PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

Biografia de Francesco Crispi

O grande sonho de uma nação

4 de outubro de 1818
12 de agosto de 1901
Francesco Crispi nasceu em Ribera (Agrigento), em 4 de outubro de 1818. Seus pais são Thomas Crispi, negociante de grãos que tem também ocupou o cargo de prefeito de Ribera duas vezes e Josephine. Francis, ao nascer, ele foi batizado com o rito grego de acordo com as tradições da Igreja Oriental, porque para a linha paterna descende de uma família de origem albanesa; seu avô paterno, aliás, é um padre da Igreja Católica Ítalo-Albanesa, enquanto seu tio Joseph é um bispo e reitor do seminário Grego-Albanês. Francis passa uma infância Serena na Sicília, Ribera, com seus pais. É um bebê jovial, socializar com seus colegas com quem ele gosta de viajar o país. Ele frequentou a escola primária em Villafranca Sicula e em algum momento entre 1828 e 1835, estudou no seminário de grego-albanesa, onde por um tempo ele também serviu seu tio Giuseppe.
Dois anos mais tarde, sem dizer uma palavra à sua família, juntou-se em casamento com Rosa D'Angelo da qual ele tem dois filhos. Alguns anos mais tarde um evento dramático afeta profundamente Crispi, na verdade, seus dois filhos e morre sua esposa. Como resultado desse evento trágico, matriculou-se na Universidade de Palermo, onde se dedicou ao estudo do direito. Um pouco mais tarde, também fundou um jornal que ele dirige, "Oreteo. Nova revista de literatura e conhecimento útil ". Em 1843, ganhou um Bacharel em direito e, sendo capaz de exercer a profissão de advogado, mudou-se para a cidade de Nápoles. Durante as revoltas que eclodiram na cidade de Palermo, cinco anos mais tarde em Sicília e lutaram ao lado de rebeldes que querem a independência. Os rebeldes são capazes de obter a vantagem, ficando a vitória. Nesta circunstância Crispi juntou-se ao Parlamento siciliano e o novo governo provisório.
Em 15 de agosto de 1849, no entanto, o governo provisório entra em colapso, porque ele restaurado o governo de Bourbon. Não se anistia, pelo qual ele é forçado a deixar a Sicília para refúgio em Piemonte, onde ganhar a vida trabalhando como jornalista. Quatro anos mais tarde é forçado a deixar mesmo o Piemonte, que está envolvido na conspiração organizada por Mazzini e seus homens em Milão. Encontrar abrigo em Malta, onde a noiva Rosalia Montmasson e mais tarde em Paris, mas foi novamente expulso. Nesta ocasião, foge para Londres, onde ele recebe-lo, Giuseppe Mazzini. Aqui continua a lutar por uma Itália unida. Em breve de volta na Itália, onde ele está lutando novamente para o grande sonho nacional. Viajando incógnito na Sicília com o objectivo de preparar a revolta siciliana de 1860. Junto com Garibaldi e seus homens, tomou parte na expedição do mil começou em 5 de maio do mesmo ano com o desembarque na Sicília, Marsala. Finalmente a Sicília é gratuito e Garibaldi tem o controle da ilha. Charles se torna o ministro do Interior do governo provisório da Sicília por um curto período de tempo por causa de mal-entendidos entre Garibaldi e Cavour. Ele logo se tornou o Secretário de Garibaldi e após ter contribuído para a realização do seu grande sonho, unidade nacional, em 1861 entrou para o Parlamento italiano nascente.
