durabilidade da Terra.
*** gm cap. 8 pp. 103-104 par. 14 A ciência: refuta ela a Bíblia? ***
14 A outra passagem diz: “Assentaste a terra sobre suas bases, inabalável para sempre e eternamente.” (Salmo 104:5, A Bíblia de Jerusalém) Isso foi interpretado como significando que a Terra, após a sua criação, não se podia mais locomover. Na realidade, porém, este versículo enfatiza a permanência da Terra, não a sua imobilidade. A Terra nunca será ‘abalada’ para deixar de existir, ou ser destruída, conforme outros versículos da Bíblia confirmam. (Salmo 37:29; Eclesiastes 1:4) Este texto tampouco tem algo que ver com os movimentos relativos da Terra e do Sol.
*** it-1 p. 86 Alicerce ***
Embora a terra esteja suspensa sobre o nada, ela possui, por assim dizer, alicerces duráveis que não serão abalados, pois as leis imutáveis que governam o universo a sustentam firmemente em seu lugar, e o propósito de Deus para com a terra permanece imutável. (Jó 26:7; 38:33; Sal 104:5; Mal 3:6)
SALMO 104:6)
“Cobriste-a de água de profundeza como vestimenta. As águas pararam acima dos próprios montes.”
*** gm cap. 8 p. 100 par. 5 A ciência: refuta ela a Bíblia? ***
5 Talvez ainda mais notável seja a compreensão da história dos montes provida pela Bíblia. O seguinte é o que um compêndio de geologia diz: “Desde tempos pré-cambrianos até o presente, o processo perpétuo do desenvolvimento e da destruição de montes tem continuado. . . . Os montes não somente se têm originado do leito de mares desaparecidos, mas frequentemente têm sido submersos muito depois da sua formação, e então novamente elevados.”2 Compare isso com a linguagem poética do salmista: “Cobriste-a [a Terra] de água de profundeza como vestimenta. As águas pararam acima dos próprios montes. Montes passaram a subir, vales planos passaram a descer — ao lugar que para elas fundaste.” — Salmo 104:6, 8.
SALMO 104:8)
“Montes passaram a subir, Vales planos passaram a descer — Ao lugar que para elas fundaste.”
*** gm cap. 8 p. 100 par. 5 A ciência: refuta ela a Bíblia? ***
5 Talvez ainda mais notável seja a compreensão da história dos montes provida pela Bíblia. O seguinte é o que um compêndio de geologia diz: “Desde tempos pré-cambrianos até o presente, o processo perpétuo do desenvolvimento e da destruição de montes tem continuado. . . . Os montes não somente se têm originado do leito de mares desaparecidos, mas frequentemente têm sido submersos muito depois da sua formação, e então novamente elevados.”2 Compare isso com a linguagem poética do salmista: “Cobriste-a [a Terra] de água de profundeza como vestimenta. As águas pararam acima dos próprios montes. Montes passaram a subir, vales planos passaram a descer — ao lugar que para elas fundaste.” — Salmo 104:6, 8.
SALMO 104:11)
“Dão continuamente de beber a todos os animais selváticos da campina; As zebras saciam regularmente a sua sede.”
*** g96 8/3 p. 18 Estudamos a Bíblia no zoológico! ***
Como diz o Salmo 104:11, as zebras ‘saciam regularmente a sede’. Por isso, é raro encontrá-las a mais de oito quilômetros da água.”
SALMO 104:14)
“Ele faz brotar capim verde para os animais E vegetação para o serviço da humanidade, A fim de que saia alimento da terra,”
*** w11 15/10 p. 8 par. 1 A sua recreação é benéfica? ***
NA BÍBLIA inteira há declarações indicando que Jeová não deseja apenas que vivamos, mas também que tenhamos prazer na vida. Por exemplo, o Salmo 104:14, 15 diz que Jeová faz ‘sair alimento da terra, e vinho que alegra o coração do homem mortal, para fazer a face brilhar com óleo, e pão que revigora o próprio coração do homem mortal’. Realmente, Jeová faz o solo produzir cereais, azeite e vinho para o nosso sustento. Mas o vinho também “alegra o coração”. Ele vai além do que é estritamente necessário para sustentar a vida e aumenta a nossa alegria. (Ecl. 9:7; 10:19)
SALMO 104:15)
“E vinho que alegra o coração do homem mortal, Para fazer a face brilhar com óleo, E pão que revigora o próprio coração do homem mortal.”
*** w11 15/10 p. 8 par. 1 A sua recreação é benéfica? ***
NA BÍBLIA inteira há declarações indicando que Jeová não deseja apenas que vivamos, mas também que tenhamos prazer na vida. Por exemplo, o Salmo 104:14, 15 diz que Jeová faz ‘sair alimento da terra, e vinho que alegra o coração do homem mortal, para fazer a face brilhar com óleo, e pão que revigora o próprio coração do homem mortal’. Realmente, Jeová faz o solo produzir cereais, azeite e vinho para o nosso sustento. Mas o vinho também “alegra o coração”. Ele vai além do que é estritamente necessário para sustentar a vida e aumenta a nossa alegria. (Ecl. 9:7; 10:19)
SALMO 104:18)
“Os altos montes são para os cabritos monteses; Os rochedos são um refúgio para os procávias.”
*** w04 15/3 p. 9 ‘És mais majestoso do que as montanhas’ ***
“Os altos montes são para os cabritos monteses”, cantou o salmista. (Salmo 104:8) Os cabritos monteses — como o íbex-núbio, de chifres magníficos — estão entre os que escalam os montes com mais equilíbrio e segurança. Eles se aventuram a andar por entre saliências dos rochedos tão estreitas que parecem intransitáveis. O íbex é bem equipado para viver em lugares inacessíveis. Isso se deve, em parte, à estrutura dos cascos. A fenda neles pode expandir-se com o peso do animal, dando-lhe firmeza quando parado ou ao andar numa estreita saliência de rochedo. Sem dúvida, o íbex é uma obra-prima de projeto!
*** w97 15/7 p. 24 Acrobatas dos rochedos nas montanhas ***
“Os altos montes são para os cabritos-monteses”
Assim cantava o salmista. (Salmo 104:18) Os cabritos-monteses estão bem equipados para viver em lugares altos. São extremamente ágeis, passando por terrenos acidentados com grande confiança e velocidade. Isto se deve em parte à estrutura dos seus cascos. A fenda neles pode expandir-se sob o peso do cabrito, dando ao animal firmeza quando parado ou ao andar numa estreita saliência de rochedo.
Os cabritos-monteses têm também um extraordinário equilíbrio. Podem pular grandes distâncias para uma saliência em que mal cabem os seus quatro pés. O biólogo Douglas Chadwick observou certa vez um cabrito-montês de outro tipo usar seu equilíbrio para evitar ficar preso numa saliência que era estreita demais para se virar. Ele diz: “Depois de uma olhada para a próxima saliência, a uns 120 metros mais abaixo, o cabrito fincou os pés dianteiros no chão e ergueu os traseiros devagar contra o rochedo como que dando uma rodada. Enquanto eu prendia o fôlego, o cabrito continuou até que seus pés traseiros desceram e ele tinha virado para o sentido oposto.” (National Geographic) Não é de admirar que os cabritos-monteses tenham sido chamados de “acrobatas dos rochedos nas montanhas”!
SALMO 104:24)
“Quantos são os teus trabalhos, ó Jeová! A todos eles fizeste em sabedoria. A terra está cheia das tuas produções.”
*** cl cap. 5 p. 55 par. 18 Poder criativo — “Aquele que fez o céu e a terra” ***
Certo salmista exclamou: “Quantos são os teus trabalhos, ó Jeová! . . . A terra está cheia das tuas produções.” (Salmo 104:24) É verdade! Os biólogos já identificaram bem mais de um milhão de espécies de coisas vivas na Terra; mas as opiniões variam quanto a se o total é de 10 milhões, 30 milhões, ou mais. Um artista humano pode achar que às vezes esgota a sua criatividade. Em contraste, a criatividade de Jeová — seu poder de inventar e criar coisas diversificadas — é obviamente inesgotável.
*** cl cap. 17 pp. 173-175 pars. 13-14 ‘Ó profundidade da sabedoria de Deus!’ ***
13 Os humanos, porém, são apenas um exemplo da sabedoria criativa de Jeová. O Salmo 104:24 diz: “Quantos são os teus trabalhos, ó Jeová! A todos eles fizeste em sabedoria. A terra está cheia das tuas produções.” A sabedoria de Jeová é evidente em todas as criações que nos rodeiam. As formigas, por exemplo, são “instintivamente sábias”. (Provérbios 30:24) Realmente, os formigueiros são muito bem organizados. Algumas colônias de formigas criam “gado”: cuidam, abrigam e se nutrem de insetos chamados afídeos. Há também formigas “agricultoras”, que cultivam “plantações” de fungos. Muitas outras criaturas foram programadas com um instinto que lhes permite fazer coisas notáveis. Uma mosca comum realiza feitos aeronáuticos que nem as mais avançadas aeronaves humanas são capazes de imitar. As aves migratórias se guiam pelas estrelas, pelo campo magnético da Terra ou por algum tipo de mapa interno. Os biólogos passam anos estudando os comportamentos sofisticados que foram programados nessas criaturas. Como deve ser sábio, então, o Programador divino!
14 Os cientistas já aprenderam muita coisa sobre a sabedoria criativa de Jeová. Existe até um ramo da engenharia, chamado biomimética, que procura imitar os projetos encontrados na natureza. Por exemplo, talvez já tenha admirado a beleza de uma teia de aranha. Mas um engenheiro vê nela um projeto espetacular. Alguns desses fios que parecem tão frágeis são, proporcionalmente, mais resistentes do que o aço, mais fortes do que as fibras usadas em coletes à prova de bala. Uma comparação ajuda a entender como são resistentes: imagine uma teia de aranha que fosse ampliada em escala até ficar do tamanho de uma rede usada num barco de pesca. Uma teia dessas proporções conseguiria apanhar um avião de passageiros em pleno voo! De fato, Jeová fez todas as coisas “em sabedoria”.
*** it-1 pp. 585-586 Criação ***
Coisas Criadas Antecederam às Invenções do Homem. Milhares de anos antes de aparecerem em cena muitas das invenções do homem, Jeová já havia provido suas criações com suas próprias versões delas. Por exemplo, o vôo das aves precedeu em milênios o desenvolvimento de aviões. O náutilo, dotado de câmaras, e o siba usam tanques de flutuação para descer e subir no oceano, assim como fazem os submarinos. O polvo e a lula recorrem à propulsão a jato. Morcegos e golfinhos são peritos no uso do sonar. Diversos répteis e aves marinhas têm embutidos neles suas próprias “usinas de dessalinização”, que os habilitam a beber a água do mar.
Pelos ninhos engenhosamente projetados e pelo uso de água, os cupins refrigeram o ar das suas moradias. Plantas microscópicas, insetos, peixes e árvores usam sua própria forma de “anticongelante”. Pequenas frações de mudança de temperatura são registrados pelos termômetros embutidos de algumas serpentes, mosquitos, e as aves leipoa e megápode. Marimbondos, vespas e vespas amarelas produzem papel.
Tomás Edison recebe o crédito pela invenção da lâmpada elétrica, mas a perda de energia dela por causa do calor é um inconveniente. As criações de Jeová — esponjas, fungos, bactérias, vaga-lumes, insetos, peixes — produzem luz fria e em muitas cores.
Muitas aves migratórias não somente têm bússola na cabeça, mas possuem também relógio biológico. Algumas bactérias microscópicas possuem motor rotativo que podem fazer funcionar para a frente ou no reverso.
Não é sem bom motivo que o Salmo 104:24 diz: “Quantos são os teus trabalhos, ó Jeová! A todos eles fizeste em sabedoria. A terra está cheia das tuas produções.”
SALMO 104:26)
“Ali vão os navios; Quanto ao leviatã, formaste-o para brincar nele.”
*** it-2 p. 693 Leviatã ***
Visto que, com exceção de Jó 3:8, as referências mencionam água com relação a ele, leviatã parece indicar algum tipo de criatura aquática de grande porte e força, embora não necessariamente de um único tipo específico. O Salmo 104:25, 26, descreve-o como cabriolando no mar onde passam navios, e por essa razão muitos sugerem que o termo aqui se refere a algum tipo de baleia. Embora baleias sejam raras no Mediterrâneo, elas não são desconhecidas ali, e partes de dois esqueletos de baleia podem ser encontradas num museu em Beirute, no Líbano. A An American Translation diz “crocodilo”, em vez de leviatã. Adicionalmente, a palavra “mar” (yam) em si mesma não é determinante, visto que no hebraico pode referir-se a um grande corpo de água interiorano, como o mar da Galiléia (mar de Quinerete) (Núm 34:11; Jos 12:3), ou mesmo ao rio Nilo (Is 19:5) ou o Eufrates. — Je 51:36.
