Biografia de Oreste Del Buono

Revoluções editoriais

8 de março de 1923
30 de setembro de 2003
ODB: isto é as iniciais dele e ao mesmo tempo, uma espécie de marca do homem que deu a conhecer em quadrinhos de Itália de amendoim por Charles Schulz. Redutora, certamente qualifica, desde Oreste Del Buono foi um dos melhores intelectuais do pós-guerra da Itália e irregular. No entanto, intolerante de definições, não toleraria ser chamado de um intelectual, ele era muito mais do que muitos. Gentil, irritado pelas injustiças e atos de arrogância, de bom ele coletou uma quantidade considerável de "demissão" que levou-o a emigrar em muitas redações. Nascido em 8 de março de 1923 para a ilha de Elba, Oreste Del Buono desde infância desempenhou atividade cultural através da placa. Escritor, jornalista, crítico e consultor editorial, fez sua estréia em 1945 com o livro "conto de inverno" romance que relata a sua experiência de deportado para um campo de concentração nazista. Em textos posteriores aborda as razões de que definiu a derrota histórica de sua geração: daí "por pura ingratidão" de 1961, "os piores anos de nossas vidas", de 1971; "Vai voltar", de 1976, "o espião" de 1984, "nossa classe dominante", de 1986, "Amigos, amigos de amigos, professores...", de 1994. Dissertação argumentativa escritor e tradutor literário, contundente foi também um valioso cupom.
Em seu livreto há mais de 190 obras de escritores como Proust, Flaubert, Maupassant, Stevenson e Oscar Wilde; ODB foi também editor de antologias do gênero detetive, do qual ele foi um grande amante e conhecedor. É memorável sua direção de 1971 a 1981 em quadrinhos revista "Linus", que, além disso, para ver como já mencionado, o gênio de Schulz e seus amendoins, tornou-se um viveiro de grandes estilistas nacionais e internacionais. Está agora amplamente considerado um dos grandes méritos do bom era que ele tinha "limpo" a história em quadrinhos, dando dignidade e substância, como, não apenas selecionando o melhor e mais maduros expoentes do gênero, mas também fazê-lo concretamente dar seus primeiros passos fora do gueto em que foi rebaixado desde ' 60. Mais tarde, ele colaborou com o "Corriere della sera" e "Panorama", bem como La stampa de Turim, em que durante anos realizados uma famosa coluna de cartas com os leitores.
Esta predisposição cultural onívora também pode ser explicada por uma peculiaridade do lifestyle de Odb: atormentado por uma invencível insônia, ler e escreveu até o amanhecer. Ele não tinha como contar quantas vezes ele dormia mais de três horas por noite. Oreste Del Buono, que mesmo em tempos difíceis, ele nunca perdeu sua proverbial ironia, faleceu em 30 de setembro de 2003 após uma longa enfermidade, com a idade de 80 anos. Para o jornalista Nico Orengo, amigo íntimo do autor desapareceu, Oreste Del Buono é "um dos intelectuais que têm subvertido, inovou, mudou a paisagem de italiano de publicação, de jornais, revistas, a série editorial, como os grandes editores como Calvino, Vittorini, Salem, Sereni e editores que Bompiani, Mondadori".
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.