Joga dentro do partido republicano, apoiando abertamente na extrema esquerda. Três anos mais tarde, em vez disso, suporta a monarquia atual, afirmando que a forma monárquica de governo combina a Itália, enquanto o republicano formam a divisão. Em 1866 recusou-o por Bettino Ricasoli, que é tornar-se parte de seu governo e no ano seguinte, tentando fazer os partidários não invadir os Estados Pontifícios. Naqueles anos tentando de todas as formas de intervir para tentar travar uma possível aliança entre Itália e França, que na década de 70 início de 1800 está envolvido na guerra contra a Prússia. Também é propício para o pager do governo Lanza em Roma. Em 1873, apoia a candidatura de Agostino De Pretis como primeiro-ministro italiano. Três anos mais tarde, tendo subido à esquerda no governo, torna-se presidente da câmara. Cobrindo este cargo político importante, o tempo de viagem entre Paris, Londres e Berlim, onde estabeleceram relações cordiais com Bismarck, Granville, Gladstone e outras grandes estadistas. Em dezembro de 1877 foi eleito Presidente do Conselho, ter que assistir a uma série de eventos que estão ocorrendo na Itália.
Em Janeiro do ano seguinte que o rei Vittorio Emanuele II morre, isso vai acontecer Umberto. Durante seu reinado, Charles leva o governo italiano, em nome de uma monarquia unida, porque o Rei Umberto está proclamando rei com o nome de Umberto I, rei da Itália e não pelo nome de Umberto IV de Saboia. O relacionamento com sua esposa Rosalia Montmasson torna-se mais áspero e logo consegue obter a anulação do casamento, que foi comemorado em Malta. No mesmo ano casa-se com Lina Barbagallo, mulher nobre, parte da dinastia Bourbon, que levou anos antes até uma filha. A oposição acusa-o de bigamia, desde que casou com ambos Malta na Itália. Após setenta dias de governo, Crispi deve apresentar sua demissão. Depois de nove anos consegue novamente na política, sendo nomeada ministro do Interior do governo De Pretis. Em 1889, substitui este último ao leme do governo. Política externa muito intensa, realizada sob a sua regra.
Em primeiro lugar, depois de ter viajado à Prússia para obter esclarecimentos de Biamarck sobre o funcionamento da Tríplice Aliança Itália participou da juntamente com a Áustria e a Prússia, fortalece as relações com o país alemão. Posteriormente fortalece as relações com a Inglaterra, já bem tempo depois quando um Tratado Naval entre os dois países. Em vez deles legal das relações com a França, porque eles se tornar improdutivas negociações para um acordo de comércio entre os dois países. Na política interna italiana, o governo é que Crispi adota uma série de medidas importantes, incluindo a reforma pretendida trocar o administração da justiça italiana, o código de saúde e o processamento do código comercial. Até a queda de seu governo, que teve lugar em 31 de janeiro de 1891, ele consegue conduzir o país com a ajuda do direito, não sendo capaz de ter mais o apoio do partido radical italiano. Após a queda do governo Crispi e o breve período do governo liberal-conservador de Di Rudinì, Itália é liderada por Giovanni Giolitti, um membro do grupo político crispino. O governo liderado pelo Giolitti não durou muito, porque estes falhar para restaurar a ordem pública, após a agitação começou na Sicília e em Lunigiana e porque é posta em causa durante o Roman escândalo do banco. A opinião pública italiana quer conduzir o país novamente Crispi. Seu segundo governo é muito conservador e autoritário, porque as ordens para reprimir pela força as repercussões para os trabalhadores, para dissolver o Partido Socialista dos trabalhadores italianos.
Garante o desenvolvimento da indústria italiana, apoiando nomeadamente sector do aço e a metalurgia. Em 1895 Obtém uma maioria nas eleições. No ano seguinte, após a derrota na batalha de Adwa, o exército italiano, relatado por Crispi demite-se. Apesar disso, ele continuou sua carreira política e foi eleito para a Universidade de Palermo, tendo um grande apoio popular. Por causa de sua saúde pobre, Francesco Crispi morreu em 12 de agosto de 1901, com a idade de 83 anos.
Artigo aportado pela equipe de colaboradores.

PESQUISAR CONTEÚDO

Custom Search

LINKS PATROCINADOS

ADDTHIS