SALMO 104:30)
“Se envias teu espírito, são criados; E fazes nova a face do solo.”
*** w02 15/5 p. 5 Quem é Deus? ***
A palavra “espírito” também é usada na Bíblia em outro sentido. Dirigindo-se a Deus em oração, o salmista disse: “Se envias teu espírito, são criados.” (Salmo 104:30) Este espírito não é o próprio Deus, mas uma força enviada ou usada por Deus para realizar o que ele quer. Por meio dele, Deus criou os céus físicos, a Terra e todas as coisas viventes. (Gênesis 1:2; Salmo 33:6) Seu espírito é chamado de espírito santo. Deus usou seu espírito santo para inspirar os homens que escreveram a Bíblia. (2 Pedro 1:20, 21) Portanto, o espírito santo é a força ativa invisível que Deus usa para cumprir seus propósitos.
SALMO 104:35)
“Dar-se-á cabo dos pecadores de cima da terra; E quanto aos iníquos, não mais existirão. Bendize a Jeová, ó minha alma. Louvai a Jah!”
*** si pp. 103-104 par. 17 Livro bíblico número 19 — Salmos ***
17 O Salmo 104 é de interesse especial. Ele exalta a Jeová pela majestade e esplendor com que se revestiu, e descreve a sua sabedoria manifestada nas suas muitas obras e produções na terra. Salienta-se a seguir, em plena força, o tema do inteiro livro dos Salmos, ao aparecer pela primeira vez a exclamação: “Louvai a Jah!” (V. 35) Em hebraico, este convite para que os verdadeiros adoradores dêem a Jeová o louvor devido ao Seu nome é uma só palavra: ha•lelu-Yáh ou “Aleluia”, sendo esta última forma conhecida hoje em toda a terra. Deste versículo em diante, essa expressão ocorre 24 vezes, diversos salmos iniciando e terminando com tal expressão.
SALMO 105:4)
“Buscai a Jeová e a sua força. Procurai a sua face constantemente.”
*** w00 1/3 p. 15 par. 6 “Buscai a Jeová e a sua força” ***
A Bíblia nos exorta a ‘buscar a Jeová e a sua força’. (Salmo 105:4) Por quê? Porque, quando fazemos as coisas na força de Deus, nosso poder será usado em benefício, em vez de em prejuízo, de outros.
*** it-2 p. 98 Face ***
‘Procurar a face’ significava desejar uma audiência perante outro, como perante Deus ou perante um governante terrestre, implorando atenção favorável ou ajuda. (Sal 24:6; 27:8, 9; 105:4; Pr 29:26; Os 5:15)
SALMO 105:14)
“Ele não permitiu que algum homem os defraudasse, Mas por causa deles repreendeu reis,”
*** w13 15/3 pp. 20-21 pars. 4-8 Jeová — nosso lugar de habitação ***
4 Podemos imaginar como Abraão, que então se chamava Abrão, se sentiu quando Jeová lhe disse: “Sai da tua terra, e da tua parentela . . . para a terra que te mostrarei.” Se Abraão sentiu alguma ansiedade, essa sem dúvida desapareceu quando Jeová lhe disse a seguir: “Farei de ti uma grande nação e te abençoarei, e hei de engrandecer o teu nome . . . E hei de abençoar os que te abençoarem e amaldiçoarei aquele que invocar o mal sobre ti.” — Gên. 12:1-3.
5 Com essas palavras, Jeová se comprometeu a se tornar uma habitação segura para Abraão e seus descendentes. (Gên. 26:1-6) Jeová cumpriu sua promessa. Por exemplo, ele impediu que o Faraó do Egito e o Rei Abimeleque, de Gerar, violentassem Sara e matassem Abraão. Ele protegeu Isaque e Rebeca de maneira similar. (Gên. 12:14-20; 20:1-14; 26:6-11) Lemos: “[Jeová] não permitiu que algum homem os defraudasse, mas por causa deles repreendeu reis, dizendo: ‘Não toqueis nos meus ungidos e não façais nada de mal aos meus profetas.’” — Sal. 105:14, 15.
6 Um desses profetas era Jacó, neto de Abraão. Quando chegou o tempo de ele se casar, seu pai, Isaque, lhe disse: “Não deves tomar esposa dentre as filhas de Canaã. Levanta-te, vai a Padã-Arã, à casa de Betuel, pai de tua mãe, e ali toma para ti por esposa uma das filhas de Labão.” (Gên. 28:1, 2) Jacó obedeceu prontamente. Ele deixou a segurança de sua família imediata, que morava em Canaã, para viajar, evidentemente sozinho, centenas de quilômetros à região de Harã. (Gên. 28:10) Talvez ele se perguntasse: ‘Quanto tempo ficarei fora? Será que meu tio me receberá bem e me dará uma esposa temente a Deus?’ Se Jacó sentiu essa ansiedade, ela sem dúvida desapareceu quando ele chegou à cidade de Luz, uns 100 quilômetros de Berseba. O que aconteceu ali?
7 Na cidade de Luz, Jeová apareceu a Jacó num sonho e lhe disse: “Eis que estou contigo e vou guardar-te em todo o caminho em que andares, e vou retornar-te a este solo, porque não te abandonarei até que eu tenha realmente feito o que te falei.” (Gên. 28:15) Essas palavras bondosas devem ter sido de grande ânimo e consolo para Jacó. Pode imaginá-lo depois disso acelerando o passo, ansioso para ver como Deus cumpriria sua palavra? Se você saiu de casa, talvez para servir no estrangeiro, com certeza entende as emoções de Jacó. Sem dúvida, tem visto evidências de como Jeová cuida de você.
8 Quando Jacó chegou a Harã, seu tio Labão o acolheu calorosamente e, mais tarde, lhe deu Leia e Raquel como esposas. Com o tempo, porém, Labão tentou explorar Jacó, mudando dez vezes seu salário. (Gên. 31:41, 42) Mas Jacó suportou essas injustiças, certo de que Jeová continuaria a ajudá-lo — e ele ajudou! Realmente, na ocasião em que Deus disse a Jacó que voltasse para Canaã, esse patriarca possuía ‘grandes rebanhos, servos, camelos e jumentos’. (Gên. 30:43) Com profundo apreço, Jacó orou: “Sou indigno de todas as benevolências e de toda a fidelidade de que usaste para com o teu servo, pois atravessei este Jordão apenas com o meu bastão e agora me tornei dois acampamentos.” — Gên. 32:10.
*** w10 15/4 p. 8 pars. 5-6 O papel do espírito santo no cumprimento do propósito de Jeová ***
5 Jeová usou seu espírito para proteger membros da linhagem que levaria ao Descendente. Jeová disse a Abrão (Abraão): “Eu sou para ti escudo.” (Gên. 15:1) Não eram palavras vazias. Veja, por exemplo, o ocorrido por volta de 1919 AEC, quando Abraão e Sara estabeleceram-se temporariamente em Gerar. Sem saber que Sara era esposa de Abraão, Abimeleque, rei de Gerar, tomou-a com a intenção de se casar com ela. Estaria Satanás manipulando os assuntos nos bastidores, tentando impedir que Sara gerasse o descendente de Abraão? A Bíblia não diz. O que ela diz é que Jeová interveio. Num sonho, ele advertiu Abimeleque a não tocar em Sara. — Gên. 20:1-18.
6 Isso não foi apenas um incidente isolado. Jeová livrou Abraão e seus familiares em muitas ocasiões. (Gên. 12:14-20; 14:13-20; 26:26-29) Portanto, o salmista podia dizer a respeito de Abraão e seus descendentes: “Ele [Jeová] não permitiu que algum homem os defraudasse, mas por causa deles repreendeu reis, dizendo: ‘Não toqueis nos meus ungidos e não façais nada de mal aos meus profetas.’” — Sal. 105:14, 15.
SALMO 105:15)
“[Dizendo:] “Não toqueis nos meus ungidos E não façais nada de mal aos meus profetas.””
*** w13 15/3 pp. 20-21 pars. 4-8 Jeová — nosso lugar de habitação ***
4 Podemos imaginar como Abraão, que então se chamava Abrão, se sentiu quando Jeová lhe disse: “Sai da tua terra, e da tua parentela . . . para a terra que te mostrarei.” Se Abraão sentiu alguma ansiedade, essa sem dúvida desapareceu quando Jeová lhe disse a seguir: “Farei de ti uma grande nação e te abençoarei, e hei de engrandecer o teu nome . . . E hei de abençoar os que te abençoarem e amaldiçoarei aquele que invocar o mal sobre ti.” — Gên. 12:1-3.
5 Com essas palavras, Jeová se comprometeu a se tornar uma habitação segura para Abraão e seus descendentes. (Gên. 26:1-6) Jeová cumpriu sua promessa. Por exemplo, ele impediu que o Faraó do Egito e o Rei Abimeleque, de Gerar, violentassem Sara e matassem Abraão. Ele protegeu Isaque e Rebeca de maneira similar. (Gên. 12:14-20; 20:1-14; 26:6-11) Lemos: “[Jeová] não permitiu que algum homem os defraudasse, mas por causa deles repreendeu reis, dizendo: ‘Não toqueis nos meus ungidos e não façais nada de mal aos meus profetas.’” — Sal. 105:14, 15.
6 Um desses profetas era Jacó, neto de Abraão. Quando chegou o tempo de ele se casar, seu pai, Isaque, lhe disse: “Não deves tomar esposa dentre as filhas de Canaã. Levanta-te, vai a Padã-Arã, à casa de Betuel, pai de tua mãe, e ali toma para ti por esposa uma das filhas de Labão.” (Gên. 28:1, 2) Jacó obedeceu prontamente. Ele deixou a segurança de sua família imediata, que morava em Canaã, para viajar, evidentemente sozinho, centenas de quilômetros à região de Harã. (Gên. 28:10) Talvez ele se perguntasse: ‘Quanto tempo ficarei fora? Será que meu tio me receberá bem e me dará uma esposa temente a Deus?’ Se Jacó sentiu essa ansiedade, ela sem dúvida desapareceu quando ele chegou à cidade de Luz, uns 100 quilômetros de Berseba. O que aconteceu ali?
7 Na cidade de Luz, Jeová apareceu a Jacó num sonho e lhe disse: “Eis que estou contigo e vou guardar-te em todo o caminho em que andares, e vou retornar-te a este solo, porque não te abandonarei até que eu tenha realmente feito o que te falei.” (Gên. 28:15) Essas palavras bondosas devem ter sido de grande ânimo e consolo para Jacó. Pode imaginá-lo depois disso acelerando o passo, ansioso para ver como Deus cumpriria sua palavra? Se você saiu de casa, talvez para servir no estrangeiro, com certeza entende as emoções de Jacó. Sem dúvida, tem visto evidências de como Jeová cuida de você.
8 Quando Jacó chegou a Harã, seu tio Labão o acolheu calorosamente e, mais tarde, lhe deu Leia e Raquel como esposas. Com o tempo, porém, Labão tentou explorar Jacó, mudando dez vezes seu salário. (Gên. 31:41, 42) Mas Jacó suportou essas injustiças, certo de que Jeová continuaria a ajudá-lo — e ele ajudou! Realmente, na ocasião em que Deus disse a Jacó que voltasse para Canaã, esse patriarca possuía ‘grandes rebanhos, servos, camelos e jumentos’. (Gên. 30:43) Com profundo apreço, Jacó orou: “Sou indigno de todas as benevolências e de toda a fidelidade de que usaste para com o teu servo, pois atravessei este Jordão apenas com o meu bastão e agora me tornei dois acampamentos.” — Gên. 32:10.
*** w10 15/4 p. 8 pars. 5-6 O papel do espírito santo no cumprimento do propósito de Jeová ***
5 Jeová usou seu espírito para proteger membros da linhagem que levaria ao Descendente. Jeová disse a Abrão (Abraão): “Eu sou para ti escudo.” (Gên. 15:1) Não eram palavras vazias. Veja, por exemplo, o ocorrido por volta de 1919 AEC, quando Abraão e Sara estabeleceram-se temporariamente em Gerar. Sem saber que Sara era esposa de Abraão, Abimeleque, rei de Gerar, tomou-a com a intenção de se casar com ela. Estaria Satanás manipulando os assuntos nos bastidores, tentando impedir que Sara gerasse o descendente de Abraão? A Bíblia não diz. O que ela diz é que Jeová interveio. Num sonho, ele advertiu Abimeleque a não tocar em Sara. — Gên. 20:1-18.
6 Isso não foi apenas um incidente isolado. Jeová livrou Abraão e seus familiares em muitas ocasiões. (Gên. 12:14-20; 14:13-20; 26:26-29) Portanto, o salmista podia dizer a respeito de Abraão e seus descendentes: “Ele [Jeová] não permitiu que algum homem os defraudasse, mas por causa deles repreendeu reis, dizendo: ‘Não toqueis nos meus ungidos e não façais nada de mal aos meus profetas.’” — Sal. 105:14, 15.
*** si p. 18 Livro bíblico número 1 — Gênesis ***
20:7 Abraão, um profeta Sal. 105:9,15
SALMO 105:18)
“Atribularam-lhe os pés com grilhetas, Sua alma entrou em ferros;”
*** w14 1/11 pp. 14-15 “Como poderia eu cometer esta grande maldade?” ***
No livro dos Salmos, vemos que José foi submetido a mais sofrimento: “Seus pés foram presos com correntes, e no seu pescoço puseram uma coleira de ferro.” (Salmo 105:17, 18, Bíblia na Linguagem de Hoje) Às vezes, os egípcios acorrentavam os prisioneiros pelos cotovelos com os braços para trás; no caso de outros, eles colocavam coleiras de ferro. José deve ter sofrido muito com esses maus-tratos — ainda mais sem ter feito nada de errado!
SALMO 105:39)
“Estendeu uma nuvem como reposteiro, E um fogo para dar luz à noite.”
*** it-1 p. 531 Coluna ***
Quando os egípcios perseguiram os israelitas, a coluna passou para a retaguarda, estendendo-se talvez como parede. (Sal 105:38, 39) Produzia escuridão do lado egípcio, mas lançava luz do lado israelita. (Êx 14:19, 20)
SALMO 105:40)
“Pediram, e ele passou a dar-lhes codornizes, E continuou a fartá-los com pão desde o céu.”
*** w14 1/6 pp. 7-8 Você já experimentou o pão da vida? ***
Mas Jeová não pretendia deixar seu povo sem alimento. Ele disse: “Eis que faço chover pão para vós desde os céus.” De fato, esse pão do céu apareceu de manhã, “uma coisa miúda, flocosa”, parecida com orvalho ou geada. “Que é isto?” perguntaram os israelitas quando o viram pela primeira vez. “É o pão que Jeová vos deu por alimento”, explicou Moisés. Eles o chamaram de maná, e esse pão os sustentou por 40 anos. — Êxodo 16:4, 13-15, 31.
De início, o maná provido milagrosamente deve ter impressionado os israelitas. Ele tinha gosto de “bolachas de mel”, e havia o suficiente para todos. (Êxodo 16:18) Mas, com o tempo, eles começaram a sentir falta da variedade de alimentos que tinham no Egito. “Nossos olhos não veem nada senão o maná”, reclamaram. (Números 11:6) Mais tarde eles resmungaram: “Nossa alma chegou a abominar o pão desprezível.” (Números 21:5) O ‘pão do céu’, passou a ser repulsivo para eles. — Salmo 105:40.
*** it-2 pp. 748-749 Maná ***
Para que gerações futuras pudessem ver o maná, Arão devia depositar perante Jeová um jarro com um gômor (2,2 l) de maná. Depois de se completar a arca dourada do pacto, um “jarro de ouro” com maná foi colocado dentro desta arca sagrada. (Êx 16:32-34; He 9:4) Cerca de cinco séculos mais tarde, porém, quando a Arca foi transferida da tenda erigida para ela por Davi para o templo construído por Salomão, desaparecera o jarro de ouro. (2Sa 6:17; 1Rs 8:9; 2Cr 5:10) Havia cumprido sua finalidade.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS