PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Salmos 69-73 | Tesouros da Palavra de Deus: semana de 11-17 de julho

ADS

TEXTOS BÍBLICOS E REFERÊNCIAS: TESOUROS DA PALAVRA DE DEUS | Salmos 69-73

“O POVO DE JEOVÁ APOIA A ADORAÇÃO VERDADEIRA COM ZELO”: (10 MIN)

Devemos ter muito zelo pela adoração verdadeira
Sal 69:9
• Durante toda a sua vida, Davi mostrou zelo pela adoração de Jeová
• Davi não aceitava que alguém desafiasse ou falasse mal do nome de Jeová
Os mais velhos podem ajudar os mais jovens a ser zelosos
Sal 71:17, 18
• O escritor desse salmo, provavelmente Davi, queria falar sobre Jeová para a próxima geração
• Os pais e outros cristãos experientes podem treinar os jovens
Nosso zelo nos motiva a falar a outros sobre as bênçãos que o Reino trará
Sal 72:3, 12, 14, 16-19
• Versículo 3 Todos vão viver em paz
• Versículo 12 Os pobres receberão ajuda
• Versículo 14 A violência vai acabar
• Versículo 16 Todos terão fartura de alimentos

Sal 69:9 — Devemos ter muito zelo pela adoração verdadeira (w10 15/12 7-11 §§ 2-17)

Tradução do Novo MundoSalmo 69:9
9 O zelo pela tua casa me consome;
Os insultos daqueles que te insultam caem sobre mim.
A Sentinela (2010)Seja zeloso pela adoração verdadeira
2. Qual é hoje a tarefa mais urgente para os cristãos verdadeiros?
2 Para os cristãos verdadeiros, nada é mais urgente hoje do que pregar as boas novas do Reino e fazer discípulos de pessoas de todas as nações. (Mat. 24:14; 28:19, 20) Citando Jesus, o discípulo Marcos escreveu que esse trabalho tem de ser realizado “primeiro”, isto é, antes de vir o fim. (Mar. 13:10) É assim, naturalmente, que deve ser. Jesus disse: “A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos.” A colheita não pode esperar; tem de ser feita, antes que se esgote o prazo. — Mat. 9:37.
3. Como muitos reagiram à urgente necessidade de pregar?
3 Por ser tão importante para nós, a obra de pregação merece que lhe dediquemos o máximo possível de nosso tempo, energia e atenção. É elogiável que muitos estejam fazendo exatamente isso. Alguns simplificaram seus assuntos pessoais a fim de entrar no ministério de tempo integral como pioneiros ou missionários ou para servir num dos lares de Betel ao redor do mundo. A vida deles é bem atarefada. Talvez tenham feito muitos sacrifícios e enfrentem muitos desafios. No entanto, são amplamente abençoados por Jeová. Isso nos alegra. (Leia Lucas 18:28-30.) Outros, embora não possam entrar nas fileiras de proclamadores de tempo integral, dedicam o máximo de tempo possível a essa obra que salva vidas, o que inclui ajudar seus filhos a se salvarem. — Deut. 6:6, 7.
4. Por que alguns talvez tendam a perder o senso de urgência?
4 Como vimos, o senso de urgência em geral se relaciona com um prazo, uma data-limite, um fim. Estamos vivendo no tempo do fim, e há muitas evidências — bíblicas e históricas — para provar isso. (Mat. 24:3, 33; 2 Tim. 3:1-5) Mas nenhum ser humano sabe a hora exata em que virá o fim. Ao detalhar o “sinal” que marcaria a “terminação do sistema de coisas”, Jesus disse especificamente: “Acerca daquele dia e daquela hora ninguém sabe, nem os anjos dos céus, nem o Filho, mas unicamente o Pai.” (Mat. 24:36) Assim sendo, alguns talvez achem difícil manter um senso de urgência ano após ano, em especial se já fazem isso por muito tempo. (Pro. 13:12) Você às vezes se sente assim? O que pode nos ajudar a desenvolver ou a manter um senso de urgência com relação à tarefa que Jeová Deus e Jesus Cristo querem que realizemos hoje?
Nosso exemplo, Jesus
5. De que maneiras Jesus refletiu um senso de urgência no ministério?
5 De todos os que mostraram senso de urgência no seu serviço a Deus, Jesus Cristo é seguramente o maior exemplo. Um dos motivos de sua urgência foi que ele tinha muito que fazer num período de apenas três anos e meio. Não obstante, nunca alguém realizou tanto pela adoração verdadeira como Jesus. Ele tornou conhecido o nome e os propósitos de seu Pai, pregou as boas novas do Reino, expôs a hipocrisia e os falsos ensinos de líderes religiosos e entregou a sua própria vida na defesa da soberania de Jeová. Ele não poupou esforços ao cruzar o país — ensinando, ajudando e curando as pessoas. (Mat. 9:35) Ninguém jamais realizou tanto em tão pouco tempo. Jesus trabalhou o mais arduamente possível. — João 18:37.
6. Qual era o foco principal na vida de Jesus?
6 O que moveu Jesus a trabalhar incansavelmente no seu ministério? Com base na profecia de Daniel, Jesus podia saber onde estava em relação ao cronograma de Jeová. (Dan. 9:27) Assim, conforme indicado, seu ministério terrestre terminaria “na metade da semana”, ou depois de três anos e meio. Pouco depois de sua entrada triunfante em Jerusalém na primavera de 33 EC, Jesus disse: “Chegou a hora para o Filho do homem ser glorificado.” (João 12:23) Embora soubesse que a sua morte era iminente, Jesus não fez disso o foco na sua vida, ou a razão principal para trabalhar arduamente. Em vez disso, concentrou-se em usar toda oportunidade para fazer a vontade de seu Pai e mostrar amor pelos humanos. Esse amor o levou a reunir e treinar discípulos, enviando-os em campanhas de pregação. Fez isso para que levassem avante a obra que ele iniciara e realizassem obras ainda maiores do que as dele. — Leia João 14:12.
7, 8. Como os discípulos reagiram à purificação do templo feita por Jesus, e por que ele agiu assim?
7 Um evento na vida de Jesus demonstrou enfaticamente o seu zelo. Foi no começo de seu ministério, na época da Páscoa de 30 EC. Jesus e seus discípulos foram a Jerusalém e observaram no templo ‘os que vendiam gado, ovelhas, pombas, e os corretores de dinheiro nos seus assentos’. Como Jesus reagiu, e que impressão isso causou nos seus discípulos? — Leia João 2:13-17.
8 O que Jesus disse e fez naquela ocasião levou os discípulos a se lembrarem das palavras proféticas de um dos salmos de Davi: “Consumiu-me o puro zelo pela tua casa.” (Sal. 69:9) Por quê? Porque o que Jesus fez foi muito arriscado e perigoso. Afinal, as autoridades do templo — os sacerdotes, os escribas e outros — estavam por trás da escandalosa atividade lucrativa que ocorria ali. Para expor e romper o esquema deles, Jesus tinha de se lançar como inimigo do sistema religioso daqueles dias. Como os discípulos bem avaliaram, o ‘zelo pela casa de Deus’, ou zelo pela adoração verdadeira, estava claramente em evidência. Mas o que é zelo? É diferente de urgência?
Comparação entre urgência e zelo
9. Qual é o sentido da palavra zelo?
9 Certo dicionário define “zelo” como “forte disposição, diligência, empenho aplicado na realização de algo”, e essa palavra pode ter como sinônimos paixão, fervor, ardor e entusiasmo. O ministério de Jesus certamente pode ser caracterizado por todas essas palavras. De modo que a Bíblia na Linguagem de Hoje traduz assim esse versículo: “O meu amor pelo teu Templo queima dentro de mim como fogo.” É interessante que em algumas línguas orientais o termo para “zelo” compõe-se de duas partes que literalmente significam “coração quente”, como se o coração estivesse queimando. Não é de admirar que os discípulos se lembrassem das palavras de Davi quando viram o que Jesus fez no templo. Mas o que, por assim dizer, incendiou o coração de Jesus e o impeliu, ou moveu, a agir daquela maneira?
10. Qual é o sentido de “zelo” conforme usado na Bíblia?
10 O termo “zelo” no salmo de Davi vem de uma palavra hebraica muitas vezes traduzida “ciumento” ou “ciúme” em outros trechos da Bíblia. A Tradução do Novo Mundo às vezes a traduz por “exige devoção exclusiva”. (Leia Êxodo 20:5; 34:14; Josué 24:19.) Certo dicionário bíblico diz a respeito desse termo: “É usado muitas vezes em relação ao vínculo conjugal . . . Assim como o ciúme do marido ou da esposa é a poderosa afirmação de um direito exclusivo, Deus afirma Sua reivindicação, e a vindica, com relação aos que são Sua propriedade exclusiva.” Portanto, no sentido bíblico, zelo é mais do que fervor ou entusiasmo por certo empenho, como muitos admiradores mostram pelo seu esporte preferido. O zelo de Davi era ciúme num sentido positivo, isto é, intolerância com a rivalidade ou o vitupério, um forte anseio de proteger um bom nome ou de corrigir um mal.
11. O que moveu Jesus a agir com zelo?
11 Os discípulos de Jesus não estavam enganados quando associaram as palavras de Davi ao que viram Jesus fazer no templo. O forte empenho de Jesus não se deu apenas porque ele tinha uma data-limite mas porque era zeloso — ou ciumento no bom sentido — com relação ao nome de seu Pai e à adoração pura. Quando viu todo aquele vitupério e blasfêmia contra o nome de Deus, ele com razão demonstrou zelo, ou ciúme positivo, e agiu para corrigir a situação. Ao ver pessoas humildes serem oprimidas e exploradas pelos líderes religiosos, o zelo de Jesus moveu-o a trazer alívio ao povo e a declarar fortes denúncias contra esses opressivos líderes religiosos. — Mat. 9:36; 23:2, 4, 27, 28, 33.
Seja zeloso pela adoração verdadeira
12, 13. O que os líderes religiosos da cristandade atual têm feito com relação (a) ao nome de Deus? (b) ao Reino de Deus?
12 O atual cenário religioso ao nosso redor é similar (se não pior) ao que era nos dias de Jesus. Por exemplo, lembre-se de que a primeira coisa pela qual Jesus ensinou seus seguidores a orar dizia respeito ao nome de Deus: “Santificado seja o teu nome.” (Mat. 6:9) Será que vemos os líderes religiosos, em especial o clero da cristandade, ensinando o povo a conhecer a Deus por nome e a santificar, ou honrar, esse nome? Ao contrário, eles têm difamado a Deus por meio de doutrinas falsas como a Trindade, a imortalidade da alma humana e o inferno de fogo, fazendo Deus parecer misterioso, insondável, cruel e até mesmo sádico. Têm também vituperado a Deus por meio de seus escândalos e hipocrisia. (Leia Romanos 2:21-24.) Além disso, têm feito tudo para ocultar o nome de Deus, até mesmo removendo-o de suas traduções da Bíblia. Desse modo, eles impedem que as pessoas se acheguem a Deus e cultivem uma relação pessoal com ele. — Tia. 4:7, 8.
13 Jesus também ensinou seus seguidores a orar pelo Reino de Deus: “Venha o teu reino. Realize-se a tua vontade, como no céu, assim também na terra.” (Mat. 6:10) Embora os líderes religiosos da cristandade repitam com frequência essa oração, eles têm exortado o povo a apoiar instituições políticas, e outras, de origem humana. Além do mais, eles menosprezam os que se empenham em pregar e dar testemunho em favor desse Reino. Como resultado, entre muitos que afirmam ser cristãos, o Reino de Deus não é mais um tema a tratar, muito menos uma matéria de fé.
14. Como o clero da cristandade tem diluído a Palavra de Deus?
14 Em oração a Deus, Jesus disse claramente: “A tua palavra é a verdade.” (João 17:17) E, antes de deixar o cenário terrestre, Jesus indicou que designaria “o escravo fiel e discreto” para prover alimento espiritual para Seu povo. (Mat. 24:45) Embora rápido em reivindicar a condição de mordomo da Palavra de Deus, será que o clero da cristandade tem sido fiel à incumbência do Mestre? Não. Os membros do clero tendem a rotular de fábulas ou mitos as coisas que a Bíblia diz. Em vez de alimentar seus rebanhos com alimento espiritual, dando-lhes consolo e esclarecimento, eles têm feito “cócegas nos ouvidos” de seus adeptos ensinando filosofias humanas. Além disso, têm diluído os padrões de moral de Deus para se acomodarem à chamada nova moralidade. — 2 Tim. 4:3, 4.
15. O que você acha de tudo o que o clero tem feito em nome de Deus?
15 Por causa de tudo o que tem sido feito — supostamente em nome do Deus da Bíblia — muitas pessoas sinceras se desiludiram ou perderam toda a fé em Deus e na Bíblia. Tornaram-se presas de Satanás e de seu mundo perverso. Quando você vê e ouve falar dessas coisas dia após dia, como se sente? Sendo um servo de Jeová, ao ver o vitupério e a blasfêmia lançados sobre o Seu nome, não se sente impelido a fazer o possível para corrigir esse mal? Ao observar pessoas sinceras e honestas sendo enganadas e exploradas, não se sente movido a levar consolo para essas almas oprimidas? Quando observou pessoas de seus dias serem “esfoladas e empurradas dum lado para outro como ovelhas sem pastor”, Jesus não apenas sentiu compaixão. Ele “principiou a ensinar-lhes muitas coisas”. (Mat. 9:36; Mar. 6:34) Temos todos os motivos para ser zelosos pela adoração verdadeira, como Jesus foi.
16, 17. (a) O que deve nos impelir a nos esforçar no ministério? (b) O que veremos no próximo artigo?
16 Quando encaramos assim o nosso ministério, as palavras do apóstolo Paulo em 1 Timóteo 2:3, 4 assumem um significado especial. (Leia.) Trabalhamos muito no ministério não apenas porque sabemos que estamos nos últimos dias, mas também porque entendemos que esta é a vontade de Deus. Ele deseja que as pessoas conheçam a verdade para que também aprendam a adorá-lo e a servi-lo e sejam abençoadas. Somos impelidos a nos empenhar no ministério, não primariamente por causa de um limite de tempo, mas porque desejamos honrar o nome de Deus e ajudar pessoas a conhecer a vontade divina. Temos zelo pela adoração verdadeira. — 1 Tim. 4:16.
17 Como povo de Jeová, fomos abençoados com o conhecimento da verdade sobre o propósito de Deus para a humanidade e a Terra. Temos os meios de ajudar pessoas a encontrar a felicidade e uma firme esperança para o futuro. Podemos indicar-lhes como encontrar segurança quando vier a destruição do mundo de Satanás. (2 Tes. 1:7-9) Em vez de ficarmos frustrados ou desanimados devido à aparente demora do dia de Jeová, devemos ser gratos de que ainda resta tempo para sermos zelosos em favor da adoração verdadeira. (Miq. 7:7; Hab. 2:3) Como desenvolver esse zelo? Veremos isso no próximo artigo.

Sal 71:17, 18 — Os mais velhos podem ajudar os mais jovens a ser zelosos (w14 15/1 23-24 §§ 4-10)

Tradução do Novo MundoSalmo 71:17, 18
17 Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha juventude,
E até agora estou declarando os teus atos maravilhosos.
18 Mesmo quando eu estiver velho e de cabelos brancos, ó Deus, não me abandones.
Que eu fale sobre a tua força à próxima geração,
E sobre o teu poder a todos os que ainda virão.
A Sentinela (2014)Sirva a Jeová antes dos dias calamitosos
4. O que os cristãos mais experientes precisam se perguntar, e por quê?
4 Se você já tem décadas de experiência, precisa fazer a si mesmo uma importante pergunta: “Como vou usar minha vida enquanto ainda tenho vigor?” Como cristão experiente, você tem oportunidades que outros não têm. Pode passar aos mais jovens o que aprendeu sobre Jeová. Também pode fortalecer outros com suas experiências no serviço de Deus. O Rei Davi orou pedindo por essas oportunidades. Ele disse: “Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha mocidade . . . E não me abandones mesmo até a velhice e as cãs, ó Deus, até que eu possa informar a geração sobre o teu braço, todos os que estão para vir, sobre a tua potência.” — Sal. 71:17, 18.
5. Como os cristãos mais experientes podem compartilhar com outros o que aprenderam?
5 Como você pode compartilhar a sabedoria que adquiriu ao longo dos anos? O que acha de convidar os mais jovens à sua casa para encorajá-los? Ou convidá-los para sair juntos no serviço de campo para que vejam como o ministério lhe dá alegria? Assim como disse Eliú no passado: “Falem os próprios dias, e que a multidão dos anos dê a conhecer a sabedoria.” (Jó 32:7) O apóstolo Paulo incentivou as irmãs mais experientes a encorajar as mais jovens por seu modo de falar e sua conduta. Ele disse: “As mulheres idosas sejam . . . instrutoras do que é bom.” — Tito 2:3.
PENSE NO SEU POTENCIAL PARA AJUDAR OUTROS
6. Por que cristãos com décadas de experiência não devem subestimar seu potencial?
6 Se você é um cristão experiente, então tem um grande potencial. Compare o que sabe hoje com o que você sabia há 30 ou 40 anos. Você sabe como aplicar os princípios bíblicos na vida. Sem dúvida, tem a habilidade de tocar o coração de outros com a verdade da Bíblia. Se for ancião, sabe como ajudar alguém que dá um passo em falso. (Gál. 6:1) Talvez tenha experiência em cuidar de atividades congregacionais, de departamentos em assembleias ou de construções de Salões do Reino. Você talvez saiba como convencer médicos a usar métodos que evitam o uso do sangue. Mesmo que tenha aprendido a verdade recentemente, você tem valiosa experiência de vida. Por exemplo, se criou filhos, você obteve muita sabedoria prática. Portanto, irmãos mais velhos podem ser uma poderosa fonte de encorajamento para o povo de Jeová ao ensinar, liderar e fortalecer os irmãos. — Leia Jó 12:12.
7. Que treinamento prático podem os irmãos mais velhos dar aos mais jovens?
7 Como você pode usar melhor o seu potencial? Você pode mostrar aos mais jovens como iniciar e dirigir estudos bíblicos. Uma irmã experiente pode dar sugestões a mães jovens sobre como manter uma boa espiritualidade mesmo tendo filhos pequenos para cuidar. Um irmão pode ajudar os mais novos a dar discursos com entusiasmo e a ser mais eficientes na pregação das boas novas. Também pode mostrar o que fazer para encorajar espiritualmente os irmãos idosos ao visitá-los. Mesmo que não tenha tanta força física como antes, você tem excelentes oportunidades de treinar os jovens. A Palavra de Deus diz: “A beleza dos jovens é o seu poder e o esplendor dos anciãos são as suas cãs.” — Pro. 20:29.
SERVIR ONDE HÁ MAIS NECESSIDADE
8. O que o apóstolo Paulo fez quando tinha mais idade?
8 O apóstolo Paulo usou ao máximo seu potencial para servir a Deus mesmo com mais idade. Quando saiu da prisão em Roma, por volta de 61 EC, ele tinha enfrentado dificuldades por muitos anos no serviço missionário. (2 Cor. 11:23-27) Ele poderia ter levado uma vida mais sossegada pregando ali mesmo naquela cidade. Com certeza, os irmãos naquela cidade grande teriam apreciado muito sua ajuda. Mas Paulo sabia que ainda havia muita necessidade em outros lugares. Junto com Timóteo e Tito, ele voltou às suas atividades no serviço missionário, passando por Éfeso, Creta e provavelmente pela Macedônia. (1 Tim. 1:3; Tito 1:5) Não sabemos se ele visitou a Espanha, mas essa era sua intenção. — Rom. 15:24, 28.
9. Em que época Pedro provavelmente se mudou para servir onde havia mais necessidade? (Veja a gravura no início do artigo.)
9 O apóstolo Pedro devia ter mais de 50 anos quando se mudou para onde havia mais necessidade. Por que chegamos a essa conclusão? Se ele e Jesus fossem mais ou menos da mesma idade, Pedro teria cerca de 50 anos quando se encontrou em Jerusalém com os outros apóstolos em 49 EC. (Atos 15:7) Algum tempo depois desse encontro, Pedro se mudou para Babilônia, sem dúvida para pregar à grande população de judeus naquela região. (Gál. 2:9) Era lá que ele estava quando escreveu sua primeira carta inspirada por volta de 62 EC. (1 Ped. 5:13) Adaptar-se a um país estrangeiro pode ser desafiador, mas Pedro não permitiu que sua idade lhe tirasse a alegria de servir a Jeová plenamente.
10, 11. Relate a experiência de um casal de mais idade que se mudou para servir num lugar onde a necessidade é maior.
10 Hoje, muitos irmãos com 50 anos ou mais se dão conta de que suas circunstâncias mudaram e agora podem servir a Jeová de outras maneiras. Alguns foram servir em lugares onde há mais necessidade. Por exemplo, Robert diz: “Com pouco mais de 50 anos, eu e minha esposa percebemos que havia oportunidades ao nosso alcance. Nosso filho tinha saído de casa, nossos pais tinham falecido e havíamos recebido uma pequena herança. Fiz as contas e vi que, se vendêssemos nossa casa, teríamos dinheiro suficiente para pagar a hipoteca e nos manter até começar a receber minha aposentadoria. Ficamos sabendo que na Bolívia muitas pessoas queriam estudar a Bíblia e que o custo de vida lá era baixo. Assim, decidimos nos mudar para lá. A adaptação ao nosso novo país não foi fácil. Tudo era muito diferente do que estávamos acostumados nos Estados Unidos. Mas nossos esforços valeram a pena.”

Sal 72:3, 12, 14, 16-19 — Nosso zelo nos motiva a falar a outros sobre as bênçãos que o Reino trará (w15 1/10 16 § 3; w10 15/8 32 §§ 19-20)

Tradução do Novo MundoSalmo 72:3
3 Que os montes tragam paz ao povo,
E as colinas justiça.
Tradução do Novo MundoSalmo 72:12
12 Pois ele livrará o pobre que clama por socorro,
E também o humilde e todo aquele que não tem quem o ajude.
Tradução do Novo MundoSalmo 72:14
14 Ele os livrará da opressão e da violência,
E o sangue deles será precioso aos seus olhos.
Tradução do Novo MundoSalmo 72:16-19
16 Haverá fartura de cereal na terra,
E superabundância no cume das montanhas.
Os frutos do rei crescerão como no Líbano,
E nas cidades as pessoas florescerão como a vegetação da terra.
17 Que o seu nome permaneça para sempre,
Que sua fama dure tanto quanto o sol.
Que as pessoas obtenham para si uma bênção por meio do rei;
Que todas as nações o proclamem feliz.
18 Louvado seja Jeová Deus, o Deus de Israel,
O único que faz coisas maravilhosas.
19 Que o seu glorioso nome seja louvado para sempre
E a sua glória encha a terra inteira.
Amém e amém!
A Sentinela (2015)Perguntas Bíblicas Respondidas
Deus escolheu seu Filho, Jesus, para governar toda a humanidade. (Salmo 2:4-8) Jesus livrará os pobres e acabará com a opressão e a violência. — Leia Salmo 72:8, 12-14.
A Sentinela (2010)Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
19, 20. (a) Conforme indicado no Salmo 72, que problema o governo do Reino resolverá? (b) A quem em primeiro lugar caberá o mérito pelo governo de Cristo, e o que você acha sobre o que ele realizará?
19 Procure de novo visualizar o futuro dos humanos justos no novo mundo sob o governo do Salomão Maior. “Virá a haver bastante cereal na terra”, Deus promete. “No cume dos montes haverá superabundância.” (Sal. 72:16) Visto que cereais normalmente não são produzidos no cume dos montes, essas palavras enfatizam como a Terra será produtiva. A sua produção “será como no Líbano”, uma região muito fértil nos dias do reinado de Salomão. Imagine! Não haverá falta de alimentos nem pessoas subnutridas ou morrendo de fome! Naquele tempo, todos participarão de “um banquete de pratos bem azeitados”. — Isa. 25:6-8; 35:1, 2.
20 A quem caberá o mérito por todas essas bênçãos? Em primeiro lugar, ao Rei Eterno e Governante Universal, Jeová Deus. Na verdade, naquele tempo, todos nós uniremos nossas vozes em cantar alegremente a parte final deste belo e reanimador cântico: “Mostre seu nome [do Rei Jesus Cristo] ser por tempo indefinido; aumente seu nome diante do sol, e abençoem eles a si mesmos por meio dele; todas as nações chamem-no feliz. Bendito seja Jeová Deus, o Deus de Israel, o único que faz obras maravilhosas. E bendito seja seu glorioso nome por tempo indefinido, e sua glória encha a terra inteira. Amém e amém.” — Sal. 72:17-19.

ENCONTRE JOIAS ESPIRITUAIS: (8 MIN)

Sal 69:4, 21 — Como as profecias desses textos se aplicaram ao Messias? (w11 15/8 11 § 17; w11 15/8 15 § 15)

Tradução do Novo MundoSalmo 69:4
4 Os que me odeiam sem motivo
São mais numerosos do que os cabelos da minha cabeça.
Os que querem me matar,
Meus traiçoeiros inimigos, tornaram-se muitos.
Fui forçado a devolver o que eu não havia roubado.
Tradução do Novo MundoSalmo 69:21
21 Como alimento, deram-me veneno
E, para matar a minha sede, ofereceram-me vinagre para beber.
A Sentinela (2011)Eles esperavam o Messias
17. Como João aplicou o Salmo 69:4?
17 O Messias seria odiado sem causa. (Sal. 69:4) Segundo o apóstolo João, Jesus disse: “Se eu não tivesse feito entre [o povo] as obras que ninguém mais fez, não teriam pecado; mas agora eles têm visto e têm odiado tanto a mim como a meu Pai. Mas, é para que se cumpra a palavra escrita na Lei deles: ‘Odiaram-me sem causa.’” (João 15:24, 25) Geralmente, o termo “Lei” se refere ao inteiro conjunto das Escrituras. (João 10:34; 12:34) Os Evangelhos provam que Jesus foi odiado, em especial pelos líderes religiosos judaicos. Além disso, Cristo disse: “O mundo não tem razão para vos odiar, mas odeia a mim, porque dou testemunho dele de que as suas obras são iníquas.” — João 7:7.
A Sentinela (2011)Eles acharam o Messias!
15 Vinagre e bebida amarga seriam dados ao Messias. “Por alimento me deram uma planta venenosa”, disse o salmista, “e para a minha sede tentaram fazer-me beber vinagre”. (Sal. 69:21) Mateus nos conta: “Deram [a Jesus] a beber vinho misturado com fel; mas ele, depois de prová-lo, recusou-se a beber.” Mais tarde, ‘um deles correu e, tomando uma esponja, ensopou-a em vinho acre e a pôs numa cana, dando-lhe de beber’. — Mat. 27:34, 48.

Sal 73:24 — Como Jeová conduz seus servos à glória? (w13 15/2 25-26 §§ 3-4)

Tradução do Novo MundoSalmo 73:24
24 Tu me guias com os teus conselhos,
E depois me conduzirás à glória.
A Sentinela (2013)Não permita que nada o impeça de receber glória de Deus
3-5. A que glória Jeová pode nos levar?
3 O salmista expressou confiança de que Jeová o seguraria pela mão direita e o levaria à verdadeira glória. (Leia Salmo 73:23, 24.) Como Jeová faz isso? Ele leva seus servos humildes à glória por honrá-los de muitas maneiras. Jeová os abençoa dando-lhes um entendimento de sua vontade. (1 Cor. 2:7) Aos que acatam a sua palavra e o obedecem ele confere a honra de terem uma estreita relação pessoal com ele. — Tia. 4:8.
4 Jeová também confia a seus servos o glorioso tesouro do ministério cristão. (2 Cor. 4:1, 7) E esse ministério leva à glória. Aos que usam seu privilégio de serviço para louvar a Jeová e beneficiar outros, ele promete: “Honrarei os que me honrarem.” (1 Sam. 2:30) Esses são honrados com um bom nome diante de Jeová e provavelmente gozam de boa reputação perante outros servos de Deus. — Pro. 11:16; 22:1.

O que a leitura da semana me ensinou sobre Jeová?

Que pontos da leitura posso usar no serviço de campo?

SALMOS 69-73 | SUGESTÕES PARA SEUS COMENTÁRIOS PESSOAIS

SALMO 69:CABEÇALHO)
“Ao regente, segundo Os Lírios. De Davi.”
it-2 p. 708 Lírio
Desconhece-se o significado das expressões “o Lírio”, “Os Lírios”, que ocorrem nos cabeçalhos dos Salmos 45, 60, 69 e 80.
SALMO 69:4)
“Os que me odeiam sem causa tornaram-se até mais do que os cabelos da minha cabeça. Os que me silenciam, sendo meus inimigos por nenhuma razão, tornaram-se numerosos. O que eu não roubara, passei então a devolver.”
w11 15/8 p. 11 par. 17 Eles esperavam o Messias
17 O Messias seria odiado sem causa. (Sal. 69:4) Segundo o apóstolo João, Jesus disse: “Se eu não tivesse feito entre [o povo] as obras que ninguém mais fez, não teriam pecado; mas agora eles têm visto e têm odiado tanto a mim como a meu Pai. Mas, é para que se cumpra a palavra escrita na Lei deles: ‘Odiaram-me sem causa.’” (João 15:24, 25) Geralmente, o termo “Lei” se refere ao inteiro conjunto das Escrituras. (João 10:34; 12:34) Os Evangelhos provam que Jesus foi odiado, em especial pelos líderes religiosos judaicos. Além disso, Cristo disse: “O mundo não tem razão para vos odiar, mas odeia a mim, porque dou testemunho dele de que as suas obras são iníquas.” — João 7:7.
w06 1/6 p. 11 Destaques do livro segundo dos Salmos
69:4. Para mantermos a paz pode ser sábio às vezes “devolver” por pedir desculpas, mesmo que não achemos que estamos errados.
SALMO 69:9)
“Pois, consumiu-me o puro zelo pela tua casa E caíram sobre mim os próprios vitupérios dos que te vituperam.”
w10 15/12 pp. 8-9 pars. 7-11 Seja zeloso pela adoração verdadeira
7 Um evento na vida de Jesus demonstrou enfaticamente o seu zelo. Foi no começo de seu ministério, na época da Páscoa de 30 EC. Jesus e seus discípulos foram a Jerusalém e observaram no templo ‘os que vendiam gado, ovelhas, pombas, e os corretores de dinheiro nos seus assentos’. Como Jesus reagiu, e que impressão isso causou nos seus discípulos? — Leia João 2:13-17.
8 O que Jesus disse e fez naquela ocasião levou os discípulos a se lembrarem das palavras proféticas de um dos salmos de Davi: “Consumiu-me o puro zelo pela tua casa.” (Sal. 69:9) Por quê? Porque o que Jesus fez foi muito arriscado e perigoso. Afinal, as autoridades do templo — os sacerdotes, os escribas e outros — estavam por trás da escandalosa atividade lucrativa que ocorria ali. Para expor e romper o esquema deles, Jesus tinha de se lançar como inimigo do sistema religioso daqueles dias. Como os discípulos bem avaliaram, o ‘zelo pela casa de Deus’, ou zelo pela adoração verdadeira, estava claramente em evidência. Mas o que é zelo? É diferente de urgência?
Comparação entre urgência e zelo
9 Certo dicionário define “zelo” como “forte disposição, diligência, empenho aplicado na realização de algo”, e essa palavra pode ter como sinônimos paixão, fervor, ardor e entusiasmo. O ministério de Jesus certamente pode ser caracterizado por todas essas palavras. De modo que a Bíblia na Linguagem de Hoje traduz assim esse versículo: “O meu amor pelo teu Templo queima dentro de mim como fogo.” É interessante que em algumas línguas orientais o termo para “zelo” compõe-se de duas partes que literalmente significam “coração quente”, como se o coração estivesse queimando. Não é de admirar que os discípulos se lembrassem das palavras de Davi quando viram o que Jesus fez no templo. Mas o que, por assim dizer, incendiou o coração de Jesus e o impeliu, ou moveu, a agir daquela maneira?
10 O termo “zelo” no salmo de Davi vem de uma palavra hebraica muitas vezes traduzida “ciumento” ou “ciúme” em outros trechos da Bíblia. A Tradução do Novo Mundo às vezes a traduz por “exige devoção exclusiva”. (Leia Êxodo 20:5; 34:14; Josué 24:19.) Certo dicionário bíblico diz a respeito desse termo: “É usado muitas vezes em relação ao vínculo conjugal . . . Assim como o ciúme do marido ou da esposa é a poderosa afirmação de um direito exclusivo, Deus afirma Sua reivindicação, e a vindica, com relação aos que são Sua propriedade exclusiva.” Portanto, no sentido bíblico, zelo é mais do que fervor ou entusiasmo por certo empenho, como muitos admiradores mostram pelo seu esporte preferido. O zelo de Davi era ciúme num sentido positivo, isto é, intolerância com a rivalidade ou o vitupério, um forte anseio de proteger um bom nome ou de corrigir um mal.
11 Os discípulos de Jesus não estavam enganados quando associaram as palavras de Davi ao que viram Jesus fazer no templo. O forte empenho de Jesus não se deu apenas porque ele tinha uma data-limite mas porque era zeloso — ou ciumento no bom sentido — com relação ao nome de seu Pai e à adoração pura. Quando viu todo aquele vitupério e blasfêmia contra o nome de Deus, ele com razão demonstrou zelo, ou ciúme positivo, e agiu para corrigir a situação. Ao ver pessoas humildes serem oprimidas e exploradas pelos líderes religiosos, o zelo de Jesus moveu-o a trazer alívio ao povo e a declarar fortes denúncias contra esses opressivos líderes religiosos. — Mat. 9:36; 23:2, 4, 27, 28, 33.
SALMO 69:20)
“O próprio vitupério me quebrantou o coração, e [a ferida] é incurável. E eu estava esperando que alguém se compadecesse [de mim], mas não havia ninguém; E consoladores, mas não achei nenhum.”
g95 22/10 p. 31 A dor emocional pode matar?
Alguns dizem que o grande sofrimento emocional a que Jesus Cristo foi submetido contribuiu para a sua morte. Sobre ele se profetizou: “O próprio vitupério me quebrantou o coração, e a ferida é incurável.” (Salmo 69:20) Devem estas palavras ser entendidas literalmente? Talvez sim, pois as horas que precederam a morte de Jesus foram agonizantes — não só em sentido físico, mas também emocional. (Mateus 27:46; Lucas 22:44; Hebreus 5:7) Também, o fato de “sangue e água” terem fluído do ferimento de lança que Jesus sofreu logo após a sua morte pode ter sido resultado de uma ruptura no coração. Uma ruptura do coração ou da artéria principal do coração poderia derramar sangue tanto na caixa torácica como no pericárdio, que é uma membrana serosa que envolve o coração. Uma punção em qualquer uma dessas duas regiões poderia causar um fluxo do que pareceria ser “sangue e água”. — João 19:34.
SALMO 69:21)
“Mas, por alimento [me] deram uma planta venenosa, E para a minha sede tentaram fazer-me beber vinagre.”
w11 15/8 p. 15 par. 15 Eles acharam o Messias!
15 Vinagre e bebida amarga seriam dados ao Messias. “Por alimento me deram uma planta venenosa”, disse o salmista, “e para a minha sede tentaram fazer-me beber vinagre”. (Sal. 69:21) Mateus nos conta: “Deram [a Jesus] a beber vinho misturado com fel; mas ele, depois de prová-lo, recusou-se a beber.” Mais tarde, ‘um deles correu e, tomando uma esponja, ensopou-a em vinho acre e a pôs numa cana, dando-lhe de beber’. — Mat. 27:34, 48.
SALMO 69:23)
“Obscureçam-se-lhes os olhos para que não vejam; E faze seus próprios quadris vacilar constantemente.”
w06 1/6 p. 10 Destaques do livro segundo dos Salmos
69:23 — O que significa ‘fazer os quadris dos inimigos vacilar’? Os músculos na região do quadril são essenciais para realizar trabalho pesado, como levantar e carregar cargas pesadas. Quadris vacilantes indicam perda de poder. Davi orou para que seus inimigos perdessem o poder.
SALMO 69:25)
“Fique desolado seu acampamento murado; Não venha a haver morador nas suas tendas.”
si p. 204 par. 32 Livro bíblico número 44 — Atos
32 O livro de Atos constitui um testemunho em adição aos relatos dos Evangelhos em confirmar a autenticidade e a inspiração das Escrituras Hebraicas. Quando se aproximava o Pentecostes, Pedro citou o cumprimento de duas profecias “que o espírito santo predissera pela boca de Davi a respeito de Judas”. (Atos 1:16, 20; Sal. 69:25; 109:8)
SALMO 69:33)
“Pois Jeová está escutando os pobres E deveras não desprezará os seus próprios prisioneiros.”
w08 15/3 p. 12 par. 4 Jeová escuta nossos ‘clamores por ajuda’
4 Será que Davi quis dizer que ele não tinha esperança nenhuma? Não. Observe o que mais ele disse nesse salmo: “Jeová está escutando os pobres e deveras não desprezará os seus próprios prisioneiros”, ou “os seus que são prisioneiros”. (Sal. 69:33; nota) Em termos gerais, nós às vezes podemos nos sentir como prisioneiros de nossas aflições. Pode parecer que outros não entendem o que passamos — e talvez não entendam mesmo. Mas como Davi, podemos ser consolados por saber que Jeová entende plenamente nossas aflições. — Sal. 34:15.
w97 15/4 pp. 4-5 “O Deus de paz” cuida dos aflitos
No entanto, você pode ter certeza de que Deus se importa com sua situação, porque, mais à frente no mesmo salmo, Davi escreveu: “Jeová está escutando os pobres e deveras não desprezará os seus próprios prisioneiros.” — Salmo 69:20, 33.
Aplicando as palavras de Davi em sentido amplo, podemos ter certeza de que o Criador da humanidade ouve as orações de quem está, por assim dizer, aprisionado em seus sofrimentos. Mais do que isso, ele faz algo a respeito de suas dificuldades.
SALMO 69:34)
“Louvem-no céu e terra, Os mares e tudo o que neles se move.”
it-1 p. 492 Céu, I
Os céus físicos também louvam seu Criador, do mesmo modo que um produto de belo aspecto dá louvor ao artífice que o produz. Na realidade, falam do poder, da sabedoria e da majestade de Jeová. — Sal 19:1-4; 69:34.
SALMO 70:1)
“Ó Deus, para livrar-me, Ó Jeová, para vir em meu auxílio age deveras depressa.”
w91 15/5 pp. 21-22 Jeová ouve os nossos prementes clamores por ajuda
Súplica por Livramento Imediato
Davi começa com a súplica: “Ó Deus, para livrar-me, ó Jeová, para vir em meu auxílio age deveras depressa.” (Salmo 70:1) Quando aflitos, podemos orar pedindo que Deus venha rapidamente em nosso auxílio. Jeová não nos tenta com coisas más, e ele “sabe livrar da provação os de devoção piedosa”. (2 Pedro 2:9; Tiago 1:13) Mas que dizer se ele permite que uma provação se delongue, talvez para ensinar-nos algo? Neste caso, podemos orar pedindo-lhe sabedoria para enfrentar a provação. Quando pedimos com fé, ele nos concede sabedoria. (Tiago 1:5-8) Deus também nos dá a força necessária para suportar as provações. Por exemplo, ele ‘nos ampara no divã de enfermidade’. — Salmo 41:1-3; Hebreus 10:36.
Nossa pecaminosidade inerente, bem como a constante exposição a tentações e aos esforços do Diabo para destruir nosso relacionamento com Jeová, deve induzir-nos a orar pela ajuda de Deus todos os dias. (Salmo 51:1-5; Romanos 5:12; 12:12) As seguintes palavras da oração-modelo de Jesus são dignas de nota: “Não nos leves à tentação, mas livra-nos do iníquo.” (Mateus 6:13) Sim, podemos pedir a Deus que não nos permita sucumbir quando tentados a desobedecê-lo e que impeça Satanás, o “iníquo”, de sobrepujar-nos. Mas nossos clamores por livramento devem ser acompanhados de passos no sentido de evitar situações que desnecessariamente nos exporiam a tentações e às ciladas de Satanás. — 2 Coríntios 2:11.
SALMO 70:2)
“Fiquem envergonhados e encabulados os que procuram a minha alma. Tornem atrás e sejam humilhados os que se agradam da minha calamidade.”
w91 15/5 p. 22 Jeová ouve os nossos prementes clamores por ajuda
Os Que Dizem “Ah!”
Podemos ser severamente provados porque os inimigos nos vituperam por causa da fé que temos. Caso isto lhe aconteça, reflita nas palavras de Davi: “Fiquem envergonhados e encabulados os que procuram a minha alma. Tornem atrás e sejam humilhados os que se agradam da minha calamidade. Retornem por causa da sua vergonha os que dizem: ‘Ah! Ah!’ ” (Salmo 70:2, 3) Os inimigos de Davi queriam vê-lo morto; estavam ‘procurando a sua alma’, ou vida. Em vez de tentar retaliar, contudo, ele tinha fé que Deus os envergonharia. Davi orou pedindo que seus inimigos ficassem “envergonhados e encabulados” — embaraçados, perplexos, desconcertados, frustrados ao tentarem executar suas tramas iníquas. Sim, que aqueles que procuravam fazer-lhe o mal e que se deleitavam com a calamidade dele ficassem confusos e fossem desonrados.
Se sentíssemos o que se poderia chamar de alegria maldosa quando a calamidade se abatesse sobre um inimigo, teríamos de prestar contas a Jeová por nosso pecado. (Provérbios 17:5; 24:17, 18) Contudo, quando inimigos vituperam a Deus e seu povo, podemos orar pedindo que Jeová, por causa do Seu santo nome, ‘os torne atrás e os faça sofrer humilhação’ à vista das pessoas perante quem procuram glória. (Salmo 106:8) A vingança é de Deus, e ele pode confundir e humilhar seus inimigos e os nossos. (Deuteronômio 32:35) Por exemplo, o líder nazista Adolf Hitler tentou exterminar as Testemunhas de Jeová da Alemanha. Quão tremendo foi o seu fracasso, pois milhares delas agora declaram a mensagem do Reino ali!
Em desdenhoso escárnio, os nossos inimigos talvez digam: “Ah! Ah!” Visto que insultam a Deus e seu povo, que esses pecadores “retornem por causa da sua vergonha”, sendo desonrados. Enquanto oramos por isto, mantenhamos a integridade e façamos o coração de Jeová alegrar-se, para que ele replique a Satanás e a quem mais insulte a Ele. (Provérbios 27:11) E nunca devemos temer nossos arrogantes inimigos, pois “quem confia em Jeová será protegido”. (Provérbios 29:25) O orgulhoso rei babilônio, Nabucodonosor, que pusera o povo de Deus em cativeiro, foi desonrado e teve de admitir que ‘o Rei dos céus é capaz de humilhar os que andam em orgulho’. — Daniel 4:37.
SALMO 70:3)
“Retornem por causa da sua vergonha os que dizem: “Ah! Ah!””
w91 15/5 p. 22 Jeová ouve os nossos prementes clamores por ajuda
Os Que Dizem “Ah!”
Podemos ser severamente provados porque os inimigos nos vituperam por causa da fé que temos. Caso isto lhe aconteça, reflita nas palavras de Davi: “Fiquem envergonhados e encabulados os que procuram a minha alma. Tornem atrás e sejam humilhados os que se agradam da minha calamidade. Retornem por causa da sua vergonha os que dizem: ‘Ah! Ah!’ ” (Salmo 70:2, 3) Os inimigos de Davi queriam vê-lo morto; estavam ‘procurando a sua alma’, ou vida. Em vez de tentar retaliar, contudo, ele tinha fé que Deus os envergonharia. Davi orou pedindo que seus inimigos ficassem “envergonhados e encabulados” — embaraçados, perplexos, desconcertados, frustrados ao tentarem executar suas tramas iníquas. Sim, que aqueles que procuravam fazer-lhe o mal e que se deleitavam com a calamidade dele ficassem confusos e fossem desonrados.
Se sentíssemos o que se poderia chamar de alegria maldosa quando a calamidade se abatesse sobre um inimigo, teríamos de prestar contas a Jeová por nosso pecado. (Provérbios 17:5; 24:17, 18) Contudo, quando inimigos vituperam a Deus e seu povo, podemos orar pedindo que Jeová, por causa do Seu santo nome, ‘os torne atrás e os faça sofrer humilhação’ à vista das pessoas perante quem procuram glória. (Salmo 106:8) A vingança é de Deus, e ele pode confundir e humilhar seus inimigos e os nossos. (Deuteronômio 32:35) Por exemplo, o líder nazista Adolf Hitler tentou exterminar as Testemunhas de Jeová da Alemanha. Quão tremendo foi o seu fracasso, pois milhares delas agora declaram a mensagem do Reino ali!
Em desdenhoso escárnio, os nossos inimigos talvez digam: “Ah! Ah!” Visto que insultam a Deus e seu povo, que esses pecadores “retornem por causa da sua vergonha”, sendo desonrados. Enquanto oramos por isto, mantenhamos a integridade e façamos o coração de Jeová alegrar-se, para que ele replique a Satanás e a quem mais insulte a Ele. (Provérbios 27:11) E nunca devemos temer nossos arrogantes inimigos, pois “quem confia em Jeová será protegido”. (Provérbios 29:25) O orgulhoso rei babilônio, Nabucodonosor, que pusera o povo de Deus em cativeiro, foi desonrado e teve de admitir que ‘o Rei dos céus é capaz de humilhar os que andam em orgulho’. — Daniel 4:37.
SALMO 70:4)
“Exultem e alegrem-se em ti todos os que te procuram, E digam constantemente: “Magnificado seja Deus!” — os que amam a tua salvação.”
w91 15/5 pp. 22-23 Jeová ouve os nossos prementes clamores por ajuda
“Magnificado seja Deus!”
Embora os inimigos possam causar-nos problemas, louvemos sempre a Jeová junto com co-adoradores. Em vez de permitir-se ficar tão sobrepujado pela aflição a ponto de não magnificar a Deus, Davi disse: “Exultem e alegrem-se em ti todos os que te procuram, e digam constantemente: ‘Magnificado seja Deus!’ — os que amam a tua salvação.” (Salmo 70:4) Os do povo de Jeová continuam a ser jubilosos porque ‘exultam e alegram-se’ nele. Como suas Testemunhas dedicadas e batizadas, eles têm a grande alegria que resulta dum íntimo relacionamento com ele. (Salmo 25:14) Todavia, podem ser considerados pessoas humildes que procuram a Deus. Sendo crentes, que guardam os mandamentos de Deus, eles continuamente procuram assimilar mais conhecimento dele e de sua Palavra. — Eclesiastes 3:11; 12:13, 14; Isaías 54:13.
À medida que as Testemunhas de Jeová proclamam as boas novas, elas na verdade dizem, constantemente: “Magnificado seja Deus!” Elas louvam a Jeová, mantendo-o em elevada estima. Ajudam alegremente os que buscam a verdade a aprender sobre Deus e também a glorificá-lo. Diferentes dos amantes mundanos do prazer, os do povo de Jeová ‘amam sua salvação’. (2 Timóteo 3:1-5) Cientes de sua pecaminosidade inerente, são profundamente gratos a Jeová pela provisão amorosa de salvação para a vida eterna, tornada possível por meio do sacrifício propiciatório de seu Filho querido, Jesus Cristo. (João 3:16; Romanos 5:8; 1 João 2:1, 2) Está você magnificando a Deus e mostrando que ‘ama sua salvação’ por praticar a adoração verdadeira para o Seu louvor? — João 4:23, 24.
SALMO 70:5)
“Mas eu estou atribulado e sou pobre. Ó Deus, age deveras depressa por mim. Tu és minha ajuda e Aquele que me põe a salvo. Ó Jeová, não te atrases.”
w91 15/5 p. 23 Jeová ouve os nossos prementes clamores por ajuda
Confie Naquele Que Põe a Salvo
Quando Davi se expressou neste salmo, sua situação era tão desesperadora que ele disse: “Mas eu estou atribulado e sou pobre. Ó Deus, age deveras depressa por mim. Tu és minha ajuda e Aquele que me põe a salvo. Ó Jeová, não te atrases.” (Salmo 70:5) Afligidos pelas provações que sobrevêm aos crentes — tribulações tais como perseguição, tentações e ataques de Satanás — talvez pareçamos ‘pobres’. Embora talvez não fiquemos carentes, parecemos indefesos diante de inimigos inescrupulosos. Contudo, podemos estar certos de que Jeová pode resgatar-nos, e o fará, como seus servos fiéis. — Salmo 9:17-20.
Jeová é “Aquele que [nos] põe a salvo” quando precisamos. As nossas próprias limitações talvez nos tenham posto numa situação provadora. Mas, se ‘a tolice deturpou o nosso caminho’, não deixemos que o nosso coração ‘fique furioso com Jeová’. (Provérbios 19:3) A culpa não é dele, e ele está pronto para ajudar-nos se orarmos com fé. (Salmo 37:5) Que dizer se estivermos lutando para evitar o pecado? Neste caso, sejamos específicos sobre isto em oração, pedindo ajuda divina para continuarmos a nos empenhar num proceder justo. (Mateus 5:6: Romanos 7:21-25) Deus responderá nossa oração sincera, e nós prosperaremos em sentido espiritual se nos sujeitarmos à orientação do espírito santo. — Salmo 51:17; Efésios 4:30.
Quando passamos pela agonia duma prova de fé, talvez achemos que não poderemos agüentar mais. Visto que nossa carne pecaminosa é fraca, ela talvez anele um resgate rápido. (Marcos 14:38) Assim, podemos suplicar: “Ó Jeová, não te atrases.” Especialmente se estivermos preocupados com o vitupério sobre o nome de Deus, podemos ser induzidos a orar como fez o profeta Daniel: “Ó Jeová, ouve deveras. Ó Jeová, perdoa deveras. Ó Jeová, presta deveras atenção e age. Não tardes, por tua própria causa, ó meu Deus, pois o teu próprio nome foi invocado . . . sobre o teu povo.” (Daniel 9:19) Podemos ter fé que o nosso Pai celestial não se atrasará, pois o apóstolo Paulo deu a seguinte garantia: “Aproximemo-nos . . . com franqueza no falar, do trono de benignidade imerecida, para obtermos misericórdia e acharmos benignidade imerecida para ajuda no tempo certo.” — Hebreus 4:16.
Jamais nos esqueçamos que Jeová é Aquele que nos põe a salvo. Como seus servos, far-nos-á bem lembrar isto e os fervorosos sentimentos do Salmo 70.
SALMO 71:5)
“Pois tu és a minha esperança, ó Soberano Senhor Jeová, minha confiança desde a minha mocidade.”
w99 1/9 p. 18 par. 17 Jovens, treinem suas faculdades perceptivas!
O salmista Davi orou: “Tu és a minha esperança, ó Soberano Senhor Jeová, minha confiança desde a minha mocidade. Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha mocidade, e até agora estou contando as tuas obras maravilhosas.” (Salmo 71:5, 17) Davi é conhecido pela sua coragem. Mas quando a desenvolveu? Como jovem! Mesmo já antes do seu famoso confronto com Golias, Davi havia mostrado extraordinária coragem em proteger os rebanhos de seu pai — matando tanto um leão como um urso. (1 Samuel 17:34-37) Todavia, Davi deu pleno crédito a Jeová pela bravura que teve, chamando-o de “minha confiança desde a minha mocidade”. A habilidade de Davi, de se estribar em Jeová, tornou-o apto a enfrentar qualquer provação. Você também verá que, por estribar-se em Jeová, ele lhe dará a coragem e a força para ‘vencer o mundo’. — 1 João 5:4.
g95 22/11 p. 13 Vale a pena ser amigo de Deus?
Ter Jeová como amigo envolve mais do que apenas aprender suas normas. Você pode passar a sentir o interesse dele em sua vida. A Bíblia fala do Rei Davi, que foi ensinado por Deus desde a juventude. Davi tornou-se amigo de Deus, e embora passasse por “muitas aflições”, ele realmente viu a mão de Deus operar em sua vida. Davi falou sobre as “obras maravilhosas” que Deus realizou em seu favor e sobre o “braço”, ou força, de Jeová, na sua vida. Com base nessas experiências pessoais, Davi escreveu: “Tu és a minha esperança, ó Soberano Senhor Jeová, minha confiança desde a minha mocidade.” (Salmo 71:5, 17, 18, 20) Você também pode vir a ter essa mesma confiança ao sentir as bênçãos de Jeová na sua vida.
SALMO 71:9)
“Não me lances fora no tempo da velhice; Não me deixes quando meu poder falhar.”
w14 15/3 pp. 20-21 Mostre consideração pelos idosos
“NÃO ME REJEITES”
3 O inspirado escritor do Salmo 71:9 suplicou a Deus: “Não me rejeites na minha velhice; não me abandones quando se vão as minhas forças.” (Nova Versão Internacional) Esse salmo parece ser uma continuação do Salmo 70, que foi escrito por Davi. Então, provavelmente foi ele quem fez o pedido no Salmo 71:9. Davi serviu a Deus desde a juventude até a velhice, e Jeová o usou de modo extraordinário. (1 Sam. 17:33-37, 50; 1 Reis 2:1-3, 10) Ainda assim, Davi sentiu a necessidade de pedir a Jeová que continuasse a lhe mostrar favor. — Leia Salmo 71:17, 18.
4 Muitos irmãos hoje são como Davi. Apesar da idade avançada e dos “dias calamitosos”, eles continuam a fazer seu melhor para servir a Deus. (Ecl. 12:1-7) Por causa de suas atuais limitações, boa parte deles talvez não consiga mais fazer o mesmo que fazia nas atividades do dia a dia, incluindo o ministério. No entanto, eles também podem suplicar pelo cuidado e aprovação de Jeová. Esses fiéis idosos podem ter certeza de que Deus responde suas orações. Afinal, essas orações refletem as mesmas preocupações que Davi expressou sob inspiração divina.
g04 8/10 p. 23 Como devemos tratar os idosos?
Deus não abandona os que lhe são leais
O salmista orou: “Não me lances fora no tempo da velhice; não me deixes quando meu poder falhar.” (Salmo 71:9) Deus não ‘lança fora’ seus servos fiéis mesmo quando eles próprios acham que já passaram da idade e não são mais úteis. O salmista não se sentia abandonado por Jeová, mas reconhecia sua própria necessidade de confiar cada vez mais no seu Criador à medida que ia envelhecendo. Jeová corresponde a essa lealdade providenciando apoio durante toda a vida da pessoa. (Salmo 18:25) Muitas vezes esse apoio vem da parte de companheiros cristãos.
SALMO 71:18)
“E não me abandones mesmo até a velhice e as cãs, ó Deus, Até que eu possa informar a geração sobre o teu braço, Todos os que estão para vir, sobre a tua potência.”
w14 15/1 p. 23 par. 4 Sirva a Jeová antes dos dias calamitosos
Como cristão experiente, você tem oportunidades que outros não têm. Pode passar aos mais jovens o que aprendeu sobre Jeová. Também pode fortalecer outros com suas experiências no serviço de Deus. O Rei Davi orou pedindo por essas oportunidades. Ele disse: “Ó Deus, tu me ensinaste desde a minha mocidade . . . E não me abandones mesmo até a velhice e as cãs, ó Deus, até que eu possa informar a geração sobre o teu braço, todos os que estão para vir, sobre a tua potência.” — Sal. 71:17, 18.
w07 1/6 pp. 29-30 Os idosos são uma bênção para os jovens
Ensinar a geração por vir
16 A associação com os fiéis do “pequeno rebanho”, que receberam a chamada celestial, tem servido de treinamento essencial para os das “outras ovelhas”, que têm esperança de viver na Terra para sempre. (Lucas 12:32; João 10:16) Isso foi predito no Salmo 71:18, que diz: “Não me abandones mesmo até a velhice e as cãs, ó Deus, até que eu possa informar a geração sobre o teu braço, todos os que estão para vir, sobre a tua potência.” Os ungidos pelo espírito treinam zelosamente seus companheiros das outras ovelhas para maiores responsabilidades antes de deixá-los e serem glorificados com Jesus Cristo.
17 Por extensão, o que o Salmo 71:18 diz sobre instruir “os que estão para vir” também poderia se aplicar aos mais antigos das outras ovelhas que, depois de terem sido instruídos pelos ungidos, receberam de Jeová o privilégio de dar instrução sobre ele aos que agora estão aceitando a adoração verdadeira. (Joel 1:2, 3) As outras ovelhas sentem-se abençoadas pelo que aprenderam dos ungidos e motivadas a partilhar o ensino bíblico que receberam com ainda outras pessoas que desejam servir a Jeová. — Revelação (Apocalipse) 7:9, 10.
18 Os servos de Jeová idosos, quer ungidos, quer das outras ovelhas, são um elo vivo com importantes eventos históricos. Um pequeno número dos que estavam presentes às primeiras exibições do “Fotodrama da Criação” ainda estão vivos hoje. Alguns idosos conheceram pessoalmente os irmãos da liderança que foram presos em 1918. Outros participaram das transmissões pela estação de rádio da Watchtower (Torre de Vigia), a WBBR. Muitos podem contar sobre o tempo quando processos jurídicos que envolviam a liberdade religiosa das Testemunhas de Jeová estavam sendo julgados nos supremos tribunais. Ainda outros permaneceram firmes a favor da adoração verdadeira sob regimes ditatoriais. Além disso, os idosos podem relatar como o entendimento da verdade foi progressivamente revelado. A Bíblia nos incentiva a tirar proveito dessa rica fonte de experiência. — Deuteronômio 32:7.
w97 15/5 pp. 19-20 A administração teocrática na era cristã
‘A geração que está para vir’
15 Os do restante ungido têm estado ansiosos de treinar outras ovelhas para assumirem maiores responsabilidades. O Salmo 71:18 diz: “Não me abandones mesmo até a velhice e as cãs, ó Deus, até que eu possa informar a geração sobre o teu braço, todos os que estão para vir, sobre a tua potência.” Comentando este versículo, A Sentinela de fevereiro de 1949 salientou que a congregação de cristãos ungidos certamente tinha atingido a velhice. Passou a dizer que os ungidos, com felicidade, ‘olham para frente na luz da profecia bíblica e vêem uma nova geração’. A quem em especial se refere isso? A Sentinela disse: “Jesus falou delas como suas ‘outras ovelhas’.” ‘A geração que está para vir’ refere-se a humanos que viverão sob a nova administração terrestre, governada pelo Reino dos céus.
16 A Bíblia não especifica quando todos os cristãos ungidos deixarão seus irmãos desta ‘geração que está para vir’ e passarão a ser glorificados junto com Jesus Cristo. Mas esses ungidos confiam que esse tempo está próximo. Os acontecimentos preditos na grande profecia de Jesus sobre o “tempo do fim” têm ocorrido desde 1914, indicando que a destruição deste mundo está próxima. (Daniel 12:4; Mateus 24:3-14; Marcos 13:4-20; Lucas 21:7-24) Dentro em breve, Jeová introduzirá um novo mundo, no qual os da ‘geração que está para vir’ ‘herdarão o reino [o domínio terrestre] preparado para eles desde a fundação do mundo’. (Mateus 25:34) Ficam emocionados com a perspectiva da restauração do Paraíso, e da ressurreição de milhões de mortos do Hades. (Revelação 20:13) Estarão os ungidos presentes para acolher esses ressuscitados? Lá em 1925, A Sentinela de 1.° de maio, em inglês, dizia: “Não devemos dizer arbitrariamente o que Deus fará ou não fará. . . . [Mas] somos levados a pensar que os membros da Igreja [os cristãos ungidos] serão glorificados antes da ressurreição dos dignos da antiguidade [as fiéis testemunhas pré-cristãs].” Analisando de forma similar se alguns dos ungidos estariam presentes para acolher os ressuscitados, A Sentinela de 1.° de setembro de 1989 disse: “Isto não seria necessário.”
SALMO 72:CABEÇALHO)
“Referente a Salomão.”
w10 15/8 pp. 28-29 pars. 2-4 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
O Salmo 72 responde. Referindo-se ao reinado de Salomão, filho de Davi, esse cântico nos dá vislumbres de como o governo do Filho de Deus, Jesus Cristo, livrará a humanidade da aflição.
Visão antecipada do governo de Cristo
3 Depois de dar ordens para que Salomão fosse feito rei, o idoso Davi deu a ele instruções específicas que foram seguidas fielmente. (1 Reis 1:32-35; 2:1-3) Mais tarde, Jeová apareceu a Salomão num sonho e disse: “Pede o que te devo dar.” Salomão fez um único pedido: “Tens de dar ao teu servo um coração obediente para julgar teu povo, para discernir entre o que é bom e o que é mau.” Por causa desse pedido humilde, Deus deu a Salomão o que ele havia solicitado e muito mais. — 1 Reis 3:5, 9-13.
4 Com as bênçãos de Jeová, o reinado de Salomão resultou num notável período de paz e prosperidade que nenhum outro governo na Terra jamais conseguiu igualar. (1 Reis 4:25) Entre os que vieram conhecer o governo de Salomão estava a rainha de Sabá e seu enorme séquito. Ela disse a Salomão: “Veraz se mostrou a palavra que ouvi na minha própria terra . . . não se me contou nem a metade. Ultrapassaste em sabedoria e em prosperidade as coisas ouvidas.” (1 Reis 10:1, 6, 7) No entanto, a sabedoria de Jesus era muito superior, de modo que ele pôde dizer corretamente sobre si mesmo: “Eis que algo maior do que Salomão está aqui.” — Mat. 12:42.
w96 1/11 pp. 5-6 Consolo para os oprimidos
Na Bíblia, o Salmo 72 fala de um grandioso consolador para todas as pessoas. Esse salmo foi escrito pelo pai de Salomão, o Rei Davi. O cabeçalho diz: “Referente a Salomão.” Evidentemente foi escrito pelo idoso Rei Davi sobre Alguém que herdaria seu trono. Esse Alguém, segundo o salmo, proporcionaria alívio permanente da opressão. “Nos seus dias florescerá o justo e a abundância de paz até que não haja mais lua. E terá súditos de mar a mar e . . . até os confins da terra.” — Salmo 72:7, 8.
É provável que, ao escrever essas palavras, Davi pensasse em seu filho, Salomão. Mas Salomão entendia que servir à humanidade como descreve esse salmo era algo que estava além do seu poder. Ele podia cumprir as palavras do salmo apenas de forma limitada e para o bem da nação de Israel, não em benefício de toda a Terra. É evidente que esse salmo profético e inspirado apontava para alguém muito superior a Salomão. Quem? Só pode ser Jesus Cristo.
Ao anunciar o nascimento de Jesus, um anjo disse: “Jeová Deus lhe dará o trono de Davi, seu pai.” (Lucas 1:32) Além disso, Jesus referiu-se a si mesmo como “algo mais do que Salomão”. (Lucas 11:31) Desde que foi ressuscitado para ocupar uma posição à mão direita de Deus, Jesus está no céu, o lugar de onde poderá cumprir as palavras do Salmo 72. E ele recebeu o poder e a autoridade de Deus para quebrar o jugo dos opressores humanos. (Salmo 2:7-9; Daniel 2:44) Portanto, Jesus é quem cumprirá as palavras do Salmo 72.
SALMO 72:2)
“Pleiteie ele a causa do teu povo com justiça E dos teus atribulados com decisão judicial.”
w10 15/8 pp. 29-30 pars. 5-9 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Sob a direção de Deus, o Salomão Maior ‘pleiteará a causa dos atribulados e salvará os filhos do pobre’. Seu governo será de paz e justiça. Quando esteve na Terra, Jesus mostrou em pequena escala o que seu futuro Reinado Milenar realizará. — Rev. 20:4.
6 Considere algumas das atividades de Jesus Cristo que nos dão uma ideia do que ele fará pela humanidade em cumprimento do Salmo 72. Temos bons motivos para admirar a grande compaixão que ele demonstrou pelos que sofriam. (Mat. 9:35, 36; 15:29-31) Por exemplo, certo leproso aproximou-se de Jesus e suplicou: “Se apenas quiseres, podes tornar-me limpo.” Jesus respondeu: “Eu quero. Torna-te limpo.” E o homem foi curado! (Mar. 1:40-42) Mais tarde, Jesus encontrou uma viúva cujo único filho havia falecido. Ele “teve pena”, e disse: “Levanta-te!”, e o filho levantou. Estava vivo de novo! — Luc. 7:11-15.
7 Jeová deu poderes a Jesus para realizar milagres. O caso de “uma mulher que já por doze anos padecia dum fluxo de sangue” ilustra isso. Embora ‘tivesse sido submetida a muitas dores, por muitos médicos, e gasto todos os seus recursos’, ela só havia piorado. A mulher infiltrou-se numa multidão e tocou em Jesus — uma violação da Lei, que proibia uma pessoa com ‘fluxo de sangue’ tocar em alguém. (Lev. 15:19, 25) Jesus percebeu que “saíra poder dele” e, por isso, quis saber quem havia tocado nele. “Amedrontada e trêmula”, a mulher “prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade”. Percebendo que Jeová havia curado a mulher, Jesus foi bondoso com ela e disse: “Filha, a tua fé te fez ficar boa. Vai em paz e fica curada da tua doença penosa.” — Mar. 5:25-27, 30, 33, 34.
8 Os poderes de cura que Jesus recebeu de Deus beneficiaram os doentes, mas com certeza causaram também um tremendo impacto nos observadores. Por exemplo, muitos sem dúvida ficaram impressionados quando viram Jesus curar pessoas antes de proferir seu famoso Sermão do Monte. (Luc. 6:17-19) Quando João Batista enviou dois mensageiros para se certificar de que Jesus era o Messias, eles o encontraram ‘curando a muitos de doenças e de moléstias penosas, e de espíritos iníquos, e concedendo a muitos cegos o favor de verem’. Jesus disse então aos dois: “Relatai a João o que vistes e ouvistes: os cegos estão recebendo visão, os coxos estão andando, os leprosos estão sendo purificados e os surdos estão ouvindo, os mortos estão sendo levantados, os pobres são informados das boas novas.” (Luc. 7:19-22) Quanto encorajamento essa mensagem deve ter dado a João!
9 É verdade que o alívio do sofrimento proporcionado por Jesus durante seu ministério terrestre foi apenas temporário. Aqueles a quem ele curou ou ressuscitou mais tarde faleceram. No entanto, os milagres que Jesus realizou na Terra eram vislumbres do alívio permanente que a humanidade terá sob o Seu governo messiânico.
SALMO 72:4)
“Julgue ele os atribulados do povo, Salve ele os filhos do pobre E esmigalhe o defraudador.”
w10 15/8 pp. 29-30 pars. 5-9 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Sob a direção de Deus, o Salomão Maior ‘pleiteará a causa dos atribulados e salvará os filhos do pobre’. Seu governo será de paz e justiça. Quando esteve na Terra, Jesus mostrou em pequena escala o que seu futuro Reinado Milenar realizará. — Rev. 20:4.
6 Considere algumas das atividades de Jesus Cristo que nos dão uma ideia do que ele fará pela humanidade em cumprimento do Salmo 72. Temos bons motivos para admirar a grande compaixão que ele demonstrou pelos que sofriam. (Mat. 9:35, 36; 15:29-31) Por exemplo, certo leproso aproximou-se de Jesus e suplicou: “Se apenas quiseres, podes tornar-me limpo.” Jesus respondeu: “Eu quero. Torna-te limpo.” E o homem foi curado! (Mar. 1:40-42) Mais tarde, Jesus encontrou uma viúva cujo único filho havia falecido. Ele “teve pena”, e disse: “Levanta-te!”, e o filho levantou. Estava vivo de novo! — Luc. 7:11-15.
7 Jeová deu poderes a Jesus para realizar milagres. O caso de “uma mulher que já por doze anos padecia dum fluxo de sangue” ilustra isso. Embora ‘tivesse sido submetida a muitas dores, por muitos médicos, e gasto todos os seus recursos’, ela só havia piorado. A mulher infiltrou-se numa multidão e tocou em Jesus — uma violação da Lei, que proibia uma pessoa com ‘fluxo de sangue’ tocar em alguém. (Lev. 15:19, 25) Jesus percebeu que “saíra poder dele” e, por isso, quis saber quem havia tocado nele. “Amedrontada e trêmula”, a mulher “prostrou-se diante dele, e disse-lhe toda a verdade”. Percebendo que Jeová havia curado a mulher, Jesus foi bondoso com ela e disse: “Filha, a tua fé te fez ficar boa. Vai em paz e fica curada da tua doença penosa.” — Mar. 5:25-27, 30, 33, 34.
8 Os poderes de cura que Jesus recebeu de Deus beneficiaram os doentes, mas com certeza causaram também um tremendo impacto nos observadores. Por exemplo, muitos sem dúvida ficaram impressionados quando viram Jesus curar pessoas antes de proferir seu famoso Sermão do Monte. (Luc. 6:17-19) Quando João Batista enviou dois mensageiros para se certificar de que Jesus era o Messias, eles o encontraram ‘curando a muitos de doenças e de moléstias penosas, e de espíritos iníquos, e concedendo a muitos cegos o favor de verem’. Jesus disse então aos dois: “Relatai a João o que vistes e ouvistes: os cegos estão recebendo visão, os coxos estão andando, os leprosos estão sendo purificados e os surdos estão ouvindo, os mortos estão sendo levantados, os pobres são informados das boas novas.” (Luc. 7:19-22) Quanto encorajamento essa mensagem deve ter dado a João!
9 É verdade que o alívio do sofrimento proporcionado por Jesus durante seu ministério terrestre foi apenas temporário. Aqueles a quem ele curou ou ressuscitou mais tarde faleceram. No entanto, os milagres que Jesus realizou na Terra eram vislumbres do alívio permanente que a humanidade terá sob o Seu governo messiânico.
SALMO 72:5)
“Temer-te-ão enquanto houver o sol, E diante da lua, de geração em geração.”
w10 15/8 p. 30 par. 10 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
(Leia Salmo 72:5-9.) Os adoradores do único Deus verdadeiro viverão no Paraíso enquanto durar o Sol e a Lua — ou seja, para sempre.
it-1 p. 490 Céu, I
Que os céus físicos são permanentes é mostrado pelo fato de que são usados em símiles relacionados com coisas eternas, tais como os resultados pacíficos e justos do reino davídico herdado pelo Filho de Deus. (Sal 72:5-7; Lu 1:32, 33)
SALMO 72:6)
“Ele descerá como a chuva sobre a grama cortada, Como chuvas copiosas que molham a terra.”
w10 15/8 p. 30 par. 10 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
(Leia Salmo 72:5-9.)
w10 15/8 p. 30 par. 10 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Jesus Cristo será um Rei revigorante ‘como a chuva sobre a grama cortada e chuvas copiosas que molham a terra’.
SALMO 72:7)
“Nos seus dias florescerá o justo E a abundância de paz até que não haja mais lua.”
w10 15/8 p. 30 par. 12 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
12 Sob o governo do Salomão Maior, Jesus Cristo, ‘o justo florescerá’, isto é, prosperará. (Sal. 72:7) Cristo mostrará muito amor e terno cuidado, assim como fez quando esteve na Terra. No prometido novo mundo de Deus, até mesmo os “injustos” ressuscitados terão a amorosa oportunidade de se ajustar aos padrões de Jeová e viver para sempre. (Atos 24:15) Naturalmente, os que não acatarem os requisitos divinos não terão permissão de continuar a viver e arruinar a paz e a tranquilidade do novo mundo.
SALMO 72:8)
“E terá súditos de mar a mar E desde o Rio até os confins da terra.”
w10 15/8 pp. 30-31 par. 13 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
13 O alcance global do governo do Salomão Maior é indicado por estas palavras: “Terá súditos de mar a mar e desde o Rio [Eufrates] até os confins da terra. Diante dele se dobrarão os habitantes de regiões áridas, e seus inimigos é que lamberão o próprio pó.” (Sal. 72:8, 9) De fato, Jesus Cristo governará a Terra inteira. (Zac. 9:9, 10)
it-1 p. 652 O reinado de Salomão
O reinado de Salomão
O REINADO do Rei Salomão oferece-nos um vislumbre profético do futuro. Durante o seu reinado, Israel atingiu o apogeu de riqueza e de glória. Salomão tanto era um rei sábio, como era mestre em organização. Construiu um magnífico templo para Jeová, diversos prédios governamentais e um palácio real, conforme abaixo apresentado. Estabeleceu distritos administrativos, os quais, em rodízio, proviam a casa real de uma variedade de alimentos, independente da estação do ano.
O governo de Salomão foi uma época de genuína paz e segurança. Isto prefigura muito bem o reinado pacífico do Messias, que “terá súditos de mar a mar e desde o Rio [Eufrates] até os confins da terra”. — Sal 72:8.
it-2 p. 61 Eufrates
Por causa do seu destaque, muitas vezes era simplesmente chamado de “o Rio”. — Jos 24:2, 15; Sal 72:8.
it-2 p. 765 Mar
Uso Ilustrativo. Ao passo que a Terra da Promessa se estenderia “desde o Mar Vermelho até o mar dos filisteus [o mar Mediterrâneo], e desde o ermo até o Rio [Eufrates]”, a descrição do domínio do vindouro Rei messiânico como “de mar a mar e desde o Rio até os confins da terra” evidentemente se refere ao globo inteiro. (Êx 23:31; Za 9:9, 10; compare isso com Da 2:34, 35, 44, 45.) Isto é indicado por Mateus e por João na sua aplicação da profecia de Zacarias, em que este cita o Salmo 72:8. — Mt 21:4-9; Jo 12:12-16.
SALMO 72:9)
“Diante dele se dobrarão os habitantes de regiões áridas, E seus inimigos é que lamberão o próprio pó.”
w10 15/8 p. 31 par. 13 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Diante dele se dobrarão os habitantes de regiões áridas, e seus inimigos é que lamberão o próprio pó.” (Sal. 72:8, 9) De fato, Jesus Cristo governará a Terra inteira. (Zac. 9:9, 10) Os que tiverem apreço pelo seu governo e suas bênçãos “se dobrarão” em sinal de submissão voluntária. Por outro lado, pecadores não arrependidos serão aniquilados, por assim dizer, aos “cem anos de idade”. (Isa. 65:20) Eles “lamberão o próprio pó”.
SALMO 72:12)
“Pois livrará ao pobre que clama por ajuda, Também ao atribulado e a todo aquele que não tiver ajudador.”
w10 15/8 p. 31 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Interesse compassivo
14 A humanidade pecaminosa se encontra numa situação lamentável e precisa desesperadamente de ajuda. Mas há esperança para nós. (Leia Salmo 72:12-14.) Jesus, o Salomão Maior, se compadece de nós, pois reconhece nossa condição imperfeita. Além do mais, Jesus sofreu pela causa da justiça, e Deus permitiu que ele enfrentasse provações sozinho. De fato, Jesus sofreu tamanha aflição emocional que “seu suor tornou-se como gotas de sangue caindo ao chão”. (Luc. 22:44) Mais tarde, na estaca de tortura, ele clamou: “Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?” (Mat. 27:45, 46) Apesar de tudo o que ele sofreu e de Satanás ter feito o máximo para afastá-lo de Jeová, Jesus permaneceu fiel ao seu Pai.
15 Podemos estar certos de que Jesus vê nosso sofrimento e “livrará ao pobre que clama por ajuda, também ao atribulado e a todo aquele que não tiver ajudador”. Com amoroso interesse, semelhante ao de seu Pai, Jesus ‘escutará os pobres’ e ‘sarará os quebrantados de coração, [enfaixando] seus pontos doloridos’. (Sal. 69:33; 147:3) Jesus pode se “compadecer das nossas fraquezas”, pois ele “foi provado em todos os sentidos como nós mesmos”. (Heb. 4:15) Como é bom saber que o Rei Jesus Cristo já governa no céu e está ansioso para aliviar o sofrimento humano.
SALMO 72:13)
“Terá dó daquele de condição humilde e do pobre, E salvará as almas dos pobres.”
w10 15/8 pp. 31-32 pars. 16-18 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
16 Por causa de sua sabedoria e perspicácia, Salomão sem dúvida ‘tinha dó daquele de condição humilde’. Além do mais, a vida dele for marcada por eventos tristes e traumáticos. Seu irmão Amnom violentou sua irmã Tamar, e seu outro irmão, Absalão, ordenou que Amnom fosse morto por causa desse crime. (2 Sam. 13:1, 14, 28, 29) Absalão usurpou o trono de Davi, mas esse golpe falhou e Absalão foi morto por Joabe. (2 Sam. 15:10, 14; 18:9, 14) Mais tarde, Adonias, ainda outro irmão de Salomão, tentou apoderar-se do reinado. Se tivesse conseguido isso, Salomão sem dúvida teria sido morto. (1 Reis 1:5) Que Salomão entendia o sofrimento humano parece evidente pelo que ele disse em oração na inauguração do templo de Jeová. O rei orou a respeito de seus súditos: ‘Eles conhecem, cada um, a sua própria praga e a sua própria dor, e tu Jeová terás de perdoar e dar a cada um segundo todos os seus caminhos.’ — 2 Crô. 6:29, 30.
17 ‘A nossa própria dor’ pode ser uma consequência de certas experiências do passado. Maria, uma Testemunha de Jeová de 30 e poucos anos, escreveu: “Tenho tudo para ser feliz, mas muitas vezes o meu passado provoca sentimentos de vergonha e revolta. Fico muito triste e costumo chorar, como se tudo tivesse acontecido ontem. Recordações enraizadas produzem esmagadores sentimentos de inutilidade e culpa.”
18 Muitos servos de Deus têm sentimentos similares, mas o que lhes pode dar a força necessária para suportá-los? “Amigos genuínos e uma família espiritual me dão felicidade”, diz Maria. “Além disso, procuro pensar sempre nas promessas de Jeová para o futuro, e estou certa de que meus clamores por ajuda se transformarão em clamores de alegria.” (Sal. 126:5) Precisamos depositar nossa esperança na provisão de Deus — seu Filho, seu Governante designado. Foi predito a seu respeito: “Terá dó daquele de condição humilde e do pobre, e salvará as almas dos pobres.
w10 15/8 p. 31 par. 14 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
14 A humanidade pecaminosa se encontra numa situação lamentável e precisa desesperadamente de ajuda. Mas há esperança para nós. (Leia Salmo 72:12-14.) Jesus, o Salomão Maior, se compadece de nós, pois reconhece nossa condição imperfeita. Além do mais, Jesus sofreu pela causa da justiça, e Deus permitiu que ele enfrentasse provações sozinho. De fato, Jesus sofreu tamanha aflição emocional que “seu suor tornou-se como gotas de sangue caindo ao chão”. (Luc. 22:44) Mais tarde, na estaca de tortura, ele clamou: “Deus meu, Deus meu, por que me abandonaste?” (Mat. 27:45, 46)
gt cap. 25 Compaixão por um leproso
Compaixão por um leproso
À MEDIDA que Jesus e seus quatro discípulos visitam as cidades da Galileia, as notícias sobre as maravilhas que ele faz correm por todo o distrito. O rumor a respeito de suas obras chega a certa cidade em que mora um leproso. O médico Lucas o descreve como estando “cheio de lepra”. Essa terrível doença, no estágio avançado, lentamente desfigura várias partes do corpo. Assim, a situação desse leproso é lastimável.
Quando Jesus chega à cidade, o leproso aproxima-se dele. Segundo a lei de Deus, o leproso deve dar aviso, clamando: “Impuro, impuro!”, para evitar que outros se aproximem demais, arriscando contaminar-se. O leproso prostra-se com o rosto em terra e roga a Jesus: “Senhor, se apenas quiseres, podes tornar-me limpo.”
Quanta fé esse homem tem em Jesus! Mas que lastimável aparência a sua doença lhe deve dar! Que fará Jesus? Que faria você? Compadecido, Jesus estende a mão e toca nele, dizendo: “Eu quero. Torna-te limpo.” E a lepra desaparece dele imediatamente.
Gostaria de ter como rei alguém compassivo assim? O modo de Jesus tratar esse leproso dá-nos confiança de que, durante Seu reinado, a profecia bíblica se cumprirá: “Terá dó daquele de condição humilde e do pobre.” Sim, Jesus satisfará então o desejo de seu próprio coração, que é ajudar a todos os aflitos.
SALMO 72:16)
“Virá a haver bastante cereal na terra; No cume dos montes haverá superabundância. Seu fruto será como no Líbano, E os da cidade florirão como a vegetação da terra.”
w10 15/8 p. 32 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Um novo mundo de fartura nos aguarda
19 Procure de novo visualizar o futuro dos humanos justos no novo mundo sob o governo do Salomão Maior. “Virá a haver bastante cereal na terra”, Deus promete. “No cume dos montes haverá superabundância.” (Sal. 72:16) Visto que cereais normalmente não são produzidos no cume dos montes, essas palavras enfatizam como a Terra será produtiva. A sua produção “será como no Líbano”, uma região muito fértil nos dias do reinado de Salomão. Imagine! Não haverá falta de alimentos nem pessoas subnutridas ou morrendo de fome! Naquele tempo, todos participarão de “um banquete de pratos bem azeitados”. — Isa. 25:6-8; 35:1, 2.
SALMO 72:17)
“Mostre seu nome ser por tempo indefinido; Aumente seu nome diante do sol, E abençoem eles a si mesmos por meio dele; Todas as nações chamem-no feliz.”
w10 15/8 p. 32 par. 20 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
Sal. 72:17
w10 15/8 p. 32 par. 20 Quem pode livrar os que clamam por ajuda?
20 A quem caberá o mérito por todas essas bênçãos? Em primeiro lugar, ao Rei Eterno e Governante Universal, Jeová Deus. Na verdade, naquele tempo, todos nós uniremos nossas vozes em cantar alegremente a parte final deste belo e reanimador cântico: “Mostre seu nome [do Rei Jesus Cristo] ser por tempo indefinido; aumente seu nome diante do sol, e abençoem eles a si mesmos por meio dele; todas as nações chamem-no feliz.
SALMO 72:19)
“E bendito seja seu glorioso nome por tempo indefinido, E sua glória encha a terra inteira. Amém e amém.”
it-1 p. 107 Amém
A oração expressa em 1 Crônicas 16:36 e as contidas nos Salmos (41:13; 72:19; 89:52; 106:48), bem como as expressões contidas nas cartas canônicas, indicam todas que é correto usar “amém” no fim das orações. É verdade que nem todas as orações registradas mostram tal conclusão, tais como a oração final de Davi em favor de Salomão (1Cr 29:19), ou a oração de dedicação feita por Salomão, quando da inauguração do templo (1Rs 8:53-61), embora tal expressão talvez tenha sido feita. (Note 1Cr 29:20.) Similarmente, seu uso não é registrado nas orações de Jesus (Mt 26:39, 42; Jo 17:1-26), nem na oração dos discípulos em Atos 4:24-30. Entretanto, o peso da evidência anterior apresentada indica fortemente a correção do uso de “amém” como conclusão da oração, e a declaração de Paulo, em 1 Coríntios 14:16, em especial, mostra que era costumeiro os presentes na assembléia cristã também dizerem amém a uma oração. Em aditamento, os exemplos daqueles no céu, registrados em Revelação 5:13, 14; 7:10-12; e 19:1-4, apóiam todos seu uso em endossar orações ou declarações solenes, e, desta forma, pelo uso desta única palavra, expressar a confiança, a forte aprovação e a fervorosa esperança que existe em seu coração.
it-1 p. 106 Amém
Cada um dos primeiros quatro livros ou coleções dos Salmos conclui com esta expressão, talvez indicando ser costumeiro que a congregação de Israel participasse no fim do cântico ou salmo com um “amém”. — Sal 41:13; 72:19; 89:52; 106:48.
SALMO 73:CABEÇALHO)
“Uma melodia de Asafe.”
it-1 p. 242 Asafe
Os cabeçalhos dos Salmos 50, e de 73 a 83, atribuem estes cânticos a Asafe. Entretanto, parece provável que o nome seja ali usado como se referindo à casa da qual ele era o cabeça paternal, visto que alguns dos salmos (Sal 79, 80) evidentemente descrevem eventos posteriores aos dias de Asafe.
SALMO 73:1)
“Deus é deveras bom para com Israel, para com os de coração limpo.”
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
A atitude perigosa de Asafe
“Deus é deveras bom para com Israel, para com os de coração limpo. Quanto a mim, meus pés quase se tinham apartado, meus passos quase se fizeram escorregar.” (Salmo 73:1, 2) Com estas palavras, Asafe reconheceu que Jeová era bom para com a nação de Israel. Isto se dava especificamente para com os “de coração limpo”, porque era o desejo deles dar a Deus devoção exclusiva e contribuir para a santificação do Seu sagrado nome. Se nós tivermos esta atitude, bendiremos a Jeová por falar bem dele, mesmo que sejamos severamente provados pela prosperidade dos iníquos ou por outras situações. — Salmo 145:1, 2.
SALMO 73:2)
“Quanto a mim, meus pés quase se tinham apartado, Meus passos quase se fizeram escorregar.”
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Embora Asafe se apercebesse da bondade de Jeová, seus pés quase se apartaram da vereda justa. Era como se tivessem escorregado em solo coberto de gelo durante uma cansativa maratona.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Quanto a mim, meus pés quase se tinham apartado, meus passos quase se fizeram escorregar.” (Salmo 73:1, 2)
SALMO 73:3)
“Porque fiquei invejoso dos jactanciosos, Vendo a própria paz dos iníquos.”
w99 1/9 p. 21 Torne sua vida bem-sucedida!
Evite invejar os transgressores
7 Muitos jovens decidem esquecer-se de Jeová por acharem que ser Testemunha é restritivo demais. Um irmão, na Espanha, lembra-se de como se sentia quando era adolescente: “Eu me sentia atraído pelo mundo porque a verdade parecia difícil e rígida. Significava ficar sentado, estudar, ir às reuniões, usar gravata, e essas eram coisas de que eu não gostava.” Será que você às vezes acha que sai perdendo porque serve a Deus? Talvez o surpreenda saber que um dos escritores da Bíblia teve esses mesmos sentimentos. Queira abrir sua Bíblia e ler o Salmo 73.
8 Examinemos este salmo em pormenores. Os versículos 2 e 3 dizem: “Quanto a mim, meus pés quase se tinham apartado, meus passos quase se fizeram escorregar. Porque fiquei invejoso dos jactanciosos, vendo a própria paz dos iníquos.” Segundo o cabeçalho, este salmo foi escrito por Asafe. Ele era músico levita e contemporâneo do Rei Davi. (1 Crônicas 25:1, 2; 2 Crônicas 29:30) Embora tivesse o excelente privilégio de servir no templo de Deus, ficou “invejoso” de homens que se jactavam da sua indisciplina. Tudo parecia sair bem para eles; pelo visto, tinham paz e segurança. Na realidade, seus aparentes êxitos ‘excederam as imaginações do seu coração’. (Versículos 5, 7) Eles falavam das suas façanhas “em estilo elevado”, quer dizer, de forma arrogante. (Versículo 8) ‘Punham sua boca nos céus, e sua língua andava pela terra’, não tendo consideração para com ninguém — quer no céu, quer na Terra. — Versículo 9.
9 É possível que se possa dizer o mesmo dos seus colegas na escola. Talvez os ouça gabar-se abertamente das suas experiências sexuais, das suas festas desregradas e de tomarem bebidas alcoólicas e drogas. Quando contrasta a vida deles, de supostos prazeres, com o caminho estreito que você precisa seguir como cristão, às vezes talvez se sinta “invejoso dos jactanciosos”. (Mateus 7:13, 14)
g96 22/7 p. 27 Por que outros jovens podem se divertir tanto e eu não?
Nos versículos 2 e 3, ele confessa: “Quanto a mim, meus pés quase se tinham apartado, meus passos quase se fizeram escorregar. Porque fiquei invejoso dos jactanciosos.” Enquanto Asafe levava uma vida que o restringia de fazer certas coisas, outros se vangloriavam de poder fazer o que bem queriam — aparentemente sem más conseqüências.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Por que se enfraquecera tanto a sua fé? Ele explicou: “Porque fiquei invejoso dos jactanciosos, vendo a própria paz dos iníquos.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:3
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
A prosperidade material dos injustos fez Asafe invejá-los. Eles pareciam usufruir uma vida pacífica, embora acumulassem riquezas por meios fraudulentos. (Veja Salmo 37:1.)
SALMO 73:4)
“Pois eles não têm dores mortíferas; E a sua barriga está gorda.”
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Apesar das suas ações iníquas, pelo que parecia estavam seguros. Ora, sua vida parecia terminar sem as terríveis dores da morte! Às vezes morriam em paz e contentes, sem se aperceberem duma necessidade espiritual. (Mateus 5:3) Por outro lado, alguns servos de Deus sofrem dolorosas doenças e morte, mas Ele os sustenta, e eles têm a maravilhosa esperança da ressurreição. — Salmo 43:1-3; João 5:28, 29.
Muitos iníquos não têm nenhum problema de saúde que os impeça de usufruir sua fartura de alimentos. “Sua barriga está gorda”, seu ventre, saliente.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Pois eles não têm dores mortíferas; e a sua barriga está gorda.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:3-
SALMO 73:5)
“Não estão nem mesmo na desgraça do homem mortal, E não são afligidos como os outros homens.”
w93 15/7 pp. 28-29 A prosperidade pode testar a sua fé
Além disso, não estão “na desgraça do homem mortal”, pois, diferentes das massas da humanidade, não precisam lutar para conseguir as necessidades da vida. Asafe chegou à conclusão de que os iníquos “não são afligidos como os outros homens”. Especialmente, estão livres das provações que pessoas piedosas sofrem por aderirem às normas justas de Jeová no mundo iníquo de Satanás. — 1 João 5:19.
w93 15/7 p. 28 A prosperidade pode testar a sua fé
Não estão nem mesmo na desgraça do homem mortal, e não são afligidos como os outros homens.” — Salmo 73:3-5.
SALMO 73:6)
“Portanto, a altivez serviu-lhes de colar; A violência envolve-os como um traje.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Os malfeitores usam o orgulho como “colar”, e seus atos violentos são tão numerosos, que ‘os envolvem como um traje’. Decididos a fazer o que bem entendem, intimidam os outros.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:6
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Visto que os iníquos prosperam, Asafe passou a dizer a respeito deles: “Portanto, a altivez serviu-lhes de colar; a violência envolve-os como um traje.
SALMO 73:7)
“Seu olho ficou saliente por causa da gordura; Excederam as imaginações do coração.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Os iníquos não têm os olhos fundos por falta de alimentação, mas seus olhos ‘são salientes por causa da gordura’, protuberantes por causa da obesidade resultante da glutonaria. (Provérbios 23:20) Suas tramas são tão bem-sucedidas, que até mesmo ‘excedem a imaginação do seu coração’.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:6-
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Seu olho ficou saliente por causa da gordura; excederam as imaginações do coração.
SALMO 73:8)
“Motejam e falam do que é mau; Falam sobre a defraudação em estilo elevado.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:6-9.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Falam da sua defraudação “em estilo elevado”, orgulhoso.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Motejam e falam do que é mau; falam sobre a defraudação em estilo elevado.
SALMO 73:9)
“Puseram sua boca nos próprios céus, E sua própria língua anda pela terra.”
w06 15/7 pp. 10-11 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:9 — Em que sentido os iníquos “puseram sua boca nos próprios céus, e sua própria língua anda pela terra”? Visto que os iníquos não têm consideração por ninguém no céu ou na Terra, eles não hesitam em blasfemar a Deus com a sua boca. Além disso, caluniam os humanos com a sua língua.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Até mesmo ‘põem sua boca nos próprios céus, e sua língua anda pela terra’! Não tendo respeito por ninguém no céu ou na terra, blasfemam a Deus e difamam humanos.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Puseram sua boca nos próprios céus. E sua própria língua anda pela terra.” — Salmo 73:6-9.
SALMO 73:10)
“Por isso ele faz seu povo retornar para cá, E fazem-se escorrer para eles as águas daquilo que está cheio.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Pelo visto, Asafe não era o único a ser afetado adversamente por aquilo que via. Disse ele: “Por isso ele faz seu povo retornar para cá, e fazem-se escorrer para eles as águas daquilo que está cheio. E disseram: ‘Como veio Deus a saber isso? E há conhecimento no Altíssimo?’” (Salmo 73:10, 11) O texto hebraico talvez queira dizer que, visto que os iníquos parecem prosperar, alguns dentre o povo de Deus adotam um conceito errado e são levados à mesma condição dos que violam a lei, dizendo: ‘Deus não se apercebe do que está acontecendo e não vai agir contra o que é violação da lei.’ Por outro lado, ver os maus violar a lei com aparente impunidade é como ter de beber uma poção amarga, o que induz a pessoa reta a perguntar: ‘Como pode Deus tolerar essas coisas? Será que não vê o que está acontecendo?’
SALMO 73:11)
“E disseram: “Como veio Deus a saber [isso]? E há conhecimento no Altíssimo?””
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Pelo visto, Asafe não era o único a ser afetado adversamente por aquilo que via. Disse ele: “Por isso ele faz seu povo retornar para cá, e fazem-se escorrer para eles as águas daquilo que está cheio. E disseram: ‘Como veio Deus a saber isso? E há conhecimento no Altíssimo?’” (Salmo 73:10, 11) O texto hebraico talvez queira dizer que, visto que os iníquos parecem prosperar, alguns dentre o povo de Deus adotam um conceito errado e são levados à mesma condição dos que violam a lei, dizendo: ‘Deus não se apercebe do que está acontecendo e não vai agir contra o que é violação da lei.’ Por outro lado, ver os maus violar a lei com aparente impunidade é como ter de beber uma poção amarga, o que induz a pessoa reta a perguntar: ‘Como pode Deus tolerar essas coisas? Será que não vê o que está acontecendo?’
SALMO 73:12)
“Eis que estes são os iníquos que são tranqüilos indefinidamente. Aumentaram os [seus] meios de subsistência.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Comparando a sua situação com a dos iníquos, Asafe disse: “Eis que estes são os iníquos que são tranqüilos indefinidamente. Aumentaram os seus meios de subsistência. Decerto é em vão que purifiquei meu coração e que lavo minhas mãos na própria inocência. E vim a ser afligido o dia inteiro, e minha correção vem cada manhã.” (Salmo 73:12-14) Asafe achava ser inútil levar uma vida reta. Os iníquos prosperavam, provavelmente ‘aumentando os seus meios de subsistência’ de modo fraudulento.
SALMO 73:13)
“Decerto é em vão que purifiquei meu coração E que lavo minhas mãos na própria inocência.”
it-1 p. 271 Atitudes, posturas e gestos
Inocência, e Negar Responsabilidade. Lavar as mãos. A inocência numa questão, ou o ato de isentar-se de responsabilidade, era demonstrada figurativamente por se lavarem as mãos. (De 21:6) O salmista declarou assim sua inocência no Salmo 73:13; veja também o Salmo 26:6.
it-1 p. 305 Banho
Apropriadamente, pois, a lavagem é usada de modo figurativo para indicar uma posição limpa perante Jeová. (Sal 26:6; 73:13; Is 1:16; Ez 16:9)
SALMO 73:14)
“E vim a ser afligido o dia inteiro, E minha correção vem cada manhã.”
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
E vim a ser afligido o dia inteiro, e minha correção vem cada manhã.” (Salmo 73:12-14)
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Pareciam escapar da penalidade aplicada à pior transgressão, mas Asafe sentia-se afligido “o dia inteiro” — desde que acordava até que se recolhia à noite. Achava que Jeová o corrigia toda manhã. Uma vez que isto não parecia justo, testava a fé de Asafe.
SALMO 73:15)
“Se eu tivesse dito: “Vou contar uma história tal como esta”, Eis que contra a geração dos teus filhos Eu teria agido traiçoeiramente.”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:15-17. Quando estamos confusos no nosso raciocínio, devemos refrear-nos de divulgar nossos pensamentos de perplexidade. Contar “uma história tal como esta” serviria apenas para desencorajar outros. Devemos meditar com calma sobre nossas preocupações e resolvê-las por nos associarmos com os nossos irmãos na fé. — Provérbios 18:1.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Reajuste no modo de pensar
Por fim, dando-se conta de que seu modo de pensar era errado, Asafe declarou: “Se eu tivesse dito: ‘Vou contar uma história tal como esta’, eis que contra a geração dos teus filhos eu teria agido traiçoeiramente. E eu o estive considerando para saber isso; foi uma desgraça aos meus olhos,
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:15-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Foi bom que Asafe não expressasse uma queixa audivelmente, porque dizer publicamente que não adiantava servir a Jeová podia ter desanimado membros da sua família de adoradores ou poderia ter minado a fé que tinham. Quanto melhor é ficar calado e fazer o que Asafe fez!
SALMO 73:16)
“E eu [o] estive considerando para saber isso; Foi uma desgraça aos meus olhos,”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:15-17. Quando estamos confusos no nosso raciocínio, devemos refrear-nos de divulgar nossos pensamentos de perplexidade. Contar “uma história tal como esta” serviria apenas para desencorajar outros. Devemos meditar com calma sobre nossas preocupações e resolvê-las por nos associarmos com os nossos irmãos na fé. — Provérbios 18:1.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
Reajuste no modo de pensar
Por fim, dando-se conta de que seu modo de pensar era errado, Asafe declarou: “Se eu tivesse dito: ‘Vou contar uma história tal como esta’, eis que contra a geração dos teus filhos eu teria agido traiçoeiramente. E eu o estive considerando para saber isso; foi uma desgraça aos meus olhos,
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:15-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Foi bom que Asafe não expressasse uma queixa audivelmente, porque dizer publicamente que não adiantava servir a Jeová podia ter desanimado membros da sua família de adoradores ou poderia ter minado a fé que tinham. Quanto melhor é ficar calado e fazer o que Asafe fez!
SALMO 73:17)
“Até que passei a entrar no grandioso santuário de Deus. Eu quis discernir o futuro deles.”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:15-17. Quando estamos confusos no nosso raciocínio, devemos refrear-nos de divulgar nossos pensamentos de perplexidade. Contar “uma história tal como esta” serviria apenas para desencorajar outros. Devemos meditar com calma sobre nossas preocupações e resolvê-las por nos associarmos com os nossos irmãos na fé. — Provérbios 18:1.
w93 15/7 p. 29 A prosperidade pode testar a sua fé
até que passei a entrar no grandioso santuário de Deus. Eu quis discernir o futuro deles.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:15-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Para entender por que os iníquos pareciam safar-se com a transgressão, ao passo que as pessoas retas sofriam, ele foi ao santuário de Deus. Aquele ambiente permitiu que Asafe meditasse calmamente no meio dos adoradores de Jeová, e seu modo de pensar foi reajustado. Portanto, hoje, se ficamos perplexos com o que vemos, busquemos igualmente as respostas às nossas perguntas por nos associarmos com o povo de Deus, em vez de nos isolarmos. — Provérbios 18:1.
SALMO 73:18)
“De fato, tu os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas.”
w99 1/9 pp. 21-22 pars. 10-11 Torne sua vida bem-sucedida!
10 Felizmente, Asafe não persistiu por muito tempo neste estado de desespero. Passou rapidamente a dar-se conta de que a aparente paz dos iníquos era apenas uma ilusão — e ainda por cima temporária! Ele exclamou: “De fato, tu os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas. Como eles num instante se tornaram um assombro! Como chegaram ao seu término, deu-se cabo deles por meio de terrores repentinos!” (Versículos 18, 19) Muitos dos da sua idade também estão em “terreno escorregadio”. Mais cedo ou mais tarde, colherão os frutos do seu comportamento ímpio, talvez uma gravidez indesejada, uma doença sexualmente transmissível, ou mesmo encarceramento ou morte! Pior ainda, ficam apartados de Deus. — Tiago 4:4.
11 Uma jovem Testemunha, na Espanha, viu isso pessoalmente. Como jovem, levava uma vida dupla, envolvendo-se muito com um grupo de jovens ímpios. Não demorou muito até ela se apaixonar por um deles — um viciado em drogas. Embora ela mesma não usasse drogas, comprava-as para ele. “Eu até mesmo o ajudava a inserir a agulha”, admite ela. Felizmente, esta irmã caiu em si e recuperou a saúde espiritual. Mas como ficou chocada quando algum tempo depois ficou sabendo que seu amigo, que usava drogas, tinha morrido de Aids! É mesmo como diz o salmista, os ímpios andam em “terreno escorregadio”. Alguns talvez morram inesperadamente em resultado do seu modo de vida desregrado. Quanto aos demais, a menos que mudem de comportamento, no futuro próximo se confrontarão com a “revelação do Senhor Jesus desde o céu, com os seus anjos poderosos, em fogo chamejante, ao trazer vingança sobre os que não conhecem a Deus e os que não obedecem às boas novas acerca de nosso Senhor Jesus”. — 2 Tessalonicenses 1:7, 8.
g96 22/7 p. 27 Por que outros jovens podem se divertir tanto e eu não?
Não demorou muito e Asafe chegou a uma importante conclusão sobre os ímpios, que vivem para o prazer: “De fato, tu os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas.” — Salmo 73:17, 18.
O mesmo vale para muitos dos seus colegas que vivem só para se divertir. Talvez pensem que estão se divertindo agora. Mas o usufruto do pecado é apenas temporário! (Hebreus 11:25) Por não seguirem as normas da Bíblia, estão num “terreno escorregadio” e correm o perigo de levar um terrível tombo, quando menos esperam. A Palavra de Deus declara: “O que o homem semear, isso também ceifará”.
w93 15/7 pp. 29-30 A prosperidade pode testar a sua fé
De fato, tu os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas. Como eles num instante se tornaram um assombro! Como chegaram ao seu término, deu-se cabo deles por meio de terrores repentinos!
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:15-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Asafe passou a dar-se conta de que Deus pusera os iníquos “em terreno escorregadio”. Visto que a vida deles gira em torno de coisas materiais, estão em perigo de sofrer um repentino colapso. O mais tardar, a morte lhes sobrevirá na velhice, e sua riqueza adquirida desonestamente não lhes garantirá uma vida mais longa. (Salmo 49:6-12)
SALMO 73:19)
“Como eles num instante se tornaram um assombro! [Como] chegaram ao seu término, deu-se cabo deles por meio de terrores repentinos!”
w93 15/7 pp. 29-30 A prosperidade pode testar a sua fé
De fato, tu os pões em terreno escorregadio. Fizeste que caíssem em ruínas. Como eles num instante se tornaram um assombro! Como chegaram ao seu término, deu-se cabo deles por meio de terrores repentinos!
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:15-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Asafe passou a dar-se conta de que Deus pusera os iníquos “em terreno escorregadio”. Visto que a vida deles gira em torno de coisas materiais, estão em perigo de sofrer um repentino colapso. O mais tardar, a morte lhes sobrevirá na velhice, e sua riqueza adquirida desonestamente não lhes garantirá uma vida mais longa. (Salmo 49:6-12)
SALMO 73:20)
“Igual a um sonho depois de acordar, ó Jeová, [Assim] desprezarás a sua própria imagem ao despertar.”
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Sua prosperidade será como um sonho passageiro. Talvez até mesmo a justiça os apanhe antes de atingirem a velhice, ceifando assim o que semearam. (Gálatas 6:7) Visto que viraram as costas para o Único capaz de ajudá-los, ficam desamparados, sem esperança. Quando Jeová agir contra eles, encarará a “imagem” deles — sua pompa e sua posição social — com desprezo.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Igual a um sonho depois de acordar, ó Jeová, assim desprezarás a sua própria imagem ao despertar.” — Salmo 73:15-20.
SALMO 73:21)
“Pois meu coração azedou E tive dores agudas nos meus rins,”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:21-24. Ficar ‘amargurado’ por causa do aparente bem-estar dos iníquos é comparável a reagir como os animais irracionais. Tal reação é impulsiva, baseada estritamente nas emoções.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Vigie suas reações
Por não ter reagido bem ao que via, Asafe admitiu: “Pois meu coração azedou e tive dores agudas nos meus rins,
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:21
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Remoer a prosperidade material dos iníquos e o sofrimento dos retos pode azedar ou amargar o coração da pessoa. Bem lá no íntimo — nos seus rins — a perturbação de Asafe com esta situação causava-lhe muitas dores.
SALMO 73:22)
“E eu era irracional e nada sabia; Tornei-me apenas como os animais, do teu ponto de vista.”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:21-24. Ficar ‘amargurado’ por causa do aparente bem-estar dos iníquos é comparável a reagir como os animais irracionais. Tal reação é impulsiva, baseada estritamente nas emoções.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
e eu era irracional e nada sabia; tornei-me apenas como os animais, do teu ponto de vista.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:21-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Do ponto de vista de Jeová, ele se tornou como animal irracional, reagindo à base de meras sensações.
SALMO 73:23)
“Mas, estou constantemente contigo; Seguraste-me a mão direita.”
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:21-24.
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
Em vez disso, devemos nos guiar pelos conselhos de Jeová, com total confiança de que ele ‘segurará a nossa mão direita’ e nos apoiará. Além disso, Jeová ‘nos levará à glória’, ou seja, a uma íntima relação com ele.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:21-
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
No entanto, Asafe ‘estava constantemente com Deus, que lhe segurava a mão direita’. Se errarmos no nosso modo de pensar, mas procurarmos o conselho de Jeová Deus, assim como Asafe fez, Ele nos pegará pela mão para apoiar-nos e guiar-nos. (Veja Jeremias 10:23.)
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Mas, estou constantemente contigo; seguraste-me a mão direita.
it-2 p. 763 Mão
Segurar Deus a mão direita de alguém fortaleceria a tal. (Sal 73:23)
SALMO 73:24)
“Tu me guiarás com o teu conselho E depois me levarás à própria glória.”
w13 15/2 pp. 25-26 pars. 3-5 Não permita que nada o impeça de receber glória de Deus
3 O salmista expressou confiança de que Jeová o seguraria pela mão direita e o levaria à verdadeira glória. (Leia Salmo 73:23, 24.) Como Jeová faz isso? Ele leva seus servos humildes à glória por honrá-los de muitas maneiras. Jeová os abençoa dando-lhes um entendimento de sua vontade. (1 Cor. 2:7) Aos que acatam a sua palavra e o obedecem ele confere a honra de terem uma estreita relação pessoal com ele. — Tia. 4:8.
4 Jeová também confia a seus servos o glorioso tesouro do ministério cristão. (2 Cor. 4:1, 7) E esse ministério leva à glória. Aos que usam seu privilégio de serviço para louvar a Jeová e beneficiar outros, ele promete: “Honrarei os que me honrarem.” (1 Sam. 2:30) Esses são honrados com um bom nome diante de Jeová e provavelmente gozam de boa reputação perante outros servos de Deus. — Pro. 11:16; 22:1.
5 Que dizer do futuro dos que ‘esperam em Jeová e guardam seu caminho’? Eles têm a promessa: ‘[Jeová] os exaltará para tomarem posse da Terra. Quando os iníquos forem decepados, vocês o verão.’ (Sal. 37:34) Eles aguardam receber a honra incomparável de ganhar vida eterna. — Sal. 37:29.
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
73:21-24.
w06 15/7 p. 12 Destaques dos livros terceiro e quarto dos Salmos
Em vez disso, devemos nos guiar pelos conselhos de Jeová, com total confiança de que ele ‘segurará a nossa mão direita’ e nos apoiará. Além disso, Jeová ‘nos levará à glória’, ou seja, a uma íntima relação com ele.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Tu me guiarás com o teu conselho e depois me levarás à própria glória.” — Salmo 73:21-24.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Somente por aplicarmos o Seu conselho podemos ser guiados a um futuro feliz. Talvez soframos humilhação por algum tempo, mas Jeová provocará a inversão disso, ‘levando-nos à glória’, ou honra.
SALMO 73:25)
“A quem tenho nos céus? E além de ti não tenho outro agrado na terra.”
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Reconhecendo a necessidade de confiar em Jeová, Asafe acrescentou: “A quem tenho nos céus? E além de ti não tenho outro agrado na terra.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:25
w93 15/7 pp. 30-31 A prosperidade pode testar a sua fé
Nós, iguais a Asafe, só temos Jeová em quem confiar para ter verdadeira segurança e consolo. (2 Coríntios 1:3, 4) Portanto, em vez de cobiçar as riquezas terrestres de alguém, sirvamos a Deus e armazenemos tesouros no céu. (Mateus 6:19, 20) Nosso maior deleite deve ser termos uma posição aprovada perante Jeová.
SALMO 73:26)
“Falharam-me o organismo e o coração. Deus é a rocha de meu coração e meu quinhão por tempo indefinido.”
w11 1/2 p. 29 “Este é o seu dia”
“Mantenha Jeová como a rocha do seu coração”. Falando sobre esse assunto cativante, baseado no Salmo 73:26, Gary Breaux, membro da Comissão de Filial dos Estados Unidos, ajudou os alunos a ver a necessidade de confiar em Jeová. Em que sentido Jeová é como uma rocha? “Uma rocha pode segurar um pedaço de papel numa tempestade de vento”, disse o irmão Breaux. “De modo similar, Jeová pode ser uma influência estabilizadora que pode proteger seu coração.” Naturalmente, o coração talvez nos engane quando nos confrontamos com testes de perseverança. (Jeremias 17:9) Um clima diferente, novas comidas, novos companheiros num lar missionário — qualquer uma dessas coisas pode levar alguém a pensar em desistir. “Vocês vão enfrentar situações em que terão de considerar opções e tomar decisões”, mencionou o irmão Breaux. “Vocês escolherão um proceder que agrada a Jeová? Se escolherem, Jeová se tornará ‘a rocha do seu coração’.
w11 15/9 p. 9 par. 9 Jeová é minha herança
Daí ele se referiu a Deus como seu quinhão. (Leia Salmo 73:26.) Embora “o organismo e o coração” do salmista ‘pudessem falhar’, Deus seria seu “quinhão por tempo indefinido”. O salmista confiava que Jeová se lembraria dele como amigo. O seu serviço fiel não seria esquecido. (Ecl. 7:1) Quanto ânimo isso deve ter dado a Asafe!
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Falharam-me o organismo e o coração. Deus é a rocha de meu coração e meu quinhão por tempo indefinido.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:25-
w93 15/7 p. 31 A prosperidade pode testar a sua fé
Mesmo que nosso organismo e nosso coração falhem, ele nos fortalecerá e dará estabilidade ao nosso coração, para não perdermos a esperança e a coragem no meio de adversidades. A intimidade com Jeová é um bem inestimável.
SALMO 73:27)
“Pois, eis que perecerão os mesmos que se mantêm longe de ti. Certamente silenciarás a todo aquele que te abandona imoralmente.”
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Pois, eis que perecerão os mesmos que se mantêm longe de ti. Certamente silenciarás a todo aquele que te abandona imoralmente.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Salmo 73:25-
w93 15/7 p. 31 A prosperidade pode testar a sua fé
A intimidade com Jeová é um bem inestimável. Abandoná-la significaria calamidade para nós junto com todos os que o abandonam.
SALMO 73:28)
“Quanto a mim, porém, chegar-me a Deus é bom para mim. Pus o meu refúgio no Soberano Senhor Jeová, Para declarar todas as tuas obras.”
w97 15/5 p. 32 ‘Em Deus me refugiarei’
‘Em Deus me refugiarei’
NESTES “tempos críticos, difíceis de manejar”, aumentam cada vez mais as tentações e as pressões. Por exemplo, nossa honestidade pode ser posta à prova no local de trabalho. Nossa castidade pode ser posta à prova entre colegas de escola. E nossa integridade muitas vezes é posta à prova pelo mundo moralmente corrupto. — 2 Timóteo 3:1-5.
Asafe, escritor bíblico, também viveu numa época em que florescia a iniqüidade. Alguns dos seus contemporâneos até mesmo se gabavam da conduta ímpia deles. “A altivez serviu-lhes de colar”, escreveu Asafe. “A violência envolve-os como um traje. Motejam e falam do que é mau; falam sobre a defraudação em estilo elevado.” (Salmo 73:6, 8) Parece-lhe esta atitude familiar?
Para os que desejam fazer o que é direito, uma conduta assim é muito aflitiva, até mesmo desanimadora. “Vim a ser afligido o dia inteiro”, lamentou Asafe. “Foi uma desgraça aos meus olhos.” (Salmo 73:14, 16) Você talvez pense o mesmo, mas não se desespere! Asafe conseguiu lidar com a iniqüidade existente nos seus dias, e você pode fazer o mesmo. Mas como?
Asafe passou a dar-se conta de que a verdadeira justiça é quase que impossível de encontrar sob o domínio imperfeito do homem. (Salmo 146:3, 4; Provérbios 17:23) Assim, em vez de desperdiçar seu tempo, energia e recursos preciosos, na tentativa de acabar com toda a iniqüidade em volta dele, concentrou-se na sua relação com Deus. Asafe declarou: “Quanto a mim, porém, chegar-me a Deus é bom para mim. Pus o meu refúgio no Soberano Senhor Jeová.” — Salmo 73:28.
Hoje em dia, os que se empenham em práticas comerciais corruptas muitas vezes obtêm vantagens materiais. Muitos até mesmo se gabam de desconsiderarem as leis de moral de Deus. Mas eles não prevalecerão indefinidamente. “De fato, tu os pões em terreno escorregadio”, observou Asafe. “Fizeste que caíssem em ruínas.” — Salmo 73:18.
w93 15/7 p. 30 A prosperidade pode testar a sua fé
Quanto a mim, porém, chegar-me a Deus é bom para mim. Pus o meu refúgio no Soberano Senhor Jeová, para declarar todas as tuas obras.” — Salmo 73:25-28.
w93 15/7 p. 31 A prosperidade pode testar a sua fé
Portanto, iguais a Asafe, cheguemo-nos a Deus e lancemos toda a nossa ansiedade sobre ele. (1 Pedro 5:6, 7) Isto promoverá nosso bem-estar espiritual e nos induzirá a falar a outros sobre as obras maravilhosas de Jeová.

ESTUDO BÍBLICO DE CONGREGAÇÃO:

ia cap. 19 §§ 17-31, quadro na p. 170, revisão na p. 171 (30 min)

parágrafo 18 Mat. 13:55, 56 Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas? 56 E não estão todas as suas irmãs conosco? Então, onde ele obteve tudo isso?”
parágrafo 21 Luc. 2:41-44 De ano em ano, seus pais costumavam ir a Jerusalém para a Festividade da Páscoa.42 E, quando ele tinha 12 anos de idade, subiram segundo o costume da festividade. 43 Quando a festividade terminou e eles começaram a viagem de volta, o menino Jesus ficou em Jerusalém, mas seus pais não perceberam. 44 Pensando que ele estivesse no grupo que viajava junto, percorreram a distância de um dia e então começaram a procurá-lo entre os parentes e conhecidos.
parágrafo 22 Luc. 2:45, 46 Mas, visto que não o acharam, voltaram a Jerusalém e o procuraram cuidadosamente.46 Pois bem, depois de três dias, eles o acharam no templo, sentado no meio dos instrutores, escutando-os e fazendo-lhes perguntas.
parágrafo 23 Luc. 2:47, 48 Mas todos os que o escutavam ficavam admirados com o seu entendimento e suas respostas. 48 Assim, seus pais ficaram espantados quando o viram, e sua mãe lhe disse: “Filho, por que você fez isso conosco? Olhe, seu pai e eu estávamos desesperados procurando você.”
parágrafo 25 Luc. 2:49 Mas ele lhes disse: “Por que estavam procurando por mim? Não sabiam que eu devia estar na casa do meu Pai?”
parágrafo 27 Efé. 6:4 E pais, não irritem os seus filhos, mas continuem a criá-los na disciplina e na instrução de Jeová.
Ou: “no conselho; na orientação”. Lit.: “na colocação de mente em”.
Veja Ap. A5.
Luc. 2:51, 52 Então ele desceu com eles e voltou a Nazaré, e continuou a estar sujeito a eles. Também, sua mãe guardava cuidadosamente todas essas declarações no coração. 52 E Jesus progredia em sabedoria e em desenvolvimento físico, e no favor de Deus e dos homens.
Ou: “continuou obediente”.
parágrafo 28 Luc. 2:51, 52 Então ele desceu com eles e voltou a Nazaré, e continuou a estar sujeito a eles. Também, sua mãe guardava cuidadosamente todas essas declarações no coração. 52 E Jesus progredia em sabedoria e em desenvolvimento físico, e no favor de Deus e dos homens.
Ou: “continuou obediente”.
parágrafo 30 Mar. 6:3 Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não estão as suas irmãs aqui conosco?” Assim, começaram a tropeçar por causa dele.
Mar. 6:3 Não é este o carpinteiro, filho de Maria e irmão de Tiago, José, Judas e Simão? E não estão as suas irmãs aqui conosco?” Assim, começaram a tropeçar por causa dele.
João 2:1-5 No terceiro dia se realizou uma festa de casamento em Caná da Galileia, e a mãe de Jesus estava lá.2 Jesus e seus discípulos também foram convidados para a festa de casamento. 3 Quando o vinho estava acabando, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm vinho.” 4 Mas Jesus respondeu: “O que eu e a senhora temos a ver com isso? Minha hora ainda não chegou.” 5 Sua mãe disse então aos que serviam: “Façam o que ele lhes disser.”
Lit.: “O que para mim e para você, mulher?” Esta é uma expressão idiomática que indica objeção.
João 19:26, 27 Assim, ao ver que a sua mãe e o discípulo a quem amava estavam ali perto, Jesus disse à sua mãe: “Este é o seu filho!” 27 A seguir disse ao discípulo: “Esta é a sua mãe!” E, dali em diante, o discípulo a levou para a casa dele.
Ou: “Mulher, este é o seu filho!”

A SENTINELA (ESTUDO) (2016)

SEMANA DE 11-17 DE JULHO DE 2016

COMO VOCÊ TOMA DECISÕES?

(1 Coríntios 6:9-10) 9 Ou será que vocês não sabem que os injustos não herdarão o Reino de Deus? Não se enganem. Os que praticam imoralidade sexual, os idólatras, os adúlteros, os homens que se submetem a atos homossexuais, os homens que praticam o homossexualismo, 10 os ladrões, os gananciosos, os beberrões, os injuriadores e os extorsores não herdarão o Reino de Deus.
(Mateus 28:19-20) 19 Portanto, vão e façam discípulos de pessoas de todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do espírito santo, 20 ensinando-as a obedecer a todas as coisas que lhes ordenei. E saibam que eu estou com vocês todos os dias, até o final do sistema de coisas.”

[ 4 ]

(Gênesis 9:4) 4 Somente não comam a carne de um animal com seu sangue, que é a sua vida.
(Atos 15:28-29) 28 Pois pareceu bem ao espírito santo e a nós não impor a vocês nenhum fardo além destas coisas necessárias: 29 que persistam em se abster de coisas sacrificadas a ídolos, de sangue, do que foi estrangulado e de imoralidade sexual. Se vocês se guardarem cuidadosamente dessas coisas, tudo irá bem com vocês. Saudações!”

[ 5 ]

(Romanos 14:19) 19 Assim, empenhemo-nos pelas coisas que promovem a paz e pelas coisas que edificam uns aos outros.
(Gálatas 6:7) 7 Não se enganem: de Deus não se zomba. Pois o que a pessoa semear, isso também colherá;

[ 6 ]

(Salmos 37:5) 5 Entregue o seu caminho a Jeová; Confie nele, e ele agirá em seu favor.

[ 7 ]

(Efésios 5:17) 17 Portanto, parem de ser insensatos, mas compreendam qual é a vontade de Jeová.

[ 8 ]

(Mateus 14:17-20) 17 Responderam-lhe: “Não temos nada aqui, a não ser cinco pães e dois peixes.” 18 Ele disse: “Tragam-nos aqui.” 19 E mandou que as multidões se sentassem na grama. Então pegou os cinco pães e os dois peixes e, olhando para o céu, proferiu uma bênção. E, depois de partir os pães, deu-os aos discípulos, e os discípulos os deram às multidões. 20 Assim, todos comeram e ficaram satisfeitos; e recolheram os pedaços que sobraram, 12 cestos cheios.
(Mateus 15:34-37) 34 Com isso, Jesus lhes disse: “Quantos pães vocês têm?” Disseram: “Sete, e alguns peixinhos.” 35 Portanto, depois de mandar a multidão se sentar no chão, 36 pegou os sete pães e os peixes, e, depois de dar graças, partiu-os e começou a dá-los aos discípulos, e os discípulos os deram às multidões. 37 E todos comeram e ficaram satisfeitos, e recolheram sete cestos grandes, cheios dos pedaços que sobraram.
(Mateus 4:2-4) 2 Depois de ter jejuado por 40 dias e 40 noites, ele sentiu fome. 3 E o Tentador se aproximou e lhe disse: “Se você é filho de Deus, diga a estas pedras que se transformem em pães.” 4 Mas ele respondeu: “Está escrito: ‘O homem não deve viver somente de pão, mas de toda palavra que vem da boca de Jeová.’”

[ 9 ]

(Provérbios 3:5-7) 5 Confie em Jeová de todo o seu coração; Não confie no seu próprio entendimento. 6 Lembre-se dele em todos os seus caminhos, E ele endireitará as suas veredas. 7 Não se torne sábio aos seus próprios olhos. Tema a Jeová e afaste-se do mal.
(Ezequiel 11:19) 19 Eu lhes darei um coração unificado e porei neles um novo espírito; tirarei de seu corpo o coração de pedra e lhes darei um coração de carne,

[ 11 ]

(Salmos 25:4-5) 4 Faz-me saber os teus caminhos, ó Jeová; Ensina-me as tuas veredas. 5 Faz-me andar na tua verdade e ensina-me, Pois tu és o Deus da minha salvação. ו [vau] Em ti espero o dia inteiro.

[ 13 ]

(Lucas 18:29-30) 29 Ele lhes disse: “Eu lhes garanto: Não há ninguém que tenha deixado casa, esposa, irmãos, pais ou filhos por causa do Reino de Deus 30 que não receba muitas vezes mais neste tempo e, no futuro sistema de coisas, a vida eterna.”
(Salmos 119:108) 108 Por favor, aceita com prazer as minhas ofertas voluntárias de louvor, ó Jeová, E ensina-me os teus julgamentos.
(2 Coríntios 9:7) 7 Faça cada um conforme resolveu no coração, não a contragosto nem por obrigação, pois Deus ama quem dá com alegria.

[ 14 ]

(1 Timóteo 2:9-10) 9 Da mesma forma, as mulheres devem usar roupa decente, adornando-se com modéstia e bom critério, não com estilos de tranças, nem com ouro ou pérolas, nem com roupa muito cara, 10 mas do modo próprio das mulheres que professam devoção a Deus, isto é, com boas obras.
(1 Coríntios 10:23-24) 23 Tudo é permitido, mas nem tudo é vantajoso. Tudo é permitido, mas nem tudo edifica. 24 Que cada um persista em buscar não a sua própria vantagem, mas a da outra pessoa.
(Filipenses 3:17) 17 Irmãos, tornem-se unidamente meus imitadores, e observem os que andam de um modo que está de acordo com o exemplo que nós demos a vocês.

[ 15 ]

(Gênesis 6:5-6) 5 Assim, Jeová viu que a maldade do homem era grande na terra e viu que toda inclinação dos pensamentos do seu coração era só má, todo o tempo. 6 Jeová lamentou ter feito os homens na terra, e seu coração se entristeceu.
(Tiago 3:17) 17 Mas a sabedoria de cima é primeiramente pura, depois pacífica, razoável, pronta para obedecer, cheia de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem hipocrisia.

[ 16 ]

(Tito 2:3-5) 3 Igualmente, as mulheres idosas devem ser reverentes no comportamento, não caluniadoras, não escravizadas a muito vinho, instrutoras do que é bom, 4 para que aconselhem as mulheres mais jovens a amar o marido, a amar os filhos, 5 a ser sensatas, castas, diligentes nos afazeres domésticos, bondosas, sujeitas ao marido, a fim de que não se fale mal da palavra de Deus.
(Tiago 5:13-15) 13 Há alguém sofrendo entre vocês? Que ele persista em orar. Há alguém animado? Que ele cante salmos. 14 Há alguém doente entre vocês? Que ele chame os anciãos da congregação, e que eles orem por ele, colocando óleo nele em nome de Jeová. 15 E a oração de fé fará que o doente fique bom, e Jeová o levantará. Também, se ele tiver cometido pecados, será perdoado.
(Hebreus 5:14) 14 Mas o alimento sólido é para as pessoas maduras, para aqueles que pelo uso têm sua capacidade de discernimento treinada para saber distinguir tanto o certo como o errado.
(Gálatas 6:5) 5 Pois cada um levará a sua própria carga.

[ 17 ]

(Tiago 4:8) 8 Acheguem-se a Deus, e ele se achegará a vocês. Limpem as mãos, ó pecadores, e purifiquem o coração, ó indecisos.
(Jó 26:14) 14 E essas são apenas as beiradas dos seus caminhos; O que ouvimos sobre ele é somente um leve sussurro! Então quem pode entender seu poderoso trovão?”
(Provérbios 2:1-5) 2 Meu filho, se você aceitar as minhas declarações E guardar no coração os meus mandamentos, 2 Ouvindo atentamente a sabedoria E inclinando o seu coração ao discernimento; 3 Além disso, se você clamar pelo entendimento E erguer a voz pedindo discernimento; 4 Se você persistir em procurar essas coisas como a prata E continuar a buscá-las como a tesouros escondidos; 5 Então você entenderá o que significa temer a Jeová E achará o conhecimento de Deus.
(Salmos 33:11) 11 Mas as decisões de Jeová permanecerão para sempre; Os pensamentos do seu coração, de geração em geração.

Clique na imagem para Baixar informações completas em arquivos digitais para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

Baixar informações para o estúdio pessoal para Computador desktop, Laptop, Tablet, celular e Smartphone

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS