PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Manu Chao

ADS BY GOOGLE

Espírito nômade e rebelde

21 de junho de 1961
Talvez quando ele compôs sua música trancada em sua cabana, sonhando com o sucesso, mas é improvável que imaginei a magnitude assumida internacional no auge de sua carreira. O fato é que José Manuel Thomas Artur Chao antes de se tornar mundialmente conhecido sob o nome de Manu Chao (mas por um tempo foi conhecido como Oscar Tramore), era uma guitarra simples. Agora, em vez disso tornou-se o banner do movimento não-global, símbolo de canto dos menos afortunados do mundo e aqueles que questionam a atual política neoliberal que está se espalhando pelo globo, e que, desse ponto de vista, está destruindo os planeta e empobrecendo grandes fatias da população do mundo. Um ícone, como tantos, rebelde dentro do universo variado, mas também uma responsabilidade é tão fofo personagem, nascida em Paris em 21 de junho de 1961 (sua mãe era de Bilbao e o pai dela é um nativo da Galiza), às vezes parece aceitar com algum medo.
O amor de explorados, marginalizados e perseguidos é ainda uma herança de família. Em sua casa, seu pai já deu a hospitalidade para muitos refugiados de ditaduras sul-americanas. O pequeno Oscar teve a oportunidade, em uma batida de violão pequeno miserável e o outro puxou para baixo da parede do corredor que dele tinha pendurado como um elemento decorativo, para ouvir os discursos de intelectuais e artistas fugiram de suas terras. Passam alguns anos e o jovem Oscar, agora amigos chamam de Manu, começa a ser notado no ambiente parisiense música underground tocando rockabilly band "Hot Pants", com "Joint de Culasse" e "Los Carayos". Em 1987, com a ajuda de seu primo Santos Casariego, ex-baterista da "Hot Pants", realizar o sonho de montar um grupo aberto a qualquer estilo musical, do rockabilly ao reggae, do rap ao ska, de salsa de flamenco. Ele fundou o "Mano negra", tendo seu nome do grupo anarquista andaluza e reunindo em torno dele francês, músicos do norte de África, de origem espanhola. O resultado é novo e estações de rádio de som alternativas, especialmente para os ouvidos americanos, acostumados a slop insípido do típico 80 ' s.
Graças a excitantes performances ao vivo (maior parte do tempo, especialmente as áreas mais abandonadas dos subúrbios franceses metropolitanas) e particularmente bem sucedidos álbuns como "Febre de Puta" (1989), "Rei de Bongo" (1991) "Casa Babylon" (1993), Mano Negra, estão se reunindo com sucesso que excede todas as expectativas. A bem sucedida aventura com a banda, no entanto, termina em 1994, "por falta de motivos originais," como dirá Manu. Dá em seguida, iniciar em outro projeto: reunir velhos e novos amigos, movendo-se juntos em um espaçoso apartamento de Gran Via de Madrid, e dar origem a um coletivo de músicos. O projeto é realizado sob o nome "Rádio Bemba" e no começo parece dar bons resultados. Mas Manu, espírito nômade e rebelde, não consegue pegar estrelas. Cumprimente seus amigos com um "adeus" e folhas para uma longa viagem que vai levá-lo para bater as estradas empoeiradas de África, América Latina e o primeiro, então. Volta com uma mochila cheia de fitas em que ele gravou sons, vozes, histórias das culturas ele conheceu ao longo do caminho. Chamar os velhos amigos, além de outros novos. Todos respondem a chamada, trazendo seu próprio instrumento.
Fecha em um estúdio de gravação com eles e, em pouco tempo, ele gravou seu primeiro álbum solo, "Clandestino" (1998), um álbum que predominam os ritmos mexicanos, brasileiros ou Orvieto, com músicas cantadas em diferentes idiomas (espanhol, inglês, Português e francês), contando todas as suas andanças na música. Tinha que ser um álbum para alguns amigos próximos, em vez disso, se tornou um sucesso mundial, o resultado também mais boca-a-boca que o aviso de sempre, batendo a campanha de marketing. O sucesso se repete com o segundo álbum, "Proxima estacion: Esperanza" (2001). A fórmula é o mesmo que o trabalho anterior, mas aqui parece que mais apresentam um humor alegre e festeiro, embora obviamente há rebocadores contra o opressor e o sofrimento dos excluídos.
Sentimento de Manu Chao para com os despossuídos da terra não é apenas formal, mas também prático: como o tempo que ele viajou para Chiapas para segurar um concerto para os índios da comunidade de Polho (perto o zapatista, o exército de libertação nacional). Parado pela polícia, pobre Manu Chao foi realizada por várias horas no cofre da polícia mexicana. Lançado para a vida selvagem em um curto espaço de tempo, ele voltou a cantar suas canções, tão coloridas e saborosas, na frente de um público que ama tanto e tanto retribuído.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

ADD THIS