Biografia de Jimmy Carter

Mediação de Nobel

1 de outubro de 1924
Nobel da paz em 2002, James Earl Carter disse que Jimmy, 39° Presidente dos Estados Unidos, nasceu no dia 1 de outubro de 1924, em Plains (Geórgia) em uma família Batista com interesses na agricultura. Após graduar-se na Academia Naval em Annapolis, Maryland, em 1946, noiva de Carter Rosalynn Smith. Deste casamento nasceram quatro filhos: John William, James Earl II, Donnel Jeffrey e Amy Lynn.
Após sete anos de serviço como um oficial da Marinha na futura presidente americano volta para planícies para se jogar desenfreada na arena política, que irá desenhar os primeiros frutos substanciais desde 1979, tornando-se governador da Geórgia. Já por esta altura que Carter ergue-se como administrador de cuidado e na aresta de corte, especialmente contra os problemas que ele enfrenta. Um por todos: o tema de ecologia que, no final dos anos 60, é de conisderarsi; Mas ele também lida com barreiras raciais, que despreza abertamente. Forte consenso obtido com batalhas ainda difícil, impopular e desafiador, anuncia sua candidatura à Presidência em dezembro de 1974 por dando origem a uma longa campanha de há dois anos. Na Convenção Democrata foi indicada no primeiro escrutínio; escolheu o senador Walter f. Mondale como seu companheiro.
Depois leva uma dura campanha contra a Ford, no entanto brilhantemente vencido. Durante a sua Presidência Carter trabalha duro para combater o crescimento da inflação e aumento do desemprego. Infelizmente, no final de sua administração, a taxa de juros e inflação gravar valores de registo e os esforços para reduzir-lhes causam uma recessão curta. Na política interna, desenvolve um plano para a política energética destinada a combater a falta de energia, baseada sobre a liberalização dos preços do petróleo nacional para estimular a produção. Eficiência do governo é aumentada através da reforma do serviço público e procede à liberalização do sector da aviação e do transporte. Sempre forte nele é a atenção para o problema ambiental. Em política externa, em vez de apoio do Carter para a questão dos direitos humanos é recebida friamente pela União Soviética e outros países.
No Médio Oriente, através do acordo de Camp David, de 1978, Carter faz sua contribuição para a resolução das diferenças entre Egito e Israel. Constrói uma densa rede de relações diplomáticas com a República Popular da China. Conclui o Tratado à limitação da energia nuclear (sal II) com a União Soviética. Mas o Tratado é suspenso após a invasão do Afeganistão por Moscou. Nos últimos 14 meses da administração Carter são dominados pela notícia da apreensão dos e.u. eram funcionários da embaixada no Irã. As consequências da apreensão e o aumento contínuo da inflação contribuem para sua derrota por Ronald Reagan em 1980.
Depois de deixar a casa branca, Carter retorna à Geórgia, onde em 1982 fundou a organização sem fins lucrativos Carter Center em Atlanta para promover a paz e os direitos humanos no mundo. O prêmio de Nobel para Jimmy Carter foi motivado pela "das décadas de esforços dedicados para encontrar soluções pacíficas para conflitos internacionais, para fazer avançar a democracia e os direitos humanos e promover o desenvolvimento económico e social". "Durante a sua Presidência, -lê o comunicado divulgado pela norueguesa Nobel Comité - entre 1977 e 1981, mediação de Carter foi uma contribuição vital para os acordos de Camp David entre Israel e Egito, em si mesmos caudal suficiente para se qualificar para o prêmio Nobel da paz. Uma época em que a guerra fria entre Oriente e Ocidente era ainda predominante, ele colocou ênfase renovada sobre o papel do Carter direitos do homem na política internacional".
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.