PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Joan Crawford

Sensibilidade interpretativa

23 de março de 1904
10 de maio de 1977
Brilha a estrela de filmes de Hollywood dos anos dourados, Joan Crawford tinha uma intrigante sensualidade e uma carga dramática envolvente: na tela trouxe principalmente personagens de mulheres independentes e gelo, ligado a valores americanos saudáveis mas que colocar os pés na sua cabeça, e quem usar seu sex-appeal e sua confiança para fazer o seu caminho na vida e no trabalho. Na parte inferior do real Joan Crawford foi só isso. Nascido como Lucille Fay Le Sueur em San Antonio, Texas (EUA), 23 de março de 1904. Alto e bonito, muito jovem estréia como dançarina, ele participa então na Broadway na comédia musical "Innocent Eyes" em seguida, após vencer um concurso de dança, é convertida em Hollywood, que o Lance como diva nos últimos anos da era do cinema mudo.
Depois de uma pequena parte em filmes menores, com as "irmãs" (nossa dança filhas, 1928) por Harry Beaumont, Joan Crawford interpreta seu trunfo: neste filme faz com que a versão mais bem sucedida da jovem bailarina da idade do jazz, decidida a viver a vida que ele merece. É agora uma estrela tem vinte e quatro, um contrato de três anos com a Metro Goldwyn Mayer, agora começou a se tornar o produto perfeito do sistema de estúdio de Hollywood. Para entrar no mundo lindo de Hollywood se casa com o jovem ator Douglas Fairbanks Jr, conseguindo assim participar em festas realizadas em Pickfair, domínio de Fairbanks sr. e Mary Pickford.
Joan Crawford ao longo do tempo comprar uma elegância notável e um mais refinado charme, mas principalmente aperfeiçoou sua atuação, tornando-se mais multifacetada. A tela decida aparecer com seus lábios carnudos sublinhados fortemente pelo batom abundante, os lindos olhos fixados de modo a fazê-los parecer maiores, o resto do rosto feito semelhante a uma forma clássica. O resultado é um novo, casal Joan Crawford, pronto para interpretar esses personagens femininas que vão trazer mulheres mais famosas, românticas e ousada, que faz com que sua sensibilidade interpretativa sofreu heroínas trágicas.
No ' romeiros, depois de Greta Garbo, a primeira diva da MGM, amado por homens e mulheres. Entre seus melhores papéis deste período incluem a estenógrafa desinibida que se deixa ser cortejar por um barão ladrão (interpretado por John Barrymore) no "Grand Hotel" (grande Hotel, 1932) por Edmund Goulding, volúvel e inconstante menina que, abandonada no altar, não pode ir a casamento errado duas vezes em saboroso "La donna è mobile" (renunciando a todos os outros, 1934) por W.S. Van Dyke , um dos muitos filmes onde ele se juntou com dançarina estrela Clark Gable, do alegre, que está enfrentando a hostilidade dos parentes de seu marido-neo no melodrama "Obsessão" (The Shining Hour, 1938), por Frank Borzage, perfume e oportunista que rouba o marido de uma mulher de classe alta na satíricas "mulheres" (as mulheres, 1939) por George Cukor.
No início da ' 40 's mesmo na brecha, quando interpretando a mulher marcada por um acidente de infância que deformou o rosto no sugestivo "rosto feminino" (A mulher cara, 1941) por George Cukor, mas logo percebe que muito não conta para a MGM ela, especialmente por causa de sua idade "Avançada" e o booster do escritório de caixa dos pobres que está começando a ter seu nome. Então, a atriz deixou o Metro para a Warner Bros. Aqui obtém grande sucesso com a interpretação doloroso da mulher divorciada lutando com os problemas de uma filha adolescente em engajar noir "Mildred Pierce" (Mildred Pierce, 1945) por Michael Curtiz, para o qual ele recebe um Oscar de melhor atriz.
Esta será uma grande oportunidade para sua carreira, que conseguiu demonstrar plenamente sua extraordinária interpretativa, representando a tristeza com tons realistas. Torna-se cada vez mais um modelo para as mulheres americanas, para o estilo e a tenacidade com que a tela enfrenta as tragédias da vida, sempre saiu vitorioso. Assim que a televisão começa a invadir a terra do show, os espectadores de seus filmes são emagrecimento, mas em 1952, a atriz dá novas provas de vitalidade como um thriller, "Eu sei que você não vai me matar" (medo repentino) por David Miller, e quando ele retornou para a MGM irá realizar no musical "a máscara e o coração" (canção de tocha, 1953) de Charles Walters, em que Além de atuar, mostra uma silhueta ainda invejável. Em 1954, o centro novamente com seu retrato de Viena, o proprietário de um salão em western "Johnny Guitar" (Johnny Guitar) por Nicholas Ray, uma ópera incomum que marcou uma viragem aponte no gênero.
Depois de participar de algum melodrama medíocre, Joan Crawford revive um novo momento de sucesso internacional, disputando o ex-estrela de cinema da intimidação irmã louca paralítica vítima truculento "o que aconteceu a Baby Jane?" (O que terá acontecido a Baby Jane?, 1962) por Robert Aldrich, ao lado de seu inimigo histórico, Bette Davis. O filme mostra a chama a atenção de Hollywood e o público. Nos anos seguintes a atriz é usada em uma série de filmes de terror o nível médio, incluindo pelo menos cinco corpos sem cabeça "(estreito raquete, 1963) e" aos olhos dos outros "("Eu vi o que fizeste, 1966) ambos por William Castle. Em 1970, após uma breve participação no horror medíocre "terror de Londres" ("troll"), Joan Crawford se aposenta de agir para seguir a campanha publicitária para a Pepsi-Cola, que era um importante executivo Alfred Steele, o quarto e último marido. Há muito tempo uma vítima de problemas nervosos e alcoolismo, a última vez que a atriz tem uma crise mística que leva ao participar ativamente de uma seita religiosa. A Joan Crawford 10 de maio de 1977, morreu de câncer no pâncreas. O ano depois de sua morte, sua filha adotiva, que Christina, amargurada por ter sido excluídas do testamento, escreve um livro perturbador revelador intitulado "mamãezinha querida" (original "Mamãezinha querida"), que dá uma imagem de uma mulher e mãe de Crawford edificante. Em pouco tempo, o livro torna-se um best-seller, e em 1981 fez filme dirigido por Frank Perry, que aproveita o retrato esplêndido de Faye Dunaway como Joan Crawford.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

LINKS PATROCINADOS

ADDTHIS